Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
2Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Ajudas Técnicas-Produtos de Apoio para pessoas com deficiência_Despacho_2027_2010

Ajudas Técnicas-Produtos de Apoio para pessoas com deficiência_Despacho_2027_2010

Ratings: (0)|Views: 200|Likes:
Published by Carolina Pereira

More info:

Categories:Topics, Art & Design
Published by: Carolina Pereira on Mar 26, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/27/2014

pdf

text

original

 
4412
Diário da República, 2.ª série — N.º 20 — 29 de Janeiro de 2010
Em representação do IEFP, I. P., na Delegação da AEP, deslocaçãoà Alemanha, no âmbito de um Projecto de Cooperação entre Governosda Alemanha e Portugal.Em representação do IEFP, I. P., no grupo de trabalho conjunto paraa implementação do Projecto FPTRANS, Programa conjunto do IEFP,IP-DRN com a Junta da Galiza e Projecto FORIET, no âmbito do Pro-grama Interreg III.
Nota Curricular 
Doroteia Maria Sequeira de Sousa Abraão, nascida a 10 de Agostode 1961.
Licenciada em Direito (ciências jurídicas), pela Universidade de
Coimbra.Estágio de Advocacia concluído em 1989.No período compreendido entre 1989 e 1994, exercício efectivo daadvocacia.
No período compreendido entre 1989 e 1990, Docente na Escola
Secundária Camilo Castelo Branco.
No período compreendido entre 1991 e 1993, Docente na EscolaSecundária de S. Pedro e na Escola Profissional ISEFOC, hoje Esc.
Prof. Agostinho Roseta (1998/94) em Vila Real.
Ingressou na Administração Pública, Quadro Privativo da Câmara
Municipal de Sabrosa em 1994, tendo exercido o cargo dirigente de
Chefe de Divisão Administrativa e Financeira e de Notária Privativa
até 2007 (estando na carreira/categoria de técnica superior de direito,assessora principal);Formadora no CEFA, Centro de Estudos e Formação Autárquica deCoimbra nos cursos de Administração Autárquica no Pólo de Vila Real
(1995/97) e no Pólo do Porto na Universidade Portucalense (2002 a
2007);
Participou no 1.º Seminário de Alta Direcção em Administração Local
promovido pelo CEFA.
No período compreendido entre Setembro de 2007 e 28 de Dezembro
de 2009, exerceu o cargo de Directora de Centro do Centro de Formação
Profissional de Vila Real.202835895
Instituto Nacional para a Reabilitação, I. P.
Despacho n.º 2027/2010
Ajudas Técnicas/Produtos de Apoio para pessoas com deficiência
O Despacho Conjunto n.º 27731/2009, dos Ministros do Trabalho eda Solidariedade Social e da Saúde, publicado no
Diário da República,
2.ª série, n.º 250, de 29 de Dezembro de 2009, determina que com-
pete à Directora do Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P (INR,
IP), aprovar e publicar as normas reguladoras da execução do referidoDespacho, nomeadamente a definição de procedimentos das entidadesprescritoras e financiadoras de ajudas técnicas/produtos de apoio, apósaudição prévia, da Direcção-Geral da Saúde (DGS), do Instituto da Se-gurança Social, I.P (ISS, IP) e do Instituto do Emprego e da FormaçãoProfissional, I.P (IEFP, IP)
Para facilitar a prossecução desse objectivo considera-se impor-tante precisar os conceitos e definir o universo das ajudas técnicas/
produtos de apoio que será abrangido pelo montante global disponi-
bilizado de € 12 620 000,00 e repartido pelos Ministérios da Saúde
(6 000 000,00 €) e Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social(€ 6 620 000,00), este proveniente dos orçamentos do Instituto da Se-gurança Social, I. P. (€ 4.120 000,00) e do Instituto do Emprego e daFormação Profissional, I. P. (€ 2.500 000,00).Assim, determina-se:1 — Nos termos do artigo 2.º da Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto,
considera-se pessoa com deficiência aquela que, por motivo de perda ouanomalia, congénita ou adquirida, de funções ou de estruturas do corpo,
incluindo as funções psicológicas, apresente dificuldades específicassusceptíveis de, em conjugação com os factores do meio, lhe limitar 
ou dificultar a actividade e a participação em condições de igualdadecom as demais pessoas.2 — As ajudas técnicas/produtos de apoio abrangidas pelo financia-
mento supletivo, aprovado pelo Despacho Conjunto n.º 27731/2009,
dos Ministros do Trabalho e da Solidariedade Social e da Saúde, pu-blicado no
Diário da República,
2.ª série, n.º 250, de 29 de Dezembrode 2009, são prescritas em consulta externa, para serem utilizadas forado internamento hospitalar e devem constar da lista homologada peloDespacho n.º 28936/2007, publicado no
Diário da República,
2.ª série,n.º 245, de 20 de Dezembro de 2007 (anexo IX) do Instituto Nacionalpara a Reabilitação, IP.
3 — Não são abrangidas pelo financiamento referido no número
anterior, as ajudas técnicas/produtos de apoio cuja colocação no doenteobrigue a intervenção cirúrgica.4 — São abrangidas pelo financiamento previsto no n.º 2, as pilhas ebaterias necessárias ao funcionamento das ajudas técnicas/produtos deapoio com o código 22 06 27 da classificação ISO 9999-2007.
5 — O financiamento é de 100 %, quando a ajuda técnica/produto
de apoio não consta nas tabelas de reembolsos do Serviço Nacional
de Saúde, do subsistema de saúde de que o cidadão é beneficiário, ou
quando não é comparticipada por companhia seguradora. Quando aajuda técnica/produto de apoio consta das tabelas de reembolsos do
Serviço Nacional de Saúde, de subsistema de saúde, ou ainda quandoé coberta por companhia seguradora, o financiamento é do montantecorrespondente à diferença entre o custo da ajuda técnica e o valor darespectiva comparticipação.
6 — Para efeitos de aplicação deste despacho as ajudas técnicas/pro-
dutos de apoio (AT/PA) e respectivas entidades prescritoras encontram-se
hierarquizadas por níveis, do seguinte modo:AT/PA de Nível 1 — Centros de Saúde e Hospitais de Nível 1;AT/PA de Nível 2 — Hospitais de Nível 1 plataforma B e HospitaisDistritais;
AT/PA de Nível 3 — Hospitais Distritais plataforma A, Hospitais
Centrais, Centros Especializados com equipa de reabilitação constituída
por médico e pessoal técnico especializado de acordo com a tipologia
da deficiência e Centros de Emprego do IEFP, IP., com serviços de
medicina do trabalho7 — Para a identificação da hierarquia dos níveis de prescrição dasinstituições hospitalares, dever -se-á ter em conta o previsto na Rede de
Referenciação Hospitalar de Medicina Física e de Reabilitação, aprovada
por despacho de S. Ex.ª a Secretária de Estado Adjunta do Ministro daSaúde, em 26 de Março de 2002.
8 — Os Centros Especializados, para efeito de aplicação deste despa-
cho, são as entidades públicas e privadas sem fins lucrativos credenciadas
por despacho da Directora do INR, IP, constantes do anexo I.
9 — Em qualquer dos níveis, o médico que efectuar a prescrição,
poderá solicitar parecer técnico a centro de recurso especializado, centro
ou instituição de reabilitação, ou outro, que identifique a ajuda técnica/produto de apoio mais adequado.
10 — A divulgação das ajudas técnicas/produtos de apoio susceptíveisde serem atribuídas por cada nível é feita através da lista referida no n.º 2.
11 — São financiados os custos com a adaptação e reparação das aju-
das técnicas/produtos de apoio, prescritas por acto médico, reportando-se
aos respectivos códigos ISO da lista referida no n.º 2.12 — Para efeito de aplicação do presente despacho, as entidades eos montantes que constam dos anexos II, III, IV são disponibilizados,respectivamente pela DGS, pelo ISS, IP e pelo IEFP, IP.
13 — As verbas destinadas ao financiamento das ajudas técnicas/produtos de apoio abrangidas pelo presente despacho são atribuídas
às entidades hospitalares através da Administração Central do Sistemade Saúde, I. P., aos Centros Distritais de Segurança Social através doISS, IP e aos serviços financiadores de ajudas técnicas para a formaçãoprofissional e ou emprego através do IEFP, IP.
14 — O financiamento das ajudas técnicas/produtos de apoio prescri-
tas pelos Centros de Saúde e pelos Centros Especializados constantes
do anexo I efectua-se pelos Centros Distritais do ISS, IP, da área de
residência das pessoas a quem se destinam.15 — A orientação definida no n.º 14 não se aplica aos beneficiários
cuja área de residência é o concelho de Lisboa, pois a instrução dos
processos individuais, para o financiamento de ajudas técnicas/produtos
de apoio, é efectuado através da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa,no âmbito do protocolo celebrado para a área das ajudas técnicas como ISS, IP.16 — As instituições hospitalares constantes do anexo II financiamas ajudas técnicas/produtos de apoio que prescrevem, após avaliaçãomédico funcional e sócio familiar.
17 — Para financiamento das ajudas técnicas/produtos de apoio,
no âmbito da competência do ISS, IP (anexo III), os Centro Distritaisdevem no processo de instrução de candidatura, obedecer às seguintescondições:
a
) Preenchimento correcto da ficha de prescrição obrigatoriamente
incluindo: fotocópia legível do bilhete de identidade e três (3) orça-
mentos distintos para aquisição da ajuda técnica, actualizados e datados
referentes ao ano do pedido;
b
) A análise do processo será sujeita à verificação da necessidade eou impacto que a ajuda técnica/produto de apoio terá para o requerente/candidato, no contexto da sua vida quotidiana.18 — O financiamento das ajudas técnicas/produtos de apoio indis-pensáveis ao acesso e frequência da formação profissional e ou para o
 
Diário da República, 2.ª série — N.º 20 — 29 de Janeiro de 2010
4413
acesso, manutenção ou progressão no emprego efectua-se através dos
centros de emprego do IEFP, IP., do Centro de Reabilitação Profissional
de Alcoitão e de um conjunto de entidades privadas através dos seus
centros de reabilitação profissional credenciados para o efeito pelo IEFP,
IP., constantes do anexo IV.
19 — O financiamento das ajudas técnicas/produtos de apoio, previs-
tos no número anterior, através dos centros de reabilitação profissional
de entidades privadas credenciados para o efeito pelo IEFP, IP, constará
de deliberação do Conselho Directivo do IEFP, I. P..20 — A definição das condições de financiamento de ajudas técni-
cas/produtos de apoio do âmbito da reabilitação profissional é efectuada
pelo IEFP, IP.21 — As fichas de prescrição de ajudas técnicas/produtos de apoio(anexo V, VI) são de carácter obrigatório e serão distribuídas às entida-des intervenientes no sistema, após prévia solicitação, sendo a ficha doanexo VII disponibilizada pelo IEFP, IP.
22 — Com o objectivo fundamental de partilha de informação e
adequado estudo estatístico resultante deste financiamento supletivo,
as instituições hospitalares (anexo II) enviarão à DGS os mapas síntese
das ajudas técnicas/produtos de apoio financiadas (anexo VIII), correcta-
mente preenchidos e tratados em suporte informático. As fichas de pres-
crição deverão ser arquivadas nas respectivas instituições hospitalares.
Os mapas síntese serão remetidos pela DGS ao INR, I. P., dentro dos pra-zos estipulados, bem como os resultados da análise estatística efectuada.
23 — Os Centros Distritais, do ISS, IP, como entidades financia-doras de ajudas técnicas/produtos de apoio, no âmbito deste sistema
supletivo, procederão ao preenchimento dos mapas sínteses das ajudastécnicas financiadas (anexo VIII) e ao seu envio ao Departamento deDesenvolvimento Social, do ISS, IP, que o enviará ao INR, IP, dentrodos prazos estipulados. As fichas de prescrição deverão ser arquivadasnos respectivos Centros Distritais.
24 — As entidades financiadoras de ajudas técnicas/produtos de apoio
para a formação profissional e o emprego, incluindo o acesso aos trans-
portes, constantes no anexo IV, que integram a rede de serviços do
IEFP, IP, deverão proceder de acordo com o modelo de recolha e sistema-
tização de informação definido por esse mesmo Instituto que enviará aoINR, IP, dentro dos prazos estipulados, os mapas de síntese (anexo VIII)
em suporte informático, bem como os resultados da análise estatísticaefectuada a partir das fichas de prescrição de ajudas técnicas/produtosde apoio financiados, de forma a permitir o estudo estatístico global deacordo com os indicadores definidos para as outras entidades.25 — O prazo limite para o envio ao INR, IP da informação referidanos n.
os
20, 21 e 22 é de 30 de Março de 2010.
26 — O eficaz acompanhamento e a avaliação de execução destedespacho serão realizados por um grupo de trabalho constituído por 
um representante da DGS, do ISS, IP, do IEFP, IP e do INR, IP, quecoordena e ao qual competem as seguintes funções:
a
) Assegurar o cumprimento das normas estabelecidas neste des-
pacho.
b
) Elaborar um relatório final de diagnóstico e avaliação física e fi-
nanceira da execução deste despacho, a partir dos elementos fornecidos
pelas entidades financiadoras.
27 — O presente despacho revoga o Despacho n.º 2600/2009, pu-
blicado do
Diário da República
2.ª série, de 20 de Janeiro de 2009, daDirectora do Instituto Nacional para a Reabilitação, I. P.28 — O presente despacho refere-se ao ano económico de 2009.
Lisboa, 31 de Dezembro de 2009. — A Directora,
Alexandra Pi-
menta.
ANEXO I
Centros Especializados
Associação de Pais e Amigos de Crianças de Barcelos.Associação de Pais para a Educação de Crianças Deficientes Audi-tivas — APECDA.
Associação para a Recuperação de Cidadãos Inadaptados da Lou-
sã — ARCIL.Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral — Núcleos Regionais
de Beja, Braga, Coimbra, Évora, Faro, Guimarães, Sul/Lisboa, Vila
Real, Norte e Viseu.Casa Pia de Lisboa — Instituto Jacob Rodrigues Pereira.Centro de Inovação para Deficientes — CIDEF.Centro de Medicina de Reabilitação do Alcoitão.Centro de Reabilitação de Paralisia Cerebral Calouste Gulbenkian.Centro de Reabilitação de Paralisia Cerebral de Coimbra.Centro de Reabilitação de Paralisia Cerebral do Porto.Centro de Reabilitação Profissional de Alcoitão.Centro de Reabilitação Profissional de Gaia.
Centro Nacional de Apoio a Deficientes Profundos João Paulo
II — Fátima.Clínica de Medicina Física e de Reabilitação da Santa Casa da Mi-sericórdia de Vila do Conde.Fundação Irene Rolo.Hospital da Prelada — Porto.Hospital Infantil São João de Deus — Montemor -o-Novo.Liga Portuguesa de Deficientes Motores.
Unidade de Avaliação do Desenvolvimento e Integração Preco-
ce — UADIP.Instituto de Oftalmologia Dr. Gama Pinto.ANEXO II
Hospitais
HospitaisOrçamento-para2009(em euros)
Hospital de São Marcos Braga. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134 000,00Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro . . 105 000,00Centro Hospitalar do Alto Ave — EPE . . . . . . . . . . . . 51 000,00Hospital de São João — EPE. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 319 500,00Centro Hospitalar do Porto — EPE. . . . . . . . . . . . . . . 495 500,00Hospital de São Sebastião, EPE. . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 500,00Hospital Santa Maria (Barcelos) — EPE. . . . . . . . . . . 1 000,00Instituto Português de Oncologia do Porto . . . . . . . . . 106 000,00Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho EPE 337 000,00Centro Hospitalar do Alto Minho EPE. . . . . . . . . . 64 000,00Centro Hospitalar do Nordeste — EPE . . . . . . . . . . . . 44 000,00Centro Hospitalar Póvoa de Varzim/Vila do Conde. . . 12 500,00Unidade Local de Saúde de Matosinhos EPE. . . . . 36 000,00ARS Norte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 730 000,00Hospitais da Universidade de Coimbra EPE . . . . . 91 500,00Centro Hospitalar de Coimbra — EPE . . . . . . . . . . . . 286 000,00Centro Hospitalar da Cova da Beira . . . . . . . . . . . . . . 73 500,00
Centro de Medicina de Reabilitação da Região Cen-
tro — Rovisco Pais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110 000,00Hospital Distrital da Figueira da Foz — EPE . . . . . . . 30 000,00Hospital Infante D. Pedro (Aveiro) — EPE. . . . . . . . . 36 000,00Hospital Santo André — EPE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150 000,00Unidade Local de Saúde da Guarda. . . . . . . . . . . . . . . 51 000,00Hospital Distrital de Pombal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 000,00Hospital Amato Lusitano Castelo Branco. . . . . . . . 50 000,00Hospital Distrital de Águeda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 000,00Hospital Distrital de São João da Madeira. . . . . . . . . . 4 500,00Hospital de São Teotónio — EPE . . . . . . . . . . . . . . . . 92 000,00Instituto Português de Oncologia de Coimbra. . . . . . . 59 500,00ARS Centro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 053 000,00Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental — EPE. . . . . . 180 000,00Centro Hospitalar de Lisboa Norte — EPE. . . . . . . . . 490 000,00Centro Hospitalar de Lisboa Central — EPE . . . . . . . 917 500,00Centro Hospitalar de Torres Vedras. . . . . . . . . . . . . . . 19 500,00Centro Hospitalar do Médio Tejo — EPE . . . . . . . . . . 63 000,00Centro Hospitalar do Oeste Norte . . . . . . . . . . . . . . . . 56 000,00Centro Hospitalar de Setúbal — EPE . . . . . . . . . . . . . 101 000,00Centro Hospitalar de Cascais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 000,00Hospital de Curry Cabral. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73 500,00Hospital Fernando Fonseca — Amadora/Sintra . . . . . 180 000,00Hospital Garcia de Orta — EPE . . . . . . . . . . . . . . . . . 102 500,00Instituto Português de Oncologia de Lisboa . . . . . . . . 125 000,00Instituto de Oftalmologia Dr. Gama Pinto. . . . . . . . . . 16 500,00Hospital do Litoral Alentejano. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 000,00Hospital Distrital de Santarém — EPE . . . . . . . . . . . . 42 000,00Hospital Distrital do Montijo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 000,00Hospital Nossa Senhora do Rosário — EPE . . . . . . . . 58 000,00Hospital Reynaldo dos Santos VFXira. . . . . . . . . . 8 500,00ARS Lisboa e Vale do Tejo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 510 000,00Centro de Medicina de Reabilitação do Sul. . . . . . . . . 70 000,00Centro Hospitalar do Baixo Alentejo EPE . . . . . . . 36 000,00Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano — Hos-pital Doutor José Maria Grande . . . . . . . . . . . . . . . 22 500,00Hospital do Espírito Santo (Évora) EPE. . . . . . . . . 80 500,00ARS Alentejo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209 000,00Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio EPE. . . 70 000,00Hospital de Faro — EPE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 428 000,00ARS Algarve . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 498 000,00
Total 
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 000 000,00
 
4414
Diário da República, 2.ª série — N.º 20 — 29 de Janeiro de 2010
ANEXO III
Centros Distritais do Instituto da Segurança Social, I. P.
Centro Dist do ISS, IPOrçamento para 2009(em euros)
Aveiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 242 738,0Beja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137 312,0Braga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 296 537,0Bragança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145 313,0Castelo Branco. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121 517,0Coimbra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231 193,0Évora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184 522,0Faro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 315 954,0Guarda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132 987,0Leiria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170 208,0Lisboa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 700 140,0Portalegre. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136 897,0Porto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 566 794,0Santarém . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152 534,0Setúbal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173 427,0Viana do Castelo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133 262,0Vila Real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118 668,0Viseu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159 997,0
Total . . . . . . . . . . . . . . . . .
4 120 000,0ANEXO IV
Serviços financiadores de ajudas técnicaspara a formação profissional ou emprego
Serviços financiadores de ajudas técnicaspara a formação profissional ou empregoMontante(euros)
Centros de Emprego e Centro de Reabilitação Profis-sional de Alcoitão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 652 200,00
Entidades privadas/Centros de reabilitação profissional
547 800,00
Total 
. . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 200 000,00 ANEXO V
ATRIBUIÇÃO DE AJUDAS TÉCNICASANO -------------------INSTITUIÇÕES HOSPITALARESCH: ………………………………………………………………... HOSPITAL:……………………………………………1. NOME: _________________________________________________________________________________ 2. RESIDÊNCIA (Concelho)
:
__________________________________________________________________ 3. DATA DE NASCIMENTO:
____/____/__ __;
BI -------------------------------------------------4. SNS
; SUBSISTEMA DE SAÚDE
:
_____________N.º do CARTÃO
_________________ 5. DEFICIÊNCIA:___________________________________________________________________________ 
MOTORA
AUDITIVA
ORGÂNICA
VISUAL
MENTAL
OUTRAa)
_________________ 
6. AJUDAS TÉCNICAS:
DESIGNAÇÃO DA AJUDA (S) TÉCNICA (S):A. ________________________________________________________ B. _________________________________________________________ CLASSIFICAÇÃO ISOB)A. ____________________(6 dígitos) B. ____________________(6 dígitos)REPARAÇÃO
AQUISIÇÃO
CONSUMO
UTILIZAÇÃO TEMPORÁRIA
UTILIZAÇÃO DEFINITIVA
DATA: _____/_____/_____ ASSINATURA _________________________________________ 
1. CUSTO DE CADA AJUDA TÉCNICA:A-______________ B-_________________ 2. CUSTO TOTAL DAS AJUDAS TÉCNICAS _______________________________________ 3. MONTANTE CONCEDIDO PELO CH/HOSPITAL:-------------------------
Espaçoreservado àaposição davinheta deidentificaçãodo Médico
APREENCHERPELOSERVI ORESPONSÁVELPELOFINANCIAMENTO
DATA: ____/____/____________ ASSINATURA:__________________________________ a) Neste caso, especifiqueb) Utilizar a classificação ISO (6 dígitos)
NOTA – No caso de serem prescritas mais de duas ajudas técnicas, deverão ser preenchidas outrasfichas de prescrição
ANEXO VI
ATRIBUIÇÃO DE AJUDAS TÉCNICASANO _______________ CENTROS DE SAÚDECENTROS ESPECIALIZADOSI - CENTRO DE SAÚDE/ CENTRO ESPECIALIZADO:
_____________________________________________ 
1. NOME: ___________________________________________________________________________ 2. RESIDÊNCIA (Concelho)
:
___________________________________________________________ 3. DATA DE NASCIMENTO:
_____/_____/_____ 
BI __________________________ 4. SISTEMA DE SAÚDE:
________________N.
º do CARTÃO BENEFICIÁRIO5. DEFICIÊNCIA:____________________________________________________________________ 
MOTORA
AUDITIVA
ORGÂNICA
VISUAL
MENTAL
OUTRAa)
_________________ 
6. AJUDAS TÉCNICAS:
DESIGNAÇÃO DA AJUDA (S) TÉCNICA (S):A. ________________________________________________________ B. _________________________________________________________ CLASSIFICAÇÃO ISOB)A. ____________________(6 dígitos) B. ____________________(6 dígitos)REPARAÇÃO
AQUISIÇÃO
CONSUMO
UTILIZAÇÃO TEMPORÁRIA
UTILIZAÇÃO DEFINITIVA
DATA: _____/_____/_____ ASSINATURA _________________________________________ 
1. CUSTO DE CADA AJUDA TÉCNICA:A-______________ B-_________________ 
Espaçoreservado àaposição davinheta deidentificaçãodo Médico
II. A PREENCHER PELO CENTRO DISTRITALDE:
 
Espaçoreservado àaposição davinheta deidentificaçãodo Médico
2. CUSTO TOTAL DAS AJUDAS TÉCNICAS _______________________________________ 3. MONTANTE CONCEDIDO PELO CENTRO DISTRITAL:-------------------------
DATA:_________________ASSINATURA:__________________________________ a) Neste caso, especifiqueb) Utilizar a classificação ISO (6 dígitos)
NOTA – No caso de serem prescritas mais de duas ajudas técnicas deverão preencher outra ficha deatribuição/prescrição
 ANEXO VII
ATRIBUIÇÃO DE AJUDAS TÉCNICASANO DECENTRO DE EMPREGO / REABILITAÇÃO / ENTIDADE:ELEMENTOS DE CANDIDATURA AO FINANCIAMENTOI – IDENTIFICAÇÃO
1. NOME DO CANDIDATO:2. RESIDÊNCIA:3. DATA DE NASCIMENTO (dd-mm-aaaa):4. B.I. DATA DE EMISSÃO: (dd-mm-aaaa)ARQ. IDENTIFICAÇÃO:5. SISTEMA NACIONAL DE SAÚDE OU SUBSISTEMA DE SAÚDENº CARTÃO:
 
6. DEFICIÊNCIA:
 
INTELECTUAL PSICOLÓGICA LINGUAGEMAUDITIVA VISUAL OUTROS ÓRGÃOSMUSCULO ESQUELÉTICA ESTÉTICAFUNÇÕES GERAIS, SENSITIVAS E OUTRAS7. CARACTERIZAÇÃO DAS DIFICULDADES SENTIDAS NO DIA A DIA, DECORRENTES DADEFICIÊNCIA, QUE DIFICULTAM O ACESSO À FORMAÇÃO E/OU ACESSO, MANUTENÇÃO OUPROGRESSÃO NO EMPREGO (no sentido de sinalizar as ajudas técnicas necessárias àatenuação/compensação da deficiência):8. SITUAÇÃO PROFISSIONALEMPREGADOPROFISSÃO:
 
DESEMPREGADO À PROCURA DE EMPREGOÀ PROCURA DE NOVO EMPREGO9. CARACTERIZAÇÃO DA ACTIVIDADE PROFISSIONAL DESENVOLVIDA:10. PARA QUAL DAS FINALIDADES É IMPRESCÍNDIVEL A AJUDA TÉCNICA:ACESSO AO EMPREGO ACESSO À FORMAÇÃOMANUTENÇÃO DO EMPREGO FREQUÊNCIA DA FORMAÇÃOPROGRESSÃO NO EMPREGO READAPTAÇÃO AO TRABALHO
ASSINATURA (Técnico do CTE/Centro ou Entidade de Reabilitação)DATA DA CANDIDATURA (dd-mm-aaaa):

Activity (2)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 thousand reads
1 hundred reads

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->