Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
55Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
l - Romance de 30

l - Romance de 30

Ratings: (0)|Views: 5,077 |Likes:
Published by Adeilson

More info:

Published by: Adeilson on Mar 29, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/31/2013

pdf

text

original

 
ROMANCE DE 30
1. (Unicamp-SP) No trecho a seguir, retirado de um dos capítulos de São Bernardo, deGraciliano Ramos, Paulo Honório faz algumas considerações sobre as diferenças na maneirade falar que acabam provocando desentendimentos entre ele e Madalena:"No começo das nossas desavenças todas as noites aqui me sentava, arengando comMadalena. Tínhamos desperdiçado tantas palavras!— Para que serve a gente discutir, explicar-se? Para quê?Para que, realmente? O que eu dizia era simples, direto e procurava debalde em minha mulher concisão e clareza. Usar aquele vocabulário, vasto, cheio de ciladas, não me seria possível. Ese ela tentava a minha linguagem resumida, matuta, as expressões mais inofensivas econcretas eram para mim semelhantes a cobras: faziam voltas, picavam e tinham significaçãovenenosa."a) Como é possível explicar, com base na história pessoal das personagens, as diferenças namaneira de falar entre Paulo Honório e Madalena?b) A diferença de linguagem é um sintoma do conflito existente entre essas duas personagens.De que maneira tal diferença contribui para o conflito básico do romance?Resposta2. (Unicamp-SP) Uma personagem constantemente mencionada em Vidas secas, deGraciliano Ramos, é Seu Tomás da bolandeira. Homem letrado, é tido como um exemplo de"sabedoria" por Fabiano, que muitas vezes o vê como um modelo."Em horas de maluqueira Fabiano desejava imitá-lo: dizia palavras difíceis, truncando tudo, econvencia-se de que melhorava. Tolice. Via-se perfeitamente que um sujeito como ele nãotinha nascido para falar certo.Seu Tomás da bolandeira falava bem, estragava os olhos em cima de jornais e livros, mas nãosabia mandar: pedia. Esquisitice um homem remediado ser cortês. Até o povo censuravaaquelas maneiras. Mas todos obedeciam a ele. Ah! quem disse que não obedeciam?"a) Cite um episódio do romance em que fica evidente a dificuldade de expressão de Fabiano,na presença de pessoas que julga superiores.b) Como o episódio escolhido por você exemplifica a relação, percebida por Fabiano, entreum uso mais "difícil" da linguagem e o poder exercido por determinadas pessoas?Resposta
 
3. (UFMS) Dentre os enunciados abaixo, identifique aquele(s) que seja(m) adequado(s) à obraFogo morto, de José Lins do Rego.( ) O romance estrutura-se em três partes, reveladoras, por seu conteúdo, das influênciasdeterministas que caracterizaram a produção literária de cunho regionalista: a terra,correspondendo à atenção dada ao meio; o homem, representante do componente racial; e aluta, ou seja, a variável do momento histórico.( ) A obra estrutura-se sobre uma organização dual, que se pode verificar na sua própriacomposição em dois capítulos — um, centrado no mestre José Amaro, e outro no CoronelLula, que lutam entre si pela implantação do capitalismo na região.( ) A caracterização de mestre José Amaro apresenta detalhes sobre sua aparência física,insistindo sobre determinados traços que o particularizam — os olhos amarelos, a peleamarela, a barba suja, os cabelos compridos — e que lhe dão a aparência de um monstro.Nasce desses traços e de seu estranho hábito de andar sozinho, sem rumo, à noite, sua tristefama de lobisomem.( ) Dentro do esquema triádico (estruturação em três partes) de composição, característico doromance, a segunda parte representa o bloco do passado, uma vez que revela os antecedentesdos episódios, dos temas e das situações apresentados na primeira parte e retomados naterceira e última parte da obra.( ) A terceira parte do romance, que gira em torno do capitão Vitorino Carneiro da Cunha,integra e unifica as partes anteriores: o capitão se sobrepõe à realidade e à decadência dessarealidade, conseguindo, apesar de seu idealismo, o respeito das demais personagens.Resposta4. (UFSM) Leia o trecho seguinte de Vidas secas, de Graciliano Ramos:"Chape-chape. As alpercatas batiam no chão rachado. O corpo do vaqueiro derreava-se, aspernas faziam dois arcos, os braços moviam-se desengonçados. Parecia um macaco.Entristeceu. Considerar-se plantado em terra alheia! Engano. A sina dele era correr mundo,andar para cima e para baixo, à toa, como judeu errante. Um vagabundo empurrado pelaseca."Assinale a alternativa correta com relação à composição narrativa da passagem transcrita.a) Há alternância entre narradores de primeira e de terceira pessoas.b) São focalizados a aparência física e o estado de ânimo da personagem.c) Há um destaque para o espaço, apresentado em detalhes e caracterizado como opressor.
 
d) Registra-se uma supervalorização do passado, tido como um tempo de estabilidade eriqueza.e) Desenvolve-se a temática da revolução social, a partir do nível de conscientização dapersonagem.Resposta5. (Unicamp/SP)“E, pensando bem, ele não era homem: era apenas um cabra ocupado em guardar coisas dosoutros. Vermelho, queimado, tinha os olhos azuis, a barba e os cabelos ruivos: mas comovivia em terra alheia, cuidava de animais alheios, descobria-se, encolhia-se na presença dosbrancos e julgava-se cabra.”Este é o retrato de Fabiano, no livro Vidas Secas, de Graciliano Ramos.a) Por que o autor enumera os caracteres físicos de Fabiano?b) Que sentido tem a palavra “cabra” no texto?RespostaInstrução: As questões 6 e 7 referem-se à passagem de São Bernardo (1934), de GracilianoRamos (1892-1953).“[...]— O senhor mora na capital?— Não, moro no interior.— Em Viçosa?— É.— Eu também, há pouco tempo. Mas cidade pequena... Horrível, não é?— A cidade pequena? E a grande. Tudo é horrível. Gosto do campo, entende? Do campo.D. Glória fechou a cara:— Mato? Santo Deus! Mato só para bicho. E o senhor vive no mato?— Em S. Bernardo.D. Glória não conhecia S. Bernardo, e essa ignorância me ofendeu, porque para mim S.Bernardo era o lugar mais importante do mundo.— Uma boa fazenda! Não há lá essa água podre que se bebe por aí. Lama. Não senhora, háconforto, há higiene.D. Glória retificou a espinha, ergueu a voz e desfez o ar apoucado:— Não me dou. Nasci na cidade, criei-me na cidade. Saindo daí, sou como peixe fora daágua. Tanto que estive cavando transferência para um grupo na capital. Mas é preciso muitopistolão. Promessas...— Ah! É professora?— Não. Professora é minha sobrinha.— Aquela moça que estava com a senhora em casa do dr. Magalhães?

Activity (55)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Patrícia Regina liked this
André Valente liked this
Pablo Coutinho liked this
ybérias liked this
Liliane Machado liked this
Marielly Borges liked this
Cris Citolin liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->