Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
22Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Filosofia 11º Ano

Filosofia 11º Ano

Ratings: (0)|Views: 2,046 |Likes:
Published by Daniel Pereira

More info:

Published by: Daniel Pereira on Mar 30, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/11/2013

pdf

text

original

 
Estudo para Teste de Filosofia
Objetivos 1,2 e 3:
y
 
Estrutura do ato de conhecer
y
 
A
fenomenologia do conhecimento
y
 
Os dois elementos essenciais no processo de conhecimento
O conhecimento pressupõe duas entidades: o sujeito e o objeto. O sujeito,cognoscente, é a entidade humana que, dotada de capacidades cognitivas e sensoriais,se dedica à investigação de uma parte da realidade que designa por objeto. Já oobjeto, cognoscível, é a parte de realidade que pode ser investigada e explicada pelosujeito.Segundo a perspetiva fenomenológica, o sujeito sai de si, dirige-se ao objeto deestudo e regressa a si transformado. Existe então aqui uma correlação entre o sujeito eo objeto. O sujeito tem primeiramente uma sensação, um 1º contacto com o objeto,em que apreende informações básicas e sensoriais acerca deste, sendo que essasinformações são recebidas pelo cérebro.
A
sensação é então a captação deinformações sensoriais.Seguidamente esses dados serão organizados, classificados, descodificados efiltrados na mente consoante fatores de significação únicos para cada sujeito como alinguagem ou a cultura em que se insere. Os dados sensoriais serão tambémintegrados nas experiências passadas do sujeito.
A
s informações resultantes destaorganização denominam-se perceções.Estas perceções darão origem de seguida a representações, construções deimagens mentais do objeto e suas características, que permitam evoca-lo na suaausência. Estas representações são o conhecimento.
Sujeito ObjetoCognoscente
C
ognoscível
Nunca deixa de ser sujeito
Nunca deixa de ser objeto
O sujeito só o é em relação ao objeto
O objeto só o é em relação ao sujeito
Apreende o objeto
Ser apreendidoEstranho e transcendente ao sujeito
O sujeito é transformado pois adquire novosconhecimentos
Imanente (Não se transforma)
 
Objetivo 4  Os diferentes tipos de conhecimento
Saber Fazer
y
 
C
onhecimento de atividades
o
 
Ex.: Saber tocar pianoSaber por
C
ontacto
y
 
C
onhecimento de pessoas ou locais
o
 
Ex.:
C
onhecer BarcelonaSaber Que ou
C
onhecimento Proposicional (conhecimento que nos diz algoacerca da realidade)
y
 
C
onhecimento de proposições
o
 
Saber que Platão foi um grande filósofo
Objetivo 5  Os diferentes tipos de conhecimento segundo Platão eSócrates
Sócrates e Platão começam por definir o conhecimento verdadeiro como asensação.
A
o refletirem sobre isto apercebem-se que a sensação não poderá constituirum verdadeiro conhecimento para toda a humanidade, pois a sensação só éverdadeira para o sujeito que a conhece, isto é, cada sensação/perceção é única,privada e irrepetível, reduzir o conhecimento à sensação é reduzir este a uma merasubjetividade. Por exemplo, se eu tiver um amigo cego, ele vai ter uma perceção domundo diferente da minha pois ele não vê logo não podemos tomar o seuconhecimento como verdadeiro para todas as pessoas.
A
segunda proposta de conhecimento verdadeiro diz que o conhecimento éopinião. Porém Platão e Sócrates logo concluem que o conheci mento não é, naverdade, uma opinião, pois isso seria reduzir novamente o conhecimento àsubjetividade, pois cada sujeito pode ter uma opinião diferente, se assim o entender.
A
ssim sendo, nós devemos saber distinguir as opiniões verdadeiras das opiniões fa lsas.
A
justificação das nossas opiniões através do uso do logos foi a soluçãoencontrada por estes filósofos para a problemática da diferenciação entre opiniõesverdadeiras e opiniões falsas. Estes filósofos defendem então que as justificações quenós damos para as nossas opiniões são o que testa a sua veracidade. Para a criação
 
destas justificações recorremos ao uso do logos, da nossa razão e é esse uso da razãoque torna as justificações verdadeiras, que nos permite distinguir o verdadeiro dofalso.Estes filósofos concluem então que o conhecimento é uma crença verdadeirajustificada acompanhada pelo logos. Eles chegam à conclusão que, para o sujeitoconhecer a realidade, ele e a proposição que se propõe a conhecer devem cumpriralguns critérios: 1- a proposição que se propõe a conhecer deve ser verdadeira; 2- osujeito deve acreditar na proposição que se propõe a conhecer (crença); 3. O sujeitodeve apresentar justificações verdadeiras (criadas com o uso do logos) para a suacrença. Temos portanto uma crença verdadeira justificada acompanhada de logos, overdadeiro conhecimento para estes filósofos.
6 
A
possibilidade do conhecimento (dogmatismo, ceticismo e criticismo)
Dogmatismo  Segundo os dogmáticos a realidade existe, o homem pode conhecer arealidade e o conhecimento humano é verdadeiro.
A
o contrário dos céticos, os dogmáticos não duvidam da existência das coisasnem da verdade do seu conhecimento. Desde que as pessoas façam uso da razão deacordo com as regras lógicas, tudo podem conhecer e explicar, nomeadamente Deus ea alma.Por isso mesmo, o dogmatismo vai encontrar no racionalismo (origem doconhecimento) uma forma de se afirmar, sendo Descartes um dos representantesdesta posição.
C
eticismo  Os céticos sustentam a tese de que é impossível o sujeito atingir qualquercerteza, e defendem que não se pode afirmar nenhum conhecimento como sendoinfalivelmente verdadeiro.O principal representante da corrente cética desenvolveu-se na Grécia
A
ntigacom Pirro de Eleia, que defendeu que o conhecimento não é possível.
A
solução para os céticos é a suspensão do juízo, sendo o ideal de sabedoria aataraxia, que resulta da suspensão total de qualquer juízo. Os céticos defendiam aabstenção de se pronunciarem positivamente ou negativamente acerca das coisas,uma vez que o sujeito não deve emitir ou formular qualquer juízo de valor.O principal defensor da corrente cética é David Hume.

Activity (22)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
rosalima6660 liked this
Diana Miranda liked this
Raquel Vieira liked this
Vanda Mata liked this
Liliana Neves liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->