Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
1Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
cenaberta7

cenaberta7

Ratings: (0)|Views: 13 |Likes:
Published by Cena Lusófona

More info:

Published by: Cena Lusófona on Mar 31, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/05/2013

pdf

text

original

 
Rua António José de Almeida n.º 2, 3000 - 040 COIMBRA Portugal telf. e fax (+351) 239 836 679
| teatro@cenalusofona.pt | www.cenalusofona.pt
Cena Lusófona 
n.º 7 Setembro 2009
 
distribuição gratuita
 
ISSN 1645-9873
A Cena no Café 
Newton Moreno em Coimbra
nova
 
casapara a
Um encontro
n'AsBacantes
À conversa com 
Rui Madeira
 Cena Lusóona
noa ida e
 
cenaberta 
cha
técnica
 
Director
António Augusto Barros |
Coordenação e Fotograa
Augusto Baptista |
Redacção
Augusto Baptista,Pedro Rodrigues |
Concepção gráca
Ana Rosa Assunção |
Revisão
Soa Lobo |
ISSN 1645-9873 | N.º 7 distri-
buição gratuita |
Tiragem
 
2000
exemplares |
Impressão
 
Tipograa Ediliber
 
|
Propriedade
 
Cena Lusófona, Associa
-
ção Portuguesa para o Intercâmbio Teatral, Rua António José de Almeida, n.º 2, 3000 - 040 COIMBRA,PORTUGAL | Tel. e Fax (+351) 239 836 679 | teatro@cenalusofona.pt | www.cenalusofona.pt
A
Cena Lusófona 
é uma estrutura nanciada por:
cenaberta 
2
Em Maio de 1897, o New York Journal publicou o obituário de Mark Twain,confundindo a morte de um primo seu, residente em Londres, com a morte dopróprio escritor norte-americano. A resposta de Twain, reproduzida pelo jor
-
nal em 2 de Junho, cou célebre: “o relato da minha morte é desmedidamente
exagerado”.
Nos contactos que temos feito ao longo dos últimos meses com muitos doscompanheiros de percurso da Cena Lusófona, houve frequentes oportunidadespara citar o autor de Tom Sawyer e Huckleberry Finn. Os dois anos em que fo
-
mos forçados a suspender a nossa actividade tornaram a instituição praticamenteinvisível aos olhos da comunidade teatral lusófona e até, aparentemente, junto deentidades que antes nos haviam apoiado (algumas das quais directamente respon
-
sáveis pelas diculdades que atravessámos).Resistimos, contudo, a carpir mágoas. O novo contrato assinado com o Minis
-
tério da Cultura português permite-nos retomar o projecto em que continuamosa acreditar. Perdeu-se tempo, é certo, e não é ainda seguro que não tenham sidodesbaratados muitos dos esforços anteriormente realizados. Apesar do minima-lismo dos recursos, mantemos intactas as ambições e o essencial dos objectivos
a que nos propusemos em 1995.
Assim entramos nesta nova fase. Reconstruindo a equipa e voltando a reunir arede de parceiros construída em todo o espaço lusófono. Move-nos a consciência,partilhada com muitos daqueles com quem continuámos sempre em contacto,de que o intercâmbio cultural entre os países de língua portuguesa permanecedemasiado refém de retóricas vazias e abafado por sucessivos fogachos de oca
-
sião. Mais do que um qualquer e deslocado sentido de “missão”, inspira-nos umsentido de responsabilidade perante expectativas que criámos e alimentámos eque nos custa defraudar.As expectativas não nascem do vazio. Nascem das diculdades concretas, doquase nada que encontrámos em tantos sítios e que ajudámos a transformar numquase alguma coisa; nascem da vontade de partilha e do interesse pela descobertaque encontrámos noutros locais e que ajudámos a concretizar.Desde 1995, o mundo lusófono mudou muito. Cada um dos (agora) oito palcosem que nos movemos enfrenta novos e decisivos desaos para o seu futuro. Masa ausência de discurso político sobre esta comunidade e sobre a forma como nospodemos e devemos relacionar parece ter sido preenchida apenas pela retórica
do negócio.
Velhos tiques, a que só a cultura pode fazer frente. Para que nos possamosconhecer melhor, uns aos outros e a nós próprios.É por isso que cá estamos, anal e ainda.
Cena Lusófona
editorial
Colecção Cena Lusófona
As Virgens Loucas
de ANTÓNIO AURÉLIO GONÇALVESCabo Verde
Teatro do Imaginário Angolar
de FERNANDO DE MACEDOSão Tomé e Príncipe
Supernova
de ABEL NEVES
Portugal
 
As Mortes de Lucas Mateus
de LEITE DE VASCONCELOSMoçambique
Teatro I e II
obra dramatúrgicade JOSÉ MENA ABRANTES
em dois volumes,Angola
Mar me quer
de MIA COUTO e NATÁLIA LUIZAPortugal / Moçambique
Teatro
obra completa do dramaturgo brasileiroNAUM ALVES DE SOUZA
Brasil
Revista Setepalcos
 
(esgotados números 0, 1 e 2)N.º 3 – Setepalcos especial sobre TEATRO BRASILEIRON.º 4 – Setepalcos especial sobre TEATRO GALEGON.º 5 – Setepalcos especial sobre RUY DUARTE DE CARVALHO
Floripes Negra
Floripes na Ilha do Príncipe, em Portugal e no mundode AUGUSTO BAPTISTAÁlbum Fotográco/Reportagem/Ensaio
edições.cena
À venda na sede da Cena Lusófona e no Tea
-
tro da Cerca de São Bernardo, em Coimbra,
ou via encomenda postal, após solicitação
por telefone, fax, ou e-mail.
 
cenaberta 
3
A Cena no Café
Newton Moreno em Coimbra
 
Setembro 2009
Newton Moreno veio a Coimbra e abriu a 3 de Julho umnovo ciclo de “A Cena no Café”. A conversa com o conheci
-
do e reconhecido dramaturgo, actor e encenador brasileirouiu amena no Teatro da Cerca de São Bernardo.
Um dia, lá em Pernambuco, ao ver actuar umcontador de histórias, decidiu que ia ser artista. Foicom esse propósito que “desceu” à grande metró
-
pole: primeiro cursou teatro em Campinas e, depois,a especialização em dramaturgia no Curso de ArtesCénicas da Universidade de São Paulo. Desde essestempos de faculdade que sentiu “o chamado dos dra
-maturgos para dentro dos grupos”. Por isso, precisa
da “proximidade da sala de ensaios” e considera que“o trabalho de grupo foi sempre essencial para ter a
coragem de escrever”.
Disse estas coisas (e outras) Newton Moreno emCoimbra, no arranque de uma nova série da iniciativa daCena Lusófona, “A Cena no Café”, desta vez no Teatroda Cerca de São Bernardo (3 de Julho).Newton Moreno (1968) é actor, encenador, dra
-
maturgo e um dos criadores do colectivo “Os fofos
encenam”, que se tem distinguido na cena paulistana
mais recente. Os últimos anos têm trazido a NewtonMoreno um reconhecimento invulgar enquanto dra
-
maturgo, traduzido na atribuição de alguns dos maisprestigiados prémios (Prémios Shell 2004 e 2008 e
da Associação Paulista de Críticos de Artes, em 2004,
todos para melhor autor), e na montagem de textosseus por encenadores brasileiros de primeiro planocomo Márcio Aurélio (num notável “Agreste”) e, maisrecentemente (ainda em temporada), Aderbal FreireFilho, com “As Centenárias”.Durante “A Cena no Café”, Newton fez um per-
 
curso informal pelas suas peças, dialogou com a as
-
sistência e comentou excertos videográcos feitos apartir de “Agreste” e “A Refeição”.Dominante durante a conversa foi a sua formade abordar a tradição, a fortíssima herança culturalnordestina, através da sua sensibilidade urbana e con
-
temporânea, um trânsito teatral que Newton reinventaem múltiplas formas.Toda a obra de Newton, pouco publicada ain
-da, está disponível no Centro de Documentação e
Informação da Cena Lusófona (CDI). Para além dasjá referidas, podem ser consultadas no CDI as peças“Dentro”, “A Cicatriz é a or”, “Assombrações doRecife Velho”, “Ferro em brasa”, “Ópera”, “Vem, vai – ocaminho dos mortos” e ainda textos originais como“The Célio Cruz show”, “Jacinta”, “Berço de pedra”,“O livro”, entre outros.A razão principal da estadia de Newton Morenoem Coimbra foi o convite do Centro de Estudos So
-
ciais (CES) para participar no seminário “Espectáculo /Teatro / Cidade”, que decorreu entre 1 e 3 de Julho.
 
cenaberta 
O que vem aí 
"A Cena no Café", assim chamada por corres
-ponder, num primeiro momento, a encontros
informais no Café Santa Cruz, café histórico nocentro de Coimbra, entrou numa nova fase.A ideia é agora, mantendo os mesmos objectivos,
passar a promover estes encontros entre artistas
e agentes institucionais dos países de Língua por
-
tuguesa, essas novas Cenas no Café, em espaçosalternativos, quer dentro da cidade de Coimbra,
quer noutras cidades do país e, mais tarde, do
estrangeiro. E aí prosseguir a apresentação delivros, a projecção de lmes, o desempenho depequenas performances e espectáculos, a aborda
-
gem de projectos aos quais a Cena esteja ligada.Em 2009, nesta nova fase, houve já a "A Cena noCafé" com Newton Moreno, no Bar da Cerca de
São Bernardo.
Estão agendadas mais três tertúlias: para Outu
-
bro, Novembro e Dezembro."A Cena no Café" de Outubro está programadapara Coimbra, em ligação com a Reitoria da Uni
-
versidade de Coimbra, no âmbito dos Encontrosde Outono, organizados pela Universidade esubordinados ao tema: “As ligações entre a An
-tropologia e a Arquitectura”.
Em Novembro, teremos a primeira Cena no Caféa realizar-se fora da cidade de Coimbra. Ocorre
-
rá em Braga, num dos cafés históricos da cidade.Aí se pensa abordar o projecto da Cena Lusófo
-na e as actividades em curso da Associação.
A última Cena no Café prevista para 2009, denovo em Coimbra, irá centrar-se no “EncontroInternacional sobre Políticas de Intercâmbio
Cultural” e no lançamento da revista
Setepalcos 
 
sobre Cabo Verde
.
Newton Moreno apresentado por António Augusto Barros
© eo oi  ue

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->