Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more ➡
Download
Standard view
Full view
of .
Add note
Save to My Library
Sync to mobile
Look up keyword
Like this
6Activity
×
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Hemodiálise - Resumo

Hemodiálise - Resumo

Ratings: (0)|Views: 7,084|Likes:
Published by Carla Rangel

More info:

categoriesTypes, Research
Published by: Carla Rangel on May 13, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See More
See less

03/13/2013

pdf

text

original

 
HEMODIÁLISEO que é Diálise
A Diálise é um processo empregado para remoção delíquidos e dos produtos de degradação urêmicos docorpo quando os rins são incapazes de fazê-lo. Quandoas funções renais chegam a menos de 10%, o pacienteé indicado para diálise, que funciona como substitutado papel dos rins, eliminando as substâncias tóxicas eretirando o excesso sobre o sangue. Ela pode seusada no tratamento do paciente com edema intratável(não-responsivo ao tratamento), coma hetico,hipercalemia, hipercalcemia, hipertensão e uremia. Osmétodos de terapia incluem hemodiálise, terapia desubstituição renal contínua (CRRT) e várias formas dediálise peritoneal. A necessidade de diálise pode ser aguda ou crônica.A Diálise aguda está indicada quando existe um nívelelevado e crescente de potássio sérico, sobrecargadrica ou edema pulmonar iminente, acidosecrescente, pericardite e confusão grave. Ela tambémpode ser empregada para remover determinadosmedicamentos ou outras toxinas (envenenamento ouintoxicação de medicamento) do sangue.A Diálise crônica ou de manutenção está indicada nainsuficiência renal crônica, conhecida como doençarenal em estágio terminal (DRET), nos seguintes casos:ocorrência de sinais e sintomas urêmicos que afetemtodos os sistemas ornicos (náuseas e mitos,anorexia grave, letargia crescente, confusão mental),hipercalemia, sobrecarga hídrica não-responsiva adiuréticos e à restrição hídrica e uma carência geral debem-estar. Além disso, o atrito pericárdico constituiuma indicação urgente para a diálise em pacientes cominsuficiência renal crônica.
Definição
A Hemodiálise é um procedimento que filtra o sangue.Através da hemodlise o retiradas do sanguesubstâncias que quando em excesso trazem prejuízosao corpo, tais quais a uréia, potássio, sódio e água. Elaé usada para pacientes que estão agudamente doentese que necessitam de diálise por curto prazo de tempo,bem como para pacientes que necessitam de diálisepor um longo prazo ou permanentemente. Ahemodiálise é um procedimento utilizado nos pacientescom insuficiência renal em estágio terminal.O procedimento de hemodiálise deve ter umapermanência obrigaria de um dico e de umenfermeiro, para atender e identificar precocementesinais e sintomas do paciente, atender as urgências eacompanhar o paciente durante a sua sessão dehemodiálise. A equipe de enfermagem deve setreinada para a devida assistência ao paciente durantea sessão. A hemodiálise pode prolongar a vidaindefinidamente, porém não controla completamente auremia nem interrompe a evolução natural da doençarenal subjacente.
Objetivos
Os objetivos da hemodiálise são os seguintes:
Extrair do sangue as subsncias nitrogenadastóxicas.
Remover o excesso de água.
Incidência
65 mil brasileiros necessitam de hemodiálise por conta do mau funcionamento dos rins; destes estima-se que 30% dos casos de insuficiência renal crônica,tenha como causa a hipertensão arterial.
A pressão alta não controlada juntamente com aDiabetes é causa frequente de lesão nos rins, quepode levar o indivíduo ao processo de hemodiálise.
A cada ano, cerca de 21 mil brasileiros precisaminiciar tratamento por hemodiálise ou diáliseperitoneal.
Fisiologia do Rim
O rim possui uma cápsula fibrosa que protege o córtexmais externo, e a medula mais interna. Na região docórtex renal estão os néfrons, estruturas microscópicasresponsáveis pela filtração do sangue e remoção dasexcreções. O néfron constitui a unidade funcional dorim.Cada rim possui aproximadamente mais de 1 milhão defrons O sangue ao passar pelos rins sofre umprocesso de filtrão onde o separados oscomponentes celulares (leucitos, eritcitos eplaquetas) e proteína do soro.Diariamente passam pelos rins de uma pessoa quase 2mil litros de sangue, formando-se cerca de 160 litros defiltrado glomerular, também chamado urina inicial. Dos160 litros de filtrado glomerular produzidos diariamentepelos rins de uma pessoa, formam-se apenas 1,5 litrode urina. O restante desse filtrado é reabsorvido. Osangue filtrado segue pela veia renal, que leva essesangue para fora do rim, em direção ao coração. Dentreas rias fuões dos rins pode-se destacar asseguintes:
Filtragem do sangue.
Formação da urina.
Regulação da pressão arterial sistêmica.
Regulação dos eletrólitos.
Regulação do equilíbrio ácido-base.
Regulação da produção de eritrócitos.
Controle do equilíbrio hídrico.
Excreção de produtos do catabolismo como ureia,ácido úrico e creatinina.
Clearance
renal (volume de plasma que pode ser depurado de um soluto espefico pelos rins,expresso em mililitros por minuto..
Síntese de vitamina D para a forma ativa.
Secreção de prostaglandinas.
 
Hemodiálise e a Insuficiência renal
Diversas são as doenças que levam à Insuficiênciarenal crônica. As duas mais comuns são a hipertensãoarterial e a Diabetes. Como os rins são os responsáveisno organismo pelo controle da pressão, quando elesnão funcionam adequadamente, há subida na pressãoarterial que, por sua vez, leva à piora da disfunçãorenal, fechando assim um ciclo de agressão aos rins. Ocontrole correto da pressão arterial é um dos pontosprincipais na prevenção da Insuficiência renal e danecessidade de se fazer diálise.
 
Os sintomas iniciais do mau funcionamento dos rinssão anemia leve, pressão alta, edema (inchaço) dosolhos e pés, mudança nos hábitos de urinar (levantar diversas vezes à noite para urinar) e da coloração daurina (muito clara, com sangue, etc.) Deste ponto atéque os rins estejam funcionando somente com 10% a12% da função normal, pode-se tratar os pacientescom medicamentos e dieta. Quando a função renal sereduz abaixo destes valores, torna-se necessário o usode outros métodos de tratamento da Insuficiência renal:diálise ou transplante renal.
 
Obs
: Pacientes hipertensos e diabéticos devem fazer anualmente exames de sangue para medir o nível decreatinina e sumário de urina para constatar a presençade sangue e proteína.
Tempo de duração
A média da duração de cada sessão de hemodiálisefica em torno de quatro horas, geralmente três vezespor semana. Pode existir variações neste tempo deacordo com o tamanho e a idade do paciente. Nointervalo entre as sessões o paciente pode exercer suas funções normais de trabalho (em alguns casosparticulares, o paciente não consegue adaptar o horáriode trabalho e a hemodiálise).
Processo da Hemodiálise
O processo de Hemodiálise tem quatro fasesespecíficas:
1
. O sangue com substâncias tóxicas sai do organismoatravés de uma agulha inserida na veia, é impulsionadopor uma bomba, percorre um circuito extra- corpóreoatravés de um equipo arterial, e entra no dialisador instalado na máquina de Hemodiálise.
2
. O sangue na máquina, passa pelo dialisador / filtroentrando em contato com o banho de diálise.
 
3
. O banho de diálise é uma solução que, devido a suaconcentrão e composição química, atrai asimpurezas e a água contida no sangue. As impurezasatravessam a membrana e passam para o banho.
4
.
 
O banho que adquiriu as impurezas e a água dosangue sai da máquina e é jogado fora pelos drenos,que posteriormente o drenadas para fora damáquina.
 
5
. O sangue agora "limpo" purificado sai pelo outro ladoda quina, retornando ao paciente pelo equipovenoso e agulha venosa.
 
A circulação do sangue pelo circuito extra- corpóreo sóé possível se o sistema se mantiver anti-coagulado. Oprocesso de depuração das substâncias tóxicas e daremoção d'água na hemodiálise são realizados peloprincípio de difusão e ultrafiltração.Na hemodiálise, o princípio de ultrafiltração usado pararemoção de água, ocorre também pela presença de umsistema de pressão hidrostática, que uma vezprogramado força a passagem de água através dosporos da membrana para o banho de diálise e posterior drenagem.Para realizar a hemodiálise, a água na qual é diluído obanho de diálise deve ser devidamente tratada comosmose reversa, de acordo com os padrões mínimosde qualidade definidos em lei. Se a água o fotratada, esta pode apresentar micro-organismos, queatravessando a membrana semipermeável do dialisador podem vir a contaminar o sangue do paciente, levandodesde reações febris até a morte.O banho ou solão de diálise apresenta umacomposição química ideal para atrair as substânciastóxicas do sangue. O banho de diálise deve ser diluídocom água tratada seguindo os padrões decondutividade e temperatura programados na máquinae devem ser aferidos pelos técnicos antes de conectar o paciente.
Requisitos para a Hemodiálise
Via de acesso à circulação do paciente.
Dialisador com membrana semipermeável.
Banho dialisado apropriado.
Monitorização durante a Diálise
Durante a diálise o monitorizados os seguintesparâmetros:
Composição química do fluido de diálise.
Temperatura do fluido de diálise.
Pressão dentro do circuito sanguíneo.
Continuidade da coluna de sangue na linha deretorno.
Fluxo sanguíneo através do dialisador.
Velocidade de fluxo do fluido de diálise.
Pressão do fluxo de diálise.
Presença de sangue no fluido de diálise.
Pressão na linha arterial.
Tempo de coagulação sanguínea.
Temperatura, pulo e respiração do paciente.
Métodos de acesso à circulação do paciente
 
O sangue pode ser retirado, limpo e devolvido ao corpoem velocidade entre 200 e 800ml/min; entretanto, emprimeiro lugar, o acesso à circulação do paciente deveser estabelecido.
 
Cateteres de subclávia, jugular interna e femoral
:O acesso imediato à circulação do paciente para ahemodiálise aguda é conseguido ao se inserir umcateter de luz dupla ou de ltiplas luzes na veiasubclávia, jugular interna ou femoral. Os cateteres deluz dupla com balão também podem ser inseridos por meios cirúrgicos na veia subclávia dos pacientes quenecessitam de um cateter venoso central para a diálisedurante um período mais prolongado.
Riscos:
Hematoma.
Pneumotórax.
Infecção.
Trombose da veia subclávia.
Fluxo inadequado.
Fístula arteriovenosa (FAV)
:Pode ser criada sempre que se dispõe de uma veia eartéria, juntas. Em geral anastomosa-se a artéria radialcom a veia adjacente. A arterialização da veia torna amesma mais forte e mais acessível para asvenopunções repetidas. A extremidade arterial é usadapara o fluxo arterial e a extremidade distal, para areinfusão do sangue dialisado. Pode-se também criar uma fístula AV na perna. A fístula leva de 4 a 6semanas para amadurecer, antes de estar pronta parauso. O paciente é encorajado a realizar os exercíciospara aumentar o tamanho desses vasos, com oobjetivo de acomodar as agulhas de grosso calibreempregadas na hemodiálise.
Riscos:
A fístula AV pode ser uma fonte de infecção.
O alto fluxo sangneo atras da stula podesobrecarregar o coração.
Tem a desvantagem de ter que ser perfurada comagulhas de calibre grosso antes de cada sessão.
Falência da fístula.
Shunts arteriovenosos externos
:Costura-se um cateter de teflon-silastic na artéria radiale numa veia do antebraço. Os dois são unidos por umaponte de teflon. Durante a diálise a ponte é removida eas extremidades arterial e venosa são conectadas àslinhas de fluxo do rim artificial. Os shunts podemtambém ser colocados nas pernas.
Riscos:
Vida limitada do shunt: este deve ser revistocirurgicamente com intervalos de poucos meses.
Formação de coágulo e infecção.
Enxerto
: Um enxerto arteriovenoso pode ser criadopela interposição subcutânea de uma prótese biológica,semibiológica ou sintética entre uma artéria e uma veia.O material de enxerto sintético mais usado é opolitetrafluoroetileno. Em geral, um enxerto é criadoquando os vasos do próprio paciente não oadequados para uma fístula. Os enxertos geralmente,são colocados no antebraço, no braço ou na partesuperior da coxa.
Riscos:
Infecção.
Trombose.
Cuidados de enfermagem durante a hemodiáliseAntes da sessão:
Verificar sinais vitais.
Verificar peso do paciente.
Esvaziar a bexiga e medir a diurese.
Verificar quais os medicamentos o paciente estáfazendo uso.
Administrar a medicação prescrita.
Durante a sessão:
Administrar medicação prescrita.
Ficar atento para sangramento nasal ou cutâneo.
Observar e relatar presença de: tremores, sonolência,náuseas, vômitos, tonturas e cãibras musculares.
Providenciar dieta e hidratação durante a diálise.
Fazer controle do balanço hídrico.
Após a sessão:
Fazer curativo compressivo na região da fístula.
Pesar o paciente.
Verificar sinais vitais.
Administrar medicação prescrita.
Orientar o paciente a não pegar o peso com o braçodo shunt, não aferir pressão arterial ou administrar medicação neste membro.
Limpar e desinfetar o aparelho dialisador.
Obs.
: Deve-se evitar as medições de pressão arterialou retirada de amostras sanguíneas do braço em queestá a fístula arteriovenosa. Esses procedimentospodem causar um bloqueio ou uma coagulação nodispositivo de acesso.
Medicamentos usados em pacientes deHemodiálise
Da mesma forma que muitos medicamentos onormalmente excretados na sua totalidade ou em partepelos rins, muitos medicamento são excretados durantea hemodiálise. Os pacientes que estão sob hemodiálisee que necessitam de medicamentos (glicosídeoscardíacos, agentes antiarrítmicos, agentes anti-hipertensivos), devem ser monitorizados de perto, paragarantir que os níveis sanguíneos e teciduais dessesmedicamentos sejam mantidos, sem acúmulo tóxico.Como alguns medicamentos e subsncias oretirados do sangue durante a diálise, o médico podeprecisar ajustar a dosagem. Os medicamentos que seligam à proteína não são removidos durante a diálise.

Activity (6)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Wanderlan Leão liked this
Thais da Silva liked this
Daniely Oliveira liked this
Joicy Tayláinne liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->