Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
4Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Bionator de Balters - Técnica de Desgaste v01n0202dcl

Bionator de Balters - Técnica de Desgaste v01n0202dcl

Ratings: (0)|Views: 331 |Likes:
Published by Leonardo Lamim

More info:

Published by: Leonardo Lamim on May 14, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/19/2013

pdf

text

original

 
R.Clín.Ortodon.Dental.Press,.Maringá,.v.1,.n.2,.p.9-16.-.abr/maio.2002•.
9
Dica Clínica
Bionator de Balters - Técnicade Desgaste
Danilo Furquim Siqueira*Adriano Lia Mondelli**
Bionator of Balters - Grinding Technique
Palavras-chave:
.Bionator.de.Balters.Ortopedia.Funcional.Classe.II
Resumo
Esta dica clínica discorre sobre o correto manuseio do aparelho ortopédico uncional Bionator deBalters. Este tipo de aparelho, muito utilizado na clínica ortodôntica/ortopédica apresenta algu-mas características que devem ser observadas para torná-lo mais eetivo. Entre elas, destaca-se odesgaste da resina na região póstero-inerior, com o intuito de auxiliar na correção da má oclusãode Classe II.
INTRODUÇÃO
 A correta identifcação das anormalidadesdentoaciais combinada ao amplo conhecimentosobre o crescimento e desenvolvimento cranio-acial propicia um adequado planejamento dotratamento para cada paciente, independente dotipo de má oclusão. As más oclusões de Classe II apresentamuma etiologia diversifcada, podendo resultar dealterações esqueléticas, dentárias ou da combi-nação destas
1,5
. Segundo Silva Filho
7
(1990), elarepresenta 42% do total de más oclusões, sendoque 26,61% são relacionados à Classe II dentáriae 15,39% esquelética. Estas más oclusões esquelé-ticas podem ser caracterizadas por uma protrusãodentoalveolar superior, uma retrusão mandibularou uma associação de ambos os atores
1,5
. Assim, o diagnóstico correto do problemainerente de cada paciente e o estágio de maturaçãoesquelética, promovem a eleição do método de tra-tamento adequado para cada tipo de má oclusão.Nos casos de más oclusões de Classe II esque-léticas, com retrognatismo mandibular, pode-seutilizar uma gama muito grande de aparelhosortopédicos propulsores da mandíbula, de usocontínuo (Herbst, Jasper Jumper, MPA) ou de usointermitente (Ativador, Bionator de Balters) para acorreção desta desarmonia dentoesquelética.
Bionator de Balters
O Bionator de Balters é um aparelho ortopé-dico uncional desenvolvido por Wilhelm Baltersna década de 50
2,3
(BALTERS
2
, 1981; EIREW 
3
,1981), indicado para pacientes na ase de cresci-mento e desenvolvimento cranioacial, uma vezque promove alterações dentárias e esqueléticaspara a correção da má oclusão de Classe II, caracte-rizada pela defciência no crescimento mandibular,trespasse horizontal acentuado, sobremordida ecurva de Spee proundas. Este tipo de aparelho,muito utilizado na prática clínica, apresenta-sebastante eetivo e com algumas vantagens em re-lação aos outros aparelhos ortopédicos uncionais(Bimler, Frankel): a) ácil manuseio; b) resistente;c) ácil adaptação do paciente; d) ácil conecção;e) resultados previsíveis.O aparelho original de Balters soreualgumas modifcações, como as sugeridas por Janson e Noachtar
6
, (1998), que indicaram orecobrimento dos incisivos ineriores com acrílico
.*.Mestre.e.Doutorando.em.Ortodontia.pela.FOB-USP.**.Mestre.em.Dentística.Restauradora,.opção.“Materiais.Dentários”.-.FOB-USP;.Doutorando.em.Ortodontia.-.FOB-USP
 
10
•.R.Clín.Ortodon.Dental.Press,.Maringá,.v.1,.n.2,.p.9-16.-.abr/maio.2002
para: a) restrição do desenvolvimento vertical; b)reerência para a protrusão mandibular; c) dimi-nuição da tendência de protrusão dos incisivosineriores.Este aparelho deve ser utilizado por umperíodo mínimo de 18 meses
4
(tempo de trata-mento ativo) e após a sua instalação, indica-se umprocedimento de desgaste gradativo no acrílicoque recobre os dentes póstero-ineriores, com oobjetivo de: a) corrigir a curva de Spee; b) corrigira sobremordida; c) ajudar a corrigir a Classe II.Todas estas alterações são baseadas no princípiode erupção dierencial de Harvold
4
, (GRABER;NEUMANN
4
, 1987) o qual promove o desen-volvimento vertical e anterior (mesial) dos dentespóstero-ineriores e limita o desenvolvimentodos dentes póstero-superiores. Em alguns casos,pode-se desgastar o acrílico em locais específcospara induzir um movimento distal dos dentessuperiores, com o intuito de potencializar estacorreção
4
.
Procedimento de Desgaste
 Após três meses da instalação do aparelho nacavidade bucal, inicia-se o desgaste do acrílico naregião póstero-inerior (Fig. 14-22).Observa-se nas iguras 1 a 5 o contatoexistente entre a resina e os dentes superiores eineriores. O desgaste deverá englobar todos osdentes posteriores presentes, ou seja, primeirose segundos pré-molares e primeiros e segundosmolares ineriores. Este deverá ser realizado comuma resa específca, ilustrada nas fguras 6 a 8.Gradativamente desgasta-se a resina (Fig. 9-10), lembrando que o alívio por lingual é impres-cindível para o sucesso do tratamento. Após alguns meses de desgaste, a resina seráeliminada por inteiro, para que haja uma corretaintercuspidação dos dentes posteriores, aumen-tando assim, a estabilidade do tratamento (Fig.11-13).
Caso Clínico
O caso clínico a seguir ilustra o procedimentodescrito anteriormente.Paciente do gênero eminino, com 12 anosde idade ao início do tratamento, perfl acialconvexo, linha mento-pescoço diminuída, há-bito de sucção digital e má oclusão de Classe IIesquelética, caracterizada por uma defciênciatransversal da maxila, retrognatismo mandibular,trespasses horizontal acentuado e curva de Speeprounda (Fig. 23-32). Inicialmente realizou-seo procedimento de Expansão Rápida da Maxilacom o expansor tipo Hyrax, para a correção dadefciência transversal superior.
Bionator de Balters - Técnica de Desgaste
FIGURA 1
.-.Visão.inicial.do.Bionator
FIGURA 2
.-.Visão.inicial.do.Bionator
FIGURA 3
.-.Visão.inicial.do.Bionator
FIGURA 4
.-.Visão.inicial.do.Bionator
FIGURA 5
.-.Visão.inicial.do.Bionator
 
R.Clín.Ortodon.Dental.Press,.Maringá,.v.1,.n.2,.p.9-16.-.abr/maio.2002•.
11
Danilo Furquim Siqueira, Adriano Lia Mondelli
FIGURA 6
.-.Desgaste.póstero-inerior
FIGURA 7
.-.Desgaste.póstero-inerior
FIGURA 8
.-.Desgaste.póstero-inerior
FIGURA 9
.-.Desgaste.Inicial.:.oclusal.e.lingual
FIGURA 10
.-.Desgaste.Inicial.:.oclusal.e.lingual
FIGURA 11
.-.Desgaste.Total
FIGURA 12
.-.Desgaste.total
FIGURA 13
.-.Desgaste.total

Activity (4)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 thousand reads
1 hundred reads
mam65orto liked this
Arita TA liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->