Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
4Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Orçamento Público principios

Orçamento Público principios

Ratings: (0)|Views: 273 |Likes:
Published by euvoupassar

More info:

Published by: euvoupassar on May 17, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as ODT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/18/2014

pdf

text

original

 
12 Abril, 2006
Orçamento Público - Princípios
Princípios Orçamentários
:Conceito: Segundo o Prof. Francisco José Carrera Raya (in
Manual de Derecho Financiero
,volumen III, Madrid, Editorial Tecnos, 1995), os "principios presupuestarios" constituem um
"conjunto de regras jurídicas que devem inspirar a elaboração, aprovação, execução e controle doorçamento" 
.Concepção Moderna: Regras Flexíveis (Regra + Exceção)1. PRINCÍPIO DA UNIDADE: O orçamento deve constar de uma peça única· Art. 2°, Lei n° 4.320/64· Cada esfera de governo deve possuir apenas 1 orçamento· Unidade orçamentária ≠ Unidade de Caixa[1]Exceções: Entidades Paraestatais dotadas de Autonomia Financeira (ex. Empresas estatais - apenasos seus investimentos devem constar da Lei Orçamentária Anual. O Plano de Dispêndios Globais(PDG), ato infralegal, constitui o orçamento das empresas estatais abrangendo também as despesasde custeio).
Questão: A existência do orçamento fiscal, da seguridade social e o de investimentos das estataisviola o princípio da unidade?
2. PRINCÍPIO DA TOTALIDADE ORÇAMENTÁRIA: Admite a coexistência de diversosorçamentos, os quais, entretanto, deverão receber consolidação para que o governo tenha uma visãogeral do conjunto das finanças públicas.James Giacomonni - Sustenta que a CF/88 estabelece que a LOA respeita o princípio da totalidadeorçamentária, pois os três orçamentos (Fiscal, Seguridade Social e Investimento das Estatais) sãoelaborados de forma independente sofrendo, contudo, consolidação que possibilita o conhecimentodo desempenho global das finanças públicas.3. PRINCÍPIO DA UNIVERSALIDADE: O orçamento (uno) deve conter todas as receitas e todasas despesas do Estado.· Art. 2°, Lei n° 4.320/64· Art. 3° e 4°, da Lei n° 4.320/64· Art. 165, §5°, CF/884. PRINCÍPIO DO ORÇAMENTO BRUTO: (corolário do princípio da universalidade): Todas as parcelas da receita e da despesa devem aparecer no orçamento em seus valores brutos, sendo vedadaqualquer dedução.· Art. 6°, da Lei n° 4.320/64
 
Existem despesas que, ao serem realizadas, geram receitas ao Ente Público.Por outro lado, existem receitas que, ao serem arrecadadas, geram despesas.O princípio do orçamento bruto veda que as despesas ou receitas sejam incluídas no orçamento, nosseus montantes líquidos.Exemplo: No exemplo abaixo, não poderá ser incluída, no orçamento, somente a Despesa PessoalLíquida (R$ 700.000,00), mas deverão ser previstas as receitas de IRRF e a da Contribuição Sociale autorizada a Despesa de Pessoal Bruta (R$ 1.000.000,00).Realização da Despesa de PessoalValor (R$)Despesa de Pessoal Bruta(+) R$ 1.000.000,00Receita de IRRF(-) R$ 200.000,00Receita de Contribuições Sociais(-) R$ 100.000,00Despesa de Pessoal Líquida(=) R$ 700.000,005. PRINCÍPIO DA ANUALIDADE (OU PERIODICIDADE): O orçamento autoriza a realizaçãodas despesas por um período (exercício financeiro). Os créditos orçamentários tem vigência duranteo período fixado. No Brasil, o exercício financeiro coincidirá com o Ano Civil (art. 34, Lei n° 4.320/64).A não coincidência do exercício financeiro com o ano civil não implica em violação o princípio daanualidade. Existem Estados em que o orçamento tem vigência iniciando-se em 01.Ago.X1 eterminando em 31.07.X2, sem que se possa falar em violação ao princípio da anualidade.A existência do PPA também não viola o princípio da anualidade. O PPA, segundo JAMESGIACOMONNI, não tem caráter autorizativo, mas informativo.6. PRINCÍPIO DA NÃO AFETAÇÃO OU NÃO VINCULAÇÃO· Art. 167, IV, CF/88 - veda a vinculação de impostos à órgão, fundo ou despesa.Art. 167 - São vedados:IV - a vinculação de receita de impostos a órgão, fundo ou despesa, ressalvadas a repartição do produto da arrecadação dos impostos a que se referem os arts. 158 e 159, a destinação de recursos para as ações e serviços públicos de saúde, para manutenção e desenvolvimento do ensino e pararealização de atividades da administração tributária, como determinado, respectivamente, pelos arts.198, § 2º, 212 e 37, XXII, e a prestação de garantias às operações de crédito por antecipação dereceita, previstas no art. 165, § 8º, bem como o disposto no § 4º deste artigo;Exceções:a) Repartição dos impostos cf. arts. 158/159, CF/88; b) Destinação de recursos para a Saúde;c) Destinação de recursos para o desenvolvimento do ensino;d) Destinação de recursos para a atividade de administração tributária;e) Prestação de garantias às operações de crédito ARO;
 
f) Art. 167, §4°, CF/88 - garantia, contragarantia à União e pagamento de débitos para com esta.IMPOSTOS => Destinados aos Serviços Públicos
"Uti universi" 
.FUNDOS: FORMAS DE VINCULAÇÃOArt. 71, Lei n° 4.320/64: Constitui fundo especial o produto de receitas especificadas que, por lei, sevinculam à realização de determinados objetivos ou serviços.Art. 167, IX, CF/88 - Vedação à instituição de fundos de qualquer natureza sem autorizaçãolegislativa.7. PRINCÍPIO DA DISCRIMINAÇÃO OU ESPECIFICAÇÃO: discriminação ou detalhamento dasreceitas e despesas no orçamento.Art. 5°, Lei n° 4.320/64: Vedação às dotações globais destinadas a atender indiferentemente asdespesas de pessoal, materiais e serviços de terceiros, etc.As entidades públicas podem realizar detalhamentos ainda maiores que os da Lei.8. PRINCÍPIO DA EXCLUSIVIDADE· Art. 165, § 8°, CF/88 e art. 7°, da Lei n° 4.320/64.Regra: Matérias Exclusivas da LOA: Fixação da Despesa + Previsão da ReceitaExceções:a) autorização para a abertura de créditos suplementares; b) autorização para a realização de operações de crédito, ainda que por antecipação de receitaorçamentária.Finalidade: Evitar as chamadas "caudas orçamentárias", comuns na época da 1a. República.9. PRINCÍPIO DO EQUILÍBRIO: Receita Prevista = Despesa FixadaCF/88 - Preocupação com o déficit correnteArt. 167, III, CF/88 (REGRA DE OURO): Veda a realização de operações de crédito que excedamo montante das despesas de capital.Exceção: operações de crédito autorizadas mediante créditos suplementares ou especiais comfinalidade precisa, aprovados pelo Poder Legislativo por maioria absoluta;Finalidade: Evitar que as operações de crédito (receitas de capital) sejam usadas para financiar despesas correntes (custeio, despesas com manutenção das atividades, etc.).Receitas Correntes + Receitas de Capital = Despesas Correntes + Despesas de Capital.10. PRINCÍPIO DA CLAREZA: O orçamento deve ser apresentado em linguagem clara ecompreensível para todas as pessoas que necessitam, de alguma forma, manipulá-lo.11. PRINCÍPIO DA PUBLICIDADE: Publicidade Formal: Publicação no Diário Oficial

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->