Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
26Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Cesário Verde - Num bairro moderno

Cesário Verde - Num bairro moderno

Ratings:

5.0

(1)
|Views: 6,372 |Likes:
Published by Rita Andrade
Análise do poema "Num Bairro Moderno" de Cesário Verde, por Rita Andrade.
Análise do poema "Num Bairro Moderno" de Cesário Verde, por Rita Andrade.

More info:

Categories:Types, School Work
Published by: Rita Andrade on May 19, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPTX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/20/2014

pdf

text

original

 
CESÁRIO VERDE.UM GÉNIOIGNORADO´
Num Bairro Moderno
 
NUM BAIRRO MODERNO (EST.I-III)
´
Dez horas da manhã; os transparentesMatizam uma casa apalaçada;Pelos jardins estancam-se as nascentes,E fere a vista, com brancuras quentesbrancuras quentes, A larga macadamizada.Rez-de-chaussérepousam sossegadosrepousam sossegados, Abriram-se, nalguns, as persianas
 
 ,E dum ou doutro, em quartos estucados,Ou entre a rama dos papéis pintados,Reluzem, num almoço as porcelanasReluzem, num almoço as porcelanas.Como é saudável ter o seu conchego,E a sua vida fácil! Eu descia,Sem muita pressa, para o meu emprego, Aonde agora quase sempre chegoCom as tonturas duma apoplexia.
C
omo uma câmara vai focandotodos os pormenores do espaçointerior e mesmo as referênciasao espaço exterior, que sugeremo bem-estar, o conforto, que sevivia, num bairro moderno eburguês.
C
esário comunga também nestebem-estar, é um homem que viveneste conforto.Este confronto é explicitado porum comentário pessoal.
C
ujas persianas se abrem,possibilitando-nos acontemplação do seuinterior.Tom deambulatório.É muito mais chique dizerem francês.
C
onfere-lheoutro estatuto.Suspensão súbita, completa ouincompleta do movimento e dasensação.Sinestesia.Hipálage.Hipálage.
 
NUM BAIRRO MODERNO (EST. IV-V)
´
E rota, pequenina, azafamada,Notei Notei de costas uma rapariga,Que no xadrez marmóreo duma escada,Como um retalho de horta aglomerada,Pousara, ajoelhandoajoelhando, a sua giga.E eu, apesar do sol, examinei  , examinei--aa; Pôs-se de pé; ressoam-lhe os tamancos;E abre-se-lhe o algodão azul da meia,Se ela se curva se curva, esguedelhada, feiaE pendurandopendurandoos seus bracinhos brancos.Do patamar responde-lhe um criado:"Se te convém, despacha; não converses.Eu não dou mais." E muito descansado, Atira um cobre ignóbil oxidado
 
 ,Que vem bater nas faces duns alperces.
O
uso do diminutivo ²fragilidade implícita
.
C
ontraste visual entreo branco, o negro e ocolorido das frutas.Refere-se à vendedeira comose o seu olhar se fixa-senuma imagem, destacando oque o impressiona,visualmente.Impressiona-lhe avendedeira frágil obrigada aum trabalho pesado. Ascaracterísticas indiciam ereiteram uma ideia dedebilidade, fragilidade queacentua o peso da opressãode que é vítima.Tom altivo.
C
rítica à desigualdadee à injustiça social.
O
motivo do olhardomina a composição.São elementos lexicaisque confirmam aimportância que apercepção visual detémno poema.
O
som vemcompletar todo estequadro.

Activity (26)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 thousand reads
1 hundred reads
Rita Rodrigues liked this
Elvira Melrinho liked this
Claudia Cassie liked this
Sara Castro liked this
Rossana Bertier liked this
Lidiana Menezes liked this
Sara Castro liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->