Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more ➡
Download
Standard view
Full view
of .
Add note
Save to My Library
Sync to mobile
Look up keyword
Like this
1Activity
×
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
empresas estatais

empresas estatais

Ratings: (0)|Views: 910|Likes:

More info:

Published by: Felix Salomao Machava on May 20, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, DOC, TXT or read online from Scribd
See More
See less

05/20/2011

pdf

text

original

 
Empresa estatal
Empresa estatal é um termo genérico, não técnico, usado para designar empresas em que ogovernodetém parte ou todo ocapital social. Segundo o artigo 1 da Lei nº 2/81 “são empresas estatais as unidades socioeconómicas, propriedades do Estado que as cria, dirige e afecta os recursos matérias, financeiros ehumanos adequados à aplicação do seu processo de reprodução no cumprimento do plano, nosentido de consolidar e aumentar um sector estatal que domine e determine a economianacional”. Empresas estatais se regem pela Lei 2/81, pelos respectivos regulamentos internose por demais legislação que lhes for especialmente aplicável.Quanto à sua personalidade e capacidade jurídica, as empresas estatais, gozam de personalizee capacidade jurídica. A gestão económico-financeira das empresas estatais realizam-se deacordo com o próprio plano da empresa estatal, isto é, impõe-se as empresas estatais quetrabalhem vinculadas a um plano em que se definem correctamente as metas de produção, osmeios e capacidade que dispõem.Em relão as empresas públicas gozam de personalidade jurídica e sua capacidadecompreende todos direitos e obrigações necessárias à prossecução do seu objecto, como talfixado nos respectivos estatutos.
Formas de criação e extinção da empresa estatais
As empresas estatais de âmbito nacional são criadas por decreto do conselho de Ministros,enquanto as de âmbito local são criadas por diploma ministerial (art. 6 nº 2 e 3) tendo emconsideração o contexto político-económico em que foi aprovada a lei 2/81, ao Estado eraatribuída, como tarefa prioritária, a organização do sector produtivo de modo a assegurar adirecção centralizada da economia, promover a sua geso planificada, desenvolver econsolidar o sector estatal de produção o qual devia ser dominante e determinante nosdomínios económicos fundamentais, facilmente se compreende que no mesmo diploma legalnão se faça qualquer tipo de referencia ao modo de extinção das empresas estatais, tidas entãocomo um do elementos fundamentais na edificação da sociedade socialista..
 
Órgãos das empresas estatais e a participação dos trabalhadores
O artigo 14 da lei 2/81 estabelece que as organizam-se e funcionam a todos os níveisde acordo com o princípio de unidade política e económica das decisões do centralismodemocrático, da direcção e responsabilidade individuais conjugadas com a participação dostrabalhadores. Dai que a direcção de cada empresa estatal seja exercida pelo respectivodirector geral. Sempre que a dimensão da empresa, ou a importância de certas funções justifique, o director geral pode ser assistido por mais directores, nomeados, sob proposta dodirector geral, por despacho do dirigente do órgão central do aparelho do estado quesuperintende o ramo ou o sector de actividade. O director geral para além, de ser apoiado natomada de decisões e sua implantação por um colectivo de direcção, poderá convocar reuniões com trabalhadores a ampla discussão de assuntos relativos à empresa.
A tutela e a intervenção do governo
De acordo com o artigo 7 nº2 da lei 2/81 ”as relações das empresas estatais de âmbitonacional e suas delegações com os órgãos só aparelho de Estado a nível da província e dedistrito serão de informação, coordenação e em nenhum caso de subordinação de hierarquia”.Está também em causa um controlo de tutela e não um controlo de relação hierárquica. É queos poderes hierárquicos são exercidos, no interior da mesma pessoa colectiva, pelos órgãossuperiores sobre os órgãos subalternos, sendo tal ideia incompatível com qualquer ideia deautonomia, antes manifestando um poder direcção próprio de suprema hierarquia. Os poderesde tutela, pelo contrário, exercem-se sobre pessoas colectivas autónomas, significando um poder de fiscalização, de orientação compatível com a autonomia da entidade tutelada. Assimsendo, o mesmo manifesta-se. Desde logo, pelo facto de competir ao órgão central doaparelho do Estado que superintende o ramo ou sector de actividade, não só nomear, comomandar cessar as funções e demitir o director geral da empresa estatal, assim com os própriosdirectores (art. 17)Podemos distinguir as
empresas estatais
em
dois tipos:
É a pessoa jurídicadecapitalpúblico, instituído por umEnte estatal, com a finalidade  prevista emLei. A finalidade pode ser de actividade económica ou serviços públicos.
2
 
Tambêm é a pessoa jurídica criada com força de autorização legal, como instrumento deacção do estado, dotada de personalidade de direito privado mas submetida a certas regrasdecorrente da finalidade pública, constituídas sob qualquer das formas admitidas em direito,cujo capital seja formado por capital formado unicamente por recursos públicos de pessoa deadministração directa ou indireta.Empresas públicas são aquelas criadas por expressa autorização legal, se constituindo decapital exclusivamente público, mas que se regem pelas normas comerciais e vêm para que oGoverno exerça atividades de caráter econômico ou execute serviços públicos, que o próprioEstado considere, ou que interesse à coletividade. Vêm da Administração Pública Indireta esão de Direito Privado. Por serem empresas públicas regem-se pelos ditames do Estado, queas controla, porém acompanham a dinâmica comercial vigente. Têm muita semelhança comas sociedades de economia mista, mas não os são, já que as empresas públicas não admitemcapital privado. Demonstram grande relencia ao Estado, pois este pode exercedeterminadas actividades com uma maior maleabilidade, sem estar preso a tantos aspectos burocráticos.Quanto aocapital,difere-se dassociedades de economia mista, porquanto nestas, ainda que a titularidade também seja doPoder Público, o capital social é dividido também entre particulares, que adquire suas quotas por meios da compra deacções. Empresa pública é aempresa criada pelo Estado com capitais próprios ou fornecidos por outras empresas públicas para a exploração de atividades de natureza econômica ou social.
Características das empresas públicas
Pessoa jurídica - titular de direitos e obrigações próprios distintos da pessoa que ainstituiu;
Pessoa jurídica de direito privado - entretanto incide, ao menos parcialmente, normasde direito público a exemplo do concurso público para investidura no emprego público e obrigatoriedade de realizar processo de licitação pública.
Criação autorizada por lei específica
Desempenho de actividade de natureza económica;
O seu pessoal é ocupante de emprego público;
Regime tributário - o mesmo das empresas privadas;
Forma de organização - sob qualquer das formas admitidas em direito;
3

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->