Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword or section
Like this
14Activity
P. 1
Análise foliar e recomendação de adubação

Análise foliar e recomendação de adubação

Ratings: (0)|Views: 858|Likes:
Published by Paulo G S Wadt
Este trabalho aborda procedimentos que podem ser adotados para que a análise foliar seja utilizada para auxiliar na recomendação de adubação
Este trabalho aborda procedimentos que podem ser adotados para que a análise foliar seja utilizada para auxiliar na recomendação de adubação

More info:

Categories:Types, Research, Science
Published by: Paulo G S Wadt on May 22, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/07/2013

pdf

text

original

 
XXXII CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLOANALISE FOLIAR COMO FERRAMENTA PARA A RECOMENDAÇÃO DEADUBAÇÃO
Paulo Guilherme Salvador Wadt
1
1 Introdução
A recomendação de adubação para as culturas comerciais consiste na interpretão deindicadores sobre o suprimento de nutrientes pelo solo e da avaliação, por modelossistematizados, do potencial produtivo e respectiva demanda de nutrientes pelas lavouras.Portanto, todo processo segue um determinado conjunto de regras (métodos) ou decisões(baseadas no conhecimento empírico ou científico) visando à quantificação dos nutrientes e omanejo a ser aplicado para cada fonte do nutriente utilizada na adubação.Queses relacionadas às fontes de nutrientes e ao manejo da adubão, apesar daimportância, não serão abordadas, uma vez que o enfoque será sobre os dois processos derecomendação de adubação: avaliação da fertilidade do solo e diagnóstico do estadonutricional das lavouras.A avaliação da fertilidade dosoloé feita pela interpretação da análise química de solos. Aanálise é útil para identificar a exisncia de fatores que possam comprometer odesenvolvimento das culturas, como por exemplo, a acidez ou salinidade, como tambémestimar sua capacidade em suprir os nutrientes necessários ao crescimento e desenvolvimentodas culturas.A análise de solos é uma ferramenta de uso simples e direto. Existem duas abordagens principais para sua utilização: tabelas de adubação ou estimativa do suprimento do nutriente pelo solo para aplicação em sistemas baseados no balanço nutricional solo-planta.
1Engenheiro Agrônomo, D.Sc., Pesquisador A, Embrapa Acre, Caixa Postal 321, CEP 69.908-970, Rio Branco,AC. E-mail: paulo.wadt@dris.com.br 
1
 
XXXII CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO2 Tabelas de adubação
As tabelas de adubação consistem na ferramenta mais utilizada para a interpretação da análisede solos e a determinação das quantidades de nutrientes requeridas pelas lavouras. Aconstrução destas tabelas é realizada na etapa da correlação, ou seja, da escolha do extrator químico que apresente a melhor correlação entre a estimativa da disponibilidade de nutrienteno solo e a absorção pelas plantas; e na etapa de calibração, que consiste em ajustar a relaçãoentre os valores do nutriente disponíveis no solo com a produtividade e doses de fertilizantesnecessários para o crescimento ótimo ou econômico da cultura. Na etapa da calibração o objetivo central é verificar a correlação entre o método de extraçãodo nutriente no solo e a absorção pela planta. Normalmente, são realizados ensaios deadubação com muitos solos distintos, em condições de casas de vegetação, procurandootimizar todos os demais nutrientes nos solos e as condições de crescimento da planta (pH,disponibilidade de água, temperatura ambiente, etc.) (Novais et al., 2007). A espécie vegetalutilizada nestes ensaios normalmente deve apresentar um rápido crescimento e elevadaabsorção de nutriente, sendo híbridos de milho comumente escolhidos como plantaindicadora.Havendo, em um grande número de solos, correlação significativa entre as quantidades denutrientes que um determinado extrator retira do solo e o crescimento da planta, ou com asquantidades absorvidas pela planta, o nutriente extraído pode então ser considerado como afração do elemento no solo que se encontra “disponível” para as lavouras. O melhor métodode extração para determinado elemento químico será aquele que proporciona maior correlação; contudo, do ponto de vista prático, é necessário também considerar que o extrator a ser utilizado deverá apresentar correlações satisfatórias com um maior número possível denutrientes, de modo que em um único procedimento de extração seja possível avaliar adisponibilidade de um maior número de nutrientes minerais essenciais.A segunda etapa trata-se da fase de campo, na qual o objetivo será calibrar a disponibilidadedo nutriente com a produtividade da cultura e as doses de nutrientes necessários para odesenvolvimento da lavoura. Nesta etapa, são determinadas as faixas de disponibilidade donutriente do solo em função do crescimento relativo da lavoura e de sua resposta à adubação.
2
 
XXXII CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO
As faixas de disponibilidade determinadas são normalmente "muito baixo", "baixo","adequado", "alto" e "muito alto".Alguns extratores, quando sensíveis à capacidade de tamponamento do nutriente do solo,necessitam para a interpretação da disponibilidade do nutriente a estimativa do fator decapacidade tampão do solo, como por exemplo, o fósforo extraído com solução de Mehlich-1e a avaliação da capacidade tampão do solo para fósforo, esta última estimada por meio daanálise do fósforo remanescente (Novais et al., 2007; Alvarez V. et al., 2000). Neste caso, ainterpretação da disponibilidade do nutriente no solo dependerá da avaliação da contribuiçãodo fator capacidade tampão, como por exemplo, a interpretação da disponibilidade de fósforoem solos do Estado do Acre (Tabela 1) (Wadt & Cravo, 2005).Tabela 1. Classes de interpretação da disponibilidade de fósforo no solo, em função do teor extraído por solução de Mehlich-1 e do valor de fósforo remanescente (P-rem, 60 mg L
-1
).
P-remTeor de fósforo extraído em Mehlich-1, em mg dm
-3
BaixoMédioAlto< 10
6,06,0 a 12,0> 12,010 a 30
10,010,0 a 24,0> 24,0
30
1515,0 a 45,0> 45,0
Fonte: Wadt & Cravo (2005).Por outro lado, alguns nutrientes o possuem extratores que apresentem correlaçõessatisfatórias entre os valores extraídos e o crescimento de plantas ou as quantidadesabsorvidas, como o nitrogênio. Neste caso, as tabelas de adubação são construídas por meiode curvas de respostas médias, obtidas em condições de campo, com dados de vários ensaios,repetidos em diferentes anos e locais (Cantarella, 2007).Outra informação utilizada nas tabelas de adubação é a produtividade esperada, umaimportante medida para definir a dose de um nutriente, visto que quanto maior o potencial de produção de uma lavoura (definido pelo local de cultivo, material genético utilizado,condições climáticas, manejo fitotécnico) maior podeser a demanda de determinadonutriente (Cantarella, 2007).
3

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->