Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
1Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Português Aula1 Estrutura, formação e classe das palavras

Português Aula1 Estrutura, formação e classe das palavras

Ratings: (0)|Views: 209 |Likes:
Published by Eilson Santos

More info:

Published by: Eilson Santos on Jul 30, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/01/2011

pdf

text

original

 
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULARPROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI
 
www.pontodosconcursos.com.br
 
1
AULA 1 - ESTRUTURA, FORMAÇÃO E CLASSE DAS PALAVRAS
Olá, pessoalAlgumas questões de provas utilizam a expressão “análise morfossintática” em seusenunciados, o que leva muita gente ao desespero: “Nossa, eu não estudei isso!!!”.Calma, povo! Em nosso estudo de hoje, abordaremos esses conceitos e saberemosque, ao fim do curso, você terá sido apresentado aos elementos que possibilitamessa bendita análise.A gramática se divide basicamente em: FONÉTICA, MORFOLOGIA, SINTAXE,SEMÂNTICA e ESTILÍSTICA.
Fonética
estuda os sons e fonemas lingüísticos. Neste ponto, estudam-se, inclusive,tonicidade, classificação da palavra segundo a sílaba tônica, encontros vocálicos ouconsonantais etc. Parte disso já foi objeto de comentário na aula anterior.Felizmente, não precisamos nos aprofundar, pois somente os aspectos relativos àortografia costumam fazer parte dos programas de concursos públicos.
Morfologia
estuda a palavra em si, quer em relação à forma, quer em relação àidéia que ela encerra (classes das palavras, flexões, elementos mórficos, terminação,grafia). Esse é o assunto da aula de hoje.
Sintaxe
é o estudo da palavra com relação às outras que se acham na mesmaoração (concordância, regência, colocação).
Semântica
estuda os sentidos das palavras (já vimos na aula anterior) e
Estilística
investiga o sistema expressivo que o idioma apresenta (figuras de estilo, delinguagem etc.).Assim, a
análise morfológica
considera a palavra, sua formação, sua classe, apossibilidade de emprego, suas flexões, enquanto que a
análise sintática
trata darelação dessa palavra com as demais numa estrutura oracional. Em suma, umaanálise morfossintática aborda todos estes aspectos – a palavra em si e sua relaçãocom as demais da oração. Viu como não é nenhum bicho-de-sete-cabeças???Na Morfologia, um dos pontos a ser estudado é a
estrutura das palavras
, isto é, asunidades que as compõem.
ESTRUTURA DAS PALAVRAS
Recentemente, esse ponto do programa vem sendo explorado em concursospúblicos, principalmente pela Fundação Getúlio Vargas.Para conhecer a estrutura das palavras, iremos “dissecá-las”, identificando cada umade suas pequenas partes.As palavras são constituídas de
morfemas
, que são unidades mínimas indivisíveisda palavra (equivalem às células do corpo).Esses morfemas apresentam significados, que podem ser de natureza lexical(conceitos e sentidos da língua; léxico é o conjunto de palavras de uma língua, ouseja, vocabulário) ou de natureza gramatical (gênero, número, modo, tempo).Vamos a um exemplo. Na palavra
CÉUS
, podemos distinguir dois morfemas – oprimeiro, que carrega a significação, forma, por si, um vocábulo:
cé
; o segundonão tem autonomia vocabular, serve para identificar o número:
. Ao primeiro, dá-se
 
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULARPROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI
 
www.pontodosconcursos.com.br
 
2
o nome de morfema lexical (significado), e, ao segundo, o nome de morfemagramatical (define o número).Os morfemas podem ser divididos em:- elementos básicos e significativos: raiz, radical e tema;- elementos modificadores de significação: afixos, desinências e vogal temática;- elementos de ligação: vogais ou consoantes, também chamados de infixos.
 Raiz
É o elemento mínimo, primitivo, carregado do núcleo significativo que se conservaatravés do tempo, comum às palavras cognatas, ou seja, da mesma família. É objetode estudo da Etimologia, parte da gramática que estuda a origem das palavras.A título de exemplo, as palavras
estar
(em latim,
stare 
) e
constar
(em latim,
constare 
) possuem a mesma
raiz
: “
s
”.
Radical
É o elemento comum das palavras cognatas. É responsável pelo significado básico dapalavra. Ex.: Em terra, terreno, terreiro, terrinha, enterrar, terrestre e aterrar, oradical comum a todos é
terr- 
.Às vezes, pode sofrer alterações. Ex.: dormir, durmo; querer, quisAs palavras que possuem mais de um radical são chamadas de compostas. Ex.:passatempoAo radical, juntam-se os demais elementos, como desinências, sufixos, prefixos,infixos, vogais temáticas, de forma a compor novas palavras.Nos verbos, o radical é o que resta após eliminar a terminação “AR”, “ER”, “IR”:
CANT
AR = radical é
CANT
 
BEB
ER = radical é
BEB
 
PART
IR = radical é
PART
 A partir da mesma raiz, formam-se vários vocábulos: são cognatos os vocábulos
coração, cardíaco, cordial, cardiologista
.Uma curiosidade: a expressão
de cor
, usada em “saber de cor”, é também cognatade “coração”. Isso porque os antigos consideravam o coração como sede não só dasensibilidade (amor), mas também da inteligência. Então “saber de cor” liga-se àidéia de “saber de coração”.Vamos ver alguns exemplos da formação das palavras cognatas.Ao radical
CARDI
(do grego
kardia = coração)
podem ligar-se:a)
 
O
(vogal de ligação) +
LOG
(
logos
= tratado)
 
+
IA
(sufixo) = CARDIOLOGIAb)
 
O
(vogal de ligação) +
PAT
 
(
path
é a raiz de
páscho
= sofrer) +
IA
=CARDIOPATIA
Afixos
 
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULARPROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI
 
www.pontodosconcursos.com.br
 
3
São partículas que se anexam ao radical para formar outras palavras. Existem doistipos de afixos:
Prefixos:
colocados antes do radical. Ex.: desleal, ilegal
Sufixos:
colocados depois do radical. Ex: felizmente, igualdade, confeitaria
Infixos
Os infixos, também chamados de
vogais ou consoantes de ligação
, não sãosignificativos e, por isso, não são considerados morfemas.Entram na formação das palavras para facilitar a pronúncia.Ex.: café (radical) +
T
+ eira (sufixo) = cafe
t
eiracapim(radical) +
Z
+ al (sufixo) =capin
z
alrod (radical) +
O
+ via (radical) = rodovia
Vogal Temática
Vogal Temática (VT) se junta ao radical para receber outros elementos.Pode existir vogal temática tanto em verbos quanto em nomes. Ex.: beb
e
r, ros
a
,sal
a
.Nos nomes, as vogais temáticas podem ser
a, e, o
.Nos verbos, também são três as vogais temáticas –
a, e, i
– e estas indicam aconjugação a que pertencem os verbos (1ª, 2ª ou 3ª conjugação, respectivamente).Ex.: part
i
r (PART +
I
+ R) - verbo de 3ª conjugaçãosonh
a
ndo (SONH +
A
+ NDO) – verbo de 2ª.conjugaçãoEu disse “pode existir” porque nem todas as palavras possuem vogal temática. Háformas verbais e nomes sem vogal temática. Isso pode ocorrer nos nomesterminados em consoante (
rapaz, fácil
) ou em vogal tônica
 
(
saci, fé
) – casos emque o radical se confunde com o
tema
(resultado da união do radical com a vogaltemática), ou em algumas conjugações verbais.Em resumo, se um nome terminar por outra letra que não o “a”, “e” ou “o”, é chamado de
atemático
(sem tema).
CUIDADO: não confunda vogal temática com desinência, que marca a flexãoda palavra.
Em palavras que não se flexionam em gênero, esse “a”, “e” ou “o” finais são o tema,e a desinência de gênero é indicada pelo símbolo Ø:
radical VTdesinênciagênerodesinêncianúmerosala
sal a
pinto
pint o Ø
livros
livr o Ø s
estudantes
estudant e Ø s

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->