Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
1Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
NETO, Coelho. O Turbilhão

NETO, Coelho. O Turbilhão

Ratings: (0)|Views: 20 |Likes:
Published by Dea Martins
O Príncipe dos Prosadores - Fundador da Cadeira 2 da ABL. Recebeu os Acadêmicos Osório Duque-Estrada, Mário de Alencar e Paulo Barreto.

Coelho Neto (Henrique Maximiano C. N.), romancista, crítico e teatrólogo, nasceu em Caxias, MA, em 21 de fevereiro de 1864, e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, em 28 de novembro de 1934.

Foram seus pais Antônio da Fonseca Coelho, português, e Ana Silvestre Coelho, índia. Tinha seis anos quando seus pais se transferiram para o Rio. Estudou os preparatórios no Externato do Colégio Pedro II. Depois tentou os estudos de Medicina, mas logo desistiu do curso. Em 1883 matriculou-se na Faculdade de Direito de São Paulo. Seu espírito revoltado encontrou ali ambiente para expansões, e ele se viu envolvido num movimento dos estudantes contra um professor. Prevendo represálias, transferiu-se para Recife, onde fez o 1º. ano de Direito, tendo Tobias Barreto como o principal mestre. Regressando a São Paulo, entregou-se às idéias abolicionistas e republicanas, numa atitude que o incompatibilizou com certos mestres conservadores. Não concluiu o curso jurídico em 1885, e transferiu-se para o Rio. Fez parte do grupo de Olavo Bilac, Luís Murat, Guimarães Passos e Paula Ney e a história dessa geração apareceria no seu romance A Conquista (1899). Tornou-se companheiro assíduo de José do Patrocínio, na campanha abolicionista. Ingressou na Gazeta da Tarde, passando depois para a Cidade do Rio, onde chegou a exercer o cargo de secretário. Por essa época começou a publicar seus trabalhos literários.

Em 1890, casou-se com Maria Gabriela Brandão, filha do educador Alberto Olympio Brandão e do casamento teve 14 filhos. Foi nomeado para o cargo de secretário do Governo do Estado do Rio de Janeiro e, no ano seguinte, Diretor dos Negócios do Estado. Em 1892, foi nomeado professor de História da Arte da Escola Nacional de Belas Artes e, mais tarde, professor de Literatura do Ginásio Pedro II. Em 1910, foi nomeado professor de História do Teatro e Literatura Dramática da Escola de Arte Dramática, sendo logo depois diretor do estabelecimento.

Eleito deputado federal pelo Maranhão, em 1909, foi reeleito em 1917. Foi também secretário-geral da Liga de Defesa Nacional e membro do Conselho Consultivo do Theatro Municipal.

Além de exercer vários cargos, Coelho Neto multiplicava a sua atividade em revistas e jornais, no Rio e em outras cidades. Além de assinar trabalhos com seu próprio nome, escrevia sob inúmeros pseudônimos, entre outros: Anselmo Ribas, Caliban, Ariel, Amador Santelmo, Blanco Canabarro, Charles Rouget, Democ, N. Puck, Tartarin, Fur-Fur, Manés.

Cultivou praticamente todos os gêneros literários,deixou uma obra extensa e foi, por muitos anos, o escritor mais lido do Brasil. Apesar dos ataques que sofreu por parte de gerações mais recentes, sua presença na literatura brasileira ficou devidamente marcada. Em 1928, foi eleito Príncipe dos Prosadores Brasileiros, num concurso realizado pelo O Malho. João Neves da Fontoura, no discurso de posse, traçou-lhe o justo perfil:

"As duas grandes forças da obra de Coelho Neto residem na imaginação e no poder verbal. [...] Havia no seu cérebro, como nos teatros modernos, palcos móveis para as mutações da mágica. É o exemplo único de repentista da prosa. [...] Dotado de um dinamismo muito raro, Neto foi um idólatra da forma."


Fonte: ABL
http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=417&sid=94
O Príncipe dos Prosadores - Fundador da Cadeira 2 da ABL. Recebeu os Acadêmicos Osório Duque-Estrada, Mário de Alencar e Paulo Barreto.

Coelho Neto (Henrique Maximiano C. N.), romancista, crítico e teatrólogo, nasceu em Caxias, MA, em 21 de fevereiro de 1864, e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, em 28 de novembro de 1934.

Foram seus pais Antônio da Fonseca Coelho, português, e Ana Silvestre Coelho, índia. Tinha seis anos quando seus pais se transferiram para o Rio. Estudou os preparatórios no Externato do Colégio Pedro II. Depois tentou os estudos de Medicina, mas logo desistiu do curso. Em 1883 matriculou-se na Faculdade de Direito de São Paulo. Seu espírito revoltado encontrou ali ambiente para expansões, e ele se viu envolvido num movimento dos estudantes contra um professor. Prevendo represálias, transferiu-se para Recife, onde fez o 1º. ano de Direito, tendo Tobias Barreto como o principal mestre. Regressando a São Paulo, entregou-se às idéias abolicionistas e republicanas, numa atitude que o incompatibilizou com certos mestres conservadores. Não concluiu o curso jurídico em 1885, e transferiu-se para o Rio. Fez parte do grupo de Olavo Bilac, Luís Murat, Guimarães Passos e Paula Ney e a história dessa geração apareceria no seu romance A Conquista (1899). Tornou-se companheiro assíduo de José do Patrocínio, na campanha abolicionista. Ingressou na Gazeta da Tarde, passando depois para a Cidade do Rio, onde chegou a exercer o cargo de secretário. Por essa época começou a publicar seus trabalhos literários.

Em 1890, casou-se com Maria Gabriela Brandão, filha do educador Alberto Olympio Brandão e do casamento teve 14 filhos. Foi nomeado para o cargo de secretário do Governo do Estado do Rio de Janeiro e, no ano seguinte, Diretor dos Negócios do Estado. Em 1892, foi nomeado professor de História da Arte da Escola Nacional de Belas Artes e, mais tarde, professor de Literatura do Ginásio Pedro II. Em 1910, foi nomeado professor de História do Teatro e Literatura Dramática da Escola de Arte Dramática, sendo logo depois diretor do estabelecimento.

Eleito deputado federal pelo Maranhão, em 1909, foi reeleito em 1917. Foi também secretário-geral da Liga de Defesa Nacional e membro do Conselho Consultivo do Theatro Municipal.

Além de exercer vários cargos, Coelho Neto multiplicava a sua atividade em revistas e jornais, no Rio e em outras cidades. Além de assinar trabalhos com seu próprio nome, escrevia sob inúmeros pseudônimos, entre outros: Anselmo Ribas, Caliban, Ariel, Amador Santelmo, Blanco Canabarro, Charles Rouget, Democ, N. Puck, Tartarin, Fur-Fur, Manés.

Cultivou praticamente todos os gêneros literários,deixou uma obra extensa e foi, por muitos anos, o escritor mais lido do Brasil. Apesar dos ataques que sofreu por parte de gerações mais recentes, sua presença na literatura brasileira ficou devidamente marcada. Em 1928, foi eleito Príncipe dos Prosadores Brasileiros, num concurso realizado pelo O Malho. João Neves da Fontoura, no discurso de posse, traçou-lhe o justo perfil:

"As duas grandes forças da obra de Coelho Neto residem na imaginação e no poder verbal. [...] Havia no seu cérebro, como nos teatros modernos, palcos móveis para as mutações da mágica. É o exemplo único de repentista da prosa. [...] Dotado de um dinamismo muito raro, Neto foi um idólatra da forma."


Fonte: ABL
http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=417&sid=94

More info:

Published by: Dea Martins on Sep 01, 2011
Copyright:Public Domain

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/13/2013

pdf

text

original

 
O TURBILHÃO
Coelho Neto
 Ao Dr. Francisco Simões CorrêaHOMENAGEM E GRATIDÃODezembro, 1904Coelho NettoSimples Como a Verdade1Revistas as últimas provas do conto de Aurélio Mendes o
 Anacharsis
dos "Idílios pagãos", PauloJove arredou a cadeira e pôs-se de pé, desabafando. Doía-lhe a espinha e, como havia fumadoquase todo o maço de cigarros, tinha a boca amarga e áspera, os olhos ardidos, não só do fumoe da claridade intensíssima das lâmpadas elétricas, como da fixidez atenta em que os mantinhadesde as sete e meia até àquela hora alta da noite.Curvou-se de mãos nas ilhargas, d'ímpeto esticou os braços, arrojou-os à frente com um
ahn! 
surdo de atleta que exercita os músculos entorpecidos e desabou-os depois, com força,sacudindo-se todo,
 
virando, revirando a cabeça, como em ânsia angustiosa. Levantou-os, denovo, acima da cabeça, as mãos juntas, estrincando os dedos enclavinhados e bocejou,espichando-se nas pontas dos pés caindo depois, rijamente, sobre os tacões.Já as primeiras páginas haviam descido para a clichagem. Embaixo, martelavam pancadascrebas, como de matracas. A caldeira reboava num retroar soturno de caverna que repercutisse,sem descontinuar, o gorgorejo possante de águas encachoeiradas.Na sala da revisão, estreita e abafada, mal comportando as quatro mesas de serviço, osrevisores repousavam; apenas o Brites, esgalgado e míope, lia o antigo de fundo, todo emperíodos lamentosos augurando fome e lutas; e o Amaro, conferente, acusando a pontuação dequando em quando batia na mesa pancadas secas com um lápis ou dizia claramente umapalavra, repetindo-a devagar, sílaba a sílaba, enquanto o Brites, debruçado sobre a prova, faziaa emenda resmungando.O Malheiros, em mangas de camisa, suado, afogueado, derreava-se na cadeira, com a cabeçano respaldo, fumando, de olhos distraidamente cravados no teto, de onde escorriam os fiososcilantes das lâmpadas elétricas. O Bruno, abaçanado, raquítico, nervoso, sempre a calcar sobre a mola flácida do pince-nez, que lhe escorregava do nariz tressuante, todo pendido para oFreire, com uma rosa murcha à botoeira, silvava endecassílabos, preconizando a grande Arte doMendonça, o inimitável cinzelador do "Fauno Trêmulo".
 
Paulo enxugou a fronte e, tirando de um prego o colete e o paletó, lentamente, vergado defadiga, a bocejar, vestiu-os, com os olhos no entusiasta penegirista do Decadismo, que falavaprecipitado com desabalados gestos, sem dar pelo estremunho do Freire que molemente comuma ponta de cigarro ao canto da boca, sacudia a cabeça em afirmações condescendentes.Na grande sala, ao lado, vozes morosas apregoavam letras e números. A colmeia fervilhava. Os compositores - uns de pé, em mangas de camisa; outros em altosbancos, em quatro filas paralelas, estendidas ao longo da sala, cabisbaixos, à luz branca e vivadas lâmpadas, precipitavam os dedos nos caixotins, enchendo os componedores com umtrepidar metálico de gotas d'água em zinco.O Mário, d'óculos, apressado, ia de um a outro, examinando: inclinava-se sussurrando, como secomunicasse segredos, e havia, por vezes, um zumbido de vozes surdas, interrompido pelatosse cavernosa de um rapaz bronzeado, esguio e ossudo que, de instante a instante, ia à janela escarrar e ficava, curvado, tossindo aos arrancos, cavadamente. como se tivesse opeito devastado e oco.O Sampaio, diante do mármore, a mascar o charuto, ia desligando os
 paquets
para a paginação,enquanto o Lúcio, retranca, besuntado de tinta, mangas arregaçadas, tirava as últimas provasque os revisores esperavam.Subitamente um bufo, como da expansão de uma válcula, subiu das oficinas, e foi depois umchiado e logo um silvo de jato, e, lentamente, com rumor de ferragens, como à partida de umcomboio, as máquinas moveram-se, abalando o soalho em trepidações contínuas.O Malheiros, dobrando-se, tomou entre as mãos enlaçadas um dos joelhos e suspirou:"Não podia ouvir aquilo sem saudade: lembrava-se da sua viagem e pensava no Norte. Parecia-lhe que se achava a bordo, no convés, estirado num banco, ao clarão da lua, ouvindo as fontespulsações da máquina que impelia o navio pelo mar luminoso." E, sonhando, deixava-se ficar muito quieto, olhos semicerrados, viajando imaginariamente para o seu torrão longínquo: praiaslongas, ondulando em dunas alvas, praias que o mar bravio lambe e assoalha de espumas,donde os jangadeiros, cantando, arrastam as jangadas que, de velas pandas, aos galões,partem, montando a vaga, perdendo-se nos horizontes azuis.O Bruno, esse detestava a oficina: o "antro do Dragão". O prelo era: o Monstro devorador dogênio; e, sempre que ouvia a crepitação das correias nas polias ou o rolar dos cilindros dasmarinônis,
 
murmurava, com ódio e nojo: "Lá está a besta mastigando!"Nessa noite, mais irritado, irrompeu furioso:
 
- Eu podia estar na redação, ganhando mais e com outras regalias: escrevo com sintaxe e comarte, tenho a minha porção de ciência e de literatura, coisas que não possuem muitos dos quese inculcam, com vaidade, jornalistas; mas não quero: prefiro ficar por aqui, em nível inferior,conservando a integridade perfeita do meu espírito; ao menos não se dirá que cevo o "Monstro"que lá está experimentando as mandíbulas de ferro em folhas velhas, babando-as de salivanegra, como a jibóia lubrifica a presa antes de a engolir. Faz apetite à espera da ração, oestúpido."Eu sei que o escrito é um alimento indispensável ao espírito das gentes: entendo, porém, queos intelectuais devem apenas preparar o néctar divino e não essa mixórdia em que entra tudo -desde o espargo até a couve tronchuda."Vejam vocês: um artista como o Penante faz uma bela página de prosa ática - períodos polidosa capricho, como só ele os sabe polir. Compõe o Mendonça, com a magnificência do seutalento, um poemeto de rendilhados versos bizantinos. Escreve o Rocha um daqueles antigosde original beleza, nos quais a gente encontra a Musa cantando, desolada. no serralho daPolítica, como a
Cativa,
de Hugo,
 
na alcáçova do Turco, e vêm esses primores aqui para cima,na mesma cesta em que sobem as ignomínias das penas anônimas, como as rosas quechegam do mercado num samburá entre repolhos e nabos."Aqui misturam-se com os artigos pífios, cuja sintaxe temos de arranjar, raspando-lhes ossolecismos - porque, meus amigos, a verdade é esta: nós somos como os ajudantes de cozinha,que lavam as ervas das hortas tirando-lhes a terra e as lesmas. O mesmo rolo que passou sobreas imbecilidades do
a pedido
, passa por eles; o mesmo componedor, onde se acomodaramaqueles alexandrinos de ouro e aqueles períodos lapidares, acolhe a mofina salaz e covarde e oatoucinhado anúncio, a ignomínia da charada e o sórdido folhetim desconchavado, sem nexo,sem forma, e, depois, lá vai tudo, como um guisado. ser triturado, digerido e lançado, por fim, napágina, alfuja onde fermenta a estrumeira da civilização."Bolas! Arte é arte! A palavra é uma centelha, é preciso que tenha uma trípode. Prefiro ser revisor. Não tenho cérebro para regalo da Besta que se contenta com a panelada farta e grossa.O meu cérebro, se algum dia fornecer alimento ao animal, dará o néctar ideal, sem ingredientespulhas da horta indígena, como a mofina, ou da salsicharia universal, como os telegramas. Issoé a Besta máxima da Vulgaridade. está mastigando cérebros: o cérebro suntuoso doMendonça e o miolo infame do taverneiro, que anuncia malas de carne-seca ou sessões na suaBeneficente. Que te saiba, bruto! essa
 polenta
ignóbil."Os companheiros riam vendo o Bruno, de mãos atafulhadas nos bolsos, indo e vindo no estreitoespaço que havia entre as mesas da revisão, a cuspilhar, resmungando contra aquela "moendainfame".O Malheiros gostava de provocá-lo, sublinhando-lhe os disparates:- Ó Bruno, o monstro come cérebros e faz estrumeira ou prepara o guisado para o público? Vêlá em que ficas.- Fico em afirmar que é o realejo da palavra! - concluiu, indignado, o puritano da Arte.Riram. E o Bruno foi resmungar, debruçado à balaustrada da escada que descia para a oficina.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->