Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more ➡
Download
Standard view
Full view
of .
Add note
Save to My Library
Sync to mobile
Look up keyword
Like this
67Activity
×
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Módulo I: Material e Técnicas básicas de instrumentação cirúrgica

Módulo I: Material e Técnicas básicas de instrumentação cirúrgica

Ratings: (0)|Views: 19,455|Likes:
Published by Rosivan Maia Alves
LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA EXPERIMENTAL-LACE Módulo I: Material e Técnicas básicas de instrumentação cirúrgica

INTRODUÇÃO É indiscutível a importância dos materiais cirúrgicos para a realização do procedimento cirúrgico. Tendo em vista essa importância, foram sendo criados novos instrumentos na tentativa de facilitar o trabalho do cirurgião e, sobretudo, minimizar o trauma cirúrgico ao paciente. São instrumentos de funções específicas de diérese, preensão, exposição, hemostasia e síntese que de
LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA EXPERIMENTAL-LACE Módulo I: Material e Técnicas básicas de instrumentação cirúrgica

INTRODUÇÃO É indiscutível a importância dos materiais cirúrgicos para a realização do procedimento cirúrgico. Tendo em vista essa importância, foram sendo criados novos instrumentos na tentativa de facilitar o trabalho do cirurgião e, sobretudo, minimizar o trauma cirúrgico ao paciente. São instrumentos de funções específicas de diérese, preensão, exposição, hemostasia e síntese que de

More info:

Published by: Rosivan Maia Alves on Sep 08, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See More
See less

03/15/2014

pdf

text

original

 
 
LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA EXPERIMENTAL-LACEMódulo I: Material e Técnicas básicas de instrumentação cirúrgica
INTRODUÇÃO
É indiscutível a importância dos materiais cirúrgicos para a realização doprocedimento cirúrgico. Tendo em vista essa importância, foram sendo criadosnovos instrumentos na tentativa de facilitar o trabalho do cirurgião e, sobretudo,minimizar o trauma cirúrgico ao paciente. São instrumentos de funçõesespecíficas de diérese, preensão, exposição, hemostasia e síntese que devemestar em bom estado de conservação e assepsia, a fim de propiciar umadequado ato cirúrgico, evitando complicações pós-cirúgicas. Neste capítulo,teremos uma visão geral dos materiais de maior relevância para a práticamédica e noções de instrumentação a fim de que o leitor possa ter acapacidade de participar ativamente de cirurgias de forma correta, evitandoerros e complicações.MAGALHÃES, H. P. define material cirúrgico como sendo o conjunto deobjetos, instrumentos e equipamentos que entram em contato direto ou indiretocom a região operatória, utilizados para a execução de determinadoprocedimento cirúrgico. Os instrumentais cirúrgicos são divididos de acordocom sua função em:Classificação dos instrumentais cirúrgicosTipoFunção ExemplosDiérese Divulsão e corte Tesoura e bisturiPreensãoPrender estruturasPinça anatômica e pinça dente deratoExposiçãoAfastamento deestruturasAfastadores dinâmicos (Farabeuf)e estáticos (Gosset)HemostasiaInterrupção desangramentosPinças hemostáticas (Kelly, Crile,etc...)EspecialEspecíficas de cada tipode cirurgiaPinça de Abaddie-cirurgiagástricaSíntese União de tecidosAgulhas e porta-agulhas (Mayo-Hegar)
 
 
1. INSTRUMETOS DE DIÉRESE
1.1. Bisturi
Constituído de cabo de metal com encaixe para a lâmina em uma de suasextremidades. Na prática, as lâminas de numeração com a dezena 1 seadaptam ao cabo número 3. Por exemplo, a lâmina 15 encaixa no cabo 3.Enquanto que lâminas com a dezena 2 se adaptam ao cabo número 4. Porexemplo, lâminas 22 se encaixam no cabo 4.Existem duas formas de empunhadura do bisturi. A primeira e mais comum,
chamada de “tipo lápis”
, é usada para cortes menores e mais precisos e asegunda,
“tipo arco de violino”
, é utilizada para cortes mais extensos econtínuos.A lâmina do bisturi deve ser retirada e colocada com o auxílio de uma pinçahemostática, evitando assim problemas de encaixe e possíveis acidentes parao instrumentador.
Emunhadura tio láisEmunhadura em arco de violino
 
 
1.2. Tesoura
Função de cortar tecidos, gazes, fios, borracha, plástico, etc. Além de promoverdissecção e divulsão de tecidos. As tesouras podem ser longas ou curtas, comextremidades curvas ou retas. As tesouras de ponta fina são indicadas paracortes de estruturas delicadas, enquanto que tesouras de ponta mais robustasão usadas para corte de fios ou tecidos mais resistentes. Vale salientar que astesouras usadas para corte de fio de forma alguma devem ser usadas paracorte de tecidos, pois o corte de fios ou outras estruturas sintéticas acabamdanificando a pareamento das lâminas dificultando um corte preciso nostecidos humanos. O corte de estruturas como os fios deve ser feito com aponta da tesoura de forma inclinada a fim de facilitar e aumentar a precisão docorte.A empunhadura da tesoura é feita com o dedo polegar e o dedo anular, deforma que a falange distal do polegar se encaixe em uma argola e a outraargola fique entre as falanges distal e média do dedo anular. Com o dedoindicador, o cirurgião poderá dar a precisão necessária para o corte.Existem dois tipos básicos de tesouras: as de dissecção de pontas finas edelicadas (Metzembaum e Mayo) e as de uso geral, também chamadas de
“teso
uras fortes
”.
 
Forma de colocar a lâmina de bisturicom o auxílio do porta agulhaEmpunhadura de tesoura

Activity (67)

You've already reviewed this. Edit your review.
Daniela Braga Duarte added this note|
very good
Olegario Vidal liked this
1 thousand reads
1 hundred reads
allanjasper liked this
Celene Bragion liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->