Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
3Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Mulheres argelinas

Mulheres argelinas

Ratings: (0)|Views: 583 |Likes:
Published by Ôlêkrãm Yânda

More info:

Published by: Ôlêkrãm Yânda on Sep 16, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/31/2013

pdf

text

original

 
Mulheres argelinas: Seu papel como anti-colonial fator de resistência
Franz Fanon
 
 Na verdade, a emoção e espírito revolucionário são alimentados em casa pelasmulheres. E a guerra revolucionária não é uma guerra de homens
 O texto que se segue um de uma série de artigos escritos pelo autor entre 1957 e 1959 na revista"resistência argelina," órgão de expressão do Movimento de Libertação da Argélia As características das roupas, as tradições de vestuário e aparência são as formas mais evidentes deoriginalidade, ou seja, o mais imediatamente perceptível de uma sociedade.Os vários tipos de sociedade são conhecidos, primeiro, através de vestido e de pertença a umadeterminada área cultural aparece com freqüência pelos trajes tradicionais dos seus membros. Porexemplo, os turistas olham imediatamente para o véu que cobre as mulheres do mundoislâmico. Durante muito tempo sabe que um muçulmano não consome carne de porco ou de álcool,mas o véu da mulher é com tanta insistência que, em geral, é suficiente para caracterizar a sociedademuçulmana.No Magrebe árabe, o véu é parte das tradições das sociedades nacionais traje da Tunísia, da Argélia,Marrocos e Líbia. Para o turista eo estrangeiro, o véu marcado tanto a sociedade argelina e seucomponente feminino. Por outro lado, o homem pode encontrar argelino menores mudançasregionais: nos centros urbanos fez, turbantes e Chile no campo. O vestido do sexo masculino, permiteuma certa margem de variação, um mínimo de heterogeneidade. A mulher, vista através de seu véu branco, unifica a percepção das pessoas têm das mulheres na sociedade argelina.Claramente, temos um uniforme que não tolera qualquer mudança, sem variação. Há um fenômenopena lembrar. Durante a luta do povo marroquino contra os colonialistas franceses e espanhóis, eprincipalmente nas cidades, o véu negro se impôs sobre o alvo. Ao nível dos sistemas de significação,é importante ressaltar que o preto nunca expressou tristeza ou angústia entre os muçulmanossociedade marroquina. Que significava uma atitude de luta: a adopção da imprensa negra respondeuao desejo do ocupante simbolicamente, portanto, para escolher seus próprios símbolos.O véu ou haik (versão norte-Africano do hijab ou chador) define com precisão a sociedadeargelina. Podemos ser incerta ou perplexos com uma garota, mas a incerteza é retirada no momento
 
da puberdade. Com o véu das coisas são necessários e da ordem. Mulheres argelinas nos olhos doobservador europeu ", que se esconde por trás do véu." Veremos que este véu, um dos elementos da tradição global do traje tradicional dos muçulmanos,tornou-se objecto de uma grande batalha, por ocasião da qual as forças de ocupação mobilizaramseus mais poderosos e diversificada, e os colonizados implantado um força impressionante deinércia. Sociedade colonial, tomados como um todo, com seus valores, suas linhas de força e suafilosofia, reage de forma bastante equilibrada contra o véu. Em 1954, mais precisamente após o ano1930-1935, foi travada a batalha decisiva. Os dirigentes da administração francesa na Argélia,empenhados em destruir a originalidade do povo, encomendado pelo poder a qualquer custo tentar adesintegração das formas de existência capazes de evocar uma realidade nacional, aplicado esforçosmáximos para destruir o costume do véu, interpretou o caso como um símbolo do estatuto da mulherargelina. Esta posição resultou de uma intuição fortuita. Com apoio na análise de sociólogos eantropólogos, especialistas nas chamadas "questões indígenas" e os responsáveis pela "seções árabe"coordenada seu trabalho. Em um nível, é simplesmente manipulado a famosa fórmula: ". Conquistarmulheres eo resto será adicionado a nós" Esta racionalização se contenta em colocar em umaaparência científica para usar o "descobertas" de sociólogos.Entre as "coisas incompreensíveis" o mundo colonial era freqüentemente mencionado o caso demulheres argelinas. Estudos de sociólogos, juristas e estudiosos do Islã abundam em consideraçõesde mulheres argelinas. Às vezes descrito como um homem ou um escravo do soberano incontestadoda casa, o status das mulheres argelinas tem intrigado os teóricos.Outro, o mesmo direito, afirmam que a mulher argelina "sonhos livre", mas um patriarcado trás esangrenta se opõe ao desejo legítimo. Leitura das recentes discussões da Assembléia NacionalFrancesa, indicando a importância atribuída ao conhecimento articulado do "problema". A maioriados que participaram da discussão evocou o drama da Argélia e apelou para a sua solução. Elesdisseram que este era a única maneira para desarmar a rebelião.É um fato constante que os intelectuais colonial transformou o sistema colonial em um "casosociológica". Este país é dito, exigiu, solicitou a conquista. Assim, para invocar um exemplo famoso,descreveu um "complexo de dependência" alegada em Madagascar.Diz-se que a mulher argelina é "inacessível, ambivalente, ingredientes masoquista" e fornecer fatospara demonstrar essas características. A verdade é que o estudo de um povo ocupado, sob o domíniomilitar implacável, exigindo garantias de que eles se encontram com dificuldade. Não só ocupou aterra, portos e aeroportos, o colonialismo francês foi instalado no coração do homem argelino e temrealizado um esforço sustentado para "polonês" o divórcio em si, mutilação racionalmente.Não há ocupação do solo ao lado da independência das pessoas. É todo o país, sua história, suapulsação diária que tem sido negado, distorcido, com a esperança de um cancelamento final. Sobessas condições, a respiração do indivíduo é de respiração que espião ocupado. É uma lufada decombate.Neste momento, os valores reais dos empregados gastam muito cedo para serunderground. Confrontado com o ocupante, o ocupado aprender a esconder, ser inteligente. Oescândalo do escândalo se opõe à ocupação militar do isolamento.É uma mentira reunião ocupadocom o ocupante.Sob a organização patriarcal da sociedade argelina, os especialistas descrevem a estrutura de ummatriarcado. Sociedade muçulmana tem sido apresentado com freqüência por ocidentais como umasociedade de fora, a partir do formalismo do personagem. Mulheres argelinas, intermediário entre asforças das trevas e do grupo, então cash parece fundamental. Atrás do patriarcado visível e manifesto
 
afirmando a existência, mais radical, uma base de matriarcado. O papel de uma mãe argelina, a daavó, a tia, a velha é inventariado e explicado.Naquela época, a administração colonial foi capaz de definir uma doutrina política precisa: "se atacara sociedade argelina em sua mais profunda contexto, em sua resistência, devemos antes de tudoconquistar as mulheres precisam voltar a olhar para o véu escondido nas casas em que o homemoculto ". A situação das mulheres a partir desse momento passa a ser o alvo da ação. A administraçãopropõe solenemente dominante para defender a mulher humilhada, excluída, clausura ... Nósdescrevemos o imenso potencial das mulheres, infelizmente transformada pelo homem argelino emum objeto inerte, desvalorizados e até desumano. O comportamento do argelino fortementedenunciado e comparados com os costumes medievais e bárbaros. Com um conhecimento infinito,realizado a acusação contra o vampiro tipo argelino sádico em sua atitude em relação às mulheres. Oocupante coleta sobre a vida da família argelina um conjunto de decisões, avaliações e considerações,histórias múltiplas e exemplos edificantes, assim, a tentativa de limitar o argelino dentro de umcírculo de culpa. Associações de ajuda e solidariedade com as mulheres argelinas multiplicar. As queixas sãoorganizados. "Nós queremos embaraçar a sorte argelino que dá a sua esposa." É o período defermentação e implementação de uma técnica de injeção produz embalagens de assistentes sociais emotoristas de instituições de caridade nos bairros muçulmanos.Primeiro, tente abordar as mulheres sem abrigo e com fome. Cada quilo de semolina é adicionadodistribuído uma dose de indignação contra o véu e reclusão. A indignação de seguir as dicas. Sãoconvidadas as mulheres argelinas para jogar "um papel capital" na transformação de seu destino. Elepediu a ela para rejeitar um tema religioso e descreve o enorme papel que são chamados adesempenhar. A administração colonial investiu pesadamente nessa luta. Depois de afirmar que asmulheres constituem o pivô da sociedade argelina são implantados todos os esforços para controlá-lo. Ele garante que a posição da Argélia ainda, que vai ficar a empresa de destruição culturalrealizadas pelo ocupante, que se opõem a assimilação, enquanto a mulher não muda seucomportamento. O programa colonialista, ela é responsável pela missão histórica para desviar eempurrar o homem da Argélia. Virando-se para a mulher, para ganhar títulos estrangeiros, arrancara sua situação é tanto o poder real para conquistar um homem e use meios práticos e eficazes paradestruir a cultura argelina. Ainda hoje, em 1959, o sonho de domesticação total da sociedade argelina, com a ajuda de "mulheressem véus e acessórios ocupante" não deixou de preocupar a colonização decisores políticos.Os argelinos, por sua vez, são o alvo de críticas de seus companheiros europeus, ou, maisoficialmente, seus empregadores. Não só as relações de trabalho europeu no local de trabalho, oficinaou escritório, não tendo feito os assuntos ritual da Argélia, "a sua esposa usa um lenço na cabeça? Porque não decidir viver na Europa? Por que você não levar a sua esposa ao cinema, shows, café? ".Empresários europeus não estão satisfeitos com o questionamento atitude ou infiltraçãocircunstanciais, mas usar "manobras apache" para encurralar o argelino, exigindo decisõesdolorosas. Durante uma celebração Europeu de Natal ou Ano Novo, ou simplesmente uma reuniãodentro da empresa, o empregador convida o empregado argelino e sua esposa. O convite não écoletivo. Todos os argelinos ligou para o escritório do diretor e pessoalmente convida você a vir com asua "pequena família". "Como a empresa é uma" grande família "será desaprovado alguns vêm semsuas esposas, você entende, né?". Às vezes, o argelino passando por momentos difíceis contra estapressão. Vai com sua esposa significa confessar que ele é derrotado, significa "prostituta sua esposa,"de exposição, deixando uma forma de resistência. Por outro lado, significa recusar-se a ir sozinho

Activity (3)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 thousand reads
1 hundred reads
Nicolas Mizukami liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->