Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more ➡
Download
Standard view
Full view
of .
Add note
Save to My Library
Sync to mobile
Look up keyword
Like this
1Activity
×
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Landmarks do Martinismo

Landmarks do Martinismo

Ratings: (0)|Views: 846|Likes:
Published by bardonista

More info:

Published by: bardonista on Sep 21, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, ODT, TXT or read online from Scribd
See More
See less

09/21/2011

pdf

text

original

 
OS 'LANDMARKS' DO MARTINISMO
O objetivo deste artigo é o de examinar os 'Landmarks' doMartinismo, os elementos particulares ao Martinismo com os quais todosos Martinistas, individualmente, e todas as Ordens Martinistas,coletivamente, podem concordar. Em Franco-Maçonaria, os 'Landmarks'são elementos que definem a Maçonaria, e sem os quais não há nadamaçônico. Um 'Landmark' é, pois, uma característica que define quemsomos nós e que ajuda a definir os caminhos por onde, ― ainda quefalemos uma linguagem diferente, ou ainda que usemos diferentes vestes,― sejamos, todavia, membros de uma mesma família, como se pode ver em grandes reuniões familiares. Uma grande quantidade de tinta já foiespalhada sobre os elementos que nos separam. E, contudo, não somosnós filhos de um mesmo Pai? Não somos Irmãos e Irmãs de uma sófamília iniciática?1)
Crença em Deus e invocação de Yeheshua
. O Martinismo éuma Ordem essencialmente cristã, e Yeheshua é invocado quando decada reunião martinista e figura em cada documento martinista. A crençana Divindade é um traço essencial de todas as estruturas iniciáticas. Semela, não temos razão de ser, e nossos juramentos são sem significação.Somos cristãos, não de um modo estreito e dogmático, mas de um modoverdadeiramente respeitoso do mistério da encarnação do Logos no
1
 
mundo físico. Nesse sentido, os acontecimentos do drama cristão sãoprogressivos, e é esta participação do divino na existência que engendratodos os milagres que se produzem em resposta a nossas preces e atosteúrgicos. Todos os Martinistas estão, ou deveriam estar, de acordo comesse 'Landmark'.2)
A Iniciação conferida por Louis-Claude de Saint-Martin,chamada S. I.
. Alternativamente, podemos considerar esta Iniciaçãocomo a transmissão de uma essência espiritual proveniente de Martinezde Pasqually e de Louis-Claude de Saint-Martin. É esse legado que faz denós Martinistas. Consideramos tal legado como a transmissão de umaessência espiritual que nos une como família iniciática. Podemos tê-laalcançado por diferentes caminhos, como a diferença entre a filiaçãorussa, a filiação que veio de Papus, e aquela que veio de Chaboseau,mas é uma filiação que, em cada caso, remonta a Saint-Martin. De acordocom a tese de nosso estimado Irmão Robert AMADOU, trata-se, pois, deuma filiação de desejo, de uma filiação espiritual, que pouco a pouco seformaliza ritualisticamente, sob a influência de diversas personalidades.3)
A organização, por Papus, de uma estrutura que consiste emdois graus preparatórios e um grau, aquele de S. I.
Todas as OrdensMartinistas trabalham com esta mesma estrutura, ainda que os nomesdos graus possam variar. Habitualmente são: o « Associado »; o segundo« Iniciado »; e o terceiro « Superior Desconhecido » ou « Servidor Desconhecido »
1
.4)
A transmissão da Iniciação de pessoa a pessoa, EM PESSOA,por um Iniciador autorizado, qualquer que seja seu título.
A Iniciaçãoé um presente dado pelo iniciador ao seu iniciado ou iniciada, e constituiuma marca da mais profunda confiança entre ambos. Ela jamais pode ser transmitida pelo correio ou por telefone ou de outra maneira que nãofisicamente, por uma pessoa, e em presença dos símbolos martinistas
2
 
fundamentais. É possível que os Iniciadores tenham diferentes títulos:Iniciador, Iniciador Livre, Filósofo Desconhecido, etc. Em todos os casos,tais títulos querem dizer a mesma coisa, uma vez dada a autoridade por outro iniciador para conferir a Iniciação. É verdade que, num certo grau,cada Iniciador é livre e autônomo e, em última instância, a Iniciação édeixada à sua discrição. Contudo, o desejo e a exigência de praticar atode caridade intelectual e espiritual, no Homem de Desejo, devem ser equilibrados por uma consciência da responsabilidade implicada. Assim,um Iniciador não deveria jamais conferir a Iniciação àqueles que sãoapenas curiosos, e àqueles que procuram a Iniciação para satisfazer seuspróprios egos exteriores ou àqueles que a procuram com finalidademercenária. Ora, se é assim para a Iniciação, quanto mais verdadeiro nãoserá para a posição do Iniciador? É em suas mãos que reside nossaTradição. Assim, cada Iniciador deve fazer todos os esforços possíveispara conservar sua herança e para transmiti-la intacta à sua posteridade.Ele deve também assegurar-se de que esta Tradição não seja nuncarebaixada pelo fato de ser conferida a candidatos que não tenham sidoprofundamente preparados e instruídos, mas apenas àqueles dos quaisestão seguros que a manterão em sua pureza, sem diluição alguma nemrebaixamento, fazendo dela uma simples mercadoria.5)
Os Mestres Passados
. Foram eles que criaram, que mcontribdo e moldado nossa Tradão, e que nos transmitiram suafiliação. Todos nós conhecemos alguns deles: Papus, Sédir, Phaneg,Maître Philippe. Outros são conhecidos apenas dos membros de uma ououtra linha de filiação. E alguns trabalham tão completamente por trás damáscara que são conhecidos apenas de outros Santos e das grandesalmas, e não o são nem por todos aqueles que estão ao seu redor. Nósinvocamos sua presença em cada reunião e buscamos seus conselhos eproteção.
3

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->