Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more ➡
Download
Standard view
Full view
of .
Add note
Save to My Library
Sync to mobile
Look up keyword or section
Like this
133Activity
×

Table Of Contents

CAPÍTULO 1. RISCOS TECNOLÓGICOS E EVOLUÇÃO DA SEGURANÇA
1.2. CONCEITO DE SEGURANÇA
1.3. GERENCIAMENTO DE RISCOS E O PROCESSO DE GESTÃO DE SEGURANÇA DE SISTEMAS
1.4. TESTES
CAPÍTULO 2. TEORIA DE ACIDENTES
2.2. TEORIA DE HEINRICH
2.3. TEORIA DE BIRD
2.4. TEORIA DE FLETCHER
2.6. TEORIA DE HADDON
2.7. OUTRAS TEORIAS
CAPÍTULO 3. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE RISCOS
3.2. CONCEITOS INICIAIS DE ANÁLISE DE RISCOS TECNOLÓGICOS
3.3. CONCEITO DE RISCO E DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO
3.4. NECESSIDADE DE GERENCIAMENTO DE RISCOS
3.5. SISTEMAS DE GESTÃO DE RISCOS
3.6 TESTES
4.3. METODOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS E DE ANÁLISE DE RISCOS
4.3.2. CRIAÇÃO DE UMA METODOLOGIA
4.4. TÉCNICAS PRELIMINARES DE IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS
4.4.1. MSDS (FISPQS)
4.4.1.2. Classificação de gases e líquidos inflamáveis
4.4.3. ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS (APP)
4.4.4 ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS MODIFICADA
4.5. EXERCÍCIO
4.6. TESTES
CAPÍTULO 5. OBJETIVOS E PROGRAMAS DE GESTÃO DE SEGURANÇA
CAPÍTULO 6. ERRO HUMANO E O FATOR HUMANO NOS ACIDENTES
6.2. CONCEITUAÇÃO DE ERROS E FALHAS HUMANAS
6.3. ALGUMAS ESTATÍSTICAS SOBRE ERROS E FALHAS HUMANAS
6.4. FATORES QUE CAUSAM O ERRO HUMANO
6.5. FATORES HUMANOS NOS ACIDENTES
6.6. TIPOS DE ERROS HUMANOS
6.6.1 DESLIZES SIMPLES OU ATOS FALHOS OU PARAPRAXIAS
6.6.2 ENGANOS (MISTAKES)
6.8. A FORMA ATUAL DE SE TRABALHAR AS FALHAS HUMANAS NA OPERAÇÃO
6.9. FALHAS HUMANAS NO PROCESSO
6.12. PREVENÇÃO DE ACIDENTES DURANTE O PROJETO DO SISTEMA
6.13. TESTES
CAPÍTULO 7. TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS E OPERABILIDADE – WHAT IF
7.2. TÉCNICA “WHAT / IF”
7.3. EXEMPLOS DE QUESTÕES “WHAT / IF” TÍPICAS
7.4. EXERCÍCIO
CAPÍTULO 8. TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS E OPERABILIDADE – HAZOP
8.3. TERMINOLOGIA DO HAZOP
9.1. ÁLGEBRA BOOLEANA
9.2. DIAGRAMAS DE VENN
CAPÍTULO 10. ANÁLISE DA ÁRVORE DE FALHAS - AAF (FAULT TREE ANALYSIS - FTA)
11.4. EXERCÍCIO
CAPÍTULO 12. GERENCIAMENTO DE RISCOS QUANTITATIVO
12.1. APERFEIÇOAMENTO DA ANÁLISE DE RISCOS
12.2. METODOLOGIA DE UMA ANÁLISE DE RISCOS
12.3. RISCO INDIVIDUAL E RISCO SOCIAL
12.5. EXERCÍCIO
CAPÍTULO 13. GERENCIAMENTO DE RISCOS
13.2. ADMINISTRAÇÃO DO RISCO EMPRESARIAL
13.3. RESPONSABILIDADE PELO PRODUTO / SEGURANÇA E QUALIDADE
13.4. EXERCÍCIO
14.2. AS CAUSAS DO ACIDENTE
14.3. TESTES
CAPÍTULO 15. TERMINOLOGIA
15.2. ACIDENTES
15.3. INCIDENTES
15.4.1. ACIDENTES COM PERDA DE TEMPO
15.4.2. ACIDENTES SEM PERDA DE TEMPO
15.5. INDICADORES DE DESEMPENHO
15.6. TESTES
CAPÍTULO 16. - TEORIAS SOBRE OS ACIDENTES
16.2. TEORIA DA CAUSALIDADE MÚLTIPLA
16.3. TEORIA DA CAUSALIDADE PURA
16.4. TEORIA DA TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA OU TEORIA DE HADDON
16.5. ABORDAGEM DE FRANK BIRD
16.6. ABORDAGEM DE FLETCHER
16.7. ABORDAGEM DE SURRY
16.8. ABORDAGEM DA WEF
16.9. MODELOS DE NÃO CONFORMIDADE OU DESVIOS
16.10. MODELO DE INFORMAÇÕES DE ACIDENTES DE MERSEYSIDE – MAIM
16.11. O MODELO DE KIRCHNER
16.12. COMENTÁRIOS GERAIS
16.14. TESTES
CAPÍTULO 17. FATORES HUMANOS NOS ACIDENTES DE TRABALHO
17.2. O FATOR HUMANO NO TRABALHO
17.3. CONCEITO DE TRABALHO
17.4. CONCEPÇÃO INDIVIDUAL E COLETIVA DO HOMEM NO TRABALHO
17.5. O HEXÁGONO DE FALHAS
17.5.1. FALHA NA INFORMAÇÃO OU FALHA POR INSUFICIÊNCIA DE INFORMAÇÃO:
17.5.2. FALTA DE CAPACIDADE:
17.5.3. FALTA DE APTIDÃO FÍSICA OU MENTAL:
17.5.4. FALHA DEVIDO A CONDIÇÕES ERGONÔMICAS INADEQUADAS:
17.5.5. FALHA DEVIDO A MOTIVAÇÃO INCORRETA:
17.5.6. FALHA POR DESLIZE:
17.6. O TRABALHO, OS FATORES HUMANOS E O ACIDENTE
17.7. TESTES
CAPÍTULO 18. O CONCEITO DE PROCESSO PRODUTIVO
18.2. TESTES
CAPÍTULO 19. FERRAMENTAS DA QUALIDADE APLICADAS À SEGURANÇA
19.1. DIAGRAMA DE PARETO
19.1.1. CONSTRUÇÃO DO DIAGRAMA DE PARETO
19.2. DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO
19.2.1. CONSTRUÇÃO DO DIAGRAMA CAUSE E EFEITO
19.3. BRAINSTORMING
19.4. FLUXOGRAMA
19.5. ESTIMADORES DE SIGNIFICÂNCIA
19.6. PLANO DE AÇÃO OU 5W1H
19.7. PDCA DE SOLUÇÃO DE PROBLEMAS
19.8. TESTES
CAPÍTULO 20. PASSOS NA INVESTIGAÇÃO DO ACIDENTE
20.2. O QUE VAMOS INVESTIGAR E POR QUE ESTAMOS INVESTIGANDO?
20.3. QUEM DEVE INVESTIGAR O ACIDENTE?
20.4. QUEM E COMO AS PESSOAS DEVEM INVESTIGAR UM ACIDENTE?
20.5. DEVE O SUPERVISOR SER PARTE DO TIME DE INVESTIGAÇÃO?
20.6. COMO ASSEGURAR A IMPARCIALIDADE DA EQUIPE DE INVESTIGAÇÃO?
20.7. QUAIS SÃO OS PASSOS A SEREM DADOS NA OCORRÊNCIA DE UM ACIDENTE?
20.8. O QUE DEVE SER VERIFICADO COMO CAUSAS DE UM ACIDENTE?
20.8.1. TAREFA
20.8.2. MATERIAL
20.8.3. AMBIENTE
20.8.4. PESSOAL
20.8.5. GERENCIAMENTO
20.9. TESTES
BIBLIOGRAFIA
ANEXO A – A DAMA E O TIGRE - NOVA VERSÃO DE UM ANTIGO CONTO DE FADAS
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Apostila-eST-701 Gerenciamento de Risco

Apostila-eST-701 Gerenciamento de Risco

Ratings: (0)|Views: 39,039|Likes:

More info:

Published by: Marcela Maier Farias Czap on Oct 06, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See More
See less

07/23/2013

pdf

text

original

You're Reading a Free Preview
Pages 6 to 31 are not shown in this preview.
You're Reading a Free Preview
Pages 37 to 40 are not shown in this preview.
You're Reading a Free Preview
Pages 46 to 68 are not shown in this preview.
You're Reading a Free Preview
Pages 74 to 229 are not shown in this preview.
You're Reading a Free Preview
Pages 235 to 261 are not shown in this preview.

Activity (133)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Talita Miyuki liked this
Wharllesson liked this
Patricia Noblat liked this
Carlos Enrique added this note|
Carlos
netofireman liked this
Daniela Rocha liked this
Marcos Lima liked this
Icaro Ariel liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->