Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
294Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
A Tipologia Textual

A Tipologia Textual

Ratings:

4.7

(10)
|Views: 96,126|Likes:
Published by api-3745248

More info:

Published by: api-3745248 on Oct 15, 2008
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/18/2014

pdf

text

original

 
A TIPOLOGIA TEXTUAL
Interpretação, leitura ou o ato de escrever: qual dastrês etapas é a mais importante?Podemos afirmar que as três eso intimamenteligadas: quem não lê, tem dificuldades em redigir – interpretartorna-se uma tarefa quase impossível, em função da,principalmente, falta de intimidade com o nosso vocabulário.Nossa intenção inicial será a de familiarizar o leitorcom as principais maneiras de se redigir um texto – quepensamos tratar-se do ponto de partida para qualquer estudoposterior.Inicialmente, apresentaremos os principais tipos decomposição: a narração, a descrição e a dissertação.
A NARRAÇÃO
Em uma narração, deve-se objetivar o fato, ressaltandoa razão do acontecimento, sua causa, o modo, a ocasião e,principalmente, com quem aconteceu o episódio.Texto motivador:
 A Cabra e Francisco Madrugada. O hospital, como o Rio de Janeiro, dorme. O porteiro vê diante de si uma cabrinha malhada, e pensa que estásonhando.- Bom palpite. Veio mesmo na hora. Ando com tanta prestação atrasada, meu Deus. A cabra olha-o fixamente.- Está bem, filhinha. Agora pode ir passear. Depois você volta, sim? Ela não se mexe, séria.- Vai cabrinha, vai. Seja camarada. Preciso sonhar outras coisas. É a única hora em que sou dono de tudo, entende?
4
 
O animal chega-se mais perto dele, roça-lhe o braço. Sentindo-lhe o cheiro, o homem percebe que é de verdade erecua. Aiaiai! Bonito. Desculpe, mas a senhora tem de sair comurgência, isto aqui é um estabelecimento público. ( Achando pouco convincente a razão. ) Bem, se é público devia ser paratodos, mas você compreende... ( Empurra-a docemente para fora,e volta à cadeira.)- O quê? Voltou? Mas isso é hora de me visitar, filha? Está sem sono? Que é que é que há? Gosto muito de criação,mas aqui no hospital, antes do dia clarear... ( Acaricia-lhe o pescoço. ) Que é isso! Você está molhada? Essa coisa pegajosa...O quê: sangue?! Por que não me disse logo, cabrinha de Deus? Por que ficou me olhando assim feito boba? Tem razão: eu é quenão entendi, devia ter morado logo. E como vai ser? Os doutoresaqui são um estouro, mas cabra é diferente, não sei se elestopam. Sabe de uma coisa? Eu mesmo vou te operar!Corre à sala de cirurgia, toma um bisturi, uma pinça; à farmácia, pega mercúrio-cromo, sulfa e gaze; e num canto dohospital, assistido por dois serventes, enquanto o dia vanascendo, extrai do pescoço da cabra uma bala de calibre 22, ali cravada quando o bichinho, ignorando os costumes cariocas danoite, passara perto de uns homens que conversavam à porta deum bar.O animal deixa-se operar com a maior serenidade. Seusolhos envolvem o porteiro numa carícia agradecida.- Marcolina. Dou-lhe este nome em lembrança de umacabra que tive quando garoto, no Icó. Está satisfeita, Marcolina?- Muito, Francisco. Sem reparar que a cabra aceitara o diálogo, e sabia o seunome, Francisco continuou:- Como foi que você teve idéia de vir ao Miguel Couto? O Hospital Veterinário é na Lapa.- Eu sei, Francisco. Mas você não trabalha na Lapa,trabalha no Miguel Couto.- E daí?- Daí, preferi ficar por aqui mesmo e me entregar a seuscuidados.
5
 
- Você me conhecia?- Não posso explicar mais do que isso, Francisco. Ascabras não sabem muito sobre essas coisas. Sei que estou bem aseu lado, que você me salvou. Obrigada, Francisco. E lambendo-lhe afetuosamente a mão, cerrou os olhos para dormir; bem que precisava. Aí Francisco levou um susto, saltou para o lado:- Que negócio é esse: cabra falando?! Nunca vi coisaigual na minha vida. E logo comigo, meu pai do céu! A cabra descerrou um olho sonolento, e por cima dasbarbas parecia esboçar um sorriso:- Mas você não se chama Francisco, não tem o nome dosanto que mais gostava de animais neste mundo? Que tem isso,trocar umas palavrinhas com você? Olhe, amanhã vou pedir ao Ariano Suassuna que escreva um auto da cabra, em que você vai  para o céu, ouviu?( Carlos Drummond de Andrade )
Explorando o texto:Exercício 1:1. Quais as personagens principais?2. Quando aconteceu o fato?3. Onde?4. O que houve?5. Como o porteiro resolveu o problema?6. Por quê?No que diz respeito à organização e desenvolvimento textual:Exercício 2:1. Quando se dá a apresentação?2. Qual a complicação?3. Quando ocorre o clímax, o ponto culminante?4. Qual o seu desfecho?
6

Activity (294)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred thousand reads
Cristiane Zonta liked this
Tiago Alves Ferreira added this note
olá meu amor!!! i love you!
kadu30kano liked this
Andréia Araujo liked this
Sergio Andrade liked this
Hugo Medeiros liked this
Tiago Ferreira liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->