Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
58Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
[AER] Treinamento Aeróbico

[AER] Treinamento Aeróbico

Ratings:

4.17

(6)
|Views: 15,904|Likes:
Published by api-3695814
Artigo sobre treinamento aeróbico
Artigo sobre treinamento aeróbico

More info:

Published by: api-3695814 on Oct 15, 2008
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/18/2014

pdf

text

original

 
TREINAMENTO AERÓBICO
 Profa. Daisy Pinheiro
 
Introdução
 
O presente trabalho tem como objetivo realizar uma revisão bibliográfica sobre o treinamentoaeróbico, seus aspectos fisiológicos e metodológicos, de forma a contribuir, aos colegaseducadores, na construção de programas para o aprimoramento do condicionamento aeróbico,trazendo algumas considerações importantes em relação a adultos, idosos e crianças.
 
Treinamento Aeróbico
 
O treinamento aeróbico ou cardiorrespiratório propicia a melhora da capacidade da circulaçãocentral no fornecimento de oxigênio, assim como, o melhor aproveitamento do oxigênio pelosmúsculos ativados durante a execução do exercício, permitido ao indivíduo o desenvolvimento dacapacidade de sustentar por um período longo de tempo, uma atividade física em condições deequilíbrio fisiológico (homeostase), ou seja, em "steady state".
 
O treinamento aeróbico segue os princípios de condicionamento fisiológicos básicos dotreinamento desportivo. Os princípios da especificidade e da sobrecarga promovem um aumentodo grau da performance, visando provocar alterações fisiológicas, principalmente, nos sistemascardiocirculatório e respiratório. Segundo Pechar (1974, In Mc Ardle et al., 1998), a especificidadedo treinamento aeróbico está relacionada aos músculos específicos que participam dodesempenho desejado, já que as solicitações neuromusculares e motoras exigidas promovemadaptações fisiológicas específicas e correspondentes, e, a sobrecarga deve ser aplicada de modoa exercitar os grupamentos musculares específicos solicitados no desporto e com intensidadesuficiente, estimulando aumentos no volume de ejeção e no débito cardíaco e atuando comofacilitadora tanto no transporte de oxigênio quanto na utilização no nível local, dos músculostreinados ( McArdle et al., 1998).
 
Outro princípio do treinamento bastante considerado, é o da individualidade biológica. Cadaindivíduo possui características determinadas pela carga genética (genótipo) e outras formadas porvivências e experiências diversas ao longo de suas vidas, a partir do nascimento (fenótipo). Mesmoem caso de gêmeos, tornam-se indivíduos diferentes, em razão das respostas às influências eestímulos externos que os transformam em seres únicos. Sendo assim, para haver benefícios dotreinamento aeróbico, sua elaboração deve atender às necessidades e capacidades individuais decada um.
 
O condicionamento aeróbico é reversível assim como qualquer tipo de treinamento, ou seja, osefeitos benéficos do treinamento não são cumulativos, mas, transitórios, acometendo mesmo osatletas com anos de treinamento. Processando-se com certa rapidez, após uma ou duas semanas,o princípio da reversibilidade ou o destreinamento afeta os índices de VO2 máx., reduzindo aperformance do indivíduo.
 
Há, no treinamento aeróbico, variadas finalidades de acordo com os objetivos pré-estabelecidos(Dantas, 1998). O treinamento pode ter finalidade estética, visando o emagrecimento, ou seja, adiminuição da gordura corpórea, ou até em certo grau, visando a modelagem corporal comaumento de massa muscular; fins profiláticos, quando executados por indivíduos saudáveis, não-
 
atletas, prevenindo-se contra possíveis doenças geradas pela hipocinesia; finalidade terapêutica,quando atua como coadjuvante em tratamentos de algumas patologias em sedentários; finalidadede estabilizar disfunções ou afecções advindas de certas doenças como por exemplo, o diabetes e,por último, a finalidade de treinamento, respeitando os todos os fundamentos do treinamentodesportivo, objetivando a preparação de atletas de alto nível, mesmo nas atividades em que acapacidade aneróbica seja mais solicitada, pois conclui-se que no potencial aeróbico incidirá umaprimoramento de 5 a 25% do rendimento no treinamento anaeróbico (McArdle et al., 1998), já naprimeira semana de treinamento.
 
O VO2 é o indicador metabólico que aponta a quantidade de oxigênio que um indivíduo conseguecaptar e utilizar em um esforço físico, ou seja, indica o atual estado de condicionamentocardiorrespiratório de um indivíduo. O VO2 pode ser modificado por meio de treinamento até certoponto, pois estima-se que 90% de sua variabilidade é indicada geneticamente (Ribeiro, 1995).
 
O VO2 máx. e o limiar anaeróbico ( intensidade de trabalho no qual o ácido lático começa aaumentar, ou seja, onde se inicia um esforço em anaerobiose) são os mais importantes indicadoresdo estado de aptidão cardiorrespiratória, sendo o VO2 máx. mais indicado para não-atletas e olimiar anaeróbico para praticantes bem treinados, pois parte-se do pressuposto que atletas jápossuem índices de VO2 bem satisfatórios, necessitando-se da utilização de outros índicesavaliadores para melhorar a aptidão dos mesmos.
 
As respostas ao treinamento aeróbico dependem de vários fatores como: nível de aptidão inicial,intensidade, freqüência e duração do treinamento e, serão analisadas longitudinalmente, ou seja, apartir do estado inicial de condicionamento aeróbico individual.
 
Aspectos Fisiológicos do Treinamento AeróbicoPrincipais alterações sistêmicas que ocorrem no músculo esquelético resultantes dotreinamento aeróbico:
 
O aumento do conteúdo de mioglobinas.
 
Aumento da capacidade de oxidação dos carboidratos e gorduras
 
Aumento das reservas de ATP CP através da fosforilação oxidativa
 
Aumento da capacidade glicolítica.
 
O aumento da mioglobina resultante do treinamento melhora o sistema aeróbico , pois suaprincipal função consiste em ajudar a liberação de O2 da membrana celular à mitocôndria onde eleé consumido.
 
As adaptações sub-celulares que contribuem para aumentar a capacidade das células muscularesde oxidar carboidratos (glicogênio) e gorduras em consequência do treinamento devido, são:
 
Aumento do número, tamanho das mitocôndrias e das fibras musculares esqueléticasativas.
 
Aumento do nível de atividade ou concentração das enzimas envolvidas no ciclo de Krebse no sistema de transporte de elétrons como resultado direto do aumento na quantidadetotal de material mitocondrial (aumento da atividade enzimática da creatina-fosforoquinase)
 
Com relação as alterações bioquímicas oriundas do treinamento nas fibras musculares vermelhase brancas, pode-se dizer que, no caso de alterações aeróbias, o potencial aeróbio das fibrasesqueléticas aumenta de maneira equitativa tanto nas fibras vermelhas como nas brancas, emconsequência do treinamento. Entretanto, as diferenças inerentes a capacidade oxidativa entre os
 
diversos tipos de fibras não se alteram pelo treinamento. Dessa forma, as fibras vermelhas têmmaior capacidade aeróbica em relação às fibras brancas, antes e depois do treinamento.
 
As alterações na capacidade glicolítica surgem pela habilidade de acumular maiores quantidadesde ácido lático como resultado do treinamento com exercícios máximos, sendo menores nas fibrasbrancas.
 
Existe hipertrofia seletiva nas fibras vermelhas e brancas de acordo com tipo de treinamento comsobrecarga específica, ou seja, o aumento do volume da fibra depende da natureza dotreinamento, aeróbico ou anaeróbico.
 
Principais alterações sistêmicas resultantes do treinamento, em repouso:
 
Aumento do volume cardíaco
 
Baixa frequência cardíaca
 
Aumento do débito sistólico ou ejeção sistólica
 
Aumento do volume sanguíneo e da quantidade hemoglobina total
 
Hipertrofia de músculos esqueléticos
 
O aumento do volume cardíaco é caracterizado pelo aumento do tamanho da cavidade vientricularesquerda e um espessamento moderado de suas paredes. Esta ligeira hipertrofia cardíacaconstitui uma adaptação normal ao treinamento.
 
A bradicardia em repouso , induzida pelo treinamento , é o resultado de um estímuloparassimpático, ou seja, oriundo dos nervos vácuos que diminuem a frequência cardíaca quandoestimulados
 
Obs: Durante o exercício , também existe o estímulo parassimpático , mais visível em pessoas commelhor nível de aptidão física.
 
Aumento do volume de ejeção sistólica ou debito sistólico pelo aumento da cavidade ventricular .Quanto maior o volume de sangue que chega à cavidade, maior a injeção sistólica.
 
Com o treinamento, o aumento do volume sanguíneo e da quantidade hemoglobina total sãoobservados e caracterizados pela correlação existente com a capacidade máxima de absorção deoxigênio, pois ambos desempenham papel importante no transporte de oxigênio.
 
O treinamento aeróbio também proporciona certa hipertrofia e aumento da densidade capilar,evidenciados, principalmente, em atletas altamente treinados em longa distância .
 
Alterações do sistema de transporte de O2 em consequência do treinamento, fincando maisevidenciados durante um exercício sub-máximo em steady-state
:
 1.
 
Discreta ou nenhuma alteração no consumo de O2 evidenciada pelo aumento da eficiênciamecânica ou estilo do praticante.
2.
 
Baixa do acúmulo de Acido Lático, possivelmente, por alterações bioquímicas ainda nãototalmente conhecidas.
3.
 
Baixa ou nenhuma alteração do débito cardíaco ou rendimento cardíaco. Supõe-se estarrelacionada com o tipo, intensidade, ou duração das sessões de treinamento.

Activity (58)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Brenda Hellen liked this
Patricia Correia liked this
Fernanda Matos liked this
Alex Netto liked this
Leila Galvao liked this

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->