Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
104Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Adam Smith - História do Pensamento Economico (resumo) - rev.

Adam Smith - História do Pensamento Economico (resumo) - rev.

Ratings:

5.0

(2)
|Views: 21,587 |Likes:
Published by api-3695723

More info:

Published by: api-3695723 on Oct 15, 2008
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/18/2014

pdf

text

original

 
História do Pensamento EconómicoAdam Smith
 
Após as 3 primeiras partes da História do Pensamento Económico, o Mundode Economia apresenta-lhe a Quarta Parte deste imenso trabalho, um exclusivoMundo de Economia.Nesta parte da Hisria do Pensamento Económico, iremos começar aanalisar a Economia Clássica.O primeiro autor que se irá analisar é um nome que dispensa apresentações:Adam Smith. Mas primeiro analisemos os principais fundamentos da EconomiaClássica e concretamente de Adam Smith.Adam Smith no início da sua vida fez uma viagem pelo mundo onde conheceuQuesnay, e a sua paixão literária era David Hume. Para Adam Smith o homem estávocacionado para tratar de si próprio, o que lhe interessa é somente o melhorar dasua posição. Ele afirma que somos guiados pelo nosso interesse pessoal e tambémpelo juízo que os outros fazem das nossas acções. Acaba por concluir que oscomportamentos são iguais, isto é uma primeira base daquilo que é conhecido comoa micro economia. A injustiça pode ser resolvida, contudo Adam Smith adopta umaatitude liberal, assente no o intervencionismo, pois ele acredita que oIntervencionismo prejudica mais.A desigualdade é vista como um incentivo ao trabalho e ao enriquecimento(logicamente os pobres querem ficar ricos e atingir o nível das classes ricas e maisbeneficiadas), sendo uma condição fundamental para que as pessoas se mexam etentem atingir níveis melhores de vida. O problema desta análise, é que apesar deser feita à luz da ética, indica o não intervencionismo.Como resolver este problema da justiça social e da equidade.Adam Smith aponta um caminho - o Progresso Económico. A grandecontribuição de Adam Smith para o Pensamento Económico é exactamente achamada "Teoria da Mão Invisível". Para este autor todos aplicam o seu capital paraque ele renda o mais possível. A pessoa ao fazer isto não tem em conta o interessegeral da comunidade, mas sim o seu próprio interesse - neste sentido é egoísta. Oque Adam Smith defende é que ao promover o interesse pessoal, o indivíduo acabapor ajudar na prossecução do Interesse Geral e colectivo.Neste caminho ele é conduzido e guiado por uma espécie de Mão Invisível.Adam Smith acredita então que ao conduzir e perseguir os seus interesses, ohomem acabou por beneficiar a sociedade como um todo de uma maneira maiseficaz. Graças à mão invisível não há necessidade de fixar o preço. Por exemplo, aInflação é corrigida por um reequilibrio entre Oferta e Procura, reequilibrio esse queseria atingido e conduzido pela Mão Invisível. É, pois o início da Glorificação doMercando que Adam Smith preconiza.As Funções do Estado Para Adam SmithPara Adam Smith o Estado deve desempenhar 3 funções:* Manutenção da Segurança Militar * Administração da Justiça* Erguer e manter certas instituições públicas.Adam Smith acredita que a intervenção do Estado noutros domínios paraalém de ser inútil é também prejudicial. O comércio implica uma liberdade decirculão. Assim podem-se adquirir mais quantidades a menores preços noEstrangeiro, essa liberdade deve ser procurada, nem que tal implique desigualdade
 
(não esquecer que um dos fundamentos de Adam Smith é a tal desigualdadegeradora do crescimento).Para este autor o progresso pode ser dividido em 3 etapas:* A caça e Pastorícias Pre-Feudal* A Sociedade Agrícola* A Sociedade ComercialA passagem faz-se através de transformações na propriedade. Atingida aSociedade Comercial, só existem uma fonte de crescimento Económico - a Divisãodo Trabalho.Adam Smith como se pode ver é o pai da Economia Liberal, foi ele que lhedeixou os seus principais fundamentos - cujo expoente máximo é a chamada teoriada Mão Invisível.A Origem da RiquezaVimos na Terceira Parte deste estudo, que os Fisiocratas defendiam a idéiaque a riqueza e o valor provinham da Terra. Ora Adam Smith acredita que a riquezaé produto do Trabalho Humano. Neste aspecto ele nega Quesnay, pois acredita quequalquer que seja o trabalho, desde que exista o factor humano, é gerador deriqueza, ou seja, não existem classes estéreis.Uma idéia importante é o chamado Preço Natural dos bens. Este seria onecessário para remunerar durante o período em que se trabalha. Esta remuneraçãodeveria ser a necessária para assegurar a sobrevivência.Surge o valor-trabalho.O trabalho cria o valor das riquezas, mas o que se verifica é que a repartiçãoda riqueza não é proporcional ao Tempo de Trabalho despendido por cada um.Aparece-nos o início da teoria do Valor, em que há que distinguir entre doisconceitos fundamentais:* Valor de Uso: Não é mais que a utilidade proporcionada por um objecto* Valor de Troca: A possibilidade que a posse desse objecto dá de comprar ou trocar por outro.Uma idéia que David Ricardo vai rebater e que era defendida por AdamSmith, é a de que um Grande valor de Uso implica um pequeno valor de troca. Atépode ter uma certa lógica. Ela assenta na idéia que se a pessoa retirar um grandevalor de uso de um objecto, não estará na disposição de trocá-lo por outro. O Valor de Uso acaba por reflectir a utilidade social do objecto.O que Adam Smith se esquece é que se um objecto tem um grande valor deuso, o seu possuidor sabe que poderá extrair dele um maior valor de troca, poissabe que ele proporciona grande utilidade ao seu possuidor, e obviamente que issotrará vantagens para futuras trocas.Contudo, Adam Smith não liga a este pormenor, e acaba por defender que osdois valores agem em sentidos contrários, ou seja, se tem um Grande valor de Trocaé porque as pessoas não retiram grande utilidade da sua posse, e como tal possuium pequeno valor de Uso.A troca de mercadorias é na realidade a troca de trabalho necessário àprodução.Se não há divisão do Trabalho não há troca

Activity (104)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Karine Barreto liked this
Layara Teixeira liked this
Rodolfo Soares liked this
Rafael Abreu liked this
Vinicios Santos liked this
Abssa Absalao added this note
good
Rosana Furtunato liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->