Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
39Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Piscicultura - Indução de Peixes Hipofise ada

Piscicultura - Indução de Peixes Hipofise ada

Ratings:

4.5

(2)
|Views: 7,667 |Likes:
Published by anon-721944

More info:

Published by: anon-721944 on Oct 21, 2008
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/04/2013

pdf

text

original

 
Rev. Bras. Reprod. Animal, v.27, n.2, p.166-172, Abr/Jun, 2003166
O MANEJO DA REPRODUÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL E SUA IMPORTÂNCIA NA PRODUÇÃO DEPEIXES NO BRASIL
(
NATURAL AND ARTIFICIAL BREEDING MANAGEMENT AND ITS IMPORTANCE IN FISH PRODUCTION IN BRAZIL
)
ANDRADE, Dalcio Ricardo; YASUI, George Shigueki
Universidade Estadual do Norte Fluminense - Centro de Ciências e Tecnologias AgropecuáriasLaboratório de Zootecnia e Nutrição Animaldalcio@uenf.br
Resumo.
Impulsionada pelo constante incremento da população mundial, associado à crescente demanda por alimentos mais saudáveis, a piscicultura vêm apresentando um vertiginoso avanço na produção aquícola em todo o mundo. Um dos principais aspectos para a intensificação da produção piscícola,acompanhada da sustentabilidade tanto econômica quanto ambiental, é a utilização de técnicas de propagação artificial. Este trabalho aborda a reprodução de peixes no Brasil,descrevendo as principais técnicas utilizadas para a obtenção de alevinos por meio de reprodução induzida ou natural, e discute papel da reprodução na produção comercial de peixes para alimentação.
Palavras-chave:
piscicultura; indução hormonal;alevinos.
Summary.
Stimulated by the constant increment of world population, associated with the crescent demand for healthy food, natural fish supply started to decrease, and cultured fish is becoming a great solution to compensate this realness. One of the main aspects to intensify the fishery production allied with economical and environmental sustainability are fish artificial propagation techniques. This article approaches brazillian fish reproduction, describing with this article make a overview about brazillian fish breeding, decribing the main techniques used to obtain fingerlings, such as induced and natural reproduction and its importance on fish production.
Key words:
Fish culture; hormonal induction;fingerlings.
 INTRODUÇÃO
A demanda pelo pescado vêm aumentando nosúltimos anos, impulsionada principalmente pelocrescimento da população e pela tendência mundialem busca de alimentos saudáveis e indicados para asaúde humana, como o pescado. Na contínua buscapela captura de um numero maior de peixes, a pescaextrativa aliada a degradação ambiental, aos poucos,afetou o equilíbrio de populações e desse modo osestoques naturais de águas continentais e dos maresque se constituíam na principal fonte de pescadotiveram sua capacidade de produção drasticamentelimitada. Atualmente, a tendência é que a capturaextrativa, que não tem mais como crescer, continuediminuindo, conforme pode ser observado em dadosda FAO (2002), que revela que a produção depescado com base extrativista vêm alcançando osmesmos índices de produção encontrados no inícioda década de 90. Seguindo as mesmas estatísticas,no ano de 1996, a produção global de pescadocapturado era de 93,5 milhões de toneladas,passando para 91,3 milhões de toneladas no ano de2001. Paralelamente, o pescado cultivado passou de26,7 para 37,5 milhões de toneladas, no mesmoperíodo, sendo a atividade agropecuária maiscrescente em todo o globo. Este crescimento seráfundamental para atender as previsões de demandamundial por pescado pois segundo estimativas daFAO em 2025 haverá uma demanda de 162 milhõesde toneladas e como a pesca extrativa estáestacionada em torno de 85 milhões de toneladas adiferença terá que ser suprida pela aquicultura. Outroaspecto a ser considerado como estimulador docrescimento da demanda de pescado é o provávelaumento no consumo por pessoa pois ele ainda émuito baixo em vários países entre eles o Brasil ondese consome de 5 a 10 quilos de peixe por pessoaenquanto que no Japão o consumo é de mais de 60quilos por pessoa ao ano.Devido à crescente demanda por alimento se feznecessário e mesmo imperativo que se encontrassealternativas para formas de cultivo de peixes quecomplementassem a produção natural e quetivessem capacidade de saciar a demanda mundialde pescado, buscando também a sustentabilidadeeconômica e ambiental. Neste caso, foi necessáriodesenvolver tecnologia para produção em grandeescala de peixes cultivados em águas interiores e nomar. Assim, hoje no mundo todo, um grande númerode espécies de água doce e salgada são cultivadasem diferentes sistemas de produção e níveistecnológicos. No Brasil desde poucas décadas apiscicultura se intensificou e hoje já partimos parauma escala industrial de produção de pescadocultivado.Para que o cultivo de peixes se desenvolvesseno Brasil, como também em todo lugar, foifundamental que houvesse disponibilidade de“sementes”, ou seja, alevinos para serem engordadose comercializados. A piscicultura, no nosso país,
 
Rev. Bras. Reprod. Animal, v.27, n.2, p.166-172, Abr/Jun, 2003167
somente teve possibilidade de se expandir nomomento em que as técnicas de reprodução natural eartificial de peixes em cativeiro se consolidaram.Estas técnicas já vinham se desenvolvendo desde adécada de 30 com a criação, no Brasil, do processode desova artificial de peixes com o uso dehipofisação. A partir do domínio do processoreprodutivo em peixes cultivados ficou patente aimportância da escolha de espécies condizentes comas características físicas do ambiente, bem como aadoção do manejo adequado para cada espécie.Outro aspecto importante é a capacidade dedomesticação, através da adaptação da espécie aocativeiro e ao manejo reprodutivo. Obviamente foitambém relevante o domínio do manejo dalarvicultura das diferentes espécies cultivadas bemcomo o conhecimento dos aspectos nutricionais esanitários das espécies cultivadas, o que no caso devárias espécies ainda existem deficiências quenecessitam ser contornadas.Fica evidente, portanto, que a produção, emcativeiro, de formas jovens de peixes (larvas, pós-larvas e alevinos) é a característica principal para quehaja produção de pescado. Um exemplo destaimportância são as criações intensivas de enguias nocontinente asiático e europeu (
Anguilla japonica 
e
 Anguilla anguilla 
). Para estes peixes não hátecnologia desenvolvida de reprodução artificial e oscriadores portanto dependem totalmente de juvenisprocedentes do meio ambiente, o qual está sujeito adiferentes adversidades trazendo assim, para ospiscicultores permanente incerteza com relação aorepovoamento anual dos tanques de cultivo(SHEPHERD e BROMAGE, 1988; PILLAY, 1995).O Brasil despertou para o seu potencial emtermos de produção aqüícola e atravessa um períodode profissionalização desta atividade voltada agorapara a industrialização. Este momento ressalta aimportância da organização da produção em funçãodo volume necessário para comercialização eexportação em grande escala. Isto nos leva anecessidade de cada vez mais produzir alevinos eaprimorar nossa tecnologia de reprodução natural eartificial de peixes.Muitas das técnicas reprodutivas ainda estãosendo descobertas para diversas espécies em cultivono país, fazendo com que os principais pacotestecnológicos voltados para a reprodução de peixesainda sejam aqueles encontrados em espéciesexóticas.
PRINCÍPIOS DA REPRODUÇÃO DE PEIXESCULTIVADOS
Os peixes pertencem à classe devertebrados que possuem o maior número derepresentantes, com mais de 22.000 espéciescatalogadas, entre peixes de água doce e salgada.Isto confere à piscicultura uma imensa gama deespécies com potencial zootécnico, diferindo deoutras atividades mais tradicionais, como é o caso dasuinocultura e a avicultura, onde o cultivofundamenta-se em um número reduzido de espécies.Entretanto, o elevado número de espécies no cultivopiscícola implica em uma grande plasticidade decaracterísticas reprodutivas, o que pode fazer comque uma técnica de propagação bem sucedida emdeterminada espécie possa ter rendimentodiferenciado em outra. Dessa maneira, se faznecessário o conhecimento das características daespécie de peixe a ser propagado (época e local dedesova, características físico-químicas do ambiente,fisiologia reprodutiva), para que se possa manipularadequadamente a reprodução desses animais.Entre as principais técnicas de reproduçãoartificial, se destaca, de modo geral, a induçãoreprodutiva de peixes que habitam águas correntes,(reofílicos), grupo onde se enquadram os peixes querealizam migração reprodutiva (piracema). Pelo fatodos sistemas aquaculturais apresentarem ambienteslênticos, esses animais deixam de receber certosestímulos externos, fazendo com que não haja umaresposta endócrina apropriada para a indução damaturação gonadal final, e dessa forma os ovários sedesenvolvem apenas parcialmente (estágio devitelogênese completa). Por outro lado, a reproduçãopode ser obtida fazendo-se uma simulação daresposta endócrina natural, através da manipulaçãoambiental ou aplicação de substâncias análogas aosestímulos hormonais intrínsecos.Tabela 1. Local de atuação e os principais indutores de reprodução utilizados
LOCAL DE ATUAÇÃO PRINCIPAIS FORMAS DE INDUÇÃOHipotálamo
Manipulação do ambiente (fotoperíodo, temperatura, salinidade, etc.),anti-estrógenos, stress, presença de machos e fêmeas conjuntamente
Hipófise
Antagonistas de dopamina (domperidona, pimozida, metoclopramida),análogos de GnRH
Gônadas
Hipófises desidratadas, gonadotropinas de peixes, gonadotropinacoriônica humana (hCG)As formas de indução hormonal podem atuaratravés da aplicação de substâncias que irãodesencadear estímulos na hipófise desses animais,como é o caso de análogos de GnRH, inibidores dedopamina, domperidona, pimozida e metoclopramida.A indução pode ainda atuar em nível gonadal, como éo caso de gonadotropinas de peixes, macerado dehipófises desidratadas e gonadotropina coriônicahumana.As induções químicas, podem ainda serutilizadas para aumentar a produção seminal,antecipar o período reprodutivo, restringi-lo oumesmo sincronizar a reprodução de um lote dematrizes, o que permite ao produtor obter alevinosem períodos onde a lucratividade seja maior, ou que
 
Rev. Bras. Reprod. Animal, v.27, n.2, p.166-172, Abr/Jun, 2003168
o cultivo seja finalizado em período onde acomercialização seja otimizada (VENTURIERI eBERNARDINO, 1999), como por exemplo durante aSemana Santa.A manipulação ambiental em sistemas“indoor”, reproduzem as condições exógenaspropícias para o desenvolvimento gonadal e processode desova e dessa forma estimulam nos reprodutoresa produção hormonal necessária para propiciar areprodução em cativeiro.Em outra vertente, estão os peixes que sereproduzem em ambientes de água não correntosaou lêntica (lagos, lagoas, tanques, etc), conhecidoscomo peixes lênticos, os quais não realizam migraçãoreprodutiva (piracema) e neste caso pode-sedispensar a indução hormonal para obtenção dareprodução em cativeiro. Nesses peixes, cujaresposta fisiológica aos estímulos ambientaisreprodutivos não está baseada na piracema, amanipulação da reprodução em cativeiro, se fazprincipalmente por alterações no manejo, buscandoreproduzir as condições naturais para a desovadestes peixes. Assim, em algumas espécies, areprodução pode ser estimulada pela presença deabrigos e ninhos, como por exemplo no caso dotrairão e do catfish, e estruturas de fixação de ovosque são utilizadas na desova da carpa comum. Paraesta última espécie, assim como para os lambarís, écomum se adotar propositadamente estratégias demanejo estressantes que induzem a desova.A reprodução dos peixes não reofílicosapresenta baixo custo para a obtenção de alevinos,pois dispensa o uso de hormônios, instalações emão-de-obra especializada que oneram a reproduçãoem cativeiro dos peixes reofílicos. Por outro lado,com a reprodução natural o produtor tem poucocontrole do processo reprodutivo dos animais, devidoà dificuldade em implantar um programa deacompanhamento do desenvolvimento dos gametas,e da qualidade dos reprodutores
BREVE HISTÓRICO DA REPRODUÇÃO DEPEIXES
A obtenção de alevinos de peixes cultivadosque pudessem ser utilizados para a engorda foi umdos primeiros passos para que a pisciculturapassasse do extrativismo para as atuais formas decultivo.O processo do manejo da reprodução depeixes em cativeiro é bastante antigo, pois já em1795 se conhecia a técnica de reprodução artificial datruta, peixe reofílico que não necessita de induçãohormonal, sendo apenas feita a extrusão dosgametas e a fecundação externa e posteriorincubação. Podemos chamar este processo dereprodução assistida.Segundo DONALDSON (1996), as técnicasreprodutivas mediante indução hormonal podem serdivididas em três gerações. Pertencentes à primeirageração, os êxitos iniciais na reprodução artificialdatam da década de 30, quando peixes foraminduzidos a desovar mediante aplicação de extratohipofisário bruto homólogo, oriundo de hipófisesfrescas, extraídas de peixes com gônadas em estádiode maturação avançada. Na segunda geração, essatécnica foi aprimorada, mediante a utilização dehipófise, homóloga ou não, desidratada em acetona econservadas em ambiente isento de umidade. Alémdisto passou-se também a utilizar gonadotropinahumana (hCG) e de peixes para a desova emcativeiro. A terceira geração engloba as técnicas deindução mediante o uso de substâncias maisprocessadas como análogos de gonadotropinasassociados ou não com antagonistas de dopamina,domperidona, pimozida, metoclopramida e anti-estrógenos, bem como processos de controle emanipulação ambiental.Na década de 80, as técnicas dereprodução, induzida ou não, foram modificadas e/ouaprimoradas no Brasil, com a vinda de tecnologiastrazidas por pesquisadores estrangeiros,principalmente os húngaros, pois o Brasil tinha umprograma de cooperação com a Hungria.Na década de 90, a explosão de pesque-pagues, criou uma grande demanda por alevinospara serem engordados para futura comercializaçãoneste setor. Isto provocou grande avanço napiscicultura, estimulou o surgimento de piscicultoresespecializados na produção de alevinos, e dessemodo, disseminou pelo Brasil, a técnica e prática dareprodução induzida bem como o seuaperfeiçoamento para diversas espécies de peixes,principalmente as nativas. Para as espécies exóticas já haviam protocolos operacionais os quais, inclusiveserviram de base para as técnicas de reproduçãoartificial utilizadas para as espécies brasileiras.Atualmente, para a reprodução induzida depeixes em cativeiro, a maioria dos piscicultoresutiliza a hipófise desidratada de carpa, pelafacilidade de obtenção do produto, bem como pelasimplicidade desta metodologia, apesar do seu custoser elevado, aproximadamente 400 dólares o grama.Apesar dos custos fixos na produção de alevinos porindução serem elevados, o custo final por unidadeproduzida é baixo devido a alta fecundidade dasespécies utilizadas (uma fêmea de 1 Kg podeproduzir mais de cem mil ovócitos) e o controle doprocesso produtivo que permite um maioraproveitamento dos ovos, tornando esta atividadeuma das mais rentáveis na aqüicultura.O valor de mercado dos alevinos de peixesreproduzidos em cativeiro é muito varia em função dadificuldade de obtenção dos mesmos, devido aosdiferentes estágios em que se encontram o domínioda técnica reprodutiva. Assim, por exemplo, ummilheiro de alevinos de pacu, tambaqui ou tilápiacusta em média 50 reais (ou cinco centavos aunidade), este baixo valor é devido ao total domínioda técnica de reprodução e alevinagem destasespécies. Entretanto em alguns peixes, geralmentecarnívoros, como o dourado e o surubim, apesar dareprodução ser obtida com facilidade o processo dealevinagem é ainda problemático principalmente porcausa do alto canibalismo intraespecífico que impedeuma produção em massa de alevinos. Estadificuldade restringe o processo a poucos produtoresespecializados e gera uma produção muito menorque a demanda o que faz com que cada alevino sejacomercializado na faixa de um real e cinquentacentavos até dois reais (de mil e quinhentos a até

Activity (39)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Andrey Melo liked this
Helton Silva liked this
Mari Amaral liked this
Marianne Zavaski liked this
Lorraine Bacelar liked this
Gustavo Montes liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->