Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
1Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Ancoragem Esqueletica Em Ortod

Ancoragem Esqueletica Em Ortod

Ratings: (0)|Views: 18|Likes:
Published by TONY CARLOS

More info:

Published by: TONY CARLOS on Jan 16, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/06/2013

pdf

text

original

 
R Dna Pr Orodon Orop Faa
126
Marngá, v. 11, n. 4, p. 126-156, u./ago. 2006
Ancoragem esquelética em Ortodontia comminiimplantes
Telma Martins de Araújo*, Mauro Henrique Andrade Nascimento**, Fábio Bezerra***, Márcio Costa Sobral****
A utilização de dispositivos transitórios de ancoragem, como coadjuvante no tratamento or-todôntico, tem demonstrado, nos últimos anos, alta versatilidade de aplicação clínica, princi-palmente no que tange o uso dos miniimplantes. Estes aparatos surgem como alternativa paraos casos em que a ancoragem se torna ator crítico para o sucesso do tratamento ortodôntico.Neste artigo, buscamos uma abordagem ampla do tema, incluindo: locais de instalação, pro-cedimentos cirúrgicos, indicações, cuidados com a higiene e complicações mais reqüentes nautilização dos miniimplantes.
Resumo
Palavras-chave
: Miniimplantes. Microparausos. Ancoragem. Ortodontia.
T
ó p i c o
E
s p E c i a l
* Doutora e Mestre em Ortodontia pela UFRJ. Professora Titular da FO.UFBA. Coordenadora do Curso de Especialização em Ortodontia - FO.UFBA.Diretora do
Board 
Brasileiro de Ortodontia e Ortopedia Facial.** Aluno do Curso de Especialização do Centro de Ortodontia e Ortopedia Facial Professor José Édimo Soares Martins - FO.UFBA*** Professor do Curso de Especialização em Implantodontia da ABO-Bahia.**** Mestre em Ortodontia pela UFRJ. Professor do Curso de Especialização do Centro de Ortodontia e Ortopedia Facial Professor José Édimo SoaresMartins – FO.UFBA.
introdução
A ancoragem ortodôntica tem sido motivo depreocupação para os ortodontistas desde os pri-mórdios da especialidade. Uma terapia ortodônti-ca bem sucedida, na grande maioria das vezes, de-pende de planejamento criterioso da ancoragem,não sendo exagero armar que este ator é um dosdeterminantes quanto ao sucesso ou insucesso demuitos tratamentos.As diversas ormas de ancoragem descritas naliteratura, como barra-lingual e transpalatina, bo-tão de Nance, elásticos intermaxilares e aparelhoextrabucal, apesar de ecientes em muitos casos,permitem certo grau de movimentação da unida-de de ancoragem ou são dependentes da colabo-ração do paciente. Sendo que, para o tratamentode más oclusões mais severas, otimização de re-sultados com mecânicas mais simples ou, ainda,diminuição do tempo de tratamento, atualmente,o ortodontista pode lançar mão de dispositivostransitórios de ancoragem esquelética.Com a utilização dos implantes, surge um novoconceito de ancoragem em Ortodontia, denomi-nado ancoragem esquelética, a qual não permite amovimentação da unidade de reação. Ela é obtidadevido à incapacidade de movimentação da unida-de de ancoragem rente à mecânica ortodôntica
55
.As cargas ortodônticas de natureza contínua, uni-direcional e de baixa magnitude não são capazesde gerar atividade osteolítica na interace óssea doimplante, sendo que a ausência de movimentaçãonestes aparatos permite maior previsibilidade detratamentos complexos, independente da coope-ração do paciente
7,32,34,61
.
 
ARAújO, t. M. ; NAsciMeNtO, M. H. A.; BezeRRA, F.; sOBRAl, M. c.
R Dna Pr Orodon Orop Faa
127
Marngá, v. 11, n. 4, p. 126-156, u./ago. 2006
A ancoragem esquelética absoluta teve iníciocom a utilização de implantes com nalidadeprotética
1,24,51,52,58
, os quais, apesar de bastanteecientes nesta unção, possuem restrições à suautilização, devido ao seu tamanho e complexida-de cirúrgica para inserção e remoção, quando es-tes não são utilizados como parte de uma reabili-tação protética
20
. Outros sistemas de ancoragemcomo os
Onplants 
(Nobel Biocare, Gotemburgo,Suécia) e o Orthosystem (Straumann Institute, Waldemburg, Suíça) oram criados tentando su-prir esta necessidade dos ortodontistas
5,13,19,25,62
.Porém, por serem de diícil utilização e alto cus-to, não ganharam muita popularidade no meioortodôntico.As mini-placas de titânio, originalmente utili-zadas para xação cirúrgica, apesar de se presta-rem bem como recurso de ancoragem absoluta,possuem algumas limitações quanto aos locais dexação, além de apresentarem maior morbidadecirúrgica devido à necessidade de realização dedois procedimentos operatórios (instalação e re-moção), e elevado custo devido à complexidadetécnica
11,14,15,16,17,18,38,54,56,59
.Na busca por um recurso de ancoragem esque-lética mais versátil, percebeu-se que os parausospara xação cirúrgica, apesar de seu tamanho re-duzido, possuíam resistência suciente para supor-tar a maioria das orças ortodônticas. O inconve-niente deste tipo de parauso residia na diculdadede se acoplar acessórios ortodônticos à cabeça domesmo, além de não permitirem boa acomodaçãodos tecidos moles adjacentes. Baseado nesta idéia,oram desenvolvidos os miniimplantes especícospara Ortodontia, sendo estes, dentre todos os im-plantes temporários, os que melhor se adequamàs características necessárias a este tipo de anco-ragem
4,20,37
.A eciência da ancoragem ortodôntica, con-seguida através dos implantes, tem sido bem de-monstrada na literatura. Para terem boa aceitaçãopor parte dos pacientes e serem idealmente uti-lizados com esta nalidade, os implantes preci-sam dierir daqueles utilizados em reabilitaçõesprotéticas, devendo apresentar as seguintes ca-racterísticas: tamanho reduzido; ácil colocação;resistência às orças ortodônticas; capacidade dereceber carga imediata; utilização com as diver-sas mecânicas ortodônticas; ácil remoção e baixocusto
20,23,26,39,41,53,60
.Neste artigo, os autores se propõem a expor,baseando-se em experiências clínicas e publica-ções cientícas, diversos aspectos reerentes aosminiimplantes ortodônticos. Dentre eles: suasprincipais características, critérios de seleção, pro-cedimento cirúrgico, tipos de movimentação or-todôntica a que se aplicam, associando a unçãoespecíca aos respectivos locais de inserção paraotimizar sua utilização, remoção e principais pro-blemas e diculdades em sua utilização.
noMEnCLAturA
A utilização de dispositivos ortodônticos paraancoragem esquelética com dierentes desenhos,ormas e metodologias de aplicação tem se mos-trado cada vez mais reqüente clinicamente, assimcomo sua reerenciação em periódicos especiali-zados. Da mesma orma, dierentes termos comominiimplantes, miniimplantes ortodônticos, mi-croimplantes, microimplantes ortodônticos, mi-niparausos e microparausos têm sido utilizadospelos autores em dierentes publicações, gerandoa necessidade de padronização quanto à termino-logia mais adequada para se reerir a dispositivosespecícos.Em 2005, Mah e Bergstrand
36
publicaram osresultados compilados e obtidos através de reu-nião, realizada no ano anterior, envolvendo diver-sos pesquisadores e clínicos experientes na área deancoragem esquelética, previamente à reunião daAAO (American Association o Orthodontics),em Orlando. Um dos tópicos abordados nesteencontro oi a denição da melhor nomenclaturaa ser utilizada para estes dispositivos, sendo queo termo Dispositivo de Ancoragem Temporária(DAT) reere-se a “todas as variações de implan-
 
Anoragm quéa m Orodona om mnmpan
R Dna Pr Orodon Orop Faa
128
Marngá, v. 11, n. 4, p. 126-156, u./ago. 2006
tes, parausos, pinos e
onplants 
que são instaladosespecicamente para promover ancoragem orto-dôntica e são removidos após a terapia biomecâ-nica”, o que oi aceito pelos presentes. Da mesmaorma, apesar de não haver consenso do ponto devista cientíco, o termo miniimplante parece sermais adequado do que microimplante, uma vezque “micro” é denido como 10
-6
. O desenho ea orma destes sistemas de ancoragem podem su-gerir o termo parauso como adequado, mas paraevitar conotações negativas, os autores reunidosdemonstraram a preerência por palavras comopinos, implantes ou dispositivos.
CArACtErÍStiCAS
Existe, atualmente, disponível no mercado na-cional e internacional uma série de DATs com die-rentes desenhos, diâmetros, comprimentos, graus depureza do titânio e tratamentos de superície. Como intuito de tornar didáticas suas principais carac-terísticas e critérios de seleção, utilizaremos umaclassicação geral e não restrita a detalhes, muitasvezes de apelo mais comercial que cientíco.Tido como um dos maiores avanços da Orto-dontia contemporânea, e sendo alvo de grandeatenção em trabalhos recentes, os miniimplantesortodônticos são abricados em titânio com die-rentes graus de pureza e tratamento de superície,podendo variar entre 4 a 12mm de comprimentopor 1,2 a 2mm de diâmetro
41,50,53
(Fig. 1). Apesardos dierentes desenhos, ormas e medidas, que va-riam de acordo com a marca comercial, é possíveldividirmos a constituição dos miniimplantes emtrês partes distintas: A) cabeça, B) perl transmu-coso e C) ponta ativa
4,41
(Fig. 2).A cabeça do implante é a parte que cará ex-posta clinicamente e será a área de acoplamentodos dispositivos ortodônticos, como elásticos, mo-las ou os de amarrilho. Também sore variaçãodependendo do abricante, mas como regra geralpossui uma canaleta circunerencial e uma peru-ração transversal que viabilizam a ativação orto-dôntica
4,7
(Fig. 3).
FiGURA 1 - Mnmpan om drn omprmno da pona ava  doprf ranmuoo.FiGURA 2 - Par do mnmpan:
A)
abça;
B)
prf ranmuoo 
C)
pona ava.FiGURA 3 - Modo d drn abça d mnmpan, ndo
A
,
B)
 auoroquan 
C
,
D)
auopruran.
ABCDA B C

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->