Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
2Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Identidade Organizacional

Identidade Organizacional

Ratings: (0)|Views: 76 |Likes:
Published by Paula Schneider

More info:

Published by: Paula Schneider on Feb 02, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/12/2012

pdf

text

original

 
Organização,RecursosHumanosePlanejamento
IDENTIDADEORGANIZACIONAL
MiguelP.CaldasMestreeDoutorandoemAdministraçãodeEmpresasnaEAESP/FGV.ProfessordoDepartamentodeAdministrãoGeraleRecursosHumanosdaEAESP/FGVeconsultordeempresas.E-mail:mcaldas@eaesp.fgvsp.brThomazWoodJr.MestreeDoutorandoemAdministraçãodeEmpresasnaEAESP/FGV.ProfessordoDepartamentodeProdão,LogísticaedeOperaçõesIndustriaisdaEAESP/FGVeconsultordeempresas.E-mail:twood@eaesp.fgvsp.br
Nesteartigoteórico,osautoresrevisitamoconceitodeadvogandoomelhorentendimentodesuacomplexidadeesuautilizaçãomaisabrangentenaanáliseorganizacional.Enquantoexploramasorigensdoconceitoeoscaminhosdesuaevoluçãoporvárioscamposdoconhecimento,osautoresdesenvolvemumquediferenciaasmuitasabordagensexistentessobreidentidade,apartirdeduasdimensõesbásicas:dimensãodoedimensãoAprimeiradistingueoobjetosobreoqualoconceitoéaplicado(ex.:indivíduo,grupo,organizaçãoetc.);asegundadistingueasformaspelasquaisaidentidadeéobservada(dointeriormenteobservado-atéoexternamenteobservado-imagem).Asobreposãodessasduasdimensõesdefinediversosquadrantes,ondesepodemdistinguirasdiferentesaborda-gensexistentessobreidentidade.Enfim,omodeloéexpandidocomumaterceiradimensão(daquepõeemdebateosalicercesdopróprioconceito:aidéiadealgocentral,distintivoeduradouro.
ABSTRACT:
asas
a
aa
KEYWORDS:
identidade,identidadeorganizacional,mudançaorganizacional,auto-conceito,organizaçãovirtual.
6
RAE-RevistadeAdministrãodeEmpresasoPaulo,v.37,n.1,p.6-17Jan./Mar.1997
 
ARJ&MAutopeças(nomefictício)éumaempresabrasileiradosetorautomobilístico.Fundadaháquarentaanos,conservamuitascaractesticasdeempresatradicionalefami-liar:processodeciriocentralizado,estruturahierarquizadaefortepreseadosdonos.Comasmudançasocorridasnaeconomiaenosetorautomobilísticonoiníciodosanosnoventa,aRJ&Mpassouasentirsuaposiçãocompetitivaameaçada.Em1994,aRJ&Mcontratouumaempresadeconsultoriaparamudarseumodelodenegócioseimplementarumprocessomaismodernodegestão.Oprojetodemudançafoidivididoemtrêsfases:diagsticoestratégicoeorganizacional,redesenhodomodeloorgani-zacionaleimplantação.Vejamostrêscenasocorridasduranteopro-cessodemudaa:
Cena
1-
duranteodiagstico.
Emumareuniãocomproprietáriosediretoresdaempresa,aequipedeconsultoriaapresen-taosresultadosdeumapesquisadeopi-nião,realizadacemclientesefornecedo-resdaRJ&M.Parasurpresadamaioriadospresentes,queviamsuaempresacomomodelodesucesso,osresultadossãone-gativos.Muitosclientesreclamamdoaten-dimentoefornecedoresvêemaRJ&Mcomopoucoeficienteedesatentaaoportu-nidadesdemelhoria.Comoumtodo,odiagsticoédissonantedaviodominan-teegeraumsentimentodedesagradonaspessoas.Noentanto,depoisdomal-estarinicial,odiagnósticoajudaosexecutivosaalteraremsuapercepçãosobreaempresa,reforçandooconsensoemtomodaneces-sidadedemudar.
Cena
2-
duranteoredesenho.
oreali-zadasreuniõesindividuaiscomosgeren-tes.Oobjetivoédesenvolveranovaestru-turaorganizacional.Visandosistematizarotrabalho,cadagerenteéestimuladoaidentificarseusclientesinternoseexter-nos,osprodutoseserviçosfornecidosaessesclientesesuasexpectativasemrela-çãoaessesprodutoseserviços.Sugere-setammquedescrevamqual
arazãodeserdesuaárea,
naformadeumadeclaraçãodemissão.Parasurpresadosconsultores,estaúltimaéapartemaisdifícildotraba-lhoepoucosgerentesconseguemdescre-veralgosupostamentesimpleseobjetivoquantoàrazãodaexistênciadasuaáreaparaaorganizão.Asoluçãoencontradaémarcarreuniõesespecíficasparadiscutirotemaeajudarosgerentesamelhorcom-preenderemseunovopapel.Sóassiméposveldarcontinuidadeaodesenvolvi-mentodanovaestruturaorganizacional.
Cena
3-
duranteaimplantação.
Nafasedeimplantação,cadagerenteassumeopapeldecondutordoprocessodemudan-çanasuaárea.Entretanto,doisdelesco-meçamamostrarsinaisdeestressediantedadificuldadedeadaptar-seànovareali-dade.Emboradeclaremcompreenderseunovopapel,nãosevêememcondiçõesdeexercê-lo.Asjustificativassãovariadas:faltadetempoparaexercernovasfuões,capacitaçãoinsuficiente,perfilinadequa-doetc.Umpontocomumnessastrêscenaséapre-sençadaquestãoda
identidade.
Na
primeiracena,
a
identidadeorgani-zacional
apareceemdiversasdimensões:pri-meiro,surgenaformapelaqualaorganiza-çãoépercebidapelomeio,nasua
imagem
paraclientesefornecedores.Surgenovamen-tepermeandoaformapelaqualaorganiza-ção,representadaporseusexecutivos,perce-beasimesma-
autopercepção.
Ficaaícla-raainteraçãoentrediversasdimensões,com-pondoumciclodemudança:o
"comosouvisto"
ajudandoamodificaro
"comomevejo".
Esteúltimo,emumsegundomomen-to,gerandomudançasqueoalteraro
"comosou"
que,finalmente,devealteraro
"comosouvisto",
completandoumciclo.Na
segundacena,
éaidentidadedogrupoqueaparece,expressapeladificuldadedosge-rentesemredefinirseupapeleodosseuslide-radosnonovomodeloorganizacional.Ficaevidenteparaosconsultoresarupturaqueasmudançasambientaiseoprocessodemudan-çaorganizacionaltrazemparaessegrupo.Comoadiscussãoquesesegueabordaessestemas,explorandoaquestãodaidentidade,consegue-serearticularoprocesso.Otrabalhoresultaemprofundoquestionamentoquantoàrazãodeserdecadaume
geranovasidenti-dadesorganizacionais
paramuitosgerentesemuitasáreas.Na
terceiracena,
oquesepercebeéumainteraçãoconflituosaentreanovaidentidadedafunçãooudaárea,definidanaetapaante-rior(deredesenhoorganizacional),eaidenti-dadeindividual.Osdoisgerentesmenciona-dosnãoconseguemreposicionar-sepessoal-©
1997,RAE-RevistadeAdministrãodeEmpresas/EAESP/FGV,SãoPaulo,Brasil.
7
 
1.VerNKOMO.S.
&
COX,Jr.
1
iverseiden-titiesinorganizations.In:CLEGG,S.,HARDY,C.
&
NORD,W.(Orgs.),London:Sage,1996,p,338·356.2.Emumtrabalhorecente,uminicialnessesentidofoipropostoporWoodeCaldasparaanalisarprocessosradicaisdemu-dança:verWOODJr..
1,
CALDAS,M.P.Quemtemmedodeeletrochoque?Identidade,tera-piasconvulsivasemudançaorganizacional.v.35,n.5,p.13,21,1995.Nestetrabalho,nos
propomosadesenvolverconceitualmenteum
modelomaisabrangente.3.VerRODRIGUES,S.B.Corporatecultureandidentity:De·institutionalizationinaBrazll-iantelecommunicationscompany.p.345·365.Sal·vador,BA,1993.4.VerCOPI,I.M.
&
COHEN,C.NewYork:Macmillan,1990.5.VerWHITEHEAD,A.N.
&
RUSSELL,B.Cambridge:CambridgeUniversityPress,1927.6.VerKAHN,C.H.Cambridge:CambridgeUniversityPress,1979.
8
menteparaonovopapelqueomodeloorgani-zacionallhesconfere.Oresultadoaparecenaformadeestresseeresistênciaàmudança.Essastscenasilustramalgumasdasmui-taspossibilidadesdeutilizãodoconceitodeidentidadenaanáliseorganizacional.Tambémpermitempercebercomoasváriasformasdeidentidadearticulam-se.A
imagemexterna
daorganizão,alterandosua
auto-imagem
eoriginandooucatalisandomudanças.Essasmudaasalterandoeafetandoapercepçãodosgrupos,gerandodificuldadesefrustraçõesemâmbitofuncionaleindividualegerandoou-trasmudaas.Umadinâmicacomplexa,ca-racterizadaporaçõessimultâneasdosriosatoresorganizacionais,definindoeredefinin-docontinuamentepercepçõeserealidades.Situaçõescomoessas,ondeatoresorga-nizacionais-sejamindivíduos,grupos,ouaprópriaorganização-questionamprofun-damente
oquesão,
acontecemtodososdias.Processosorganizacionais-comofusões,aquisiçõesereestruturações-sãoeventosestreitamenteligadosaquestionamentosdes-sanatureza.Emcontextosdemudançasam-plasecomplexas,comoodaRJ&M,trans-formaçõesnovelmacroprovocamquestio-namentosereconceituaçõesemcadeia,donívelorganizacionalaoindividual,Umavezquetodasessassituaçõesparecemtomar-secadadiamaiscomunsnasorganizações,aiiade
identidadeorganizacional
toma-seumconceitovalioso.Poroutrolado,autilizaçãodanoçãodeidentidadeoésimples.Amaiordificulda-dequeseapresentaaopesquisadoréjustamen-tesuacomplexidadeeamplitudedesentidos.Estesvariamnosdiversoscamposteóricosqueempregamotermoemesmoentrecorrentesdentrodecadaumdessescampos.Alémdis-so,sãorarosostrabalhosquesepreocupamemdesenvolvertipologias'equadrosderefe-
rência.?
NoBrasil,poucossequermaborda-dootema.'Nossopropósitonestetrabalhoépreencheressevazio.Paratanto,revisaremosdiversasabordagensbaseadasnaidéiadeiden-tidade,comênfasenoconceitode
identidadeorganizacional.
Acreditamosquenossaprin-cipalcontribuãoéodesenvolvimentodeumquadroconceitualque,esperamos,tometra-táveloconceitodeidentidadenoestudodefe-nômenosorganizacionais.Orestantedoartigoestáestruturadodase-guinteforma:napróximaseção,abordaremosasori-gensdoconceitodeidentidade;emseguida,naterceiraseção,proporemosumprimeiroquadroconceitualparama-pearasabordagensexistentessobreidenti-dade,desenvolvidoapartirdeduasdimen-sõesfundamentais:adimensãodo
objetofocal
(aquemoconceitoéaplicado)eadimenoda
observação
(aperspectivaapartirdaqualoconceitoéaplicado);naquartaseção,ampliaremosoquadroconceitual,dotando-odeumaterceiradi-mensão,aqualdenominamosdimeno
dadefiniçãodeidentidade.
Taldimensãocon-fere
profundidade
aoquadro,relacionan-do-seaalgumasdiscussõescontemporâ-neasfundamentaissobreaquesodeidenti-dade;enaseçãofinalrealizaremosumsumáriodotrabalhoeprocuraremosindicardire-çõesparafuturaspesquisas.
ORIGENSDOCONCEITODEIDENTIDADE
Ousopopulardosconceitosdeidentida-deede
self
temfortesraízesnopensamentoclássico.Oempregooriginaldotermoiden-tidadecomoumapropriedadeétãoantigoquantoalógica,aálgebra,eafilosofia.'O"princípiodaidentidade",porexemplo,éumdosaxiomasdalógica.Segundoele,dadaumaentidade,elaéidênticaasimesma;ouseja,paraqualquer
x,x
ésempreiguala
x,
Naálgebra,diz-seexistiridentidadequandoduasexpressõessãorepresentadaspelomes-mo
número."
Ousopopulardotermorelacio-na-setambémàfilosofiaclássica,quetrazanoçãodeidentidadeassociadaàidéiadeper-manência,singularidadeeunicidadedoqueconstituiarealidadedascoisas.TalconceitoéatribuídoaHeráclito,queviveuentreosséculosVIeVa.C.
É
seuofamosoargumen-todequeumindivíduopode,eaomesmotem-ponãopode,entrarduasvezesnomesmorio,porqueapesardetodososseusconstituintesmateriaisteremsofridoumatransformação,decertaformaorioaindaéomesmo,Oin-teressedeHeráclitopelaidéiadeunicidadegerouumconceitodeidentidadequeinfluen-cioucentenasdegeraçõesdepoisdele."Des-sasduasorigensprincipais-lógicaefiloso-fiaclássicas-aiiadeidentidadetomou-seuniversal,ganhandonovossignificadosaolon-
v.
37
n.
1
Jan./Mar,
1997

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->