Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
22Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Exercícios de Revisão: Formação dos Reinos Absolutistas

Exercícios de Revisão: Formação dos Reinos Absolutistas

Ratings: (0)|Views: 5,218 |Likes:
Published by José Knust

More info:

Published by: José Knust on Feb 08, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/11/2013

pdf

text

original

 
A Formação dos Reinos Absolutistas
Exercícios de Revisão
1. A formação das monarquias medievaisA) O processo de concentração do poder
1. Leia o texto abaixo e responda às perguntas:³Inicialmente, as diferenças em poder eram contidas, mesmo nessa fase, dentro de um contexto que permitia que umnúmero considerável de domínios territoriais feudais permanecesse na arena de luta. Mais tarde, após muitas vitórias ederrotas, alguns se tornavam mais fortes pela acumulação dos meios de poder, enquanto outros eram obrigados adesistir de lutar. Os poucos vitoriosos continuavam a lutar e o processo de eliminação se repetia até que, finalmente, adecisão ficava apenas entre dois domínios territoriais reforçados pela derrota e incorporação de outros.´
 Norbert Elias,
O processo Civilizador 
, vol.2, p.93.
O texto se refere a qual processo histórico? Qual foi o resultado deste processo?
B
) O apoio dos grupos sociais ao reiI)
B
urguesia em Ascensão
2. Leia o texto abaixo e responda às perguntas:³(...) o rei proíbe a todos os capitães e homens de guerra que ataquem mercadores, trabalhadores, gado ou cavalos ou bestas de carga, seja nos pastos ou em carroças, e não perturbem nem às carruagens, mercadorias e artigos queestiverem transportando, não exigindo deles resgate de qualquer forma; mas sim tolerando que trabalhem, andem deuma parte a outra e levem suas mercadorias e artigos em paz e segurança, sem nada lhes pedir, sem criar-lhesobstáculos ou perturbá-los de qualquer forma´.
Lei do Rei Francês em 1439. Em Leo Huberman,
 H 
istória da Riqueza do
 H 
omem
, p.73
a) Que prática comum na Idade Média a lei acima pretendia proibir? b) Qual era o objetivo do Rei Francês em estabelecer esta lei?3. Leia o texto abaixo e responda às perguntas:³O mais alto objetivo do burguês (...) [era] obter para si e sua família um título aristocrático, com os privilégios que oacompanhavam. (...) Não queriam acabar com a nobreza como tal, mas, no máximo, assumir-lhe o lugar como novanobreza´.
 Norbert Elias,
O processo Civilizador 
, vol.2, p.153.
Como o rei utilizou este objetivo da burguesia para conseguir apoio para a centralização do poder em suasmãos?
II) A nobreza em crise
4. Leia o texto abaixo e responda à pergunta:³As alterações nas formas de exploração feudal sobrevindas no final da época medieval estavam, naturalmente, longede serem insignificantes. Na realidade, foram precisamente essas mudanças que mudaram as formas do Estado.Essencialmente, o absolutismo era apenas isto:
um aparelho de dominação feudal alargado e reforçado
, destinado afixar as massas camponesas na sua posição tradicional, a despeito e contra os benefícios que elas tinham conquistadocom a comutação alargada das suas obrigações. (...) [O Estado Absolutista] era a nova carapaça política de umanobreza atemorizada.´
Perry Anderson,
 Linhagens do Estado Absolutista
, p.16-17
Quais eram os interesses da nobreza na centralização do poder nas mãos do rei?
 
 5. Leia o texto e responda à questão´Quase por toda a parte, o peso opressivo do fisco recaía sobre os pobres. Não existia a concepção jurídica de³cidadão´ sujeiro ao fisco pelo simples fato de pertencer à nação. A classe senhorial, na prática, estava em toda a parteefetivamente isenta da tributação direta. Porshnev designou corretamente os novos impostos criados pelos Estadosabsolutistas por ³renda feudal centralizada´, por oposição às prestações senhoriais, que constituíam uma ³renda feudallocal´.
Perry Anderson,
 Linhagens do Estado Absolutista
, p.36-37.
Por que podemos dizer que os impostos criados pelos Estados Absolutistas eram uma ³renda feudalcentralizada´?6. Sobre os grupos sociais e suas relações com os reis e entre si na Europa após a crise do Feudalismo, marque comum (X) a ÚNICA alternativa ERRADA:a) Os burgueses recebiam títulos de nobreza do rei e financiavam suas campanhas. b) Muitos nobres, para superar a crise do feudalismo, passaram a viver na corte do Rei recebendo doaçõesfinanceiras e ocupando altos cargos.c) A vida na corte era marcada pelo luxo, pela fartura e pelo requinte, com grandes festas e banquetes.d) Os camponeses já não eram mais explorados pelos senhores feudais, pois não pagavam mais impostos erecebiam salários.e) Os reis centralizavam poder monopolizando atribuições (cobrança de impostos, manutenção de exércitos,etc.) antes pertencentes aos diversos senhores feudais. Mas mesmo assim, muitos senhores feudais apoiavam orei.7. Sobre a centralização do poder nas mãos dos Reis, marque com um (X) a ÚNICA alternativa ERRADA:a) Para garantir a unidade territorial, os reis passaram a organizar seus exércitos, cobrar seus impostos eelaborar suas próprias leis. b) O crescimento econômico possibilitou uma aliança entre o rei e a burguesia.c) Todos os nobres eram contrários a centralização do poder nas mãos do rei.d) A unificação da moeda facilitou as atividades comerciais.
C
) A formação histórica dos reinos medievaisA) Inglaterra
8. Em 1215, a nobreza inglesa conseguiu impor ao rei inglês João Sem Terra um conjunto de medidas que limitava o poder real. Leia abaixo um trecho do artigo 52 da Magna Carta:³Se alguém foi desalojado ou desapropriado por nós, sem o julgamento legítimo dos seus pares, das suas terras,castelos, liberdades ou direitos, imediatamente os devolveremos a ele; e se surgir uma discórdia a este respeito, entãoserá esclarecida pelo veredito dos vinte e cinco barões, cuja menção é feita abaixo na cláusula para a garantia da paz.´Explique como a determinação deste artigo limitava o poder do rei.
B
) França
9. Leia o texto abaixo e faça o que se pede:Embora diversos fatores contribuíssem para a formação de um sólido Estado centralizado, a Guerra dos Cem Anossuspendeu o fortalecimento do poder monárquico no país, ainda que temporariamente. Em meio aos efeitos doconfronto e necessidade da nobreza para ampliar seu exército, a monarquia francesa teve que fazer certas concessõesaos nobres e passou por um relativo enfraquecimento. A insatisfação da burguesia com as derrotas, a fome
 
generalizada e a peste negra dificultaram a situação. Somente no início do século XV os franceses obtiveram vitóriasdecisivas, por ocasião de um grande levante popular contra os ingleses, tendo à frente a figura de Joana D¶Arc. Aguerra continuou até 1453, quando os franceses expulsaram os ingleses de seu território.
Vicentino e Dorigo,
 H 
istória Geral e do
Brasil, v. 1, p.229
a) Por que a Guerra dos Cem anos ³suspendeu o fortalecimento do poder monárquico´ na França? b) Qual foi a importância de Joana D¶Arc para a virada francesa na Guerra?
C
) Espanha e Portugal
10. Explique o que foi a ³Reconquista´ e qual foi sua importância na formação dos Reinos de Portugal e Espanha.11. Leia o texto abaixo e faça o que se pede: No século XV, a Espanha era um conjunto de reinos independentes que se haviam formado ao longo da guerra deReconquista cristã. As diferenças entre os reinos eram enormes: língua, costumes, instituições, moedas, entre outras. Eembora a maior parte da população fosse cristã, havia forte presença de muçulmanos e judeus em todos os reinos. O passo mais importante para a formação de um estado unificado na região foi o casamento do rei Fernando de Aragãocom a rainha Isabel de Castela, em 1469.A monarquia tentou unificar, na medida do possível, as instituições do reino, pesos e medidas, leis e códigos,esbarrando freqüentemente nas tradições de autonomia das cidades e nos privilégios da nobreza. Mas, com o apoio daIgreja e com um forte exército profissional, a Coroa foi derrubando essas barreiras, embora tenha mantido os privilégios da nobreza e a sujeição dos camponeses às grandes casas aristocráticas.A unificação espanhola não deixou de ser, em boa medida, uma imposição de Castela sobre os demais reinos e províncias da península. A própria língua castelhana se sobrepôs às demais línguas peninsulares, como o catalão ou ogalego, embora a Coroa não as tenha suprimido.
Vainfas, Faria, Ferreira e Santos,
 H 
istória
, v.1, p 270-271
a) Qual era a situação política e cultural da Península Ibérica no século XV? b) Como se deu o processo de centralização política da Espanha?12. Leia o texto e faça o que se pede:Parte da nobreza defendia a entrega da coroa portuguesa ao Rei de Castela, representante de uma políticaeminentemente feudal. Entretanto, os comerciantes, aliados a setores populares, conseguiram impor o nome de D.João, mestre de Avis, ao trono. Foi a chamada Revolução de Avis. Em 1385, na Batalha de Albujarrota, a derrota dastropas castelhanas garantiu a ascensão de D. João ao trono.A nova dinastia caracterizou-se pela aproximação entre os interesses da monarquia e os do setor mercantil: oscomerciantes pretendiam ampliar seus mercados e o rei desejava se fortalecer por meio da cobrança de imposto sobreo florescente comércio.
Vicentino e Dorigo,
 H 
istória Geral e do
Brasil, v.1, p.232
a) Os autores afirmam que o Rei de Castela era preferido por parte da nobreza portuguesa por praticar uma política eminentemente feudal. O que isso significa? b) Qual foi a conseqüência da ascensão de uma dinastia apoiada pelos setores mercantis de Portugal?
D
) Itália e Alemanha
13. Leia os textos abaixo e faça o que se pede:³Não foi tarefa pequena reduzir os privilégios monopolistas de cidades poderosas. Nos países em que elas eramrealmente fortes, como na Alemanha e na Itália, somente séculos depois se estabelecia uma autoridade central com poder bastante para controlar tais monopólios. É essa uma das razões pelas quais as comunidades mais poderosas ericas da Idade Média foram as últimas a tingir a unificação (...
Leo Huberman,
 H 
istória da riqueza do
 H 
omem
, p.75.

Activity (22)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Patricia Souza liked this
Val Nascimento Filho added this note
Não deixa de ser uma ótima opção para professores. Vale a pena acessar. valeu!
Indhira Borges added this note
gostei
Igor Fernandez liked this
Darllyel Gean liked this
Leo Gomez liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->