Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
2Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Discurso 2012

Discurso 2012

Ratings: (0)|Views: 149|Likes:
Discurso como Orador da Turma de Bacharéis em Ciências Econômicas de 2011.

Proferido em Sessão Pública e Solene do Conselho Universitário especialmente convocada para coleção de grau, em 17 de fevereiro de 2012, no Teatro da Reitoria (Curitiba-PR).
Discurso como Orador da Turma de Bacharéis em Ciências Econômicas de 2011.

Proferido em Sessão Pública e Solene do Conselho Universitário especialmente convocada para coleção de grau, em 17 de fevereiro de 2012, no Teatro da Reitoria (Curitiba-PR).

More info:

Published by: Guilherme Hideo Assaoka Hossaka on Feb 19, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/20/2012

pdf

text

original

 
Sessão Pública e Solene do Conselho Universitário,especialmente convocada para outorga de grau debacharel em Ciências Econômicas
Turma 2011 do dia 17de fevereiro de 2012.DISCURSO DE ORADOR
“A destruição da memória histórica –
ou melhor, osmecanismos sociais que vinculam nossa experiência pessoal àdas gerações passadas
é um dos fenômenos maiscaracterísticos e lúgubres do final do século XX. Quase todosos jovens de hoje crescem numa espécie de presente contínuo,sem qualquer relação orgânica com o passado público da
época em que vivem”, assim escreveu o histor
iador inglês Eric
Hobsbawn em seu “Era dos Extremos –
 
o breve século XX”.
 Sem a memória pública não há a percepção do devercívico, e a gama de sentimentos positivos a saudade da nossaUFPR também são dificultados. Sem o conhecimento dahistória permanecemos sempre na infância intelectual emesmo o nobre título que hoje nos é outorgado fica semsignificado.
 
Portanto, nada mais adequado do que o exercício dereavivar a memória história pública neste dia em que aomesmo tempo em que colamos grau, nosso Setor de CiênciasSociais Aplicadas, neste exato 17 de fevereiro, completa hoje67 anos e neste ano em que nossa Universidade Federal doParaná completará seu centenário.
A chamada “Universidade do Paraná”
, em 1912, erainicialmente formada pelos cursos de Ciências Jurídicas eSociais, Engenharia, Medicina e Cirurgia, Odontologia,Farmácia e Bioquímica e o de Comércio, precursor do curso deAdministração e Finanças que, pelo Decreto-Lei nº 7.988 de1945, é extinto para dar lugar ao bacharelado em CiênciasEconômicas, cujo grau nos é outorgado hoje.O dia 19 de dezembro, mesma data da emancipaçãopolítica do Paraná, foi, segundo o próprio Vitor Ferreira doAmaral, rigorosamente escolhida para a fundação da UFPRcom o intuito de
mostrar que “a emancipação política do
Estado, devia também simbolizar a sua emancipação
intelectual”.
 
 
Sob nossos ombros todo esse peso histórico repousa edessa história fazemos parte! Por isso sempre cabe enfatizarnossos compromissos com esta instituição. Para que essesseus próximos 100 anos sejam ainda melhores está na hora denos perguntarmos não somente pela Universidade que nósqueremos, mas também pela Universidade que a sociedadebrasileira precisa e merece, especialmente quando tãoarduamente financiou os nossos estudos.E esse não é um comentário trivial: nós, economistas,compreendemos a magnitude do árduo esforço material deuma sociedade submissa a uma escandalosa política tributáriaregressiva, que é formada por 4,8 milhões de pessoas que têmrenda nominal mensal domiciliar igual a zero e por 11,43milhões de pessoas que possuem renda de R$ 1 a R$ 70. Comocompreender que a 6ª maior economia do mundo ostentatambém o título infame de 13ª mais desigual em termos eocupa a 84ª posição no ranking do IDH? Como justificar odispêndio em juros, refinanciamento e amortização da dívidapública de R$ 635 BI anuais ou 44% do orçamento geral daUnião frente aos problemas cotidianos de infra-estrutura efalta de garantias humanas mínimas que enfrentamos?

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->