Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
18Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Cap. 2 - Mendel e a descoberta da Lei da Segregação Genética

Cap. 2 - Mendel e a descoberta da Lei da Segregação Genética

Ratings: (0)|Views: 7,730 |Likes:

More info:

Published by: Michele Soares de Lima on Feb 24, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/29/2014

pdf

text

original

 
Ministério da EducaçãoSecretaria de Educação Profissional e TecnológicaInstituto Federal de Mato Grosso do SulCampus CorumbáDOC ---IFMS COMETDATA ----
Apostila: Capítulo 1 – Introdução e história da GenéticaDisciplina:
Biologia
Professora:
Me. Michele Soares de Lima
Curso:
111, 211, 121, 221, 331
Turno:
Matutino/Vespertino/Noturno
Data:
UNIDADE 2 – GENÉTICACapítulo 2 – Mendel e a descoberta da Lei da segregação genética
Gregor Mendel 
Gregor Mendel (1822-1884) foi ummonge austaco, considerado o “pai dagenética”. Desenvolveu seus trabalhos complantas de ervilha (
Pisum
 
sativum
L.)observando a transmiso herediria devárias características. Em 1865 publicou oartigo "Experiments with Plant Hybrids" quefoi ignorado
1
.
Fig. 1 – O monge austríaco Gregor Johann Mendel (1822-1884). Fonte:http://depositodabiologia.blogspot.com/2011/05/biografia-de-gregor-mendel.html.
A partir de 1900 vários pesquisadoresconfirmaram seus resultados (Hugo de Vries,Carl Erich Correns e Erick von Tschermark-Seysenegg)
1
. Suas duas leis ainda hoje sãobase para os estudos geticos. Mendeldescobriu que as características hereditáriassão herdadas segundo regras bem definidas epropôs uma explicão para a exisnciadessas regras
1
. O sucesso do trabalho deMendel pode ser atribuído a dois motivosprincipais, o considerados pelos outroscientistas da época: o material biológicoescolhido e o método empregado naorganização das experimentações, associadoà aplicação da estatística no tratamento dosdados
2
.
O trabalho de Mendel 
A maioria dos biólogos da segundametade do culo XIX acreditava que ahereditariedade baseava-se na transmissãode entidades materiais dos pais para osfilhos
1
. Eles admitiam, também, que essatransmissão só poderia ocorrer através dosgametas, pois estes são a única ligação físicaentre as gerações
1
. Mendel descobriu que ascaracterísticas hereditárias são herdadassegundo regras bem definidas e propôs umaexplicação para a existência dessas regras
1
.Mendel escolheu como material deestudo a ervilha-de-cheiro (
Pisum sativum
L.)
1
. As principais raes que o levaram aoptar por essa espécie foram:
A facilidade de cultivo;
A existência de variedades facilmenteidentifiveis por característicasmarcadamente distintas;
Ciclo de vida curto, que permite obtervárias gerações em pouco tempo;
Obtenção de descenncia fértil(sementes) no cruzamento devariedades diferentes;
Facilidade com que se podepolinização artificial;
Neste Capítulo você deverá aprender a:
Conhecer a trajetória de vida deGregor Mendel e a importância dosseus experimentos para afundamentação da Genética;
Explicar como a segregação doscromossomos homólogos nameiose determina a separação(segregação) dos alelos de umgene;
 Apresentar os conceitos defenótipo, genótipo, genes alelos,monoibridismo; 
 
Predomina reprodução porautofecundação, portanto linhagensnaturais são puras.
Características da Ervilha
São plantas da família dasleguminosas, com fruto em forma de vagem(ou legume). A flor é hermafrodita, ou seja, namesma flor eso os óros reprodutoresmasculino e feminino
1
. Estes óros esoencerrados dentro de pétalas modificadas emforma de urna, denominado quilha
1
. A quilhaimpede a polinização por len (gametamasculino) de outras flores,conseqüentemente, os óvulos de uma flor sãoquase sempre fecundados pelos seus própriosgrãos de len, processo denominado
autofecundação
1
(figura 2)
.
Fig. 2 - Flor púrpura de ervilha (
Pisum sativum
L.)mostrando a quilha, estrutura formada por talasmodificadas que protegem os óros reprodutoresmasculino (anteras) e feminino (estigma) da flor,facilitando a autofecundação. Fonte: http://www.redes-cepalcala.org/ciencias1/Flora/imagenes_2/pisum_sativum. jpg (modificado).
Para se obter ervilhas por
fecundaçãocruzada
entre duas plantas distintas, abre-sepreviamente a quilha de algumas flores ecorta-se suas anteras, que corresponde àparte masculina da flor
1
(figura 3). Quando aparte feminina estiver madura, abre-senovamente a quilha e coloca-se, sobre oestigma, pólen retirado de flores intactas deoutra planta
1
. Dessa forma, através devariedades distintas, obtemos sementeshíbridas (do grego
hybris
= misturado porcruzamento)
1
.Das 34 variedades de ervilhadisponíveis na época, Mendel escolheu as quepossuíam características mais contrastantes eque o sofressem alterações de umageração para outra, o que era uma forma degarantia de que as características eramrealmente hereditárias, e não decorrentes defatores ambientais
1
. No final, foram escolhidas7 características com os quais Mendeltrabalhou em seus experimentos
1
(figura 4).Um das grandes virtudes de Mendel foiter trabalhado apenas com uma característicade cada vez
1
. Por exemplo, ao trabalharobservando os cruzamentos de ervilhas desementes amarelas com ervilhas de sementesverdes, ele desconsiderava outrascaracterísticas, tais como altura, cor da flor,tipo de vagem, etc.
1
, o que contribuiu para acompreensão das leis biológicas que regem agenética.
Fig. 3 – Representação esquemática do experimento deMendel, mostrando a remoção das anteras de uma florpúrpura pura (AA) para coleta de pólen e transferênciadeste para o estigma de outra flor pura (aa). A geraçãoresultante (F1) obtida foi de 100% indivíduos híbridos deflor púrpura. Fonte:http://disciplinas.uniararas.br/genetica/fundamentos/fundamentos-da-genetica-terminologia/.Fig. 4 Características da ervilha (Pisum sativum)estudada por Mendel. Cada característica apresenta duasformas variáveis, facilmente identifiveis. Fonte:http://biologia12eportefolio.blogspot.com/2011/01/mendel-o-pai-da-genetica_07.html.
 
Gerações P, F
1
e F
2
Antes de iniciar cada cruzamento,Mendel escolhia ervilhas de
linhagem pura
,ou seja, plantas que, por autofecundação,sempre originavam plantas iguais entre si
1
.Por exemplo: ervilhas de sementes amarelas,quando cruzadas entre si, originavamervilhas de sementes amarelas; da mesmaforma com ervilhas verdes que, quandocruzadas entre si, só originavam ervilhas desementes verdes
1
(figura 5).Mendel fez cruzamentos de variedadesde ervilhas para cada característica estudada(ver figura 4). Nesses cruzamentos, a geraçãoconstituída pelas variedades puras eradenominada
geração parental
ou
geraçãoP
1
. A descendência imediata desssescruzamentos era chamada de
primeirageração híbrida
ou
geração F
1
 
(primeirageração de filhos)
1
. A descendência resultanteda autofecundação da
primeira geraçãohíbrida
(F1) era denominada segundageração híbrida ou
geração F
2
(segundageração de filhos)
1
.
Fig. 5 – Resultado do cruzamento entre linhagens purasde plantas com sementes amarelas e sementes verdes(progenitores ou parentais). Como resultado docruzamento, obtiveram-se somente indivíduos híbridos desementes amarelas. Ao cruzar novamente essesindivíduos híbridos entre si, obtiveram-se indivíduos desementes amarelas e de sementes verdes, em umaproporção de 3:1 (3 indivíduos de sementes amarelaspara 1 indivíduo de semente verde). Fonte:http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/gregor-mendel/gregor-mendel-3.php.
Traços dominantes e traços recessivos
Mendel cruzou indivíduos de linhagempura de características contrastantes, eobservou que a geração F
1
expressava umacaracterística de um dos pais. Ex: cruzando
ervilhas altas puras
com
ervilhas anãspuras
(geração P), a geração resultante era100%
ervilhas altas bridas
(F
1
). Acaracterística
ervilha anã
aparentementedesaparecia. Ao cruzar novamente ageração híbrida F
1
entre si, a característica
ervilha anã
“reaparecia” na geração F
2
resultante (ver figura 5).Portanto, Mendel concluiu que algumascaracterísticas dos pais permaneciam nageração F1, mas outras característicasdesapareciam, voltando a aparecer nalinhagem F2, como se esse traço ficasse em“recesso”, encoberto
1
.O traço que desaparecia nas plantashíbridas foi chamado de
recessivo,
enquantoo traço que se manifestava foi chamado de
dominante
1
.
 
 A proporção 3:1 na geração F
2
Além de apresentar um estudo de fácilcompreensão, Mendel conseguiu estabelecera proporcionalidade de indivíduos querecebiam o tro dominante e recessivo
1
.Esse foi a grande
novidade
de Mendel
1
.No cruzamento entre plantas puras desementes amarelas e plantas puras desementes verdes, por exemplo, Mendelobteve em F2, de um total de 8.023sementes, 6.022 sementes amarelas e 2.001sementes verdes
1
. Dividindo-se o número desementes amarelas pelo número de sementesverdes, obm-se a proporção de 3,01:1,aproximadamente
1
(ver figura 5).Devido ao fato de as proporções entreos traços dominantes e recessivos serem tãoparecidas em todas as caractesticasanalisadas levou Mendel a pensar naexistência de uma lei geral, responsável pelaherança das características nas ervilhas
1
.
Dedução da segregação dos fatores eelaboração da 1º Lei de Mendel 
A partir dessas observões, Mendelelaborou uma hitese, com as seguintespremissas:
cada característica herediria édeterminada por fatores, herdados emigual quantidade da mãe e do pai
1
;
os fatores de cada par segregam-se(separam-se) quando os indiduosproduzem gametas
1
. Se o indivíduo épuro quanto a determinadacaracterística, todos os seus gametasterão o mesmo fator para aquelacaracterística; se o indivíduo é híbrido,ele produzirá dois tipos de gametasem mesma proporção
1
.Veja o exemplo abaixo. Mendelcolocou o pólen (gameta masculino) de umaplanta de semente amarela de linhagem purano estigma do ovário (órgão feminino quecontém o óvulo – gameta feminino) de umaplanta de semente verde de linhagem pura.De acordo com Mendel, cada óvulo da plantade semente verde contém apenas um tipo defator para essa característica (
a
). O grão de

Activity (18)

You've already reviewed this. Edit your review.
Jaqueline Soares liked this
1 thousand reads
1 hundred reads
Carla Pedrosa liked this
Sandra Costa liked this
Tasso Assuero liked this
Lorena Lolli liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->