Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
1Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
alteraçoes na postura do idoso

alteraçoes na postura do idoso

Ratings: (0)|Views: 87 |Likes:

More info:

Published by: Santa Casa de Tarouca on Feb 29, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/29/2012

pdf

text

original

 
SAÚDE
52
Revista Brasileira de Ciências da Saúde, ano 8, nº 26, out/dez 2010
A
RTIGOS
 
DE
R
EVISÃO
RESUMO
O Brasil tem vivenciado um rápido processo de envelhecimento de sua população. Junto ao crescente aumentoda população idosa, há a necessidade de serem mais bem entendidas as alterações provocadas pelo envelheci-mento e as consequências que elas acarretam para o idoso. Assim, são importantes novos estudos que mos-trem melhor as alterações ocorridas na postura corporal destes indivíduos, de modo que possam ser adotadasmedidas preventivas e até corretivas desta postura, a fim de se evitarem dores e deformidades, pois a modi-ficação da postura ereta é uma das alterações mais comuns que ocorrem no sistema osteomuscular durante oprocesso do envelhecimento. Portanto, esse artigo de revisão de literatura teve como objetivo verificar, den-tre vários estudos produzidos sobre a matéria, quais as alterações posturais mais presentes no idoso e relataras estruturas envolvidas em todo este processo, desde as manifestações clínicas do envelhecimento aos pró-prios conceitos sobre envelhecimento humano e idoso no contexto mundial e do País.
Palavras-chave:
envelhecimento, idoso, corpo, saúde.
ENVELHECIMENTO HUMANO E AS ALTERAÇÕESNA POSTURA CORPORAL DO IDOSO
HUMAN AGING AND BODY POSTURE CHANGES IN THE ELDERLY 
Michele Marinho da Silveira
1
, Adriano Pasqualotti
2
, Eliane Lucia Colussi
3
e Lia Mara Wibelinger
4
1
Fisioterapeuta pós-graduada em Ortopedia e Traumatologia, pelo Colégio Brasileiro de Estudos Sistêmicos – CBES; mestranda bolsistado programa de pós-graduação em Envelhecimento Humano da Universidade de Passo Fundo – UPF.
2
Professor titular da Universidade de Passo Fundo – UPF; coordenador do Programa de Pós-Graduação em Envelhecimento Humanoda Universidade de Passo Fundo – UPF; doutor em Informática na Educação e mestre em Ciência da Computação, pela UniversidadeFederal do Rio Grande do Sul – UFRGS; editor da Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano.
3
Professora do Programa de Pós-Graduação em Envelhecimento Humano da Universidade de Passo Fundo – UPF; mestre e doutora emHistória, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUC/RS.
4
Fisioterapeuta; docente da Faculdade de Fisioterapia da Universidade de Passo Fundo – UPF; mestre e doutoranda em GerontologiaBiomédica da PUC/RS.
ABSTRACT
Brazil has experienced a rapid aging of its population. Along with the increasing aging population there is a needto better understand the changes caused by aging and the consequences that may cause the elderly, beingimportant new studies that show better the changes in body posture of these individuals so that preventiveand corrective measures can be taken to this posture in order to avoid pain and deformity, because the changeof stance is one of the most common changes that occur in the musculoskeletal system in the aging process.Therefore, this article of literature review aimed at verifying in the literature which postural alterations thatoccur in the elderly are more present and report the structures involved in this process since the clinicalmanifestations of aging, the very concepts of human aging and elderly in the global context and the country.
Keywords:
aging, elderly, body, health.
 
53
Revista Brasileira de Ciências da Saúde, ano 8, nº 26, out/dez 2010
A
RTIGOS
 
DE
R
EVISÃO
RBCS
1. INTRODUÇÃO
O crescimento da população de idosos é um fenô-meno mundial e está sendo ultimamente enfatizado,particularmente no que se refere às suas implicaçõessociais e em termos de saúde pública. A OrganizaçãoMundial de Saúde (OMS) previu que, em 2025, a popu-lação mundial de pessoas com mais de 60 anos seráde, aproximadamente, 1,2 bilhões, sendo que os muitosidosos (com 80 anos ou mais) constituem o grupoetário de maior crescimento (WHO, 2004).Segundo dados do IBGE (2000), no Brasil, a popu-lação de idosos representa um contingente de quase15 milhões de pessoas com 60 anos ou mais de idade,o que corresponde a 8,6% da população brasileira. Asmulheres vivem, em média, oito anos a mais que oshomens, e correspondem a 55,1% da população idosa.Em 2025, os idosos representarão 14% dos brasileiros,e o Brasil terá uma proporção de idosos semelhante àque é hoje registrada em países desenvolvidos (C
OELHO
F
ILHO
& R
AMOS
, 1999).Em adição, observa-se que o envelhecimento mani-festa-se por declínio das funções dos diversos órgãose sistemas, que caracteristicamente tendem a ser linea-res em função do tempo, não se conseguindo definirum ponto exato de transição.
 
O termo idoso inicia-seaos 65 anos em países desenvolvidos e aos 60 anosnos países em desenvolvimento (P
APALÉO
N
ETTO
&P
ONTE
, 1996).Nessa perspectiva, nem todas as pessoas chegam àvelhice no mesmo estado – umas são mais vigorosas,mais autônomas e mais desenvolvidas do que outras,que não conseguem conservar seu dinamismo. Assim,alguns idosos estão mais propensos do que outros adiversas condições patológicas que podem levar a alte-rações da mobilidade, do equilíbrio e da postura (S
OARES
et al 
., 2003; R
UWER
, R
OSSI
& S
IMON
, 2005).A alteração da postura corporal é um dos proble-mas mais frequentes relacionados ao envelhecimento,pois há uma dificuldade na execução dos movimentoscom rapidez, sendo que, desta forma, o equilíbriocorporal fica mais difícil (K
NOPLICH
, 2001). Por isso, esseartigo de revisão de literatura pretende estudar as alte-rações que ocorrem na postura corporal com o pro-cesso de envelhecimento, de modo que possam seradotadas medidas preventivas e até corretivas destapostura a fim de evitar dores e deformidades nosidosos.
2. ENVELHECIMENTO HUMANO E ASSUAS MANIFESTAÇÕES CLÍNICASNO IDOSO
É notório o rápido crescimento do tempo de vidada população brasileira nas últimas décadas. O índicede envelhecimento da população, que era igual a 6,4%em 1960, alcançou 13,9% em 1991, representando 7,5%da população de idosos em todo o mundo, o quedemandará custos com políticas públicas de saúde(C
HAIMOWICZ
, 1997).No Brasil, considera-se idoso o indivíduo que tem60 anos ou mais de idade. É uma fase da vida em queas pessoas tiveram muito ganhos, mas também muitasperdas, dentre as quais se destaca a saúde como umdos aspectos mais afetados nos idosos (R
ODRIGUES
&D
IEGO
, 1996).Segundo Passerino & Pasqualotti (2006), o envelhe-cimento humano compreende todos os processos detransformação do organismo, tanto físicos quantopsicológicos e sociais, envolvendo, principalmente,papéis sociais desempenhados pelos indivíduos. Já para Papaléo Netto (2002), o envelhecimentopode ser conceituado como um processo dinâmico eprogressivo, no qual há alterações morfológicas, fun-cionais e bioquímicas, que vão alterando progressiva-mente o organismo, tornando-o mais suscetível àsagressões intrínsecas e extrínsecas que terminam porlevá-lo à morte.Além disso, o envelhecimento pode ser consideradocomo um processo de mudanças universais, pautandogeneticamente para a espécie e para cada indivíduo,que se traduz em diminuição da plasticidade comporta-mental, em aumento da vulnerabilidade, em acumulaçãode perdas evolutivas e no aumento da probabilidadede morte. O ritmo, a duração e os efeitos desse pro-cesso comportam diferenças individuais e de gruposetários, dependentes de eventos e natureza genético-biológica, sócio-histórica e psicológica (N
ÉRI
, 2001).Os sinais do envelhecimento vão aparecendo coma idade, incluindo-se neles os seguintes aspectos:branqueamento e espessamento do cabelo; perda deelasticidade e secura da pele; possibilidade de a audiçãoficar prejudicada, a visão diminuída, a adaptação ao es-curo limitada e a fala tornar-se restrita; o aprendizadoe a memória de curto prazo ficam prejudicados; os li-miares da dor passam a ser altos e a sensibilidade a elase manifesta em menor intensidade; o sistema cardio-vascular diminui quanto à eficiência, ocorrendo uma
 
SAÚDE
54
Revista Brasileira de Ciências da Saúde, ano 8, nº 26, out/dez 2010
A
RTIGOS
 
DE
R
EVISÃO
mobilidade torácica mais restrita; e a capacidade vitalé reduzida (T
HOMPSON
, S
KINNER
& P
IERCY
, 2002).Os idosos apresentam, também, diminuição daelasticidade dos tecidos moles, as articulações sãomenos capazes de absorver pressões e tornam-se maisrígidas, as cartilagens menos elásticas, o poder musculardiminui, levando à desaceleração dos movimentos e àperda da coordenação, ossos podem se tornarosteoporóticos, aparecem as dificuldades com o equilí-brio e alterações na postura corporal (T
HOMPSON
, S
KIN
-
NER
& P
IERCY
, 2002).Nessa perspectiva, outras modificações ocorremcom o envelhecimento, segundo Papaléo Netto (2009),revelando que a musculatura apresenta-se com umaespessura menor; os vasos sanguíneos ficam mais frá-geis, propiciando fácil aparecimento de lesões e alte-rações; com o passar do tempo, a pele perde colágenoe elastina, originando as rugas e hematomas por peque-nas batidas e levando, ainda, à hipotermia facilmenteem situações de queda brusca de temperatura; o apa-recimento de manchas é comum, principalmente emáreas muito expostas à luz; há queda da massa óssea,perda de massa muscular, diminuição dos espaços intra-articulares, alterações do sistema nervoso decorrentesda perda de massa encefálica, com consequente com-prometimento de equilíbrio. Ocorrem, também, trans-formações no miocárdio e no sistema respiratório,com a diminuição da expansão torácica e, pelas modifi-cações posturais, há alteração da relação ventilação-perfusão; o sistema digestivo fica mais lento, acontecemmudanças nos índices hormonais, com diminuição daprodução de estrógeno nas mulheres e redução gradualde testosterona nos homens; o sistema urinário e oglandular também sofrem um processo degenerativocom o passar dos anos (P
APALÉO
N
ETTO
, C
ARVALHO
F
ILHO
& S
ALLES
, 2005).Sendo assim, o envelhecimento não é somente umapassagem pelo tempo; mais do que isto, é o acúmulode eventos biológicos que ocorrem ao longo do tempo.O envelhecimento, portanto, pode ser definido comoa perda das habilidades de adaptação ao meio. Assim, aidade biológica e funcional torna-se a forma mais ade-quada de se medir o envelhecimento e suas adaptações(ACSM, 2001). Por conseguinte, são importantes estu-dos que mostrem melhor as alterações ocorridas noidoso com sua postura corporal, de forma que se possaconhecer melhor esta postura a fim de minimizar eaté prevenir alterações patológicas que causem dor edesconforto neste indivíduo.
3. ALTERAÇÕES NA POSTURACORPORAL DO IDOSO
A manifestação do processo de envelhecimento évariável tanto em indivíduos da mesma espécie comode espécies diferentes. Esta constatação motiva pes-quisadores a buscarem inúmeras definições sobre oque vem a ser envelhecimento, o que não impede queessas várias definições tenham algo em comum, que éa ideia de declínio das funções fisiológicas do corpo,perda da funcionalidade com o avanço da idade, aumen-to da incidência de doenças e elevação da probabilidadeda morte (M
OTA
, F
IGUEIREDO
& D
UARTE
, 2004).Conforme salientaram Papaléo Netto, CarvalhoFilho & Salles (2005), o corpo humano é uma máquinaperfeita, mas, como toda máquina que é utilizada cons-tantemente, após um certo tempo de uso, começa aapresentar alterações. A partir dos 40 anos, a estaturacomeça a se reduzir em torno de um centímetro pordécada – isso se deve à redução dos arcos plantares,ao aumento da curvatura da coluna vertebral, à reduçãodo volume dos discos intervertebrais, o que, por suavez, ocorre porque o volume de água do corpo diminuiatravés de perda intracelular. Constatam-se, também,reduções do número de células nos órgãos, o que levaà perda de massa, principalmente em fígado e rins(C
ARVALHO
F
ILHO
& P
APALÉO
N
ETTO
, 2000).Muitas dessas transformações acontecem lenta-mente com o passar de décadas devido a alguns fatores,como os patológicos, os traumáticos ou os degenera-tivos, ou ainda decorrentes de alterações muscu-loesqueléticas e neurológicas primárias. As mudançasdecorrentes do avanço da idade manifestam-se prin-cipalmente no plano sagital e incluem algumas carac-terísticas, como o aumento da curvatura cifótica dacoluna torácica, a diminuição da lordose lombar, o au-mento do ângulo de flexão do joelho, o deslocamentoda articulação coxofemoral para trás e a inclinação dotronco para diante, acima dos quadris (K
ENDALL
, 1995).Entretanto, não é possível definir o que se poderiachamar de postura típica, dada a enorme variabilidadeque se observa na posição bípede dos indivíduos daterceira idade (P
ICKLES
 
et al 
., 2002).Diante disso, a postura é, em termos gerais, definidacomo uma posição ou atitude em que a estrutura cor-poral se mantém relativamente em alinhamento, consi-derando-se as várias partes que a compõem, para umaatividade específica, ou uma maneira característica desustentar o próprio corpo. Algumas estruturas são res-

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->