Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
2Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
O Método de Observação na Psicologia: Considerações sobre a Produção Científica

O Método de Observação na Psicologia: Considerações sobre a Produção Científica

Ratings: (0)|Views: 232 |Likes:
Published by Leonardo Andrade
O Método de Observação na Psicologia:
Considerações sobre a Produção Científica
O Método de Observação na Psicologia:
Considerações sobre a Produção Científica

More info:

Published by: Leonardo Andrade on Mar 05, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/01/2014

pdf

text

original

 
Interação em Psicologia, 2007, 11(2), p. 199-210199
O Método de Observação na Psicologia:Considerações sobre a Produção Científica
1/2
 Débora Staub Cano Izabela Tissot Antunes Sampaio
Universidade Federal de Santa Catarina
RESUMO
O presente artigo visa fornecer um panorama geral da produção científica que utilizou a observaçãocomo método de pesquisa, através do levantamento de artigos, dissertações e teses disponíveis embases de dados nacionais importantes (
 Index Psi
e
Scielo
). Na busca pelo material, foram consideradosos artigos/pesquisas encontrados quando os termos
observação
e
observacional
e a expressão
métodoobservacional
estavam no título, resumo ou palavras-chave. Apenas alguns dos artigos selecionadosforam consultados integralmente, quando havia dúvidas sobre o método. Foram encontradas 116pesquisas, datando da década de 1970 até 2006, principalmente nos periódicos
Psicologia: Reflexão eCrítica, Psicologia, Estudos de Psicologia
(Natal),
 Revista Brasileira de Psicanálise
e
Alter 
. Criançasem diferentes situações e a relação mãe-bebê, bem como o método de observação na formação dospsicólogos e os conceitos e técnicas observacionais foram os alvos mais comuns das pesquisas queutilizaram o método observacional. Ao final, é feita uma discussão metodológica e conceitual sobre aobservação, considerando a utilização do método na construção de protocolos de pesquisa, e sobre ouso de recurso áudio-visual como uma técnica eficaz na coleta e categorização dos dados.
Palavras-chave
: observação; método observacional; publicação em Psicologia.
ABSTRACTThe Observational Method in Psychology: Considerations for Scientific Production
The aim of the current report is to offer a global view of the scientific reports which have usedobservation as a research method, through a survey of articles, dissertations and theses available inimportant Brazilian data bases (
 Index Psi
and
Scielo
). Papers were considered when “
observation”,
observational”
or “
observational method”
was in the title, abstracts or keywords. Only a few articleswere read entirely if there were doubts as to the method used. One hundred and sixteen publicationswere selected, dating from 1970 to 2006, in the following serial browsings:
Psicologia: Reflexão eCrítica, Psicologia, Estudos de Psicologia
(Natal),
 Revista Brasileira de Psicanálise
and
Alter 
.Children in different situations and mother-baby interactions, as well as the observational method inpsychologists’ formation and observational concepts and techniques were the most common themesfound in the papers. Finally, there is a methodological and conceptual discussion consideringobservation as a method used to create research protocols, as well as the audiovisual source as anefficient technique to obtain and categorize data.
Keywords
: observation; observational method; publication in Psychology.
No campo do saber científico, a escolha do métodoa ser utilizado pelo pesquisador está vinculada aofenômeno tomado como objeto de estudo. Na Psicolo-gia, uma das opções metodológicas diz respeito aométodo observacional. Esse método mostra-se rele-vante especialmente para entender o que os organismosfazem e sob quais circunstâncias (Danna & Matos,2006), e nos estudos que envolvem interações huma-nas, visto haver situações que dificilmente poderiamser captadas ou apreendidas de outra forma (Dessen &Murta, 1997; Kreppner, 2001).A observação informal de situações cotidianas édiferente da observação científica, pois a última pos-sui uma finalidade conhecida de antemão, descritaatravés dos objetivos (Danna & Matos, 2006) e que éatentamente buscada (Ferreira & Mousquer, 2004).Mestre, Moser e Amorim (1998) ressaltam que a im-portância da observação e do registro sistemático docomportamento está no quanto a sociedade pode sebeneficiar com a descrição minuciosa do comporta-mento, pois ela permite que profissionais de diferentesáreas possam se comunicar acerca de um fenômeno
 
Débora Staub Cano & Izabela Tissot Antunes Sampaio
Interação em Psicologia, Curitiba, jul./dez. 2007, (11)2, p. 199-210 
200
observado a partir de suas principais características.Um exemplo claro disso é a construção do ManualDiagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais(DSM), criado pela Associação Norte-americana dePsiquiatria, em 1952.Os dados coletados a partir da observação forne-cem subsídios para diagnosticar uma situação-problema, facilitar a escolha das técnicas e procedi-mentos empregados na pesquisa e na avaliação da suaeficácia (Danna & Matos, 2006). Segundo Fagundes(1999), “a observação comportamental é importantepara psicólogos, modificadores do comportamento epesquisadores, servindo-lhes como um instrumento detrabalho para obtenção de dados que, entre outrascoisas, aumentem sua compreensão a respeito docomportamento sob investigação” (p. 23).Na década de 1940, com a ênfase no estudo docomportamento observável influenciado pelo behavio-rismo, a observação era tida como uma técnica com-plementar à experimentação (Z. M. M. Alves, 1998),tendo sido considerada como de menor valor devido àinterferência do observador no meio pesquisado, o queacarretaria a perda do rigor científico e da objetivida-de do estudo (Dessen & Murta, 1997; Kreppner,2001). Para Dessen e Borges (1998), contudo, os úl-timos anos vêm mostrando um crescente interessepela utilização de estratégias observacionais, tantopara a coleta de dados quanto para a avaliação psico-lógica e construção de instrumentos de medida decomportamentos.Com o objetivo de expor algumas consideraçõessobre o que vem sendo produzido na área de Psicolo-gia a partir do uso do método observacional, este arti-go visa analisar dados da produção científica divulga-da
on line
, discutindo vantagens, limitações e possibi-lidades do uso da observação.
MÉTODO
O levantamento de dados foi realizado a partir debuscas em importantes bases de dados nacionais:
 In-dex Psi
(Conselho Federal de Psicologia)
 
e
Scielo
. Aseleção dos trabalhos obedeceu a critérios específicos,considerando os termos
observação
e
observacional
ea expressão
método observacional
encontrados notítulo, resumo e/ou palavras-chave. Quando não haviaclareza do método utilizado na descrição da pesquisa,o texto era consultado na íntegra. Cabe salientar, ain-da, que alguns trabalhos fornecidos pelas bases dedados não foram considerados, uma vez que a palavra
observação
estava sendo utilizada conforme a acepçãodo senso comum (no sentido de perceber, verificar),ou como um conceito específico referindo-se à
apren-dizagem por observação
, e não como método.Foram priorizados os artigos de periódicos, dis-sertações e teses da área da Psicologia analisados eclassificados segundo o periódico e ano em que forampublicados, além do tema apresentado.
RESULTADOS E DISCUSSÃO
A seleção dos trabalhos permitiu identificar 95 ar-tigos científicos, 14 dissertações de mestrado e seteteses de doutorado, totalizando 116 pesquisas queutilizaram o método observacional, e que estão dispo-níveis
on line
nas bases anteriormente citadas.
Período de publicação
Segundo Batista (1996), a década de 1970 foi mar-cada pelo início do uso de estratégias observacionaisno Brasil, concomitantemente à implementação doscursos de Pós-Graduação em Psicologia no país.Kreppner (2001) também afirma que, durante os últi-mos anos dessa década, o método de observação pas-sou a contemplar os primeiros meses de vida e a in-fância do ser humano, sendo que, em 1983, ela passoua ser aceita como um método próprio de se obter in-formação sobre as interações entre bebês e seus cui-dadores. Esses dados são apoiados pelos anos de pu-blicação dos artigos encontrados, uma vez que nãohouve ocorrência de artigos anteriores ao ano de 1977,o que pode ser visualizado na Tabela 1.
TABELA 1Distribuição dos Artigos Sobre Observação Considerando os Períodos de PublicaçãoPeríodoArtigosDissertaçõesTeses1977 - 19798311980 - 198920311990 - 199925352000 - 20064250Total (N)95147
 
Observação na Psicologia
Interação em Psicologia, Curitiba, jul./dez. 2007, (11)2, p. 199-210 
201
Os dados de distribuição de artigos, conforme oano, permitem perceber que houve um crescimento donúmero de artigos publicados no decorrer dos anos.Entretanto, esses dados devem ser considerados ten-do-se em vista que a partir da década de 1990 houveum aumento da utilização da internet como meio dedivulgação de trabalhos científicos, facilitando o aces-so, publicação e divulgação de dados de pesquisa.Com relação às dissertações e teses disponíveis,percebe-se que as primeiras se mantêm em númerorelativamente estável, o que não ocorre com as teses,que têm uma ocorrência bastante significativa na dé-cada de 1990. Nesse sentido, pode-se pensar que, sehá um número expressivo de artigos publicados emperiódicos, esses provavelmente derivem em parte dedissertações e teses. Supõe-se que a publicação dasmesmas na íntegra não seja uma prática difundida e,portanto, elas não estejam acessíveis nas bases dedados consultadas.
Artigos em periódicos
Examinando-se a Tabela 2, verifica-se que 61,1%dos artigos foram publicados em apenas sete periódi-cos (
Psicologia: Reflexão e Crítica, Psicologia, Estu-dos de Psicologia
(Natal)
 , Revista Brasileira de Psi-canálise, Psicologia: Teoria e Pesquisa, Psicologiaem Estudo
e
Alter 
), enquanto os demais foram encon-trados em outros 25 (38,9%) periódicos.
TABELA 2Distribuição dos Artigos Considerando os Periódicos em que Foram PublicadosPeriódicoQuantidade (N)Percentual (%)Psicologia: Reflexão e Crítica1313,7Psicologia1111,5Estudos de Psicologia (Natal)99,5Revista Brasileira de Psicanálise99,5Psicologia: Teoria e Pesquisa66,3Psicologia em Estudo55,3 Alter55,3Outros3738,9Total95100
Pela Tabela 2 podemos constatar que 25,2% dosartigos foram publicados em apenas dois periódicos:Psicologia: Reflexão e Crítica (13,7%) e Psicologia(11,5%), os quais se destacam entre os 31 outros quecomplementam 74,8% da amostra.
Temas abordados
Os assuntos mais freqüentes nos artigos referem-sea crianças em diferentes situações, à relação mãe-bebê, ao método de observação na formação dos psi-cólogos, e a conceitos e técnicas relacionadas ao mé-todo observacional, os quais totalizam 62,1% dostemas desenvolvidos. Esses assuntos se repetiram nasdissertações e teses consultadas, as quais foram de-senvolvidas principalmente na Universidade de SãoPaulo (USP). Além desses temas, foram encontradosoutros que apresentaram certa freqüência, porém emmenor escala, sendo bastante variáveis, como: desem-penho de professores, pessoas doentes/hospitalizadas,comportamento humano no trânsito, manejo e diag-nóstico clínico, e criação de protocolo de observação,especialmente. Os principais temas são encontradosna Tabela 3.

Activity (2)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 thousand reads
1 hundred reads

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->