Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword or section
Like this
9Activity

Table Of Contents

0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Otto Maria Carpeaux - História_da_literatura_ocidental- IV

Otto Maria Carpeaux - História_da_literatura_ocidental- IV

Ratings: (0)|Views: 87|Likes:
Published by pedrobala1983

More info:

Published by: pedrobala1983 on Mar 06, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/20/2013

pdf

text

original

 
r
OTTO MARIA CARPEAUX
HISTÓRIA DALITERATURAOCIDENTALIV
EDIÇÕES O CRUZEIRO
 
ÍÍIVIT:
I.IVIIII
1(11
IllMPlISTO
!:
IMPIIKSSO
NAS
OFICINAS
A KMMIEIA
Cnína
O
(
',
II IIZIÍI
li() S. A ,
NA IIIA
i>o l.i\ 
IIAMKN
IH,
2(i:i, Itio DE
JANEIRO,
PARA AM Kl.lrÒKS
O
CIIIIZIOIHO. KliVIilIUIRO
UE 1962.
. v V
r
.
/'
v
. *-"
V
tf 
1
 \-
a-.o
r>
!
HERBERTO SALES
DIREITOS AUTORAIS ADQUIRIDOS PELA EMPRESAGRÁFICA
O CRUZEIRO S. A., QUE SE
RESERVAA PROPRIEDADE LITERÁRIA
DA
PRESENTE EDIÇÃO.
 / 
m
PARTE
VII
O ROMANTISMO
 
w
CAPÍTULO I
ORIGENS DO ROMANTISMO
0
ACONTECIMENTO da Revolução Francesa produziu na Europa inteira — e no continente americano —uma profunda emoção, exprimindo-se em uma literatura detipo emocional, que se deu a si mesma o nome de "romantis
mo".
/A história desse movimento literário pode ser escritaem termos de história das revoluções: foi produzido pelarevolução de 1789 e 1793; foi desviado pelo acontecimentocontra-revolucionário da queda de Napoleão, em 1815;reecontrou o
élan
inicial pela revolução de 1830; eacabou com a revolução de 1848. É literatura política,mesmo e justamente quando pretende ser apolítica. Arevolução francesa satisfez a reivindicações que se exprimiram através do pré-romantismo: o descontentamentosentimental e o popularismo encontraram-se na místicademocrática do "instinto sempre certo" do povo. Masa Revolução não satisfez da mesma maneira àquelespré-românticos, que não eram políticos, nem homens denegócios, nem homens do povo, e sim literatos, os primeiros literatos profissionais: estes foram logo excluídos danova sociedade burguesa, que não admitiu outro critériode valor, senão o utilitarista. Aplicar-se-ia a todos eles oapelido depreciativo que Napoleão, deu aos filósofos: "Cesont des idéologues". Responderam, criando uma literatura"ideológica", que se situou conscientemente fora da realidade social: ou evadindo-se dela, ou então atacando-a. Eis

Activity (9)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 thousand reads
1 hundred reads
Ruan Tcharle liked this
vercingtorix0880 liked this
Thatiana Melo liked this
suejc liked this

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->