Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
11Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Analise Critica Modelo de Autoavaliacao

Analise Critica Modelo de Autoavaliacao

Ratings: (0)|Views: 4,695 |Likes:
Published by pina.natalia

More info:

Published by: pina.natalia on Dec 01, 2008
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/09/2012

pdf

text

original

 
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares
“Avaliar é uma acção corriqueira e espontânea realizada por qualquer individuoacerca de qualquer actividade humana. È um instrumento fundamental para conhecer,compreender, aperfeiçoar e orientar as acções do individuo ou grupo”
 
(BELLONI, Isaura)
1. O Modelo enquanto instrumento pedagógico e demelhoria. Conceitos implicados
Este modelo enquanto instrumento pedagógico é a avaliação de resultados alcançadosem conjunto com o plano de actividade da biblioteca escolar que permitem confrontar os objectivos definidos com os resultados alcançados. O que permite atingir essesresultados é o modo como esse processo é conduzido ou seja pela eficácia da avaliaçãocom o conjunto de acções resolvidas pela equipa.Com este modele, podemos ter consciência do benchmarking este existe para dar resposta ao apoio que permite chegar à melhoria do seu desempenho ou seja éimportante para o aproveitamento das boas práticas.Actua também nas várias áreas de intervenção da Biblioteca escolar, este modelo é um bom exemplo de como essa avaliação pode ser feita, proporcionando instrumentos deapoio para recolha de evidências.É também importante que não nos esqueçamos dos três pilares para o sucesso dosalunos ou seja o desenvolvimento de pessoas informadas, criticas, responsáveis eactivas por isso a biblioteca tem que dar uma resposta à informação de acesso fácil erápido através do mundo digital, então alarga-se à colaboração com os professores, nodesenvolvimento de um programa coerente na área da literacia da informação, naformação de leitores, na aprendizagem com base na tecnologia.O importante é sistematizar, recolher evidências para que se possa compreender essarelação e efectuar decisões futuras.
 
2.Pertinência da existência de um Modelo deAvaliação para as bibliotecas escolares.
O modelo de avaliação para as bibliotecas escolares tem como objectivo o de proporcionar às escolas e bibliotecas um instrumento que lhes permita identificar asáreas de sucesso que requerem um maior investimento e aquelas que, determinandonalguns casos alterações das práticas a fim de obter melhores resultados.Este modelo é um instrumento pedagógico e de melhoria contínua que permita aosConselhos Executivos e aos coordenadores avaliar o trabalho da Biblioteca escolar e o
 
impacto desse trabalho no funcionamento global da escola e nas aprendizagens dosalunos.As estatísticas e as avaliações do desempenho e dos produtos, que resultam dasactividades desenvolvidas nas rios áreas, o dados extremamente úteis eindispensáveis na gestão e contribuem para acrescentar qualidade às bibliotecas:auxiliam no processo de decisão, fornecem dados para a realização de técnicas de
benchmarking
que proporcionam a identificação de boas práticas.Poll descreve a avaliação do desempenho como sendo a colecção e análise de dados quedescreve o desempenho da biblioteca, isto é: “comparando o que a biblioteca está arealizar (desempenho) com o que para ela significa realizar (missão) e que quer alcançar (objectivos)”
Decorreram várias décadas de investigação onde as pesquisas temsido orientadas no sentido da criação de tipologias de avaliação dos
outcomes
” (resultados). É importante a sua determinação porquesó avaliando os resultados se poderá ter uma noção real do que seproduziu. De acordo com Roswitha Poll, uma avaliação dos resultadosinclui a aferição do conhecimento, da literacia, da inclusão social, daidentificação local, do período de aprendizagem e da cultura.
3.Organização estrutural e funcional. Adequação econstrangimentos.
A política da biblioteca deve ser traçada tendo em conta orientações a que se subordinae as necessidades da escola, e deve reflectir sobre
 
as suas finalidades e os seusobjectivos, tanto quanto a sua realidade. (The IFLA School Libraries Guidelines, 2002
)
A avaliação das bibliotecas tem de se basear em várias vertentes simultaneamentedependendo das necessidades que o professor bibliotecário sente em obter determinadosdados para realizar uma análise funcional com o objectivo de optimizar a qualidade da performance dos serviços e recursos. O serviço diz-se de qualidade quando é capaz deconfirmar as expectativas. Grande parte dos estudos desenvolvidos assume que aavaliação da qualidade nas bibliotecas escolares é fixada no aluno, no seu ponto devista, nas percepções e nas expectativas que apresenta em relação ao funcionamento dosserviços.
4.Integração/ Aplicação à realidade da escola.
As bibliotecas escolares estão agora a criar uma cultura organizacional na qual aavaliação é uma componente chave para a compreensão do espaço de encontro, entre oaluno/escola e a biblioteca. Esta cultura é importante porque orienta no sentido dedesenvolver sistemas de avaliação das bibliotecas, para a implementação de ummelhoramento contínuo dos serviços oferecidos, em função das necessidades dosalunos.
 
Recentemente, surgiram conceitos que direccionam as bibliotecas para os serviços dequalidade e as técnicas de avaliação dos “
Outcomes
” (Resultados). As determinaçõesda qualidade dos serviços e dos
Outcomes
o aproximações que diferemsubstancialmente das técnicas de aferição dos “
Inputs/Outputs
”, dependem no entantodestes.A avaliação das bibliotecas deve basear-se em várias estratégias simultaneamente,dependendo das necessidades que o professor bibliotecário sente de obter determinadosdados, para a elaboração dos seus relatórios de planeamento, gestão e organização dosserviços.
5. Competências do professor bibliotecário eestratégias implicadas na sua aplicação
As competências do professor bibliotecário segundo o texto de o texto, Tilke (1999)são:
Ser um comunicador efectivo no seio da instituição;Ser proactivo;Saber exercer influência junto de professores e do Conselho Executivo;Ser útil, relevante e considerado pelos outros membros da comunidade educativa;Ser observador e investigativo;Ser capaz de ver o todo - “the big picture”;Saber estabelecer prioridades; Realizar uma abordagem construtiva aos problemas e à realidade;Ser gestor de serviços de aprendizagem no seio da escola;Saber gerir recursos no sentido lato do termo;Ser promotor dos serviços e dos recursos;Ser tutor, professor e um avaliador de recursos, com o objectivo de apoiar e contribuir  para as aprendizagens;Saber gerir e avaliar de acordo com a missão e objectivos da escola.Saber trabalhar com departamentos e colegas.
As iniciativas de avaliação envolvem as novas tecnologias de informão ecomunicação que vieram transformar por completo o ambiente de trabalho das bibliotecas escolares e não só. Perante a rápida mudança que se tem observado nosserviços e nas fontes de informação em rede, as bibliotecas têm de adoptar novasestratégias e é nessa perspectiva que se integram os estudos actuais de avaliação.

Activity (11)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Alisson Leandro liked this
Pamela Lucchetta liked this
Epiphone Squier liked this
Ketley Garrett liked this
Luciana Torquato liked this
Hendyw Cristina liked this
Ana Cristina liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->