Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
2Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
QUANDO A MEDICAÇÃO PODE CAUSAR DANOS IRREPARÁVEIS

QUANDO A MEDICAÇÃO PODE CAUSAR DANOS IRREPARÁVEIS

Ratings: (0)|Views: 48 |Likes:

Este texto fala sobre o perigo de interações medicamentosas mal feitas. Elas podem levar à morte.

Fernando Vieira Filho

Psicoterapeuta/Escritor
(55 11) 99684-0463 (São Paulo e Brasil)

(55 34) 3077-2721 (Uberaba)

www.harmoniacomflorais.com

http://curesuasmagoasesejafeliz.blogspot.com.br/

Este texto fala sobre o perigo de interações medicamentosas mal feitas. Elas podem levar à morte.

Fernando Vieira Filho

Psicoterapeuta/Escritor
(55 11) 99684-0463 (São Paulo e Brasil)

(55 34) 3077-2721 (Uberaba)

www.harmoniacomflorais.com

http://curesuasmagoasesejafeliz.blogspot.com.br/

More info:

Published by: Fernando Vieira Filho on Mar 25, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/17/2013

pdf

text

original

 
QUANDO A MEDICAÇÃO PODE CAUSAR DANOSIRREPARÁVEIS
 –
CUIDADO!
Por Fernando Ferreira Filho*
Ultimamente tenho atendido casos de pessoas que tiveram seus cérebrosliteralmente destruídos por medicamentos mal prescritos e cujas interaçõesmedicamentosas foram mal feitas ou mal estudadas, e é óbvio, transformaram-se em verdadeiros agentes de destruição, transformando pessoas que um diaforam úteis à sociedade (como executivos, empresários, professores, etc.) em
verdadeiros “zumbis”, sem mais nenhuma possibilidade de recuperação pela
medicina vigente, causando muita tristeza e sofrimento a familiares e amigos.Existem estatísticas que obviamente não são divulgadas, apresentando comocausa de morte associações medicamentosas tóxicas para o paciente.Existe um software chamado
Interactio Drugs 
, com mais de 8.000 interaçõesmedicamentosas e mais de 700 verbetes, idealizado pelo cardiologista Prof. Dr.Lineu José Miziara (1942-2005), que foi Docente da Universidade Federal deUberlândia (Farmacologia - 1971 a 1984) e da Faculdade do Triângulo Mineiro- Uberaba (Cardiologia - 1968 a 1995). Este software é u
ma “ferramenta”
excelente, de fácil uso para o profissional de saúde(www.interactiodrugs.com.br/sobre.htm).Portanto, caro amigo leitor, quando for consultar com um profissional de saúde,leve com você todas as receitas de medicamentos que estiver fazendo uso.Abaixo, um texto muito valioso, do Farmacêutico Dr. Rogério Hoefler, sobre asinterações medicamentosas, para que possamos estar sempre em estado dealerta e questionar o profissional de saúde, lembrando que antes de ser umpaciente, você é um cliente, e, sobretudo um ser humano que valoriza sua vidacomo sendo um presente que lhe foi oferecido pelo Pai Maior.
 
 
O QUE SÃO INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS?Por Rogério Hoefler
 (Texto extraído do Formulário Terapêutico Nacional 2008: Rename 2006 -Série B. Textos Básicos de Saúde. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria deCiência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de AssistênciaFarmacêutica e Insumos Estratégicos - Brasília / DF
 –
2008.)Interações medicamentosas é evento clínico em que os efeitos de um fármacosão alterados pela presença de outro fármaco, alimento, bebida ou algumagente químico ambiental. Constitui causa comum de efeitos adversos.Quando dois medicamentos são administrados, concomitantemente, a umpaciente, eles podem agir de forma independente ou interagirem entre si, comaumento ou diminuição de efeito terapêutico ou tóxico de um ou de outro.O desfecho de uma interação medicamentosa pode ser perigoso quandopromove aumento da toxicidade de um fármaco. Por exemplo, pacientes quefazem uso de varfarina podem ter sangramentos se passarem a usar umantiinflamatório não-esteróide (AINE) sem reduzir a dose do anticoagulante.Algumas vezes, a interação medicamentosa reduz a eficácia de um fármaco,podendo ser tão nociva quanto o aumento. Por exemplo, tetraciclina sofrequelação por antiácidos e alimentos lácteos, sendo excretada nas fezes, semproduzir o efeito antimicrobiano desejado.Há interações que podem ser benéficas e muito úteis, como na co-prescriçãodeliberada de anti-hipertensivos e diuréticos, em que esses aumentam o efeitodos primeiros por diminuírem a pseudotolerância dos primeiros.Supostamente, a incidência de problemas é mais alta nos idosos porque aidade afeta o funcionamento de rins e fígado, de modo que muitos fármacossão eliminados muito mais lentamente do organismo.
CLASSIFICAÇÃO DAS INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS.
 Interações farmacocinéticas são aquelas em que um fármaco altera avelocidade ou a extensão de absorção, distribuição, biotransformação ouexcreção de outro fármaco. Isto é mais comumente mensurado por mudançaem um ou mais parâmetros cinéticos, tais como concentração sérica máxima,área sob a curva, concentração-tempo, meia-vida, quantidade total do fármacoexcretado na urina etc. Como diferentes representantes de mesmo grupofarmacológico possuem perfil farmacocinético diferente, as interações podemocorrer com um fármaco e não obrigatoriamente com outro congênere. Asinterações farmacocinéticas podem ocorrer pelos mecanismos:
Na Absorção• Alteração no pH gastrin
testinal.
• Adsorção, quelação e outros mecanismos de complexação.
 
 
• Alteração na motilidade gastrintestinal.
 
• Má absorção causada por fármacos.
 
Na Distribuição• Competição na ligação a proteínas plasmáticas.
 
• Hemodiluição com diminuição de proteínas pl
asmáticas.
Na Biotransformação• Indução enzimática (por barbituratos, carbamazepina,
glutetimida, fenitoína, primidona, rifampicina e tabaco).
• Inibição enzimática (alopurinol, cloranfenicol, cimetidina, ciprofloxacino,
dextropropoxifeno, dissulfiram, eritromicina, fluconazol, fluoxetina, idrocilamida,isoniazida, cetoconazol, metronidazol, fenilbutazona e verapamil).
Na Excreção• Alteração no pH urinário.
 
• Alteração na excreção ativa tubular renal.
 
• Alteração no fluxo sangüíneo renal.
 
• Alteração na e
xcreção biliar e ciclo êntero-hepático.Interações farmacodinâmicas ocorrem nos sítios de ação dos fármacos,envolvendo os mecanismos pelos quais os efeitos desejados se processam. Oefeito resulta da ação dos fármacos envolvidos no mesmo receptor ou enzima.Um fármaco pode aumentar o efeito do agonista por estimular a receptividadede seu receptor celular ou inibir enzimas que o inativam no local de ação. Adiminuição de efeito pode dever-se à competição pelo mesmo receptor, tendo oantagonista puro maior afinidade e nenhuma atividade intrínseca. Um exemplode interação sinérgica no mecanismo de ação é o aumento do espectrobacteriano de trimetoprima e sulfametoxazol que atuam em etapas diferentesde mesma rota metabólica.Interações de efeito ocorrem quando dois ou mais fármacos em usoconcomitante têm ações farmacológicas similares ou opostas. Podem produzirsinergias ou antagonismos sem modificar farmacocinética ou mecanismo deação dos fármacos envolvidos. Por exemplo, álcool reforça o efeito sedativo dehipnóticos e anti-histamínicos.Interações farmacêuticas, também chamadas de incompatibilidademedicamentosa, ocorrem in vitro, isto é, antes da administração dos fármacosno organismo, quando se misturam dois ou mais deles numa mesma seringa,equipo de soro ou outro recipiente. Devem-se a reações fisicoquímicas queresultam em:
• Alterações organolépticas –
evidenciadas como mudanças de cor,consistência (sólidos), opalescência, turvação, formação de cristais, floculação,precipitação, associadas ou não a mudança de atividade farmacológica.
• Diminuição da atividade de um ou mais dos fármacos originais.
 

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->