Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
4Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Mecânica das Rochas

Mecânica das Rochas

Ratings: (0)|Views: 129 |Likes:
Published by Ivan Weinem

More info:

Published by: Ivan Weinem on Mar 30, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/07/2013

pdf

text

original

 
Congresso de Engenheiros, Ordem dos Engenheiros, Vidago em 20011
CRITÉRIOS PARA A CARACTERIZAÇÃO GEOTÉCNICA DE MACIÇOSROCHOSOS PARA OBRAS SUBTERRÂNEAS
Costa e Silva, M. Matilde – Professora Auxiliar do ISTFalcão Neves, A. Paula – Assistente do ISTCaranhola Pereira, Hugo – Engenheiro de Minas e GeorrecursosReis e Sousa, Manuel – Técnico EspecialistaNúcleo de Rochas, Centro de Geotecnia, IST
RESUMO
Neste artigo apontam-se critérios para a caracterização geotécnica de maciços rochososem que são implantadas obras subterrâneas, descrevem-se os diferentes trabalhos aefectuar em cada uma das fases de caracterização, e indicam-se as principaiscaracterísticas a quantificar, quer para os maciços, quer para as rochas constituintes. Porfim, referem-se os critérios que foram seguidos na caracterização geotécnica de ummaciço rochoso para futura exploração subterrânea de mármores, apresentando-se osresultados dessa caracterização.
ABSTRACT
This article points out the main criteria for geotechnical characterization in rock masses,is described the steps of each fases of characterization and is enfasized the importanceof choosing the correct group of parameters to established a suitable geotechnicalclassification system and help resolving actual engineering problems. An aplication of this methodology is made to a future marble underground exploitation in Estremoz-Borba-Vila Viçosa.
1 – INTRODUÇÃO
A construção de obras subterrâneas de grandes dimensões exige um conhecimento, tãoaprofundado quanto possível, sobre as características geológicas e mecânicas dosmaciços rochosos e rochas constituintes em que vão ser implantadas, para que nãosurjam situações imprevistas.Uma adequada caracterização geotécnica dos maciços rochosos, habilita os responsáveisa definir os processos de construção mais económicos e mais seguros, e, também,
 
Congresso de Engenheiros, Ordem dos Engenheiros, Vidago em 20012
tipologias de suporte provisório e definitivo, evitando-se, assim, gastos desnecessários,atrasos nas obras e eventuais acidentes.São bem conhecidos acidentes estruturais ocorridos, inesperadamente, nos maciçosrochosos durante os trabalhos de escavação de obras subterrâneas de grande porte. Umaadequada caracterização geotécnica dos maciços rochosos que suportam tais obras, teriaprevenido, pelo menos, parte apreciável desses acidentes. Por vezes, não é feita umaconveniente caracterização geotécnica dos maciços rochosos em que são implantadasobras subterrâneas, porque se considera desnecessária, ou/e, porque se entende que otempo gasto nessa caracterização representa um atraso na conclusão da obra, ou, ainda,porque os custos com os estudos de caracterização não são considerados justificáveis.Deve referir-se que os tempos gastos numa adequada caracterização dos maciçosrochosos, podem ser bastante inferiores aos que são gastos em soluções para situaçõesnão previstas e que ocorrem, com alguma frequência, no decorrer das escavações;refere-se também, que os encargos financeiros resultantes de uma adequadacaracterização do maciço rochoso para a implantação de uma grande obra subterrânea,são insignificantes, quando comparados com o custo da obra, e que tais encargos serãosempre menores que os prejuízos, quer pessoais quer materiais, causados por eventuaisacidentes estruturais.A caracterização geotécnica permite a classificação geotécnica de um dado maciço, istoé, a sua maior ou menor aptidão para a implantação de uma dada obra subterrânea.A primeira aplicação de caracterizações geológicas para a determinação da qualidadedos maciços no que respeita a obras subterrâneas é atribuida a Terzaghi em 1946 (MelloMendes, 1985).Pela importância prática que rapidamente se reconheceu a estas aplicações, asclassificações geotécnicas foram melhoradas passando então a incluir elementos decarácter estrutural, reconhecidamente imprescindíveis para a determinação da qualidadede um dado maciço (presença ou ausência de diaclases, superfícies de estratificação,outras superfícies de descontinuidade, suas atitudes, espaçamentos, aberturas,preenchimentos, rugosidades, etc.). Todavia, esta melhoria não lhes diminuiu o carácterdemasiado empírico, sobretudo quando se pretendia aferir das características de autosustimento do maciço sem se atender às dimensões das superfícies a serem sustidas.Concluiu-se então, que para a adequada utilização prática das classificaçõesgeotécnicas, havia que estudar algumas características resistentes do material rochoso;deste modo, Coates, Bieniawski, Wickham, Barton, a Basic Geotechnical Descripton of Rock Masses, sugerida pela ISRM em 1980, passaram a incluir estes parâmetros nassuas classificações. No entanto, em todas elas existe a imprecisão de assemelhar omaterial rochoso ao maciço, do qual faz parte, pelo menos no que respeita a considerarcertos parâmetros como representativos do maciço. Ora é bem reconhecida a influênciada anisotropia, da heterogeneidade e anelasticidade dos maciços no seu comportamentomecânico.As classificações geotécnicas de utilização mais divulgadas, sobretudo em túneis, são asde Hoek-Brown, Bieniawski e de Barton, que por exemplo, através do cálculo do RMRe do Q aferem, de forma expedita, da capacidade portante do maciço. Estas abordagensdesprezam contudo as características de deformabilidade do maciço, quanto a nós,extremamente importantes e imprescindíveis para uma correcta análise da estabilidadedas escavações.
 
Congresso de Engenheiros, Ordem dos Engenheiros, Vidago em 20013
Uma metodologia de classificação deve ser constituída por duas fases: a decaracterização (onde se procede à identificação e determinação dos parâmetrosgeológicos e geomecânicos do maciço e rocha constituinte que contribuem, em maiorou menor grau, para a estabilidade da obra e para os objectivos pretendidos), e a deestabelecimento de uma classificação (onde se atribuem diferentes pesos aos parâmetrosgeotécnicos que foram objecto de análise na fase anterior, de acordo com a pertinênciadestes relativamente aos objectivos pretendidos).Parece-nos pois, neste contexto, muito mais coerente a metodologia apontada porHudson & Harrison (1997) que propõe a adopção do Rock Engineering System (RES)segundo o qual, em função da obra e dos seus objectivos, devem ser seleccionados, deentre os parâmetros geomecânicos que se referirão a propósito da caracterizaçãomecânica, aqueles que influirão decisivamente no comportamento da obra, atribuindo-lhes para tal, posteriormente, diferentes pesos consoante a sua importância prática parao caso em análise.São enfatizados neste trabalho como critérios a adoptar para a correcta caracterizaçãogeotécnica dos maciços o recurso a metodologias baseadas nas metodologias descritas.Este trabalho tem assim por objectivo apontar critérios flexíveis, para a caracterizaçãogeotécnica dos maciços rochosos em que vão ser implantadas obras subterrâneas,caracterização essa que permitirá aos projectistas adoptar soluções construtivas deacordo com as características dos maciços rochosos, no sentido de minorar os riscospotenciais e efectivos de ocorrência de acidentes durante a construção das obras.
2 – CARACTERIZAÇAO GEOTÉCNICA
Uma adequada caracterização geotécnica dos maciços rochosos em que vão serimplantadas obras subterrâneas de grande porte, compreende a caracterização geológica,a caracterização geomecânica e, por vezes, a caracterização geofísica. Quanto a nós, osdois tipos de caracterização primeiramente referidos, são indispensáveis para uma boaclassificação dos maciços, sendo o método de caracterização por meios geofísicosaplicado nos casos em que se sinta a necessidade de complementar os dados obtidos poraqueles outros métodos.
2.1 – Caracterização geológica
A caracterização geológica é iniciada, geralmente, por um reconhecimento desuperfície, e pela implantação (em carta topográfica) de locais de abertura de furos desondagem, ao longo do perfil da obra. O número de sondagens a realizar deve permitiruma amostragem representativa do maciço e rocha constituinte em estudo. No querespeita à implantação, orientação e comprimentos dos diferentes furos de sondagem aefectuar, devem ser tidos em consideração os elementos colhidos no reconhecimento desuperfície, mormente, os respeitantes a formações geológicas e seus estados dealteração, presumíveis falhas geológicas e famílias de diaclases ocorrentes no maciçorochoso.

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->