Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
2Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
soldagem de aeronaves

soldagem de aeronaves

Ratings: (0)|Views: 67 |Likes:
Published by Miguel Angelo

More info:

Published by: Miguel Angelo on Apr 18, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/31/2013

pdf

text

original

 
6-1
CAPÍTULO 6
 
SOLDAGEM DE AERONAVES
 
INTRODUÇÃO
Os metais podem ser unidos por meiosmecânicos (parafusando ou rebitando, soldandoou colando). Todos esses métodos são usados naconstrução de aeronaves. Este capítulo discutiráos métodos usados para unir metais através desoldagem.
Soldagem (welding)
Esse processo consiste na união de me-tais através da fusão enquanto eles se encontramem estado pastoso ou derretido. Há 3 tipos ge-rais: (1) gás, (2) arco voltaico, e (3) resistênciaelétrica. Cada um desses três apresenta diversasvariações, utilizadas na construção de aerona-ves.A soldagem aplica-se extensivamente noreparo e fabricação de aeronaves. Algumas par-tes como o montante do motor e o trem de pou-so são geralmente fabricados desta maneira; emuitas fuselagens, superfícies de controle, en-caixes, tanques, etc., que são construídas usandoeste processo podem também ser reparadas maiseconomicamente através da soldagem.É de extrema importância um trabalhocuidadoso, tanto na preparação como na solda-gem em si.A soldagem é um dos métodos mais prá-ticos de união de metais. A junta soldada ofere-ce rigidez, simplicidade, baixo peso e alta resis-tência. Por essa razão, a soldagem foi adotadauniversalmente na fabricação e reparo de todosos tipos de aeronaves.Muitas partes estruturais, bem como par-tes não estruturais, são unidas por alguma formade soldagem, e o reparo de muitas dessas peçasé uma parte indispensável da manutenção deaeronaves.É igualmente importante reconhecer quando não se deve usar este tipo de soldagem,como quando se deve usá-la.Muitas peças de ligas de aço ou aço-carbono forte que receberam um tratamentotérmico para endurecimento ou fortalecimento,não voltam a 100% de sua dureza ou resistênciaapós este processo de soldagem.
Soldagem a gás
 É realizada através do aquecimento das pontas ou bordas das peças de metal até o pontode fusão com uma chama de alta temperatura.Essa chama é produzida por um maçarico quei-mando um gás especial, como o acetileno ou ohidrogênio, junto com oxigênio. Os metais,quando fundidos, fluem juntos para formar aunião sem a aplicação de pressão mecânica ousopro.Partes de aeronaves fabricadas emaço-cromo-molibdênio ou aço-carbono fracosão geralmente soldadas a gás.Existem dois tipos de soldagem a gás, deuso comum: (1) oxiacetileno e (2) oxi-hidrogênio. Aproximadamente, toda a soldagem para a construção de aviões é feita com chamade oxiacetileno, apesar de alguns fabricantes preferirem a chama de oxi-hidrogênio para sol-dar ligas de alumínio.
Soldagem por arco voltaico
 É usada extensivamente tanto na fabrica-ção como no reparo de aeronaves, e pode ser usada satisfatoriamente na união de todos osmetais soldáveis. O processo é baseado na utili-zação do calor gerado por um arco voltaico. Sãoas seguintes as variações do processo: (1) sol-dagem por arco metálico, (2) soldagem por arcocarbônico, (3) soldagem por hidrogênio atômi-co, (4) soldagem por gás inerte (hélio), e (5)soldagem multi-arco - As soldagens por arcometálico e por gás inerte são os processos maislargamente empregados na construção aeronáu-tica.
Soldagem por resistência elétrica
 É um processo, pelo qual, baixa volta-gem e alta amperagem são aplicados aos metaisa serem soldados através de um condutor pesadode cobre, de baixa resistência. Os materiais aserem soldados oferecem uma alta resistência aofluxo de corrente, e o calor gerado por essa re-sistência funde as partes, unindo-as em seu pon-to de contato.Três tipos comumente usados de solda-
 
6-2
gem por resistência elétrica são: de ex-tremidade, em ponto e em fenda. A soldagem deextremidade é usada para soldar terminais ahastes de controle; a soldagem em ponto é fre-qüentemente usada na construção de fuselagensé o único método de soldagem usado para unir  peças estruturais de aço resistente à corrosão; asoldagem em fenda é semelhante à soldagem em ponto, exceto quanto aos roletes a motor usadoscomo eletrodos. Uma solda hermética contínuaé obtida usando-se este processo.
EQUIPAMENTO PARA SOLDAGEM AOXIACETILENO
 Ele pode ser estacionário ou portátil. Umequipamento portátil consiste em:1) Dois cilindros, um contendo oxigênio eoutro contendo acetileno.2) Reguladores de pressão de oxigênio e deacetileno; com manômetros e conexões.3) Um maçarico de soldagem, com ajuste demistura, pontas extras e conexões.4) Duas mangueiras de cores diferentes comconexões para os reguladores e para o ma-çarico.5) Uma ferramenta especial.6) Óculos para soldagem.7) Um isqueiro.8) Um extintor de incêndio.A Figura 6-1 mostra parte do equipa-mento em um típico carrinho portátil para solda-gem com acetileno.O equipamento estacionário é semelhan-te ao portátil, exceto pelo fato de que um únicoreservatório central supre o oxigênio e o aceti-leno para diversas estações de soldagem. O re-servatório central geralmente consiste em diver-sos cilindros conectados a uma tubulação co-mum. Um regulador mestre controla a pressãode cada tubulação para manter uma pressãoconstante no maçarico.
Gás acetileno
 É um gás inflamável, incolor, que possuium odor desagradável, prontamente identificá-vel, mesmo quando o gás está bem diluído emar. Distintamente do oxigênio, o acetileno nãoexiste livre na atmosfera, pois tem que ser fabri-cado. O processo não é difícil, mem dispendio-so. O carbureto de cálcio reage com a água para produzir o acetileno. O acetileno é usado tantodiretamente em um sistema de tubulações, co-mo, também, pode ser armazenado em cilindros.Quando queimado, gera uma chama amarela eesfumaçada de baixa temperatura.Figura 6-1 Equipamento portátil típico para sol-dagem com acetileno.Quando misturado ao oxigênio nas pro- porções adequadas e, quando queimado, o resul-tado é uma chama branco-azulada com tempera-turas que variam entre 5.700º e 6.300ºF.Sob baixas pressões, em uma temperatu-ra normal, o acetileno é um composto estável.Porém, quando comprimido em um cilindro, a pressões maiores que 15 p.s.i, ele se torna peri-gosamente instável. Por este motivo, os fabri-cantes enchem os cilindros de acetileno comuma substância porosa (geralmente uma misturade amianto e carvão vegetal) e saturam essasubstância com acetona. Uma vez que a acetonaé capaz de absorver aproximadamente 25 vezeso seu volume em gás acetileno, um cilindro quecontenha a quantidade correta de acetona podeser pressurizado até 250 p.s.i.
Cilindros de acetileno
 São geralmente reservatórios de aço in-teiriços, com aproximadamente 12 polegadas dediâmetro e 36 pol. de comprimento. É geralmen-te pintado em uma cor característica, com o no-
 
6-3
me do gás impresso ou pintado nas laterais. Umcilindro com estas dimensões totalmente carre-gado, comporta aproximadamente 225 pés cúbi-cos de gás a pressões até 250 p.s.i. Em caso defogo ou aumento excessivo de temperatura, háfusíveis instalados no cilindro que se derreterão permitindo o alívio da pressão, minimizando osriscos de uma explosão. Os furos desses fusíveisde segurança são bem pequenos para evitar queas chamas penetrem no cilindro. Os cilindros deacetileno nunca devem ser completamente esva-ziados, ou poderá ocorrer perda do material deenchimento.
Cilindros de oxigênio
Os cilindros de oxigênio usados nas ope-rações de soldagem são feitos em aço inteiriçose de diferentes tamanhos. O tamanho pequenotípico comporta 200 pés cúbicos de oxigênio a1800 p.s.i de pressão. Um cilindro grande com- porta 250 pés cúbicos de oxigênio a 2.265 p.s.ide pressão. Normalmente são pintados de verde para identificação. Ele possui uma válvula dealta pressão localizada no topo do cilindro. Essaválvula é protegida por uma cúpula metálica desegurança que deverá estar sempre no lugar quando o cilindro não estiver em uso.O oxigênio jamais deverá entrar em con-tato com óleo ou graxa. Na presença de oxi-gênio puro, essas substâncias tornam-se alta-mente inflamáveis. Os encaixes de mangueiras eválvulas de oxigênio jamais deverão ser lubrifi-cados com óleo ou graxa, ou manuseados comas mãos sujas dos mesmos. Manchas de graxana roupa podem inflamar-se ou explodir ao con-tato com um jato de oxigênio. Nos equipamen-tos e encaixes do sistema de oxigênio usa-senormalmente cera-de-abelhas como lubrificante.
Reguladores de pressão
 Os reguladores de acetileno e oxigênioreduzem as pressões e controlam o fluxo dos ga-ses dos cilindros para o maçarico. Os regulado-res de acetileno e oxigênio são do mesmo tipogeral, apesar daqueles desenhados para acetile-no não suportarem pressões tão altas quanto osdesenhados para oxigênio. Para evitar o inter-câmbio entre as mangueiras dos gases, os regu-ladores são construídos com diferentes tipos deroscas nos encaixes de saída. O regulador deoxigênio possui rosca direita e o regulador deacetileno possui rosca esquerda. Na maioria das unidades portáteis de sol-dagem, cada regulador é equipado com dois ma-nômetros: um manômetro de alta pressão, queindica a pressão do cilindro; e um manômetrode baixa pressão; que indica a pressão de traba-lho na mangueira que leva ao maçarico. Numa instalação fixa, onde os gases sãoencanados até as estações de soldagem, somentesão requeridos um manômetro para o oxigênio eoutro para o acetileno, uma vez que é necessárioindicar apenas a pressão de trabalho dos gasesfluindo através da mangueira até o maçarico.Um regulador típico, completo com ma-nômetros e conexões, é mostrado na Figura 6-2.O parafuso de ajuste que aparece na frente doregulador serve para ajustar a pressão de traba-lho.Figura 6-2 Regulador da pressão de oxigênio.Quando esse parafuso é girado para a es-querda, até não haver mais resistência, o meca-nismo da válvula dentro do regulador é fechado.O gás pára de fluir para o maçarico. À medidaque a válvula é girada para a direita, o parafusose opõe ao mecanismo regulador, a válvula abree o gás flui para o maçarico na pressão ajustadano manômetro de pressão de trabalho. As mu-danças na pressão de trabalho podem ser feitasajustando-se o parafuso até que a pressão dese- jada seja mostrada no manômetro de trabalho.Antes de abrir a válvula de alta pressãode um cilindro, o parafuso de ajuste do regula-dor deverá estar totalmente solto, girado para aesquerda. Isto fechará a válvula no interior doregulador, protegendo o mecanismo quanto a possíveis danos.

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->