Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more ➡
Download
Standard view
Full view
of .
Add note
Save to My Library
Sync to mobile
Look up keyword
Like this
1Activity
×
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Roxos de Inveja -CahACC

Roxos de Inveja -CahACC

Ratings: (0)|Views: 281|Likes:
Published by MediadoraBR

More info:

Published by: MediadoraBR on May 09, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See More
See less

05/09/2012

pdf

text

original

 
Roxos de Inveja
CahACC
- Olha, o garoto que não sabe andar!
ouviu gritarem ao longe.Ignorou e continuou empurrando sua cadeira desajeitadamente rumandoaté o ginásio. Segurava o choro. Era a quarta vez naquele dia que falavam amesma coisa. Todos os que se diziam amigos dele haviam o deixado depois doacidente. Ninguém mais se importava com ele.- Hey, Josh...
falou uma voz tímida.Virou-se, já esperando ser derrubado da cadeira, mas não era Melanie.- Ah, oi Mel
falou envergonhado.- Será que, ahn... Você se importa se eu te acompanhar até a sala?Ele sorriu. Ficou feliz em saber que alguém ainda se importava com ele.- Bem, estou indo para o ginásio, se você quiser, fique a vontade.A garota se aproximou e começou a empurrar a cadeira do menino nadireção desejada. Passando pelo corredor, era chamado de coisas como alien,verdinho... Aquilo machucava-o, mas tentava ignorar, tentava se mostrar forte.- Obrigado, Mel
falou baixinho ao chegarem no fim do corredor.- De nada, Josh
disse a garota sorrindo.
Qualquer coisa, é só mechamar!A garota deu um beijinho na bochecha do garoto e voltou pelo corredorrapidamente. O garoto sorriu, ainda havia alguém que era legal com ele, que seimportava.Passou pela porta e encaminhou-se até o banco onde outros garotosesperavam pelo professor.- Eu não acredito que ele vai fazer aula! Ele nem sabe andar!
ouviualguém falar ao longe.Aquilo o magoou. Reconheceu aquela voz. Ela pertencia ao garoto que, ummês antes, se dizia seu melhor amigo. Ficou apenas cabisbaixo e esperou oprofessor chegar.- Bem, garotos, hoje é dia de queimada para vocês. Dylan, Mark, venhamescolher os times.Os dois meninos se levantaram rapidamente e foram ficar ao lado doprofessor. Um mês antes, eles estariam lutando para ver quem conseguiria terJosh em seu time.- Pronto, professor! Podemos jogar agora?
perguntou um dos garotos.O treinador olhou para o banco e viu que Josh continuava ao lado dele,silencioso.- Quem foi o último a escolher?Mark levantou a mão rapidamente.- Ótimo
disse o professor.
Josh, você está no time de Dylan.O menino sorriu e foi empurrando sua cadeira lentamente em direção aolocal onde os outros garotos estavam reunidos.- Mas, professor
protestou Dylan.
Ele não pode jogar, pode? Afinal, elenão consegue andar!
 
Aquela foi a gota d’água para o garoto. As lágrimas começaram a sair de
seus olhos e ele foi empurrando sua cadeira sem rumo pela escola. Não queriamais aquilo. Doía demais ser excluído daquela maneira.Mas, infelizmente, foi assim pelos próximos 9
1
anos...x.x.xEntão façam suas piadasTentem me derrubarSoprem sua fumaçaVocê não está sozinhoMas quem está rindo agora?Mas quem está rindo agora?Aumente sua forçaBata em mim com forçaJogue suas cartasSeja uma estrelaMas quem está rindo agora?Mas quem está rindo agora?x.x.x- Atenção! No ar em dois minutos!Olhou-se no espelho pela última vez ao ouvir aquelas palavras. Voltariapara a televisão pela primeira vez depois de seu acidente. Quer dizer, já haviam sepassado quase dez anos, mas não se sentia confortável em voltar a atuar depoisde tudo que passara. Esse tipo de entrevista, para a tristeza dele, não era possívelde se escapar. O filme já estreara, e estava sendo um grande sucesso. Mas, fazerum programa ao vivo, não se sentia muito confortável em relação...- Muito bem, muito bem...
ouviu ao longe.
Agora, uma atração muitoespecial para vocês, nesse 31 de dezembro. O último 31 de dezembro dos nossosqueridos anos 60. Vocês conhecem ele há tempos, e sabem como a vida dele foidifícil. Nessa virada de ano, preparamos algo inspirador, para vocês começaremessa década com o pé direito.Ele respirou fundo. Cada palavra do apresentador fazia-o lembrar dosterríveis anos que passara na escola, do terrível acidente que tivera, de todosaqueles que sempre caçoaram dele e agora tentavam se tornar seus amigos...- Então, vocês acham que me conhecem agora... Mas, quem está rindoagora?
2
 
sussurrou para si mesmo.- E agora, senhoras e senhores, de volta dos mortos, e charmoso comosempre...
falou o apresentador, fazendo a plateia rir. Ele apontou para a coxia eum foco de luz pairou sobre o local.
Josh Materson!
1
O Ensino Médio americano tem duração de 4 anos, ou seja, o aluno sai daescola, em média, com 18 anos.
2
 
A autora se refere à música “Who’s Laughing Now”, de Jessie J
 
 
A plateia levantou-se e começou a vibrar. O rapaz sorriu e empurrou suacadeira lentamente pela pequena rampa que dava acesso ao placo.- Boa noite
falou timidamente.O sorriso em seu rosto foi crescendo mais e mais. Estava impressionadocom a maneira que as pessoas continuavam a gostar dele, mesmo tantos anosdepois.Ele estacionou a cadeira no local no qual geralmente ficava uma gigantepoltrona vermelha. Sua cadeira enroscou-se no tapete e começou a arrastá-lo
enquanto ele tentava “estacionar” a cadeira. A plateia ria.
 - Sinto muito
falou, ainda sorrindo.
Isso acontece às vezes...A carisma dele era contagiante. Todos passaram a sorrir. O apresentadordo programa, ainda rindo, virou-se para o rapaz.- Mas então, Josh... Conte-nos! Por que resolveu voltar a ativa depois demais de dez anos?- Passei muitos anos tentando me aceitar e me adaptar às minhasdificuldades. É muito difícil ficar paraplégico aos dez anos de idade. Você passa oresto da sua vida preso e limitado
falou suavemente.
Mas é claro que tem suasvantagens! Tenho vaga especial, perto das portas dos shoppings e posso furarfilas quando quiser!As pessoas no local riram. Ele ficava feliz com isso, era bom ver que algumacoisa ele ainda conseguia fazer direito.- Mas, respondendo a pergunta de Matt, resolvi voltar porque precisavacontar para o mundo tudo o que eu sofri. Essa coisa toda de preconceito é muitoforte. As pessoas passaram a me ignorar e me julgar só porque eu estava numacadeira de rodas...As risadas sumiram. Todos se voltaram sérios para o rapaz, que, mesmocom seus 22 anos, tratava de assuntos assim tão sérios.- Certo. Mas, e essas pessoas? Que influência elas tiveram em sua vida?- Para falar a verdade, muita. Elas riam de mim, colocavam apelidos, meignoravam. E eu simplesmente fingia que não ouvia, que não ligava.- Você ainda tem contato com essas pessoas?- Isso é engraçado
falou rindo.
Quando estava esperando para chegar,recebi uma notificação do
Facebook
dizendo que tenho 18 novos pedidos deamizade, fui marcado em 147 fotos e 39 pessoas me mandaram mensagensprivativas... Antes do filme estrear, não tinha nada disso. Antes de eu voltar paraesse mundo da mídia, ninguém ligava para mim. Agora que voltei a ativa, a coisatoda está se repetindo... Todos querem ser meus amigos.A plateia aplaudiu ao discurso do garoto. Era a mais pura verdade o quefalava naquele palco. Estava apenas, sendo ele mesmo.- E, conte para nós, Josh. Sobre o que se trata o seu filme?Ele deu um suspiro profundo e começou a falar.- O filme é basicamente um diário de tudo o que eu passei na minha vida,por enquanto. Não é uma autobiografia, há um pouco de ficção. Existemmomentos mais engraçados, e outros mais sérios. Ele retrata várias dessas coisasque mencionei aqui. As pessoas me xingando, me deixando de lado... É muitodifícil passar por isso com nove, dez anos... Mas eu estou aqui, e esse filme é

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->