Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
21Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Idolatria na Igreja Romana - Tratado da Verdadeira Devoção

Idolatria na Igreja Romana - Tratado da Verdadeira Devoção

Ratings:

5.0

(3)
|Views: 3,506 |Likes:
Published by Phoenix7
Documentos oficiais.
Documentos oficiais.

More info:

Published by: Phoenix7 on Dec 23, 2007
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/09/2012

pdf

text

original

 
 
Tratado da verdadeiradevoção
Escrito por um católico
Sumário
Parte 1 – Veneração x Adoração……………………………………………………
2
Parte 2 – Textos oficiais da Igreja admitindo a adoração de imagens………………
6
Parte 3 – Adoração a Maria no Tratado……………………………………………..
11
Parte 4 – Idolatria na Igreja…………………………………………………………
15
 
 
PARTE 1
Veneração x Adoração
Veneração é ou não é sinônima de adoração?
 Para os católicos
, veneração é umacoisa e adoração é outra coisa. Veneração seria apenas um ato de honra, de homenagem,enquanto que adoração seria ato de culto a Deus. Por isso a Igreja permite a veneraçãodas imagens e dos santos, enquanto que a adoração só é devida a Deus.
 Para os protestantes
, no entanto, veneração e adoração são sinônimas, e, por isso, ambas só sãodevidas a Deus. Veremos, neste estudo, que a razão está com os nossos irmãos protestantes. Não merece ser acolhido o entendimento de que veneração seja mero ato dehonra, de homenagem e não um ato de culto.Prova disso está no fato de que, se por um lado é lícito a qualquer pessoa prestar  publicamente honra e homenagem a alguém que morreu como herói da pátria ou como pessoa exemplar (por exemplo, Tiradentes, Ayrton Senna, o Papa João Paulo II etc.), a própria Igreja Católica não permite que se venere publicamente uma pessoa se o nomedesta pessoa não constar do catálogo oficial de santos ou de beatos. É o que dispõe o Cân.1.187 do Código de Direito Canônico:
Cân. 1.187.
Só é lícito venerar, mediante culto público, aos servos deDeus que foram inscritos pela autoridade da Igreja no catálogo dosSantos ou dos Beatos.”Fica claro que se venerar fosse apenas ato de honra, de homenagem, não haveriarazão para se proibir a veneração pública de alguém importante ou exemplar, só porqueesta pessoa não é oficialmente santo ou ao menos beato.Venerar é sim, pois, ato de culto; é um culto de dulia, de honra. Adorar também éato de culto, mas culto de latria. Para a Igreja Católica
existem três tipos de cultos
: o de
dulia
, dado aos anjos e aos santos em geral, o de
hiperdulia
, dado apenas a Maria, e o de
latria
, dado apenas a Deus.Como vimos, a Igreja Católica reconhece que veneração é ato de culto, emboraseja de dulia (culto de honra, de homenagem), diferente do culto de latria (adoração).Abro aqui um parêntese.O tão só reconhecimento por parte da Igreja de que veneração é ato de
culto
, eque é lícito venerar mediante
culto
de dulia (ou de hiperdulia no caso de o culto ser à Nossa Senhora) um anjo ou um santo, já é suficiente para reconhecer a existência da
idolatria
na Igreja.De fato, a Igreja reconhece, no Catecismo e no Código de Direito Canônico, que presta sim culto às imagens, aos anjos e aos santos (CIC 971; 2131-2132; CDCan 246, §3º; 1186 etc.). Mas sabemos que a Bíblia diz que só a Deus nós devemos prestar culto:
Cân. 1186.
Para fomentar a santificação do povo de Deus, a Igrejarecomenda à veneração especial e filial dos fiéis a Bem-aventuradasempre Virgem Maria, Mãe de Deus, a quem Cristo constituiu Mãe detodos os homens, bem como
 promove o verdadeiro e autêntico cultodos outros Santos
, por cujo exemplo os fiéis se edificam e pelaintercessão dos quais são sustentados.“Replicou-lhe Jesus: ‘está escrito:
 Adorarás o Senhor teu Deus e só a Ele prestarás culto’ 
.” (Lc 4,8, citando Dt 6,13)
 
 Devo lembrar que o Catecismo cita essa passagem do Evangelho de Lucas nocapítulo que trata da Adoração (CIC 2096).Fecho o parêntese.Todos
dicionários
colocam veneração como sinônimo de adoração. Também a
Bíblia
(2Rs 17,41; Est 13,8-14 [4,17a-17e]; Sb 14,15-21; Dn 14,1-5; Is 66,3; Jr 1,16;44,15-17.24-28; Br 6,3-6; At 10,25; 19,27; Ap 19,10; 22,8-9 etc.), o
Catecismo
(CIC266;1378; 2132) e alguns
Documentos oficiais da Igreja
(II Concílio de Nicéia; IVConcílio de Constantinopla; Encíclica
Cum conventus esset 
, do Papa João XV)reconhecem que veneração é igual à adoração. Na Bíblia vemos que adoração é igual à veneração. Isso fica bastante claro na passagem de At 19,27, que algumas Bíblias traduzem
“(…) aquela que toda a Ásia e omundo
veneram.
”, enquanto que outras Bíblias traduzem assim:
“(…) aquela que toda a Ásia e o mundo
adoram
.”
Outra passagem relevante para o tema encontramos em Dn 14,4-5:“O rei disse-lhe (um dia): Por que não
adoras
Bel? Porque, respondeuDaniel, não
venero
ídolo feito pela mão do homem, mas sim o Deusvivo que criou o céu e a terra e que exerce seu poder sobre todohomem.”E tem também a passagem de Sb 14,15-21:“Um pai, aflito por um luto prematuro, tendo mandado fazer a imagemdo filho, tão cedo arrebatado,
honrou
, em seguida, como a um deusaquele que não passava de um morto, e transmitiu, aos seus, certos ritossecretos e cerimônias. Este costume ímpio, tendo-se firmado com otempo, foi depois observado como lei. Foi também em conseqüênciadas ordens dos príncipes que se
adoraram
imagens esculpidas, porqueaqueles que não podiam
honrar
pessoalmente, porque moravam longedeles, fizeram representar o que se achava distante, e expuseram publicamente a imagem do rei
venerado
, a fim de lisonjeá-lo de longecom seu zelo, como se estivesse presente. Isto contribuiu ainda para oestabelecimento deste
culto
, mesmo entre os que não conheciam o rei;foi a ambição do artista, que, talvez, querendo agradar ao soberano,deu-lhe, por sua arte, a semelhança do belo; e a multidão, seduzida peloencanto da obra, em breve tomou por deus aquele que tinham honradocomo homem. E isto foi uma cilada para a humanidade: os homens,sujeitando-se à lei da desgraça e da tirania, deram à pedra e à madeira onome incomunicável.”Vejamos, agora, o que diz o Catecismo:
O culto da Eucaristia
. Na liturgia da missa, exprimimos nossa fé na presença real de Cristo sob as espécies do pão e do vinho, entre outrascoisas, dobrando os joelhos, ou inclinando-nos profundamente em sinalde adoração do Senhor. ‘A Igreja católica professou e professa este
culto de adoração
que é devido ao sacramento da Eucaristia nãosomente durante a Missa, mas também fora da celebração dela,conservando com o máximo cuidado as hóstias consagradas, expondo-

Activity (21)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 thousand reads
1 hundred reads
Ninho Jesen Jesen added this note
hahahahah, eu até imagino o conteúdo dessa refutação. resume-se em dizer que Maria é chamada de salvadora, redentora, divida, toda-poderosa etc, de modo diferente de jesus Cristo. Mas o que não pode se esconder é que o culto a Maria é ímpio, é produto da igreja romana, não existiu nos primeiríssimos anos da igreja e que retira o foco do cristão de cima de Jesus que merece DEVOÇÃO EXCLUSIVA;
Claudio Souza liked this
vlseagri3738 liked this
aruanfreitas added this note
Tenho a refutação desse estudo pronta. Caso desejem-na, podem procurá-la pedindo-me através do e-mail: aruanfreitas@yahoo.com.br
quodagis liked this
souseuparasempre liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->