Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
3Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
RESENHA DE TEXTOS SOBRE CURRÍCULO ESCOLAR E POLÍTICAS CURRICULARES

RESENHA DE TEXTOS SOBRE CURRÍCULO ESCOLAR E POLÍTICAS CURRICULARES

Ratings: (0)|Views: 607 |Likes:
Published by ritasilveira

More info:

Published by: ritasilveira on May 18, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/21/2013

pdf

text

original

 
1-
 
Thelma Polon Graduou-se em Pedagogia pela PUC-SP em 1986, concluiu o Mestrado e o Doutorado emEducação na PUC-Rio respectivamente em 2004 e 2009. Além da docência em cursos de formação deprofessores de nível médio (E.E. Caetano de Campos/SP) e licenciaturas (PUC-SP e UFRJ), trabalha comocoordenadora pedagógica e supervisora de ensino há mais de vinte anos em escolas de educação básica eem secretarias municipais de educação. Durante o doutorado realizado na PUC-Rio (2005-2009) soborientação da professora Alicia Bonamino, atuou no Grupo de Pesquisa do CAEd, pesquisando dados doProjeto GERES - Estudo Longitudinal da Geração Escolar 2005. Atua como professora nos cursos deEspecialização em Administração Escolar e Gestão Educacional CCEPUC-Rio e no Mestrado Profissionalda UFJF/MG.2-
 
Rita de Cássia Oliveira da Silveira, mestranda em Gestão e Avaliação de Política Educacional pela UFJF,graduou-se em Pedagogia pela FAA- Valença RJ em 1986, especializou-se em Psicopedagogia Institucionalem 2007 pela AEDB- Resende-RJ e em Dislexia pela ABD- Associação Brasileira de Dislexia em 2006.Atualmente é Diretora Regional Pedagógica da Regional Médio Paraíba- SEEDUC-RJ e presta AssessoriaPedagógica Educacional em Instituições Particulares.
Universidade Federal de Juiz de ForaPrograma de Pós-Graduação em Gestão e Avaliação da Educação PúblicaCONJUNTO DE RESENHAS DE TEXTOS SOBRE CURRÍCULO.
O presente trabalho contém resenhas de textos de autoria da Profª Drª Thelma Lúcia PintoPolon
1
. São eles: Currículo e Políticas Curriculares na Perspectiva do DesenvolvimentoProfissional; Reforma Educacional do Ensino Médio nos Anos 1990: Origens, Fatores de Influência ePrincípios Gerais Orientadores do Currículo; 1999/2009: Percepções, Desafios e AçõesComplementares à Implantação da Reforma Curricular do Ensino Médio Brasileiro; Currículo do EnsinoMédio: e o ENEM com isso? E Para Compreender a Noção de "Competência" Presente nas DCNEM,PCNEM e Matrizes Curriculares de Referência para o Enem, são partes integrantes da Disciplina Currículo eDesenvolvimento Profissional do PPGP CAED UFJF- Programa de Mestrado Profissional em Gestão eAvaliação de Política Educacional, onde a autora
2
é aluna e cursa o e último período. Esta seleçãopretende contribuir para que os gestores escolares e demais atores educacionais envolvidos resgatem opercurso das reformas curriculares a partir da nova LDBEN 9394, ampliando o espaço de discussão para aconstrução do currículo escolar.
Texto 1: Tema:
Currículo e Políticas Curriculares
 
Neste trabalho, Thelma Polon analisa as diferentes concepções de currículo e discute asdiferenças entre currículo e políticas curriculares. Contribui assim, para a ampliação da visãosobre esses temam contemporaneamente, proporcionando aos gestores um maior preparo para odebate sobre o currículo.
 
Resumo
:
Apesar da acepção atual “currículo escolar” ser definida como tudo o que se realiza na
escola, o campo central de investigação da área do Currículo continua sendo o
conhecimentoescolar e as discussões sobre o que se precisa ensinar a quem.
Isso se deve ao fato de aindaconvivermos com o fracasso e a exclusão escolar. Entre um extremo e outro, seja no sentido latoe ou no sentido estrito atribuído ao currículo, este se define como seleção de conhecimentos,valores e práticas sociais e culturais distintas, com vistas à formação dos estudantes. Ainda
 
2
definindo currículo, Forquim ( 1993) o conceitua como sendo uma “forma institucionalizada de
estruturação e de programação de conteúdos de ensino ( cognitivos e simbólicos) que define aespecificidade da instituiç
ão escolar”, ou seja, também trabalha com a seleção de saberes.
 Sendo o currículo uma ínfima parte da experiência humana acumulada ao longo dotempo é normal que diferentes momentos históricos determinem mudanças no currículo edeterminem diferentes práticas pedagógicas. Forquim(1993) teoriza que o currículo escolar temdiferentes faces: a
face oficial
, formal ou prescrita ( ideal de conhecimentos que se pretendedesenvolver) e a
face real
( fruto da interpretação e seleção feita pelos professores).Forqui
m(1993) ainda aponta o
currículo aprendido
” como expressão da dimensão do que é
aprendido pelos alunos. Haverá sempre uma distância entre a ação mais ou menos consciente doprofessor e as condições próprias de aprendizagem de cada estudante. Sobre estas váriasdimensões encontramos ainda na Nova Sociologia do Currículo, uma menção ainda à
faceoculta
do currículo. Esta face nem sempre é formalizada ou explicitada, mas contribui para osucesso ou fracasso do ensino-aprendizagem. Young destaca-nos a importância deproblematizarmos categorias aceitas sem questionamento, preocupa-se hoje em explorar umanova estrutura para o currículo que permita realizar as possibilidades educacionais do trabalho,Alerta-nos para os cuidados necessários na introdução de novas tecnologias na escola. Sugereuma reavaliação das disciplinas acadêmicas tradicionais. Propõe que evitemos a dicotomizaçãoentre o educador teórico e o educador de sala de aula. Diante do reconhecimento das váriasfaces ou dimensões do currículo, o desafio que se coloca às escolas e educadores é aproximar ocurrículo proposto ao currículo ensinado, que por sua vez deve estar orientado à busca de maiorefetividade dos processos de aproveitamento e aprendizagem, além de indicar a necessidade devalorizar a reflexão e discussão coletiva sobre os princípios e valores da instituição com vistas adirigir a ação de todos os envolvidos.Acerca do Currículo escolar e políticas curriculares, suas diferenças ecomplementaridade atreladas a um momento histórico, cabe aos órgãos governamentais aresponsabilidade de propor reformas educativas com vistas ao atendimento dessas demandas,para que a escola não se torne uma agência social extemporânea, marcada por práticas que nãopermitam o cumprimento de sua função precípua que é a de contribuir para a inserção social dosalunos. Neste sentido, os órgãos governamentais estabelecem Políticas Públicas Educativas e,no que se refere à especificidade do fazer nas escolas, de Políticas Curriculares.No Brasil contemporâneo tivemos a aprovação de uma nova Constituição Federal em1988, que determinou uma nova LDBEN ( Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional).Sua discussão durou quase uma década e culminou com sua aprovação em dezembro de 1996 (LDBEN 9394/96). Ato contínuo, vieram as Diretrizes Curriculares Nacionais para todos ossegmentos da Educação Básica, que foram sendo progressivamente discutidas, analisadas eaprovadas pelo Conselho Nacional de Educação, transformando-se em deliberações do CNE queserviram de base para a elaboração dos PCN- Parâmetros Curriculares nacionais, que foramlevados público ao longo dos anos 1990. Aqui vale pontuar que tais normatizações podem terum caráter mais ou menos democrático em função dos objetivos institucionais a que responde eda perspectiva governamental que o rege. Neste contexto histórico em que vivemos hoje, restaaos sujeitos concretos que faze a escola discutirem como sair de uma autonomia instituídalegalmente para uma autonomia efetivamente praticada no dia a dia, com vistas à obtenção demelhores resultados para o desenvolvimento e aprendizagem de todos os alunos e membros dacomunidade educativa.
 
3
A quem cabe a organização curricular? Moreira e Candau (2007), após teceremcuidadosas considerações sobre os aspectos históricos e conjunturais que influenciam na forma
de conceber e desenvolver o currículo e o definirem como “conjunto das experiências escolares
que se desdobram em torno do conhecimento, em meio a relações sociais, e que contribuempara a construção das ident
idades de nossos /as estudantes”, afirmam que o currículo é o
coração da escola. Assim sendo, como mespaço central a partir do qual todos exercem suasfunções em diferentes níveis de atuação, todos os envolvidos no processo educativo devem ser ,em alguma medida, responsáveis por sua elaboração. Os autores recomendam que além dosdocumentos oficiais orientadores das Polpiticas Curriculares, consultem também pesquisas quevêm sendo feitas em nosso país sobre o tema, já que estes têm-se colocado nas questõesculturais, em reconhecimento à preponderância da esfera cultural na organização de nossa vidasocial, bem como na teoria social comtemporânea. Os autores procuram ainda realçar a
importância dos conteúdos escolares por considerarem que “ os conhecimentos q
ue se
constroem e que circulam nos diferentes espaços sociais constituem direito de todos”. Estes
conhecimentos que deverão ser inseridos no currículo deverão ser relevantes e significativos, deforma a propiciar aos estudantes que possam ir além dos referentes presentes em seu mundocotidiano e se tornem sujeitos ativos na mudança de seu contexto. Moreira e Candau entendem arelevância potencial que o currículo possui de tornar as pessoas capazes de compreender o papelque devem ter na mudança de seus contextos imediatos e da sociedade em geral, bem comoajudá-los a adquirir conhecimentos e experiências que contribuam para formar sujeirosautônomos , críticos e criativos que analisam como as coisas passaram a ser o que são e comofazer para que elas sejam diferentes do que são hoje.
Conclusão
O currículo escolar, bem como as Políticas Curriculares praticadas no Brasil, dado omomento atual, ainda caracterizado pela ineficiência do processo ensino-aprendizagem, não estáem condições de ser encarado em seu
sentido “lato”, uma vez que a escola ainda tem queresponder às questões mais singulares que a caracterizam como “o que ensinar e a quemensinar”. Assim sendo, se faz necessário que todos atores escolares, cada um em seu nível de
atuação se envolva em sua construção. O momento é fértil para esta construção, o Brasil estáadolescendo em educação, com uma LDB que preconiza a gestão democrática e o envolvimentode todos nas questões educacionais. Neste sentido, sendo o coração da escola, o currículoescolar é tarefa de todos que ali estão envolvidos. Outro fator que deve ser destacado é que navisão estrita, o currículo deve ser pensado enquanto ação que garanta que o conhecimentodisponível, relevante e significativo, seja direito de todos. Somente assim os estudantespoderão ir além dos referentes presentes e provocar mudanças em sua realidade.
Fonte:
Polon, Thelma
 – 
Texto: Currículo e Políticas Curriculares na Perspectiva doDesenvolvimento Profissional. Disponível emhttp://www.ppgp.caedufjf.net/course/view.php?id=28&topic=1acessado em 02 de abril de2012.
Autora
: Rita de Cássia Oliveira da Silveira, mestranda em Gestão e Avaliação de PolíticaEducacional pela Universidade Federal de Juiz de Fora

Activity (3)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Leudo Abreu liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->