Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
6Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Ações Impugnativas Autônomas - Aula 1

Ações Impugnativas Autônomas - Aula 1

Ratings: (0)|Views: 2,148 |Likes:
Published by Thiago Graça Couto

More info:

Categories:Types, School Work
Published by: Thiago Graça Couto on Jan 05, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF or read online from Scribd
See more
See less

12/14/2012

 
 
P
ÓS
-G
RADUAÇÃO EM
D
IREITO
P
ROCESSUAL
C
IVIL
 
A
ÇÕES
I
MPUGNATIVAS
A
UTÔNOMAS
 
06/09/2008
Prof. Melvin BennesbyThiago Graça Coutothiagocouto@gmail.com 
I – A
 
ção Rescisória
Os recursos, em regra geral, não dão margem a uma nova relação processual, algo diverge das açõesimpugnativas autônomas, tal como a ação rescisória.A ação rescisória é uma demanda autônoma e não um recurso. Por isso mesm, não integra a relação derecursos do CPC. O ajuizamento da rescisória tem por finalidade abrandar o rigor da coisa julgadamaterial, visando rescindir julgados que contenham algum dos vícios previstos nos incisos do Art. 485 doCPC.
I.1 – Natureza Jurídica
É uma Ação Autônoma de Impugnação, tendo natureza constitutiva negativa ou desconstitutiva.
I.2 – Competência
O CPC não traz regras sobre a competência para o julgamento das ações rescisórias. A CRFB traz algunsdispositivos sobre o tema, tais como o Art. 102 I “j”, 105 I “e”, 108 I “b”. As Constituições Estaduaistambém regulam a competência dos TJ’s para a rescisória (CERJ 161 IV “h”). A questão da competência écomplementada pelas regras contidas nos Regimentos Internos dos Tribunais.A regra geral é que o Tribunal deve julgar as descisões por ele próprio proferidas (através do órgãoespecial). No caso das sentenças, tendo a mesma transitado em julgado, será competente o Tribunalque conheceria, em tese, da apelação.Há que se saber qual a decisão que transitou em julgado (e
 
feito substitutivo), havendo o conhecimentodo recurso, o que transitará em julgado será a decisão que enfrentou o juízo de mérito do recurso. Semconhecimento do recurso, isso é, sem o juízo positivo de admissibilidade, não há substituição e o quetransita em julgado é a decisão recorrida.
I.3 – Questões Polêmicas
 AR ajuizada perante TRF ou TJ visando a rescisão de acórdão do STJ ou STF, havendo assimdesrespeito à regra constitucional de divisão de trabalho entre os órgãos do Poder Judiciário:
 
Extinçãodo processo sem resulução do mérito, por ausência de investidura de jurisdição, que é pressuposto devalidade (Câmara) ou Aplicação das regras gerais de competência, declinando-se para o Tribunalcompetente (Dinamarco).
 AR ajuizada visando rescindir aresto proferido em apelação, quando o RESP foi conhecido e julgadoem seu mérito.
Considerando-se que a AR visa rescindir acórdão que não transitou em julgado, tendoem vista o efeito substitutivo, o que foi alvo do trânsito em julgado foi o agravo do STJ, que julgou omérito do RESP. Estaríamos diante de um pedido juridicamente impossível, a ocasionar a extinção domérito por impossibilidade jurídica da demanda, nos termos do Art. 267 IV do CPC.
Comment [T1]:
Conceitos: JCBMChama-se de rescisória a ação por meio daqual se pede a desconstituição de sentençatransitada em julgado, com eventualrejulgamento, a seguir da matéria nela julgada.
Comment [T2]:
Art. 512. O julgamentoproferido pelo tribunal substituirá asentença ou a decisão recorrida no quetiver sido objeto de recurso.
 
 
P
ÓS
-G
RADUAÇÃO EM
D
IREITO
P
ROCESSUAL
C
IVIL
 
A
ÇÕES
I
MPUGNATIVAS
A
UTÔNOMAS
 
06/09/2008
Prof. Melvin BennesbyThiago Graça Coutothiagocouto@gmail.com 
 AÇÃO RESCISÓRIA – FGTS – ÚLTIMA DECISÃO DE MÉRITO PROFERIDA PELO STJ - COMPETÊNCIA –  ARTIGO 113, § 2º, DO CPC.1. Não se aplica o disposto no artigo 113, § 2º do CPC, quando a ação rescisória de competênciaoriginária desta Corte foi proposta erroneamente perante o Tribunal a quo. Ao tribunal de origemnão cabe remeter os autos ao STJ, devendo o processo ser extinto sem julgamento do mérito.Recurso especial improvido. (Resp 796.008/PR)
 Ação Rescisória ajuizada perante TJ quando a competência seria de outro TJ (idem em TRF de regiãotrocada)
.
Ausência de competência a ocasionar o declínio de competência para o Tribunal competente(Câmara)
Qual a competência para a rescisória quando há diversos “capítulos da sentença” apreciados por órgãos judiciários diversos? 
 
Ex. Cumulação de pedidos: pagamento de DANOS MORAIS e MATERIAIS ecumprimento de OBRIGAÇÃO DE FAZER. Sentença: procedentes os pedidos de Dano Moral e Obrigaçãode Fazer e improcedentes o pedido de Dano Material. Há apelação somente do Réu, tendo sido amesma parcialmente provida, julgado improcedente o pedido de dano moral, e o réu, atacando aimprocedência do Dano Moral apresente Resp, que é conhecido e desprovido.Em resumo:a)
 
O capítulo de Dmaterial (improcedente) transitou em julgado com a sentença;
 
b)
 
O capítulo de Ofazer (procedente) transitou em julgado com o acórdão da apelação;
 
c)
 
O capítulo de Dmoral (improcedente) transitou em julgado com o acórdão do STJ.
 
Segundo doutrina respeitáve, o Réu deveria distribuir a rescisória no TJ, e já o Autor poderia distribuirtanto no TJ como no STJ. José Carlos Barbosa Moreira, sempre defende que podem ser ajuizadas tantasquantas forem adequadas ações rescisórias perante órgãos jurisdicionais competentes para tanto. Paraele, não se pode desconsiderar a regra de competência prevista na CFB. Desta feita, ele se alinha contraentendimentos atuais do STJ e STF. Para Pontes de Miranda, há tantas ações rescisórias quantas asinstâncias. T
 
alamini tem a mesma posição.Em contraposição, haveria a absorção da competência, onde o órgão hierarquicamente superior, teriacompetência para rescindir todos os julgados, conforme anterior orientação do STF.O STJ tem entendido que é competente para o julgamento de todos os pedidos.
Se o acórdão rescindendo decidiu parte do mérito da causa, é competente o STJ para apreciar e julgar o pedido rescisório, mesmo que seu objeto envolva matéria além daquela por eleapreciada. (AR2895)PROCESSO CIVIL. AÇÃO RESCISÓRIA. Havendo decidido parte do mérito da causa, compete aoSuperior Tribunal de Justiça julgar, na integralidade, a ação rescisória subseqüente, ainda que orespectivo objeto se estenda a tópicos que ele não decidiu. Agravo regimental conhecido e provido. (AgR na AR 1115)
 
Comment [T3]:
Coisa Julgada e suaRevisão, p. 192.
 
 
P
ÓS
-G
RADUAÇÃO EM
D
IREITO
P
ROCESSUAL
C
IVIL
 
A
ÇÕES
I
MPUGNATIVAS
A
UTÔNOMAS
 
06/09/2008
Prof. Melvin BennesbyThiago Graça Coutothiagocouto@gmail.com Em manifestação recente do STF.
 A competência do STF para conhecimento e julgamento da ação rescisória fica firmada desdeque o Tribunal tenha enfrentado uma das questões de mérito - ainda que para não conhecer dorecurso (Súmula STF n° 249). (AR 1572)
I.3.1 – O termo sentença de mérito abrange também as decisões interlocutárias, quando houverdecisão de mérito?
Sim, primazia ao conteúdo em detrimento da forma, admitindo tal interpretação Dinamarco, HTJ,dentre outros. Yarshell aduz quue, o elemento decisivo para que caiba desconstituição por açãorescisória, além do trânsito em julgado, não é propriamente o veículo, isto é, o ato judicial, mas sim orespectivo conteúdo.
Ex: Reconhecimento de prescrição ou decadência de um dos pedidos.
Neste sentido, destaca-se decisão do STJ:
Processo civil. Recurso especial. Execução iniciada em 1.987. Posterior edição da Lei nº 8.009/90. Alegação, no curso da execução e após a penhora, de impenhorabilidade do bem de família.Rejeição. Reiteração do pedido, quatro anos depois, em face da adjudicação do imóvel pelocredor. Propositura de ação rescisória para desconstituir a segunda decisão interlocutória quereiterou a inaplicabilidade da Lei nº 8.009/90. Procedência.
Possibilidade de rescisão de decisõesinterlocutórias que possuam carga meritória.
Perda do prazo decadencial para a propositura daação rescisória afastada em face da Súmula nº 106/STJ, mas reconhecida em face da existênciade duas decisões sobre o mesmo tema, resumindo-se a irresignação apenas à última delas.Violação ao art. 535 do CPC.- Não se reconhece violação ao art. 535 do CPC quando ausentes omissão, contradição ouobscuridade no acórdão.
- Em face do art. 485 do CPC, que se refere à 'sentença de mérito', doutrina e jurisprudência, nogeral, entendem como possível o juízo rescindendo de decisão interlocutória apenas emsituações muito específicas
.- Os executados, ao atravessarem petição, no curso da execução, pedindo fosse a eles concedidoo privilégio previsto na Lei nº 8.009/90, provocaram uma manifestação jurisdicional sobrequestão que poderia, se acolhida, representar óbice à satisfação do crédito do exeqüente. Assim,dentro dos limites e objetivos do processo executivo, a decisão relativa à incidência ou não da Lei nº 8.009/90 tem o condão de resolver, antecipadamente, a pretensão deduzida pelo autor daação de execução. (REsp 628.464).
I.3.2 – O termo sentença de mérito abrange também as decisões interlocutárias, quando NÃO houverdecisão de mérito?
A matéria é controvertida.Em acórdão de 2008, do STJ:

Activity (6)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Areta Cardoso liked this
Braz Top liked this
Carol Drumond liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->