Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
1Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Paper 497

Paper 497

Ratings: (0)|Views: 8|Likes:
Published by Rui Dinis

More info:

Published by: Rui Dinis on Jun 15, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/12/2013

pdf

text

original

 
 DIRETRIZES PARA A INCORPORAÇÃO DE REQUISITOS E INDICADORESDE SUSTENTABILIDADE EM POLÍTICAS PÚBLICAS NO AMBIENTECONSTRUÍDOC. M. C. dos Santos, J. C. Paliari e V. G. da SilvaRESUMO
É notória a alteração climática vivenciada ultimamente, decorrente, principalmente, daação humana no meio ambiente. Embora as atividades do setor da Construção Civil, aolongo da sua cadeia produtiva, tenham significativa contribuição no agravamento destecenário, seja por emissão de CO
2 
na atmosfera, consumo de recursos naturais ou outrosaspectos, possui ao mesmo tempo um enorme potencial de redução deste impacto. Noentanto, a implementação de tais ações demanda uma combinação de políticas deincentivos setoriais e, principalmente, governamentais adequadas, sem as quais o setor nãoé capaz de promover a sustentabilidade no desenvolvimento de suas atividades. Estetrabalho pretende contribuir para o avanço da discussão e conhecimento nesta questão,com a identificação de requisitos e indicadores de sustentabilidade passíveis de aplicaçãoem Códigos de Obras e Edificações Municipais brasileiros.
1
 
INTRODUÇÃO
Os Municípios brasileiros vêm passando, nas últimas décadas, por grandes transformaçõesrelacionadas ao crescimento das áreas urbanas, adensamento e mudança dos processosconstrutivos, e alterações climáticas resultantes da interferência do homem no planeta, oque certamente exige a revisão dos códigos existentes e dos demais instrumentosurbanísticos, ultrapassados por essa dinâmica. Entretanto, a maioria dos governos locaiscarece de experiência e conhecimentos de como incorporar elementos de sustentabilidadeem medidas políticas aplicáveis em seu contexto.Para Silva (2003) a magnitude dos impactos sociais, econômicos e ambientais posiciona osetor da Construção Civil como um motor potencial para o atendimento de metas dedesenvolvimento sustentável. Reconhecendo as influências que as legislações acarretam noambiente construído, o Código de Edificações, por seu papel de agente legalizador doscostumes construtivos, constitui um veículo favorável para promoção do desenvolvimentosustentável, cabendo aos legisladores, profissionais da construção civil e sociedade,contribuírem para sua promoção.O objetivo deste trabalho é apresentar diretrizes para a incorporação de requisitos eindicadores de sustentabilidade em políticas públicas no ambiente construído,especialmente em códigos municipais de edificação. Para o cumprimento do objetivoproposto, a metodologia de pesquisa baseou-se em ampla revisão bibliográfica edocumental para a identificação de conceitos, indicadores, critérios e iniciativas políticasexistentes praticadas dentro da ótica da construção sustentável, com o intuito de entender
Paperfina
 
quais deles são passíveis de aplicação em Código de Edificações e como têm sido oupodem ser incorporados neste tipo de instrumento.Os padrões de aplicação das medidas políticas consultadas são relacionados aos requisitos,indicadores e critérios de sustentabilidade identificados na revisão bibliográfica, resultandoassim na formulação das diretrizes para incorporação de critérios de sustentabilidade emCódigos de Edificações Municipais.
2
 
INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE NO AMBIENTE CONSTRUÍDO
Segundo Silva (2007), indicadores de sustentabilidade do ambiente construído descrevemos seus impactos ambientais, econômicos e sociais para projetistas, proprietários, usuários,gestores, desenvolvedores de políticas públicas e demais partes interessadas da indústria deconstrução. Indicadores robustos capturam tendências para informar os agentes de decisão,orientar o desenvolvimento e o monitoramento de políticas e estratégias, e facilitar o relatodas medidas adotadas para a implementação do desenvolvimento sustentável.Para se reconhecer critérios de sustentabilidade relacionados ao ambiente construídopassíveis de aplicação em políticas públicas, vários documentos mundialmente aceitosdelineiam as bases necessárias para as tomadas de decisões relacionadas aodesenvolvimento sustentável, principalmente as reinterpretações da Agenda 21 (global elocal) pelo setor da Construção Civil, como a Agenda Habitat II, Agenda 21 para aConstrução Sustentável do CIB (CIB, 1999), e a Agenda 21 do CIB para ConstruçãoSustentável em Países em Desenvolvimento (CIB; IETC, 2002).Também merecem destaque os trabalhos realizados pela rede CRISP, criada pela
 
CIBWorking Commission W82 “Future Studies in Construction”
, a pesquisa conduzida pela
Construction Industry Research and Information Association
– CIRIA (2001), focada emuma revisão sobre a literatura internacional referente identificação e sistematização deindicadores de sustentabilidade no ambiente construído, e ainda, as recomendações da ISOTS 21929 (ISO, 2006).Na esfera brasileira, a pesquisa desenvolvida por Silva (2003) baseia-se em documentosinternacionais citados e em sistemas de avaliação ambiental de edifícios existentes nomundo, configurando um amplo estado da arte referente aos indicadores desustentabilidade no ambiente construído, que serviu de apoio para identificação doscritérios passíveis de aplicação em políticas públicas locais, bem como para a continuidadede estudos posteriores.A pesquisa desta autora considera indicadores mais amplos, com a incorporação deaspectos sociais, econômicos e institucionais, além dos ambientais. Entretanto, aslimitações de tempo e escopo deste trabalho não permitem que todos os aspectosrelacionados à sustentabilidade sejam contemplados. Assim, se ocupou, então, da esferaambiental, deixando a análise de aplicabilidade em medidas políticas dos demais pilares dasustentabilidade para trabalhos futuros.
3
 
DEFINIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS
Tendo em vista a grande variedade de medidas políticas relacionadas às questões desustentabilidade no ambiente construído, que vai desde a escala global, nacional, regional,
Paperfina
 
do espaço urbano, ao espaço do empreendimento, do edifício e até do material, surgiu ànecessidade de se identificar os tipos de medidas políticas existentes e buscar exemplossemelhantes para servir como parâmetro para a elaboração da proposta.As medidas políticas são classificadas, de acordo com UNEP (2007), em quatro categorias(Quadro 1): Mecanismos de regulamentação e controle; Instrumentos econômicosbaseados no mercado; Incentivos e instrumentos fiscais; e Apoio, informação e açãovoluntária. De acordo com esta classificação, este trabalho está focado no estudo demedidas políticas do tipo regulatório-normativas, categoria em que se enquadram osCódigos para Edificações.
Quadro 1 - Classificação de medidas políticas segundo o Programa Ambiental dasNações Unidas (UNEP, 2007)
Classificação Descrição ExemplosMecanismos deregulamentaçãoe controleRegulamentações regulatório-normativas:Leis e regulamentos de implementação querequerem certos projetos de dispositivos,práticas ou sistemas de melhoraria deeficiência
Códigos para Edificações,
Normas para eletrodomésticos,Regulamentação de compras; Obrigações ecotas de eficiência energéticaRegulatório-informativas: Quando ousuário final é apenas informado, porémnão obrigado a seguir as recomendaçõesAuditorias obrigatórias; Programas degestão de demanda, Programas decertificação e etiquetagem obrigatóriosInstrumentoseconômicos -baseados nomercadoBaseados geralmente em mecanismos demercado e contêm elementos de ação ouparticipação voluntária; Freqüentementeiniciadas ou promovidas porregulamentações de incentivoContrato de desempenho de energia;Compras cooperativas, esquemas decertificação; Mecanismos de flexibilidadede KyotoIncentivos einstrumentosfiscaisCorreção de preços impostos, por meiotaxa, visando à redução de consumo;Apoio financeiro, quando barreirasrelacionadas a custos iniciais são visadas.Tributação, isenção/redução de impostos,Encargos sobre benefícios públicos;Subsídios de capital, subvenções,Empréstimos subsidiados e descontosApoio,informação eação voluntáriaVisam encorajar mudança docomportamento do consumidor, por meiode fornecimento de informações e deexemplos bem-sucedidos deimplementação.Certificação e programas de etiquetagemvoluntários; Contratos voluntáriosnegociados; Programas de liderançapública; Campanhas de conscientização;Educação e campanhas informativas;Faturas detalhadas e programas deinformação
De acordo com Deringer (2001), código é um conjunto explícito de requerimentosmínimos, faz parte de uma lei (nacional, estadual ou local) e é associado a procedimentosde conformidade. Normas são similares a códigos, porém de cumprimento voluntário efreqüentemente desenvolvidas por indústrias ou grupos de profissionais, baseadas emconsenso, sendo obrigatórias quando citadas em um instrumento de poder público (lei,decreto, portaria, regulamento técnico etc.) ou em contratos.
4
 
EXEMPLOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS EXISTENTES
Em meio às iniciativas políticas que buscam incorporar critérios sustentáveis no setor daConstrução Civil, as principais medidas encontradas, presentes em quase todos os paísesdesenvolvidos (UNEP, 2007), foram, sobretudo, direcionadas para melhorar a eficiênciaenergética de edificações, em resposta à crise do petróleo da década de 70. Nota-se umaatenção maior por parte dos governos em virtude do forte impacto que os edifícios
Paperfina

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->