Welcome to Scribd. Sign in or start your free trial to enjoy unlimited e-books, audiobooks & documents.Find out more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
1Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
freios_embreagens

freios_embreagens

Ratings: (0)|Views: 8|Likes:
Published by Hideki Yanai

More info:

Published by: Hideki Yanai on Jun 18, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/04/2015

pdf

text

original

 
SUMARIO
INTRODUÇÃO
..............................................................................................................................................................2
 
FREIOS E EMBREAGENS
.........................................................................................................................................3
 
ESTÁTICA
 
NOS
 
FREIOS
.......................................................................................................................................3
 
CONDIÇÃO
 
DE
 
AUTO
 
ACIONAMENTO
..............................................................................................................4
 
CLASSIFICAÇÃO
 
DOS
 
FREIOS
...........................................................................................................................4
 
FREIOS
 
E
 
EMBREAGENS
 
TIPO
 
TAMBOR
 
COM
 
SAPATAS
 
INTERNAS
.......................................................5
 
EXERCÍCIO 
.........................................................................................................................................................9
 
FREIOS
 
E
 
EMBREAGENS
 
TIPO
 
TAMBOR
 
COM
 
SAPATAS
 
EXTERNAS
...................................................14
 
EMBREAGENS
 
E
 
FREIOS
 
DE
 
CINTA
................................................................................................................18
 
EMBREAGEM
 
DE
 
CONTATO
 
AXIAL
.................................................................................................................19
 
EMBREAGENS
 
E
 
FREIOS
 
CÔNICOS
...............................................................................................................22
 
EMBREAGENS
 
E
 
ACOPLAMENTOS
 
DE
 
TIPOS
 
DIVERSOS
........................................................................24
 
MATERIAIS
 
PARA
 
GUARNIÇÕES
.....................................................................................................................26
 
CONSIDERAÇÕES
 
SOBRE
 
ENERGIA
..............................................................................................................26
 
DISSIPAÇÃO
 
DE
 
CALOR
.....................................................................................................................................28
 
CONCLUSÃO
.............................................................................................................................................................29
 
BIBLIOGRAFIA
..........................................................................................................................................................30
 
 
2
INTRODUÇÃO
Quando um móvel ou elemento de máquina está em movimento, e desejamospará-lo, é acionado um sistema de freio, reduzindo assim sua energia cinética para zero.E se queremos aumentar, reduzir ou sair de inércia este móvel, é necessário mudar arelação de marcha que é acionada por meio de embreagem. Logo, vamos tratar nestetrabalho conjuntamente freios e embreagens. A fig. 1 mostra uma representaçãodinâmica simplificada de uma embreagem de atrito, ou um freio. Duas massas cominércias I1 e I2 e velocidades angulares, respectivamente, w1 e w2, uma das quais podeser zero no caso de freios, são trazidas á mesma velocidade pela embreagem ou freio.Ocorre deslizamento porque os dois elementos estão em velocidades diferentes e aenergia é dissipada durante o acionamento, resultando num aumento de temperatura.Analisando-se funcionamento destes dispositivos, deve-se ter:A força de acionamento.O torque transmitido.A perda de energia.O aumento de temperatura.O torque transmitido é função da força atuante, do coeficiente de atrito e da geometriada embreagem ou freio. É um problema de estática que deverá ser estudadoseparadamente para cada configuração geométrica. Entretanto, o aumento detemperatura está relacionado com a perda de energia e pode ser estudadoindiferentemente do tipo de freio ou embreagem, porque a geometria de interesse éconstituída apenas pelas superfícies que dissipam o calor.
 
3
FREIOS E EMBREAGENS
ESTÁTICA NOS FREIOS
A análise de todos tipos de embreagens de atrito e freios utiliza o mesmoprocedimento geral. Necessita-se das seguintes etapas:1. Admitir ou determinar a distribuição de pressão sobre as superfícies de atrito.2. Descobrir a relação entre a pressão máxima e a pressão em qualquer ponto.3. Aplicar as condições de equilíbrio estático para determinar de: (a) a força atuante,(b) o torque e (c) as reações de apoio.Aplicar-se-ão estas etapas ao problema teórico mostrado na fig. 2. A figura mostra umapequena sapata articulada em A, com força atuante F, força normal N no contato entreas superfícies, e a força de atrito f N, sendo f o coeficiente de atrito. O corpo move-separa a direita e a sapata está estacionária.Etapa-1 Como a sapata é curta, considera-se a pressão uniformementedistribuída sobre a área de atrito.Etapa-2 Da etapa 1 segue-se pressão; p= pa.Etapa-3 Como a pressão está uniformemente distribuída, pode-se calcular umaforça normal equivalente, logo:N = pa*AFigura 2 - Forças atuantes sobre uma sapata articuladaAplicando a somatória de momentos em relação ao ponto A temos:

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->