Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
5Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Relatorio Lei de Hooke

Relatorio Lei de Hooke

Ratings: (0)|Views: 183 |Likes:
Published by patriciacarsoni

More info:

Published by: patriciacarsoni on Jun 20, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/18/2012

pdf

text

original

 
Experiência n
o
05: Lei de Hooke.
Nomes:
Eridan Borges, Felipe Telles, Luis Felipe Toffolo,Luis Felipe Granucci, Luiz Eduardo Pinheiro, Patricia Carsoni
Turma A
 – 
Grupo A1Engenharia Mecânicae-mail: pati-lene_004@hotmail.com 
Resumo.
 
 Este experimento visa a análise experimental da Lei de Hooke através do uso de molas e pesos em diversos modos de associação. Tal lei pode ser comprovada pela variação de comprimento obtida dasmedições (elongação da mola) com o aumento dos pesos.Palavras chave: Lei de Hooke, constante da mola, série, paralelo, coeficiente angular 
Introdução
O físico inglês Robert Hooke foi quem primeirodemonstrou que muitos materiais elásticosapresentam deformação diretamente proporcional auma força elástica, resistente ao alongamentoproduzido:Onde :

=
−∆
 Sendo k a constante elástica da mola e
∆
palongamento ou encurtamento que ocorre na mola.Cada mola possui um k característico, essaconstante traduz a rigidez da mesma, ou seja, é umamedida que representa a sua dureza. Quanto maiorfor a constante Elástica, maior será a sua dureza.É importante ressaltar que o sinal negativoobservado na expressão da Lei de Hooke, significaque o vetor Força Elástica, possui sentido oposto aovetor deformação, isto é, possui sentido oposto adeformação.A lei de Hooke pode ser utilizada desde que olimite elástico do material não seja excedido.Podemos associar duas molas em série, ondeuma força
 
será aplicada igualmente naextremidade de cada mola, sofrendo cada qual umadeformação:
∆
é

=
∆
1
+
∆
2
=
é

 Ou seja,
é

=
1
+
2
 No caso da associação em paralelo, a força
,aplicada ao conjunto é dividida entre as duas molas,com valores P
1
e P
2
, e deformam-se de uma mesmaquantidade, tal que:
=

∆
=
1
∆
+
2
∆
 Ou seja,

=
1
+
2
 
Procedimento ExperimentalMateriais Necessários
 
02 molas helicoidais;
 
 
01 conjunto de massas acopláveis
 
 
Suporte para as molas
 
 
Ganchos para pendurar as molas
 
 
Base com hastes verticais
 
 
01 Régua milimetrada
 
 
01 Balança
 Montagem do Experimento
 
Colocar uma única mola, e sem forçaaplicada, determinar o comprimento inicialda mola (x
0
).
 
Pendure o porta peso com massaconhecida, e anote o valor correspondentea deformação da mola.
 
Retire o porta peso e refaça o passoanterior mais 3 vezes.
 
Coloque valores diferentes de massasconhecidas e meça a deformaçãoocorrente. Meça 4 vezes em cada caso.
 
Ao retirar a massa, observe se não houvenenhuma deformação permanente.
 
Repita os passos anteriores para a segundamola.
 
Repita a experiência usando duas molasidênticas em série.
 
Repita a experiência usando duas molasidênticas em paralelo.
Resultados e Discussão
Para cada mola utilizou-se valores de massasdiferentes, apresentadas a seguir:Mola 01 D= 07 mmM1= 0,057 kgM2= 0,107 kgM3= 0,157 kg
 
Mola 02 D=13 mmM1= 0,030 kgM2= 0,053 kgM3= 0,077 kgM4= 0,100 kgOs resultados obtidos a partir da realização daprimeira parte do procedimento, da associação emsérie e da associação em paralelo estão presentesnas Tabela 1, Tabela 2, Tabela 3 e Tabela 4.
Tabela 1:
Mola 1 simples com X
0
= 12,8 cm
M1 M2 M3X
1
= 16 cm X
1
=19 cm X
1
=21,6 cmX
2
=16,2 cm X
2
=18,9 cm X
2
=21,8 cmX
3
=16,1 cm X
3
=19 cm X
3
=21,9 cmX
4
=16,1 cm X
4
=19 cm X
4
=21,9 cm
=
16,1
=
18,975
=
21,8
Tabela 2:
Mola 1 em série com X
0
= 25,6 cm
M1 M2 M3X
1
=32,2 cm X
1
=38,1 cm X
1
=44,0 cmX
2
=32,3 cm X
2
=38,0 cm X
2
=44,1 cmX
3
=32,1 cm X
3
=38,2 cm X
3
=43,9 cmX
4
=32,2 cm X
4
=38,0 cm X
4
=44,1 cm
=
32,2
=
38,075
=
44,025
Tabela 3:
Mola 1 em paralelo com X
0
= 12,8 cm
M1 M2 M3X
1
= 14,6 cm X
1
=16 cm X
1
=17,4 cmX
2
=14,4 cm X
2
=15,9 cm X
2
=17,3 cmX
3
=14,5 cm X
3
=16 cm X
3
=17,3 cmX
4
=14,5 cm X
4
=16,1 cm X
4
=17,4 cm
=
14,5
=
16
=
17,35
Tabela 4:
Mola 2 simples com X
0
= 10,2 cm
 M1 M2 M3 M4X
1
=18,8 X
1
=27,9 X
1
=37,1 X
1
=46,1X
2
=18,7 X
2
=27,9 X
2
=37,0 X
2
=46,0X
3
=18,9 X
3
=28,0 X
3
=37,1 X
3
=46,2X
4
=19,0 X
4
=28,0 X
4
=37,2 X
4
=46,1
=
18,85
=
27,95
=
37,1
=
46,1
Em anexo encontra-se os gráficos da força pesoem função das elongações das molas para os quatroconjuntos de dados coletados.Para elaboração do gráfico calculou-se a forçapeso de cada mola com cada carregamento. Comomostrado abaixo, utilizando como gravidade :
= 9,78±0,07
/
²
 
 Mola 01
M1=
(0,057 ±0,0005)kg
=
9,78± 0,07
×(0,057 ±0,0005)
 
=
,

±
,

 
M2:
(0,107 ± 0,0005)kg
 
= (
,

±
,

)
 
M3:
(0,157 ± 0,0005)kg
 
= (
,

±
,

)
 
 Mola 02
M1:
(0,030± 0,0005)kg
 
= (
,

±
,

)
 
M2:
(0,053± 0,0005)kg
 
= (
,

±
,

)
 
M3:
(0,077± 0,0005)kg
 
= (
,

±
,

)
 
M4:
(0,100± 0,0005)kg
 
= (
,

±
,

)
 
Como em todos os casos quando não houverforça peso sendo aplicada não haverá deformação,assim todos os gráficos passarão pela origem.Ajuste de curva mola 01
0,0130021
2
= 0,20277758
 
=

,

.
∆
 
Ajuste de curva mola 01 em série
0,053866625
2
= 0,45024675
 
=
,

.
∆
 Ajuste de curva mola 01 em paralelo
0,00338325
2
= 0,11282697
 
=

,

.
∆
 Ajuste de curva mola 02
0,2401595
2
= 0,67105959
 
=
,

.
∆
 
Determinando os coeficientes angulares nosgráficos podemos identificar a constante da molapara cada caso:
Tabela 5:
Coeficiente Angular da mola
 Mola Coef. AngularMola 01 17,009Mola 01 em série 8,361Mola 01 em paralelo 33,348Mola 02 em série 2,799Analisando os gráficos ajustados podemosafirmar que estes se comportam como uma retacrescente , assim quanto maior a elongação maior aforça aplicada na molas.Isso prova que as molas obedecem a Lei deHooke, pois aplicando um carregamento elassofreram um alongamento e cessando ocarregamento retornaram a uma mesma posição deequilíbrio.Também podemos analisar a relação daconstante elástica com o diâmetro do enrolamento,onde quanto maior o diâmetro menor é o valor daconstante da mola.Essa constante elástica tem como funçãodeterminar uma proporção entre variação docomprimento da mola e a força aplicada.

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->