Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more ➡
Download
Standard view
Full view
of .
Add note
Save to My Library
Sync to mobile
Look up keyword or section
Like this
6Activity
×
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Curso Biblico Do at e NT

Curso Biblico Do at e NT

Ratings: (0)|Views: 1,381|Likes:
Published by fadasan

More info:

Categories:Types, Research, History
Published by: fadasan on Jul 02, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, DOC, TXT or read online from Scribd
See More
See less

11/25/2013

pdf

text

original

 
Curso Bíblico doAntigo Testamento e Novo Testamento
Índice
I - Curso Bíblico do Antigo Testamento
1. Êxodo e Formação do Povo de Deus
1.1 Chave de Leitura Bíblica1.2 Formação do Povo de Deus
2. O Projeto de Deus
2.1 Projetos da Sociedade Tribal2.2 Propostas a serem viabilizadas nesta nova sociedade2.3 Projeto dos Reis x Projeto de Deus
3. Monarquia e Profetismo
3.1 Causas Externas e Internas do surgimento da monarquia3.2 Profetas denunciam e anunciam3.3 1º e 2
o
Período Profético
4. Exílio e Pós-Exílio
4.1 Exílio Babilônico4.2 Os Profetas do Exílio4.3 A Profecia depois do Exílio4.4 Características das Novelas de Resistência4.5 Os Períodos de Dominação Estrangeira
II - Curso Bíblico do Novo Testamento
5. O Mundo da época do Novo Testamento
5.1 Textos de Flávio Josefo5.2 Para entender o Império Romano5.3 Repressão e Movimentos Populares na Época do Novo Testamento5.4 A Palestina na Época de Jesus
6. O mundo das Primeiras Comunidades
6.1 Grupos Religiosos em Israel6.2 O Ambiente das Primeiras Comunidades Cristãs6.3 A Condição Social dos Cristãos e a Atuação das Mulheres.6.4 O contexto dos anos 70 a 135 d. C
7. A Prática de Jesus
7.1
 Projeto a)
Quem é Jesus Cristo?7.1.1 Quem é Jesus Cristo?7.1.2 A Prática de Jesus7.1.3 Jesus Cristo propõe o Novo7.2
 Projeto b)
O Projeto de Jesus Cristo7.2.1 Análise da Conjuntura7.2.2 Programa de Ação Pastoral7.2.3 A Pastoral Camponesa de Jesus Cristo7.2.4 A prática libertadora de Jesus7.3
 Projeto c)
O Perfil de Jesus Cristo7.3.1 Quem foi Jesus?7.3.2 O Perfil de Jesus Cristo
8. A Primeira Comunidade Cristã
8.1 O Movimento Cristão8.2 Atos dos Apóstolos8.3 O Apóstolo Paulo8.4 A Proposta da Comunidade Cristã
9. O Apocalipse de João
9.1 Como nasceu e cresceu o Apocalipse9.2 O Confronto de Duas Propostas9.3 Uma visão da estrutura do livro do Apocalipse de João9.4 Símbolos e Imagens no Apocalipse
10. Leitura da Bíblia
10.1 Leitura Popular da Bíblia10.2 A Leitura Feminista da Bíblia10.3 Proposta de estudo da Bíblia em Grupo10.4 Esquema de Interpretação Bíblica
MapasMapa do Tempo Bíblico
23466667888999101112131314161823232627283131313233333334343435354143434343444646484950525254545658
Os 4,6: O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento.
1
 
Para viabilizar este Curso Bíblico é importante haver a assessoria da pastora ou do pastor da comunidade.Segue um esquema para montar um Curso Bíblico em
10 etapas
(dias) (no sínodo, na paróquia ou numacomunidade): 4 encontros do AT e 6 encontros do NT. Pensa-se em
um
encontro
 
de
um
dia
ao mês
(das 8,30até às 17 horas). Na verdade pode-se fazer 12 encontros com os assuntos aqui propostos (se realizar todos osProjetos
a), b), c)
sobre a Prática de Jesus). Coloco alguns esquemas e textos que podem ser usados como estão ou pode-se modificar o projeto e deixar assuntos fora ou acrescentar conforme a necessidade e a realidade do grupoque irá fazer o estudo.
Observação:
1.Propõe-se que no início e no fim do dia haja uma pequena celebração onde os textos básicos estudados nodia serão lidos e contextualizados na caminhada das pessoas do grupo e na vida do país e da igreja. Propõe-se que na sala onde se reúnem para o estudo haja um altar com a cruz ou crucifixo, vela, flores, panoslitúrgicos e símbolos das lutas do povo.2.Cada qual pode utilizar dinâmicas e outros recursos conforme as necessidades.3.Para o almoço e lanches cada participante pode trazer a sua comida que pode ser colocada numa mesacomum e se faz as refeições de forma comunitária.
I - Curso Bíblico do Antigo Testamento
1
o
Dia
1. Êxodo e Formação do Povo de Deus
#
Ler esta introdução na plenária e não esquecer de ler os textos bíblicos citados
Introdução
É importante que se dê atenção não só ao conteúdo, mas também à unidade de toda a Escritura. Ou seja, não basta conhecer as coisas que estão na Bíblia; é preciso saber situá-las dentro de uma visão global que as interprete eexplique. Uma visão global funciona como chave de leitura. É uma luz que nos clareia a história do Povo de Deus.Ajuda a reler os textos antigos com olhos novos e a formar-nos, assim, uma idéia nova e atualizada do Projeto deDeus, da Vontade de Deus.A visão global que se tem da Bíblia muda (e deve mudar) de acordo com os desafios e problemas que o povo enfrenta em cada época da sua história. Não se trata, porém, de uma coisa arbitrária que alguém inventa para propagar idéias novas sem consistência. Uma boa visão global deve estar fundamentada nos fatos da história,narrados pela Bíblia. Ela nasce do estudo da letra, do texto, dos mesmos textos de sempre. Mas não só! Nascetambém do Espírito, de uma nova experiência de Deus, do mesmo Deus de sempre, que, no passado, conduziu o povo, inspirou os textos e, até agora, continua vivo e presente no meio do povo. Com essa experiência de Deus nosolhos, o povo lê ou relê a Bíblia para encontrar nela a luz e a força que o ajudem a superar os desafios e problemasda caminhada.A própria Bíblia se preocupa em oferecer aos seus leitores a possibilidade de uma boa e bem atualizadavisão global da história, de acordo com as exigências da situação em que eles se encontram. Por exemplo, váriossalmos oferecem um resumo do passado, mas cada um o faz com um objetivo diferente: salmo 105, como motivode louvor; salmo 106, como motivo de revisão; salmo 107, como motivo de reanimação etc. Nas várias épocas dasua história, o povo hebreu chegou a elaborar uma síntese ou visão global da história que respondesse aos problemas da época. Em toda parte da Bíblia aparecem pequenos resumos do passado na boca dos grandes personagens: Josué (Js 24, 2-13); Moisés (Dt 1-11; 32,1-43); Aquior, o amonita (Jt 5,5-21); Estêvão (At 7,2-53);Paulo (At 13,16-25); etc. Com essas e outras sínteses, a Bíblia convida o leitor a não se fixar numa mesma idéia do passado, ajuda-o a reler o passado com olhos renovados e a se formar, assim, um nova visão global.Reencontramos aqui, na própria Bíblia, o mesmo esquema básico de leitura já encontrada na prática dos pobres. Leitura que parte:(1)da realidade que se vive hoje;(2)da fé da comunidade a que se pertence;(3)de um respeito profundo pelo texto que se lê.Leitura que tem o mesmo objetivo: com a ajuda da Bíblia, descobrir a Palavra de Deus que está na vida.
A importância de se ter uma boa visão global da Bíblia
a) É um meio didático eficaz para se conhecer e memorizar o passado; ajuda o povo a não perder a memórianem a própria identidade. b) Ajuda a perceber que a unidade da Bíblia vem do rosto de Deus, isto é, vem da percepção da Vontade deDeus para nós hoje, do seu Projeto. Os detalhes desta Vontade Divina estão espalhados por todas as páginas daBíblia.c) Ajuda a perceber que a Bíblia foi escrita não só para ensinar o passado, mas também e sobretudo paraapresentá-lo como espelho e símbolo do presente; deste modo, a visão global ajuda o povo a perceber melhor osentido da sua caminhada.d) Ajuda a situar as várias partes da Bíblia dentro do conjunto maior; deste modo, ajuda a relativizar as possíveis contradições entre os vários livros.e) Ajuda a perceber que a Bíblia tem finalidade didática e que, por isso mesmo, tem as suas limitações. Nemsempre ela dá atenção suficiente aos detalhes dos fatos e dos conflitos que ela descreve.
Os 4,6: O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento.
2
 
f) Ajuda a situar o texto dentro do seu contexto mais amplo: literário, histórico e teológico. Amplia, assim, osentido e impede que este seja manipulado por uma atitude fundamentalista.g) Ajuda e favorece o objetivo da leitura da Bíblia: "Oxalá ouvísseis hoje a sua voz!" (Sl 95,7). Uma boavisão global da Bíblia é, ao mesmo tempo, semente e fruto de uma nova experiência do Deus Libertador.
1.1 - Chave de Leitura Bíblica:
Êxodo – Cruz/Ressurreição
#
a) Êxodo
Reunir em grupos e ler a Confissão de Fé de Israel – 
Dt 6, 20 – 23
:1.De que assuntos fala o credo (confissão de fé) de Israel e qual o conflito central do texto.2.O que os temas desta confissão propõe para nós hoje?Em Dt 6, 20 – 23 -
Deus age:
 
- a favor
da classe dos escravos: os liberta e os conduz à terra
- contra
a classe do Estado - o Faraó (Monarquia) – papel do Faraó: Ex 5, 1 - 14- o Egito (Estado) – papel do Estado: Ex 1 - 2-a falia do Faraó – papel da descendência: Ex 1, 8 – 14
Reunir em grupos e ler 
Êxodo 3, 1-22
:1.Ver as características de Deus no texto (característica é como Deus aparece e o que ele faz).2.Como Deus hoje se manifesta e que características ele tem hoje?
b) Cruz/Ressurreição
Ler em Plenário I Co 15, 3-4: Quais os assuntos que aparecem no texto e qual o conflito central do texto.Depois: Discutir a questão da ressurreição do corpo e da alma: O que ressuscita ? O corpo ou a alma? A alma éimortal e o corpo mortal? O corpo morre e a alma ressuscita? O que a Bíblia diz sobre a ressurreição? O que aconfissão de fé na ressurreição do corpo tem a ver com a luta por justiça e vida melhor do povo brasileiro?Pode-se ler o texto a seguir após a discussão em plenária, se houver necessidade.
Cremos na ressurreição do corpo
 – diz o Credo ApostólicoO que significa isso?A confissão de fé dos primeiros cristão em I Coríntios 15,3-4 diz: Jesus Cristo morreu pelos nossos pecados,foi sepultado (morto) e ressuscitou.
 A cruz e a ressurreição de Jesus Cristo são o centro da fé cristã.
Cremos naressurreição do corpo, como diz no final do Credo Apostólico. Se o corpo ressuscita então ele deve ser valorizado enão pode ser escravizado, explorado e torturado. Como diz Paulo em I Coríntios 6, 19: “Acaso não sabeis que ovosso corpo é santuário do Espírito Santo que está em vós...” Explorar alguém é explorar a Deus.
A fé na ressurreição da alma nada tem a ver com a fé cristã
. A questão da ressurreição da alma vem dafilosofia grega, que ajudava a legitimar o sistema econômico escravista dos gregos. Os gregos baseavam a suaeconomia na exploração da mão de obra escrava e por isso esta filosofia vinha muito bem para eles. Assim podiamencarar o corpo dos escravos como uma embalagem descartável; pois o que interessava mesmo era a alma. Osgregos diziam que a alma é imortal e vem dos deuses e quando o corpo morre ela volta para os deuses. Assim, paraeles, o corpo é mera embalagem que dá para explorar e escravizar, enfim, é descartável.O espiritismo fala algo semelhante quando se refere à reencarnação e com isto também legitima a opressão,exploração e a tortura. Por que? Porque para eles o espírito (alma) é imortal e o corpo também é mera embalagem.O espiritismo diz: "A única lei geral é que toda falta terá punição e terá recompensa todo ato meritório". O sentidoda reencarnação, ou seja, o sentido da vida na Terra, seria unicamente pagar a culpa neste "planeta da expiação".Tudo deve ser pago, expiado (reparado). "( ... ) a expiação consiste nos sofrimentos físicos e morais que lhe sãoconseqüentes, seja na vida atual, seja na vida espiritual após a morte, ou ainda em nova existência corporal". Comisto se justifica todo o sofrimento, tortura, pobreza, opressão e exploração dizendo que é coisa boa e necessária paraa salvação.Léon Denis, o sucessor de Kardec, afirma: "Não, a missão do Cristo não era resgatar com sangue os crimesda humanidade: o sangue, mesmo o de um Deus, não seria capaz de resgatar ninguém. Cada qual deve resgatar-seda ignorância e do mal. Nada de exterior a nós poderia fazê-lo." (Léon Denis, Cristianismo e Espiritismo, 5. ed.,Rio de janeiro, p. 81). E o órgão oficial da Federação Espírita Brasileira reconfirma: "A salvação não se obtém por graça nem pelo sangue derramado por Jesus no madeiro", mas a salvação é o ponto de esforço individual que cadaum emprega, na medida de suas forças" (O Reformador, Rio de Janeiro, 10, 1955, p. 236). Por isso não dá para ser cristão e espírita ao mesmo tempo.Para a Bíblia corpo e alma são uma coisa só e não duas coisas distintas. Não somos qualquer coisa, somosimagem de Deus, somos santos (Efésios 1,1). Alma é a vida que está no corpo. Se morrermos morre tudo e Deusrecria um novo corpo com a ressurreição, como lemos em I Coríntios 15, 35 - 58. A questão da imortalidade daalma também não é bíblica e nem luterana. A Bíblia diz que somente Deus é imortal em I Timóteo 6, 15 - 16: “... oRei dos reis e o Senhor dos senhores; o único que possui imortalidade”. Se o corpo e a alma são uma coisa só e se ocorpo ressuscita então não dá para escravizar e explorar o corpo (a vida) de uma pessoa. Por isso
os cristãos nãoadmitem a escravidão, o racismo, a exploração, a tortura, o fato de existirem agricultores sem terra, famíliassem teto, trabalhadores com salário indigno e desemprego pois tudo isto atinge e degenera o corpo
(a vida)
das pessoas.
Jesus curou tantas pessoas porque ele estava valorizando o corpo, a vida, das pessoas. Deus mesmo sefez carne, corpo, matéria para nos mostrar a valorização do corpo, da vida, na Páscoa.
Os 4,6: O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento.
3

Activity (6)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 thousand reads
1 hundred reads
Waldemir Franco liked this
Andre Santos liked this
Nancy Nunes liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->