Enjoy this title right now, plus millions more, with a free trial

Free for 30 days, then $9.99/month. Cancel anytime.

Regime fechado: Histórias do cárcere

Regime fechado: Histórias do cárcere

Read preview

Regime fechado: Histórias do cárcere

ratings:
3/5 (3 ratings)
Length:
114 pages
1 hour
Publisher:
Released:
Dec 10, 2019
ISBN:
9786580430611
Format:
Book

Description

Regime Fechado é um convite para que os brasileiros conheçam de perto, sob olhar cronista da juíza catarinense Débora Zanini, histórias do cárcere no Brasil. Apesar de o país ter a terceira maior população carcerária do mundo, poucos sabem o que acontece atrás das grades.



Envolvida neste universo com relatos e abordagens fiéis de quem está para completar 20 anos no Judiciário, a autora traz a todos os leitores casos curiosos, realistas e outros mais chocantes. As cenas dessa rotina velada são somadas às gírias e aos dialetos dos prisioneiros, os protagonistas desse livro. Do lado de cá, você vai conhecer a jovem miss que teve a beleza severamente destruída por uma colega de cela. Sem nem dar tempo de tomar fôlego, passará a conhecer cada vez mais sobre esse mundo paralelo, como o caso do preso que enganou até os próprios presidiários com uma falsa doença. Vai também se emocionar com a história de uma bebê que viveu como uma detenta até ser adotada. Uma fuga frustrada, presos comportados, traficantes perigosos e até a estranheza de uma apenada ter um sapo como animal de estimação.



Nas palavras da juíza Débora Zanini, os bastidores deste Regime Fechado agora estão abertos para você, leitor...
Publisher:
Released:
Dec 10, 2019
ISBN:
9786580430611
Format:
Book


Related to Regime fechado

Related Books

Book Preview

Regime fechado - Débora Driwin Rieger Zanini

Isabella.

AGRADECIMENTOS

Aos meus pais, Gastão e Sílvia, que sempre priorizaram a educação, incentivando-me a buscar uma carreira profissional sólida.

Ao Carlos, Isabella e Chiquinho, os amores de minha vida.

A minha irmã Bárbara e a minha mana de coração Rosilane, por serem amigas e parceiras de todas as horas.

À Fabiana, minha fiel escudeira, que cuida com amor de minha família, dos meus gatinhos e de minha casa.

Não posso deixar de agradecer efusivamente aos agentes penitenciários do DEAP, que relembraram – e me contaram – situações inusitadas vivenciadas por eles próprios, ao longo de muitos anos trabalhando no Sistema Prisional.

São eles: Maira de Aguiar Montegutti, Rodrigo Ferreira, Bárbara Santos de Souza, Regina Cândido, Jaques Feltrin Fernandes, André Gustavo da Silveira, Wagner Batista Ismael, Alexandre Pereira Machado, Felipe Alves Goulart, Alexandre José dos Santos, Max Dagostin de Mello, Júnior Rodrigo Fagundes e Victor de Souza Abel.

Muito obrigada mesmo, meus queridos. Sem vocês, esta singela obra não teria sido possível.

Agradeço também ao dileto colega de Magistratura, Dr. Rubens Sérgio Salfer, que gentilmente aceitou escrever o prefácio deste livro. Obrigada, Dr. Salfer. É uma honra sucedê-lo na Vara de Execuções Penais.

Agradeço aos leais servidores, assessores e estagiários da Vara de Execuções Penais da Comarca de Criciúma, que tornam meu dia mais fácil, alegre e agradável. Vocês são ótimos.

Por fim, agradeço a minha família e aos meus amigos por acreditarem em meu trabalho.

Muito obrigada a todos.

PREFÁCIO

Depois de quatro lustros na judicatura, tive a subida honra de ser invitado a prefaciar o opúsculo Regime Fechado – Histórias do Cárcere, da lavra de Débora Driwin Rieger Zanini.

A autora, insigne Magistrada (com M maiúsculo) da Vara de Execuções Penais da Comarca de Criciúma (SC), detém a competência para conduzir mais de dois mil processos de apenados (as) que cumprem suas reprimendas nos regimes fechado, semiaberto, aberto e liberdade condicionada, além de lhe incumbir a Corregedoria da Penitenciária Feminina (286 vagas), Penitenciária Sul (666 vagas) e Presídio Regional (696 vagas), todas as Unidades Prisionais com suas lotações esgotadas, quando não excedidas. Uma das raras, neste Brasil varonil, com audácia e denodo para levar esta azáfama ao cabo e ao fim.

Nestas plagas, com fascínio se pode afirmar que somente a ela é dado o privilégio de repetir as palavras do colega catarinense João Alfredo Medeiros Vieira: Senhor! Eu sou o único ser na Terra a quem Tu deste uma parcela de Tua onipotência: o poder de condenar ou absolver meus semelhantes. Diante de mim as pessoas se inclinam; a minha voz acorrem, a minha palavra obedecem, ao meu mandado se entregam... Ao meu aceno as portas das prisões se fecham às costas do condenado ou se lhe abrem, um dia, para a liberdade.

Escreveu Dante Alighieri (A Divina Comédia) que em seu inferno o entrante deveria abandonar ...toda a esperança de ver o céu outra vez, pois vou levar-vos às trevas eternas.... Digo eu que o excerto, com pequenas variações, poderia ser aproveitado às masmorras, grafando-se em seu umbral: Oh vós que entrais, deixais aqui fora todas as vossas esperanças!.

Neste contexto, é permissível entrever as indescritíveis ocorrências, casos e causos perpetrados por alguns apenados. Estes dividem um exíguo espaço com seus companheiros de cela por anos, dispondo de incontáveis horas para arquitetar as mais malévolas e nefastas atrocidades, algumas delas com o desenlace desastrado, atestando o anexim popular que a mente ociosa é a oficina do diabo, como revelam as Histórias do Cárcere.

Outros, e não raros, resolvem trilhar trajetórias distintas, dando um curso diverso para as suas vidas com esforço, disciplina, estudos e labuta diária, quiçá de orações, para depois que as portas se fecharem às suas costas perderem-se entre os milhões de ignotos brasileiros, confirmando o dito por Rui Barbosa em sua Oração aos Moços, que se a sociedade não pode igualar os que a natureza criou desiguais, cada um, nos limites da sua energia moral, pode reagir sobre as desigualdades nativas, pela educação, atividade e perseverança. Tal a missão do trabalho, que aqueles outros têm a ojeriza de pronunciar, quanto menos engendrar.

Mergulhada neste universo que, certamente, exaure a capacidade laboral e intelectual da cronista, esta logrou espiolhar tempo para pinçar casos reais, gírias e patoás, entre outras ocorrentes no calabouço e fora dele, descritos de forma divertida, fácil e envolvente, devorado em horas, retratando com fidelidade os labirintos da enxovia e de seus protagonistas, só externado por aqueles versados nestas fainas.

Ao arremate, só nos resta aguardar pela próxima brochura relatando as odisseias da rabacuada social reincidente, a mesma que despreza a decência, zomba da sociedade organizada e debocha das leis e da ordem, fazendo ver que são afeiçoadas às grades, às tribulações e aflições que o cárcere lhes proporciona, verdadeiro fadário maligno afundado na infelicidade, até que a piedade infinita lhes recolha ao eterno esquecimento. É o epílogo de um destino sem epitáfio.

De outra sorte, aqueles que arrostam ao horror da consciência e logram salvar-se a tempo desses tremedais, certos de que o reverbério e a reprimenda sofrida e vivenciada tenham sido suficientes para transformar suas vidas, o mais das vezes também optam pelo esquecimento, todavia, agora a piedade infinita lhes reserva uma lápide: Nunc quis ego sum (Agora eu sou alguém).

Rubens Salfer

Juiz de Direito aposentado

Nota da autora

Há muito eu nutria uma imensa vontade de relatar – e publicar – fatos cotidianos do Fórum, casos que carregam um DNA inconfundível, sejam eles marcados pelo humor, ou pela dor.

Minha história no Poder Judiciário teve início no fim dos idos anos de 1995. Recém-aprovada no concurso de Técnico Judiciário Auxiliar do TJSC, fui trabalhar na Vara da Família da Comarca de Criciúma.

Meu trabalho consistia em atender ao balcão, separar processos, atualizar fichas, confeccionar mandados e datilografar audiências, assessorando os

You've reached the end of this preview. Sign up to read more!
Page 1 of 1

Reviews

What people think about Regime fechado

3.0
3 ratings / 0 Reviews
What did you think?
Rating: 0 out of 5 stars

Reader reviews