Enjoy millions of ebooks, audiobooks, magazines, and more, with a free trial

Only $11.99/month after trial. Cancel anytime.

Princípios químicos em produtos cosméticos e sanitários: saúde e beleza na sua mão
Princípios químicos em produtos cosméticos e sanitários: saúde e beleza na sua mão
Princípios químicos em produtos cosméticos e sanitários: saúde e beleza na sua mão
Ebook708 pages5 hours

Princípios químicos em produtos cosméticos e sanitários: saúde e beleza na sua mão

Rating: 0 out of 5 stars

()

About this ebook

Este livro é vertido a todos interessados em química, farmácia e cosmética, desde o estudante de graduação até o profissional sénior. São descritas as reações químicas e os processos da fabricação de sabão, detergentes e outros princípios sanitários e mostra quais as formulações dos produtos de limpeza e higiene pessoal que nós usamos no dia-a-dia. A funcionalidade das formulações cosméticas se entende à base do conhecimento sobre as partes externas do nosso corpo – pele, cabelo, unha e dente. Finalmente, o livro apresenta uma coleção de formulações, tanto industriais como caseiras destes produtos.

Os motivos mais emergentes de ler este livro podem ser resumidos:
► Aplicar os conhecimentos sobre as funcionalidades dos componentes em produtos cosméticos;
► Incentivar o leitor a produzir algo de valor e utilidade, através do qual desenvolve espírito empreendedor;
► Facilitar a comparação entre os produtos caseiros e industrializados, tanto no preço quanto ao desempenho;
► Despertar interesse e abrir perspectivas para um futuro profissional com o próprio empreendimento.

Note que este livro se restringiu à forma masculina das pessoas, do tipo "o cliente", "o consumidor" ou "o freguês". O único motivo para tal foi proporcionar maior facilidade na leitura deste texto – bem sabendo que a maioria dos consumidores de produtos cosméticos é feminina! Peço sua compreensão, prezado(a) leitor(a) e amig@s dos cosméticos...
LanguagePortuguês
PublisherEditora Buqui
Release dateAug 10, 2021
ISBN9786589695448
Princípios químicos em produtos cosméticos e sanitários: saúde e beleza na sua mão
Read preview

Related to Princípios químicos em produtos cosméticos e sanitários

Related Books

Related Articles

Reviews for Princípios químicos em produtos cosméticos e sanitários

Rating: 0 out of 5 stars
0 ratings

0 ratings0 reviews

What did you think?

Tap to rate

    Book preview

    Princípios químicos em produtos cosméticos e sanitários - Armin Franz Isenmann

    Princípios químicos em produtos cosméticos e sanitários

    © Armin Franz Isenmann 2021

    Produção editorial: Vanessa Pedroso

    Imagem de capa: illusman500 (Shutterstock)

    Design de Capa: Nathalia B. Cecconello

    Editoração: Nathalia B. Cecconello

    Conversão para ebook: Cumbuca Studio

    CIP-Brasil. Catalogação na Publicação

    Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ

    I75p Isenmann, Armin Franz

    Princípios químicos em produtos cosméticos e sanitários [recurso eletrônico] : saúde e beleza na sua mão / Armin Franz Isenmann

    1. ed. - Porto Alegre [RS] : Buqui, 2021.

    recurso digital

    Formato: epub

    Requisitos do sistema: adobe digital editions

    Modo de acesso: world wide web

    ISBN 978-65-89695-44-8 (recurso eletrônico)

    1. Cosméticos - Indústria. 2. Cosméticos - Estrutura.

    3. Cosméticos - Composição. 4. Produtos de limpeza - Indústria.

    5. Produtos de limpeza - Estrutura. 6. Produtos de limpeza - Composição. 7. Livros eletrônicos. I. Título.

    21-71764 | CDD: 668.55 | CDU: 665.1.091

    Meri Gleice Rodrigues de Souza - Bibliotecária - CRB-7/6439

    Todos os direitos desta edição reservados à

    Buqui Comércio de Livros Eireli.

    Rua Dr Timóteo, 475 sala 102

    Porto Alegre | RS | Brasil

    Fone: +55 51 3508.3991

    www.editorabuqui.com.br

    www.facebook.com/buquistore

    www.instagram.com/editorabuqui

    Princípios químicos em produtos cosméticos e sanitários

    Apresentação

    O Brasil ocupa o quarto lugar no mundo, em volume de negócios de produtos de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos. Atuam neste mercado desde microempresas até as multinacionais. Visto um mercado buscando cada vez mais atender a demanda dos consumidores, este livro foi elaborado para explicar os princípios dos cosméticos e sanitários, como são apresentados ao público. O funcionamento e as necessidades de diversas partes do nosso corpo formam a base para entender o papel de cada ingrediente. E para cada função existem diversos derivados químicos que podem ser usados. Enfim, as variações são infinitas, mas o produto pode ser planejado e orçado. Numerosos exemplos e receitas comprovam o grande potencial destes produtos.

    Objetivos deste livro

    Este livro é vertido a todos interessados em química, farmácia e cosmética, desde o estudante de graduação até o profissional sénior. São descritas as reações químicas e os processos da fabricação de sabão, detergentes e outros princípios sanitários e mostra quais as formulações dos produtos de limpeza e higiene pessoal que nós usamos no dia-a-dia. A funcionalidade das formulações cosméticas se entende à base do conhecimento sobre as partes externas do nosso corpo – pele, cabelo, unha e dente. Finalmente, o livro apresenta uma coleção de formulações, tanto industriais como caseiras destes produtos.

    Os motivos mais emergentes de ler este livro podem ser resumidos:

    Aplicar os conhecimentos sobre as funcionalidades dos componentes em produtos cosméticos;

    Incentivar o leitor a produzir algo de valor e utilidade, através do qual desenvolve espírito empreendedor;

    Facilitar a comparação entre os produtos caseiros e industrializados, tanto no preço quanto ao desempenho;

    Despertar interesse e abrir perspectivas para um futuro profissional com o próprio empreendimento.

    Note que este livro se restringiu à forma masculina das pessoas, do tipo o cliente, o consumidor ou o freguês. O único motivo para tal foi proporcionar maior facilidade na leitura deste texto – bem sabendo que a maioria dos consumidores de produtos cosméticos é feminina! Peço sua compreensão, prezado(a) leitor(a) e amig@s dos cosméticos...

    - O Autor -

    Sumário

    1 Aspecto econômico da indústria cosmética

    1.1 Insumos do setor HPPC

    2 Classificação dos cosméticos

    3 Cosméticos - seus poderes e suas restrições legais

    4 Quem conhece sua pele?

    4.1 A pele - nosso maior órgão

    4.1.1 Existe uma diferença entre a pele feminina e masculina?

    4.1.2 Composição química dos triglicerídeos

    4.1.3 Ceramidas da nossa pele e seu papel em produtos cosméticos

    4.1.4 Esteróis contidos na gordura da pele

    4.1.5 Esqualeno

    4.2 Suor

    4.3 Disfunções da pele humana - acne

    4.3.1 Desenvolvimento clínico da acne vulgaris

    4.3.2 Como os cosméticos podem ajudar?

    4.4 Envelhecimento da pele

    4.5 Caracterização objetiva da pele humana

    4.6 Permeação e penetração cutânea por substâncias ativas

    4.7 Problemas acerca do cuidado da pele

    4.7.1 Limpeza da pele, conforme as diferentes regiões corporais.

    5 Creme de pele

    5.1 Partes funcionais em produtos aplicados na pele

    5.1.1 Ingredientes típicos em cosméticos para a pele

    5.1.2 Veículos usados nos produtos cosméticos para pele

    5.1.3 Muito grosso ou muito ralo? A reologia dá a resposta.

    5.1.4 Estrutura física do creme comum: a emulsão

    5.1.5 O papel dos aditivos emolientes em cosméticos tópicos

    5.1.6 Sobre os óleos usados em cremes

    5.1.7 Lanolina, o aditivo emoliente preferido em cosméticos tópicos

    Produção da lanolina

    Composição da lanolina

    Aplicações da lanolina e seus derivados em cosméticos

    5.1.8 Agentes umectantes

    5.1.9 Conservantes em cremes

    5.1.10 Formulação típica de um creme hidratante diurno:

    5.2.1 Vitaminas e sua aplicação tópica

    A família dos retinóides, vitamina A

    Vitamina B

    Vitamina C

    Vitamina D

    Vitamina E

    5.2.2 Hidroxiácidos

    Alfa-hidroxiácidos

    Beta-hidroxiácidos

    5.2.3 Alcoóis e terpenos com efeito benéfico ou terapêutico

    5.2.4 Novo astro no céu dos cosméticos: o ácido hialurônico

    5.3 Cada vez mais importante: Protetor Solar

    5.3.1 Proteção por absorção 18

    5.3.2 A nova geração de absorventes UV em cosméticos

    5.3.3 Mecanismos de absorção da radiação UV

    5.3.4 Bloqueador solar

    5.3.5 Filtros UV em formulações cosméticos e o fator FPS

    5.4 Antioxidantes

    Vitamina C

    Glutationa

    Vitaminas A e E

    Metais como catalisadores da foto-oxidação

    5.4.1 Antioxidantes lipofílicos e hidrofílicos

    5.5 Cosméticos para corrigir manchas na pele (discromias)

    5.5.1 Bronzeador de pele

    6 Produtos de limpeza

    6.1 O processo de lavagem sob a luz da termodinâmica

    6.2 Sabão tradicional

    6.2.1 Produção de sabão

    6.2.2 Aspectos mecanísticos acerca da produção de sabão a partir de gordura

    Saponificação do éster sob catálise básica

    Saponificação sob catálise ácida

    6.3 Detergentes sintéticos (Syndet)

    6.3.1 Detergentes aniônicos

    Sulfatos de monoalquila

    Sulfonatos de alquilbenzeno

    6.4 Outros tipos de detergentes sintéticos

    6.4.1 Detergentes catiônicos

    6.4.2 Detergentes zwitteriônicos e betaínas

    6.4.3 Detergentes não iônicos

    6.4.4 Discriminação dos syndets, conforme caráter hidrofílico da sua cabeça

    6.5 Vista geral sobre os detergentes sintéticos

    6.6 Comparação entre detergentes sintéticos e o sabão tradicional

    6.7 Limpeza da pele humana

    6.8 Sabão em pó e o processo de lavar roupa

    6.8.1 A base do detergente em pó

    6.8.2 Aditivos no detergente em pó

    6.8.3 Sistemas de branqueamento em detergentes em pó

    6.8.4 Fábrica do sabão em pó

    7 Zelar pelo cabelo

    7.1 Sobre o cabelo humano

    7.1.1 Desenvolvimento de um cabelo saudável

    7.2 Objetivos do cuidado de cabelo

    7.3 Xampu

    7.3.1 Desenvolvimento histórico

    7.3.2 Aplicação de xampu

    7.3.3 Critérios de qualidade em xampus

    7.3.4 Composição do xampu

    Água

    Agentes tensoativos principais

    Agentes tensoativos auxiliares

    7.4 Aditivos em xampus

    7.4.1 Conservantes

    7.4.2 Espessantes

    7.4.3 Agentes quelantes

    7.4.4 Balanço do pH e o uso de sistemas tampão

    7.4.5 Filtros de UV

    7.4.6 Aditivos organolépticos

    7.5 Fábrica de xampu

    7.6 Xampus especiais

    7.6.1 Xampu para cabelo oleoso

    7.6.2 Xampu para cabelo seco

    7.6.3 Xampu para cabelo estressado

    7.6.4 Xampu com efeito anti-caspa

    7.6.5 Xampu com coloração

    7.6.6 Xampu de bebê

    7.6.7 Xampus a seco

    7.6.8 Outros tipos de xampus

    7.7 Condicionador de cabelo

    Funcionamento geral do condicionador

    Requisitos aos tensoativos catiônicos usados no condicionador

    Formas de aplicação do condicionador

    7.8 Manipulação da forma do cabelo

    7.8.1 Styling gel

    7.8.2 Ondulação permanente e alisamento capilar

    7.8.3 Laquê de cabelo

    8 Coloração de cabelo

    8.1 Coloração natural

    8.2 Coloração permanente do cabelo

    8.2.1 Mecanismo do acoplamento do corante

    8.2.2 A etapa de alvejamento

    8.3 Coloração semi-permanente

    8.4 Coloração demi-permanente

    8.5 Coloração temporária

    8.6 Depilação e crescimento do cabelo

    9 Repelentes de insetos e inseticidas

    10 Desodorante

    10.1 Excurso: Silicones em cosméticos

    11 Higiene bucal

    As doenças mais frequentes na boca e suas causas

    Manutenção da saúde bucal e o papel da pasta de dente

    Diversificações entre as pastas de dente

    Um olhar crítico no fluór

    Os demais componentes da pasta de dente (função indireta)

    Tendências e suplementos na higiene bucal

    12 Cosmética decorativa

    12.1 Batom

    12.2 Esmalte de unha

    12.3 Maquiagem

    13 Formulações de produtos cosméticos

    13.1 Ingredientes comerciais em cosméticos

    13.1.1 Moléculas anfifílicas e seus valores HLB

    13.1.2 Ingredientes que não saem das polêmicas

    Triclosan

    Triclocarban

    Formaldeído

    Liberadores de formaldeído

    Alcatrão de carvão ou alcatrão de hulha

    Cocamida DEA

    BHA e BHT

    Chumbo

    Fragrâncias

    Parabenos

    Tolueno

    Oxibenzona

    Ácido Bórico

    Liberadores de dioxano

    Lauril sulfato de sódio

    Palmitato de retinol

    Ftalatos

    Flúor

    Abreviações usadas nas formulações a seguir

    13.2 Preparo de algumas misturas básicas

    13.2.1 Equipamento básico

    13.2.2 Avisos de segurança

    13.2.3 Sobre a pureza da soda cáustica utilizada no fabrico de sabão e detergente

    13.2.4 Sobre as gorduras utilizadas para o sabão caseiro

    13.2.5 Preparo da lixívia para o processo da saboaria a frio.

    13.2.6 Procedimento saboeiro a frio.

    13.2.7 Dicas para sabões refinados

    13.2.8 Como preparar um gel d´água transparente

    13.2.9 Faça seu próprio brancol

    13.3 Sabão comum para uso geral

    13.3.1 Sabão com restos de frituras (óleo usado) 67

    13.3.3 Sabão frio

    13.3.4 Sabão frio com detergente

    13.3.5 Sabão frio com silicato e caulim

    13.3.6 Sabão de coco

    13.3.7 Sabonete branco

    13.3.8 Sabão meio-quente

    13.3.9 Sabão quente

    13.3.10 Sabão transparente feito em caldeira

    13.3.11 Sabão líquido de óleo usado

    13.3.12 Sabão com álcool

    13.3.13 Base glicerinada fabricada pelo processo alcoólico

    13.3.14 Mais fórmulas caseiras para sabão em barra comum

    13.4 Produtos cosméticos para cabelo

    13.4.1 Xampu para cabelos normais

    13.4.2 Sabonete líquido glicerinado

    13.4.3 Xampu anti-queda

    13.4.4 Xampu de brilho para cabelos secos

    13.4.5 Xampu neutro para bebê

    13.4.6 Xampu para cabelo mais brilhante

    13.4.7 Xampu para cabelo seco e danificado

    13.4.8 Xampu para raízes oleosas e pontas secas

    13.4.9 Xampu cremoso com manteiga de Karité

    13.4.10 Xampu para cabelo longo com nutri DNA

    13.4.11 Xampu para cabelo normal

    13.4.12 Xampu modificado para cabelo oleoso

    13.4.13 Xampu contra caspas

    13.4.14 Xampu para casos graves de caspas

    13.4.15 Xampu bomba para crescimento de cabelo

    13.4.16 Condicionador de cabelo: Creme rinse desembaracante para uso diário 71

    13.4.17 Condicionador de cabelo: Creme rinse 71

    13.4.18 Condicionador para cabelos oleosos 71

    13.4.19 Condicionador para cabelo seco 71

    13.4.20 Condicionador de cabelo leave-in para hidratar o cabelo 71

    13.4.21 Umedecedor de cabelo

    13.5 Produtos cosméticos para pele e face

    13.5.1 Veículos para produtos de aplicação tópica na pele 71

    13.5.2 Produtos hidratantes para a pele corporal 71

    13.5.3 Receitas caseiras de beneficiar produtos cosméticos com o ativo Bepantol 73

    1. Esfoliante facial hidratante e removedor de manchas

    2. Máscara facial noturna para hidratação de peles normais a secas

    3. Hidratante intenso para calcanhar, cotovelo e regiões de atrito

    4. Esfoliante labial para uma boca lisinha e hidratada

    5. Xampu turbinado para cabelos secos ou danificados

    6. Demaquilante

    7. Creme hidratante antiestrias

    8. Máscara hidratante para nutrir e desembaraçar o cabelo

    13.5.4 Creme para a pele facial com problema de acne

    13.5.5 Pasta para a pele facial com problema de acne

    13.5.6 Máscara para a pele facial com problema de acne

    13.5.7 Produtos para a pele envelhecida e/ou com efeito anti-envelhecimento

    Gel com α-hidroxi ácidos

    Creme anti-envelhecimento contendo vitamina A

    Creme de pele com efeito anti-envelhecimento contendo vitamina E

    Gel hidratante contendo protetor solar

    13.5.8 Produtos clareadores e esfoliantes para a pele

    Gel-creme clareador (oil-free) 71

    Creme com ácido mandêlico

    Creme esfoliante 71

    Loção cremosa despigmentante 71

    Gel-creme clareador (oil-free) 71

    13.5.9 Cuidado labial

    Bálsamo labial de lavanda - cuidado natural e fragrância para lábios rachados

    Protetor labial a base de manteiga de karité e baunilha

    Protetor labial com mel

    13.5.10 Óleo trifásico

    13.5.11 Loção tônica adstringente

    13.5.12 Sabonete líquido

    13.5.13 Sabonete líquido, receita mais econômica.

    13.5.14 Sabonete para a pele facial com problema de acne 71

    13.5.15 Gel pós barba

    13.5.16 Álcool em gel

    13.5.17 Gel para ultrassonografia

    13.5.18 Gel de Babosa (Aloe Vera)

    13.5.19 Sais de banho

    13.5.20 Desodorante Líquido

    13.5.21 Repelente natural de insetos

    13.6 Produtos da higiene bucal

    13.6.1 Motivos para fazer a sua própria pasta de dente

    13.6.2 Pasta de dente à base de argila branca

    13.6.3 Pasta de dente à base de gel de babosa

    13.6.4 Pasta de dente à base de óleo de coco

    13.6.5 Enxaguante bucal – caseiro ou comercial?

    13.6.6 Enxaguante bucal com bicarbonato de sódio e óleos essenciais

    13.6.7 Enxaguante bucal com limão e canela

    13.6.8 Enxaguante bucal de ervas

    13.6.9 Enxaguante bucal simples com óleos essenciais

    13.7 Produtos domissanitários de uso geral

    13.7.1 Água sanitária

    13.7.2 Alvejante com peróxido de hidrogênio

    13.7.3 Sabão em pó

    13.7.4 Sabão em pó, receita II

    13.7.5 Detergentes líquidos

    13.7.6 Detergente neutro 75

    13.7.7 Detergente doméstico

    13.7.8 Detergente industrial

    13.7.9 Detergente econômico

    13.7.10 Detergente fera

    13.7.11 Detergente líquido, receita caseira I

    13.7.12 Detergente líquido, receita caseira II

    13.7.13 Sabão líquido para roupas, receita I

    13.7.14 Sabão líquido para roupas, receita II

    13.7.15 Sabão líquido de coco

    13.7.16 Desinfetante de pinho, receita I

    13.7.17 Desinfetante de pinho, receita II

    13.7.18 Desinfetante de pinho, receita III

    13.7.19 Desinfetante de pinho, receita IV

    13.7.20 Desinfetante de eucalipto, receita I

    13.7.21 Desinfetante de eucalipto, receita II

    13.7.22 Detergente Multiuso, receita I

    13.7.23 Multiuso, receita II

    13.7.24 Multiuso, receita III

    13.7.25 Multiuso caseiro

    13.7.26 Desinfetante caseiro

    13.8 Produtos domissanitários especiais

    13.8.1 Pasta de brilho transparente

    13.8.2 Sabão pastoso para mecânicos

    13.8.3 Solupan I (Fortíssimo)

    13.8.4 Solupan, receita II

    13.8.5 Limpa-vidros

    13.8.6 Cera Líquida

    13.8.7 Limpa-tudo à base de amoníaco, receita caseira

    13.8.8 Gel suave para limpeza

    13.8.9 Gel forte para limpeza

    13.8.10 Desengraxante ácido

    13.8.11 Desengraxante (fórmula industrial básica)

    13.8.12 Desengraxante para alvenaria e pedras

    13.8.13 Limpa pedras especial, receita I

    13.8.14 Limpa pedras especial, receita II

    13.8.15 Desengordurante tipo Ajax, receita I

    13.8.16 Desengordurante tipo Ajax, receita II

    13.8.17 Ajax, receita caseira I

    13.8.18 Ajax, receita caseira II

    13.8.19 Limpa chassis de caminhão

    13.8.20 Lustra-móveis

    13.8.21 Limpa-plásticos

    13.8.22 Limpa-carpetes

    13.8.23 Amaciante de roupas, receita profissional

    13.8.24 Xampu especial para cães e gatos

    13.8.25 Xampu para automóveis, receita I

    13.8.26 Xampu para automóveis, receita II

    13.8.27 Pretinho pneu

    13.8.28 Graxa para sapatos

    13.8.29 Pasta de limpeza para mecânico

    13.8.30 Pó para matar baratas

    13.8.31 Pega-moscas

    13.8.32 Amaciante de roupas, receita caseira

    13.8.33 Pasta para mecânico, receita caseira

    13.8.34 Cera para assoalho

    13.8.35 Sprays para passar roupas

    13.8.36 Produtos Brilha-alumínio

    13.8.37 Pasta para brilhar o alumínio, receita caseira

    13.8.38 Sabão doido

    13.9 Dicas como remover manchas

    14 Coleção de sites úteis na internet

    Sobre o Autor

    1 Aspecto econômico da indústria cosmética

    O volume de fatura mundial da indústria cosmética é considerável: em torno de 350 bilhões de US$ (2017) os consumidores gastam por ano para seus produtos de higiene pessoal! Em comparação: o PIB da Irlanda em 2018 foi de 382,5 bilhões US$.

    Nos mercados em países industrializados as faturas são estáveis em alto nível, mas nos países em desenvolvimento e no 3° mundo estão em crescimento de quase 10% por ano.

    Mais forte ainda a indústria brasileira de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos: nas últimas décadas os números referentes ao setor dos cosméticos no Brasil não param de crescer. Segundo o Panorama do Setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos, divulgado anualmente pela Abihpec (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos) ¹, a indústria brasileira de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos teve um crescimento médio, já descontando a inflação, de 10,5% por ano, na média tirada durante os anos 2000 a 2015; o faturamento saltou de R$ 4,9 bilhões em 1996 para R$ 24,9 bilhões em 2009.

    Com o melhor desempenho desde 2014, quando se iniciou a crise econômica no país, as vendas no Brasil de produtos de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (HPPC) fecharam 2019 com um crescimento superior a 3,9%, alcançando R$ 116,8 bilhões, em relação aos R$ 112,4 bilhões apurados no ano anterior ². Os dados são da Euromonitor International.

    Junto se desenvolveu a participação das mulheres no mercado de trabalho, a utilização de tecnologia de ponta e um aumento da produtividade. Em 2014 o setor cresceu por 11,8% sobre 2013, atingindo um faturamento de 43,2 bilhões de reais (Abihpec ¹).

    Os maiores crescimentos em vendas foram registrados pelos segmentos de produtos premium de beleza e higiene pessoal (12%), seguidos pelos dermocosméticos e produtos de prestígio de higiene e beleza. Vale ressaltar a diferença entre os produtos de prestígio e premium. Para a Euromonitor, os produtos de prestígio excluem os de massa e os dermocosméticos e os classificados como premium excluem apenas os de massa. Os piores desempenhos ficaram por conta dos depiladores (-2%) e color cosmetics (-1,1%).

    O Brasil permaneceu em 2019 na quarta posição no ranking mundial de consumo de HPPC, que é liderado pelos Estados Unidos, seguidos por China e Japão. A única alteração no top 10 global, em comparação com 2018, foi a Índia, que superou a França e assumiu a sétima posição.

    Considerando o desempenho das categorias no mercado global, o Brasil conservou o segundo lugar em fragrâncias e produtos masculinos. Outras categorias melhor posicionadas no ranking global são produtos de beleza e cuidados pessoais de massa, ocupando a terceira posição, e cuidados com os cabelos, na quarta.

    Figura 1. Consumo mundial de produtos HPPC em 2017.

    Tab. 1. O mercado mundial do setor HPPC em 2013 e seu crescimento. ³

    Existem no Brasil cerca de 2.500 empresas atuando no mercado de produtos de HPPC, sendo que 20 empresas de grande porte, com faturamento líquido de impostos acima dos R$ 100 milhões, representam 73,0% do faturamento total deste setor. Em 2006 já teve 15 empresas brasileiras de cosméticos que produziam nanocosméticos, principalmente para produtos antirrugas, anticelulite, cremes, loções para o corpo, gel anti-estrias, produtos para a área dos lábios e dos olhos e máscara facial e maquiagem com fotoprotetor, entre outros.

    Tab. 2. As maiores empresas do setor HPPC no Brasil (2008).

    A Figura 2 discrimina as faturas dos produtos, conforme a finalidade do cosmético. Ainda mostra a posição do Brasil no ranking do cenário mundial.

    Figura 2. Consumo dos cosméticos, conforme sua finalidade e importância do Brasil no cenário mundial (valores de 2017. Fonte: Abihpec)

    E mais um valor interessante: o setor HPPC gerou mais de 5,6 milhões de empregos no Brasil, somando os empregos diretos na indústria (121.000), as fraquias (221.000), os revendendores (4,0 milhões) e os salões de beleza (1,3 milhões). Após dois anos consecutivos de queda em empregos diretos, no ano 2017 o setor voltou a apresentar um crescimento de 1,9%.

    Figura 3. Desenvolvimento dos empregos diretos no setor HPPC no Brasil (Fonte: https://abihpec.org.br/publicacao/panorama-do-setor-2018/)

    Em 2020, devido a pandemia, houve um aumento de 0,6% em faturamento e 2,8% em volume. Apesar de modesto, o crescimento é comemorado. Grande parte deste resultado é reflexo do aumento expressivo na procura por produtos da chamada Cesta COVID-19 de consumo, abrangendo itens como o álcool em gel e sabonetes líquido e em barra. Esse grupo acumulou crescimento de 21% em valor de vendas nos cinco primeiros meses do ano. O álcool em gel foi a categoria que mais cresceu. Com a falta do produto no mercado, muitas empresas de cosméticos agiram rápido e passaram a fabricá-lo. Outras, que já tinham o item em seu portfólio, intensificaram sua produção, resultando em mais de 6,3 mil toneladas vendidas – um aumento de 3127% em comparação ao mesmo período em 2019.

    Também importante na higienização das mãos, o sabonete líquido teve 18,9% de aumento em vendas. O cidadão brasileiro está preocupado com higiene e cuidados pessoais e, com a pandemia, foi possível perceber mudanças de hábitos e no foco de compras em diversos segmentos do setor. Xampus e condicionadores tiveram 2,9% e 9,2% de crescimento em valor de vendas, respectivamente. A categoria de produtos para pele também foi destaque nos cinco primeiros meses do ano, especialmente para peles adultas. Cosméticos antirrugas, anti-idade e antissinais apresentaram alta de 13,4%. E mais uma surpresa: mesmo com isolamento social e o uso de máscaras de proteção, os batons também tiveram um aumento de 12% em volume!

    Os números favoráveis também podem ser consequência de uma redução de preços pelos fabricantes de cosméticos ao longo dos últimos meses de 2020, demonstrando dessa forma uma ágil reação do setor em oferecer produtos a um custo menor, ajustando a oferta à realidade que estamos vivendo. Especialmente o e-commerce promete continuar crescendo.

    Em 2021, ainda em período de pandemia, a indústria brasileira continua se reinventando e especialmente a de cosméticos deve continuar investindo em pesquisas para trazer produtos que colaborem com a manutenção de cuidados de higiene e beleza dentro de casa. Muitas marcas estão focadas em produzir inovações de forma sustentável pautada em eficácia através do uso da nanotecnologia.

    1.1 Insumos do setor HPPC

    Estima-se que haja em torno de 1.000 a 1.500 insumos químicos que são utilizados para a produção de emolientes e hidratantes, fragrâncias, surfactantes, veículos, propelentes, agentes de consistência (espessantes), corantes e pigmentos, conservantes e ingredientes de uso específico. A Figura 4 mostra a distribuição das principais substâncias químicas destinadas para o setor de HPPC e adjacentes, segundo a Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim) para o ano de 2007.

    Figura 4. Os principais insumos químicos da indústria brasileira de HPPC (% da produção interna destinada à venda interna; dados de 2007)

    Utilizando-se dos principais insumos listados pela Abiquim no Anuário de 2008, percebe-se que a produção interna é superior à quantidade importada, como é visto na Tab. 3.

    Tab. 3. Produção interna e balança comercial dos principais insumos químicos no ano de 2007 no Brasil (em mil toneladas). ⁴


    ¹ https://www.abihpec.org.br/novo/wp-content/uploads/2015-PANORAMA-DO-SETOR-PO9RTUGUES-11ago2015.pdf

    ² https://www.abre.org.br/inovacao/setor-de-hppc-cresce-39-e-atinge-r-1168-bilhoes-em-2019/

    ³ A.G. Poncioni, Competição na indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos Brasileira. Monografia de bacharelado da UFRJ (2015

    ⁴ Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES), Informe Setorial: Estrutura e estratégias da cadeia de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos. Janeiro de 2010; disponível em http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/setorial/informe-14AI.pdf.

    2 Classificação dos cosméticos

    O mercado dos cosméticos pode ser classificado conforme a finalidade do produto (com exemplos típicos):

    Tratamento de pele: sabonete, creme hidratante, clareador, protetor solar, produtos anti-envelhecimento, produtos de barba;

    Cuida de cabelo: condicionador, laqué e gel para cabelo, alizante e ondulador permanente, tintas de cabelo, removedores e fortificantes de cabelo, xampus – até xampus para os animais domésticos;

    Higiene bucal: pasta de dente, loção bucal, branqueadores;

    Cosmética decorativa: batom, maquiagem, esmalte de unha;

    Perfumaria.

    (A perfumaria representa uma classe importante dentro dos cosméticos, porém é muito diversificada e não será tratada aqui ⁵).

    Daí podemos definir os produtos cosméticos como misturas de substâncias que são aplicadas nas pessoas de modo externo, sem exercerem notáveis efeitos sistêmicos. Essa definição deixa especialmente clara a divisão para a farmácia onde o foco são os produtos que podem curar ou aliviar males, doenças e danos corporais.

    O órgão responsável pela parte legislativa e o controle dos cosméticos no Brasil é a ANVISA ⁶ (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que define:

    Produtos cosméticos são aqueles de uso externo nas diversas partes do corpo humano (pele, sistema capilar, unhas, lábios, órgãos genitais externos, dentes e membranas mucosas da cavidade oral), com o objetivo de limpar, perfumar, alterar sua aparência, corrigir odores corporais, proteger ou manter em bom estado, conforme RDC nº 211 / 2005.

    A ANVISA categoriza os cosméticos em duas classes, conforme seu grau de risco.

    Grau 1: produtos com risco mínimo; estes produtos podem ser registrados com maior facilidade.

    Exemplos de G1: hidratantes, cremes de massagem, xampus e condicionadores.

    Grau 2: abrange os produtos com risco potencial. Geralmente são produtos com indicações específicas que exigem comprovação de segurança e/ou eficácia, bem como informações e cuidados quanto ao modo e restrição de uso. Contém ingredientes considerados irritantes quando utilizados em altas concentrações; o registro geralmente é um procedimento mais demorado.

    Sendo assim, foram estabelecidos pela ANVISA testes específicos acerca dos seguintes critérios:

    • Fator de FPS em protetores solares;

    • Segurança;

    • Irritabilidade primária;

    • Eficácia.

    Exemplos de produtos da categoria G2 são: produtos antissépticos, anticaspa, antiperspirantes, bronzeadores e filtro solares, clareadores de cabelo.

    Os fatores que determinam se um cosmético é Grau 1 ou Grau 2 são os dizeres na rotulagem e principalmente os ingredientes utilizados na formulação. Como se vê na Tab. 4, nem sempre é intuitivo e de fácil compreensão para o consumidor quais produtos cosméticos pertencem a quê classe...

    Tab. 4. Produtos cosméticos cuja aplicação é semelhante, mas sua classificação conforme o risco é diferente.

    No sentido ampliado também constam neste setor industrial, os produtos da higienização do ambiente com os quais nós entramos em contato diariamente:

    Sabões para lavar roupa (sabão de coco, sabão em pó, detergente líquido, amaciante);

    Limpeza e higienização doméstica (limpa-tudo, detergente de lavar louça, desinfetantes, removedores de manchas);

    Protetores de superfície (lustra-móveis, selador de piso, graxa de couro).

    Os efeitos dos cosméticos ao consumidor podem ser resumidos em quatro itens:

    1. Contribuir à higiene pessoal;

    2. Prevenir danos à saúde humana;

    3. Aumentar o nosso bem-estar e nossa autoestima;

    4. Facilitar a nossa vida social.

    Por outro lado, o produto cosmético não deve ter efeitos terapêuticos!


    ⁵ Leia sobre os princípios químicos dos perfumes, as fontes naturais e ingredientes sintéticos, e as classes de odores: G. Ohloff, W. Pickenhagen, P. Kraft, Scent and Chemistry, Wiley-VCH Zürich 2012.

    ⁶ http://portal.anvisa.gov.br/wps/content/Anvisa+Portal/Anvisa/Inicio/Cosmeticos

    3 Cosméticos - seus poderes e suas restrições legais

    Vamos deixar claro em primeiro lugar: um modo de vida saudável e uma alimentação consciente, isso inclui um sono abundante e regular, não podem ser repostos por nada que se diz respeito à beleza externa. Uma falta em algum destes itens se reflete, mais rápido do que nós queremos, na aparência da nossa pele, unhas ou cabelo. Por outro lado, quem se sente 100% dentro da sua pele, isto seria a melhor prevenção contra um envelhecimento precoce.

    A persuasão das propagandas é muito grande, falando que o envelhecimento é uma doença que pode ser tratada. Mas é fato que o nosso corpo, inclusive a nossa pele, sofre mudanças ao longo dos anos - isso é todo natural. Vale uma regra em geral: quem se sente satisfeito e estiver com sua consciência em paz, também tem um visual bom e dispõe de uma áurea positiva!

    No entanto, a cosmética pode contribuir uma pequena parte no bem-estar dentro da nossa própria pele.

    Como já definido na introdução, por via da lei, produtos cosméticos são exclusivamente de aplicação externa, embelezando ou melhorando o estar da sua pele, unhas e cabelo, mas não adiantam a cura de uma pele doente. Isso implica que os ingredientes de cosméticos não devem ser absorvidos pela pele e chegar à corrente sanguínea. Além disso, são proibidos ingredientes que poderiam prejudicar a saúde - mesmo em concentração ainda abaixo da permitida. Justamente neste critério os limites são bem flexíveis e podem ser, tanto do produtor como do consumidor, mal interpretados. Lembramos que a lei permite atualmente substâncias cuja inocuidade não foi comprovada clinicamente.

    Desde 1998 os ingredientes em produtos cosméticos devem ser indicados frente ao consumidor, utilizando a INCI (International Nomenclature of Cosmetic Ingredients). Desvantagem desta lei: estão sendo usados os nomes em latim (especialmente em caso de extratos naturais) ou em inglês (em caso de substâncias sintéticas). Quem sabe, por exemplo, que helianthus annuus simplesmente significa óleo de girassol? Ou prunus dulcis, o óleo de amêndoa? Todavia, hoje é possível identificar de maneira segura, os ingredientes principais do produto cosmético em nossa casa.

    Em resumo, a ANVISA especifica na sua Resolução 211/2005, Anexo IV, o que deve constar no rótulo da embalagem primária (que contém o produto cosmético) e secundária (que embala a embalagem primária), conforme a tabela a seguir. Em casos onde não houver embalagem secundária, todas as informações devem constar na embalagem primária. E se o frasco ser muito pequeno para colocar a informação de maneira legível, um aviso deve referir ao folheto que acompanha o produto cosmético.

    Tab. 5. Tabela das normas ANVISA 211/2005 para a rotulagem de produtos cosméticos.

    Além disso, o Art. 93 do Decreto 79.094/77 (alterado pelo Decreto 83239/79) diz:

    Não poderão constar da rotulagem ou da publicidade e propaganda (...) designações, nomes geográficos, símbolos, figuras, desenhos ou quaisquer indicações que possibilitem interpretação falsa, erro ou confusão quanto à origem, procedência, natureza, composição ou qualidade, ou que atribuam ao produto finalidades ou características diferentes daquelas que realmente possua. A responsabilidade legal para a veracidade das informações está com o fabricante ou importador (detentor do registro).

    4 Quem conhece sua pele?

    O cuidado da pele é um ponto central na higiene pessoal e compreende a limpeza e o tratamento da pele, visando o fortalecimento dos mecanismos naturais de proteção e manter a saúde da pele - tudo isso para um melhor bem-estar.

    Segundo a legislação brasileira, os produtos cosméticos não devem causar nenhuma alteração fisiológica nas células da pele. No entanto, a clientela está cada vez mais exigente aos produtos de aplicação tópica, sob os aspectos de prevenção, recuperação de lesões e danos causados pela radiação UV, sinais de envelhecimento (produtos anti-aging), anomalias na secreção sebácea e sudorípara, disfunções dos melanócitos que causam manchas na pele, etc. Tudo isso indica uma evolução da cosmética clássica, onde o objetivo era o embelezamento paliativo, em direção à Cosmética dermatológica, onde a aparência cuidada, juvenil e sustentável se deve às melhorias por dentro. Médicos, farmacêuticos, fisioterapeutas, biólogos e químicos trabalham juntos para dominar a fisiologia da pele e seus anexos, buscando produtos tópicos cujos efeitos são cada vez mais estudados e sua eficácia fica otimizada através do conhecimento do seu mecanismo de ação. Podemos contestar que a cosmetologia moderna se tornou uma ciência multi-disciplinar.

    Antes de analisarmos as necessidades da nossa pele, devemos tomar conhecimento da estrutura e das partes sensíveis da nossa camada externa.

    4.1 A pele - nosso maior órgão

    Com cerca de 2 m² e 10 a 15% do peso coporal, a pele é nosso maior órgão. Ela é feita de diversas camadas, conforme mostrado na Figura 5.

    Figura 5. As partes funcionais da pele humana

    Identificamos na nossa pele as seguintes partes funcionais (de fora para dentro):

    Stratum corneum (camada córnea; estrato córneo): É a camada mais exterior da pele, formada por células achatadas (espessura de até 150 µm, que corresponde a uma folha de papel) e mortas, mais corretamente são queratinizadas. A

    Enjoying the preview?
    Page 1 of 1