INTRODUCAO AO MATLAB ¸˜

Reginaldo J. Santos Departamento de Matem´tica-ICEx a Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005 ultima atualiza¸ao em ´ c˜ 27 de maio de 2009

2

´ SUMARIO

Sum´rio a
1 Introdu¸˜o ca 2 C´lculos Cient´ a ıficos C´lculos Simples . . . . . a ´ 2.1 Area de Trabalho . . 2.2 Vari´veis . . . . . . . a 2.3 Fun¸oes Cient´ c˜ ıficas . 2.4 Formatos Num´ricos e . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 4 4 6 6 7 8 10 15 17

3 Vari´veis e Express˜es Simb´licas a o o 4 Instalando o Pacote gaal 5 Desenhando Gr´ficos de Fun¸oes a c˜

6 Matrizes 21 6.1 Exerc´ ıcios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 Referˆncias e 26

Introdu¸ao ao Matlab c˜

27 de maio de 2009

3

1

Introdu¸˜o ca

O Matlab 1 ´ um software destinado a fazer c´lculos com matrizes (Matlab = MATrix e a LABoratory). Os comandos do MATLAB s˜o muito pr´ximos da forma como escrevemos a o express˜es alg´bricas, tornando mais simples o seu uso. Podem ser incorporados as rotinas pr´o e ` e definidas, pacotes para c´lculos espec´ a ıficos. Escrevemos um pacote chamado gaal com fun¸oes c˜ ´ que s˜o direcionadas para um curso de Geometria Anal´ a ıtica e Algebra Linear. O programa Matlab pode ser adquirido gratuitamente na compra do Guia do Usu´rio [1]. a Por exemplo, atrav´s da internet, na livraria Blackwell’s na Inglaterra e (http://bookshop.blackwell.co.uk), o Guia do Usu´rio foi adquirido por US$ 68,00 ina cluindo a despesa com o transporte, acompanhado de um CD com o programa. Uma vez inicializado o Matlab , aparecer´ na janela de comandos um prompt >> ou a EDU>>. O prompt significa que o Matlab est´ esperando um comando. Todo comando deve a ser finalizado teclando-se Enter. No Matlab , pode-se obter ajuda sobre qualquer comando ou fun¸ao. O comando c˜ >> help (sem o prompt >>) mostra uma listagem de todos os pacotes dispon´ ıveis. Ajuda sobre um pacote espec´ ıfico ou sobre um comando ou fun¸ao espec´ c˜ ıfica ´ obtida com o comando e >> help nome, (sem a v´ ırgula) onde nome pode ser o nome de um pacote ou o nome de um comando ou fun¸ao. c˜

1

Matlab

´ marca registrada de The Mathworks, Inc. e

27 de maio de 2009

Reginaldo J. Santos

4

2

´ CALCULOS CIENT´ IFICOS

2

C´lculos Cient´ a ıficos

C´lculos Simples a
O Matlab faz c´lculos simples e cient´ a ıficos como uma calculadora. Por exemplo, suponha que vocˆ vai a uma loja e compra 3 objetos que custam 25 reais cada e 5 objetos que custam e 12 reais cada. Quanto custou a sua compra? No Matlab vocˆ pode resolver este problema de pelo menos duas maneiras. A mais e simples ´ e EDU>> 3*25 + 5*12 ans = 135 Observe que no Matlab a multiplica¸ao tem precedˆncia sobre a adi¸ao. Note tamb´m que c˜ e c˜ e ele chamou o resultado de ans. Alternativamente, vocˆ pode usar vari´veis para armazenar informa¸ao. e a c˜ EDU>> q1=3, p1=25, q2=5, p2=12 q1 = 3 p1 = 25 q2 = 5 p2 = 12 Introdu¸ao ao Matlab c˜ 27 de maio de 2009

5

EDU>> total=q1*p1+q2*p2 total = 135 Primeiro, criamos quatro vari´veis, q1, p1, q2 e p2, atribuindo a elas os seus valores resa pectivos. Observe que no Matlab o sinal de igual tem um sentido diferente daquele da Matem´tica. Aqui, igual significa atribui¸ao. O que estiver a direita do sinal de igual ´ “coa c˜ ` e locado” na vari´vel que estiver a esquerda. Finalmente, criamos uma vari´vel chamada total a ` a que recebeu o total da compra. Usamos a v´ ırgula para separar os comandos que s˜o dados em a uma mesma linha. Esta separa¸ao poderia ser feita com ponto e v´ c˜ ırgula. Mas, neste caso o Matlab n˜o mostra os resultados dos comandos. No exemplo anterior ter´ a ıamos EDU>> q1=3; p1=25; q2=5; p2=12; EDU>> total=q1*p1+q2*p2; Em qualquer momento, podemos ver o valor que est´ contido em uma vari´vel, simplesmente a a digitando no prompt o seu nome. EDU>> total total = 135 O Matlab oferece as seguintes opera¸oes aritm´ticas: c˜ e

>> a+b soma a e b. Por exemplo, 5+6. >> a-b subtrai a de b. Por exemplo, 15-12. >> a∗b multiplica a por b. Por exemplo, 3.14∗0.15. 27 de maio de 2009 Reginaldo J. Santos

6 >> a^b calcula a elevado a b. Por exemplo, 5^(1/2).

2

´ CALCULOS CIENT´ IFICOS

A ordem com que s˜o avaliadas as express˜es ´ dada pela seguinte regra: express˜es s˜o a o e o a avaliadas da esquerda para a direita, com a potˆncia tendo a mais alta precedˆncia, seguida e e pela multiplica¸ao e divis˜o que tˆm igual precedˆncia, seguidas pela adi¸ao e subtra¸ao que c˜ a e e c˜ c˜ tˆm igual precedˆncia. Parˆntesis podem ser usados para alterar esta ordem. Sendo que neste e e e caso, os parˆntesis mais internos s˜o avaliados antes dos mais externos. e a

2.1

´ Area de Trabalho

Comandos que foram dados anteriormente podem ser obtidos novamente usando as teclas ↑ e ↓. Por exemplo, pressionando a tecla ↑ uma vez vocˆ obtem o ultimo comando digitado no e ´ prompt. Pressionando repetidamente a tecla ↑ se obtem os comandos digitados anteriormente, um de cada vez na dire¸ao para tr´s. Analogamente, pressionando-se a tecla ↓, mas na dire¸ao c˜ a c˜ para frente. Mais ainda, digitando no prompt os primeiros caracteres de um comando dado anteriormente e ent˜o pressionando-se a tecla ↑, obtem-se o comando mais recente tendo aqueles a caracteres iniciais. Em qualquer momento, as teclas ←, → podem ser usadas para se mover o cursor dentro de um comando, no prompt. Desta forma um comando pode ser corrigido, al´m e das teclas Delete e Backspace.

2.2

Vari´veis a

O Matlab tem certas regras para nomear as vari´veis. Os nomes de vari´veis devem a a ser nomes iniciados por letras n˜o podem conter espa¸os nem caracteres de pontua¸ao. O a c c˜ Matlab faz diferen¸a entre letras mai´sculas e min´sculas. Alguns nomes s˜o usados para c u u a vari´veis predefinidas. Estas s˜o: a a Introdu¸ao ao Matlab c˜ 27 de maio de 2009

2.3

Fun¸oes Cient´ c˜ ıficas

7

ans - vari´vel usada para os resultados. a pi - n´mero π. u eps - menor n´mero tal que, quando adicionado a 1, cria um n´mero maior que 1 no u u computador. flops - armazena o n´mero de opera¸oes em ponto flutuante realizadas. u c˜ inf - significa infinito. NaN ou nan - significa n˜o ´√ n´mero, por exemplo, 0/0. a e um u i e j - unidade imagin´ria −1. a nargin - n´mero de argumentos de entrada de uma fun¸ao. u c˜ nargout - n´mero de argumentos de sa´ de uma fun¸ao. u ıda c˜ realmin - menor n´mero que o computador pode armazenar. u realmax - maior n´mero que o computador pode armazenar. u As vari´veis podem ser redefinidas a qualquer momento, bastando para isso atribu´ a ı-las um novo valor.

2.3

Fun¸oes Cient´ c˜ ıficas

O Matlab tem uma s´rie de fun¸oes cient´ e c˜ ıficas pr´-definidas. A maioria pode ser usada e da mesma forma que seria escrita matematicamente. Por exemplo: EDU>> x=sqrt(2)/2 x = 0.7071 EDU>> y=acos(x) y = 0.7854 27 de maio de 2009 Reginaldo J. Santos

8 EDU>> y_graus=y*180/pi y_graus = 45.0000

2

´ CALCULOS CIENT´ IFICOS

√ Estes comandos calculam o arco cujo cosseno ´ 2/2, inicialmente em radianos, depois em e graus. Abaixo segue uma lista de fun¸oes cient´ c˜ ıficas dispon´ ıveis: abs(x) - valor absoluto de x. acos(x) - arco cujo cosseno ´ x. e asin(x) - arco cujo seno ´ x. e atan(x) - arco cuja tangente ´ x. e cos(x) - cosseno de x. exp(x) - exponencial ex . gcd(x,y) - m´ximo divisor comum de x e y. a lcm(x,y) - m´ ınimo m´ltiplo comum de x e y. u log(x) - logaritmo de x na base e. log10(x) - logaritmo de x na base 10. rem(x,y) - resto da divis˜o de x por y. a sin(x) - seno de x. sqrt(x) - raiz quadrada de x. tan(x) - tangente de x.

2.4

Formatos Num´ricos e
mostra um resultado num´rico ele segue certas regras. No caso de e 27 de maio de 2009

Quando o Matlab Introdu¸ao ao Matlab c˜

2.4

Formatos Num´ricos e

9

nenhum formato estar definido, se um resultado ´ um n´mero inteiro, o Matlab mostra e u como um inteiro. Este foi o caso no exemplo das compras, que fizemos anteriormente. Quando um resultado ´ um n´mero real, o Matlab mostra uma aproxima¸ao com at´ quatro casas e u c˜ e decimais. Este foi o caso no exemplo do arco cosseno, que fizemos ateririmente. Se os d´ ıgitos significativos estiverem fora desta faixa, o Matlab mostra o resultado em nota¸ao cient´ c˜ ıfica. Vocˆ pode definir um formato diferente. Abaixo seguem algumas possibilidades: e format short - exibe 5 d´ ıgitos. format long - exibe 16 d´ ıgitos. format rat - exibe no formato racional. ´ E importante salientar que o Matlab n˜o muda a sua forma de representar os n´meros a u internamente, quando formatos diferentes de exibi¸ao de n´meros s˜o escolhidos. c˜ u a

27 de maio de 2009

Reginaldo J. Santos

10

3

´ ˜ ´ VARIAVEIS E EXPRESSOES SIMBOLICAS

3

Vari´veis e Express˜es Simb´licas a o o

Agora, vamos ver como podemos manipular com express˜es que al´m de n´meros e vari´veis o e u a num´ricas, cont´m tamb´m vari´veis simb´licas. Por exemplo: e e e a o EDU>> syms x EDU>> simplify((sin(x))^2+(cos(x))^2) ans = 1 Estes comandos mandam o Matlab simplificar a express˜o sen2 x + cos2 x. Primeiro precia samos dizer ao Matlab que x ´ uma vari´vel simb´lica, depois pedimos para simplificar a e a o express˜o que envolve x. Neste caso usamos uma fun¸˜o chamada simplify. A palavra fun¸ao a ca c˜ no Matlab tem um significado diferente daquele que tem na Matem´tica. Aqui fun¸ao ´ um a c˜ e comando, que pode ter alguns argumentos de entrada e alguns de sa´ ıda. Neste caso, a fun¸ao c˜ simplify tem como argumento de entrada uma express˜o simb´lica e de sa´ tamb´m. a o ıda e Uma vez definido que a vari´vel x ´ uma vari´vel simb´lica, podemos definir express˜es que a e a o o envolvem esta vari´vel. Por exemplo, dadas duas fun¸oes a c˜ f (x) = 2x2 + 3x − 5 e g(x) = x2 − x + 7, podemos fazer uma s´rie de opera¸oes alg´bricas envolvendo estas fun¸oes. e c˜ e c˜ EDU>> f=2*x^2+3*x-5; g=x^2-x+7; EDU>> f+g ans = 3*x^2+2*x+2 EDU>> f-g Introdu¸ao ao Matlab c˜ 27 de maio de 2009

11

ans = x^2+4*x-12 EDU>> f*g ans = (2*x^2+3*x-5)*(x^2-x+7) EDU>> expand(ans) ans = 2*x^4+x^3+6*x^2+26*x-35 EDU>> f/g ans = (2*x^2+3*x-5)/(x^2-x+7) EDU>> expand(ans) ans = 2/(x^2-x+7)*x^2+3/(x^2-x+7)*x-5/(x^2-x+7) EDU>> pretty(ans) 2 x x 5 2 ---------- + 3 ---------- - ---------2 2 2 x - x + 7 x - x + 7 x - x + 7 EDU>> f^3 27 de maio de 2009 Reginaldo J. Santos

12

3

´ ˜ ´ VARIAVEIS E EXPRESSOES SIMBOLICAS

ans = (2*x^2+3*x-5)^3 EDU>> expand(ans) ans = 8*x^6+36*x^5-6*x^4-153*x^3+15*x^2+225*x-125 Observe que o Matlab n˜o faz as simplifica¸oes ou expans˜es automaticamente. Para a c˜ o isso, usamos os comandos simplify que simplifica e expand que faz a expans˜o. Al´m destes, a e usamos acima tamb´m o comando pretty, que mostra a express˜o de uma forma mais f´cil de e a a enxergar. Al´m destes, que j´ vimos, existe o comando simple, que tenta encontrar a forma e a mais simples de escrever uma express˜o. a O Matlab pode realizar opera¸oes mais avan¸adas sobre express˜es simb´licas. A fun¸ao c˜ c o o c˜ compose calcula a composi¸ao das fun¸oes f (x) e g(x) em f (g(x)), a fun¸ao finverse encontra c˜ c˜ c˜ a inversa funcional de uma express˜o e a fun¸ao subs substitui uma vari´vel por um n´mero a c˜ a u (ou por outra vari´vel) em uma express˜o. Por exemplo: a a EDU>> EDU>> ans = EDU>> ans = EDU>> ans = EDU>> ans = f=1/(1-x^2); g=sin(x); compose(f,g) 1/(1-sin(x)^2) compose(g,f) sin(1/(1-x^2)) finverse(g) asin(x) subs(f,x,2) -1/3 27 de maio de 2009

Introdu¸ao ao Matlab c˜

13 O Matlab pode resolver equa¸oes. Por exemplo, para resolver a equa¸ao c˜ c˜ ax2 + bx + c = 0, algebricamente, podemos usar os comandos: EDU>> syms a b c x EDU>> solve(a*x^2+b*x+c) ans = [1/2/a*(-b+(b^2-4*a*c)^(1/2))] [1/2/a*(-b-(b^2-4*a*c)^(1/2))] O Matlab pretty. pode exibir este resultado de uma forma mais f´cil de enxergar usando a fun¸ao a c˜

EDU>> pretty(ans) [ [ [1/2 [ [ [ [ [1/2 [ 1/2] -b + (b - 4 a c) ] --------------------] a ] ] 2 1/2] -b - (b - 4 a c) ] --------------------] a ] 2

Abaixo segue um resumo das fun¸oes para manipula¸ao de express˜es alg´bricas: c˜ c˜ o e 27 de maio de 2009 Reginaldo J. Santos

14

3

´ ˜ ´ VARIAVEIS E EXPRESSOES SIMBOLICAS

diff(f) - calcula a derivada de f. compose(f,g) - determina a composta f (g(x)). expand(expr) - expande uma express˜o expr. a finverse(expr) - determina a inversa funcional da express˜o expr. a pretty(expr) - exibe a express˜o expr numa forma mais bonita. a simple - procura encontrar uma forma mais simples de escrever uma express˜o expr. a simplify(expr) - simplifica a express˜o expr. a solve(expr) - acha a(s) solu¸ao(es) da equa¸ao expr= 0. c˜ c˜ subs(expr,x,a) - substitui na express˜o expr a vari´vel x por a. a a syms x y z a b - define as vari´veis simb´licas x, y, z, a e b. a o Existem v´rias outras fun¸oes para manipula¸ao de express˜es alg´bricas. Vocˆ pode obter a c˜ c˜ o e e informa¸oes sobre elas digitando help symbolic. Uma fun¸ao interessante que mostra as c˜ c˜ capacidades do Matlab em tratar com fun¸oes matem´ticas ´ funtool que ´ uma calculadora c˜ a e e para fun¸oes. c˜

Introdu¸ao ao Matlab c˜

27 de maio de 2009

15

4

Instalando o Pacote gaal
1. Fa¸a o “download” do pacote gaal que est´ no site http://www.mat.ufmg.br/~regi. c a 2. Extraia os arquivos em MATLAB\toolbox. Deve ser criada uma pasta a´ com nome gaal. ı 3. Inicialize o Matlab , se j´ n˜o o tiver feito. a a 4. Na barra de ferramentas

clique com o bot˜o esquerdo do mouse no bot˜o a a 5. Clique no bot˜o Add to Path.... a

27 de maio de 2009

Reginaldo J. Santos

16

4

INSTALANDO O PACOTE GAAL

Clique duas vezes com o bot˜o esquerdo do mouse em toolbox e depois o mesmo em a gaal. Depois clique em Add to Back

6. Clique em OK. Depois, em Save Settings e por ultimo em Close ´ 7. Verifique se o Matlab adicionou o pacote gaal aos outros, digitando no prompt winhelp. Ele deve aparecer na ultima linha ou na primeira. Caso contr´rio repita o ´ a processo acima, com mais cuidado. 8. Para informa¸oes sobre o pacote gaal digite no prompt do Matlab c˜ help gaal

Introdu¸ao ao Matlab c˜

27 de maio de 2009

17

5

Desenhando Gr´ficos de Fun¸oes a c˜

Para desenhar o gr´fico de uma fun¸ao de uma vari´vel, existe no pacote gaal a fun¸ao a c˜ a c˜ plotf1 (use help plotf1 para saber seu uso). Para colocar os eixos coordenados temos no pacote gaal a fun¸ao eixos. Usando a fun¸ao f (x) = 1/(1 − x2 ) que definimos acima temos: c˜ c˜ EDU>> plotf1(f,[-10,10],200)

30

20

10

0

−10

−20

−30

−40

−50 −10

−8

−6

−4

−2

0

2

4

6

8

10

EDU>> eixos 27 de maio de 2009 Reginaldo J. Santos

18

5

´ DESENHANDO GRAFICOS DE FUNCOES ¸˜

30

y

20

10

0

x
−10

−20

−30

−40

−50 −10

−8

−6

−4

−2

0

2

4

6

8

10

Podemos mudar a escala do gr´fico com a fun¸ao axis a c˜

EDU>> axis([-5,5,-5,5]) Introdu¸ao ao Matlab c˜ 27 de maio de 2009

19

5

4

3

2

1

0

−1

−2

−3

−4

−5 −5

−4

−3

−2

−1

0

1

2

3

4

5

Neste caso como os eixos j´ estavam tra¸ados, o resultado n˜o foi bom. Ent˜o, vamos limpar a a c a a figura com o comando clf e com a seta para cima ↑ vamos recuperar comandos que haviamos digitado anteriormente. EDU>> EDU>> EDU>> EDU>> clf plotf1(f,[-10,10]) axis([-5,5,-5,5]) eixos Reginaldo J. Santos

27 de maio de 2009

20

5

´ DESENHANDO GRAFICOS DE FUNCOES ¸˜

5

y

4

3

2

1

0

x
−1

−2

−3

−4

−5 −5

−4

−3

−2

−1

0

1

2

3

4

5

Introdu¸ao ao Matlab c˜

27 de maio de 2009

21

6

Matrizes

Para criar uma vari´vel onde ´ armazenada uma matriz, basta escrever os elementos da a e matriz entre colchetes [ ... ], sendo os elementos de uma mesma linha da matriz separados por v´ ırgula e as linhas separadas por ponto e v´ ırgula. Por exemplo, para armazenar a matriz 1 2 3 4 5 6 numa vari´vel de nome A usamos o comando a >> A=[1,2,3;4,5,6] Podemos acessar os elementos de uma matriz usando os comandos EDU>> A(2,3) ans = 6 EDU>> A(2,:) ans = 4 5 EDU>> A(:,1) ans = 1 4 EDU>> A(:,1:2) ans = 1 2 4 5 27 de maio de 2009

6

Reginaldo J. Santos

22

6

MATRIZES

O primeiro comando foi para mostrar o elemento (1,2) da matriz A. O segundo, ´ para exibir e a 2a. linha e o terceiro, ´ para exibir a 1a. coluna. Finalmente, o quarto comando ´ para exibir e e a submatriz formada pela 1a. e 2a. colunas da matriz A. As matrizes podem ser concatenadas EDU>> B=[A,[7;8]] B = 1 2 3 4 5 6 EDU>> [A;[7,8,9]] ans = 1 2 3 4 5 6 7 8 9

7 8

As opera¸oes matriciais s˜o executadas de forma semelhante a que s˜o executadas opera¸oes c˜ a a c˜ escalares EDU>> A=[1,2;3,4]; B=[-3;1]; C=[3,5;-5,2]; EDU>> A+C ans = 4 7 -2 6 EDU>> 3*A ans = 3 6 9 12 Introdu¸ao ao Matlab c˜ 27 de maio de 2009

23

EDU>> C*A ans = 18 26 1 -2 EDU>> B*A ??? Error using ==> * Inner matrix dimensions must agree. EDU>> A^2 ans = 7 10 15 22 EDU>> (A*C)^2 ans = -50 144 -176 430 O Matlab tem fun¸oes que geram matrizes especiais c˜

EDU>> I=eye(3) I = 1 0 0 0 1 0 0 0 1 EDU>> O=zeros(3,1) O = 0 27 de maio de 2009 Reginaldo J. Santos

24

6

MATRIZES

0 0 Al´m destas, o pacote gaal oferece as fun¸oes randi para gerar uma matriz com elementos e c˜ inteiros aleat´rios e matvand que cria a matriz de Vandermonde. o EDU>> A=randi(3) A = 0 3 2 2 1 0 -2 -1 -1 EDU>> B=randi(3,1) B = 4 2 -3 EDU>> C=matvand(B,2) C = 16 4 1 4 2 1 9 -3 1 Abaixo um resumo das opera¸oes matriciais c˜ >> A=[a11,a12,...,a1n;a21,a22,...; ...,amn] cria uma matriz, m por n, usando os elementos a11, a12, ..., amn e a armazena numa vari´vel de nome A. a >> A+B ´ a soma de A e B, e >> A-B ´ a diferen¸a A menos B, e c >> A*B ´ o produto de A por B, e >> num*A ´ o produto do escalar num por A, e >> A.’ ´ a transposta de A, e >> A^k ´ a potˆncia A elevado a k. e e Introdu¸ao ao Matlab c˜ 27 de maio de 2009

6.1

Exerc´ ıcios

25

>> Aj=A(:,j) ´ a coluna j da matriz A, >> Ai=A(i,:) ´ a linha i da matriz A. e e

6.1

Exerc´ ıcios
1 −3 0 0 4 −2  3 e X= 2 . 5 

1. Sejam A=

Verifique que AX = 3A1 + 2A2 + 5A3 , onde Aj ´ a j-´sima coluna de A, para j = 1, 2, 3. e e 2. Encontre um valor de x tal que AB t = 0, onde A= 3. Use o Matlab x 4 −2 e B= 2 −3 5 .

para encontrar o menor inteiro k  0 1 0  −1 0 0 A=  0 0 0 0 0 1

> 1 tal que Ak = A, onde  0 0  ; 1  0

4. Use o Matlab (a)

para calcular os membros da seq¨ˆncia A, A2 , A3 . . . , Ak , . . ., para ue (b) 1/2 1/3 1 1/2 . ; A= A= 0 −1/5 0 1/3

A seq¨ˆncia parece estar convergindo para alguma matriz? Se estiver, para qual? ue 27 de maio de 2009 Reginaldo J. Santos

26

ˆ REFERENCIAS

Referˆncias e
[1] Mathworks Inc. Student Edition of MATLAB Version 5 for Windows. Prentice Hall, Upper Saddle River, New Jersey, 1997.

Introdu¸ao ao Matlab c˜

27 de maio de 2009

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful