P. 1
Glauber Piva Ancine Lei TV Paga

Glauber Piva Ancine Lei TV Paga

|Views: 101|Likes:
Published by regyna

More info:

Published by: regyna on Jul 22, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/22/2012

pdf

text

original

Principais aspectos da regulamentação do Serviço de TV por Acesso Condicionado no Brasil

Glauber Piva Diretor da ANCINE

Histórico

Lei 12.485:
 

substituiu a Lei do Cabo (8.977 de 1995) não fazer distinção entre tecnologias ou plataformas de transmissão.

Histórico

2007:
 

começou a tramitar no Congresso Nacional; nomeado Projeto de Lei nº. 29.

Até 2010:

amplo debate com os partidos políticos, produtores, programadores, empresas de telecom e movimentos sociais.

2011:
  

renomeado PLC 116; aprovado pelo Senado; Sancionada como Lei 12.485 de 2011.

Motivos para a assinatura do serviço de televisão (resposta múltipla)

.

Fonte: Ibope Mídia - Target Group Index - ago/08 a ago/09. Publicado em Mídia Fatos ABTA 2010: http://www.midiafatos.com.br/PDF_htm/Manual.pdf

4

Lei 12.485: principais aspectos

SeAC - Serviço de comunicação audiovisual de acesso condicionado

Serviço de telecomunicações de interesse coletivo prestado no regime privado:  recepção condicionada à contratação remunerada por assinantes; Destinado à distribuição de conteúdos audiovisuais na forma de:  pacotes,  canais nas modalidades:  avulsa de programação (PayPerView),  avulsa de conteúdo programado (VoD) e  canais de distribuição obrigatória. Serviço prestado por quaisquer meios de tecnologias, processos, meios eletrônicos e protocolos de comunicação.

Lei 12.485: principais aspectos

Estrutura da cadeia de atividades

 

São atividades da comunicação audiovisual de acesso condicionado:  I - produção;  II - programação;  III - empacotamento;  IV - distribuição. Separa a incidência da regulação entre ANCINE e ANATEL. ANCINE: regulação e fiscalização das atividades de programação e de empacotamento. ANATEL: regulação e fiscalização das atividades de distribuição.

Lei 12.485: principais aspectos

Espaço qualificado (art. 2º, inciso XII)

Espaço total do canal de programação ou do catálogo de conteúdos audiovisuais Excluindo:  conteúdos jornalísticos  programas de auditório ancorados por apresentador  conteúdos religiosos ou políticos,  manifestações e eventos esportivos,  concursos,  publicidade,  televendas e infomerciais,  jogos eletrônicos  propaganda política obrigatória e conteúdo audiovisual veiculado em horário eleitoral gratuito

Lei 12.485: principais aspectos

Canal de Espaço Qualificado

Canal de programação que, no horário nobre, veicule majoritariamente conteúdos audiovisuais que constituam espaço qualificado. Horário nobre:  Máximo de 7 horas diárias: para canais de programação dedicados a crianças e adolescentes (divididas entre manhã e início da noite); e  Máximo de 6 horas diárias: para os demais canais de programação.

Lei 12.485: principais aspectos

Canal Brasileiro de Espaço Qualificado (CBrEQ)
 

Programado por empresa programadora brasileira; Veicular majoritariamente, no horário nobre, conteúdos audiovisuais brasileiros que constituam espaço qualificado,  sendo metade destes conteúdos produzidos por produtora brasileira independente; Não ser objeto de acordo de exclusividade que o impeça de ser licenciado, individualmente e em condições isonômicas, para qualquer empacotadora interessada em sua veiculação.

Lei 12.485: principais aspectos

Produtora Brasileira Independente:

não ser controladora, controlada ou coligada a programadoras, empacotadoras, distribuidoras ou concessionárias de serviço de radiodifusão de sons e imagens; não estar vinculada a instrumento que, direta ou indiretamente, confira a programadoras, empacotadoras, distribuidoras ou concessionárias de serviços de radiodifusão de sons e imagens, direito de veto comercial ou qualquer tipo de interferência comercial sobre os conteúdos produzidos; não manter vínculo de exclusividade que a impeça de produzir ou comercializar para terceiros os conteúdos audiovisuais por ela produzidos;

Lei 12.485: principais aspectos

Programadora brasileira independente:

não ser controladora, controlada ou coligada a empacotadora ou distribuidora; não manter vínculo de exclusividade que a impeça de comercializar, para qualquer empacotadora, os direitos de exibição ou veiculação associados aos seus canais de programação.

Lei 12.485: principais aspectos

Obrigação de veiculação de Conteúdo para Programadoras

Veiculação de conteúdos brasileiros por 3h30min semanais nos canais de espaço qualificado, no horário nobre:  metade deverá ser produzida por produtora brasileira independente;  implantação progressiva em 3 anos  (1/3 da cota no 1º ano; 2/3 no 2º).

Lei 12.485 principais aspectos

Exceções ao cumprimento da obrigação
   

Canais de programação e distribuição obrigatória; Retransmissoras de canais de radiodifusão (TV aberta); Canais operados pelo poder público; Canais estrangeiros que não passaram por modificações nem programam publicidade para púbico brasileiro; Canais de programação erótica;

VoD: que for de espaço qualificado deve ofertar mínimo de 10% de conteúdo brasileiro; PPV: não conta para cota pacote, mas se for de espaço qualificado cumpre cota de conteúdo;

Lei 12.485: principais aspectos

Carregamento de canais brasileiros nos pacotes

 

Obrigação em todos os pacotes:  1 canal CBrEQ para cada 3 canais de espaço qualificado; Limite de 12 canais Progressividade  1º ano: proporção de 1 para 9  2º ano: proporção de 1 para 6  3º ano: proporção de 1 para 3 Dos CBrEQ: ao menos 2 deverão veicular, no mínimo, 12 h (3 das quais em horário nobre) diárias de conteúdo produzido por produtora brasileira independente

14

Quadro: Distribuição de Canais em Pacotes

Programadora brasileira

Programadora brasileira independente

08 canais são programados por programadora brasileira
04 canais são programados por programadora brasileira independente

1 canal deve veicular 12 h de produção independente por dia
1 canal não pode ter vínculo ou associação com empresa radiodifusora

Instruções Normativas 100 e 101

Regulamentação

Regulamentação

Princípios que regem a regulamentação:
 

   

a liberdade de expressão e de acesso à informação; a promoção da diversidade cultural e das fontes de informação, produção e programação; a promoção da língua portuguesa e da cultura brasileira; o estímulo à produção independente e regional; o estímulo ao desenvolvimento social e econômico do País; a liberdade de iniciativa, a mínima intervenção da Administração Pública e a defesa da concorrência; a complementaridade dos aspectos econômicos e culturais do desenvolvimento; o respeito ao direito autoral e a Convenção sobre a Proteção e Promoção da Diversidade das Expressões Culturais.

Regulamentação

Objetivos perseguidos pela regulação:
 

 

aumento da competitividade e sustentabilidade do audiovisual; ampliar o acesso às obras e aos canais brasileiros de programação; induzir o aprimoramento das obras e dos canais de programação brasileiros; estimular a interação entre os elos da cadeia produtiva; induzir a sustentabilidade das produtoras e das programadoras brasileiras independentes,  a partir da geração de receitas diretamente decorrentes das atividades de produção e programação;

Regulamentação

Objetivos perseguidos pela regulação:

 

estimular a ampliação da produção de obras audiovisuais brasileiras que:  após a primeira comunicação pública possam preservar valor comercial no mercado audiovisual em seus diversos segmentos;  possam gerar valor comercial a partir da exploração econômica, em produtos ou serviços, de elementos derivados, como formato, marcas, personagens, enredo, dentre outros; promover ampla, livre e justa competição ; Estimular a diversidade cultural no SeAC.

Regulamentação

Conceito estruturante da regulamentação

Poder Dirigente sobre o Patrimônio da Obra Audiovisual:  Poder de controle sobre o patrimônio da obra audiovisual.  É a detenção majoritária dos direitos patrimoniais da obra audiovisual, condição que permite ao detentor ou detentores:  auferir renda associada a esta participação patrimonial;  explorar diretamente ou outorgar direitos às diversas modalidades de exploração econômica da obra audiovisual ou da utilização de elementos derivados, condicionado a que a outorga, limitada no tempo, não descaracterize a titularidade e a detenção deste poder;  Elementos derivados e criação intelectual pré-existentes que pertençam originalmente a estrangeiros podem ser licenciados aos brasileiros, desde que estes mantenham poder dirigente sobre a obra.

Regulamentação

Conteúdo de Espaço Qualificado

  

Conteúdos seriados ou não seriados de ficção, documentário e animação; Realities; Variedades; Vídeomusicais. Estes conteúdos servem para o cumprimento das obrigações desde que o poder dirigente pertença a brasileiro ou brasileiro independente.

21

Regulamentação

Realities e variedades

Obras audiovisuais do tipo reality show ou de variedades brasileiras:  o formato a partir do qual foi originada deve ser de titularidade de agente econômico brasileiro; Obra audiovisual do tipo reality show ou de variedades brasileira de produção independente:  o formato a partir da qual foi originada deve ser de titularidade de agente econômico brasileiro independente.

22

Regulamentação

Videomusicais

Obra audiovisual do tipo videomusical:  As constituídas por registros audiovisuais de shows ou performances musicais, mesmo que editados, cumprem obrigações de veiculação apenas em canais de conteúdo videomusical;  As demais obras do tipo videomusical cumprem as obrigações nos demais canais de espaço qualificado.

23

Regulamentação

Conteúdos Brasileiros na Programação:
Cumprimento das Obrigações

Serão consideradas as obras audiovisuais aptas ao cumprimento das obrigações aquelas que:  tenham sido veiculadas:  por período inferior a 12 meses, a contar da data da primeira veiculação (limite para reprise: 1 ano);  em qualquer canal da programadora de suas controladas, controladoras ou coligadas, ou de empresas com que possua controlador ou administrador em comum;

24

Regulamentação

Publicidade

A veiculação de publicidade fica limitada a 25% da grade geral e também do horário nobre, ou seja:  105 minutos do horário nobre em canais de conteúdo infantil e adolescente;  90 minutos do horário nobre nos demais canais de programação. A publicidade de serviços e produtos em língua portuguesa, legendada em português ou de qualquer forma direcionada ao público brasileiro com veiculação contratada no exterior:  devem ser contratas por meio de agência brasileira de publicidade.

26

Regulamentação

Empacotamento: Cumprimento das Obrigações

Em cada pacote:  1 em cada três canais de espaço qualificado devem ser CBrEQ; e  1 em cada três canais CBrEQ devem ser programados por programadora brasileira independente

29

Fundo Setorial do Audiovisual

35

Novo FSA

CONDECINE

Os fatos geradores da Condecine são:  veiculação, licenciamento e distribuição de obras audiovisuais  Remessa ou crédito ao exterior Agora, a Condecine passa a incidir também sobre:  prestação de serviços de distribuição;

Novo FSA

Fundo Setorial do Audiovisual (FSA): novos recursos

Distribuídos segundo critérios de regionalização da produção e da programa; 30%, no mínimo destinadas a:  produtoras brasileiras estabelecidas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste; 10%, no mínimo destinadas ao:  fomento da produção de conteúdo audiovisual independente veiculado primeiramente nos canais comunitários, universitários e de programadoras brasileiras independentes.

Novo FSA

Linhas de ação do FSA: distribuição em 2011/2012
 

R$ 205 milhões Linha A - Produção Cinematográfica de Longa-Metragem  Modalidade Aporte - R$ 50 milhões  Modalidade Complementação - R$ 40 milhões Linha B - Produção Independente de Obras Audiovisuais para a Televisão  Obras seriadas e minisséries - R$ 50 milhões  Documentários (52 min.) - R$ 5 milhões Linha C - Aquisição de Direitos de Distribuição de Obras Cinematográficas de Longa-Metragem  R$ 50 milhões Linha D - Comercialização de Obras Cinematográficas Brasileiras de Longa-Metragem no Mercado de salas de cinema  R$ 10 milhões

38

Novo FSA

FSA: Sistemas de suporte financeiro possibilidades

Automático:  a seleção das ações financiadas é feita diretamente pelo beneficiário, premiado por seu desempenho e práticas comerciais anteriores; Seletivo:  as ações financiadas são selecionadas por técnicos credenciados sem participação nas empresas ou projetos, mediante critérios públicos pré-estabelecidos; Crédito a empresas audiovisuais:  sistema para cobertura dos investimentos das empresas audiovisuais; Participação em empresas audiovisuais:  sistema de investimento para a subscrição e integralização de participações minoritárias em empresas ou a aquisição de outros valores mobiliários.

42

Impactos da Lei 12.485/11

Brasil. 2011. TV Aberta. Número de Exibições de Filmes Brasileiros e Estrangeiros de Longa-metragem por Emissora (1)

44

Brasil. 2011. TV Aberta. Número de Exibições de Filmes Brasileiros e Estrangeiros de Longa-metragem por Emissora.

Figura 14 - Número de Exibições de Longas-Metragens por Emissora e por Origem
2500 2000 Longas-metragens Estrangeiros Longas-metragens Brasileiros
81 1.989 385

1500 1000
500 0 Rede Globo

142
162 400 272 107 240 136 52

778

3

1

TV Cultura

SBT

TV Brasil

BAND

Rede Record

Rede CNT

Rede TV!

MTV

Fonte: Grade de Programação das Emissoras. Jornais, site das emissoras e sites especializados.

Fonte: Ancine

45

Impactos

Inicia a regulação da atividade de comunicação no Brasil
 

 

Primeira lei convergente que não regula por plataforma; Demanda de aproximadamente 20.000 h/ano de veiculação para conteúdos brasileiros vai estruturar setor de produção, em especial os independentes; Indução do desenvolvimento audiovisual nas regiões Centro Oeste, Norte e Nordeste; Fortalecimento do sistema público de TV e das TVs comunitária a universitária; Estímulo ao desenvolvimento de empresas programadoras brasileiras independentes; Amplia diversidade de conteúdos na TV paga; Amplia recursos de FSA.

Obrigado!

Glauber Piva
www.glauberpiva.blogspot.com Twitter: @glauberpiva Facebook: Glauber Piva glauber.piva@ancine.gov.br

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->