ESCOLA POLITÉCNICA DE MINAS GERAIS - POLIMIG

Autor: Gilson de Sousa Rodrigues Curso: Técnico em Mecatrônica

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO
Atuando como projetista de Automação na empresa MGA Automação Industrial

Coordenador: Eurípes Balsanufo Alves

Belo Horizonte, 20 de Dezembro de 2011

Nome do estagiário: Gilson de Sousa Rodrigues Instituição de ensino: Escola Politécnica de Minas Gerais - POLIMIG Local da realização do estágio: MGA Automação Industrial, Belo Horizonte/MG Carga Horária de Estágio: 720 horas. Período de Estágio: 29/05/2011 até 29/11/2011 Duração total do período: 6 meses Curso Técnico em Mecatrônica Duração do Curso: 18 Meses Data de Término do Curso: 12/2010

2

Apresentação
Localizada em Belo Horizonte - MG, a empresa Mano Gontijo Automação Industrial, ou MGA, já atua há mais de 8 anos no mercado, prestando suporte a grandes e pequenas organizações. Na área de automação e projetos elétricos, a MGA é conhecida por sua excelência e compromisso, sendo certificada ISO 9001:2008. Com uma equipe de profissionais experientes e bem capacitados, a empresa presta serviços para os mais diferenciados ramos da indústria, atuando em organizações multinacionais como a Belgo Bekaert Arames, a Arcelor Mittal, White Martins e a Eaton. A MGA é conhecida também por trazer ao país o software Elecworks®, uma ferramenta revolucionária, criada e amplamente comercializada na Europa, utilizada para o desenvolvimento de projetos elétricos. Na área de Automação, a empresa atua no desenvolvimento de sistemas supervisórios1 e programas de controle por PLC2.

1.1Princípios da Empresa
A MGA tem como princípios fundamentais assegurar a satisfação dos clientes, colaboradores, associados, promovendo uma melhoria contínua dos serviços prestados, aprimoramento das pessoas envolvidas, trabalho interno, padronização de tarefas.
1

Sistema Supervisório é um programa de computador, responsável por trazer aos operadores uma visão geral do processo que está ocorrendo, bem como permiti-los comandar e operar este processo remotamente. (Vide Tópico 4.5 ) 2 Sigla em Inglês para Controlador Lógico Programável. PLC é uma unidade de processamento aritmético que, através de uma programação personalizada, gera sinais e pulsos elétricos utilizados para automatizar sistemas e processos. (Vide Tópico 4.4)

3

1.2Missão:
Desenvolver soluções em automação industrial e sistemas elétricos para atender todas as exigências de acordo com as necessidades de nossos clientes.

1.3Visão:
Ser uma empresa de excelência em automação industrial e sistemas elétricos, com profissionais altamente especializados, ferramentas altamente eficientes com soluções estratégicas de classe nacional dentro de três anos.

4

Sumário
Apresentação.................................................................................................................3 1.1 Princípios da Empresa.........................................................................................3 1.2 Missão:.................................................................................................................4 1.3 Visão:....................................................................................................................4 Sumário..........................................................................................................................5 3Introdução:...................................................................................................................6 Atividades desenvolvidas:.............................................................................................6 1.4 Leitura e compreensão de diagramas elétricos:..................................................6 1.5 Compreensão de diagramas P&Is.......................................................................7 1.6 Desenvolvimento de Documentos de Automação...............................................7 1.7 Programação em PLC..........................................................................................8 1.8 Sistema Supervisório............................................................................................9 1.9 Anexos................................................................................................................12 1.9.1 Diagramas Elétricos de Interligação............................................................12 1.9.2 Diagamas de Processo e Instrumentação (P&I).........................................13 1.9.3 Programa PLC.............................................................................................14 1.9.4 Sistema Supervisório...................................................................................15 Conclusão....................................................................................................................27 Agradecimentos...........................................................................................................28 Referências Bibliográficas............................................................................................29 Ficha de Avaliação.......................................................................................................30 Assinaturas...................................................................................................................31

5

3 Introdução:
Dentre as várias áreas de atuação do Técnico em Mecatrônica, a Automação se destaca pelo nível de conhecimento interdisciplinar necessário para o bom desenvolvimento de suas atividades. Conhecimento amplo na área de programação, elétrica, instrumentação e eletrônica, fazem do profissional que atua no mercado de Automação extremamente versátil e apto a resolver qualquer tipo de problemas que possa vir a encontrar em áreas afins. Ao longo deste relatório, irei descrever minhas funções desempenhadas como projetista de automação na empresa MGA.

Atividades desenvolvidas:
1.4Leitura e compreensão de diagramas elétricos:
Para a realização de qualquer projeto de automação, é desenvolvida pelos projetistas elétricos uma série de diagramas de contatos (vide anexo – Diagramas Elétricos de Interligação). Estes diagramas possuem, de forma detalhada, toda a parte de alimentação do projeto, bem como a alimentação do PLC e a distribuição de carga de seus cartões para os instrumentos e equipamentos que estarão presentes em campo. Para que pudesse dar inicio as minhas atividades, era necessário que utilizasse meus conhecimentos de leitura e interpretação de diagramas elétricos. Através do que me era passado por estes diagramas, eu poderia embasar todo o desenvolvimento da parte de automação, de forma a ser coerente com o escopo do projeto e com tudo que já havia até então sido planejado.

6

1.5Compreensão de diagramas P&Is
Projetos de automação de grande porte possuem uma série de diagramas descritivos da área de instrumentação. Os conhecidos Diagramas de Processo e Instrumentação, ou P&Is (também nomeados pela sigla inglesa P&IDs) são responsáveis por representar, através da norma regulamentadora ISA, todos os instrumentos e alguns equipamentos (como válvulas solenóides, válvulas controladas, motores e bombas), neste diagrama também se representa a comunicação Instrumento / PLC / Supervisório. Para ilustração, segue anexo um diagrama P&I simplificado (vide Anexos 4.4 Sistema Supervisório).

1.6Desenvolvimento Automação

de

Documentos

de

Toda vez que um projeto de Automação se inicia é necessário a criação de uma série de documentos. Uma das funções que desempenhei ao longo de meu estágio na MGA foi o desenvolvimento de alguns destes documentos: • LISTA DE ENTRADAS E SAÍDAS – Documento que agrupa todos os TAGs do cliente3 de acordo com o endereçamento de cada um nos cartões do PLC. Esta planilha cria, especificando por tipo de entrada e saída (analógica ou digital) e por tipo de equipamento (sensor, botão, motor, bomba, etc), um TAG interno4 que será utilizado em todo projeto de automação, inclusive na programação do PLC. • BASE DE DADOS – Este documento é responsável por trazer as informações principais de um projeto de automação. Nele serão identificados os comandos, estados, TAGs do cliente, TAGs internos, e outros típicos que fazem referencia aos instrumentos e equipamentos utilizados no processo que será automatizado. A Base de Dados conta ainda com uma versão resumida da Lista de Entradas e
3

Etiqueta dada pelo cliente para referenciar um equipamento ou instrumento pertencente ao seu processo. 4 Etiqueta atribuída pela MGA, aos componentes e/ou variáveis, que será utilizada para referencia-los na programação do PLC e do Sistema Supervisório.

7

Saídas (vista anteriormente), que descreve uma a uma todas as conexões de entrada e saída, bem como o endereçamento de cada uma nos contatos do PLC. • CRONOGRAMA – Esta planilha criada no Microsoft Project®, serve como

referência para gerentes, coordenadores e projetistas, de forma a todos estarem cientes do tempo demandado com cada atividade, bem como quanto ainda poderá ser gasto, de maneira a não ultrapassar os prazos estipulados para o desenvolvimento do projeto. Não estava previsto em minhas atividades a elaboração do cronograma, apenas sua atualização semanal. • MAPA DE MEMÓRIA – Planilha criada no Microsoft Excel® que têm como

finalidade organizar as informações de cada equipamento, listando seus Estados (ligado, desligado, aberto, fechado, em manutenção, etc.), seus Diagnósticos (falha no contator, defeito de sobrecarga, falha no Inversor sentido direto...) e Comandos (abre, fecha, liga, desliga, rearma, sentido inverso, sentido direto...), e após todas as informações acrescidas, organizá-las da maneira como devem aparecer nos bits de memória do PLC. Nota: Nenhum destes documentos foi anexado, devido à política de sigilo da empresa perante seus clientes.

1.7Programação em PLC
Os Controladores Lógicos Programáveis (ou PLCs) são largamente utilizados na Indústria. A capacidade, que estes equipamentos têm de lidar com variáveis analógicas, eventos discretos5, e agora mais recentemente, com a implementação da lógica fuzzy6, faz com que os PLCs sejam indicados para o controle de grandes e pequenos processos.
5

Processo em que as variáveis só assumem valores zeros ou um, ou seja composto por variáveis digitais.
6

É uma extensão da Lógica discreta, ao qual as variáveis podem receber valores intermediários entre 0 e 1, como por exemplo 0,5 (ou ‘TALVES’). Esta lógica engloba conceitos estatísticos e ainda não foi completamente difundida no meio industrial.

8

O PLC foi idealizado pela necessidade de poder se alterar uma linha de montagem sem que tenha de fazer grandes modificações mecânicas e elétricas. O equipamento nasceu praticamente dentro da industria automobilística, especificamente na Hydronic Division da General Motors, em 1968, sob o comando do engenheiro Richard Morley e seguindo uma especificação que refletia as necessidades de muitas indústrias manufatureiras. Com o avanço da tecnologia e consolidação da aplicação dos PLCs no controle de sistemas automatizados, é frequente o desenvolvimento de novos recursos dos mesmos. Hoje em dia os Controladores Lógicos possuem padrão de comunicação USB, transmissão sem fio por Wireless, memória expansiva Flash e uma série de pacotes aplicativos que permitem à comunicação com Sistemas Supervisórios, Banco de Históricos e softwares de gerenciamento. Em meu período de estágio na MGA eu realizei a programação de um PLC Allen Bradley Micrologix 1400, equipamento de pequeno porte que trabalha com o protocolo de comunicação Ethernet TCP/IP. Com o equipamento eu fui responsável por criar o controle do processo da Central de Ácido Sulfúrico na Belgo Bekaert Arames. Processo utilizado para a trefilação do Arame. Nota: Não é possível informar mais detalhes deste projeto devido à politica de sigilo da empresa.

1.8Sistema Supervisório
Sistemas Supervisórios ou Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados, ou ainda SCADA (proveniente do seu nome em inglês Supervisory Control and Data Aquisition) são sistemas que utilizam software para monitorar, supervisionar e

9

controlar um processo Indústrial. Estes sistemas podem assumir topologia monoposto, cliente-servidor ou múltiplos servidores-clientes. Os Sistemas Supervisórios, são largamente utilizados na Indústria. Ao serem responsáveis por gerar maior qualidade, redução dos custos operacionais, maior desempenho de produção, acabam sendo fonte de uma grande vantagem competitiva a todas as fábricas que os possuem. • QUALIDADE: Através do monitoramento das variáveis do processo produtivo, (pressão, temperatura, vazão, etc.) é possível determinar níveis ótimos de trabalho. Caso estes níveis saiam da faixa aceitável o Sistema de Supervisão pode gerar um alarme na tela, alertando o operador do processo para um eventual problema no processo produtivo. Desta forma, as intervenções no processo são feitas rapidamente, garantindo que o produto final sempre tenha as mesmas características. • REDUÇÃO DOS CUSTOS OPERACIONAIS: Imagine um processo produtivo

com inúmeros instrumentos de medição. Quanto tempo e quantos funcionários especializados seriam necessários para percorrer todo o processo de produção a fim de realizar a leitura de todos os instrumentos? Quantas planilhas seriam necessárias e qual a probabilidade de erros humanos? Com um Supervisório é possível centralizar toda a leitura dos instrumentos de campo, gerar gráficos de tendência e gráficos históricos das variáveis do processo. São necessários poucos funcionários especializados e com poucos “cliques” de mouse é possível realizar a leitura dos instrumentos de um processo industrial inteiro. • MAIOR DESEMPENHO DA PRODUÇÃO: Através da rapidez da leitura dos instrumentos de campo, as intervenções necessárias podem ser feitas mais rapidamente. Problemas de parada de máquina por defeitos podem ser diagnosticados mais pontualmente e os setup’s de máquina também são agilizados.

10

Atualmente, para desenvolver projetos de Sistema Supervisório não é necessário o conhecimento de nenhuma linguagem de programação em específico. A maioria dos passos de programação é automatizada, suprindo a maior parte das necessidades de um projeto. Em casos mais complexos e específicos, onde os passos não estão automatizados, alguns Supervisórios incorporam módulos de programação em VBA (Visual Basic For Applications) ou VBS (Visual Basic Script). Em alguns casos encontram-se linguagem próprias, mas sempre parecidas com linguagens comerciais que já são difundidas. Em meu estágio na MGA, utilizei um software de desenvolvimento de Sistemas de Supervisão da Rockwell (da fabricante de PLCs Allen Bradley), conhecido como FactoryTalk Site Edition®. O supervisório desenvolvido seria responsável por controlar e monitorar todo Sistema de Utilidades da mineradora Arcelor Mittal de João Monlevade. Como algumas telas do Sistema deveriam possuir funcionalidades bem específicas, tive de utilizar meus conhecimentos em VBA e ActiveX Controllers, para programa-las de forma a seguirem todas as recomendações do cliente. Também utilizei no desenvolvimento do Supervisório da Arcelor Mittal gravação e pesquisa de dados em Banco de Dados Microsoft SQLServer®.

11

1.9Anexos
1.9.1 Diagramas Elétricos de Interligação

Figura 1 – Diagrama Elétrico. Fonte: http://dacdesenhos.com.br/contradas/dac-msn.htm

12

1.9.2

Diagamas de Processo e Instrumentação (P&I)

Figura 2 – Diagrama de Processos e Instrumentação. Fonte: http://ardnas20.wordpress.com/2011/05/05/pid-what-is-it/

13

1.9.3

Programa PLC

Figura 3 – Programação em um Programa PLC Logix 5000. Fonte: http://www.kollewin.com/blog/rslogix-500-to-rslogix-5000/

14

1.9.4

Sistema Supervisório

Figura 4 – Tela da arquitetura de automação em um sistema Supervisório. Fonte: http://watersystemsz.com/1896-scada-system-for-watertreatment.html

15

Figura 5 - Tela de equipamentos de um sistema supervisório. Fonte: http://watersystemsz.com/1896-scada-system-for-watertreatment.html

16

Figura 6 – Tela de objetos com menu de alarmes em um Sistema Supervisório. Fonte: http://watertreatmentprocess.net/wpcontent/uploads/2010/12/sewage-scada.jpg

17

18

19

20

21

22

23

24

25

Figura 7 – Sistema Supervisório 3D, desenvolvido na plataforma FactoryTalk View SE® da Rockwell Automation. Fonte: http://www.automationengineering.co.uk/wp-content/uploads/2011/06/FactoryTalk-view.jpg

26

Conclusão
Durante o período de estágio tive a oportunidade de conhecer e trabalhar com engenheiros experientes da área de Automação. A troca de informações e o Networking que desenvolvi ao longo deste período, são experiências fundamentais para o meu crescimento pessoal e profissional. A oportunidade de conviver, no dia-a-dia de uma empresa de engenharia, foi importante para consolidar o conhecimento adquirido por mim durante o curso técnico. No Polimig tive a oportunidade de conhecer um pouco da teoria que me faria um profissional qualificado, mas foi o meu convívio na MGA que me mostrou como aplicar tudo o que havia aprendido, de forma a usar todo meu conhecimento para desenvolver um projeto concreto e com o mínimo de falhas. Ao fim do meu estágio pude observar o meu avanço, e hoje perto de ser um técnico em mecatrônica me sinto preparado para assumir as responsabilidades do meu cargo, assim como superar todos os desafios que me serão dados de agora em diante. É importante lembrar que, este estágio não serviu apenas como conclusão do meu curso técnico, mas serviu também como início da minha vida profissional e experiência para a minha graduação em Engenharia de Controle e Automação.

27

Agradecimentos
Ao fim deste período de convivência na MGA, vejo que não adquiri só conhecimento, consegui também, graças a Deus, amigos para toda a vida. Agradeço aos minutos de paciência gastos pelo meu coordenador Thiago. Além de incrivelmente engraçado e brincalhão, foi o primeiro a se sentar ao meu lado e colocar todo meu conhecimento em ordem, me ensinando a leitura de diagramas e fluxogramas e linguagem Ladder. Não posso me esquecer de agradecer ao meu amigo, e também coordenador Rômulo, que com um sorriso largo e muita vontade de tomar café me fez aprender tudo que sei sobre Sistemas Supervisório. Agradeço também ao Aldo, que me garantiu o meu tempo de estágio, colocou grandes responsabilidades em minhas mãos, e confiou em mim para que pudesse desenvolver minhas habilidades. Mas acima de tudo quero agradecer aos meus Irmãos pelo apoio em todas as horas, a minha mãe pela torcida e orações gastas ao meu favor, e também ao Mário, um verdadeiro amigo ao qual tive a boa sorte de conhecer na UFMG, e que por sua indicação me proporcionou estar aqui escrevendo este relatório. Agradeço também a todos os professores e funcionários do Polimig. Foi através de incentivo, paciência e muita compreensão que se tornou tão agradável e produtivo meu período de convivência no colégio.

28

Referências Bibliográficas
Enciclopédia Livre, Wikipedia. Lógica Difusa. Disponível http://pt.wikipedia.org/wiki>Acesso em: 21 de novembro de 2011 em:<

Enciclopédia Livre, Wikipedia. Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki> Acesso em: 21 de novembro de 2011 Enciclopédia Livre, Wikipedia. Controlador Lógico programável. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki>. Acesso em: 21 de novembro de 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Biblioteca Universitária. Serviço de Referência. Catálogos de Universidades. Apresenta endereços de Universidades nacionais e estrangeiras. Disponível em: <http://www.bu.ufsc.br>. Acesso em: 22 novembro 2011. ESCOLA POILITÉCNICA DE MINAS GERAIS - POLIMIG - Manual do Estagiário de Sucesso. Belo Horizonte, 2009.

29

Ficha de Avaliação
I R B MB O → → → → → Insuficiente Regular Bom Muito Bom Ótimo CONCEITO R B MB

ASPÉCTOS A SEREM AVALIADOS 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 Pontualidade Responsabilidade Organização e método no trabalho Facilidade de compreensão Iniciativa – Independência Capacidade de assimilação Conhecimentos técnicos Relacionamento com os colegas Rendimento no trabalho Discrição Cooperação Atitudes para com a Empresa Desenvolvimento Atitudes para com o Orientador Desempenho geral do Funcionário

I

O

___________________________________________________ Aldo Mano Gontijo

30

Assinaturas

___________________________________________________ Gilson de Sousa Rodrigues Estagiário

___________________________________________________ Aldo Mano Gontijo Responsável pelo Acompanhamento do estagiário

___________________________________________________ Euripes Balsanufo Alves Coordenador do Curso

31

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful