P. 1
AFO

AFO

|Views: 157|Likes:

More info:

Published by: evandrocs1_860848766 on Aug 14, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/12/2013

pdf

text

original

Administração Financeira e Orçamentária

Agente de Polícia Federal

Atividade Financeira do Estado
Receita Pública

Despesa Pública

Atividade Financeira do Estado

Crédito Público

Orçamento Público

Instrumentos de Planejamento Governamental
Instrumentos Constitucionais de Planejamento:  PPA – Plano Plurianual  LDO – Lei de Diretrizes Orçamentárias  LOA – Lei Orçamentária Anual  Planos Nacionais e Regionais de Desenvolvimento.
Art. 174. Como agente normativo e regulador da atividade econômica, o Estado exercerá, na forma da lei, as funções de fiscalização, incentivo e planejamento, sendo este determinante para o setor público e indicativo para o setor privado. § 1º - A lei estabelecerá as diretrizes e bases do planejamento do desenvolvimento nacional equilibrado, o qual incorporará e compatibilizará os planos nacionais e regionais de desenvolvimento. Art. 165...

Os planos e programas nacionais, regionais e setoriais previstos nesta Constituição serão elaborados em consonância com o plano plurianual e apreciados pelo Congresso Nacional.

Finanças Públicas LEI 4320/ 64 LEI COMPLEMENTAR 101/00 – LRF Portaria 42/99 SOF MPOG Manual Técnico do Orçamento – MTO (SOF MPOG) .Normas Jurídicas.

atividades e *Operações Especiais)  .O PLANO PLURIANUAL .PPA A Lei do PPA estabelecerá de Forma Regionalizada:  Diretrizes  Objetivos  Metas  Para as despesas de Capital e as delas decorrentes. Composição (ou estrutura) do PPA: Objetivos Gerais e Específicos Programas Ações (projetos. bem como para as relativas aos programas de duração continuada.

. Apreciação pela Comissão Mista de Planos.      Apresentação da Proposta pelo PE.Processo Legislativo de Aprovação das Leis de Planejamento e Orçamento Públicos Processo Legislativo de Aprovação da Lei do PPA. Orçamento e Fiscalização. O PE pode enviar mensagem de alteração do PPPA enquanto não tiver iniciada na Comissão Mista a votação da parte em que se propõe alteração. Inserção de Emendas Parlamentares (discricionária). LDO e LOA PROPOSTA DE PPA – LDO-LOA – Iniciativa do Chefe do Executivo. Apreciação pelas duas Casa do CN na forma do Regimento Comum.

Os serviços da dívida. Ressarcimentos.NÃO INTEGRAM O PPA: As operações especiais. As indenizações. e As Reservas de Contingências: .

VIGÊNCIA DO PPA PRAZO PARA ENVIO DA PROPOSTA AO PL: ATÉ 31/08 PRAZO PARA DEVOLUÇÃO DA PROPOSTA AO PE: ATÉ 22/12 .

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS . 165.) PRAZO DE VIGÊNCIA: 1 ANO.  Prazo para envio do PLDO: até 8.  Prazo para devolução do PLDO: até o encerramento do primeiro período da sessão legislativa (17/07). incluindo as despesas de capital. . É elaborada em um exercício para viger no exercício seguinte. § 2º.5 meses do encerramento do exercício (15/04). C. F. e:  ORIENTARÁ A ELABORAÇÃO DA LOA  DISPORÁ SOBRE AS ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA  DISPORÁ SOBRE AS APLICAÇÕES DAS AGENCIAS OFICIAIS DE FOMENTO. Processo Legislativo de Aprovação da Lei da LDO  Apresentação do Projeto pelo PE  Emendas parlamentares  Apreciação das Emendas pela Comissão Mista de  Apreciação pelas duas Casa do CN na forma do Regimento Comum  O PE pode enviar mensagem de alteração do PLDO enquanto não tiver iniciada na Comissão Mista a votação da parte em que se propõe alteração.LDO Compreende as METAS e PRIORIDADES da Adm. (Art. Pública Federal para o exercícios subsequente.

.A LDO E A LRF A LRF determina que a LDO disporá também sobre:     equilíbrio entre receitas e despesas. critérios e forma de limitação de empenho. demais condições e exigências para transferências de recursos a entidades públicas e privadas. normas relativas ao controle de custos e à avaliação dos resultados dos programas financiados com recursos dos orçamentos.

destacando a origem e a aplicação dos recursos obtidos com a alienação de ativos. 4º) Integrará o projeto de lei de diretrizes orçamentárias Anexo de Metas Fiscais. II .avaliação do cumprimento das metas relativas ao ano anterior. relativas a receitas. comparando-as com as fixadas nos três exercícios anteriores. resultados nominal e primário e montante da dívida pública. . despesas. O Anexo conterá.A LDO E A LRF. III . instruído com memória e metodologia de cálculo que justifiquem os resultados pretendidos. IV .Anexo de Metas Fiscais (art. também nos últimos três exercícios. ainda: I . para o exercício a que se referirem e para os dois seguintes. e evidenciando a consistência delas com as premissas e os objetivos da política econômica nacional. V . em valores correntes e constantes.avaliação da situação financeira e atuarial: a) dos regimes geral de previdência social e próprio dos servidores públicos e do Fundo de Amparo ao Trabalhador. em que serão estabelecidas metas anuais. b) dos demais fundos públicos e programas estatais de natureza atuarial.demonstrativo da estimativa e compensação da renúncia de receita e da margem de expansão das despesas obrigatórias de caráter continuado.demonstrativo das metas anuais.evolução do patrimônio líquido.

ou seja. O Resultado Primário pode ser associado à política fiscal adotada pelo governo. O arrefecimento do RP significa a redução da carga tributária ou aumento dos gastos públicos. se as Receitas Primárias são capazes de suportar as Despesas Primárias. estamos diante de uma política restritiva na medida em que as demais despesas não financeiras estão deixando de ser realizadas.Resultado Primário Corresponde a economia que os entes públicos deverão fazer para o pagamento dos juros e principal da dívida pública. Conceitualmente representa a diferença entre as receitas não financeiras e as despesas não financeiras apuradas em balanço orçamentário.´ Assim. Quando o RP aumenta. . o RP indica se os níveis de gastos orçamentários dos entes federativos são compatíveis com a sua arrecadação.

caso se concretizem. .A LDO E A LRF O Anexo de Riscos Fiscais integrará PLDO. No Anexo de Metas Fiscais onde serão avaliados os passivos contingentes e outros riscos capazes de afetar as contas públicas. Estabelecerá a forma de utilização e montante da Reserva de Contingência. calculada sobre a RCL. informando as providências a serem tomadas.

o orçamento de investimento das empresas em que a União. bem como os fundos e fundações instituídos e mantidos pelo Poder Público. detenha a maioria do capital social com direito a voto. direta ou indiretamente. PROGRAMA – Módulo integrador entre o PPA e a LOA Integrará a LOA:    o orçamento fiscal referente aos Poderes da União. inclusive fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público. da administração direta ou indireta.A LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL A LOA tem vigência de um ano: é elaborada em um exercício para viger no exercício seguinte Dota de recursos as ações dos programas contidos no PPA tidos como prioritários na LDO. órgãos e entidades da administração direta e indireta. seus fundos. . abrangendo todas as entidades e órgãos a ela vinculados. o orçamento da seguridade social.

As emendas são apreciadas pela Comissão Mista de Planos Orçamentos e Fiscalização que sobre elas emitirá parecer. O Presidente da República poderá enviar mensagem propondo alterações no PLOA enquanto não iniciada na CMPOF a votação da parte em que se propõe a alteração. Os parlamentares podem propor emendas ao PLOA. Após a apreciação das emendas na CMPOF a PLOA é enviada ao Congresso Nacional para apreciação na Forma do Regimento Comum. .ELABORAÇÃO DA LOA Todos os órgãos e Poderes elaboram suas propostas e enviam ao Poder Executivo (MPOG) que as consolidam e enviam uma proposta de LOA ao Congresso Nacional.

excluídas as que incidam sobre:    a) dotações para pessoal e seus encargos.sejam compatíveis com o plano plurianual e com a lei de diretrizes orçamentárias.LOA – EMENDAS PARLAMENTARES (Art. § 3º) .: A LOA poderá conter autorização para abertura de créditos suplementares e autorização para contratação de operações de crédito. Obs. ainda que por antecipação de receita orçamentária . ou III . b) serviço da dívida.  . c) transferências tributárias constitucionais para Estados. Municípios e Distrito Federal. II .indiquem os recursos necessários. ou b) com os dispositivos do texto do projeto de lei. 165.ARO (exceção ao princípio da exclusividade).As emendas ao projeto de lei do orçamento anual ou aos projetos que o modifiquem somente podem ser aprovadas caso:   I .sejam relacionadas:   a) com a correção de erros ou omissões. admitidos apenas os provenientes de anulação de despesa.

incorpora-se ao orçamento mas mantém sua especificidade. demonstrando-se as contas do mesmo separadamente Até o final do exercício em que foi aberto (31/12) SÓ PARA O EXERCÍCIO SEGUINTE SE O ATO DE AUTORIZAÇÃO TIVER SIDO PROMULGADO NOS ÚLTIMOS QUATRO MESES DO EXERCÍCIO . Decreto do Executivo incorpora a dotação ao Orçamento Até o final do exercício em que foi aberto (31/12) SÓ PARA O EXERCÍCIO SEGUINTE SE O ATO DE AUTORIZAÇÃO TIVER SIDO PROMULGADO NOS ÚLTIMOS QUATRO MESES DO EXERCÍCIO Extraordinário.CRÉDITOS ADICIONAIS Tipo Indica FR Autorização Legislativa Vigencia Prorrogação Suplementar – Reforça dotações previstas na LOA Sim Sim.Atende despesas não previstas na LOA e decorrentes de situações excepcionais (guerra. Medida Provisória ou Decreto.) Não é exigida a indicação da FR Não necessita de autorização Legislativa. Decreto do Executivo incorpora a dotação ao Orçamento Até o final do exercício em que foi aberto (31/12) improrrogável Especial.. calamidade..Atende despesas não previstas na LOA Sim Sim.

Fonte de Recursos para Créditos Adicionais Excesso de Arrecadação Operações de Crédito Recursos decorrentes de rejeição ou veto da LOA e que ficaram sem despesas correspondentes Superávit Financeiro Reserva de Contingência Recursos decorrentes de anulação de outras dotações .

(Analista ANTAQ 2009 Cespe) No plano plurianual 20082011. editou-se a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). (Analista Contabilidade ANATEL 2009 Cespe) Em atendimento ao disposto no texto constitucional. estabelecendo a necessidade de lei complementar em matéria orçamentária.º 4.PROVA!!! PPA 1. 2. está organizada a atuação governamental em programas orientados para o alcance dos objetivos estratégicos definidos para o período do plano. mas nele não constam os programas destinados exclusivamente a operações especiais. que preencheu as lacunas da Lei n.320/1964. JÁ CAIU EM .

ANATEL 2009 Cespe) O plano plurianual representa a mais abrangente peça de planejamento governamental. 4. com o estabelecimento de prioridades e no direcionamento das ações do governo. (Téc. Adm. (Téc. . Adm. ANATEL 2009 Cespe) A ação orçamentária articula um conjunto de programas que concorrem para a concretização de um objetivo comum.3. para um período de quatro anos.

. (Analista Adm.• 5. (Téc. ANATEL 2009 Cespe) Os programas. podem ser classificados em atividades. conforme suas características. • 6. projetos e operações especiais. Adm. IBRAM 2009 Cespe) A incompatibilidade com o Plano Plurianual (PPA) e com a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) impede a aprovação de emendas ao projeto de LOA ou aos projetos que o modifiquem.

• 7. somente constarão as empresas estatais dependentes.• LOA • Com relação às características da lei orçamentária anual (LOA). contempla apenas as despesas correntes que serão realizadas pelas empresas que o compõem. • • 9. (ACE TCE AC 2009 Cespe) O orçamento de investimentos. julgue os itens seguintes. • • 8. (ACE TCE AC 2009 Cespe) O orçamento da seguridade social cobre as despesas classificáveis como de seguridade social e não apenas as entidades ou órgãos da seguridade social. no âmbito federal. . • • 10. (ACE TCE AC 2009 Cespe) O orçamento de capital das estatais dependentes é controlado pelo Departamento de Controle das Empresas Estatais. (ACE TCE AC 2009 Cespe) No orçamento de investimentos.

Acerca das normas gerais de direito financeiro estabelecidas pela Lei n. a parcela ainda em aberto deverá ser cancelada.320/1964. julgue os itens que se seguem. 14. no primeiro ano. (ACE TCE AC 2009 Cespe) O orçamento fiscal não contempla a administração indireta. (Analista Judiciário STM 2011 Cespe) Se o projeto de construção de uma ponte está previsto para ser concluído em três anos e. 13.º 4. 12. • • • • • . parte dos empenhos emitidos não tiver sido integralmente paga. (Analista Judiciário STM 2011 Cespe) O imposto sobre a renda devido por um contribuinte que auferiu rendimentos em dezembro de determinado ano constitui receita da União para o mesmo exercício financeiro dos rendimentos. (Analista Judiciário STM 2011 Cespe) Em nenhuma hipótese. a lei orçamentária anual pode consignar recursos destinados a ajudar financeiramente empresas com fins lucrativos de cujo capital o poder público não faça parte.• • 11.

.

Leandro Santos .Administração Financeira e Orçamentária Agente de Polícia Federal Prof.

mas. Dizemos assim que o orçamento é uma lei formal. por exemplo.Natureza Jurídica do Orçamento . Os créditos suplementares e especiais também são aprovados como leis ordinárias. É uma lei formal – formalmente o orçamento é uma lei. pois diversas vezes deixa de possuir uma característica essencial das leis: a coercibilidade. que pode. É uma lei ordinária – todas as leis orçamentárias (PPA. deixar de realizar uma despesa autorizada pelo legislativo. . LDO e LOA) são leis ordinárias. . . É uma lei especial – possui processo legislativo diferenciado e trata de matéria específica. em vários casos ela não obriga o Poder Público. conforme vimos acima. É uma lei temporária – a lei orçamentária tem vigência limitada (um ano). .

NORMAS JURÍDICAS PRINCÍPIOS REGRAS .

Atende o que está previsto no inciso II do art.Princípio da legalidade Diz respeito às limitações ao poder de tributar do Estado. devem passar pelo exame e pela aprovação do parlamento . LDO e LOA). O princípio da legalidade orienta a estruturação do sistema orçamentário. 5º da CF. Em função desse princípio o planejamento e o orçamento são realizados através de leis (PPA. a arrecadação de receitas e a execução de despesas. onde menciona que “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”. em especial. Quando o orçamento é aprovado pelo Legislativo há garantia de que todos os atos relacionados aos interesses da sociedade.

nenhuma receita ou despesa pode fugir ao controle do Legislativo. . inclusive a dos fundos.Princípio da unidade estabelece que todas as receitas e despesas devem estar contidas numa só lei orçamentária. orçamentária e financeira dos órgãos. de qualquer natureza. mesmo considerando a independência dos Poderes ou a autonomia administrativa. ou seja. Princípio da universalidade estabelece que todas as receitas e despesas. Em conformidade com esse princípio não deve haver orçamentos paralelos. dos empréstimos e dos subsídios. procedência ou destino. as propostas orçamentárias de todos os órgãos e Poderes devem estar contidas numa só lei orçamentária. devem estar contidas na lei orçamentária anual.

Princípio da anualidade ou periodicidade estabelece que o orçamento deve ter vigência limitada no tempo, um ano. Está explícito no art. 34 da Lei nº 4.320/64, onde estabelece que exercício financeiro coincidirá com o ano civil.

Princípio da exclusividade
estabelece que a lei orçamentária anual não poderá conter dispositivos estranhos à fixação das despesas e previsão das receitas, ressalvada a autorização para a abertura de créditos suplementares e contratação de operações de crédito, ainda que por antecipação da receita.

Princípio da anualidade ou periodicidade estabelece que o orçamento deve ter vigência limitada no tempo, um ano. Está explícito no art. 34 da Lei nº 4.320/64, onde estabelece que exercício financeiro coincidirá com o ano civil.

Princípio da exclusividade
estabelece que a lei orçamentária anual não poderá conter dispositivos estranhos à fixação das despesas e previsão das receitas, ressalvada a autorização para a abertura de créditos suplementares e contratação de operações de crédito, ainda que por antecipação da receita.

Princípio do orçamento bruto Esse princípio estabelece que as receitas e despesas devem ser demonstradas na LOA pelos seus valores totais, isto é, sem deduções ou compensações. Princípio do equilíbrio O orçamento deverá manter o equilíbrio, do ponto de vista contábil, entre os valores de receita e de despesa. Princípio da especificação ou especialização: Esse princípio impõe a classificação e designação dos itens que devem constar na LOA. Essa regra opõe-se à inclusão de valores globais, de forma genérica, ilimitados e sem discriminação e ainda, o início de programas ou projetos não incluídos na LOA e a realização de despesas ou assunção de obrigações que excedam os créditos orçamentários ou adicionais (art. 167, incisos I, II e VI da CF).

MPU 2010 Cespe) A aplicação do princípio do orçamento bruto visa impedir a inclusão. de importâncias líquidas. (Analista Orç. julgue os itens subsequentes. o montante das despesas não deve superar o montante das receitas previstas para o período.Já caiu em prova! Acerca de princípios orçamentários. (Analista Orç. no orçamento. MPU 2010 Cespe) O princípio da exclusividade foi proposto com a finalidade de impedir que a lei orçamentária. a inclusão apenas do saldo positivo ou negativo resultante do confronto entre as receitas e as despesas de determinado serviço público. 3. (Analista Orç. fosse utilizada como mecanismo de aprovação de matérias diversas às questões financeiras. 2. MPU 2010 Cespe) De acordo com o princípio da não afetação. 1. em razão da natural celeridade de sua tramitação no legislativo. . isto é.

5. 6. este não poderá ser utilizado.Já caiu em Prova! Em relação a conceitos básicos e princípios gerais de orçamento. (Administrador STM 2011 Cespe) Nem todas as entidades da administração pública indireta obedecem ao princípio orçamentário da universalidade. (Administrador STN 2011 Cespe) Para ser considerada um princípio orçamentário. . (Administrador STM 2011 Cespe) Se a lei for omissa em relação a determinado procedimento de natureza orçamentária. 7. o benefício não precisa ser demonstrado no projeto de lei orçamentária. a norma precisa obrigatoriamente estar incluída na Constituição Federal ou na legislação infraconstitucional. (Administrador STM 2011 Cespe) Se o governo federal concede anistia de juros sobre as dívidas tributárias federais de determinada região atingida por uma calamidade climática restrita a apenas um estado da Federação. 4. julgue os itens subsequentes.

Já caiu em Prova! 8. lei ordinária e especial. novos empréstimos poderão ser realizados. desde que autorizados por maioria absoluta do respectivo Poder Legislativo. 9. em determinado exercício financeiro. o projeto de lei orçamentária não poderá mais receber emendas. 10. (Administrador STM 2011 Cespe) Uma vez aprovado no âmbito da Comissão Mista de Orçamentos. quando for submetido à votação no plenário do Congresso Nacional. . as despesas de capital fixadas no orçamento sejam integralmente financiadas com recursos de operações de crédito. viola o princípio da totalidade orçamentária. (Administrador STM 2011 Cespe) Mesmo que. ao admitir a existência do orçamento da seguridade social e do orçamento fiscal. ao mesmo tempo. 11. (Administrador STM 2011 Cespe) A lei orçamentária anual elaborada no âmbito da União é. (Administrador PREVIC 2011 Cespe) A legislação brasileira.

Ext. 15. TCE TO 2009 Cespe) O princípio da unidade estabelece que todas as receitas e despesas constarão da LOA pelos seus totais. Cont. Cont. 13. (Téc.Já caiu em Prova! 12. Ext. vedadas quaisquer deduções. (Téc. (Téc. (ACE TCE AC 2009 Cespe) O princípio do equilíbrio determina que a receita fixada não deve ultrapassar a despesa prevista. TCE TO 2009 Cespe) O princípio da especificação estabelece que o orçamento deve conservar estrutura uniforme nos distintos exercícios. Cont. as operações de crédito por antecipação de receita orçamentária devem fazer parte da LOA. TCE TO 2009 Cespe) De acordo com o princípio da universalidade. TCE TO 2009 Cespe) A autorização para abertura de créditos adicionais na LOA é uma exceção ao princípio da exclusividade. (Téc. Ext. 14. Cont. . 16. Ext.

20. econômicas e de intervenção no domínio econômico representam. ressalvadas as hipóteses expressamente mencionadas em lei. (Analista Adm. 18. . (ACE TCE AC 2009 Cespe) Um orçamento altamente especificado dificulta a fiscalização parlamentar. 19. no âmbito da União. de autorização para abertura de crédito adicional. dificuldades para o cumprimento do princípio orçamentário da não-afetação das receitas públicas. na lei orçamentária. MI 2009 Cespe) O princípio orçamentário da não vinculação ou não afetação das receitas abrange todos os tributos.Já caiu em Prova! 17. (ACE TCE AC 2009 Cespe) O cumprimento do princípio da anualidade impede a inclusão. (ACE TCE AC 2009 Cespe) As contribuições sociais.

Administração Financeira e Orçamentária Agente de Polícia Federal Prof.Leandro Santos .

julgue os itens seguintes: 1. 3. conjugando-se os saldos dos créditos adicionais transferidos e as operações de crédito a eles vinculadas. (Procurador TCE ES 2009 Cespe) Os créditos adicionais se referem às autorizações de despesa expressamente dotadas na lei de orçamento. 2(Procurador TCE ES 2009 Cespe) Os créditos extraordinários destinam-se a despesas para as quais não haja dotação orçamentária específica. .Já Caiu em prova! Acerca dos créditos adicionais. (Procurador TCE ES 2009 Cespe) Excesso de arrecadação é a diferença positiva entre o ativo financeiro e o passivo financeiro.

5. (Procurador TCE ES 2009 Cespe) Abrir créditos extraordinários por lei complementar compete ao Poder Legislativo. excetuadas expressas disposições legais em contrário. que deles dará imediato conhecimento ao Poder Executivo. relacionadas aos créditos especiais e extraordinários .4. (Procurador TCE ES 2009 Cespe) A vigência dos créditos adicionais será limitada ao exercício financeiro em que eles forem abertos.

da seguridade social e de investimento —. 7. o orçamento geral da União é único e válido para os três poderes. (Analista MPU 2010 Cespe) As garantias às operações de crédito são exceções ao princípio orçamentário da não afetação.Já caiu em Prova! Julgue os próximos itens.(Analista MPU 2010 Cespe) Apesar de possuir três peças — fiscal. referentes a orçamento público. o orçamento fiscal deve ser compatível com o plano plurianual. . 8. 6. (Analista MPU 2010 Cespe) Para que se atinja o equilíbrio distributivo e se reduzam as possíveis desigualdades inter-regionais.

com prévia e específica autorização legislativa. até o dia 31 de agosto do ano anterior à sua aplicação. . 10. mediante créditos especiais ou suplementares. (Analista MPU 2010 Cespe) De acordo com a Constituição Federal de 1988. pelo Congresso Nacional. o Congresso Nacional pode entrar em recesso sem que tenha sido aprovado o projeto de lei de diretrizes orçamentárias. (Analista MPU 2010 Cespe) Os recursos que ficarem sem despesas correspondentes poderão ser realocados. para sanção presidencial. 11. conforme o caso.9. (Analista MPU 2010 Cespe) O projeto de lei orçamentária deve ser encaminhado.

DESPESA PÚBLICA Conceito: Enfoque patrimonial (Resolução CFC 1121/08): Despesas são reduções no benefício econômico durante o período contábil sob a forma de saída de recursos ou redução de ativos ou incrementos em passivos. que resultem em decréscimos do patrimônio líquido e que não sejam provenientes de distribuição aos proprietários da entidade Enfoque orçamentário (Manual da Despesa Nacional/SOF): Despesa/Dispêndio orçamentário é o fluxo que deriva da utilização de crédito consignado no orçamento da entidade. podendo ou não diminuir a situação líquida patrimonial .

. promissórias.. estoque. Patrimônio Líquido (PL): representa a diferença entre o total do ativo e o total do passivo.. promissórias a receber.. Bens: imóveis. . . Direitos: duplicata a receber.. Obrigações: duplicatas a pagar. mercadorias.Composição do Patrimônio: Ativo (A): composto pelo somatório dos bens e direitos.P . PL = A . Passivo (P): representa as obrigações da entidade com terceiros.. caixa.

Despesa Orçamentária: é aquela que decorre da execução do orçamento. Ex.: despesas com pessoal. Despesa Intra-orçamentária: Lançamento contábil para evitar o duplo lançamento de despesas que se realizam entre unidades orçamentárias que integram o mesmo orçamento. São exemplos as despesas com devolução de garantias e cauções prestadas pelo administrado. Despesas extra-orçamentárias: Despesas com devolução de recursos recebidos de terceiros em que a União atuou como depositante. . além das despesas com restos a pagar. manutenção e investimentos previstos na LOA.

(APO MPOG 2010 ESAF) As receitas orçamentárias são ingressos de recursos que transitam pelo patrimônio do poder público. . (APO MPOG 2010 ESAF) As receitas orçamentárias decorrem de recursos transferidos pela sociedade ao Estado e são classificadas como permanentes e temporárias.Já caiu em Prova!! (Analista ANATEL 2009 Cespe) As receitas intraorçamentárias se contrapõem às despesas intraorçamentárias e se referem a operações entre órgãos e entidades integrantes dos orçamentos fiscal e da seguridade social da mesma esfera governamental. (APO MPOG 2010 ESAF) Recursos financeiros de qualquer origem são registrados como receitas orçamentárias para que possam ser utilizados pelos entes públicos. (APO MPOG 2010 ESAF) As receitas orçamentárias restringem-se aos ingressos que não geram contrapartida no passivo do ente público. financeiros e não-financeiros. podendo ser classificadas como efetivas e não-efetivas. porque transitam pelo patrimônio público. (APO MPOG 2010 ESAF) Todos os ingressos de recursos. são classificados como receita orçamentária.

devendo responder de forma transparente e objetiva as perguntas que classicamente são caracterizadas no ato de orçar. dentro da estrutura programática da despesa deve responder aos seguintes questionamentos: Item da estrutura orçamentária Programa de trabalho Objetivo Problema a resolver Publico alvo Indicadores Pergunta a ser respondida O que fazer? Pra que fazer? Por que fazer? Para quem é feito? Como medir? . O PT define de forma qualitativa a programação orçamentária. Sendo assim.Estrutura do Orçamento Público Programas de Trabalho: O Orçamento Público é estruturado em Programas de Trabalho (orçamento-programa). o PT.

à avaliação ou ao controle dos programas finalísticos resultando em bens ou serviços ofertados ao próprio estado.à coordenação. ao planejamento. podendo ser compostos por despesas de natureza tipicamente administrativas. Programas de Apoio às Políticas Públicas e Áreas Especiais: são programas voltados aos serviços típicos do Estado. . visando a solução de um problema ou o atendimento de uma necessidade ou demanda da sociedade. cujos resultados sejam passíveis de mensuração. à formulação de políticas setoriais.articulam um conjunto de ações que concorrem para um objetivo comum preestabelecido. Os programas podem ser: Finalísticos: resultam bens ou serviços ofertados diretamente à sociedade. mensurado por indicadores no plano plurianual.PROGRAMAS DE GOVERNO Programas de Governo (MTO): representam o instrumento de organização governamental.

aquisição de títulos. Atividades: são instrumentos de programação para alcançar o objetivo de um programa.Ex. Operações Especiais: são ações que não contribuem para a manutenção das ações do governo e não geram contraprestação direta sob a forma de bens e serviços. atividades. projetos e operações especiais. envolvendo um conjunto de operações que se realizam num determinado período limitado de tempo.Ações do Governo Segundo o MTO. . subfunções. as ações “serão identificadas em termos de funções. amortizações e encargos. das quais resulta um produto necessário à manutenção da ação do governo.” Projetos: são instrumentos de programação para alcançar o objetivo de um programa. envolvendo um conjunto de operações que se realizam de modo contínuo ou permanente. programas.: pagamento de inativos. das quais resulta um produto que concorre para a expansão ou aperfeiçoamento da ação do governo. Representam um detalhamento das Operações Especiais.

é a realizada por entidade privada e que depende de autorização orçamentária aprovada por ato do conselho superior ou demais procedimentos internos para que seja realizada. Não efetivas . Tal autorização ocorrerá via Lei Orçamentária Anual ou através de Crédito Adicional e pertencerá ao exercício em que foi empenhada.são as despesas que não geram redução do patrimônio líquido. . Despesa Orçamentária Privada . com material de consumo.são aquelas que implicam diminuição do patrimônio liquido da entidade como as despesas com pessoal. estando relacionadas ao conceito contábil de mutação patrimonial.Classificação da Despesa Classificação da Despesa quanto às entidades destinatárias do Orçamento: Despesa Orçamentária Pública – é a realizada por entidade pública e que depende de autorização orçamentária para que seja executada. Classificação da despesa quanto ao impacto na situação líquida patrimonial Efetivas .

Ex: 14.101 14.Classificação Institucional da Despesa A classificação institucional tem o propósito de refletir a estrutura organizacional e administrativa do ente governamental.101 10. Tribunal Superior Eleitoral (Unidade Orçamentária) 10. Justiça Federal 101. É composta por 5 (cinco) dígitos: os dois primeiros representam o órgao e os três últimos a unidade Orçamentária. Supremo Tribunal Federal . bem como sua respectiva unidade orçamentária. Permite que se conheça o órgão ou entidade responsável pela aplicação dos recursos. Justiça Eleitoral (órgão) 101.

Enfatiza a interligação entre o planejamento e orçamento. É composta por um rol de funções e subfunções prefixadas. Defesa Nacional 06. que serve como agregador dos gastos públicos por área de ação governamental. nas três esferas. 01. Saúde 17. Legislativa 02. . Transporte.Classificação Funcional (Portaria MPOG 42/99) Essa classificação é utilizada no Governo Federal desde 2000. Educação 26. As funções são representadas por um código de dois dígitos. Judiciária 05. Saneamento 12. Segurança 10.

Podem ainda ser empregadas para representar a partição de outra função a qual não estejam inicialmente vinculadas. . correspondendo a um desdobramento das funções.Classificação Funcional (Portaria MPOG42/99) Subfunções: são representadas por códigos com 3 dígitos (XXX). Cada uma delas representa um subconjunto das funções.

Classificação Funcional (Portaria MPOG42/99) .

.. Outras despesas correntes: os juros e os encargos da dívida são classificados como receitas correntes. Transferências Correntes: são os gastos com transferências de recursos para outros entes da Federação que deve aplicá-lo em despesas classificadas como correntes.: despesas com pessoal. os gastos realizados para o funcionamento e prestação dos serviços prestados à coletividade: ex. material de consumo. As despesas correntes são classificadas como: Despesas de Custeio: são as despesas operacionais.Classificação da Despesa Classificação da despesa quanto à categoria econômica :  Correntes São todas as despesas que não contribuem de forma direta para a aquisição ou formação de um bem de capital. .

Classificação da Despesa Classificação da despesa quanto à categoria econômica :  De Capital São os dispêndios que contribuem diretamente para a formação ou aquisição de um bem de capital. . inclusive com a aquisição de imóveis considerados necessários a realização dessas últimas e com aquisições de equipamentos e material permanente. São classificadas em: Investimentos: Despesas com o planejamento e a execução de obras. constituição e aumento de capital de empresas industriais ou agrícolas.

ou com a constituição e aumento do capital das empresas comerciais ou financeiras. já constituídas. . Transferências de Capital: são as despesas correspondentes a transferências de recursos para outros entes da federação para aplicação em despesas classificadas como investimentos ou inversões financeiras.Inversões financeiras: dispêndios para a aquisição de bens imóveis e bens de capital já em utilização pelo Estado. quando a operação não importe aumento de capital. aquisição de títulos representativos do capital de empresas ou entidades de qualquer espécie.

Leandro Santos .Administração Financeira e Orçamentária Agente de Polícia Federal Prof.

Despesas Orçamentárias: decorrem da execução do orçamento público (LOA). diárias. garantias.: pessoal.Dispêndios: são desembolsos.. saídas de recursos para pagamentos diversos. Correspondem a devolução de recursos de terceiros sob responsabilidade do Poder Público (cauções.. aquisição de equipamentos. ex. Despesas (dispêndios) Extraorçamentários: Não decorrem da execução do orçamento. . consignações) e ainda o pagamento de restos a pagar. compra de material de consumo. encargos sociais.

• Independentes da Execução Orçamentária: depreciações.Despesa efetiva: reduz o patrimônio líquido. . encargos sociais. Só as despesas orçamentárias são classificadas como não efetivas. doação de bens.efetiva (por mutação): não contribui para redução do patrimônio líquido. já que haverá “compensação” em outra conta do ativo ou do passivo. Podem ou não decorrer da execução da LOA: •Despesas decorrentes da execução orçamentária: pessoal. provisões para férias. Despesa não.

. assim como os dispêndios extraorçamentários. as despesas orçamentárias não efetivas.Já Caiu em Prova: 13. (Analista de Orçamento MPU 2010 Cespe) As despesas orçamentárias podem ser classificadas em despesas efetivas e despesas não efetivas. são oriundas de fatos permutativos.

inclusive as destinadas a atender a obras de conservação e adaptação de bens imóveis. Lei 4320/64): • Custeio: dotações para manutenção de serviços anteriormente criados. • Transferências Correntes: dotações para despesas as quais não corresponda contraprestação direta em bens ou serviços. . 12. inclusive para contribuições e subvenções destinadas a atender à manifestação de outras entidades de direito público ou privado.Despesa Corrente (art.

agrícola ou pastoril. as que se destinem a instituições públicas ou privadas de caráter assistencial ou cultural.subvenções sociais. II .subvenções econômicas. sem finalidade lucrativa. .Subvenções: são as transferências destinadas a cobrir despesas de custeio das entidades beneficiadas. as que se destinem a empresas públicas ou privadas de caráter industrial. comercial. distinguindo-se como: I .

São os Investimentos. • aquisição de imóveis considerados necessários à realização das obras planejadas. e • constituição ou aumento do capital de empresas que não sejam de caráter comercial ou financeiro. • Investimentos: são as dotações para: • o planejamento e a execução de obras.Despesas de Capital: contribuem para a formação de um bem de capital. . • equipamentos e material permanente. as Inversões Financeiras e as Transferências de Capital. • aquisição de instalações. • para os programas especiais de trabalho.

• Constituição ou aumento do capital de entidades ou empresas que visem a objetivos comerciais ou financeiros. São Transferências de Capital: • as dotações para investimentos ou inversões financeiras que outras pessoas de direito público ou privado devam realizar. .Inversões Financeiras: são as dotações destinadas a: •aquisição de imóveis. constituindo essas transferências auxílios ou contribuições. independentemente de contraprestação direta em bens ou serviços. bem como as dotações para amortização da dívida pública. quando a operação não importe aumento do capital. já constituídas. inclusive operações bancárias ou de seguros. segundo derivem diretamente da Lei de Orçamento ou de lei especialmente anterior. ou de bens de capital já em utilização. • aquisição de títulos representativos do capital de empresas ou entidades de qualquer espécie.

Já caiu em prova! 1. (ACE TCE TO 2009 Cespe) As dotações destinadas a atender a obras de conservação e adaptação de bens imóveis serão contabilizadas como despesa de custeio. são classificadas como despesas correntes. 3.(ACE TCE TO 2009 Cespe) As subvenções econômicas são aquelas destinadas a instituições públicas ou privadas de caráter assistencial ou cultural. sem finalidade lucrativa. independente de contraprestação direta em bens ou serviços. 2. . (ACE TCE TO 2009 Cespe) As dotações destinadas a investimentos de outras pessoas de direito público.

000 Aquisição de material para 10.000 230.000 Elaboração de Projeto para 300.000 150. Exercícios de Fixação.4.000 . Considere as seguintes despesas de um Órgão Público: Manutenção Pessoal Aquisição de imóveis 100.000 Construção de nova Sede do Tribunal Treinamento de Servidor Qual o total das despesas correntes? Qual o total das despesas de capital? 15.000 consumo Treinamento de Servidor 15.

Caiu em prova! No que se refere à receita e à despesa pública. 6. (Procurador TCE ES 2009 Cespe) Inversões financeiras são despesas correntes destinadas à aquisição de imóveis. sendo considerado o retorno de valores emprestados anteriormente a outras entidades de direito público. . (Procurador TCE ES 2009 Cespe) A amortização de empréstimos é receita de capital. 9. Julgue os itens seguintes: 5. desde que haja contraprestação direta em bens e serviços. 8. (Procurador TCE ES 2009 Cespe) Empréstimos do Banco do Brasil são considerados receitas correntes. (Procurador TCE ES 2009 Cespe) Os recursos recebidos de outras pessoas de direito público ou privado são considerados transferências correntes. 7. (Procurador TCE ES 2009 Cespe) As dotações para atender a obras de conservação e adaptação de bens imóveis são consideradas despesas de capital.

Elemento da despesa: é o desdobramento do grupo de natureza de despesa. segundo a natureza é composta por: Categoria econômica (digito 3 para despesa corrente e 4 para as de capital). É Composta por 2 dígitos.mm.dd. Assim. a despesa pública. Modalidade de Aplicação: informação gerencial. a classificação da receita quanto a natureza se apresenta da seguinte forma: c.g.Classificação da Despesa Classificação da despesa (Portaria SOF 163/01) : Segundo a portaria. é informada em complementação à natureza de despesa.ee. . Grupo de natureza de despesa: é o agregador de elementos de despesa com a mesma característica quanto ao objeto do gasto. temos que.

. c.g.mm.ee.dd.

c= categoria econômica; g = grupo de natureza de despesa; mm = modalidade de aplicação; ee = elemento da despesa; dd =desdobramento facultativo do elemento da despesa.

Caiu em prova!
Com relação às despesas públicas, julgue os próximos itens. 10. (Analista ANTAQ 2009 Cespe) Segundo a natureza da despesa, amortização, juros e encargos da dívida deverão ser classificados na categoria econômica de despesas de capital. 11. (Analista ANTAQ 2009 Cespe) O 1.º nível da codificação da natureza da receita é utilizado para mensurar o impacto das decisões do governo na economia nacional. 12. (Analista de Orçamento MPU 2010 Cespe) De acordo com a Lei n.o 4.320/1964, consideram-se despesas de capital os juros da dívida pública, a amortização da dívida pública e a aquisição de imóveis.

Caiu em prova!
Com relação às despesas públicas, julgue os próximos itens. 17. (Analista SUSEP 2010 ESAF) ao classificar economicamente a despesa e a receita na elaboração do orçamento, a administração pública sinaliza para a sociedade o tipo de bens que irá adquirir e a origem dos recursos que irá arrecadar.

Correntes) Outras despesas correntes – despesas de custeio (Desp.GRUPOS DE NATUREZA DE DESPESAS 1 2 3 Pessoal e encargos sociais – despesas de custeio (Desp. Correntes) 4 5 6 Investimentos – despesas de capital Inversões financeiras –despesas de capital Amortização da dívida – despesas de capital 7 9 Reserva do Regime próprio de Previdência do Servidor Reserva de contingência . Correntes) Juros e encargos da dívida – despesas de custeio (Desp.

e entidades integrantes do orçamento fiscal e da seguridade social. transferências ao exterior. transferencias à instituições multigovernamentais. Aplicação Direta decorrente de operações entre fundos. Aplicações Diretas. transferências à consórcios públicos. Transferências ao Municípios. MA: informação gerencial que indica se os recursos são aplicados diretamente por órgão ou entidades da mesma esfera de governo ou por outro ente da federação e suas entidades. .Modalidades de Aplicação 20 transferências à União 30 40 60 70 71 80 90 91 transferências aos Estados e DF. transferências à instituições privadas com fins lucrativos.

04 contratação por tempo determinado. 05 outros benefícios previdenciários. 11 vencimentos e vantagens fixas.Elemento de despesa 01 aposentadorias e reformas.pessoal civil. 03 pensões. . .

(AFC CGU 2008 ESAF) São exemplos de despesas de capital aquelas derivadas do pagamento do serviço da dívida: Juros e amortização da dívida.Já caiu em prova! 14. 15. (AFC CGU 2008 ESAF) Os Grupos de Natureza da Despesa podem relacionar-se indistintamente com qualquer Categoria Econômica da Despesa. (AFC CGU 2008 ESAF) A Modalidade de Aplicação permite a identificação das despesas intra-orçamentárias. 16. .

19. (Agente PF 2009 Cespe) O recurso financeiro proveniente de outra pessoa de direito público pode ser classificado como receita de capital. . (APO MPOG 2010 ESAF) o insumo que se pretende utilizar ou adquirir é definido pela classificação econômica da despesa. 22. julgue os próximos itens. (APO MPOG 2010 ESAF) o efeito econômico da realização da despesa é definido pelo grupo de natureza da despesa. 21. 18. (APO MPOG 2010 ESAF) a estratégia de realização da despesa é definida pela modalidade de aplicação. 20. a saber: órgão e unidade orçamentária.Caiu em prova! Com relação às despesas públicas. (APO MPOG 2010 ESAF) a classificação institucional é definida em dois níveis hierárquicos.

.

58. . É vedada a realização de despesa sem prévio empenho. O empenho da despesa não poderá exceder o limite dos créditos concedidos.Fases da Despesa As fases de execução da despesa são: PREVISÃO. Lei 4320/64): O empenho de despesa é o ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado obrigação de pagamento pendente ou não de implemento de condição.EMPENHO – LIQUIDAÇÃO – PAGAMENTO Empenho (Art. Em casos especiais previstos na legislação específica será dispensada a emissão da nota de empenho.PROGRAMAÇÃO .

Dotação Autorizada Despesa Empenhada Saldo ( Despesas a Empenhar) .

Fases da Despesa O empenho pode ser: Ordinário: para empenho de despesas normais. .. telefone. não sujeitas a parcelamento.: despesas com água. energia elétrica.. Global: empenho de despesas contratuais ou sujeitas a parcelamento. Por estimativa: Será feito por estimativa o empenho da despesa cujo montante não se possa determinar. Ex.

Fases da Despesa
Liquidação (Art. 63, Lei 4320/64): A liquidação da despesa consiste na verificação do direito adquirido pelo credor tendo por base os títulos e documentos comprobatórios do respectivo crédito. Essa verificação tem por fim apurar: I - a origem e o objeto do que se deve pagar; II - a importância exata a pagar; III - a quem se deve pagar a importância, para extinguir a obrigação. A liquidação da despesa por fornecimentos feitos ou serviços prestados terá por base: I - o contrato, ajuste ou acordo respectivo; II - a nota de empenho; III - os comprovantes da entrega de material ou da prestação efetiva do serviço. A ordem de pagamento é o despacho exarado por autoridade competente, determinando que a despesa seja paga.

DOT.ATUAL 4.320.920,00 1.295.333,00 1.480.000,00 902.000,00 5.616.253,00

EMPENHADO 325.154,22 978.357,29 1.393.768,38 803.812,67 3.501.092,56

EMP. LIQUI. 257.563,96 655.185,45 1.347.462,71 666.241,29 2.926.453,41

DESP. PAGA 5.626,94 736.993,42 942.718,40 880.283,27 2.565.622,03

A empenhar 3.995.765,78 316.975,71 86.231,62 98.187,33 2.115.160,44

Fases da Despesa
Pagamento: Corresponde a entrega de numerário ao credor, após a regular liquidação da despesa.

O pagamento da despesa será efetuado por tesouraria ou pagadoria regularmente instituídos por estabelecimentos bancários credenciados e, em casos excepcionais, por meio de adiantamento

. 24. (Analista TRE-BA 2010 Cespe) Apesar de não criar obrigação para o Estado.Já caiu em prova! 23. (Analista TRE-BA 2010 Cespe) A liquidação da despesa consiste na verificação do direito adquirido pelo credor ou entidade beneficiária com base nos títulos e documentos comprobatórios do respectivo crédito ou da habilitação ao benefício. o empenho assegura dotação orçamentária objetivando garantir o pagamento estabelecido na relação contratual entre a administração pública e seus fornecedores e prestadores de serviços.

27. 28. O objetivo da liquidação é apurar a origem e o objeto do que se deve pagar. Assim. o exato valor a se pagar e a quem se deve pagar a importância. o erário público fica preservado de possíveis fraudes. far-se-ão na ordem de apresentação dos precatórios e à conta dos créditos respectivos. (Técnico TCE TO 2009 Cespe) Os pagamentos devidos pela Fazenda Pública. (Técnico TCE TO 2009 Cespe) Caso ocorra despesa cujo montante não se possa determinar. para extinguir a obrigação. . (Técnico TCE TO 2009 Cespe) A liquidação da despesa consiste na verificação do direito adquirido pelo credor tendo por base todos os documentos comprobatórios do respectivo crédito. sendo facultada a designação de pessoas nas dotações orçamentárias e nos créditos adicionais abertos para esse fim. em virtude de sentença judiciária.Já caiu em prova! 25. (Técnico TCE TO 2009 Cespe) O pagamento da despesa será efetuado por tesouraria ou pagadoria regularmente instituídos por estabelecimentos bancários credenciados somente após a entrega do bem ou prestação do serviço. 26. o órgão será desobrigado de seu pagamento.

permanecendo o direito do credor q só prescreverá em 5 anos contados da data de inscrição. . Restos a Pagar Processados: despesas empenhadas e liquidadas mas não pagas em 31/12.Restos a Pagar Restos a Pagar: despesas empenhadas e não pagas em 31/12. Restos a pagar não processados: despesas empenhadas mas não pagas em 31/12. distingue-se as processadas das não processadas. A inscrição dos restos a pagar terá valor até 31/12 do ano seguinte e findo esse prazo os valores serão cancelados. Seu pagamento é uma despesa extra-orçamentária.

580.000.000.00 600.000.639.000.000.800. Liquid.000.00 30. 450.00 3.500. Paga 280.Autorizada 500.000.000.000.500.00 RAP não Processado 30.000.00 RAP Processado 170.622.501.000.00 Desp.000.00 4.00 Emp.000.453.00 550.580.03 360.56 1.000.41 1.00 520.000.00 600.00 10.00 2.000.000.000.000.00 Empenhada 480.00 7.500.00 3.580.831.000.000.15 .00 1.000.000.00 1.000.092.00 450.00 9.00 50.Considerando a Execução Orçamentária Abaixo: Dot.38 574.000.565.00 2.00 1.926.000.

.Despesas de Exercícios Anteriores (art. Seu pagamento é despesa orçamentária. São originárias de: • Despesas de exercícios encerrados que possuíam créditos específicos no orçamento e saldo suficiente para atendê-los mas que não se processaram em época própria. 31. • Os compromissos reconhecidos após o encerramento do exercício. 4320/64) Corresponde ao pagamento de despesas de exercícios anteriores ou já encerrados. L. • Os restos a pagar com prescrição interrompida.

(Tec. no entanto.Já caiu em prova!! 29. permanecendo em vigor. Cont. com posterior cancelamento. após essa data. o respectivo pagamento deverá ser feito mediante reinscrição do compromisso. Cont. TCU 2007 Cespe) Os valores registrados como despesas de exercícios anteriores terão validade até o encerramento do ano subseqüente e. julgue o item que se segue. 31. TCU 2007 Cespe) O pagamento que vier a ser reclamado poderá ser atendido à conta de dotação destinada a despesas de exercícios anteriores. Ext. por não se ter habilitado o credor no momento oportuno. . o direito do credor por cinco anos. julgue o item a seguir. (Tec. Relativamente à validade dos valores registrados como despesas de exercícios anteriores. e que.º 4. 30. (Analista ANATEL 2009 Cespe) Supondo que determinada despesa estivesse inscrita em restos a pagar. Despesas de exercícios anteriores são resultantes de compromissos gerados em exercícios anteriores àqueles em que devam ocorrer os pagamentos e que não estejam inscritos em restos a pagar.320/1964. De acordo com o disposto na Lei n. Ext. esse pagamento. sem necessidade de nova autorização orçamentária. os saldos remanescentes serão automaticamente cancelados. seja reclamado. para o qual já fora aprovada dotação no exercício correspondente. mais adiante. consideram-se restos a pagar as despesas empenhadas mas não pagas até o dia 31 de dezembro. Acerca do pagamento de despesa de restos a pagar cuja inscrição tenha sido cancelada.

Já caiu em prova!! Julgue os próximos itens. mas não pagas até o dia 31 de dezembro. 33. para evidenciar o regime do exercício. que não tenham sido canceladas pelo processo de análise e depuração e que atendam aos requisitos previstos na Lei n.320/1964.320/1964. sua contabilização deverá ser feita à conta de despesas de exercícios anteriores. a despesa deve ser contabilizada no exercício em que tiver sido gerada. (Analista de Orçamento MPU 2010 Cespe) De acordo com o regime aplicado em conformidade com a Lei n. podendo ser inscritas como tal por constituírem encargos incorridos no exercício vigente. Portanto. acerca dos restos a pagar e das despesas de exercícios anteriores no orçamento público.o 4. (Analista de Orçamento MPU 2010 Cespe) Resíduos passivos consistem em despesas empenhadas. se a despesa tiver sido originada em 2005 e reconhecida e paga somente em 2007. 32. .o 4.

(Analista de Orçamento MPU 2010 Cespe) Todo orçamento anual contempla dotação específica destinada a fazer face aos pagamentos de despesas resultantes de compromissos gerados em exercícios financeiros anteriores. . 29. (Analista de Orçamento MPU 2010 Cespe) Os restos a pagar somente serão considerados despesas de exercícios anteriores quando não estiverem cancelados e não estiver mais vigente o direito do credor.Já caiu em prova!! 28.

Administração Financeira e Orçamentária Agente de Polícia Federal Prof.Leandro Santos .

condições ou correspondência no passivo.” ( Aliomar Baleeiro) Obs: O conceito não contempla os empréstimos e financiamentos realizados pelo Governo e considerados receitas públicas pela Lei 4320/61 (art.Conceito Receita Pública: Conceito (Receita Pública Orçamentária): “Receita Pública é a entrada. 3º) Receita Pública Extraorçamentária: São os ingressos de recursos de propriedade de terceiros e que ficam sob responsabilidade da Administração Pública. vem acrescer o seu vulto. Pública. como elemento novo e positivo. Exemplos: cauções em dinheiro realizadas por particulares contratados pela Adm. que integrando-se ao patrimônio público sem quaisquer reservas. .RECEITA PÚBLICA.

mesmo não havendo ingressos de recursos. • independentes da execução orçamentária: doação de bens imóveis por doação. Sob o enfoque orçamentário. Assim os ingressos podem ser classificados em: receita orçamentária efetiva (aumenta o PL) Receita orçamentária não efetiva (não aumenta o PL) As receitas orçamentárias se classificam em receitas correntes e de capital.RECEITA PÚBLICA – Enfoque Patrimonial e orçamentário (MTO) Sob o enfoque patrimonial. receita tributária. Podem ser: • resultantes da execução orçamentária: ex. . receita pública é aquela que resulta em acréscimo patrimonial. financiam despesas orçamentárias. a receita pública corresponde a todo ingresso disponível para cobertura das despesas orçamentárias e operações que.

. São as receitas cujas categorias econômicas estão enumeradas na Lei 4320/64: as receitas correntes e de Capital além dos recursos oriundos das operações de créditos. a exemplo das cauções em dinheiro. etc. Extra-orçamentária: são os recursos ou ingressos de terceiros que não integram o orçamento público. as consignações em folhas de pagamentos. os depósitos como garantia de instancias.CLASSIFICAÇÃO DA RECEITA Quanto à natureza: Orçamentária: é a receita que decorre de Lei Orçamentária.

• TÊM CARÁTER TEMPORÁRIO. . INSTITUCIONAL E POR FONTE DE RECURSOS. • GERAM DISPÊNDIOS EXTRAORÇAMENTÁRIOS. • SEGUEM A CLASSIFICAÇÃO ECONÔMICA.RECEITA PÚBLICA EXTRAORÇAMENTÁRIA •CORRESPONDEM A FATOS PERMUTATIVOS. • GERAM DESPESAS (DISPÊNDIOS) ORÇAMENTÁRIOS. • SÃO CONSIDERADOS RECEITAS SOB O ENFOQUE CONTÁBIL. • ALTERAM O P.: A RECEITA EXTRAORÇAMENTÁRIA PODERÁ SE CONVERTER EM ORÇAMENTÁRIA QUANDO DEIXAR DE REPRESENTAR UM COMPROMISSO A PAGAR DO GOVERNO. • NÃO ALTERAM O PATRIMÔNIO LÍQUIDO. • PERTENCEM A TERCEIROS. OBS. RECEITA PÚBLICA ORÇAMENTÁRIA • CORRESPONDE A FATOS MODIFICATIVOS AUMENTATIVOS.. • TÊM CARÁTER PERMANENTE.L. • NÃO PASSAM POR ESTÁGIOS DE REALIZAÇÃO. • NÃO SÃO CONSIDERADOS RECEITAS SOB ENFOQUE CONTÁBIL. • PASSAM POR ESTÁGIOS DE REALIZAÇÃO. • PERTENCEM AO ESTADO. • SEGUEM A CLASSIFICAÇÃO CONTÁBIL.

etc. Ex.: Operações de Crédito. de serviços. Estrito: é todo ingresso de recursos que não exige contrapartida no passivo. Ex. receitas industriais. Esses recursos se incorporam ao patrimônio do Estado de forma definitiva. cauções. receitas tributárias. etc. de aluguéis. .CASSIFICAÇÃO DA RECEITA Quanto ao sentido: Amplo: é todo ingresso de recursos que adentra aos cofres públicos a qualquer título independentemente de contrapartida no passivo. empréstimos compulsórios.: Receitas Tributárias.

Agropecuárias. . o Estado exige que o particular entregue uma determinada quantia na forma de tributos ou de multas. Receitas Derivadas: São aquelas obtidas pelo Estado mediante sua autoridade coercitiva. Dessa forma. de Serviços. Ex: Patrimoniais. Industriais.CLASSIFICAÇÃO DA RECEITA Quanto à coercibilidade: Receitas Originárias: São aquelas que provêm do próprio patrimônio do Estado.

1 Ordinárias 4. Quanto à coercibilidade 3.2 Extraorçamentária 2. Quanto à categoria econômica 1.CLASSIFICAÇÕES DA RECEITA PÚBLICA 1.2 Capital 3.2 Extraordinárias 5.2 Não efetivas 4. Quanto à regularidade 5.1 Efetivas 3.1 Corrente 2. Quanto à afetação patrimonial 4.2 Derivadas . Quanto à Natureza 2.1 Originárias 5.1 Orçamentária 1.

(APO MPOG 2010 ESAF) As receitas orçamentárias são ingressos de recursos que transitam pelo patrimônio do poder público. (Analista IPEA 2008 Cespe) Se um cidadão deseja fazer uma doação em dinheiro para o governo e se essa espécie de receita não está prevista na lei orçamentária. será ela contabilizada como orçamentária. o governo deve arrecadá-la.RECEITA PÚBLICA Já caiu em Prova! 1. 2. TST 2008 Cespe) A receita extra-orçamentária é representada no balanço patrimonial como passivo financeiro. 3. todavia. por se tratar de recursos de terceiros que transitam pelos cofres públicos. .(Analista Jud. podendo ser classificadas como efetivas e não-efetivas.

(APO MPOG 2010 ESAF) Recursos financeiros de qualquer origem são registrados como receitas orçamentárias para que possam ser utilizados pelos entes públicos. 5. (APO MPOG 2010 ESAF) Todos os ingressos de recursos. (APO MPOG 2010 ESAF) As receitas orçamentárias restringem-se aos ingressos que não geram contrapartida no passivo do ente público. 6. são classificados como receita orçamentária. . porque transitam pelo patrimônio público. (APO MPOG 2010 ESAF) As receitas orçamentárias decorrem de recursos transferidos pela sociedade ao Estado e são classificadas como permanentes e temporárias. 7.RECEITA PÚBLICA Já caiu em Prova! 4. financeiros e nãofinanceiros.

devem ser registradas na contabilidade do ente arrecadador em contas redutoras de receita. Orç. MPU 2010 Cespe) As receitas recebidas que não pertencerem ao ente arrecadador. MPU 2010 Cespe) Por não ser possível prever no orçamento todos os casos em que o órgão público fará a alienação de algum bem do seu patrimônio. Orç. MPU 2010 Cespe) Em relação à natureza. as receitas públicas se dividem em receitas correntes e de capital. . Orç. à exceção dos tributos recebidos indevidamente a maior. a receita proveniente das alienações pode ser classificada como orçamentária ou extraorçamentária. (Tec. 9. quando transferidas a seus legítimos proprietários. 10. (Tec. (Tec.RECEITA PÚBLICA Já caiu em Prova! 8. cuja restituição deve ser consignada como despesa pública.

as receitas podem ser correntes e de capital. taxas e contribuições são considerados receitas originárias. Orç.RECEITA PÚBLICA Já caiu em Prova! 11. (Analista MPU 2010 Cespe) O imposto de renda é um exemplo de receita pública efetiva. . (Tec. 14. 13. 12. (Analista MPU 2010 Cespe) A receita pública não efetiva provém dos serviços prestados indiretamente pelo governo. Orç. MPU 2010 Cespe) Quanto às categorias econômicas. MPU 2010 Cespe) Impostos. (Tec.

. III LRF): compromisso financeiro assumido em razão de mútuo. recebimento antecipado de valores provenientes da venda a termo de bens e serviços. nos termos da lei. GERAM UM PASSIVO PERMANENTE (DÍVIDA DE LONGO PRAZO). Pode ser aplicada tanto no financiamento de despesas correntes. • FINANCIAM DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS.” São contabilizados como receitas de capital! Operação de crédito (Art. CF) • “§ 8º . quanto no de despesas de capital. abertura de crédito. não se incluindo na proibição a autorização para abertura de créditos suplementares e contratação de operações de crédito. • PODEM TER SUA CONTRATAÇÃO AUTORIZADA NA PRÓPRIA LOA (art. 29. aquisição financiada de bens. inclusive com o uso de derivativos financeiros.A lei orçamentária anual não conterá dispositivo estranho à previsão da receita e à fixação da despesa. § 8º . arrendamento mercantil e outras operações assemelhadas. ainda que por antecipação de receita. • EM REGRA. 165.OPERAÇÕES DE CRÉDITO • SÃO CONSIDERADAS RECEITAS PÚBLICAS ORÇAMENTÁRIAS. emissão e aceite de título.

III . até o dia dez de dezembro de cada ano. b) no último ano de mandato do Presidente. IV . ou à que vier a esta substituir.realizar-se-á somente a partir do 10º dia do início do exercício. II . com juros e outros encargos incidentes. Governador ou Prefeito Municipal. Requisitos para contratação: I . .ARO • A operação de crédito por antecipação de receita destina-se a atender insuficiência de caixa durante o exercício financeiro.estará proibida: a) enquanto existir operação anterior da mesma natureza não integralmente resgatada.Operações de Crédito por antecipação de receita orçamentária .não será autorizada se forem cobrados outros encargos que não a taxa de juros da operação.deverá ser liquidada. obrigatoriamente prefixada ou indexada à taxa básica financeira.

101 TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL .: 01. YYY XX – ÓRGÃO YYY – UNIDADE ORÇAMENTÁRIA EX. ESSA CLASSIFICAÇÃO É COMPOSTA POR 5 DÍGITOS: XX.CLASSIFICAÇÃO INSTITUCIONAL DA RECEITA É UTILIZADO PARA IDENTIFICAR O ÓRGÃO/UNIDADE ORÇAMENTÁRIA DOS RECURSOS ARRECADADOS OU A ELAS DISPONIBILIZADOS POR OUTROS ÓRGÃOS ARRECADADORES.000 JUSTIÇA ELEITORA 14.000 CÂMARA DOS DEPITADOS 02.000 SENADO FEDERAL 14.

de serviços e outras e ainda os recursos obtidos de outras pessoas jurídicas de direito público destinados a atender despesas classificáveis como despesas correntes. de origem agropecuária. aquelas recebidas de outros entes de direito público destinados suprir despesas classificadas como despesas de capital e ainda o SUPERÁVIT DO ORÇAMENTO CORRENTE .CLASSIFCAÇÃO ECONÔMICA DA RECEITA  Segundo a natureza econômica: Receitas Correntes: são as receitas tributárias. patrimoniais. da alienação de bens. de contribuições. Receitas de Capital: são as decorrentes da conversão de bens e direitos. da constituição de dívidas.

.

o Adicional Sobre Tarifas De Passagens Aéreas Domesticas. As que resultam da exploração do patrimônio do ente da federação. São as receitas decorrentes da capacidade de tributar do ente da federação.1 Receita Tributária: Impostos.2 Receita de Contribuições São as resultantes das contribuições econômicas ou sociais. 1. É uma receita derivada. Receitas Correntes: 1. uma vez que é obtida através da exploração do patrimônio alheio.RECEITAS CORRENTES 1. Exemplo de contribuições sociais são as contribuições ara o financiamento da seguridade social (COFINS) e de contribuições econômicas.4 Receita Patrimonial. Taxas. Contribuições de Melhoria. Exemplo: receitas com alugueis de imóveis públicos. 1. .

RECEITAS CORRENTES 1.7 Receita de Serviços Decorrentes da prestação de serviços de transporte. de comunicação. . 1. Recursos recebidos por outras pessoas de Direito Público que independem de contraprestação direta de bens e serviços.5 Receita Agropecuária Resultam da exploração da atividade agropecuária pelo Estado. Exemplo: FPE. FPM. Essas receitas serão fontes de custeio de despesas classificadas como correntes.6 Receita Industrial Resultam da exploração da atividade industrial pelo Estado. Transferência Correntes.. juros de empréstimos concedidos. 1..

§ 2º Lei 4320/64) São Receitas de Capital: • as provenientes da realização de recursos financeiros oriundos de constituição de dívidas. destinados a atender despesas classificáveis em Despesas de Capital. em espécie. 11. •da conversão. de bens e direitos. • os recursos recebidos de outras pessoas de direito público ou privado.RECEITA DE CAPITAL (Art. • o superávit do Orçamento Corrente .

Transferências de Capital. Receitas de Capital:     Operações de Crédito. 44. salvo se destinada por lei aos regimes de previdência social. Alienação de Bens e direitos. LRF “Art. Amortização de Empréstimos. geral e próprio dos servidores públicos. É vedada a aplicação da receita de capital derivada da alienação de bens e direitos que integram o patrimônio público para o financiamento de despesa corrente.” .

Já caiu em Prova! 15. (Analista Jud. 16. TST 2008 Cespe) Os empréstimos compulsórios são considerados de natureza tributária. estando o produto de sua arrecadação vinculado à despesa que lhe fundamentou a instituição. . TST 2008 Cespe) Constituem receitas de capital as receitas imobiliárias e as intergovernamentais das quais não decorra exigência de contraprestação por parte do beneficiário dos recursos. estarão ou não sujeitos ao princípio da anterioridade. Dependendo de sua modalidade. (Analista Jud.

que constitui contraprestação específica do Estado ao cidadão. (Analista MPU 2010 Cespe) Os impostos. as taxas e as contribuições de melhoria são receitas correntes. referentes à classificação de receita pública. . (Analista MPU 2010 Cespe) Uma das modalidades de receita pública é o imposto. (Analista MPU 2010 Cespe) Os recursos obtidos por empresa pública que explora serviços comerciais são considerados receitas de capital. 19. 18.Já caiu em Prova! Julgue os itens subsequentes. 17.

de contribuições. (Tec. . Orç.Já caiu em Prova! 20. MPU 2010 Cespe) As receitas tributárias. 21. MPU 2010 Cespe) As receitas destinadas aos órgãos representativos de categorias profissionais ou a órgãos de defesa de interesse dos empregadores ou empregados integram a classificação orçamentária como receitas de contribuição. agropecuárias. patrimoniais e o superavit do orçamento corrente são considerados receitas correntes. Orç. Orç. sem o uso do poder de império. como é o caso da receita de serviços. são consideradas receitas originárias. MPU 2010 Cespe) As receitas auferidas nas situações em que o Estado atua em condição de igualdade com os particulares. (Tec. (Tec. 22.

as unidades orçamentárias responsáveis pela arrecadação. Orç. (Administrador STM 2011 Cespe) Se determinado município. (Tec. no orçamento da União. (Tec. fazendo parte dessa receita os juros. 25. Orç. decidir cobrar contribuição de melhoria sobre os imóveis localizados em torno do local. . MPU 2010 Cespe) A receita patrimonial de uma instituição decorre da exploração econômica dos seus bens. 24. dividendos e aluguéis.Já caiu em Prova! 23. Orç. MPU 2010 Cespe) Por meio da classificação institucional da receita. o produto da arrecadação dessa contribuição constituirá receita originária. após construir uma praça. 26. é possível identificar. (Tec. MPU 2010 Cespe) A classificação por fontes inclui-se entre os critérios de classificação das receitas públicas.

constitui. efetuada mediante transferência intergovernamental. (Contador PREVIC 2011 Cespe) Uma subvenção destinada ao custeio de um ente governamental. uma transferência de capital. 30. (Analista Adm. cada unidade orçamentária é subdividida em diversos órgãos. (Contador PREVIC 2011 Cespe) A receita que for adquirida por meio da venda de bens ou direitos públicos deverá ser obrigatoriamente considerada receita de capital. 28.Já caiu em prova! 27. no ente transferidor. STM 2011 Cespe) Se determinado município criar uma taxa de fiscalização sanitária. . poderá vincular o produto de sua arrecadação para a constituição de um fundo especial com o objetivo de construir uma usina de reciclagem de lixo. 29. (Administrador STM 2011 Cespe) Na classificação institucional da despesa.

Alínea. . Espécie.Classificação da Receita segundo Portaria Interministerial 163/01  As Receitas serão especificadas no orçamento quanto:       Categoria Econômica Origem. e Sub-alínea. Rubricas.

00 Receita Tributária Origem 110.00.00 Receita Corrente Categoria econômica.00.00 Impostos Espécie 1111.00 Imposto sobre Alínea Importação .00.00 Impostos Sobre o Rubrica Comércio Exterior 1111. As Receitas serão especificadas no orçamento quanto:  Especificação     Desdobramento  1000.01. 1100.00.

Arrecadação. Recolhimento.Estágios da Receita     Previsão. Lançamento. .

o calculo do montante devido e a identificação do respectivo sujeito passivo.  Lançamento .o procedimento administrativo tendente a verificar a ocorrência do fato gerador da obrigação correspondente. .é a estimativa da receita a ser arrecadada pelo Estado. a matéria tributável.Estágios da Receita  Previsão.

Ex.   .: IPVA.: ISS. Por declaração (ou misto): o lançamento é efetuado pela administração com a contribuição do próprio contribuinte ou de terceira pessoa obrigada por lei a prestar as informações sobre a matéria de fato indispensável a sua efetivação: ex. sem a intervenção do contribuinte. IPI. Ex. ICMS. Por Homologação (ou autolançamento): o lançamento é efetuado diretamente pelo contribuinte e só depois é homolagado pela Administração.Tipos de Lançamento  De Ofício (ou direto): é efetuado unilateralmente pela Administração Pública.: Imposto de Renda.

II – quando a despesa deva ser feita em caráter sigiloso. inclusive em viagens. que exijam pronto pagamento em espécie. não ultrapassarem limites estabelecidos em portaria do ministro da Fazenda. É de inteira responsabilidade do ordenador de despesas e será concedida nos seguintes casos: I – para atender despesas eventuais. em cada caso. assim entendidas aquelas cujos valores. conforme se classificar em regulamento. .Suprimento de Fundos   Corresponde a entrega de numerário diretamente a servidor quando a urgência na execução da despesa impossibilitar aguardar seu processamento. sempre precedido de empenho na dotação específica. III – para atender despesas de pequeno vulto. e com serviços especiais.

não tenha prestado contas de sua aplicação e d) a servidor declarado em alcance. responsável por desvio. c) a responsável por suprimento de fundos que. ou seja. ou ainda. b) a servidor que tenha a seu cargo a guarda ou a utilização do material a adquirir. salvo quando não houver na unidade outro servidor.Suprimento de Fundos Conforme parágrafo 3º do artigo 45 do Decreto nº 93872/86. . falta ou diferença de valores em prestação de contas anteriores. não se concederá suprimento: a) a responsável por dois suprimentos. que esteja respondendo a inquérito administrativo. esgotado o prazo.

é aplicável aos casos de despesas expressamente definidos em lei. (AFC TCE AC 2009 Cespe) O segundo suprimento de fundos não pode ser concedido a servidor já responsável por um suprimento de fundos. também conhecido como regime de adiantamentos. (AFC TCE AC 2009 Cespe) Deve ser contabilizado e incluído nas contas do ordenador como despesa realizada. (AFC TCE AC 2009 Cespe) A importância aplicada até 31 de dezembro deve ser comprovada até 31 de março do exercício financeiro subsequente. 40.Já caiu em prova! O suprimento de fundos. 41. . No que concerne ao suprimento de fundos. 38. 42. julgue os itens seguintes. é dispensável a emissão da nota de empenho. (AFC TCE AC 2009 Cespe) Não pode ser concedido para despesas de caráter secreto ou sigiloso. (AFC TCE AC 2009 Cespe) Para a sua concessão e execução. 39.

mantida pelo Tesouro Nacional junto ao Banco Central do Brasil. há o que chamamos de PROCESSO ALTERNATIVO DA CONTA ÚNICA. mas poderá ser efetuada por outros agentes financeiros desde que autorizado pelo Ministério da Fazenda. por paralisação das atividades do Banco do Brasil ou de outros Agentes Financeiros. documento hábil para tais movimentações . ao atuarem como Agentes Financeiros do Tesouro Nacional. que é movimentado por intermédio do Banco do Brasil através das “Ordens Bancárias” . ou de órgãos Federais. pelo sistema financeiro (SIAFI). . sem prejuízo para a Administração Federal. permitindo que outros bancos possam processar as movimentações de Receitas e de Despesas desde que autorizado pelo Ministério da Fazenda. Numa emergência.CONTA ÚNICA DO TESOURO As Receitas e as Despesas são controladas por uma conta única .

32. podendo ser revertidas a outras contas-correntes. .Já caiu em prova! 31. (Agente PF 2009 Cespe) O estágio de execução da receita classificado como arrecadação ocorre com a transferência dos valores devidos pelos contribuintes ou devedores à conta específica do Tesouro. (Agente PF 2009 Cespe) Nem todas as receitas são recolhidas à conta única do Tesouro.

(AFC TCE AC 2009 Cespe) Os impostos diretos e outras receitas com vencimento determinado em leis especiais. julgue os itens seguintes. 35. (AFC TCE AC 2009 Cespe) É no estágio da arrecadação que se verifica o princípio da unidade de tesouraria. 37. . (AFC TCE AC 2009 Cespe) O lançamento por declaração é aquele realizado pelo próprio contribuinte. regulamentos ou contratos são objeto de lançamento. verificado posteriormente pela autoridade pública. 33. (AFC TCE AC 2009 Cespe) O estágio do recolhimento deve anteceder a arrecadação aos cofres públicos. (AFC TCE AC 2009 Cespe) A previsão da receita visa identificar o devedor dos tributos e os respectivos valores e espécies. 36. 34.Já caiu em prova! Acerca dos estágios da receita pública.

Leandro Santos .Administração Financeira e Orçamentária Agente de Polícia Federal Prof.

Está proibida a concessão de adiantamentos a servidor: •Declarado em alcance. que esteja respondendo processo administrativo.Suprimento de Fundos (adiantamento) É o adiantamento concedido a servidor para a fim de dar condições a sua unidade de realizar despesas que. ou seja. ou que responsável por desvio. não possam aguardar o processamento normal da despesa. •Que não comprovou a aplicação do último adiantamento recebido. . em decorrência de sua urgência. falta ou diferença de valores em prestação de contas. •Responsável por dois adiantamentos.

Numa emergência. . que é movimentado por intermédio do Banco do Brasil através das “Ordens Bancárias” . pelo sistema financeiro (SIAFI). ou de órgãos Federais. sem prejuízo para a Administração Federal. mas poderá ser efetuada por outros agentes financeiros desde que autorizado pelo Ministério da Fazenda.CONTA ÚNICA DO TESOURO As Receitas e as Despesas são controladas por uma conta única . ao atuarem como Agentes Financeiros do Tesouro Nacional. mantida pelo Tesouro Nacional junto ao Banco Central do Brasil. permitindo que outros bancos possam processar as movimentações de Receitas e de Despesas desde que autorizado pelo Ministério da Fazenda. por paralisação das atividades do Banco do Brasil ou de outros Agentes Financeiros. documento hábil para tais movimentações . há o que chamamos de PROCESSO ALTERNATIVO DA CONTA ÚNICA.

Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (SIAFI) • Desenvolvido em 1986 e implantado em 1987. • Utilizado pelas UG’s dos Ministérios e demais órgãos e entidades como instrumento de administração financeira. através do qual é realizado o acompanhamento e controle da execução orçamentária. • No SIAFI todos os lançamentos contábil para atualização da receita. . das despesas e disponibilidades financeiras do STN. patrimonial orçamentária e contábil. • Principal instrumento de gestão do STN.

Direta (PE.Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (SIAFI) • É utilizado por todos os órgãos da Adm. . PL e Judiciário) e grande parte da Indireta Federal. salvo as empresas pública e sociedades de economia mistas que não integram o Orçamento Fiscal e da Seguridade Social e as entidades financeiras oficiais.

• Nota de Movimentação de Crédito (NC): Destina-se ao registro de transferência de créditos orçamentários entre UG’s de um mesmo órgão ou UG’s de órgãos distintos. • Nota de Empenho (NE): Registra eventos vinculados ao comprometimento de orçamento. a anulação e o reforço de empenhos. • Documento De Arrecadação De Receitas Federais (DARF): arrecadação por processo eletrônico.SIAFI • Principais documentos: •Nota de dotação (ND): Registro de créditos previstos no Orçamento. sem utilização da rede bancária de tributos que tenham como contribuintes órgãos e entidades integrantes da CUT. • Ordem Bancária (OB): Para pagamentos de compromissos e liberação de transferências de recursos (repasses e sub-repasses). .

organizar e elaborar a proposta orçamentária. • Ordem Bancária (OB): Para pagamentos de compromissos e liberação de transferências de recursos (repasses e sub-repasses). a anulação e o reforço de empenhos. sem utilização da rede bancária de tributos que tenham . on-line. • Documento De Arrecadação De Receitas Federais (DARF): arrecadação por processo eletrônico. • Nota de Movimentação de Crédito (NC): Destina-se ao registro de transferência de créditos orçamentários entre UG’s de um mesmo órgão ou UG’s de órgãos distintos. • Nota de Empenho (NE): Registra eventos vinculados ao comprometimento de orçamento.Sistema Integrado de Dados Orçamentários . •Nota de dotação (ND): Registro de créditos previstos no Orçamento.SIDOR • Utilizado pelo Governo Federal para estruturar. por todas as unidades orçamentárias.

(Contador MS 2008 Cespe) Dentro da lógica do SIAFI. evita-se que algum pagamento seja feito sem registro na contabilidade. 3. (Administrador MS 2009 Cespe) No Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (SIAFI). julgue os seguintes itens. A razão alegada é que com a utilização da conta única como conta bancária. (Administrador MS 2009 Cespe) Um dos objetivos do SIAFI é possibilitar o controle da dívida externa. 2. . 4. (Administrador MS 2009 Cespe) A elaboração do orçamento é processada no Sistema Integrado de Dados Orçamentários (SIDOR). 1. o sistema financeiro foi escolhido como base para os demais registros.Já caiu em prova! Com relação aos sistemas informatizados do governo. as inversões financeiras podem ser classificadas como despesas correntes.

5. (Administrador MS 2009 Cespe) O Poder Executivo de cada ente da Federação terá de publicar. deve fazer as devidas compensações nas contas com a intenção de incluir em sua planilha os saldos resultantes dessas operações. . julgue os seguintes itens. 7.Já caiu em prova! Com relação aos sistemas informatizados do governo. 6. o de investimentos e o de seguridade social —. ao planejar o orçamento do ano seguinte. o relatório resumido da execução orçamentária. 8. (Administrador MS 2009 Cespe) O administrador público que respeita o princípio do orçamento bruto. até trinta dias após o encerramento do trimestre.(Administrador MS 2009 Cespe)Ao se analisar os três orçamentos que compõem a lei orçamentária anual — o fiscal. (Administrador MS 2009 Cespe) A Constituição Federal de 1988 (CF) prevê a autorização para a abertura de créditos especiais e extraordinários. torna-se evidente a contradição com o princípio da unidade.

Quanto ao orçamento público. 9. entre outras finalidades. 10. constantes do orçamento da seguridade social. 11. (Contador MS 2008 Cespe) A inclusão da reserva de contingência no orçamento visa. raça ou etnia. assegurar o atendimento ao princípio do equilíbrio. assim. (Contador MS 2008 Cespe) As despesas destinadas à saúde. destinando os valores correspondentes para a reserva de recursos. não constituindo. que poderão ser utilizados para o acolhimento de emendas de apropriação. (Contador MS 2008 Cespe) O Congresso Nacional pode reestimar as receitas orçamentárias previstas no projeto de lei orçamentária encaminhado pelo Poder Executivo. instrumento adequado para levar em conta desigualdades baseadas em critérios tais como gênero. julgue os itens a seguir. não poderão ter caráter discriminatório. .

receita patrimonial. 14. ser cancelados. . as contribuições sociais constituem receita tributária e a alienação de bens imóveis. 15. mesmo que continuem sem destinação nos exercícios subseqüentes. 13. que não podem. nesse caso. (Contador MS 2008 Cespe) Na classificação da receita. (Contador MS 2008 Cespe) As receitas vinculadas. podendo ser revertidas a outras contas-correntes. (Agente PF 2009 Cespe) Nem todas as receitas são recolhidas à conta única do Tesouro. (Agente PF 2009 Cespe) A despesa orçamentária que percorre os estágios de empenho e liquidação pode ser inscrita como restos a pagar. mesmo que não utilizadas durante o exercício.12. não poderão destinar-se a outra finalidade que não o objeto de sua vinculação.

com a perda da individualização dos recursos para cada unidade gestora. (Agente PF 2009 Cespe) Com o advento do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (SIAFI). autorizadas durante o exercício. Com relação à Lei n. o que permitiu a padronização dos métodos e rotinas de trabalho e restringiu a gestão e o controle do ordenador de despesas.º 4. julgue os itens a seguir. devem-se levar em conta não apenas os recursos provenientes dos créditos orçamentários e adicionais. mas também os recebidos por conta de operações extraorçamentárias. 17. . 18. constituem recursos para fins de abertura de créditos suplementares.16. (Contador MS 2008 Cespe) As operações de crédito por antecipação de receita. houve grande centralização da gestão de recursos.320/1964. (Contador MS 2008 Cespe) No estabelecimento da programação da despesa orçamentária. à execução do orçamento e ao controle de sua execução.

. o agente público deve considerar que as obrigações de seu ente público com terceiros compõem a dívida ativa da União. (Agente PF 2009 Cespe) O estágio de execução da receita classificado como arrecadação ocorre com a transferência dos valores devidos pelos contribuintes ou devedores à conta específica do Tesouro. 20.19. (Agente PF 2009 Cespe) Ao elaborar o planejamento orçamentário do seu órgão.

Leandro Santos .Administração Financeira e Orçamentária Agente de Polícia Federal Prof.

julgue os itens seguintes: 1.Já Caiu em prova! Acerca dos créditos adicionais. 2(Procurador TCE ES 2009 Cespe) Os créditos extraordinários destinam-se a despesas para as quais não haja dotação orçamentária específica. conjugando-se os saldos dos créditos adicionais transferidos e as operações de crédito a eles vinculadas. . 3. (Procurador TCE ES 2009 Cespe) Os créditos adicionais se referem às autorizações de despesa expressamente dotadas na lei de orçamento. (Procurador TCE ES 2009 Cespe) Excesso de arrecadação é a diferença positiva entre o ativo financeiro e o passivo financeiro.

relacionadas aos créditos especiais e extraordinários . que deles dará imediato conhecimento ao Poder Executivo. excetuadas expressas disposições legais em contrário. (Procurador TCE ES 2009 Cespe) A vigência dos créditos adicionais será limitada ao exercício financeiro em que eles forem abertos. (Procurador TCE ES 2009 Cespe) Abrir créditos extraordinários por lei complementar compete ao Poder Legislativo. 5.4.

(Analista MPU 2010 Cespe) Para que se atinja o equilíbrio distributivo e se reduzam as possíveis desigualdades inter-regionais. . 6. 7.(Analista MPU 2010 Cespe) Apesar de possuir três peças — fiscal. 8. referentes a orçamento público. o orçamento geral da União é único e válido para os três poderes. da seguridade social e de investimento —.Já caiu em Prova! Julgue os próximos itens. o orçamento fiscal deve ser compatível com o plano plurianual. (Analista MPU 2010 Cespe) As garantias às operações de crédito são exceções ao princípio orçamentário da não afetação.

para sanção presidencial. 11. até o dia 31 de agosto do ano anterior à sua aplicação. (Analista MPU 2010 Cespe) Os recursos que ficarem sem despesas correspondentes poderão ser realocados. . com prévia e específica autorização legislativa. (Analista MPU 2010 Cespe) De acordo com a Constituição Federal de 1988.9. conforme o caso. pelo Congresso Nacional. (Analista MPU 2010 Cespe) O projeto de lei orçamentária deve ser encaminhado. mediante créditos especiais ou suplementares. 10. o Congresso Nacional pode entrar em recesso sem que tenha sido aprovado o projeto de lei de diretrizes orçamentárias.

que resultem em decréscimos do patrimônio líquido e que não sejam provenientes de distribuição aos proprietários da entidade Enfoque orçamentário (Manual da Despesa Nacional/SOF): Despesa/Dispêndio orçamentário é o fluxo que deriva da utilização de crédito consignado no orçamento da entidade.DESPESA PÚBLICA Conceito: Enfoque patrimonial (Resolução CFC 1121/08): Despesas são reduções no benefício econômico durante o período contábil sob a forma de saída de recursos ou redução de ativos ou incrementos em passivos. podendo ou não diminuir a situação líquida patrimonial .

. Patrimônio Líquido (PL): representa a diferença entre o total do ativo e o total do passivo. promissórias.Composição do Patrimônio: Ativo (A): composto pelo somatório dos bens e direitos.P . PL = A . Bens: imóveis. estoque.. .. Direitos: duplicata a receber. promissórias a receber. caixa... . Passivo (P): representa as obrigações da entidade com terceiros.. Obrigações: duplicatas a pagar. mercadorias.

Despesas extra-orçamentárias: Despesas com devolução de recursos recebidos de terceiros em que a União atuou como depositante.Despesa Orçamentária: é aquela que decorre da execução do orçamento. além das despesas com restos a pagar.: despesas com pessoal. Ex. . São exemplos as despesas com devolução de garantias e cauções prestadas pelo administrado. Despesa Intra-orçamentária: Lançamento contábil para evitar o duplo lançamento de despesas que se realizam entre unidades orçamentárias que integram o mesmo orçamento. manutenção e investimentos previstos na LOA.

(APO MPOG 2010 ESAF) As receitas orçamentárias são ingressos de recursos que transitam pelo patrimônio do poder público. porque transitam pelo patrimônio público.Já caiu em Prova!! (Analista ANATEL 2009 Cespe) As receitas intraorçamentárias se contrapõem às despesas intraorçamentárias e se referem a operações entre órgãos e entidades integrantes dos orçamentos fiscal e da seguridade social da mesma esfera governamental. financeiros e não-financeiros. são classificados como receita orçamentária. (APO MPOG 2010 ESAF) As receitas orçamentárias decorrem de recursos transferidos pela sociedade ao Estado e são classificadas como permanentes e temporárias. podendo ser classificadas como efetivas e não-efetivas. . (APO MPOG 2010 ESAF) Recursos financeiros de qualquer origem são registrados como receitas orçamentárias para que possam ser utilizados pelos entes públicos. (APO MPOG 2010 ESAF) Todos os ingressos de recursos. (APO MPOG 2010 ESAF) As receitas orçamentárias restringem-se aos ingressos que não geram contrapartida no passivo do ente público.

dentro da estrutura programática da despesa deve responder aos seguintes questionamentos: Item da estrutura orçamentária Programa de trabalho Objetivo Problema a resolver Publico alvo Indicadores Pergunta a ser respondida O que fazer? Pra que fazer? Por que fazer? Para quem é feito? Como medir? .Estrutura do Orçamento Público Programas de Trabalho: O Orçamento Público é estruturado em Programas de Trabalho (orçamento-programa). o PT. Sendo assim. devendo responder de forma transparente e objetiva as perguntas que classicamente são caracterizadas no ato de orçar. O PT define de forma qualitativa a programação orçamentária.

podendo ser compostos por despesas de natureza tipicamente administrativas. visando a solução de um problema ou o atendimento de uma necessidade ou demanda da sociedade. ao planejamento. . à formulação de políticas setoriais.articulam um conjunto de ações que concorrem para um objetivo comum preestabelecido. à avaliação ou ao controle dos programas finalísticos resultando em bens ou serviços ofertados ao próprio estado. Programas de Apoio às Políticas Públicas e Áreas Especiais: são programas voltados aos serviços típicos do Estado. cujos resultados sejam passíveis de mensuração.à coordenação. Os programas podem ser: Finalísticos: resultam bens ou serviços ofertados diretamente à sociedade. mensurado por indicadores no plano plurianual.PROGRAMAS DE GOVERNO Programas de Governo (MTO): representam o instrumento de organização governamental.

.Ações do Governo Segundo o MTO. das quais resulta um produto necessário à manutenção da ação do governo. as ações “serão identificadas em termos de funções. Representam um detalhamento das Operações Especiais.” Projetos: são instrumentos de programação para alcançar o objetivo de um programa.Ex. envolvendo um conjunto de operações que se realizam num determinado período limitado de tempo. atividades.: pagamento de inativos. Atividades: são instrumentos de programação para alcançar o objetivo de um programa. aquisição de títulos. subfunções. amortizações e encargos. Operações Especiais: são ações que não contribuem para a manutenção das ações do governo e não geram contraprestação direta sob a forma de bens e serviços. programas. envolvendo um conjunto de operações que se realizam de modo contínuo ou permanente. das quais resulta um produto que concorre para a expansão ou aperfeiçoamento da ação do governo. projetos e operações especiais.

Tal autorização ocorrerá via Lei Orçamentária Anual ou através de Crédito Adicional e pertencerá ao exercício em que foi empenhada. Classificação da despesa quanto ao impacto na situação líquida patrimonial Efetivas .Classificação da Despesa Classificação da Despesa quanto às entidades destinatárias do Orçamento: Despesa Orçamentária Pública – é a realizada por entidade pública e que depende de autorização orçamentária para que seja executada.são as despesas que não geram redução do patrimônio líquido. Despesa Orçamentária Privada . Não efetivas .são aquelas que implicam diminuição do patrimônio liquido da entidade como as despesas com pessoal. . estando relacionadas ao conceito contábil de mutação patrimonial. com material de consumo.é a realizada por entidade privada e que depende de autorização orçamentária aprovada por ato do conselho superior ou demais procedimentos internos para que seja realizada.

Supremo Tribunal Federal . É composta por 5 (cinco) dígitos: os dois primeiros representam o órgao e os três últimos a unidade Orçamentária. bem como sua respectiva unidade orçamentária. Justiça Eleitoral (órgão) 101.101 14. Justiça Federal 101.101 10. Ex: 14. Tribunal Superior Eleitoral (Unidade Orçamentária) 10.Classificação Institucional da Despesa A classificação institucional tem o propósito de refletir a estrutura organizacional e administrativa do ente governamental. Permite que se conheça o órgão ou entidade responsável pela aplicação dos recursos.

Judiciária 05. Saneamento 12. É composta por um rol de funções e subfunções prefixadas.Classificação Funcional (Portaria MPOG 42/99) Essa classificação é utilizada no Governo Federal desde 2000. que serve como agregador dos gastos públicos por área de ação governamental. Saúde 17. As funções são representadas por um código de dois dígitos. Defesa Nacional 06. . Segurança 10. Educação 26. Legislativa 02. Transporte. Enfatiza a interligação entre o planejamento e orçamento. nas três esferas. 01.

Podem ainda ser empregadas para representar a partição de outra função a qual não estejam inicialmente vinculadas. Cada uma delas representa um subconjunto das funções. . correspondendo a um desdobramento das funções.Classificação Funcional (Portaria MPOG42/99) Subfunções: são representadas por códigos com 3 dígitos (XXX).

Classificação Funcional (Portaria MPOG42/99) .

.Classificação da Despesa Classificação da despesa quanto à categoria econômica :  Correntes São todas as despesas que não contribuem de forma direta para a aquisição ou formação de um bem de capital... As despesas correntes são classificadas como: Despesas de Custeio: são as despesas operacionais. Outras despesas correntes: os juros e os encargos da dívida são classificados como receitas correntes. os gastos realizados para o funcionamento e prestação dos serviços prestados à coletividade: ex. material de consumo. Transferências Correntes: são os gastos com transferências de recursos para outros entes da Federação que deve aplicá-lo em despesas classificadas como correntes.: despesas com pessoal.

Classificação da Despesa Classificação da despesa quanto à categoria econômica :  De Capital São os dispêndios que contribuem diretamente para a formação ou aquisição de um bem de capital. . inclusive com a aquisição de imóveis considerados necessários a realização dessas últimas e com aquisições de equipamentos e material permanente. constituição e aumento de capital de empresas industriais ou agrícolas. São classificadas em: Investimentos: Despesas com o planejamento e a execução de obras.

Inversões financeiras: dispêndios para a aquisição de bens imóveis e bens de capital já em utilização pelo Estado. aquisição de títulos representativos do capital de empresas ou entidades de qualquer espécie. . Transferências de Capital: são as despesas correspondentes a transferências de recursos para outros entes da federação para aplicação em despesas classificadas como investimentos ou inversões financeiras. já constituídas. ou com a constituição e aumento do capital das empresas comerciais ou financeiras. quando a operação não importe aumento de capital.

Caiu em prova!
No que se refere à receita e à despesa pública, Julgue os itens seguintes: 12. (Procurador TCE ES 2009 Cespe) A amortização de empréstimos é receita de capital, sendo considerado o retorno de valores emprestados anteriormente a outras entidades de direito público. 13. (Procurador TCE ES 2009 Cespe) Os recursos recebidos de outras pessoas de direito público ou privado são considerados transferências correntes, desde que haja contraprestação direta em bens e serviços. 14. (Procurador TCE ES 2009 Cespe) Inversões financeiras são despesas correntes destinadas à aquisição de imóveis. 15. (Procurador TCE ES 2009 Cespe) As dotações para atender a obras de conservação e adaptação de bens imóveis são consideradas despesas de capital. 16. (Procurador TCE ES 2009 Cespe) Empréstimos do Banco do Brasil são considerados receitas correntes.

Classificação da Despesa
Classificação da despesa (Portaria SOF 163/01) : Segundo a portaria, a despesa pública, segundo a natureza é composta por: Categoria econômica (digito 3 para despesa corrente e 4 para as de capital); Grupo de natureza de despesa: é o agregador de elementos de despesa com a mesma característica quanto ao objeto do gasto. Modalidade de Aplicação: informação gerencial, é informada em complementação à natureza de despesa. É Composta por 2 dígitos. Elemento da despesa: é o desdobramento do grupo de natureza de despesa. Assim, temos que, a classificação da receita quanto a natureza se apresenta da seguinte forma:

c.g.mm.ee.dd.

Classificação da Despesa

c.g.mm.ee.dd. c = categoria econômica g= grupo de natureza de despesa mm= modalidade de aplicação ee = elemento de despesa dd = desdobramento facultativo do elemento de despesa.
Obs.: a classificação por categoria econômica indica o quão a política fiscal impacta a economia.

.

Lei 4320/64): O empenho de despesa é o ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado obrigação de pagamento pendente ou não de implemento de condição. Em casos especiais previstos na legislação específica será dispensada a emissão da nota de empenho.Fases da Despesa As fases de execução da despesa são: EMPENHO – LIQUIDAÇÃO – PAGAMENTO Empenho (Art. É vedada a realização de despesa sem prévio empenho. O empenho da despesa não poderá exceder o limite dos créditos concedidos.58. .

.. não sujeitas a parcelamento..Fases da Despesa O empenho pode ser: Ordinário: para empenho de despesas normais. Por estimativa: Será feito por estimativa o empenho da despesa cujo montante não se possa determinar.: despesas com água. telefone. energia elétrica. Ex. Global: empenho de despesas contratuais ou sujeitas a parcelamento.

a nota de empenho. III .a quem se deve pagar a importância. determinando que a despesa seja paga.a origem e o objeto do que se deve pagar.Fases da Despesa Liquidação (Art. A liquidação da despesa por fornecimentos feitos ou serviços prestados terá por base: I . Lei 4320/64): A liquidação da despesa consiste na verificação do direito adquirido pelo credor tendo por base os títulos e documentos comprobatórios do respectivo crédito.os comprovantes da entrega de material ou da prestação efetiva do serviço. III . 63. ajuste ou acordo respectivo. II . A ordem de pagamento é o despacho exarado por autoridade competente. II .o contrato. para extinguir a obrigação. Essa verificação tem por fim apurar: I . .a importância exata a pagar.

em casos excepcionais. após a regular liquidação da despesa. por meio de adiantamento . O pagamento da despesa será efetuado por tesouraria ou pagadoria regularmente instituídos por estabelecimentos bancários credenciados e.Fases da Despesa Pagamento: Corresponde a entrega de numerário ao credor.

19. 20. o exato valor a se pagar e a quem se deve pagar a importância. (Técnico TCE TO 2009 Cespe) Os pagamentos devidos pela Fazenda Pública. . o erário público fica preservado de possíveis fraudes. em virtude de sentença judiciária. 18. (Técnico TCE TO 2009 Cespe) O pagamento da despesa será efetuado por tesouraria ou pagadoria regularmente instituídos por estabelecimentos bancários credenciados somente após a entrega do bem ou prestação do serviço. para extinguir a obrigação. o órgão será desobrigado de seu pagamento. sendo facultada a designação de pessoas nas dotações orçamentárias e nos créditos adicionais abertos para esse fim. Assim.Já caiu em prova! 17. (Técnico TCE TO 2009 Cespe) Caso ocorra despesa cujo montante não se possa determinar. far-se-ão na ordem de apresentação dos precatórios e à conta dos créditos respectivos. (Técnico TCE TO 2009 Cespe) A liquidação da despesa consiste na verificação do direito adquirido pelo credor tendo por base todos os documentos comprobatórios do respectivo crédito. O objetivo da liquidação é apurar a origem e o objeto do que se deve pagar.

Já caiu em prova! Com relação às despesas públicas. juros e encargos da dívida deverão ser classificados na categoria econômica de despesas de capital. (Analista TRE-BA 2010 Cespe) Apesar de não criar obrigação para o Estado. julgue os próximos itens. (Analista TRE-BA 2010 Cespe) A liquidação da despesa consiste na verificação do direito adquirido pelo credor ou entidade beneficiária com base nos títulos e documentos comprobatórios do respectivo crédito ou da habilitação ao benefício. (Analista ANTAQ 2009 Cespe) Segundo a natureza da despesa. 24. . amortização.º nível da codificação da natureza da receita é utilizado para mensurar o impacto das decisões do governo na economia nacional. 22. 21. 23. o empenho assegura dotação orçamentária objetivando garantir o pagamento estabelecido na relação contratual entre a administração pública e seus fornecedores e prestadores de serviços. (Analista ANTAQ 2009 Cespe) O 1.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->