Mecˆnica Quˆntica a a

Obra coletiva

Sum´rio a
1 Introdu¸˜o ca 2 Pr´-requisitos e requisitos paralelos e 3 O princ´ ıpio da incerteza 4 O conceito de estado 5 O princ´ ıpio de superposi¸˜o ca 5 6 7 9 10

6 Operadores 12 6.1 Valor m´dio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 e 6.2 Adi¸˜o e subtra¸˜o de operadores . . . . . . . . . . . . . . . . 17 ca ca 7 A energia e a equa¸˜o de Schr¨dinger ca o 18 7.1 Exerc´ ıcios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 7.2 A derivada no tempo de um operador . . . . . . . . . . . . . . 22 7.3 O comutador de p e q . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 ˆ ˆ 8 Estados estacion´rios a 9 Po¸o quadrado unidimensional infinito c 10 Exemplos simples 10.1 Po¸o quadrado unidimensional c 10.2 Conectando as solu¸˜es . . . . co 10.3 A equa¸˜o da continuidade . . ca 10.4 A barreira de potencial . . . . 10.4.1 Condi¸˜es de contorno co . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 26 29 29 31 37 39 43

1

11 Algumas t´cnicas matem´ticas e a 45 11.1 A fun¸˜o delta de Dirac . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 ca 11.2 Integral de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 12 O espectro cont´ ınuo 47

13 O oscilador harmˆnico o 50 13.1 Exerc´ ıcios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 14 Operadores unit´rios e simetrias a 59 14.1 Exemplos de operadores unit´rios . . . . . . . . . . . . . . . . 61 a 14.2 Exerc´ ıcios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62 15 Rota¸˜es e o momento angular co 16 Autofun¸˜es do momento angular co 16.1 As autofun¸˜es da componente z do momento angular . . . . co 16.2 Autofun¸˜es simultˆneas do momento angular total e da comco a ponente z . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16.2.1 Constru¸˜o dos harmˆnicos esf´ricos . . . . . . . . . ca o e 16.3 Exerc´ ıcios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 Potenciais com simetria central 18 O ´tomo de Hidrogˆnio a e 18.1 Determinando o comportamento assint´tico . o 18.2 As solu¸˜es da equa¸˜o radial . . . . . . . . . co ca 18.3 Algumas propriedades do ´tomo de hidrogˆnio a e 18.4 Exerc´ ıcios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 A nota¸˜o de Dirac ca 20 O Spin 20.1 Elementos de matriz . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20.2 As matrizes de Pauli . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20.3 Intera¸˜o Eletromagn´tica: Formalismo Hamiltoniano ca e 20.3.1 Apˆndice: O teorema de Euler . . . . . . . . . e 20.4 Acoplamento do spin com o campo magn´tico . . . . e . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63 67 . 67 . 68 . 70 . 74 75 76 78 79 83 86 87 91 92 96 98 102 102

21 As desigualdades de Heisenberg 104 21.1 A rela¸˜o de incerteza energia x tempo . . . . . . . . . . . . . 106 ca

2

22 Teoria das perturba¸˜es co 109 22.1 Perturba¸˜o de estados estacion´rios . . . . . . . . . . . . . . 109 ca a 22.2 Exemplo trivial: Oscilador Harmˆnico com perturba¸˜o linear 113 o ca 22.3 Corre¸˜es de segunda ordem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114 co 23 Perturba¸˜es de um n´ co ıvel degenerado 23.1 Reobtendo as f´rmulas gerais . . . . . . . . . . o 23.2 Quando o n´ ´ degenerado. . . . . . . . . . . . ıvel e 23.3 O efeito Zeeman anˆmalo . . . . . . . . . . . . o 23.4 Exerc´ ıcios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23.4.1 Unidades e fatores de convers˜o . . . . . a 23.4.2 Exerc´ resolvido . . . . . . . . . . . . ıcio 23.4.3 Exerc´ resolvido (Enrico Fermi, 1954) ıcio 23.4.4 Prova simulada . . . . . . . . . . . . . . 23.4.5 Solu¸˜es de alguns problemas . . . . . . co 23.4.6 Mais exerc´ ıcios resolvidos . . . . . . . . 24 Perturba¸˜es dependentes do tempo co 25 Perturba¸˜o peri´dica pr´xima ` ressonˆncia ca o o a a 26 For¸as de van der Waals c 26.1 Introdu¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 26.2 O trabalho de Debye . . . . . . . . . . . . . . 26.2.1 A equa¸˜o de van der Waals . . . . . . ca 26.3 Causa da Coes˜o . . . . . . . . . . . . . . . . a 26.3.1 A teoria de London . . . . . . . . . . . 26.3.2 Referˆncias . . . . . . . . . . . . . . . e 26.4 Rela¸˜o com a energia do ponto zero . . . . . ca 26.5 Tratamento perturbativo das for¸as de van der c 26.6 Apˆndice . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Waals . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115 116 117 120 121 122 124 126 129 130 133 134 138 142 . 142 . 142 . 143 . 143 . 145 . 145 . 146 . 149 . 153

27 Sistemas compostos 155 27.1 Exerc´ ıcios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161 28 Part´ ıculas idˆnticas e 161 28.1 O princ´ ıpio de Pauli . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162 28.1.1 Adi¸˜o de momento s angulares . . . . . . . . . . . . . 163 ca

3

29 O caso quase-cl´ssico a 164 29.1 Regra de transi¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170 ca 29.2 Exemplo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171 29.3 Exemplo: oscilador harmˆnico . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172 o 30 O po¸o duplo. c 31 Sistemas de dois n´ ıveis 32 A mol´cula da amˆnia e o 33 A Mecˆnica Quˆntica Relativista a a 33.1 Introdu¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 33.2 A equa¸˜o de Schr¨dinger livre . . . . . . . . . . . ca o 33.3 A equa¸˜o de Klein-Gordon . . . . . . . . . . . . . ca 33.4 A equa¸˜o de Dirac . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 33.4.1 Interpreta¸˜o probabil´ ca ıstica . . . . . . . . . 33.4.2 Determina¸˜o das matrizes de Dirac . . . . ca 33.4.3 Formula¸˜o covariante da equa¸˜o de Dirac ca ca 33.4.4 Corrente de Probabilidade . . . . . . . . . . 33.4.5 Solu¸˜es especiais: part´ co ıcula em repouso . . 33.4.6 Solu¸˜es de energia negativa . . . . . . . . . co 33.4.7 Intera¸˜o com o campo eletromagn´tico . . . ca e 33.5 A anti-mat´ria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e 33.5.1 As solu¸˜es de onda plana . . . . . . . . . . co 33.5.2 A fun¸˜o de onda do buraco . . . . . . . . . ca 34 Apˆndice Matem´tico 1 e a 34.1 Operadores e suas representa¸˜es matriciais co 34.1.1 Transforma¸˜es entre bases . . . . . co 34.1.2 Matrizes equivalentes . . . . . . . . . 34.1.3 Autovalores de uma matriz . . . . . . 34.2 Diagonaliza¸˜o de uma matriz . . . . . . . . ca 34.2.1 Exemplo . . . . . . . . . . . . . . . . 34.2.2 Exerc´ ıcios . . . . . . . . . . . . . . . 35 Apˆndice matem´tico 2 e a 35.1 A equa¸˜o de Laplace . . . . . . . . . . . . ca 35.2 O Oscilador Harmˆnico . . . . . . . . . . . o 35.3 O Campo Uniforme . . . . . . . . . . . . . 35.3.1 Comportamento Assint´tico . . . . o 35.4 Apˆndice do apˆndice: O M´todo do Ponto e e e 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173 177 181 181 . 181 . 182 . 182 . 183 . 184 . 185 . 187 . 188 . 188 . 190 . 190 . 191 . 191 . 192 193 . 193 . 195 . 196 . 197 . 199 . 201 . 203 204 . 204 . 207 . 210 . 214 . 219

. . . . . . . . . . . . Sela

35.4.1 Exemplo simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 220 ´ 36 Apˆndice 3: Otica geom´trica e e 36.1 Equa¸˜es de Maxwell . . . . . . co 36.2 A equa¸˜o do eikonal . . . . . . ca 36.3 Exemplos . . . . . . . . . . . . 36.4 n ´ constante . . . . . . . . . . e 36.5 Dois meios homogˆneos . . . . . e 36.6 Simetria esf´rica . . . . . . . . . e 36.7 Curvatura dos raios de luz . . . 36.8 Lentes esf´ricas . . . . . . . . . e 36.9 A primeira refra¸˜o . . . . . . . ca 36.10A segunda refra¸˜o . . . . . . . ca 36.11A equa¸˜o dos focos conjugados ca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223 223 224 225 225 226 226 227 231 234 235 238

1

Introdu¸˜o ca

Estas notas destinam-se a auxiliar o estudo dos alunos que est˜o assistindo o a meu curso, um curso introdut´rio de mecˆnica quˆntica no quarto semestre o a a do Curso de Ciˆncias Moleculares da Universidade de S˜o Paulo. Est˜o e a a evoluindo para um livro, mas ainda n˜o o s˜o. a a Em particular, n˜o h´ qualquer pretens˜o de originalidade. Trata-se aqui a a a de conhecimento estabelecido e amplamente exposto por muitos autores. Em particular, apoiamo-nos extensamente na referˆncia principal, Landau, Life shitz, [3] partes do qual s˜o aqui reproduzidas, mudando-se apenas a l´ a ıngua. Os alunos que assistem este curso tiveram um semestre de f´ ısico-qu´ ımica e a a onde utilizaram m´todos de mecˆnica quˆntica no estudo da espectroscopia atˆmica e molecular, o que os coloca em uma situa¸˜o ins´lita: fizeram os o ca o exerc´ ıcios antes de ter a teoria! Por isso este curso tem a preocupa¸˜o de apreca sentar uma formula¸˜o conceitualmente acurada daquelas partes da mecˆnica ca a quˆntica que s˜o mais usadas em f´ a a ısico-qu´ ımica. Isto explica porque, por exemplo, n˜o tratamos de fenˆmenos de espalhamento e porque, por outro lado, a o tratamos de simetrias, momento angular e m´todos perturbativos em maior e detalhe do que se costuma fazer em cursos dados em um quarto semestre. Compare-se-o, por exemplo, com os excelentes tratamentos de Wichmann[11] e Nussenzveig[12], que diferem notavelmente deste texto porque escolheram estrat´gias diferentes: Wichmann realiza um soberbo tour pela fenomenologia e da f´ ısica moderna, e n˜o faz praticamente c´lculos quˆnticos; Nussenzveig, a a a que ocupa menos de 1/3 do semestre com mecˆnica quˆntica, seleciona um a a n´ cleo muito mais restrito da mat´ria, essencialmente sistemas de dois n´ u e ıveis, 5

e produz um extrato de alta qualidade dos princ´ ıpios da teoria. Ambos quase n˜o usam matem´tica que n˜o seja de dom´ a a a ınio p´ blico. Ambos s˜o forteu a mente recomendados como leitura paralela. O volume 3 das famosas Feynman Lectures[13] ´ um outro caso. O e esplˆndido livro de Feynman ´, ao contr´rio do que se diz, um texto avan¸ado, e e a c requerendo ou um talento excepcional, para aproveit´-lo como primeiro texto, a ou um consider´vel grau de maturidade em f´ a ısica, para acompanhar os vˆos o do mestre. Os alunos podem come¸ar a lˆ-lo, diria eu, ap´s uns dois meses c e o deste curso. Ideal para uma leitura posterior ao curso. Mais pr´ximo a este texto, mas muito mais extenso, com cerca de 650 o p´ginas, est´ o livro de French e Taylor [14], cobrindo terreno semelhante. a a Se fosse mais curto eu n˜o precisaria produzir estas notas. a Finalmente, a influˆncia do livro onde eu estudei, Landau, Lifshitz[3], e ´ dominante e deliberada. Em minha opini˜o trata-se do melhor texto exe a istente. Contudo, foi escrito para estudantes supostamente em n´ ıvel mais avan¸ado do que aqueles aos quais me dirijo. Talvez eu pudesse resumir o obc jetivo deste curso assim: procura-se preparar os alunos para a leitura e uso do magn´ ıfico “Landau”. Principalmente nos primeiros cap´ ıtulos, segui fielmente o grande texto russo, com as adapta¸˜es que se fizeram necess´rias. Uma alco a ternativa ` altura do “Landau” existe agora, em portuguˆs: o magn´ a e ıfico livro do professor Toledo Piza[17].

2

Pr´-requisitos e requisitos paralelos e

Solicita-se ao leitor que estude, antes de prosseguir na leitura destas notas, o cap´ ıtulo 1 do Volume III das Feynman Lectures on Physics, que cont´m uma e excelente descri¸˜o da experiˆncia da difra¸˜o por duas fendas, conhecida ca e ca como experiˆncia de Young, realizada com el´trons, em lugar da luz (que e e Young usou). Quando eu conseguir realizar isto t˜o bem quanto Feynman, a este pr´-requisito ser´ substitu´ por um cap´ e a ıdo ıtulo introdut´rio adicional. A o previs˜o de tempo para que isto aconte¸a ´ de, mais ou menos, da ordem da a c e idade do universo. Dos requisitos paralelos, o mais importante ´ o estudo. A mecˆnica e a qˆ antica ´ uma experiˆncia nova e estranha, mais estranha do que a teou e e ria da relatividade, e requer h´bitos de pensamento novos, que precisam a ser adquiridos aos poucos, ao longo do curso, para n˜o dizer ao longo da a vida1 . Estudar s´ perto da prova n˜o basta, ´ quase in´ til. Jean Dieudonn´, o a e u e grande matem´tico francˆs da escola Bourbaki, menciona, em seu grande a e
“The newer concepts of physics can be mastered only by long familiarity with their properties and uses” (Dirac).
1

6

tratado Treatise on Analysis[16], a necessidade de adquirir-se a intui¸˜o do ca abstrato. Tamb´m aqui precisamos dela. De fato, Dirac, em sua grande e obra-prima[1], que muitos consideram o maior livro de f´ ısica desde os Principia de Newton[15], diz: Mathematics is the tool specially suited for dealing with abstract concepts of any kind and there is no limit to its power in this field. For this reason a book on the new physics, if not purely descriptive of experimental work, must be essentially mathematical. Outro requisito paralelo ´ a leitura de um livro de qualidade, al´m destas e e notas. Sugiro desde logo a leitura do pref´cio e dos par´grafos 1, 2, 3 e 4 do a a livro de Dirac[1], que pode ser feita logo no come¸o do curso. c

3

O princ´ ıpio da incerteza

A “experiˆncia de Young” para el´trons, em particular a forma¸˜o de uma e e ca figura de interferˆncia mesmo quando o feixe de el´trons ´ t˜o rarefeito que e e e a n˜o h´ d´ vida de que os el´trons chegam um a um na tela, mostra que a a a u e f´ ısica dos el´trons ´ incompat´ com o conceito de trajet´ria. e e ıvel o N˜o existe, na mecˆnica quˆntica, o conceito de trajet´ria a a a o Isto ´ o conte´ do do princ´ e u ıpio da incerteza, um dos fundamentos da mecˆnica a quˆntica, descoberto por Werner Heisenberg em 1927. a A maneira de se obter informa¸˜es sobre um sistema quˆntico (que chamareco a mos, para simplificar, de el´tron) ´ realizar intera¸˜es entre ele e objetos e e co o cl´ssicos, denominados aparelhos. Por hip´tese esses aparelhos podem ser a descritos pela mecˆnica cl´ssica com a precis˜o que quisermos. Quando um a a a el´tron interage com um aparelho, o estado deste ultimo ´ modificado. A e ´ e natureza e magnitude dessa modifica¸˜o dependem do estado do el´tron, e ca e servem, por isso, para caracteriz´-lo quantitativamente. A intera¸˜o entre a ca o el´tron e o aparelho ´ denominada medida. Um aparelho n˜o precisa ser e e a macrosc´pico. O movimento de um el´tron numa cˆmara de Wilson ´ obo e a e servado por meio da trajet´ria nebulosa que ele deixa; a espessura dessa o trajet´ria ´ grande, comparada com as dimens˜es atˆmicas. Quando a trao e o o jet´ria de um el´tron ´ determinada com essa baixa precis˜o, ele ´ um objeto o e e a e inteiramente cl´ssico. a A mecˆnica quˆntica, ao menos em seu est´gio atual, ocupa um lugar a a a pouco usual entre as teorias f´ ısicas: ela cont´m a mecˆnica cl´ssica como um e a a caso limite, e, ao mesmo tempo, necessita desse caso limite para estabelecer a sua linguagem.

7

O problema t´ ıpico da mecˆnica quˆntica consiste em predizer o resultado a a de uma medida a partir dos resultados de um certo n´ mero de medidas anteu riores. Al´m disso, veremos mais tarde que, em compara¸˜o com a mecˆnica e ca a cl´ssica, a mecˆnica quˆntica restringe os valores das quantidades f´ a a a ısicas medidas (por exemplo, a energia ). Os m´todos da mecˆnica quˆntica permitem e a a a determina¸˜o desses valores admiss´ ca ıveis. O processo de medida na mecˆnica quˆntica tem uma propriedade muito a a importante: a medida sempre afeta o el´tron medido, e ´ imposs´ e e ıvel, por quest˜es de princ´ o ıpio, tornar o efeito da medida sobre o el´tron arbitrariae mente pequeno (como pode ser suposto na f´ ısica cl´ssica). Quanto mais exata a a medida, mais intenso ´ o efeito sobre o el´tron, e ´ somente em medidas de e e e pouca precis˜o que o efeito da medida sobre o el´tron pode ser considerado a e pequeno. ´ E um dos postulados fundamentais da mecˆnica quˆntica que as coora a denadas, ou seja, a posi¸˜o de um el´tron pode sempre ser determinada ca e com precis˜o arbitr´ria 2 . Suponhamos que, a intervalos definidos ∆t, sejam a a feitas medidas sucessivas das coordenadas de um el´tron. Os resultados n˜o e a estar˜o, em geral, sobre uma curva lisa. Ao contr´rio, quanto menor o valor a a de ∆t, mais descont´ ınuos e desordenados ser˜o os resultados, de acordo com a o fato de que n˜o existe uma trajet´ria para o el´tron. Uma trajet´ria raa o e o zoavelmente lisa s´ ´ obtida se as coordenadas do el´tron forem medidas com oe e pouca precis˜o, como no caso de uma cˆmara de Wilson. Para informa¸˜es a a co sobre o que ´ uma cˆmara de Wilson, veja e a http://rd11.web.cern.ch/RD11/rkb/PH14pp/node29.html#28 Se, mantendo-se imutada a precis˜o das medidas de posi¸˜o, diminuirmos a ca os intervalos ∆t entre as medidas, ent˜o medidas adjacentes dar˜o valores a a vizinhos `s coordenadas. Contudo, os resultados de uma s´rie de medidas a e sucessivas, embora estejam em uma regi˜o reduzida do espa¸o, estar˜o disa c a tribu´ ıdas, nessa regi˜o, de uma forma totalmente irregular, e nunca em cima a de uma curva lisa. Em particular, quando ∆t tende a zero, os resultados das medidas adjacentes de nenhuma maneira tende a a estar sobre uma reta. Ora, a velocidade tem a dire¸˜o da reta que, na f´ ca ısica cl´ssica, ´ obtida nesse a e limite. Esta circunstˆncia mostra que, na mecˆnica quˆntica, n˜o existe a vea a a a locidade da part´ ıcula no sentido cl´ssico do termo, isto ´, o limite de (∆r/∆t) a e quando ∆t → 0. Enquanto, na mecˆnica cl´ssica, a part´ a a ıcula tem posi¸ao e velocidade c˜ bem definidas em cada instante, na mecˆnica quˆntica a situa¸˜o ´ bem a a ca e
Isto n˜o est´ em contradi¸˜o com as rela¸˜es de incerteza. Elas dizem que n˜o ´ a a ca co a e poss´ determinar simultaneamente posi¸˜o e momento . ıvel ca
2

8

diferente. Se, como resultado de uma medida, determinam-se as coordenadas de um el´tron, ent˜o sua velocidade ´ totalmente indefinida. Se, ao contr´rio, e a e a determina-se a velocidade de um el´tron, ent˜o ele n˜o pode ter uma posi¸˜o e a a ca definida no espa¸o. Assim, na mecˆnica quˆntica, a posi¸˜es e a velocidade c a a co de um el´tron s˜o quantidades que n˜o podem ter, simultaneamente, valores e a a definidos.

4

O conceito de estado

Na mecˆnica cl´ssica conhece-se o estado de um sistema quando s˜o cona a a hecidas todas as posi¸˜es e todas as velocidades dos pontos do sistema, em co um determinado instante. A partir desses dados ´ poss´ predizer todo o e ıvel futuro, e reconstruir todo o passado do sistema. Ou seja, conhece-se o estado de um sistema quando se pode prever o futuro do sistema com a maior precis˜o poss´ (no caso da mecˆnica cl´ssica essa precis˜o ´ total). a ıvel a a a e Na mecˆnica quˆntica tal descri¸˜o ´ imposs´ a a ca e ıvel, uma vez que as coordenadas e as velocidades n˜o podem existir simultaneamente. Assim, a a descri¸˜o de um estado na mecˆnica quˆntica ´ feita em termos de menos ca a a e quantidades do que na mecˆnica cl´ssica. Segue-se disso uma conseq¨ˆncia a a ue muito importante. Enquanto a descri¸˜o cl´ssica permite prever o movica a mento futuro com total precis˜o, a descri¸˜o menos detalhada da mecˆnica a ca a quˆntica n˜o permite essa precis˜o. Isto significa que, mesmo que se conhe¸a a a a c o estado de um el´tron, seu comportamento em instantes sucessivos ´, em e e princ´ ıpio, incerto. A mecˆnica quˆntica n˜o pode fazer previs˜es exatas. a a a o Para um dado estado inicial do el´tron, uma medida subseq¨ente pode dar e u v´rios resultados. O problema t´ a ıpico da mecˆnica quˆntica ´ determinar a a a e probabilidade de se obter cada um dos resultados poss´ ıveis, ao realizar uma medida (ocasionalmente a probabilidade de se obter um determinado valor pode ser 1, e a de todos os outros zero!). Os processos de medida na mecˆnica quˆntica podem ser divididos em a a duas classes. Em uma, que cont´m a maioria das medidas, est˜o aquelas e a que, para qualquer estado do sistema, conduzem apenas a resultados mais ou menos prov´veis. A outra classe cont´m medidas tais que, dado um qualquer a e dos resultados poss´ ıveis dessa medida, existe um estado do sistema no qual a medida d´, com certeza, aquele valor. Essas medidas s˜o ditas previs´ a a ıveis, e desempenham um papel importante na formula¸˜o da mecˆnica quˆntica. As ca a a propriedades f´ ısicas do sistema que s˜o determinadas por medidas desse tipo a s˜o chamadas quantidades f´ a ısicas ou observ´veis do sistema.(Ver Landau, a Lifshitz) Veremos no que segue que, dado um conjunto de quantidades f´ ısicas, nem 9

sempre ´ poss´ med´ e ıvel ı-las simultaneamente, isto ´, nem sempre ´ poss´ e e ıvel que todas tenham valores definidos ao mesmo tempo. Vimos que este ´ o e caso para a posi¸˜o e a velocidade de um ponto material, por exemplo. ca Um papel fundamental ´ desempenhado por conjuntos de quantidades e f´ ısicas com a seguinte propriedade: elas podem ser medidas simultaneamente mas, se elas tˆm todas valores definidos, nenhuma outra quantidade f´ e ısica independente pode ter um valor definido nesse estado. Tais conjuntos de quantidades f´ ısicas s˜o denominados conjuntos completos a de observ´veis compat´ a ıveis. Um conjunto completo fornece uma descri¸˜o ca m´xima do sistema, e, portanto, caracteriza um estado do sistema. a

5

O princ´ ıpio de superposi¸˜o ca

Seja q o conjunto das coordenadas de um sistema quˆntico 3 , e dq o produto a 4 das diferenciais dessas coordenadas . Por exemplo, se q = {x, y, z}, dq = dxdydz. O estado de um sistema ´ descrito por uma fun¸˜o complexa ψ(q) das e ca coordenadas. O quadrado do m´dulo dessa fun¸˜o determina a distribui¸˜o o ca ca de probabilidades dos valores das coordenadas: |ψ(x, y, z)|2 dxdydz ´ a probabilidade de que uma medida realizada sobre o sistema encontre os e valores das coordenadas entre x e x + dx, y e y + dy, z e z + dz. A fun¸˜o ψ ca ´ denominada fun¸˜o de onda do sistema. e ca O conhecimento da fun¸˜o de onda permite, em princ´ ca ıpio, calcular a probabilidade dos v´rios resultados de qualquer medida (n˜o necessariamente a a das coordenadas). Essas probabilidades s˜o express˜es bilineares em ψ e ψ ∗ a o (* representando a opera¸˜o de tomar o complexo conjugado), do tipo ca dqψ(q)∗φ(q)ψ(q) ou dqψ(q)∗ ∂ ψ(q) ∂q

por exemplo. O estado de um sistema varia, em geral, com o tempo. Em conseq¨ˆncia, ue a fun¸˜o de onda ´ uma fun¸˜o tamb´m do tempo, ψ(q, t). Se a fun¸˜o ca e ca e ca
Abuso de linguagem. Todos os sistemas s˜o quˆnticos. A express˜o correta seria a a a “sistema incorretamente descrito pela f´ ısica cl´ssica”. a 4 Ou melhor, o elemento de volume em termos dessas coordenadas.
3

10

de onda ´ conhecida em um instante inicial, segue, do conceito da descri¸˜o e ca completa, que ela est´, em princ´ a ıpio, determinada em cada instante sucessivo. A dependˆncia precisa da fun¸˜o de onda com o tempo ´ determinada por e ca e uma equa¸˜o denominada equa¸˜o de Schr¨dinger . ca ca o A probabilidade de que as coordenadas de um sistema tenham qualquer valor, ´ 1. Devemos, ent˜o, ter e a |ψ(q)|2dq = 1 , pois a integral acima ´ exatamente esta probabilidade. e Seja ψ(q) a fun¸˜o de onda de um sistema. Considere a fun¸˜o ca ca ψ ′ (q) = ψ(q)eiα onde α ´ um n´ mero real. Como as probabilidades dos v´rios resultados s˜o e u a a express˜es da forma o dqψ ∗ (q)φ(q)ψ(q) e como dqψ ∗ (q)φ(q)ψ(q) = dqψ ′∗ (q)φ(q)ψ ′(q) , vemos que ψ ′ (q) ´ uma descri¸˜o da fun¸˜o de onda do sistema t˜o boa e ca ca a quanto ψ(q). Diz-se , por isso, que a fun¸˜o de onda de um sistema est´ ca a definida a menos de uma fase, ou seja, que, se ψ(q) ´ fun¸˜o de onda de um e ca sistema, ψ ′ (q) tamb´m ´.5 e e Seja S um sistema f´ ısico que pode existir tanto num estado de fun¸˜o ca de onda ψ1 (q) como no estado de fun¸˜o de onda ψ2 (q). A medida de uma ca quantidade f´ ısica f d´, por hip´tese, o resultado f1 , com probabilidade 1, se a o o sistema estiver em ψ1 , e o resultado f2 , tamb´m com probabilidade 1, se o e sistema estiver em ψ2 . Postula-se ent˜o que: a (1)Toda fun¸˜o da forma c1 ψ1 + c2 ψ2 , onde c1 e c2 s˜o n´ meros complexos, ca a u ´ tamb´m um estado do sistema. e e (2)Neste estado, uma medida de f dar´ ou o resultado f1 ou o resultado f2 . a
5

Na realidade, h´ quantidades f´ a ısicas tamb´m da forma e dqψ ∗ (q)φ(q)ξ(q)

onde ξ(q) ´ outra fun¸˜o de onda. Como essas quantidades tamb´m devem permanecer e ca e inalteradas, ´ necess´rio acrescentar que a trasforma¸˜o e a ca ψ ′ (q) = eiα ψ(q) deve ser tal que o mesmo α ´ usado para todas as fun¸˜es de onda. e co

11

Este postulado ´ denominado princ´ e ıpio de superposi¸˜o. Segue dele que ca a equa¸˜o de Schr¨dinger deve ser linear em ψ. ca o Considere um sistema composto de duas partes, e suponha que o estado do sistema seja dado de uma maneira tal que cada uma de suas partes possui uma descri¸˜o completa.6 Ent˜o as probabilidades das coordenadas q1 , da ca a parte 1, s˜o independentes das probabilidades das coordenadas q2 , da parte a 2. Seja ψ12 (q1 , q2 ) a fun¸˜o de onda do sistema todo, e ψ1 (q1 ) e ψ2 (q2 ) as ca fun¸˜es de onda das partes 1 e 2, respectivamente. Ent˜o, co a ψ12 (q1 , q2 ) = ψ1 (q1 )ψ2 (q2 ) , pois, ent˜o, a o que significa que as probabilidades s˜o independentes. a Se, al´m disso, essas partes n˜o interagirem, vale ainda a rela¸˜o e a ca ψ12 (q1 , q2 , t) = ψ1 (q1 , t)ψ2 (q2 , t) |ψ12 (q1 , q2 )|2 = |ψ1 (q1 )|2 |ψ2 (q2 )|2

6

Operadores

Seja f uma quantidade f´ ısica que caracteriza o estado de um sistema quˆntico. a Os valores que uma dada quantidade f´ ısica pode assumir s˜o chamados de a autovalores . O conjunto dos autovalores ´ o espectro. Na mecˆnica cl´ssica e a a 7 as quantidades f´ ısicas s˜o cont´ a ınuas. Na mecˆnica quˆntica, n˜o necessariaa a a mente. Pode haver espectros discretos ou espectros cont´ ınuos. Vamos supor, para simplificar, que o espectro de f seja discreto. Os autovalores de f ser˜o a denotados por fn , (n = 0, 1, 2..). A fun¸˜o de onda do sistema, no estado ca em que f tem o valor fn , ser´ denotada por ψn . Essas fun¸˜es s˜o chamadas a co a autofun¸˜es de f . Para cada uma delas, co dq|ψn |2 = 1 Um dos princ´ ıpios b´sicos da mecˆnica quˆntica ´ este: a a a e (I) O conjunto das autofun¸˜es de uma quantidade f´ co ısica f ´ completo. Isto e ´, dada uma fun¸˜o de onda qualquer ψ do sistema, podemos expand´ em e ca ı-la autofun¸˜es de f assim: co ψ= an ψn
n

Isto quer dizer que a fun¸˜o de onda de cada uma das partes tem um “futuro” totalca mente previs´ ıvel, ou seja, que as duas partes do sistema s˜o independentes. a 7 Natura non facit saltus, Isaac Newton.

6

12

onde os an s˜o n´ meros complexos. a u (II)Fazendo-se uma medida de f em ψ, a probabilidade de se obter o valor fn ´ dada por |an |2 . e Em conseq¨ˆncia, devemos ter ue
n

|an |2 = 1

pois n |an |2 ´ a probabilidade de, medindo-se f , obter-se qualquer um dos e valores poss´ ıveis. Temos, ent˜o, o resultado a an a∗ = n dqψψ ∗

n

Por outro lado, temos ψ∗ = logo, dqψψ ∗ = =
n ∗ a∗ ψn n

ψ
n

∗ a∗ ψn dq n ∗ ψn ψdq

a∗ n a∗ an n
n

= de onde se conclui que an = Finalmente, usando ψ = an = de onde se conclui que
m

∗ ψn ψdq

am ψm , temos am ψm =
m m

∗ dqψn

am

∗ ψn ψm dq

∗ dqψn ψm = δnm

Diz-se ent˜o que as autofun¸˜es s˜o ortogonais. a co a

6.1

Valor m´dio e

Vamos introduzir agora o conceito de valor m´dio f da quantidade f´ e ısica f em um dado estado. Sejam fn os valores poss´ ıveis de f , ou seja, seus autovalores 13

. Sejam |an |2 as probabilidades de cada um dos autovalores , no estado em quest˜o. Define-se ent˜o o valor m´dio como a a e f=
n

fn |an |2

Usa-se tamb´m a nota¸˜o f , para a mesma quantidade. Queremos encone ca trar uma express˜o para f em termos da fun¸˜o de onda do estado considera ca ado. Seja ψ esta fun¸˜o. Para fazer isso vamos associar ` quantidade f´ ca a ısica ˆ que atua sobre as fun¸˜es de onda. Seja fψ a fun¸˜o ˆ f um operador linear f co ca ˆ ˆ obtida quando f atua sobre ψ. Queremos, de f , que f= ˆ dqψ ∗ (f ψ)

para qualquer estado ψ (lembre-se que estipulamos que as quantidades f´ ısicas deveriam ser express˜es bilineares na fun¸˜o de onda). Ent˜o, o ca a f=
n

fn an a∗ = n

dqψ ∗
n

an fn ψn

onde usamos an = que Ora,

dqψ ∗ ψn , obtido anteriormente. Vemos, primeiramente, fψ =
n

an fn ψn an ψn ,
n

ψ= de maneira que f ´ linear, e que e

ˆ f ψn = fn ψn Sumarizando: ˆ f ψn = fn ψn ˆ ˆ f = dqψ ∗ f ψ an =
∗ dqψn ψ

(1) (2) (3) (4)

∗ dqψn ψm = δnm

Os valores assumidos por uma quantidade f´ ısica s˜o reais. Portanto, os vala ores m´dios f de uma quantidade f´ e ısica s˜o tamb´m reais, como se vˆ de a e e 2 f = n fn |an | . Note-se (exerc´ ıcio f´cil), que, se o estado for uma autoa fun¸˜o de f , o valor m´dio f coincide com o autovalor de f nesse estado. ca e 14

Do fato de f ser real segue uma propriedade importante dos operadores associados a quantidades f´ ısicas: f= Ora, ˆ dqψ ∗ (f ψ)

ˆ dqψ ∗ f ψ = f =

ˆ dqψ ∗ f ψ

(5)

=

ˆ ψ ∗ (f ψ)dq

=

ˆ ψ(f ψ)∗ dq =

ˆ ψ f ∗ ψ ∗ dq

(6)

ˆ e ˆ ˆ onde f ∗ ´ definido assim: se f ψ = φ, ent˜o f ∗ ´ o operador tal que f ∗ ψ ∗ = a ˆ e φ∗ .8 Ent˜o, a ˆ ˆ ψ ∗ fψdq = ψ f ∗ ψ ∗ dq ˆ ˆ co Vamos definir o operador transposto t f do operador f . Sejam ψ e φ fun¸˜es tˆ arbit´rias. Ent˜o f ´ tal que a a e ˆ ψ ∗ (t f)φdq = Por exemplo, para ψ = φi, ˆ ψ f ∗ ψ ∗ dq = ˆ ψ ∗ (t f ∗ )ψdq ˆ φf ψ ∗ dq

Da condi¸˜o de realidade de f, Eq.(6), temos ca ˆ ψ ∗ f ψdq = ˆ ψ f ∗ ψ ∗ dq = ˆ ψ ∗ (t f ∗ )ψdq (7)

Comparando os dois extremos vemos que ˆ ˆ f = (t f )∗ Operadores com esta propriedade s˜o ditos hermiteanos. Logo, os operadores a associados a quantidades f´ ısicas s˜o operadores lineares hermiteanos. a Podemos, formalmente, considerar quantidades f´ ısicas complexas, isto ´, e cujos autovalores s˜o complexos. Por exemplo, dadas as coordenadas x e a y,podemos considerar a quantidade x + iy. Seja f uma quantidade desse tipo, e seja f ∗ a quantidade cujos autovalores s˜o os complexo-conjugados dos a ˆ ` autovalores de f . A quantidade f corresponde o operador f. Denotemos por
∂ ˆ ˆ Por exemplo, seja f = −i ∂x . Ent˜o, dado ψ qualquer, temos f ψ = −i ∂ψ . O operador a ∂x ∗ ∂ ˆ ˆ ˆ f ∗ deve ser tal, ent˜o, que f ∗ ψ ∗ = (−i ∂ψ )∗ = i ∂ψ . Logo, f ∗ = i ∂x . a ∂x ∂x 8

15

ˆ f + o operador correspondente ` quantidade f ∗ . Este operador ´ denominado a e ˆ. o adjunto de f O valor m´dio da quantidade f ∗ ´ dado por e e f∗ = ˆ ψ ∗ f + ψdq

onde apenas adaptamos a defini¸˜o de m´dia de um operador. ca e Ora, ˆ f = ψ ∗ fψdq logo, f = Mas f∗ =
n ∗ fn |an |2 = n ∗

ˆ ψ ∗ f ψdq

=

ˆ ψ f ∗ ψ ∗ dq =

ˆ ψ ∗ (t f)∗ ψdq

fn |an |2

=f

Ou seja, ˆ ψ ∗ f + ψdq = Comparando, temos ˆ ψ ∗ (t f)∗ ψdq

ˆ ˆ f + = (t f)∗

Em palavras, o adjunto ´ o transposto do conjugado. e A condi¸˜o de hermiticidade de um operador, escrita anteriormente como ca ˆ ˆ (t f ) = f ∗ pode agora ser escrita: ˆ ˆ f = f+

e os operadores hermiteanos s˜o aqueles que coincidem com os adjuntos. Da´ a ı serem chamados tamb´m de auto-adjuntos. e Vamos agora mostrar que a ortogonalidade das autofun¸˜es de um opco erador hermiteano pode ser demonstrada diretamente. Sejam fn e fm dois ˆ autovalores diferentes do operador hermiteano f . Sejam ψn e ψm as autofun¸˜es correspondentes. Ent˜o, co a ˆ f ψn = fn ψn ˆ fψm = fm ψm
∗ Multiplicando a primeira por ψm , temos ∗ ˆ ∗ ∗ ψm f ψn = ψm fn ψn = fn ψm ψn

(8) (9)

16

e

∗ ˆ dqψm f ψn = fn

∗ dqψm ψn

(10)

ˆ ∗ Tomando o complexo conjugado de (9) e multiplicando por ψn , temos ψn f ∗ ψm = ∗ fm ψn ψm . Integrando, ˆ ∗ dqψn f ∗ ψm = fm
∗ ˆ dqψm f ψn − ∗ dqψn ψm ∗ dqψn ψm

(11) (12)

ˆ ∗ dqψn f + ψm = (fn − fm )

Mas ˆ ∗ dqψn f ∗ ψm =
∗ ˆ dqψm (t f )∗ ψn = ∗ ˆ dqψm f + ψn = ∗ ˆ dqψm f ψn

ˆe pois f ´ hermiteano. Logo, o primeiro termo de (12) ´ zero. Conseq¨ entee u mente, ∗ (fn − fm ) ψn ψm dq = 0 e, como fn = fm , segue que
∗ dqψn ψm = 0

(n = m)

6.2

Adi¸˜o e subtra¸˜o de operadores ca ca

Sejam f e g duas quantidades f´ ısicas que podem ter valores definidos simulˆ ˆ taneamente. Sejam f e g seus operadores. Os autovalores da soma f + g s˜o a ˆ + g , e sejam ψn a soma dos autovalores de f e de g. Considere o operadorf ˆ ˆ ˆ as autofun¸˜es comuns a f e g . Ent˜o, co a ˆ f ψn = fn ψn g ψn = gn ψn ˆ e, portanto, ˆ ˆ (f + g )ψn = (fn + gn )ψn

Este resultado pode ser generalizado para fun¸˜es de onda quaisquer, assim: co ˆ ˆ ˆ (f + g )ψ = f ψ + g ψ ˆ Neste caso, tem-se f +g = ˆ ˆ ψ ∗ (f + g )ψdq = ˆ ψ ∗ fψdq + 17 ψ ∗ g ψdq = f + g ˆ

A multiplica¸˜o de operadores ´ definida assim: ca e ˆˆ ˆg (f g )ψ = f (ˆψ) ˆ ˆ Suponhamos que ψn seja autofun¸˜o comum a f e g . Ent˜o, ca a ˆˆ ˆg ˆ ˆ f g ψn = f (ˆψn ) = f (gn ψn ) = gn f ψn = gn fn ψn e g fψn = g (f ψn ) = g (fn ψn ) = fn (ˆψn ) = fn gn ψn ˆˆ ˆ ˆ ˆ g

Logo, para as autofun¸˜es simultaneas, temos co ˆˆ ˆ ˆ (f g − g f )ψn = 0 Isto n˜o ´ suficiente para se concluir que o operador a e ˆˆ ˆ ˆ f g − gf = 0 . Contudo, como o conjunto das autofun¸˜es ψn ´ completo, temos, dada uma co e fun¸˜o de onda arbitr´ria, que ca a ψ=
n

an ψn ˆˆ ˆ ˆ an (f g − g f)ψn = 0

e

ˆˆ ˆ ˆ (f g − g f )ψ =

n

ˆˆ ˆ ˆ e Logo, o operador f g − g f ´ zero como operador, pois leva qualquer fun¸˜o ca ao valor zero. Note-se que isto foi demonstrado para dois operadores que possuem um conjunto completo de autofun¸˜es comuns. No caso geral, esse co comutador, ˆˆ ˆˆ ˆ ˆ [f, g ] ≡ f g − g f ´ diferente de zero. e

7

A energia e a equa¸˜o de Schr¨dinger ca o

A fun¸˜o de onda determina completamente o estado f´ ca ısico do sistema. Isto significa que, dada a fun¸˜o de onda ψ de um sistema no instante t, n˜o ca a somente todas as propriedades do sistema naquele instante est˜o descritas, a mas tamb´m as propriedades em qualquer instante subseq¨ ente (tudo isso, e u naturalmente, em termos do conceito de descri¸˜o completa admitido pela ca mecˆnica quˆntica). Matematicamente isto quer dizer que a derivada primeira a a 18

no tempo, ∂ψ no instante t ´ determinada pelo valor de ψ no mesmo instante. e ∂t Como a teoria ´ linear, essa rela¸˜o ´ tamb´m linear. Vamos escrevˆ-la assim: e ca e e e i¯ h ∂ψ ˆ = Hψ ∂t (13)

ˆ e onde H ´ um operador linear a ser determinado. A maneira mais direta de ˆ e descobrir a natureza de H ´ impˆr que, no limite cl´ssico, as leis de Newton o a ˆ sejam obtidas. Usando argumentos de mecˆnica avan¸ada mostra-se que H a c deve ser o hamiltoniano do sistema, ou seja, a energia escrita em termos dos momento s pi e das coordenadas qi do sistema, fazendo-se ainda a substitui¸˜o ca pi = −i¯ h ∂ ∂qi (14)

A equa¸˜o (13) ´ denominada equa¸˜o de Schr¨dinger , e desempenha, ca e ca o na mecˆnica quˆntica, papel semelhante ao da segunda lei de Newton na a a mecˆnica cl´ssica. a a

Exemplos: (2) A part´ ıcula livre unidimensional: E = p2 2m ∂ ∂x ∂ −i¯ h ∂x −i¯ h −

p = ˆ p2 ˆ ˆ H ˆ Hψ Equa¸˜o de Schr¨dinger completa: ca o i¯ h (2) A part´ ıcula livre tri-dimensional: E px ˆ py ˆ = = = = = =

−i¯ h

∂ ∂x

h ¯ 2 ∂2 2m ∂x2 h ¯ 2 ∂2ψ − 2m ∂x2

∂ψ h ¯ 2 ∂2ψ =− . ∂t 2m ∂x2

(15)

1 p2 + p2 + p2 y z 2m x ∂ −i¯ h ∂x ∂ −i¯ h ∂y

19

pz ˆ ˆ H ˆ Hψ

= = =

−i¯ h − −

∂ ∂z ∂2 ∂2 ∂2 + 2+ 2 2 ∂x ∂y ∂z

h ¯2 2m

h ¯2 2 ∇ ψ 2m

Equa¸˜o de Schr¨dinger completa: ca o ∂ψ h ¯2 2 =− ∇ ψ (16) ∂t 2m (3) Part´ ıcula sobre a a¸˜o de um potencial: ca Seja V (x, y, z) a energia potencial da part´ ıcula. Na mecˆnica quˆntica o operador energia a a ˆ potencial, V (r) ´ definido por: e i¯ h ˆ V (r)ψ(r) ≡ V (r)ψ(r) ˆ ou seja, a a¸˜o do operador V (r) sobre a fun¸˜o ψ(r) consiste simplesmente em multica ca plic´-la pelo n´ mero V (r). Exemplo: a u Oscilador harmˆnico unidimensional: o ˆ V (x)ψ(x) ˆ Hψ = = V (x)ψ(x) = 1 2 kx ψ(x) 2 h ¯2 2 1 − ∇ ψ + kx2 ψ 2m 2

7.1

Exerc´ ıcios

1. Sejam ψ1 (x) e ψ2 (x, respectivamente, autofun¸˜es de H, com autovalores co E1 e E2 . ψi (x) = ψi (x, t = 0). Seja Ψ(x, t = 0) = a1 ψ1 (x) + a2 ψ2 (x). Determinar Ψ(x, t) para t > 0. Solu¸˜o: ca Temos i ˆ ¯ (17) ψ(x, t) = e− h Ht ψ(x, t = 0) Portanto,
¯ ¯ ¯ Ψ(x, t) = e− h Ht (a1 ψ1 (x) + a2 ψ2 (x))) = a1 e− h E1 t ψ(x, t = 0)+a2 e− h E2 t ψ2 (x, t = 0) (18) (a) Mostre que, nas condi¸˜es acima, co i

ˆ

i

i

i ˆ i exp − Htψ1 (x) = exp − E1 tψ1 (x) h ¯ h ¯ (b) Demonstre a Eq.(17). (c) As fun¸˜es exp i(k1 x − ω1 t), exp i(k2 x − ω2 t) e exp −i(k1 x + ω1 t) s˜o solu¸˜es co a co 20

estacion´rias da equa¸˜o de Schr¨dinger de uma part´ a ca o ıcula livre. Escreva essa equa¸˜o de Schr¨dinger e mostre que isso ´ verdade. A soma das trˆs ´ ca o e e e uma solu¸˜o da mesma equa¸˜o, logo ´ a fun¸˜o de onda de um estado de ca ca e ca part´ ıcula livre. Se o sistema se encontra neste estado, quais os valores da energia que podem ser obtidos numa medida da energia do sistema, e qual ´ a probabilidade relativa deles. Por que eu estou falando de probabilidades e relativas, em vez de em probabilidades simplesmente?

2.A fun¸˜o de onda de uma part´ ca ıcula livre de massa m, em movimento ao longo do eixo x, ´, em t = 0, dada por e 2α ψ(x) = π (a) Verifique se ela est´ normalizada. a (b)Usando

2

1/4

e−αx

2

(19)

π − k2 e 4α (20) α −∞ expanda ψ(x) (da Eq.19) em autofun¸˜es simultˆneas do momento e da enco a ergia , exp ikx. Se a expans˜o for escrita a dxe−αx e−ikx = 2α π mostre que a(k) = e que, portanto, ψ(x, t) = 1 2π 2α π
1/4 1/4

e−αx =

2

∞ −∞ 1/4

dka(k)eikx

1 2π

2α π π α

π − k2 e 4α α

∞ −∞

dke− 4α eikx e−

k2

i¯ k2 t h 2m

(21)

(c) Agora, num esfor¸o de reportagem, calcule a integral em Eq.(21). (Use a c Eq.(20) trivialmente modificada). Vocˆ deve achar e ψ(x, t) = 2α π
1/4
αm m 2 h e− m+2iα¯ t x m + 2iα¯ t h

(22)

(d)Verifique que a fun¸˜o de onda ψ(x, t) da Eq.(22)satisfaz a equa¸˜o de ca ca Schr¨dinger para a part´ o ıcula livre.

21

7.2

A derivada no tempo de um operador

ˆe ˆ Diremos que um operador f˙ ´ a derivada no tempo do operador f se, sendo ˆ ˆ ˆ ˆ f o valor m´dio de f num estado arbitr´rio, e f˙ o valor m´dio de f˙ nesse e a e mesmo estado, tivermos d ˆ ˆ f = f˙ (23) dt Explicitando, devemos ter d ˆ d f = dt dt ˆ dqψ ∗ f ψ = dqψ ∗ ˆ ∂f ψ+ ∂t dq ψ∗ ˆ fψ + ∂t ˆ∂ψ dqψ ∗ f ∂t (24)

Usando a equa¸˜o de Schr¨dinger , obtemos ca o ∂ψ ∗ i ˆ∗ ∗ = H ψ ∂t h ¯ −i ˆ ∂ψ = Hψ ∂t h ¯ Usando esses resultados em (24), temos d ˆ f = dt dqψ ∗ ˆ ∂f i ψ+ ∂t h ¯ i ˆ ˆ dq H ∗ ψ ∗ f ψ − h ¯ ˆ ˆ dqψ ∗f Hψ (25)

O termo que cont´m a derivada parcial do operador s´ existe quando a express˜o do e o a operador cont´m parˆmetros que dependam do tempo. Por exemplo, se tiv´ssemos uma e a e part´ ıcula livre de massa vari´vel, seu hamiltoniano seria a h ¯2 ˆ H=− ∇2 2m(t) e a derivada em quest˜o seria dada por a ˆ h ¯ 2 dm 2 ∂H = ∇ ∂t 2m2 (t) dt Na grande maioria dos casos este termo ´ inexistente. e (26)

ˆ e Voltando ` Eq.(25), e usando o fato de que H ´ hermiteano, temos a ˆ ˆ dq H ∗ ψ ∗ f ψ = e, conseq¨ entemente, u d ˆ f = dt ψ∗ ˆ i ∂f ˆ ˆ i ˆˆ + Hf − f H ψ ∂t h ¯ h ¯ 22 (28) ˆˆ dqψ ∗ H f ψ = ˆˆ dqψ ∗ H f ψ (27)

Como, por defini¸˜o, ca temos que

d ˆ f = dt

ˆ dqψ ∗ f˙ψ

ˆ ˆ ∂f + i H f − f H ˆ ˆ ˆˆ f˙ = ∂t h ¯
ˆ

(29)

Como dissemos, o caso mais importante ´ aquele em que ∂ f = 0 (diz-se ent˜o e a ∂t que o operador n˜o tem dependˆncia expl´ a e ıcita no tempo.) Neste caso, i ˆ ˆ ˆˆ ˆ f˙ = Hf − f H h ¯ ˆ ˆ ˆ Vemos ent˜o que, se [H, f ] = 0, f˙ = 0, e a ˆ f = constante . (31) (30)

Na mecˆnica quˆntica, a constˆncia de uma quantidade f´ a a a ısica no tempo quer dizer isto: que o valor m´dio dessa quantidade independe do tempo. Cone ˆ Temos, evidentemente, que [H, H] = 0, logo, se H n˜o ˆ ˆ ˆ a sidere o operador H. depende explicitamente do tempo, i ˆ ˆ ˆ ˙ H = [H, H] = 0 h ¯ (32)

d ˆ e dt H = 0. A quantidade f´ ısica associada ao hamiltoniano ´ a energia . e Logo, a energia se conserva, na mecˆnica quˆntica. a a

Como

|ψ 2 |dq = 1, sendo a integral estendida a todo o espa¸o, temos que c 0= d dt dq|ψ|2 = d dt dqψ ∗ ψ = ∂ψ ∗ ∂ψ ψ + ψ∗ ∂t ∂t (33)

Eliminando as derivadas no tempo pelo uso da equa¸˜o de Schr¨dinger , temos: ca o 0= i h ¯ ˆ dqψ H ∗ ψ ∗ − ˆ dqψ ∗ Hψ = = i h ¯ i h ¯ ˆ dqψ ∗ (t H)∗ ψ − ˆ ˆ ψ∗ H + − H ψ ˆ dqψ ∗ Hψ

ˆ ˆ ˆ e Segue ent˜o que H = H + , ou seja, que H ´ hermiteano. a

7.3

O comutador de p e q ˆ ˆ
∂ψ(x) ∂ − (−i¯ ) (xψ(x)) h ∂x ∂x 23

Como px = −i¯ ∂x , temos ˆ h∂ [ˆ, px ]ψ(x) = x(−i¯ ) x ˆ ˆ h (34)

que leva a [ˆ, px ]ψ(x) = i¯ ψ(x) x ˆ h Logo, temos a igualdade entre operadores: [ˆ, px ] = i¯ ˆ x ˆ h1 onde ˆ ´ o operador unidade, definido por 1e ˆ =ψ 1ψ (37) (36) (35)

qualquer que seja ψ. Obviamente isto vale tamb´m para as outras componentes. Numa forma e geral. temos: [ˆi , qj ] = −i¯ δij ˆ p ˆ h 1 (38) S˜o as chamadas rela¸˜es de Heisenberg. a co

8

Estados estacion´rios a
∂ψ(r, t) ˆ = Hψ(r, t) ∂t

Na equa¸˜o de Schr¨dinger ca o i¯ h (39)

procuremos solu¸˜es da forma co ψ(r, t) = u(r)T (t) , (40)

que s˜o um produto de uma fun¸˜o s´ de r por uma fun¸˜o s´ de t. Explicia ca o ca o tando a forma do hamiltoniano, h ¯ ˆ H=− ∇2 + V (r) 2m reescrevemos a Eq.(39) assim: i¯ h ∂ h2 2 ¯ u(r)T (t) = − ∇ u(r)T (t) + V (r)u(r)T (t) ∂t 2m (42)
2

(41)

que pode ser reescrita: dT (t) h2 2 ¯ i¯ u(r) h = −T (t) ∇ u(r) + V (r)u(r)T (t) dt 2m 24 (43)

Dividindo por u(r)T (t), temos 1 dT 1 h2 2 ¯ i¯ h =− ∇ u + V (r) T dt u 2m (44)

O primeiro membro n˜o depende de r, ou seja, s´ pode depender de t. Ele a o ´ igual ao segundo membro, que n˜o pode depender de t. Logo, o primeiro e a membro n˜o depende nem de r nem de t: n˜o dpende ent˜o de nada: ´ a a a e constante. O segundo membro, por for¸a da equa¸˜o, ´ igual ao primeiro, e c ca e ent˜o tamb´m constante. Designemos esta constante por E. Teremos ent˜o a e a i¯ h ou 1 dT =E T dt (45)

dT i = − Edt T h ¯ que ´ integrada facilmente, dando e
¯ T (t) = Ke− h Et i

(46)

(47)
i

Logo,
¯ ψ(r, t) = Ku(r)e− h Et

(48)

Note-se que ∂ ∂ i ˆ ¯ h Ku(r)e− h Et = Eψ(r, t) Hψ(r, t) = i¯ ψ(r, t) = i¯ h ∂t ∂t o que mostra duas coisas importantes: i ¯ 1. Os ψ(r, t) da forma u(r)e− h Et s˜o autofun¸˜es do hamiltoniano. a co 2.E ´ o autovalor do hamiltoniano, e, portanto, a energia do sistema, quando e neste estado. Estados da forma
¯ ψ(r, t) = u(r)E − h Et i

(49)

s˜o chamados estados estacion´rios. O nome ´ devido ao fato de que a dena a e sidade de probabilidade de posi¸˜o, |psi(r, t)|2 , ´ independente do tempo, ca e pois ∗ i i ¯ ¯ |ψ(r, t)|2 = u(r)e− h Et u(re− h Et = |u(r)|2 (50)
¯ pois |e− h Et |2 = 1. Os estados estacion´rios s˜o extremamente importantes na descri¸˜o quˆntica a a ca a da natureza, n˜o s´ por representarem os estados que tˆm energia definida, a o e i

25

mas tamb´m porque o conjnto dos autoestados do hamiltoniano, que s˜o os e a estados estacion´rios, ´ completo. Isto significa que qualquer estado pode ser a e representado como uma combina¸˜o linear de estados estacion´rios. ca a A determina¸˜o dos estados estacion´rios de um determinado hamiltonica a ano ´ feita normalmente resolvendo-se a equa¸˜o, dita equa¸˜o de Schr¨dinger e ca ca o independente do tempo, ˆ Hu(r) = Eu(r) (51) Resolver esta equa¸˜o significa n˜o s´ determinar u(r), mas o par(E , u(r)). ca a o ˆ associado ` autofun¸˜o u(r). Problemas desse O n´ mero E ´ o autovalor de H u e a ca tipo s˜o chamados, em matem´tica, problems de autovalores . a a

9

Po¸o quadrado unidimensional infinito c

Este ´ o problema mais simples envolvendo um sistema localizado. Uma e part´ ıcula move-se livremente ao longo do eixo x, exceto pelo fato de que, nas posi¸˜es x = 0 e x = a, existem paredes impenetr´veis: exige-se, isto co a ´, que a probabilidade de a part´ e ıcula estar fora do intervalo 0 ≤ x ≤ a seja estritamente 0. Formalmente isto se realiza exigindo que a fun¸˜o de onda ca da part´ ıcula seja nula nas paredes, que podem ser consideradas infinitamente espessas. Portanto, ψ(x) = 0 para x ≥ a e para x ≤ 0. Procuremos os estados estacion´rios. Na regi˜o interna as paredes, temos a a ` h2 d2 ¯ ψ(x) = Eψ(x) − 2m dx2 (52)

onde E ´ um n´ mero positivo ou nulo. (O “fundo do po¸o” ´ o ponto de e u c e energia zero, por defini¸˜o). A Eq.(52) pode ser reescrita como ca − e, introduzindo k2 = temos d2 2m ψ(x) = 2 Eψ(x) 2 dx h ¯ 2m E h2 ¯ (53)

(54)

d2 ψ(x) = −k 2 ψ(x) dx2 Esta ´ uma equa¸˜o diferencial bem conhecida. Sua solu¸˜o geral ´: e ca ca e ψ(x) = A sin kx + B cos kx.

(55)

(56)

26

Temos, adicionalmente, as condi¸˜es de contorno co ψ(0) = ψ(a) = 0 (57)

Para satisfazer ψ(0) = 0, basta tomar B = 0, pois o seno se anula automaticamente em x = 0. Ent˜o, antes de usar a segunda condi¸˜o de contorno, a ca temos ψ(x) = A sin kx (58) A segunda condi¸˜o de contorno exige que ca A sin ka = 0 (59)

e sabemos que o seno se anula em qualquer arco da forma nπ, com n inteiro qualquer. Logo, devemos ter (60) ka = nπ ou seja, k tem seus valores restritos aos da forma kn = nπ a (61)

onde acrescentamos um ´ ındice a k para maior clareza. Em suma, as solu¸˜es co da equa¸˜o de Schr¨dinger (52) que satisfazem as condi¸˜es de contorno (57) ca o co s˜o a nπ ψn (x) = A sin x (62) a com n = 0, 1, 2 . . ..9 Note-se que ´ a condi¸˜o de a fun¸˜o de onda se anular em x = a que e ca ca restringe os valores de k, e portanto os valores da energia , j´ que a h 2 kn ¯ 2 h2 n2 π 2 ¯ En = = . 2m 2m a2 (63)

Diferentemente do que acontece na f´ ısica cl´ssica, a energia n˜o varia contina a uamente: do valor En passa-se, a seguir, ao valor En+1 , e En+1 − En = h2 π 2 ¯ h2 π 2 ¯ (n + 1)2 − n2 = (2n + 1) 2 2m a 2m a2 (64)

Temos, isto ´, um espectro discreto para a energia . Espectros discretos para e a energia est˜o sempre ligados ao fato de o sistema ser localizado, isto ´, ter a e
Na realidade inteiros negativos s˜o tamb´m admitidos, mas, como sin −nπ x = a e a nπ −sin a x , as fun¸˜es de onda correspondentes a n negativos s˜o as mesmas que as co a de n positivos, pois ψ(x) e −ψ(x) representam o mesmo estado.
9

27

localiza¸˜o restrita a uma parte finita do espa¸o. Sistemas que podem estar ca c em toda a parte, como part´ ıculas livres, tˆm espectro cont´ e ınuo. ´ ´ E util normalizar as fun¸˜es de onda: os postulados interpretativos ficam co mais simples, quando isto ´ feito. Para tanto, vamos exigir que e
a 0

dx|ψn (x)|2 = 1
a 0

(65) (66)

ou |K|2 Usando a rela¸˜o ca sin2 obtemos |K|2 2
a 0

dx sin2

nπx =1 a

nπx 1 2nπx = 1 − cos a 2 a |K|2 a=1 2 0 (67) 2 , j´ que a fase da fun¸˜o de onda a ca a
a

dx 1 − cos

2nπx |K|2 = a− a 2

dx cos

2nπx a

=

2 Logo, |K|2 = a e podemos escolher K = ´ arbitr´ria. Assim, e a 2 nπx ψn (x) = sin a a leitor n˜o ter´ dificuldades em mostrar o resultado mais geral: a a a 0 ∗ dxψn (x)ψm (x) = δnm

(68)

(69)

que exibe a ortogonalidade das fun¸˜es de onda correspondentes a energia s co diferentes. A fun¸˜o de onda completa para esses estados estacion´rios ´ ent˜o ca a e a ψn (x, t) =
2 2 2

2 nπx − i En t ¯ sin e h a a

(70)

h n com En = ¯2maπ . 2 Estados n˜o estacion´rios, na realidade estados quaisquer, podem ser a a obtidos por combina¸˜es lineares desses ψn (x, t). co

28

10
10.1

Exemplos simples
Po¸o quadrado unidimensional c

Uma part´ ıcula de massa m se move sob a a¸˜o de um campo de for¸as que ca c confere ` part´ a ıcula uma energia potencial V (x) tal que V (x) = como descrito na figura. V (x) −V0 para 0 para |x| < a |x| > a (71)

−a E<0 I V = V0 II

a x

III

Vamos considerar primeiro o caso E < 0, onde E ´ a energia total da e part´ ıcula. No caso cl´ssico, a part´ a ıcula n˜o pode atingir as regi˜es I e III. a o 2 2 De fato, sua energia total ´ E = mv /2 + V (x), ou seja, mv /2 = E − V (x). e Nas regi˜es I e III temos V (x) = 0, o que daria mv 2 /2 = E. Mas E < 0, o o que daria uma energia cin´tica negativa, imposs´ 10 e ıvel. Na regi˜o II n˜o h´ problema, pois ter´ a a a ıamos mv 2 = E + V0 2 e ´ poss´ ter energia cin´tica positiva mesmo com E < 0. e ıvel e
10 O leitor poderia se surpreender com a id´ia de que uma part´ e ıcula possa ter energia negativa, mas esta ´ uma situa¸˜o bastante comum. Considere a “part´ e ca ıcula” Terra, em seu movimento em redor da “part´ ıcula” Sol. A energia total da Terra ´ negativa! De fato, e precisamos realizar trabalho para lev´-la ao “infinito” (livr´-la da a¸˜o do Sol) e deix´-la, a a ca a l´, em repouso, ou seja, com energia total zero. Logo, fornecemos energia ` Terra para a a lev´-la a um estado de energia zero. Sua energia inicial era, portanto, menor do que zero! a

(72)

29

A equa¸˜o de Schr¨dinger para os estados estacion´rios ´ ca o a e h2 d2 ¯ − + V (x) φ(x) = Eφ(x) 2m dx2 Para x < −a ou x > a, temos V (x) = 0, e h2 d2 φ ¯ − = Eφ(x) 2m dx2 2mE d2 φ 2m|E| = − 2 φ = φ 2 dx h ¯ h2 ¯ κ= temos cuja solu¸˜o geral ´ ca e φ = C e−κx + A eκx .
κx

(73)

(74) (75)

Pondo 2m|E| h2 ¯ (76) (77) (78)

d2 φ = κ2 φ dx2

Para x > 0 o termo em e ´ inadequado, pois daria uma probabilidade de e localiza¸˜o da part´ ca ıcula tendendo a infinito para x → ∞. Logo, temos de ′ tomar C = 0. Assim, φ(x) = C e−κx para x > 0 . Por um racioc´ ınio an´logo, a φ(x) = A eκx para x < 0 . (80) (79)

Nas solu¸˜es acima C e A s˜o constantes arbitr´rias, a determinar posterico a a ormente. Na regi˜o interna, V (x) = −V0 , e a equa¸˜o ´ a ca e − ou Pondo q= temos a solu¸˜o geral ca φ(x) = B sin qx + B ′ cos qx 30 (84) 2m (V0 − |E|) h2 ¯ (83) h2 d2 φ ¯ = (E + V0 )φ(x) 2m dx2 (81) (82)

d2 φ 2m = 2 (V0 − |E|)φ(x) 2 dx h ¯

10.2

Conectando as solu¸˜es co

A energia potencial V (x) descrita acima ´ uma fun¸˜o descont´ e ca ınua, e portanto n˜o-diferenci´vel, nos pontos x = −a e x = a. A equa¸˜o diferencial a a ca deve ser, ent˜o, tratada como 3 equa¸˜es, uma para cada regi˜o onde V (x) a co a ´ cont´ e ınua e diferenci´vel. Por isso a resolvemos separadamente para as a regi˜es I, II e III. O potencial descont´ o ınuo ´ uma idealiza¸˜o de um potncial e ca semelhante, mas de “bordas arredondadas”, alguma coisa assim: V (x)

−a E<0 I V = V0 II

a x

III

A raz˜o pr´tica para tratar o potencial idealizado, e n˜o o “real”, ´ que assim a a a e ´ muito mais f´cil resolver a equa¸˜o diferencial. e a ca
Landau[3] trata, no exerc´ ıcio 5 do §23, um problema do tipo acima, em que o potencial ´ e V0 V (x) = − . cosh2 αx ´ E poss´ determinar os n´ ıvel ıveis de energia e as fun¸˜es de onda dos estados estacion´rios, co a mas o uso de fun¸˜es hipergeom´tricas torna desaconselh´vel seu tratamento em um curso co e a introdut´rio. o

O pre¸o que se paga pelo uso de um potencial descont´ c ınuo ´: como “ligar” e entre si as solu¸˜es das trˆs regi˜es? A matem´tica nos d´ a chave: como a co e o a a equa¸˜o diferencial ´ de segunda ordem, sua solu¸˜o ´ determinada dandoca e ca e se, em um ponto, o valor da fun¸˜o e de sua derivada primeira. Ent˜o, para ca a conectar as regi˜es, procedemos assim: em um ponto comum `s regi˜es I e o a o II (este ponto ´ x = −a) exigimos que φI = φII e dφI /dx = dφII /dx, onde e φI ´ a solu¸˜o na regi˜o I, e φII ´ a solu¸˜o na regi˜o II. Para conectar as e ca a e ca a regi˜es II e III, agimos da mesma forma: o φII (a) = φIII (a) e dφIII (a) dφII (a) = dx dx 31

Em x = a, C e−κa = B sin qa + B ′ cos qa −κC e−κa = qB cos qa − qB ′ sin qa Em x = −a, Ae−κa = −B sin qa + B ′ cos qa κAe−κa = qB cos qa + qB ′ sin qa (87) (88) (85) (86)

´ E uma quest˜o de t´cnica determinar as constantes. Dividindo (85) por (87) a e temos: C B sin qa + B ′ cos qa B tan qa + B ′ = = (89) A −B sin qa + B ′ cos qa −B tan qa + B ′ Pondo tan qa = t, temos C tB + B ′ (90) = A −tB + B ′ Dividindo (86) por (88) temos − ou C qB cos qa − qB ′ sin qa = A qB cos qa + qB ′ sin qa (91)

C tB ′ − B = A tB ′ + B Combinando (90) e (92), temos C tB + B ′ tB ′ − B = = A −tB + B ′ tB ′ + B De onde se tira sem dificuldade que (t2 + 1)BB ′ = 0

(92)

(93)

(94)

Isto nos informa que temos ou B = 0 ou B ′ = 0. Para B = 0 as fun¸˜es co s˜o, na regi˜o −a ≤ x ≤ a, cosenos, ou seja, s˜o fun¸˜es pares de x. Para a a a co ′ B = 0, s˜o senos, ou seja, fun¸˜es ´ a co ımpares de x. Vamos tratar os dois casos separadamente. (i) B ′ = 0 (fun¸˜es ´ co ımpares). φ(x) = B sin qx para |x| < a φ(x) = −C eκx para x < −a φ(x) = C e−κx para x > a 32 (95) (96) (97)

Note que A = C, pois φ(a) = −φ(−a), j´ que a fun¸˜o ´ ´ a ca e ımpar. Para x = a temos as rela¸˜es: co B sin qa = Ce−κa qB cos qa = −κC e−κa (98) (99)

´ E desnecess´rio fazer uso das rela¸˜es em x = −a, porque, sendo a fun¸˜o a co ca ´ ımpar, elas repetem as rela¸˜es em x = a. Dividindo a de cima pela de baixo, co obt´m-se: e q tan qa = − (100) κ ´ E esta equ¸˜o que ir´ determinar para que valores da energia existem esca a tados estacion´rios nesse po¸o. Equa¸˜es deste tipo (que n˜o s˜o equa¸˜es a c co a a co alg´bricas11 , e s´ em raros casos podem ser resolvidas analiticamente. Este e o n˜o ´, infelizmente, um desses raros casos. Recorre-se ent˜o a solu¸˜es a e a co num´ricas. Neste particular caso, por´m, ´ poss´ usar um m´todo gr´fico e e e ıvel e a que ilustra muito bem as caracter´ ısticas gerais da solu¸ao. c˜ Em primeiro lugar, vamos escrever (100) de outra forma. Introduzo as vari´veis ξ = qa e η = κa, que s˜o tais que a a ξ 2 + η 2 = q 2 a2 + κ2 a2 = a2 (q 2 + κ2 ) ou ξ 2 + η2 = Nessas vari´veis, a equa¸˜o (100) fica a ca tan ξ = − Mas η 2 = a2 logo, ξ 2m − = −ξ V0 a2 − ξ 2 η h2 ¯ e a equa¸˜o (103) se escreve ca 2m 2 2 tan ξ = −ξ 2 V0 a − ξ h ¯
11

(101)

2m 2 2 V0 a h ¯ ξ η

(102)

(103)

2m V0 − ξ 2 , h2 ¯
−1 2

(104)

(105)

−1 2

(106)

Uma equa¸˜o alg´brica tem a forma de um polinˆmio igualado a zero. ca e o

33

Cada solu¸˜o desta equa¸˜o d´ um valor de ξ, e, portanto, um valor de q, ou ca ca a seja, de |E|. Esta ´, por isso, a equa¸˜o para os autovalores da energia . e ca A id´ia ´ a seguinte: tra¸o os gr´ficos da fun¸˜o tan ξ e da fun¸˜o que est´ e e c a ca ca a no segundo membro de (106). Onde as curvas se cortem estar˜o os valores a de ξ que s˜o as solu¸˜es de (106). a co Para tra¸ar a curva da fun¸˜o que est´ no segundo membro, vamos estudar c ca a um pouco suas propriedades. Vamos analisar a fun¸˜o ca 2m 2 2 f (ξ) = −ξ 2 V0 a − ξ h ¯
−1 2

= −ξ A2 − ξ 2

−1 2

(107)

Sua derivada pode ser escrita, ap´s alguma ´lgebra, o a f ′ (ξ) = − A2
3

(A2 − ξ 2 ) 2

(108)

e ´ sempre negativa, tornando-se −∞ para ξ = A, isto ´ e e ξ= 2m V0 a h2 ¯ (109)

O gr´fico abaixo cont´m as curvas y = tan ξ e y = f (ξ) As solu¸˜es da a e co equa¸˜o ca −1 2 2m 2 2 tan ξ = −ξ (110) 2 V0 a − ξ h ¯ s˜o as interse¸˜es dessas duas curvas. Como ξ = qa e q = 2m (V0 − |E|), a co h ¯2 os valores de ξ que satisfazem a equa¸˜o acima permitem calcular os valores ca de E correspondentes. Esses ser˜o os valores poss´ a ıveis para a energia do sistema.

34

π 2

π 1

3π 2

A

2π ξ

2

Na figura, as curvas cont´ ınuas s˜o a fun¸˜o y = tan ξ e a curva pontilhada ´ a fun¸˜o a ca e ca y = f (ξ). Os pontos 1 e 2 correspondem `s solu¸˜es da equa¸˜o. a co ca

Vemos assim que o n´ mero de autovalores da energia para os estados ´ u ımpares π ´ finito, podendo ser nulo (se A < 2 ). e

(ii)B = 0 (solu¸˜es pares). co Neste caso as equa¸˜es ficam: co C e=κa −κC e−κa A e−κa κA e−κa = = = = B ′ cos qa −qB ′ sin qa B ′ cos qa qB ′ sin qa (111) (112) (113) (114)

Comparando (111) com (113) vemos que A = C. Dividindo (114) por (113) temos, ent˜o, a κ (115) = tan qa q e, introduzindo de novo as vari´veis ξ = aq e η = κa, a tan ξ = 35 η ξ (116)

com 2ma2 V0 − ξ 2 (117) h2 ¯ de maneira que a equa¸˜o que determina os autovalores da energia ´ ca e η= tan ξ = Seja 2ma2 1 2 A2 − ξ 2 2 V0 − ξ ≡ ξ h ¯ Temos que ξ ≤ A (ξ > 0) e f (A) = 0, e, ainda, f (ξ) = 1 ξ
ξ→0

1 ξ

2ma2 2 2 V0 − ξ . h ¯

(118)

(119)

lim f (ξ) = ∞ df 1 1 = −√ 2 − 2 A2 − ξ 2 < 0 para todo ξ 2 dx ξ A −ξ

(120) (121)

π 2

π

3π 2

A

2π ξ

Podemos concluir ent˜o que o po¸o quadrado possui sempre solu¸˜es de a c co energia negativa. Os autovalores da energia de tais estados s˜o discretos e a em n´ mero finito. O menor valor, correspondente ao estado fundamental, u ocorre para um estado cuja fun¸˜o de onda ´ par. ca e 36

A figura mostra algumas solu¸oes da equa¸˜o para os autovalores da energia . S˜o as c˜ ca a interse¸˜es entre a curva pontilhada e o gr´fico da tangente. Note-se que, por pequeno co a que seja A, sempre haver´ ao menos uma solu¸˜o. a ca

10.3

A equa¸˜o da continuidade ca

O interpreta¸˜o probabil´ ca ıstica da mecˆnica quˆntica ´ introduzida pelo posa a e tulado de Born12 , que diz que |ψ(x, y, z)|2 dxdydz ´ a probabilidade de a e part´ ıcula, cuja fun¸˜o de onda ´ ψ(x, y, z), estar, em um determinado inca e stante, num elemento de volume dx dy dz em torno do ponto de coordenadas x, y, z. Queremos examinar o que ocorre com |ψ(x, y, z)|2 quando o movimento da part´ ıcula ´ levado em conta. e A equa¸˜o de Schr¨dinger diz que ca o i¯ h ∂ψ h2 2 ¯ =− ∇ ψ+Vψ . ∂t 2m (122)

Tomando-se o complexo conjugado, termo a termo, temos −i¯ h h2 2 ∗ ¯ ∂ψ ∗ =− ∇ ψ + V ψ∗ . ∂t 2m (123)

Multiplicando (122) ` direita por ψ ∗ e (123) ` esquerda por ψ e subtra´ a a ındo, obtemos i¯ h ∂ψ ∗ ∂ψ ∗ ∂|ψ|2 h2 ¯ ψ + i¯ ψ h = i¯ h =− (∇2 ψ)ψ ∗ − ψ ∇2 ψ ∗ ∂t ∂t ∂t 2m (124)

O segundo membro pode ser posto numa forma mais transparente, notando que ∇. ψ ∗ ∇ψ = ∇ψ ∗ .∇ψ + ψ ∗ ∇2 ψ (125) ou ψ ∗ ∇2 ψ = ∇. ψ ∗ ∇ψ − ∇ψ ∗ .∇ψ ψ ∇2 ψ ∗ = ∇. ψ ∇ψ ∗ − ∇ψ.∇ψ ∗ Subtra´ ındo (127) de (126), (∇2 ψ)ψ ∗ − ψ ∇2 ψ ∗ = ∇. ψ ∗ ∇ψ − ψ ∇ψ ∗ Levando (128) ao segundo membro de (124), chega-se a i¯ h
12

(126)

Tomando o complexo conjugado desta rela¸˜o: ca

(127)

(128)

∂|ψ|2 h2 ¯ =− ∇. ψ ∗ ∇ψ − ψ ∇ψ ∗ ∂t 2m

(129)

Max Born, grande f´ ısico te´rico alem˜o, professor em G¨ttingen, de quem Werner o a o Heisenberg era assistente, quando criou a mecˆnica quˆntica a a

37

Introduzindo as nota¸˜es co ρ = |ψ|2 h ¯ j = ψ ∗ ∇ψ − ψ ∇ψ ∗ 2mi temos, ent˜o, a (130) (131)

∂ρ + ∇.j = 0 (132) ∂t que tem a forma da equa¸˜o da continuidade, conhecida seja da mecˆnica ca a dos fluidos, onde explicita a conserva¸˜o da massa do fluido, seja do eletroca magnetismo, onde faz o mesmo para a conserva¸˜o da carga. Poder´ ca ıamos ent˜o dizer que ela expressa, aqui, a conserva¸˜o de probabilidade. a ca Assim como, no eletromagnetismo, a equa¸˜o da continuidade fornece ca detalhes sobre como se d´ a conserva¸˜o da carga 13 , na mecˆnica quˆntica a ca a a ela faz o mesmo com a probabilidade. Aqui conv´m adotar uma linguagem que, embora eq¨ ivalente, ´ mais e u e familiar do que a que usamos at´ agora. Suponhamos que, em vez de uma e part´ ıcula, consider´ssemos um conjunto de r´plicas da part´ a e ıcula, idˆnticas, e ou seja, com a mesma fun¸˜o de onda, e independentes, isto ´, que n˜o ca e a interagem. Sejam N essas r´plicas. Se normalizarmos a fun¸˜o de onda de e ca modo que (133) d3 r|ψ(r)|2 = N , estendendo-se a integral a todo o espa¸o, e considerarmos um volume V c delimitado por uma superf´ S fechada, a integral ıcie NV =
V

d3 r|ψ(r)|2

(134)

dar´, n˜o a probabilidade de uma part´ a a ıcula estar em V , mas o n´ mero NV u de part´ ıculas, das N existentes, que est˜o dentro de V . Seja n o campo das a normais externas ` superf´ S. Temos a ıcie dNV = dt
13

V

∂ρ 3 d r=− ∂t

V

∇.j d3 r = −

S

j.n dS

(135)

Por exemplo, ela diz que o seguinte fenˆmeno viola a conserva¸˜o da carga: uma carga o ca desaparece aqui e aparece, imediatamente depois, na nebulosa de Orion. Isto porque a equa¸˜o da continuidade exige que o desaparecimento de uma carga de dentro de um ca volume seja acompanhado pela passagem da carga atrav´s da superf´ que delimita esse e ıcie volume. Como isto ´ v´lido para qualquer volume, a implica¸˜o ´ que, para uma carga ir e a ca e de um ponto ao outro, ela deve passar, continuamente, por posi¸˜es intermedi´rias. Da´ o co a ı nome “equa¸˜o da continuidade”. ca

38

onde, na ultima passagem, fizemos uso do teorema do divergente. Supon´ hamos que NV decres¸a com o tempo. Ent˜o dNV < 0, e c a dt
S

j.n dS > 0.

(136)

A Eq.(136) mede, portanto, o n´ mero de part´ u ıculas que, na unidade de tempo, saem do volume V , atravessando a superf´ S 14 (este saem, para ıcie ser mais preciso, ´ o n´ mero de part´ e u ıculas que saem menos o de part´ ıculas que entram, por unidade de tempo). Depreende-se disso que, se dS ´ um e trecho infinitesimal de uma superf´ ıcie, e se n for uma normal a ela, ent˜o a j.ndS ´ o n´ mero (resultante) de part´ e u ıculas que atravessam dS por unidade de tempo no sentido indicado pela normal. Se o n´ mero for negativo, o fluxo u majorit´rio ser´ no sentido de −n. a a

10.4

A barreira de potencial

Uma part´ ıcula de massa m se move num campo de for¸as, com uma energia c potencial da forma

V (x)

V0

E I −a II a III x

14

Note que (136) cont´m apenas os valores de j na superf´cie S. e ı

39

ou, V (x) = V0 para |x| < a 0 para |x| > a

sendo sua energia total E localizada entre 0 e V0 . Vamos procurar seus estados estacion´rios. Para especificar mais o problema, digamos que a part´ a ıcula incide sobre a barreira vindo da esquerda. Se estiv´ssemos tratando de estados localizados (pacotes de onda), a care acteriza¸˜o deste particular problema (incidˆncia da esquerda para a direita) ca e seria trivial. Mas, para estados estacion´rios, isto ´, tais que a probabila e idade de posi¸˜o n˜o depende do tempo, isto ´ mais sutil. Recorramos a ca a e uma imagem cl´ssica. Para conseguir um fenˆmeno an´logo (isto ´, sem a o a e dependˆncia temporal) na mecˆnica cl´ssica, precisamos recorrer a muitas e a a part´ ıculas, incidindo sobre a barreira da esquerda para a direita. Imaginemos um fluxo cont´ ınuo dessas part´ ıculas. Depois de um certo tempo, teremos uma figura que n˜o se altera mais, constitu´ por um certo n´ mero de part´ a ıda u ıculas incidindo sobre a barreira, superpostas a um fluxo de part´ ıculas refletidas por ela. Embora cada part´ ıcula esteja se movendo, o conjunto todo parece parado, no regime estacion´rio. O fato de as part´ a ıculas virem da esquerda pode ser descoberto, neste regime estacion´rio, pelo fato de que h´ part´ a a ıculas refletidas ` esquerda da barreira. a Passemos ao caso quˆntico. No regime estacion´rio esperamos ter, como a a no caso cl´ssico, ondas incidentes e ondas refletidas, ` esquerda da barreira. a a Mas, e esta ´ a principal diferen¸a introduzida pela mecˆnica quˆntica neste e c a a problema, pode haver ondas saindo da barreira, no lado direito. O que caracteriza, ent˜o, o problema estacion´rio como advindo de uma part´ a a ıcula incidente da esquerda para a direita ´ que, do lado direito da barreira, existem e apenas part´ ıculas afastando-se da barreira. Para |x| > a temos as regi˜es I e III, onde a part´ o ıcula n˜o est´ sujeita a a a nenhuma for¸a. Nestes casos, c − ou h2 d2 ψ ¯ = Eψ 2m dx2 d2 ψ = −k 2 ψ dx2 k2 ≡ A solu¸˜o geral de (138) ´ ca e ψ(x) = A eikx + A′ e−ikx 40 (140) 2mE h2 ¯ (137)

(138) (139)

onde usamos

e ´ um estado estacion´rio, portanto, com dependˆncia temporal dada por e a e uma exponencial:
¯ ψ(x, t) = A eikx + A′ e−ikx e− h Et i

(141)

onde E= A corrente de probabilidade j=

h2 k 2 ¯ 2m

(142)

i¯ h ψ ∇ψ ∗ − ψ ∗ ∇ψ 2m

d´, para a as parcelas que constituem a fun¸˜o (140): a ca (i)Para ψ(x) = exp ikx (k > 0), j= dψ ∗ dψ i¯ h ψ − ψ∗ 2m dx dx = hk ¯ =v m (143)

ou seja, eikx representa uma part´ ıcula com velocidade positiva, movendo-se da esquerda para a direita. (ii) Para ψ(x) = exp −ikx, temos v < 0, e a part´ ıcula se move da direita para a esquerda.

Para fixar o nosso problema, diremos ent˜o que, na regi˜o I teremos a a Para x < −a ψ(x) = AE ikx + A′ e−ikx (144)

que inclui a part´ ıcula incidente (exp ikx) e a refletida (exp −ikx). Na regi˜o III tender´ a ıamos a supor que a fun¸˜o de onda fosse zero, ca baseando-se na mecˆnica cl´ssica, pois uma part´ a a ıcula cl´ssica n˜o pode atrava a essar a barreira: na zona II ela teria uma energia cin´tica negativa! Por´m, e e se fizessemos esta hip´tese, n˜o encontrar´ o a ıamos solu¸ao. Pomos, ent˜o, c˜ a Para x > a ψ(x) = C eikx (145)

que descreve uma part´ ıcula que, vindo da esquerda, ultrapassou a barreira. Finalmente, dentro da barreira (regi˜o II), a equa¸˜o de Schr¨dinger ´ a ca o e h 2 d2 ψ ¯ − + V0 ψ = Eψ 2m dx2 41 (146)

ou com

d2 ψ = κ2 ψ dx2 κ2 =

(147) (148)

2m (V0 − E) . h2 ¯ A solu¸˜o geral desta equa¸˜o de Schr¨dinger ´ ca ca o e ψ(x) = B e−κx + B ′ eκx com κ > 0 . Vamos denominar “fun¸˜o de onda incidente” ao termo ca A eikx ,

(149) (150)

“fun¸˜o de onda refletida” ao termo A′ e−ikx , e “fun¸˜o de onda transmitida” ca ca ikx ao termo C e . A densidade de corrente incidente ´ e hk 2 ¯ jI = |A| . (151) m Definimos hk ′ 2 ¯ jR = (152) |A | m como a densidade de corrente refletida, e hk 2 ¯ (153) |C| m como a densidade de corrente transmitida. Ent˜o, devemos ter (para que a n˜o desapare¸am part´ a c ıculas), jT = jI = jT + jR . Definido os coeficientes de reflex˜o e transmiss˜o por a a jR R = jI jT T = jI podemos ent˜o escrever a rela¸˜o entre as correntes como a ca R+T =1 (157) Note que a densidade de corrente dentro da barreira ´ zero (calcule!). e Logo, usando ∂ρ + ∇.j = 0 (158) ∂t vemos que, dentro da barreira, ∂ρ = 0, ou seja, ρ ´ constante. Logo, n˜o h´ e a a ∂t varia¸˜o no n´ mero de part´ ca u ıculas, dentro da barreira. 42 (154)

(155) (156)

10.4.1

Condi¸˜es de contorno co

A continuidade das fun¸˜es de onda e suas derivadas em x = −a e x = a d´ co a as seguintes condi¸˜es: co (i) Para x = −a: A e−ika + A′ eika = B eκa + B ′ e−κa ikA e−ika − ikA′ eika = −κB eκa + κB ′ e−κa (ii) Para x = a: C eika = B e−κa + B ′ eκa ikC eika = −κB e−κa + κB ′ eκa Dividindo (161) por (162): 1 B e−κa + B ′ eκa = ik −κB e−κa + κB ′ eκa de onde se tira (ik + κ)e−κa B + (ik − κ)eκa B ′ = 0 Como a fun¸˜o de onda dentro da barreira ´ ca e ψ(x) = B e−κx + B ′ eκx temos, escrevendo B ′ em termos de B, ψ(x) = B e−κx + κ + ik −2κa κx e e κ − ik (166) (165) (164) (163) (161) (162) (159) (160)

onde se vˆ que o termo dominante ´ a exponencial decrescente exp −κx. e e Voltando ` equa¸˜o (161), obt´m-se facilmente que a ca e C 2κ (ik−κ)a = e B κ − ik
2

(167)

e

C B Vamos introduzir as quantidades A′ X= A

=

4κ2 κ2 + k 2 B Z= A B′ Z = A

(168)

C Y = A 43

(169)

As equa¸˜es (159),(160),(161), (162) ent˜o ficam: co a e−ika + X ikeika − ikX Y ikY Como Z ′ /Z = B ′ /B,temos Z′ = κ + ik −2κa e Z κ − ik κ + ik −3κa e κ − ik (174) eika eika eika eika = = = = Z eκa + Z ′ e−κa −κZ eκa + κZ ′ e−κa Z e−κa + Z ′ eκa −κZ e−κa + κZ ′ eκa (170) (171) (172) (173)

Introduzindo os s´ ımbolos auxiliares W = eκa + e W′ = (175)

podemos, ap´s alguma ´lgebra, obter o a T = |Y |2 =

κ κ + ik −3κa −eκa + e ik κ − ik 16κ2 E −2κa κ2 + k 2 |W + W ′ |2 |W − W ′ |2 |W + W ′|2

(176)

(177) (178)

R = |X|2 = e

T 16κ2 −2κa k2 = 2 e R κ + k2 |eκa − e−3κa |2 (κ2 + k 2 )
T R

(179)

de onde se vˆ que o comportamento assint´tico de e o T ∼ e−4κa R

´ dado por e (180)

que revela, ao mesmo tempo, a inevitabilidade do tunelamento (a ausˆncia e de tunelamento seria T /R = 0) e se trata de um efeito pequeno, para valores apreci´veis de a. a Posteriormente, quando estudarmos a aproxima¸˜o quase-cl´ssica, sereca a mos capazes de obter express˜es mais simples para o tunelamento. o

44

11
11.1

Algumas t´cnicas matem´ticas e a
A fun¸˜o delta de Dirac ca
δǫ (p) = 0 para p > ǫ δǫ (p) = 0 para p < −ǫ 1 δǫ (p) = para − ǫ < p < ǫ 2ǫ

Considere a fun¸˜o δǫ (p), definida assim: ca

Temos, claramente,

∞ −∞

δǫ (p)dp =

ǫ −ǫ

1 dp = 1 2ǫ
p+ǫ p−ǫ

(181)

Seja f (p) uma fun¸˜o cont´ ca ınua. Ent˜o, a

f (p′ ′ 1 dp = 2ǫ 2ǫ −∞ p−ǫ No limite para ǫ → 0, esta ultima integral d´ ´ a f (p′ )δǫ (p − p′ )dp′ =
p+ǫ

f (p′ )dp′

(182)

2ǫf (p) de forma que a Eq.(182) pode ser escrita
∞ −∞

f (p′ )δǫ (p − p′ )dp′ = f (p)

(183)

A fun¸˜o delta de Dirac, δ(p) ´ definida, simbolicamente, como o limite, para ca e ǫ → 0, da fun¸˜o δǫ (p). Suas propriedades, que podem ser motivadas por ca esse limite, podem ser sintetizadas assim:
∞ −∞ ∞ −∞

δ(x)dx = 1 δ(x) = 0 para x = 0

dx f (x)δ(x − a) = f (a)

Nessas rela¸˜es a integral n˜o precisa realmente ir de −∞ a ∞. Basta que co a seja em um intervalo que contenha o ponto em que o argumento da fun¸˜o ca delta se anula.
Estritamente, tal fun¸˜o n˜o existe. Trata-se de um s´ ca a ımbolo que abrevia muito os c´lculos. Atendo-se `s regras exibidas, nenhum dano ´ causado, a n˜o ser ` l´gica, a a a e a a o v´ ıtima usual. A teoria que justifica essas opera¸˜es e restitui a implacabilidade da l´gica co o foi desenvolvida pelo grande matem´tico francˆs Laurent Schwartz, e se chama “teoria das a e distribui¸˜es”. Para um tratamento adequado da “fun¸˜o delta” recomendamos as notas co ca que se encontram no site do professor Jo˜o Carlos Alves Barata,no endere¸o: a c

45

http://denebola.if.usp.br/~jbarata/Notas_de_aula/arquivos/nc-cap12.pdf

Outras rela¸˜es importantes envolvendo a “fun¸˜o delta” s˜o as seguintes: co ca a δ(x) = δ(−x) = δ (f (x)) = δ(ax) = δ(r) = 1 ∞ dkeikx 2π −∞ δ(x) 1 δ(x − x0 ) , sendo f (x0 ) = 0 df | dx |x=x0 1 δ(x) |a| δ(x)δ(y)δ(z) (184) (185) (186) (187) (188)

onde, nesta ultima, se tem r = xi + y j + z k. ´

11.2

Integral de Fourier

A integral de Fourier ´ instrumento fundamental na mecˆnica quˆntica. e a a Trata-se de uma extens˜o das s´ries de Fourier que permite obter expans˜es a e o de fun¸˜es que n˜o s˜o peri´dicas. Este n˜o ´ o lugar para se adquirir fluˆncia co a a o a e e no uso, e uma boa compreens˜o dos m´todos da an´lise de Fourier. O leitor a e a dever´ dedicar algum estudo a este t´pico, presente em todos os livros de a o f´ ısica-matem´tica. De minha parte recomendo o livro de Arnold Sommerfeld, a Partial Differential Equations of Physics. Um bel´ ıssimo livro de matem´tica a sobre este mesmo tema, ´ K¨rner, Fourier Analysis, um dos livros mais bonie o tos que j´ li. a A integral, ou transformada, de Fourier de uma fun¸˜o f (x), ´ uma fun¸˜o ca e ca ˜(k) a ela ligada pelas rela¸˜es f co f (x) = ˜ f (k) =

1 2π

−∞

˜ dk f (k)eikx
∞ −∞

(189) (190)

f (x)e−ikx

Pode-se verificar a consistˆncia dessas rela¸˜es com o uso da fun¸ao δ(x): e co c f (x) = f (x) = = 1 2π −∞ ∞ 1 f (y) 2π −∞

dk

∞ −∞

dyf (y)e−iky eikx

dkeik(x−y)

−∞

f (y)δ(x − y) = f (x) 46

A transformada de Fourier de uma fun¸˜o constante, f (x) = K, ´: ca e ˜ f (k) = 1 2π
∞ −∞

dxKe−ikx = K

1 2π

∞ −∞

dxe−ikx = Kδ(x)

ou seja, a transformada de Fourier de uma constante ´ um m´ ltiplo de e u delta(x). Um outro resultado importante ´ a transformada de Fourier de e 2 uma gaussiana: seja f (x) = exp −αx . Sua transformada de Fourier ´ e 1 ˜ f (k) = 2π π − k2 e 4α α

ou seja, a transformada de Fourier de uma gaussiana ´ outra gaussiana. e

12

O espectro cont´ ınuo
∂ψ ˆ = Hψ ∂t

ˆ e A equa¸˜o de Schr¨dinger de um sistema f´ ca o ısico de hamiltoniano H ´ i¯ h

Suponhamos que ψ seja um estado estacion´rio, ou seja, que a
¯ ψ(r, t) = ψ(r)e− h Et i

Inserindo-se esta express˜o na equa¸˜o de Schr¨dinger , obt´m-se uma equa¸˜o a ca o e ca para ψ(r), que ´ e ˆ Hψ(r) = Eψ(r) , (191) conhecida como equa¸˜o de Schr¨dinger independente do tempo. Resolvˆ-la ca o e ´ determinar o par (ψ(r), E), onde E ´ um n´ mero. e e u Para exemplificar, vamos tratar um caso muto simples: uma part´ ıcula livre, de massa m, que se move ao longo do eixo x. Neste caso ˆ2 ¯2 2 ˆ = p =−h ∂ H 2m 2m ∂x2 e a Eq.(191) ´ e h2 d2 ψ ¯ − = Eψ . 2m dx2 Introduzindo k2 = 2mE h2 ¯ (192)

47

podemos reescrever a equa¸˜o acima assim: ca d2 ψ = −k 2 ψ , dx2 cuja solu¸˜o geral ´ ca e ψ(x) = Aeikx + Be−ikx com A e B arbitr´rios. Existe solu¸˜o para todo k, e, como a ca E= h2 k 2 ¯ , 2m (194) (193)

existe solu¸˜o para todo E ≥ 0. Diz-se ent˜o que o espectro ´ cont´ ca a e ınuo. ˆ um operador associado a uma quantidade f´ Seja O ısica de espectro cont´ ınuo. Escreveremos a equa¸˜o de autovalores assim: ca ˆ Oψf = Of ψf (195)

onde o ´ ındice f agora varia continuamente. Como veremos mais tarde, as autofun¸˜es associadas a um espectro cont´ co ınuo n˜o s˜o normaliz´veis, isto ´, a a a e n˜o ´ poss´ impor para elas a condi¸˜o a e ıvel ca |ψf |2 dq = 1 Exemplo: a fun¸˜o de onda de um estado estacion´rio de uma part´ ca a ıcula livre, cuja parte espacial vimos na Eq.(194), ´ e
¯ ψ(x, t) = Aei(kx−ωt) = Aeikx e− h Et i

(196)

onde usamos ω =

E . h ¯

Ent˜o a |ψ(x, t)|2 = |A|2

e, por isso,

∞ −∞

dx|ψ(x, t)|2 = |A|2

∞ −∞

dx = ∞ !

A seguir vamos descobrir uma maneira de normalizar adequadamente as autofun¸˜es ligadas a um espectro cont´ co ınuo. Seja ψ uma fun¸˜o de onda normaliz´vel. A expans˜o dela em autofun¸˜es ca a a co ˆ cujo espectro ´ cont´ da quantidade f´ ısica O, e ınuo, ´ e ψ= df af ψf 48 (197)

Queremos que |af |2 df seja a probabilidade de que, efetuada uma medida de ˆ O, o valor obtido esteja entre f e f + df . Logo, |af |2 df = 1. Da mesma forma, dq|ψ(q)|2 = 1. Segue que a∗ af df = f e, como ψ∗ = tamb´m que e a∗ af df = f
∗ df a∗ ψf ψdq = f ∗ df a∗ ψf , f

ψ ∗ ψdq

(198)

(199)

df a∗ f

∗ dqψf ψ

(200)

Comparando o primeiro termo com o ultimo, temos ´ af =
∗ dqψf ψ

(F ourier)

(201)

que permite calcular os coeficientes da expans˜o ψ = df af ψf . a Rescrevendo a expans˜o acima como ψ = df ′ a′f ψf e usando-a na Eq.(656), a temos ∗ ∗ af = dqψf df′ af ′ ψf ′ = df ′ af ′ dqψf ψf ′ (202) Mas af = df ′af ′ δ(f − f ′ ) (203) Comparando as duas ultimas, obt´m-se ´ e
∗ dqψf ψf ′ = δ(f − f ′ )

(204)

que ´ a rela¸˜o de ortogonalidade para autofun¸˜es do espectro cont´ e ca co ınuo. Conseq¨ entemente, as rela¸˜es b´sicas para o espectro cont´ u co a ınuo s˜o: a ψ = ψ ∗ ψdq = af = df af ψf df |af |2
∗ dqψf ψ

(205) (206) (207) (208)

∗ ψf ψf ′ dq = δ(f − f ′ )

49

13

O oscilador harmˆnico o

Uma part´ ıcula de massa m executa movimento unidimensional sob a a¸˜o ca de uma for¸a el´stica −kx. Isto ´ um oscilador harmˆnico. Sua energia c a e o potencial ´ V (x) = 1 mω 2 x2 , e. portanto, a equa¸˜o de Schr¨dinger para e ca o 2 estados estacion´rio ´ a e − h d2 ψ 1 ¯ + mω 2 x2 ψ = Eψ 2m dx2 2 (209)

k Note-se que ω = m . A Eq.(209) pode ser escrita na forma

Daqui se vˆ que e

¯ 1  h d 2m i dx

2

+ (mωx)2  ψ = Eψ
2

(210)

Considere os operadores

1  h d ¯ ˆ H= 2m i dx a± = √ 1 2m

+ (mωx)2 

(211)

h d ¯ ± imωx i dx

(212)

Um c´lculo simples mostra que a 1  h d ¯ a− a+ = 2m i dx

2

+ (mωx)

de maneira que, usando (211),

2

1 + hω ¯ 2

(213)

1 a− a+ − hω ψ = Eψ ¯ 2 Um outro c´lculo simples resulta em a [a− , a+ ] = hω ¯ A Eq.(214) d´ a 1 a− a+ − a+ a− + a+ a− − hω ψ = Eψ ¯ 2 1 [a− , a+ ] + a+ a− − hω ψ = Eψ ¯ 2 1 a+ a− + hω ψ = Eψ ¯ 2 50

(214)

(215)

(216)

Lema 1: Seja ψ um estado estacion´rio do oscilador harmˆnico de energia a o E. Ent˜o a+ ψ ´ um estado estacion´rio de energia E + hω. a e a ¯ Dem.: 1 1 a+ a− + hω (a+ ψ) = a+ a− a+ ψ + hω(a+ ψ) ¯ ¯ 2 2 1 1 = a+ a− a+ ψ + hωψ = a+ (a− a+ − a+ a− + a+ a− ) ψ + hωψ ¯ ¯ 2 2 1 = a+ [a− , a+ ]ψ + a+ a− + hω ψ = a+ [¯ ωψ + Eψ] = (E + hω)(a+ ψ) ¯ h ¯ 2 Ou, ˆ H(a+ ψ) = (E + hω)(a+ ψ) ¯ (217) Analogamente se mostra que ˆ H(a− ψ) = (E − hω)(a− ψ) ¯ (218)

Lema 2: A energia do oscilador harmˆnico ´ ≥ 0. o e Dem.: Esta demonstra¸˜o depende de um Lema, demonstrado mais adica ˆ ante,15 junto ` Eq.(290). Como H pode ser escrito como a soma de dois a operadores hermiteanos ao quadrado, ˆ H= p ˆ √x 2m
2

+

m ωx 2

2

ˆ segue que H ≥ 0. Como os autovalores de um operador s˜o casos para ticulares de seus valores m´dios (quando os estados s˜o as autofun¸˜es), a e a co desigualdade acima pro´ a existˆncia de autovalores negativos do hamiltoıbe e niano. Em decorrˆncia disso, deve haver um estado ψ0 tal que e a− ψ0 = 0 (219)

De fato, se n˜o fosse assim, dada qualquer autofun¸˜o do hamiltoniano do a ca oscilador harmˆnico, a aplica¸˜o a ela do operador a− geraria uma outra auto ca ofun¸˜o , de energia menor, o processo podendo se repetir indefinidamente, ca at´ se chegar a energia s negativas, o que ´ proibido. e e Explicitamente esta ultima equa¸˜o ´ ´ ca e √
15

1 2m

h dψ0 ¯ − imωxψ0 = 0 i dx

(220)

O leitor h´ de perdoar esta pequena viola¸˜o da causalidade... a ca

51

mω dψ0 = − xψ0 dx h ¯ dψ0 mω = − xdx ψ0 h ¯ ψ0 (x) = K exp − mω x 2¯ h (221)

Esta ´ a fun¸˜o de onda do estado estacion´rio do oscilador harmˆnico. A e ca a o energia desse estado ´ obtida assim: e 1 1 ˆ Hψ0 (x) = a+ a− + hω ψ0 (x) = hωψ0 (x) ¯ ¯ 2 2 Logo, temos E0 = (222)

hω ¯ (223) 2 O estado de energia imediatamente mais alta, chamado de primeiro estado excitado, tem a fun¸˜o de onda ca ψ1 (x) = a+ ψ0 (x) = √ 1 2m h d ¯ mω 2 + imωx exp − x i dx 2¯ h m mω 2 ωx exp − x 2 2¯ h (224)

ou ψ1 (x) = Ki e possui energia

(225)

1 E1 = (1 + )¯ ω h 2 ψn (x) = An (a+ )n exp − mω 2 x 2¯ h

(226)

Mais geralmente, (227) (228)

1 En = (n + )¯ ω h 2 e, com algum esfor¸o, pode-se mostrar que c mω An = π¯ h
1 4

1 n!(¯ ω)n h

(229)

Vamos fazer o esfor¸o mencionado acima. Seja ψ0 (x) a autofun¸˜o normalizada do c ca estado fundamental do oscilador harmˆnico. Ent˜o, o a ψ0 (x) = mω π¯ h
1 4

exp −

mω 2 x 2¯ h

(230)

52

e seja Temos, obviamente, de onde se deduz que

ψn (x) = Kn (a+ )n ψ0 (x) ψn−1 (x) = Kn−1 (a+ )n−1 ψ0 (x) ,

(231) (232)

ψn (x) = Kn a+ (a+ )n−1 ψ0 (x) = Considere a integral de normaliza¸ao de ψn (x): c˜
∗ dxψn (x)ψn (x) =

Kn a+ ψn−1 (x) Kn−1

(233)

Kn Kn−1

2

dx(a+ ψn−1 )∗ (a+ ψn−1 ) =

Kn Kn−1

2 ∗ dxψn−1 a− a+ ψn−1

(234) onde usamos o fato de que o adjunto de a+ ´ a− . Pela equa¸˜o (214), temos e ca 1 h ¯ω a− a+ ψn−1 = hω(n − 1 + )ψn−1 + ¯ ψn−1 = hωψn−1 ¯ 2 2 Logo, podemos escrever
∗ ψn (x)ψn (x)dx =

(235)

Kn Kn−1

2

h ¯ ωn

∗ dxψn−1 ψn−1

(236)

Iterando este procedimento, teremos
∗ ψn (x)ψn (x)dx =

Kn Kn−1

2

Kn−1 Kn−2
2

2

(¯ ω)2 n(n − 1) h

∗ dxψn−2 ψn−2

(237)

ou
∗ ψn (x)ψn (x)dx =

Kn Kn−2

(¯ ω)2 n(n − 1) h

∗ dxψn−2 ψn−2

(238)

Prosseguindo, chegaremos a
∗ ψn (x)ψn (x)dx = |Kn | (¯ ω)n (n!) h 2 ∗ dxψ0 ψ0 (x) = 1

(239)

ou seja, Kn = Portanto, ψn (x) = Kn (a+ )n ψ0 (x) = mω π¯ h

1 (¯ ω)n n! h
1 4

(240)

1 n!(¯ ω)n h

exp −

mω 2 x 2¯ h

(241)

Um oscilador harmˆnico que n˜o oscila ´ decepcionante. Se calcularmos o o a e valor m´dio da posi¸˜o, x , nos estados estacion´rios do oscilador harmˆnico, e ca ˆ a o que vimos at´ agora, encontraremos (e o leitor deve obter isso por conta e pr´pria!) o x =0 ˆ (242) 53

ou seja, nenhuma oscila¸˜o! Estados estacion´rios n˜o s˜o apropriados para ca a a a comparar o sistema quˆntico com o an´logo cl´ssico. Para obter alguma coisa a a a semelhante a um pˆndulo, devemos estudar pacotes de onda. Os particulares e pacotes de onda que vamos estudar agora se chamam estados coerentes. Consideremos as autofun¸˜es do operador a− , introduzido acima. Como a− n˜o co a ˆ ˆ comuta com H, as autofun¸˜es de a− n˜o ser˜o, em geral, autofun¸˜es de H, co a a co ou seja, n˜o ser˜o estados estacion´rios. Sejam ent˜o φα fun¸˜es tais que a a a a co a− φα = αφα (243)

Como o operador a− n˜o ´ hermiteano, os autovalores α ser˜o n´ meros coma e a u plexos quaisquer. Lembremos que os estados estacion´rios podem ser escritos em termos do a estado fundamental assim: ψn (x) = 1 n!(¯ ω)n h (a+ )n ψ0 (x) (244)

Vai ser importante nos c´lculos que faremos a seguir a seguinte quantidade: a (ψn , φα ) = 1 n!(¯ ω)n h ((a+ )n ψ0 , φα ) = αn n!(¯ ω)n h 1 n!(¯ ω)n h (ψ0 , (a− )n φα ) = (245)

=

(ψ0 , φα )

Vamos agora expandir φα (x) em estados estacion´rios. Para simplificar a a nota¸˜o, vamos introduzir a abrevia¸˜o ca ca Kn = (¯ ω)− 2 h
n

54

φα (x) =
n

(ψn , φα )ψn

Kn α n √ (ψ0 , φα )ψn n! n Kn α n √ ψn = C n! n Kn α n Kn √ √ (a+ )n ψ0 = C n! n! n 2 Kn (αa+ )n = C ψ0 n! n = φα (x) = C
n 2 Kn (αa+ )n ψ0 = C n!

(246)
n

n

1 αa+ n! hω ¯

ψ0

(247)

A constante C ´ determinada normalizando-se φα (x), como segue: e 1 = (φα , φα ) = C 2 = = = = Logo, C = exp − Voltando ` expans˜o, a a φα (x) = exp − |α|2 2¯ ω h αn
n

1 αa+ hω ¯ n n! ∗ n 1 α 1 α C2 ¯ ¯ n n! hω m m! hω 2n 1 |α| n!(¯ ω)n h C2 (n!)2 (¯ ω)2n h n |α|2n 1 C2 n! (¯ ω)n h n |α|2 C 2 exp hω ¯

n

ψ0 ,
m m

1 αa+ m! hω ¯

m

ψ0

((a+ )n ψ0 , (a+ )m ψ0 )

|α|2 2¯ ω h

n!(¯ ω)n h

ψn

(248)

Para obter a dependˆncia temporal de φα (x) precisamos demonstrar um ree sultado geral:

55

ˆ Teorema: Seja H o hamiltoniano de um sistema f´ ısico, e sejam ψn (x) suas autofun¸˜es. co Sabemos que i ψn (x, t) = ψn (x) exp − En t h ¯ ˆ onde os En s˜o os autovalores de H, ou seja, satisfazem as equa¸˜es a co ˆ Hψn = En ψn . Seja φ(x) um estado qualquer desse sistema, e φ(x) =
n

an ψn (x)

ˆ sua expans˜o nas autofun¸˜es de H no instante t = 0. Ent˜o, a co a φ(x, t) =
n

i an ψn (x) exp − En t h ¯

(249)

onde os an s˜o os mesmos da expans˜o em t = 0. a a A demonstra¸˜o consiste em mostrar que φ(x, t) satisfaz a equa¸˜o de Schr¨dinger ca ca o i¯ h ∂φ(x, t) ˆ = Hφ(x, t) ∂t

com a condi¸˜o inicial φ(x, t = 0) = φ(x). ca De fato, i¯ ∂φ(x, t)∂t = i¯ h h
n

an ψn (x) ˆ =H

i ∂ exp − En t ∂t h ¯ i an ψn (x) exp − En t h ¯

=
n

i an En ψn (x) exp − En t h ¯

n

ˆ = Hφ(x, t) A verifica¸˜o da condi¸˜o inicial ´ trivial. ca ca e

Aplicando este teorema ` Eq.(248), temos a φα (x, t) = exp − ou φα (x, t) = exp − |α|2 2¯ ω h i ψn exp − hω(n + 1/2)t ¯ h ¯ n!(¯ ω)n h (αe−iωt )
n n

|α|2 2¯ ω h

n

i ψn exp − En t h ¯ n!(¯ ω)n h

αn

(250)

αn

n

|α|2 φα (x, t) = exp − 2¯ ω h

n!(¯ ω)n h 56

ψn exp −

iω t 2

(251)

Comparando com a Eq.(248), vˆ-se que: e φα (x, t) = φα(t) e− com α(t) = αe−iωt Podemos agora calcular x no estado φα (x, t). ˆ x = (φα (x, t), xφα (x, t)) = φα(t) , xφα(t) ˆ ˆ ˆ Da defini¸˜o de a+ e a− obt´m-se facilmente que ca e x= √ ˆ logo, x = φα(t) , xφα(t) = √ ˆ ˆ Mas a− φα(t) = α(t)φα(t) e, como a+ ´ o adjunto de a− , e a+ φα(t) = α∗ (t)φα(t) Logo, x =√ ˆ Pondo α = |α| exp iδ, temos α(t) = |α|e−i(ωt−δ) e |α| 2 (257) ei(ωt−δ) − e−i(ωt−δ) = |α| sin (ωt − δ) mω 2 2m iω e surgiu finalmente a oscila¸˜o procurada! O valor m´dio da posi¸˜o, nesse ca e ca estado, oscila exatamente como no caso cl´ssico. a x =√ ˆ 1 {α∗ (t) − α(t)} 2m ω −i 2m ω φα(t) , a+ φα(t) − φα(t) , a− φα(t) (255) −i (a+ − a− ) 2m ω (254) (253)
iωt 2

(252)

(256)

57

13.1

Exerc´ ıcios

Para uso nos exerc´ ıcios subseq¨ entes, apresentamos aqui uma tabela de u fun¸˜es de onda de estados estacion´rios do oscilador harmˆnico. co a o

n En 0 1 2 3 4
1 hω ¯ 2 3 hω ¯ 2 5 hω ¯ 2 7 hω ¯ 2 9 hω ¯ 2

ψn (x) =

1√ n!2n a π

1/2

Hn

x a

e−x

2 /2a2

1/2 2 2 1 √ e−x /2a a π 1/2 2 2 1 √ 2 x e−x /2a 2a π a 1/2 2 2 2 1 √ 2−4 x e−x /2a 8a π a 1/2 3 2 2 1 √ 12 x − 8 x e−x /2a 48a π a a 1/2 2 4 1√ 12 − 48 x + 16 x 384a π a a

e−x

2 /2a2

onde a =

h ¯ . mω

1.(a) Mostre que o parˆmetro a que aparece na tabela ´ igual ao deslocaa e 1 mento m´ximo de um oscilador cl´ssico de energia 2 hω. a a ¯ 2 −x2 /2a2 (b) Verifique que a express˜o (1+bx )e a satisfaz a equa¸˜o de Schr¨dinger ca o 5 para o movimento harmˆnico simples com energia E = 2 hω. Qual o valor o ¯ para b? 2. Considere o meio-oscilador harmˆnico, isto ´, uma part´ o e ıcula cuja energia potencial ´ e V (x) = ∞ , x < 0 1 V (x) = kx2 , x ≥ 0 2 (a) Compareas fun¸˜es de onda dos estados estacion´rios deste sistema com co a as do oscilador harmˆnico normal com os mesmos valores de m e k. o (b) Quais s˜o as energia s permitidas para o meio-oscilador? a (c) Invente um sistema que seria o an´logo macrosc´pico deste sistema quˆntico. a o a 3. Regi˜es classicamente proibidas para o oscilador harmˆnico simples. o o Usando a fun¸˜o de onda normalizada para o estado fundamental do oscilador ca harmˆnico, calcule a probabilidade de que uma observa¸˜o da posi¸˜o detete o ca ca a part´ ıcula numa regi˜o classicamente proibida. A integral que vocˆ obter´ a e a n˜o pode ser resolvida analiticamente. Olhe o resultado num´rico numa a e 58

tabela da error function, ou nos programas Maple ou Mathematica. 4. A tabela exibe as fun¸˜es Hn (x), denominadas polinˆmios de Hermite. co o −t2 +2tx (a)Mostre que e ´ uma fun¸˜o geratriz dos polinˆmios de Hermite, isto e ca o ´, que e ∞ n t 2 e−t +2tx = Hn (x) n=0 n! ao menos at´ n = 4. Determine H5 (x). e (b) Tomando a derivada desta express˜o, demonstre as rela¸˜es de recorrˆncia a co e d Hn (x) = 2nHn−1 (x) dx Hn+1 (x) = 2xHn (x) − 2nHn−1 (x)

5. Valendo-se da express˜o das fun¸˜es de onda do oscilador harmˆnico, a co o mostre que devemos esperar que ∞ √ 2 dxe−x Hn (x)Hm (x) = π2n n!δmn
−∞

14

Operadores unit´rios e simetrias a

As quantidades observ´veis (resultados de medidas) aparecem, na mecˆnica a a quˆntica, sob a forma de produtos escalares de estados, a (ψ, φ) = dqψ(q)∗ φ(q)

Um caso particular importante ´ um “elemento de matriz” de um operador e ˆ O: ˆ dqψ ∗ (q)Oφ(q) Como toda teoria, a mecˆnica quˆntica admite transforma¸˜es “de linguagem”: a a co por exemplo, quando eu descrevo o mesmo fenˆmeno usando dois sistemas o de eixos ortogonais, obtenho descri¸˜es distintas do mesmo fenˆmeno. Esco o sas descri¸˜es devem ser equivalentes, j´ que representam a mesma coisa de co a ´ como se eu descrevesse o mesmo fenˆmeno em pontos-de-vista distintos. E o inglˆs e em alem˜o: as descri¸˜es s˜o diferentes, mas tˆm o mesmo conte´ do. e a co a e u Como as quantidades f´ ısicas s˜o representadas pelos produtos escalares a de estados, ´ importante o estudo dos operadores que conservam os produtos e ˆ escalares, ou seja, dos operadores U que s˜o tais que a ˆ ˆ (Uψ, U φ) = (ψ, φ) 59 (258)

ou, mais explicitamente, dqψ(q)∗ φ(q) = ˆ ˆ dq(Uψ(q))∗ U φ(q) (259)

Um operador linear ´ unit´rio, por defini¸˜o, se e a ca ˆˆ ˆ ˆ U U + = U +U = 1 (260)

ˆ Seja U um operador unit´rio e considere as transforma¸˜es de fun¸˜es de a co co onda: ˆ ψ ′ (q) = Uψ(q) ′ ˆ φ (q) = Uφ(q) Ent˜o, a dqψ ′∗ φ′ = ˆ dq U ψ

ˆ Uφ =

ˆ ˆ dqψ ∗ U + U φ =

dqψ ∗ φ

o que mostra que uma transforma¸˜o implementada por um operador unit´rio ca a conserva os produtos escalares. Mais detalhadamente, considere o produto escalar ˆ ˆ ψ, Oφ = dqψ ∗ (q)Oφ(q) Sejam ˆ ψ ′ (q) = U ψ(q) ′ ˆ ˆ ˆ Oφ(q) = U Oφ(q) Podemos escrever ˆ Oφ(q) Logo, ˆ ψ ′ , (Oφ)′ = ˆ dq U ψ(q)
∗ ′

ˆˆ ˆ ˆˆ ˆ ˆ ˆˆ = U Oφ(q) = U OU + Uφ(q) = U OU † φ′ (q)

ˆ ˆ ˆˆ U OU + U φ(q) =

ˆ ˆ dqψ ∗ Oφ = ψ, Oφ

Podemos interpretar este resultado assim: considere as transforma¸˜es co ˆ ψ → ψ ′ = Uψ ˆ φ → ψ ′ = Uψ ˆ ˆ ˆ ˆˆ O → O′ = U OU + 60

Ent˜o, temos: a ˆ dqψ ′∗ (q)O ′φ′ (q) = ˆ dqψ ∗ (q)Oφ(q) ˆ ˆ ˆˆ e ˆ ˆ onde O ′ ≡ U OU + ´ a transforma¸˜o de O pela a¸˜o do operador linear U . ca ca ˆe ˆ Diz-se que um operador O ´ invariante por uma transforma¸˜o unit´ria U se ca a ˆ ˆˆ ˆ U OU + = O ou, equivalentemente, se ˆˆ ˆˆ OU = U O (261)

14.1

Exemplos de operadores unit´rios a
ˆ =ψ 1ψ

O leitor verificar´ sem dificuldade que o operador ˆ definido por a 1,

´ unit´rio. Para dar exemplos mais ricos, precisaremos definir a exponencial e a de um operador. ˆ Define-se eO assim: eO = ˆ + O + 1 ˆ
ˆ

1 ˆˆ 1 ˆˆˆ OO + OO O + ... 2! 3!

(262)

ˆ ˆˆ onde, naturalmente, se pode escrever O 2 em vez de OO, etc. A id´ia ´ e e usar a expans˜o da fun¸˜o exponencial num´rica como modelo da expans˜o a ca e a do operador. Usando-se esta defini¸˜o, pode-se demonstrar a importante ca rela¸˜o de Baker-Hausdorff-Campbell: ca 1 ˆ ˆ ˆ 1 ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ eA Be−A = B + [A, B] + [A, [A, B]] + [A, [A, [A, B]]] + ... 2! 3! ˆ Uma aplica¸˜o imediata ´ esta: para B = 1, temos ca e eA e−A = 1 ˆ 1] pois [A, ˆ = 0. Logo, e−A ´ o operador inverso de eA . e ˆ ˆ ˆ Considere um operador da forma eiO , com O = O + , ou seja, hermiteano. Temos ent˜o, a ˆ + ˆ+ ˆ eiO = e−iO = e−iO Logo, eiO
ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ

(263)

eiO 61

ˆ +

=1

ˆ ˆ ou seja, eiO ´ unit´rio se O for hermiteano. e a Exemplo: os seguintes operadores s˜o unit´rios: a a

¯ U(ǫ) = e h ǫpˆx ¯ U(∆t) = e− h H∆t i

i

ˆ

Chama-se operadores unit´rios infinitesimais operadores da forma a ˆ ˆ U = 1 + iǫO ˆ ˆ com O = O + . Note-se que um operador desse tipo ´ o truncamento da s´rie e e ˆ iǫO que define o operador unit´rio e a que mant´m apenas os dois primeiros e termos. Ou seja, um operador unit´rio infinitesimal satisfaz a condi¸˜o a ca de unitaridade desde que se desprezem termos que contenham potˆncias e ˆ ˆ quadr´ticas de ǫ ou maiores. Explicitamente, temos, se U = 1 + iǫO, a + ˆ ˆ U = 1 − iǫO, e ˆˆ ˆ ˆ ˆ ˆ U U + = (1 + iǫO)(1 − iǫO) = 1 + iǫO − iǫO + ǫ2 (...) ≈ 1 ˆ Seja B um operador invariante por uma transforma¸˜o implementada pelo ca i ˆ a operador unit´rio infinitesimal 1 + ¯ ǫO. Ent˜o a h iǫ ˆ ˆ iǫ ˆ ˆ ˆ iǫ ˆ ˆ iǫ ˆ ˆ ˆ iǫ ˆ ˆ B = 1 + O B 1 − O = B + OB − B O = B + [O, B] h ¯ h ¯ h ¯ h ¯ h ¯ ˆ ˆ Logo, devemos ter [O, B] = 0. Sumarizando: iǫ ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ ¯ a Seja B invariante pela transforma¸˜o unit´ria U = e h O . Ent˜o, [B, O] = ca a 0. ˆ Define-se simetria de um sistema com hamiltoniano H uma transforma¸˜o ca iǫ ˆ ˆ ¯ unit´ria que deixa o hamiltoniano invariante. Seja U = e h O uma simetria. a ˆ ˆ ˆ ˙ Ent˜o, por defini¸˜o, [H, O] = 0. Ora, isto significa que o operador O = 0, ou, a ca em outras palavras,que a quantidade f´ ısica associada ao operador hermiteano ˆ ´ conservada. Desta forma associamos simetrias a leis de conserva¸˜o : a Oe ca cada simetria corresponde uma quantidade conservada. Este resultado, na f´ ısica cl´ssica, ´ conhecido como o teorema de Noether. a e

14.2

Exerc´ ıcios
d2 dx2

1.(a)Construa o adjunto do operador real. h (b) Mostre que [p, f (r)] = ¯ ∇f (r). i

− a exp (ix) onde a ´ um n´ mero e u

62

ˆ ˆ ˆ a 2. Os trˆs operadores A, B e C s˜o dados por e ˆ Aψ(x) = x3 ψ(x) dψ ˆ Bψ(x) = x dx x ˆ Cψ(x) = uψ(u)du
−∞

ˆ ˆ ˆ ˆ (i)Calcule [A, B] e [B, C]. (ii)Resolva o problema de autovalores ˆ Cψ(x) = λψ(x) exigindo que ψ(x) seja normaliz´vel. Que restri¸˜o isto imp˜e sobre λ? a ca o 3. Determine o operador unit´rio que efetua, sobre a fun¸ao de onda de a c˜ um sistema, uma transla¸˜o espacial ψ(r) → ψ(r + ǫ), onde ǫ ´ um “vetor ca e infinitesimal”. Usando o fato de que uma sucess˜o de transla¸˜es independe a co da ordem em que s˜o realizadas, demonstre que os operadores de momento a px , py e pz comutam. Aproveite para mostrar que esses operadores s˜o herˆ ˆ ˆ a miteanos, sem calcular qualquer integral.

15

Rota¸˜es e o momento angular co

Uma part´ ıcula de massa m est´ em um estado de fun¸˜o de onda ψ(r). a ca Vamos executar uma rota¸˜o infinitesimal δω sobre o sistema.16 Em sua ca nova posi¸˜o, a fun¸˜o de onda ser´ ca ca a ψ(r + δr) = ψ(r) + (δω × r).∇ψ(r) , desprezando-se os termos a partir dos quadr´ticos em |δω|. Como a (δω × r).∇ = δω.(r × ∇) podemos escrever ψ(r + δr) = ψ(r) + δω.(r × ∇).ψ(r) = =
16

1 + δω.(r × ∇) ψ(r) i h 1 + δω.(r × (−i¯ )∇) ψ(r) h ¯

(264)

Eq¨ ivalentemente, uma rota¸˜o −δω sobre o sistema de eixos em rela¸˜o ao qual o u ca ca sistema ´ referido. e

63

i ψ(r + δr) = 1 + δω.(ˆ × ˆ ψ(r) r p) h ¯ ˆ Denotando o operadorˆ × ˆ por L, temos r p i ˆ ψ(r + δr) = 1 + δω.L ψ(r) h ¯

(265)

(266)

ˆ O operador L ´ denominado momento angular, e ´ escrito, mais detalhadae e mente, como ˆ ˆ ˆ ˆ L = Lx i + Ly j + Lz k Da Eq.(264) se tira a express˜o a ˆ L = −i¯ ˆ × ∇ hr ou, para as componentes, ∂ ∂ ˆ −z Lx = −i¯ y h ∂z ∂y ∂ ∂ ˆ Ly = −i¯ z h −x ∂x ∂z ∂ ∂ ˆ −y Lz = −i¯ x h ∂y ∂x ˆ Como L ´ hermiteano (por que?), e i ˆ ˆ U (δω) = 1 + δω.L h ¯ ´ unit´rio, e ´ a parte infinitesimal de e a e
i ˆ ¯ U = e h δω.L

(267)

(268) (269) (270)

ˆ

que, atuando sobre a fun¸˜o de onda de um sistema, produz a fun¸˜o de ca ca onda do mesmo, rodado de δω.
Exemplo: (1) Rota¸˜o em torno do eixo z: usando coordenadas esf´ricas, uma rota¸˜o em torno do ca e ca eixo z muda o valor da coordenada φ. A rota¸˜o que leva φ em φ + ∆φ ´ caracterizada ca e por δω = δωz k, com δωz = ∆φ. Logo, U (δω) = 1 + i i ˆ ˆ δωz k.L = 1 + ∆φLz h ¯ h ¯

64

Seja ψ(φ) a fun¸˜o de onda do sistema (explicitamos apenas o argumento que ser´ alterado. ca a A fun¸˜o de onda normalmente depender´ de r, θ e φ, quando o sistema ´ descrito em ca a e termos de coordenadas esf´ricas). A rota¸˜o considerada leva ψ(φ) → ψ(φ + ∆φ). Mas e ca ψ(φ + ∆φ) = ψ(φ) + ∆φ ∂ ψ(φ) = ∂φ 1 + ∆φ ∂ ∂φ ψ(φ)

para transforma¸˜es infinitesimais, e usando a f´rmula dos acr´scimos finitos do C´lculo. co o e a Outra maneira de escrever isto ´ e ψ(φ + ∆φ) = 1+ i ˆ ∆φLz ψ(φ) h ¯

Comparando as duas express˜es, tira-se facilmente que o ∂ ˆ Lz = −i¯ h ∂φ (271)

ˆ ˆ ˆ A express˜o expl´ a ıcita dos operadores Lx , Ly e Lz em coordenadas esf´ricas e pode tamb´m ser obtida diretamente da Eq.(270) utilizando as f´rmulas de e o transforma¸˜o ca x2 + y 2 + z 2 √ 2 x + y2 θ = arctan z y . φ = arctan x r = Trata-se de um c´lculo simples mas trabalhoso. Vamos seguir um caminho a indireto mas mais iluminante. Primeiro, ´ conveniente medir o momento e ˆ angular em unidades de h, isto ´, introduzir o operador l tal que ¯ e ˆ ˆ L = hl ¯ onde , de novo, ˆ ˆ l = lx i + ˆy j + ˆz k l l

ˆ As express˜es para as componentes de l s˜o, como segue de (270), o a ˆx = −i y ∂ − z ∂ l ∂z ∂y ˆy = −i z ∂ − x ∂ l ∂x ∂z ˆz = −i x ∂ − y ∂ l ∂y ∂x 65 (272) (273) (274)

Por um c´lculo direto, ou pelo uso da regra de Dirac17 obtˆm-se: a e [ˆa , ˆb ] = iǫabc ˆc l l l (275)

ˆ Como as componentes l n˜o comutam entre si, n˜o h´ autofun¸˜es comuns a a a co dessas componentes. Introduzindo o momento angular total ˆ ˆ2 ˆ2 ˆ2 l = lx + ly + lz observamos que Como ˆ2 [l , ˆx ] = [ˆx , ˆx ] + [ˆy , ˆx ] + [ˆz , ˆx ] l l2 l l2 l l2 l [ˆx , ˆx ] = 0 l2 l [ˆ2 , ˆx ] = −iˆy ˆz − iˆz ˆy l l l l l l
y

(276) (277) (278)

[ˆz , ˆx ] = iˆz ˆy + iˆy ˆz l2 l l l l l ˆ2 [l , ˆx ] = 0 l

segue que

A dire¸˜o x n˜o tendo nenhum privil´gio, segue que: ca a e ˆ2 ˆ2 [l , ˆy ] = [l , ˆz ] = 0 , l l ˆ2 Sendo assim, podemos construir autofun¸˜es comuns a l e uma das compoco ˆ nentes de l. Por causa da express˜o simples de ˆz em coordenadas esf´ricas, a l e ˆ2 ˆ escolhemos o par l ,lz .
17 A regra de Dirac diz: sejam A(pi , qi ) e B(pi , qi ) duas quantidades f´ ısicas da mecˆnica a ˆ ˆ cl´ssica, e seja {A, B} o produto de Poisson (parˆnteses de Poisson) delas. Ent˜o, se A e B a e a s˜o os operadores hermitianos que representam essas quantidades na mecˆnica quˆntica, a a a temos a igualdade simb´lica: o ˆ ˆ [A, B] = −i¯ {A, B} h

Ou seja, para obter o valor do comutador, calcula-se o produto de Poisson das quantidades cl´ssicas correspondentes, multiplicando-se o resultado por −i¯ . Exemplo: a h ˆ ˆ ˆ {La , Lb } = −ǫabc Lc . Logo, [La , Lb ] = i¯ ǫabc Lc . h

66

16

Autofun¸˜es do momento angular co
ˆ+ = lx + iˆy l l ˆ− = ˆx − iˆy l l l (279) (280)

Por raz˜es t´cnicas ´ conveniente introduzir os operadores n˜o-hermiteanos o e e a

Seus principais comutadores s˜o: a ˆ2 [l , ˆ± ] = 0 l [ˆz , ˆ+ ] = ˆ+ l l l [ˆz , ˆ− ] = −ˆ− l l l todas f´ceis de obter. Note-se ainda que a ˆ+ ˆ− = ˆ − ˆ2 + ˆz l l l lz l ˆ− ˆ+ = ˆ − ˆ2 − ˆz l l l lz l
2 2

(281) (282) (283)

(284) (285)

16.1

As autofun¸˜es da componente z do momento anco gular
ˆz ψ(φ) = lz ψ(φ) l

As autofun¸˜es de ˆz s˜o fun¸˜es ψ(φ) tais que co l a co (286)

onde lz ´ um n´ mero. Omitimos aqui, por simplicidade, as outras vari´veis, e u a r e θ, de que a fun¸˜o ψ em geral depende porque s˜o irrelevantes para este ca a problema. Como ˆz = −i ∂ l ∂φ temos, para a Eq.(286), −i cuja solu¸˜o ´ ca e ψ(φ) = Keilz φ . Devemos ainda ter ψ(φ + 2nπ) = ψ(φ) ∂ψ = lz ψ ∂φ (287)

67

o que exige que eilz 2nπ = 1 ou seja, que lz seja um n´ mero inteiro. Vamos denot´-lo por m. Ent˜o, u a a ˆz eimφ = meimφ l (288)

que ´ satisfeita para qualquer m inteiro, −∞ < m < ∞. Normalizando, e temos 1 ψm (φ) = √ exp (imφ) (289) 2π

16.2

Autofun¸˜es simultˆneas do momento angular toco a tal e da componente z
ˆz ˆ+ ψm l l = (ˆz ˆ+ − ˆ+ ˆz + ˆ+ ˆz )ψm l l l l l l = = = [ˆz , ˆ+ ]ψm + ˆ+ ˆz ψm l l l l ˆ+ ψm + mˆ+ ψm l l ˆ+ ψm ) (m + 1)(l

Seja ψ(φ) a autofun¸˜o de ˆz de autovalor m. Calculemos ca l

Logo, se ˆz ψm = mψm , ent˜o l a ˆ+ ψm = Kψm+1 l Analogamente se mostra que ˆ− ψm = K ′ ψm−1 l Assim, usando os operadores ˆ+ e ˆ− , pode-se varrer todo o espectro do opl l ˆz . erador l Considere o operador ˆ2 ˆ2 ˆ2 ˆ2 l − lz = lx + ly . ˆ e Lema:Se O ´ hermiteano, para qualquer estado. Demonstra¸˜o: ca ˆ dqψ ∗ (q)O 2ψ(q) = ˆ dq Oψ(q) 68

ˆ O2 ≥ 0

(290)

ˆ Oψ(q) =

ˆ dq|Oψ(q)|2 ≥ 0

Em particular, segue que ˆx + ˆy ≥ 0, logo, l2 l2 ˆ2 ˆ2 l − lz ≥ 0 (291)

obt´m-se e

ˆ2 A constru¸˜o das autofun¸˜es de l ´ facilitada pelo fato de que a express˜o ca co e a ˆ2 de l ´ um operador diferencial familiar ` f´ e a ısica cl´ssica. De fato, um c´lculo a a direto leva a ˆ± = exp (±iφ) ± ∂ + i cot θ ∂ l (292) ∂θ ∂φ e, como ˆ2 ˆ ˆ l = l+ l− + ˆ2 − ˆz l l
z

ˆ2 l =− 1 r2 ∂ ∂ r2 ∂r ∂r

1 ∂2 1 ∂ ∂ + (sin θ ) 2 2 sin θ ∂θ ∂θ sin θ ∂φ 1 ∂2 1 ∂ ∂ + (sin θ ) 2 2 sin θ ∂θ ∂θ sin θ ∂φ ˆ2 l − 2 r

(293)

Acontece que o laplaceano em coordenadas esf´ricas ´ e e ∇2 = ou seja, 1 ∂ ∂ ∇2 = 2 r2 r ∂r ∂r + (294)

(295)

Os f´ ısicos do s´culo XIX resolveram o problema de determinar as autofun¸˜es e co ˆ2 18 de l : essas fun¸˜es s˜o os harmˆnicos esf´ricos, Ylm (θ, φ), que satisfazem co a o e as equa¸˜es de autovalores co ˆ2 l Ylm (θ, φ) = l(l + 1)Ylm(θ, φ) ˆz Ylm (θ, φ) = mYlm (θ, φ) l (296) (297)

Os harmˆnicos esf´ricos s˜o muito bem conhecidos. Para um estudo deo e a les no contexto cl´ssico as minhas referˆncias preferidas s˜o Courant [6] e a e a Sommerfeld [9]. Nessas notas, usando t´cnicas que introduziremos a seguir, e construiremos explicitamente os Ylm . Para o momento ´ suficiente informar e que Ylm (θ, φ) = K P l m (θ) exp (imφ)
Naturalmente eles n˜o sabiam mecˆnica quˆntica, mas estudavam vibra¸˜es de corpos a a a co el´sticos.Um dos problemas dessa ´rea, por exemplo, ´ a determina¸˜o das frequˆncias que a a e ca e um tambor, de determinada forma, pode emitir. Trata-se de um problema de autovalores : as freq¨ˆncias emitidas s˜o as autofreq¨ˆncias. ue a ue
18

69

ou seja, ´ o produto de uma fun¸˜o de θ por uma autofun¸˜o de ˆz . e ca ca l ˆz s˜o as fun¸˜es exp (imφ) Uma observa¸˜o importante: as autofun¸˜es de l a ca co co ˆ2 para qualquer inteiro m. Quando construirmos as autofun¸˜es comuns a l co e ˆz , veremos que m sofrer´ mais restri¸˜es. De fato, como temos l a co ˆ2 ˆ2 l − lz ≥ 0 segue que ˆ2 ∗ dqYlm (q) l − ˆz Ylm (q) = l(l + 1) − m2 l2
∗ dqYlm (q)Ylm(q) = l(l + 1) − m2 ≥ 0

(298) Portanto, dado l, m n˜o pode ser qualquer inteiro. O maior valor permitido a ´ tal que e l(l + 1) ≥ m2 Vˆ-se imediatamente que m = l ´ permitido, mas m = l + 1 ´ proibido. Logo, e e e o m´ximo valor permitido de m para as autofun¸˜es Ylm (q) ´ m = l. Um a co e argumento an’alogo mostra que o menor ´ m = −l. Resumindo, e −l ≤ m ≤ l Neste intervalo, ˆ2 l Ylm (θ, φ) = l(l + 1)Ylm (θ, φ) ˆz Ylm (θ, φ) = mYlm (θ, φ) l (299) (300)

Assim, para cada l h´ 2l + 1 valores distintos de m. a 16.2.1 Constru¸˜o dos harmˆnicos esf´ricos ca o e

Chamaremos de operadores vetoriais operadores do tipo ˆ ˆ ˆ ˆ T = Tx i + Ty j + Tz k e que satisfazem as seguintes rela¸˜es de comuta¸˜o com as componentes do co ca momento angular: ˆ (301) [ˆa , Tb ] = iǫabc Tc l ˆ onde a costumeira conven¸˜o indica uma soma sobre os valores do ´ ca ındice c, ˆ (1) e T (2) dois operadores desse tipo, ˆ e, sendo T
(1) (2) [ˆi , Tj Tj ] = 0 l ˆ ˆ

(302)

70

Exemplos: r , p e L s˜o, todos, operadores vetoriais. ˆ ˆ ˆ a Das rela¸˜es acima segue, em particular, que, para qualquer operador co ˆ vetorial T , [ˆi , Tj Tj ] = 0 l ˆ ˆ (303) ˆ Seja T um operador vetorial. Ser´ util introduzir um “operador escada”, a´ da seguinte forma: ˆ ˆ ˆ T + = Tx + iTy (304) Facilmente se verifica que bem como ˆ [ˆz , T+ ] = T+ l ˆ ˆ [ˆx , T+ ] = −Tz l ˆ ˆ [ˆy , T+ ] = −iTz l ˆ (305) (306) (307)

ˆ2 ˆ Vamos agora calcular o comutador [l , T+ ]. Lembrando que ˆ2 ˆ2 ˆ2 ˆ2 l = lx + ly + lz e usando as rela¸˜es acima, temos, ap´s um pouco de paciˆncia, co o e ˆ2 ˆ ˆ ˆ l ˆl [l , T+ ] = 2[T+ ˆz − Tz ˆ+ ] + 2T+ (308)

ˆ2 Sejam Ylm as autofun¸˜es de l e, em particular, seja Yll aquela com m´ximo co a valor de m, para um dado l. Vamos mostrar que ˆ T+ Yll = KYl+1,l+1 onde K ´ uma constante. e
De fato,

(309)

ˆ2 l Yll = l(l + 1)Yll
2 ˆ ˆ ˆ T+ (l Yll ) = l(l + 1)T+ Yll

(310) (311)

2 ˆ ˆ Ora, o operador T+ l pode ser escrito assim: 2 2 2 2 ˆ2 ˆ ˆ2 ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ T+ l = T+ l − l T+ + l T+ = [T+ , l ] + l T+

(312)

Logo,a Eq.(311) pode ser escrita
2 ˆ2 ˆ ˆ ˆ [T+ , l ]Yll + l (T+ Yll ) = l(l + 1)Yll

(313)

71

Usando a Eq.(308), ˆ2 ˆ ˆl ˆ l ˆ ˆ 2Tz ˆ+ Yll − 2T+ˆz Yll − 2T+ Yll + L (T+ Yll ) = l(l + 1)(T+ Yll ) Como ˆ+ Yll = 0, obtemos sem dificuldade que l ˆ2 ˆ ˆ l (T+ Yll ) = (l(l + 1) + 2l + 2) (T+ Yll ) ou, finalmente, ˆ2 ˆ ˆ l (T+ Yll ) = (l + 1)(l + 2)(T+ Yll
2

(314)

(315)

(316)

ˆ ˆ que significa que T+ Yll ´ autofun¸ao de l de autovalor (l + 1)(l + 2). Logo, e c˜ ˆ T+ Yll = KYl+1,l+1 (317)

Este resultado mostra que, se determinarmos Y00 , seremos capazes de construir Yll para qualquer l, sem ter de resolver equa¸˜es diferenciais. co

Para determinar Y00 (θ, φ) note-se que ˆz Y00 (θ, φ) = 0 l e ˆ− Y00 = 0 l ˆ+ Y00 = 0 l Da´ segue facilmente que ı ˆx Y00 = 0 l ˆy Y00 = 0 l Dessas duas e da Eq.(318), segue que i 1 + ǫ¯ ˆj Y00 = Y00 hl h ¯ (321) (319) (320) (318)

para j = 1, 2, 3. Isto quer dizer que Y00 ´ invariante por rota¸˜es infinitesie co mais em torno dos eixos x, y, z, ou seja, ´ invariante por qualquer rota¸˜o e ca infinitesimal. Logo, ´ esfericamente sim´trica, n˜o podendo depender de θ e e a ou φ. Mas essas s˜o as suas unicas vari´veis. Portanto, Y00 ´ constante. A a ´ a e menos de normaliza¸˜o , podemos ent˜o tomar ca a Y00 = 1 ˆ Considere o operador vetorial ˆ e vamos construir o operador T+ associado r, a ele, que seria o operador ˆ+ = x + iˆ r ˆ y 72

Como os operadores x e y s˜o multiplicativos, vamos cometer um ligeiro ˆ ˆ a abuso de nota¸˜o, omitindo a “casinha”(acento circunflexo, vers˜o chinesa). ca a Assim, escreveremos, sem a menor cerimˆnia, o r+ = x + iy deixando claro que se trata de operadores. J´ que estamos com a m˜o na a a r ˆ+ associado massa, vamos estudar, em lugar de r, o operador r . O operador T a ele ´ e x + iy ˆ T+ = (322) r Temos, ent˜o, a x + iy x + iy x + iy .Y00 = .1 = = KY11 (θ, φ) r r r ou seja, Y11 (θ, φ) = cte. × ou ainda, De uma maneira geral, teremos: Y11 (θ, φ) = cte. × sin θ exp (iφ)
l

(323)

x + iy = cte. × (sin θ cos φ + i sin θ sin φ) r

(324) (325)

Para obter Ylm

x + iy r ˆ basta fazer uso do operador l− . Yll (θ, φ) = K Ylm (θ, φ) = K ˆ− l
2π 0 π 0 l−m

(326)

x + iy l r A determina¸˜o de K ´ feita pela normaliza¸˜o dos Ylm , ca e ca dφ sin θdθ|Ylm(θ, φ) = 1

(327)

(328)

Toma-se usualmente K real, o que fornece a seguinte tabela de harmˆnicos o esf´ricos: e 1 Y00 (θ, φ) = √ 4π 1 3 2 Y1,±1 = ∓ sin θe±iφ 8π 1 3 2 Y1,0 = cos θ (329) 4π e assim por diante. 73

16.3

Exerc´ ıcios

1. Prove que [AB, C] = A[B, C] + [A, C]B i 2. Prove que, se [H, li ] = 0 ent˜o [H, exp ¯ θ¯ li ] = 0, com li i = 1, 2, 3 sendo a h h as componentes do operador de momento angular. De fato, o resultado vale para qualquer operador que comute com o hamiltoniano H, e, portanto, para o pr´prio H. Enuncie e comente este ultimo caso. Mais precisamente, mostre o ´ ˆ exp − i Ht] = 0. ˆ que ´ sempre verdade que [H, e h ¯ i a 3. Mostre que o operador ˆ + ¯ ∆θ¯ ˆi “roda” o sistema de um ˆngulo in1 h hl finitesimal ∆θ em torno do eixo i. A generaliza¸˜o para ˆngulos θ arbitr´rios ca a a i i hl hl ıcio anterior que, se ´ exp ¯ θ¯ ˆi . Seja U(θ) = exp ¯ θ¯ ˆi . Vimos no exerc´ e h h [H, li ] = 0, ent˜o [H, U(θ)] = 0. Seja ψ tal que Hψ = Eψ,e considere a ψ ′ = U(θ)ψ. Mostre que Hψ ′ = Eψ ′ , com o mesmo E anterior. Chegue a uma conclus˜o an´loga usando o ultimo resultado do exerc´ 2. a a ´ ıcio 4. Mostre que se a energia potencial de um sistema ´ V (r), independente de e θ e φ, ent˜o [H, li ] = 0, para i = 1, 2, 3. a 5. Mostramos no curso que 1 m|lx | m − 1 = m − 1|lx |m = (l + m)(l − m + 1) 2 i m|ly |m − 1 = − m − 1|ly |m = − (l + m)(l − m + 1) 2 que, trocado em mi´ dos, quer dizer que u 1 (l + m)(l − m + 1) 2 0 0 (a) Escreva os demais elementos de matriz dessa forma. (b)Considere o harmˆnico esf´rico Ylm (θ, φ = π/2). Temos o e

π

∗ dθ sin θYlm lx Yl,m−1(θ, φ) =

exp Por outro lado, exp acima,

i ∆θ¯ lx Ylm (θ, π/2) = Ylm (θ + ∆θ, π/2) h h ¯
i ∆θ¯ lx h h ¯

= 1 + iδθlx e, usando os elementos de matriz ∆θ (l + m + 1)(l − m)Yl,m+1 (θ, π/2) 2

(1 + i∆θlx )Ylm (θ, π/2) = Ylm (θ, π/2) + i + i Logo, Ylm (θ + ∆θ, π/2) = Ylm (θ, π/2) + i + i

∆θ (l + m)(l − m + 1)Yl,m−1 (θ, π/2) 2 ∆θ (l + m + 1)(l − m)Yl,m+1(θ, π/2) 2

∆θ (l + m)(l − m + 1)Yl,m−1 (θ, π/2) 2 74

Verifique cuidadosamente o argumento acima (o professor j´ est´ meio velho...) a a e depois teste-o no caso particular l=1. Neste caso os harmˆnicos esf´ricos o e s˜o: a Y1,0 = 3 4π
1/2

cos θ
1/2

Y1,±1 = ∓

3 8π

sin θe±iφ

17

Potenciais com simetria central

Chamam-se assim os potenciais que, expressos em coordenadas esf´ricas, s˜o e a fun¸˜es apenas da vari´vel radial r. O caso mais importante, naturalmente, co a ´ o do ´tomo de Hidrogˆnio. Vamos tratar primeiramente o caso geral. e a e − h2 2 ¯ ∇ ψ(r, θ, φ) + V (r)ψ(r, θ, φ) = Eψ(r, θ, φ) 2m (330)

´ a equa¸˜o de Schr¨dinger para estados estacion´rios de uma part´ e ca o a ıcula de massa m cuja energia potencial depende apenas da distˆncia ` origem. Utia a lizando coordenadas esf´ricas, temos e 1 ∂ ∂ ∇2 = 2 r2 r ∂r ∂r onde ˆ2 l =− ˆ2 l − 2 r (331)

1 ∂ ∂ 1 ∂2 + (sin θ ) 2 ∂θ sin θ ∂φ2 sin θ ∂θ

(332)

´ o operador de momento angular total (veja Eq.(294) e anteriores). e Vamos procurar solu¸˜es da Eq.(331) que sejam da forma co ψ(r, θ, φ) = R(r)Ylm(θ, φ) ˆ2 Como l Ylm = l(l + 1)Ylm, tem-se − h2 1 ¯ d dR R(r) Y (θ, φ) r2 − 2 l(l + 1)Ylm (θ, φ) + 2 lm 2m r dr dr r (333) +V (r)R(r)Ylm (θ, φ) = ER(r)Ylm (θ, φ)

Cancelando Ylm , − dR h2 l(l + 1) ¯ h2 1 d ¯ r2 + R(r) + V (r)R(r) = ER(r) 2 dr 2m r dr 2mr 2 75 (334)

Introduzimos agora a fun¸˜o ca u(r) = rR(r) satisfazendo u(0) = 0. Reescrevendo a Eq.(334) em termos de u(r), obt´m-se e − h2 d2 u ¯ h2 l(l + 1) ¯ + + V (r) u(r) = Eu(r) 2 2m dr 2mr 2 (335)

Esta ´ a chamada equa¸˜o radial de Schr¨dinger, e cont´m toda a dinˆmica. e ca o e a Lembrando a condi¸˜o u(0) = 0, decorrˆncia de que u(r) = rR(r) com ca e R(r) regular na origem (os casos interessantes fisicamente n˜o s˜o aqueles a a em que a part´ ıcula tem probabilidade zero de estar em qualquer lugar que n˜o a origem!), podemos interpretar a equa¸˜o acima como uma equa¸˜o de a ca ca Schr¨dinger de um movimento unidimensional sujeito aos seguintes “poteno ciais”:(a) Uma parede impenetr´vel em r = 0, que impede a passagem da a part´ ıcula para valores negativos de r. (b) Um potencial do tipo r12 repulsivo, chamado de potencial centr´ ıfugo. (c) O verdadeiro potencial, V (r). O potencial centr´ ıfugo vem do fato de que a elimina¸˜o das vari´veis θ e φ, ´ ca a e formalmente eq¨ ivalente a colocar-se em um sistema de referˆncia que “gira” u e com o sistema f´ ısico, ou seja, em um sistema n˜o-inercial. Surgem, ent˜o, as a a c ıfuga ´ a mais popular.19 e chamadas for¸as de in´rcia, das quais a for¸a centr´ c e

18

O ´tomo de Hidrogˆnio a e

O n´ cleo do ´tomo de hidrogˆnio ´ cerca de 2000 vezes mais pesado do que u a e e um el´tron. Por isso se pode ignorar o movimento do n´ cleo e descrever e u o ´tomo simplesmente como um el´tron movendo-se com energia potencial a e 2 V (r) = − Ze . A Eq.(335) ´ ent˜o escrita e a r − h 2 d2 u ¯ h2 l(l + 1) Ze2 ¯ + − u(r) = Eu(r) 2 2m dr 2mr 2 r (336)

Note-se que esta equa¸˜o descreve mais do que o ´tomo de hidrogˆnio: a ca a e intera¸˜o de um el´tron com um campo coulombiano possui tamb´m casos ca e e em que o el´tron n˜o permanece nas proximidades do n´ cleo, mas afasta-se e a u indefinidamente dele: trata-se do espalhamento de um el´tron por um campo e coulombiano. Aqui vamos estudar apenas os estados ligados do el´tron: aquee les em que ele est´ preso ao n´ cleo, formando um ´tomo. O que caracteriza a u a
O leitor dedicado gostar´ de investigar por que n˜o aparece tamb´m um potencial a a e correspondente `s for¸as de Coriolis. a c
19

76

esses estados, na Eq.(336), ´ que eles possuem energia negativa. Portanto, e estudaremos as solu¸˜es do problema de autovalores dado pela Eq.(336), com co E < 0, e, portanto, E = −|E|. ´ E conveniente introduzir vari´veis adimensionais. Substituiremos r por a ρ= 8m|E| h ¯ r (337)

e a energia , ou, antes, o seu inverso, por λ= m Ze2 2|E| h ¯ (338)

Deixamos ao leitor a tarefa de verificar que, efetivamente, ρ e λ s˜o quantia dades adimensionais. Verifica-se facilmente que d2 u 8m|E| d2 u = dr 2 h2 dρ2 ¯ e que a Eq.(336) pode ser reescrita como − ou, finalmente, Ze2 d2 u l(l + 1) + u− dρ2 ρ2 h ¯ 1 m u=− u 2|E| 4 (339)

d2 u l(l + 1) λ 1 − u+ − u=0 2 2 dρ ρ ρ 4

(340)

Resolver este problema de autovalores consiste em determinar os pares (u, λ) submetidos ` condi¸˜o de que a ca
r→∞

lim u(r) = 0

que corresponde ao fato de que o ´tomo tem dimens˜es finitas. a o Para resolver este problema utilizaremos uma t´cnica devida a Sommere feld. Em primeiro lugar, estudaremos que tipos de comportamento assint´tico, o para ρ grande, as solu¸˜es de Eq.(340) podem ter. Note-se que a equa¸˜o co ca d2 u 1 − u=0 dρ2 4 (341)

coincide com a Eq.(340) para grandes valores de ρ. Podemos, portanto, afirmar que as solu¸˜es de Eq.(341) devem coincidir com o limite, para grandes co ρ, das solu¸˜es da Eq.(340). co 77

18.1

Determinando o comportamento assint´tico o
d2 u 1 − u=0 dρ2 4
du , dρ

Considere a equa¸˜o ca

(342) obtendo

e vamos multiplicar cada um de seus termos por 1 du du d2 u = u 2 dρ dρ 4 dρ

O leitor verificar´ facilmente que esta equa¸˜o ´ a mesma que a ca e d dρ ou

du dρ

2

=
2

1 d 2 u 4 dρ

(343)

Portanto,

d  du dρ  dρ du dρ

2

u2  − =0 4 u2 =K 4

(344)

onde K ´ uma constante. Mas tanto u quanto as suas derivadas tendem e a zero no infinito. Logo, a constante K deve ser nula, pois, calculada no infinito ´ nula, e tem o mesmo valor em todos os pontos. Conseq¨ entemente, e u du dρ e
2

=

u2 4

(345)

du u =± dρ 2 ρ 2 ρ 2

(346)

As solu¸˜es dessas equa¸˜es s˜o co co a u(ρ) = exp ± (347)

das quais a que satisfaz os requisitos f´ ısicos de se anular no infinito ´ e u(ρ) = exp − (348)

Este ´, ent˜o, o comportamento assint´tico que as solu¸˜es da Eq.(340) dee a o co vem ter. 78

18.2

As solu¸˜es da equa¸˜o radial co ca
ρ , 2

Vamos ent˜o procurar solu¸˜es da Eq.(340) da forma a co u(ρ) = F (ρ) exp − (349)

F (ρ) sendo um polinˆmio em ρ. A raz˜o de ser um polinˆmio ´ que o como a o e portamento assint´tico de (349) deve ainda ser dado pelo termo exponencial, o o que ´ garantido se F (ρ) for um polinˆmio. Uma an´lise mais fina mostraria e o a que, se se admitisse que F (ρ) fosse uma s´rie infinita, sua soma seria essene cialmente uma exponencial em ρ, alterando o comportamento assint´tico.20 o Seja F (ρ) uma express˜o da forma a F (ρ) =
∞ k=1

Ak ρk ,

(350)

onde a potˆncia mais baixa ´ a primeira para assegurar que e e F (0) = 0 . Derivando termo a termo, temos dF dρ dF dρ2
2

= =

∞ k=1 ∞ k=1

kAk ρk−1 k(k − 1)Ak ρk−2

Inserindo estas express˜es na Eq.(350), temos o
∞ k=1

k(k − 1)Ak ρk−2 − kAk ρk−1 +

λ l(l + 1) Ak ρk − ρ ρ2

=0

(351)

O coeficiente da potˆncia k de ρ ´ dado por e e (k + 2)(k + 1)Ak+2 − (k + 1)Ak+1 + λAk+1 − l(l + 1)Ak+2 = 0 (352)

para que a equa¸˜o diferencial seja satisfeita termo a termo. Diminuindo o ca valorde k de uma unidade, temos uma rela¸˜o mais conveniente: ca Ak+1 [(k + 1)k − l(l + 1)] = (k − λ)Ak
20

(353)

Ver, por exemplo, Dicke, Wittke,Introduction to Quantum Mechanics, p´gina 161. a

79

ou, equivalentemente, Ak+1 k−λ = para k ≥ 2 Ak (k + 1)k − l(l + 1) Para os ´ ındices mais baixos temos as equa¸˜es co A1 l(l + 1) = 0 [2 − l(l + 1)] A2 + (λ − 1)A1 = 0 (355) (356) (354)

A equa¸˜o (354) ´ muito importante. Dela vemos que, para que a s´rie se ca e e interrompa em algum ponto, tornando-se um polinˆmio, devemos ter que o λ = k. Ora, os k s˜o inteiros, logo, a condi¸˜o para que a s´rie se interrompa a ca e ´ que exista um inteiro n tal que e λ=n Como λ= temos |E| = ou, eq¨ ivalentemente, u En = − m Ze2 =n 2|E| h ¯ Z 2 e4 m 1 2¯ 2 n2 h (358) (357)

Z 2 e4 m 1 , (359) 2¯ 2 n2 h que ´ a f´rmula de Bohr! Voltando ao c´lculo das autofun¸˜es, al´m da e o a co e condi¸˜o λ = n, devemos ter que λ = l, de outra forma, na equa¸˜o (354), o ca ca denominador se anularia ao mesmo tempo que o numerador, n˜o garantindo a o anulamento do coeficiente Ak+1 . Portanto devemos ter l = n. Vamos construir as primeiras solu¸˜es. Tomemos λ = n = 1 A este valor co corresponde a energia Z 2 e4 m E=− 2¯ 2 h que ´ a energia do estado fundamental do ´tomo de hidrogˆnio (o de energia e a e mais baixa). Para este valor de λ podemos ter l = 0, mas n˜o l = 1. Ent˜o, a a das equa¸˜es co A1 l(l + 1) = 0 [2 − l(l + 1)] A2 = (λ − 1)A1 80

temos Que A1 ´ indeterminado, e A2 = 0, assim como os coeficientes de e ´ ındice mais alto. Temos ent˜o, para a solu¸˜o, a ca F (ρ) = A1 ρ e R(ρ) = A1 exp − Em termos de r, usando ρ= e introduzindo 8m|E| h ¯ r ρ 2 (360) (361)

h2 ¯ , a0 = me2 denominado raio de Bohr, obtemos, ap´s c´lculos simples, o a ρ= 2Zr na0

Para o estado fundamental, temos, ent˜o, a R1 (r) = A1 exp − Zr a0 (362)

que ´ tamb´m a fun¸˜o completa, pois Y00 ´ constante. e e ca e Para λ = n = 2 temos as possibilidades l = 0 e l = 1. Para o primeiro caso, temos, novamente, A1 indeterminado. Para A2 , usamos a equa¸˜o ca (353), que d´ a 1−2 A2 = A1 1.2 ou seja, 1 A2 = − A1 2 A solu¸˜o ent˜o ´ ca a e ρ2 F (ρ) = A1 ρ − (363) 2 e ρ ρ R(ρ) = A1 1 − exp − (364) 2 2 Expressando em termos de r, obtemos ψ200 = A1 1 − Zr Zr exp − 2a0 2a0 (365)

81

onde usamos a nota¸˜o tradicional para os autoestados do atomo de hidrogˆnio: ca ´ e ψnlm (r, θ, φ). O leitor, neste ponto, deveria ser capaz de mostrar que ψ20m = A2 Zr Zr exp (− ) Y0 0 (θ, φ) a0 2a0 (366)

No segundo caso, l = 1,vemos, da Eq.(355), que A1 = 0 enquanto A2 ´ indeterminado. A3 = 0, assim como os ´ e ındices mais altos. Logo, F (ρ) = A2 ρ2 A express˜o em termos de r vem a ser a Zr 1 Zr R21 (r) = K √ exp (− ) 2a0 3 a0 (367)

Como vimos, a fun¸˜o radial fica definida quando se d˜o os valores de n e ca a l. Por isso ela ´ denotada por Rnl (r). Para o caso de l = 1 a dependˆncia e e angular n˜o ´ trivial, pois temos a e ψnlm (r, θ, φ) = KRnl (r)Ylm(θ, φ) que, nesse caso d´ a 1 Zr Zr ψ21m (r, θ, φ) = K √ exp (− )Y1m (θ, φ) 2a0 3 a0 (369) (368)

com m podendo tomar os valores 1, 0, e -1. Note que a energia fica totalmente determinada por n. Ent˜o, exceto pelo a estado fundamental, a cada n´ de energia correspondem mais de um estado ıvel do sistema. O espectro ´ dito degenerado (no bom sentido!). Considere, por e exemplo, o n´ de energia com n = 2. Podemos ter l = 0, que d´ um unico ıvel a ´ estado, ou l = 1, que admite 3 valores de m. No total, ent˜o, h´ 4 estados a a ´ a neste n´ ıvel de energia . Diz-se que o grau de degenerescˆncia ´ 4. E f´cil e e 2 provar que o grau de degenerescˆncia do n´ n ´ n . O numero quˆntico n e ıvel e a ´ denominado n´mero quˆntico principal. e u a A seguir apresentamos uma lista das partes radiais de algumas fun¸˜es co de onda do ´tomo de hidrogˆnio. a e

82

R10 (r) R20 (r) R21 (r) R30 (r) R31 (r) R32 (r)

= = = = = =

Z a0 Z 2a0 Z 2a0 Z 3a0 Z 3a0 Z 3a0

3 2

2 exp −
3 2

Zr a0 exp − 1 Zr 2 a0

(370) (371) (372)
2

2 1−
3 2

1 Zr 2 a0

1 Zr 1 Zr √ exp − a0 2 a0 3 2 1− 2 Zr 2 + 3 a0 27 Zr a0 exp − 1 Zr 3 a0

3 2

(373) (374) (375)

3 2

3 2

√ 4 2 Zr 1 Zr 1 Zr 1− exp − 3 a0 6 a0 3 a0 √ 2 2 2 Zr 1 Zr √ exp − 3 a0 27 5 a0

18.3

Algumas propriedades do ´tomo de hidrogˆnio a e
ψnlm (r, θ, φ) = KRnl (r)Ylm(θ, φ)

At´ agora escrevemos as fun¸˜es de onda assim: e co

Como determinar a constante K? Uma vez que os harmˆnicos esf´ricos s˜o o e a normalizados por conta pr´pria, pois o
2π 0

π 0

sin θ dθ|Ylm (θ, φ)|2 = 1

devemos ter
∞ 0

r 2 dr

π 0

sin θdθ

2π 0

dφ|ψnlm (r, θ, φ)|2 = |K|2

∞ 0

r 2 dr|Rnl (r)|2 = 1 (376)

Exemplo: para o estado ψ100 , |K|2 Usando
0 ∞ ∞ 0

drr 2 exp −

2Zr =1 a0

drr 2 exp −

2Zr a3 = 03 a0 4Z
3 2

obtemos Z R10 (r) = a0 83

2 exp −

Zr a0

confirmando o valor da tabela. De posse da express˜o detalhada da fun¸˜o de onda, podemos fazer pera ca guntas interessantes. Qual ´ a probabilidade de o el´tron estar, no estado e e fundamental do ´tomo de hidrogˆnio, entre r e r + dr? Ela ´ dada por a e e P (r)dr = Z a0
3

4 exp −

2Zr 2 r dr a0

(377)

Para que valor de r a probabilidade ´ m´xima (para idˆnticos dr)? No ponto e a e de m´ximo, teremos a 2Zr 2Z 2Zr dP (r) = 2r exp − − r2 exp − dr a0 a0 a0 ou 1− rZ =0 . a0 =0

Logo, para o ´tomo de hidrogˆnio (Z = 1), temos que a probabilidade a e m´xima ´ para r = a0 , o raio de Bohr!21 a e Vamos calcular agora a velocidade m´dia do el´tron no estado fundamene e tal. px ˆ = m
2π 0

π 0

sin θdθ

∞ 0

r 2 drψ100 (r, θ, φ) obtemos 2Zr a0
2π 0

px ˆ ψ100 (r, θ, φ) m

(378)

Usando px = −i¯ ∂x e Y00 (θ, φ) = ˆ h∂ px ˆ 8i¯ Z h = m 4πm a0
4 0 ∞

√1 , 4π

drr 2 exp −

dφ cos φ

π 0

dθ sin2 θ

(379)

onde usamos x = r sin θ cos φ. Como
2π 0

dφ cos φ = 0

temos que o valor m´dio da componente x da velocidade do el´tron no estado e e fundamental ´ 0. Como o estado ´ esfericamente sim´trico, o mesmo resultado e e e deve valer para as outras componentes. Logo, p ˆ =0 m
Exerc´ ıcio: no modˆlo pr´-quˆntico de Bohr, das ´rbitas de momento angular L = n¯ , e e a o h determine o raio da menor ´rbita estacion´ria. Vocˆ dever´ encontrar a0 , o raio de Bohr. o a e a
21

84

Isto posto, podemos dizer que e el´tron est´ em repouso, no estado fundamene a tal? Certamente n˜o! Em qualquer modˆlo cl´ssico com ´rbita circular (quala e a o quer ´rbita fechada, de fato) o el´tron est´ em movimento e sua velocidade o e a m´dia ´ zero. Para obter mais informa¸˜es sobre o que o el´tron faz no estado e e co e fundamental do ´tomo de hidrogˆnio, vamos calcular sua energia cin´tica a e e m´dia. Ela ´ dada por: e e h2 ¯ p2 =− 2m 2m =− h ¯ 2m
2 ∞ 0

dqψ100 (q)∇2 ψ100 (q) = sin θdθY00 (θ, φ) 
 

(380) ˆ2 l  − 2  R10 (r) r

drr 2 R10 (r)

2π 0

π 0

1 ∂ ∂ r2 2 ∂r r ∂r

(381)

h2 ¯ = − 2m h ¯ 4 2m h2 ¯ = 4 2m =
2

∞ 0

drR10 (r)
4 0 4 ∞

d dR10 r2 dr dr Zr a0 2r exp − 2Zr a0 Zr Z Zr − r 2 exp − a0 a0 a0 Z ∞ 2Zr − drr 2 exp − a0 0 a0

Z a0 Z a0

dr exp −

2

0

drr exp −

Usando as integrais
∞ 0

drr 2 exp − drr exp −

2Zr a0

=

a3 0 4Z 3 a2 0 4Z 2

e
0

2Zr a0

=

obtemos o resultado, para Z = 1, p2 h2 ¯ = 2m 2ma2 0 (382)

Logo, o el´tron n˜o est´ parado. E nem poderia: se tivesse momento e a a perfeitamente definido (no caso, nulo), sua posi¸˜o teria de ser totalmente ca indefinida, pelo princ´ ıpio da incerteza. Como a incerteza na posi¸˜o ´ da ca e ordem de a0 e, da Eq.(382), vemos que a incerteza no momento ´ da ordem e h ¯ de a0 , vemos que o produto das incerteza ´ da ordem de h. Ou seja, o e ¯ el´tron tem o m´ e ınimo movimento exigido pelo princ´ ıpio de incerteza. Est´ a t˜o parado quanto ´ poss´ a e ıvel! 85

18.4

Exerc´ ıcios

1. Os estados estacion´rios do ´tomo de Hidrogˆnio s˜o denotados por a a e a ψnlm (r, θ, φ). A seguinte superposi¸˜o: ca ψ(r, θ, φ) = a1 ψn1 l1 m1 (r, θ, φ) + a2 ψn2 l2 ,m2 (r, θ, φ) com n1 = n2 , l1 = l2 , m1 = m2 , ´ um estado do Hidrogˆnio, que n˜o ´ um e e a e 2 ˆ estado estacion´rio, e n˜o ´ autofun¸˜o nem de l nem de ˆz . Dentro deste a a e ca l estilo, construa 2 ˆ ˆ (a) Um estado do Hidrogˆnio que seja autofun¸˜o simultanea de H e l , mas e ca n˜o de ˆz . a l ˆ l (b) Um estado do Hidrogˆnio que seja autofun¸˜o simultˆnea de H e ˆz , mas e ca a 2 ˆ n˜o de l . a

2. Uma part´ ıcula livre executa movimento unidimensional ao longo do eixo x, e sua fun¸˜o de onda em t = 0 ´ ca e Ψ(x, 0) = Ae−ax eilx onde l ´ uma constante real. Determine Ψ(x, t). e
2

3.(a) Um sistema f´ ısico ´ descrito por um hamiltoniano e p2 ˆ ˆ H= + O2 2m ˆ e onde O ´ hermiteano. Mostre que ˆ ´ hermiteano, e que se um operador ´ pe e hermiteano, seu quadrado tamb´m ´. Finalmente, mostre que os autovalores e e da energia do sistema s˜o positivos ou nulos. a ´ (b) E poss´ ıvel um operador ser ao mesmo tempo unit´rio e hermiteano? a Exemplo! ˆˆ ˆ ˆ (c) Demonstre que (AB)+ = B + A+ . ˆ e B s˜o hermiteanos, 1 [A, B] tamb´m ´. ˆ a ˆ ˆ (d) Demonstre que, se A e e i ˆ ˆ dO dB d ˆ ˆ (e) Sejam dt e dt nulos. Mostre que dt [O, B] = ˆ onde ˆ o operador “zero”, 0, 0, ´ tal que, qualquer que seja a fun¸˜o de onda ψ(r), e ca ˆ =0 0ψ Sugest˜o: identidade de Jacobi. a

86

4.(a) Determine r e r 2 para o el´tron no estado fundamental do ´tomo de e a hidrogˆnio. Expresse suas respostas em termos do raio de Bohr a0 . Detere mine tamb´m a0 , que ´ o raio da “´rbita de Bohr” do estado de mais baixa e e o energia , no modelo de Bohr. (b)Determine x e x2 no estado fundamental sem calcular mais integrais, usando o resultado anterior e as simetrias do estado fundamental. (c) Determine x2 no estado (n, l, m) = (2, 1, 1). Note que este estado n˜o a ´ sim´trico em x, y, z. e e 5. Qual ´ a probabilidade P de que um el´tron no estado fundamental do e e ´tomo de hidrogˆnio seja encontrado dentro do n´cleo? a e u (a)Primeiro calcule a resposta exata. Denote o raio do n´ cleo por b. u (b) Expanda o seu resultado como uma s´rie de potˆncias no n´ mero pequeno e e u 2b ǫ = a0 , e mostre que o termo de ordem mais baixa ´ c´ bico: P ≈ (4/3)(b/a0 )3 . e u Este termo deveria j´ ser uma boa aproxima¸˜o, pois b ≪ a0 . a ca (c) Alternativamente, poder´ ıamos pensar que a fun¸˜o de onda do el´tron ´ ca e e essencialmente constante sobre o pequeno volume do n´ cleo, de modo que u 3 2 P ≈ (4/3)πb |ψ(0)| . Verifique que o resultado ´ efetivamente bom. e (d) Use b ≈ 10−13 cm e a0 ≈ 0.5 × 10−8 cm para uma estimativa num´rica e de P . Grosso modo, isto representa a fra¸˜o do tempo em que o el´tron se ca e encontra dentro do n´ cleo. u 6. Estime, a partir do princ´ ıpio de incerteza, quanto tempo um l´pis pode a ficar em equil´ ıbrio vertical sobre a sua ponta. 7. Uma bola perfeitamente el´stica, localizada entre duas paredes paralea las, move-se perpendicularmente a elas, sendo refletida de uma para outra. Perfeitamente el´stica quer dizer que a energia cin´tica n˜o se altera.. Usa e a ando a mecˆnica cl´ssica, calcule a varia¸˜o da energia da bola se as paredes a a ca passam a se aproximar, lenta e uniformemente, uma da outra. Mostre que esta varia¸˜o de energia ´ exatamente o que se obt´m na mecˆnica quˆntica ca e e a a se o n´ mero quˆntico principal n da bola permanece constante. u a

19

A nota¸˜o de Dirac ca

Neste nosso tratamento elementar de mecˆnica quˆntica, consideraremos o a a simbolismo introduzido por Dirac, que tem um significado matem´tico n˜oa a trivial, como uma nota¸˜o. Para fazer total justi¸a ao m´todo, o leitor faria ca c e bem em consultar a obra original de Dirac [1] . Para uma apresenta¸˜o mais ca adaptada ` linguagem matem´tica contemporˆnea, veja [2]. a a a 87

Um vetor do espa¸o dos estados ´ descrito por um s´ c e ımbolo | , que se pronuncia ket . Um elemento do dual desse espa¸o ´ denotado por |, e c e denominado bra. O produto escalar dos estados |a e |b ´ denotado por e b|a , e se trata de um bra(c)ket , justificando os nomes. ˆ Seja O um operador. Denotaremos por |o seus autoestados, de modo que ˆ O|o = o|o onde os n´ meros o s˜o os autovalores . u a Os autoestados do operador de posi¸˜o ca ˆ ˆ x = xi + y j + z k ˆ ˆ s˜o denotados por |x . O s´ a ımbolo x|o descreve o estado |o na representa¸˜o ca das coordenadas: x|o = ψo (x) Alguns exemplos:
ˆ O hamiltoniano H tem seus autoestados, |n , e autovalores , En , ligados pela rela¸˜o ca ˆ H|n = En |n A condi¸˜o de ortonormalidade desses autoestados ´ escrita ca e n′ |n = δnn′ ˆ2 Os autoestados comuns a l e ˆz s˜o denotados por |lm , e as seguintes equa¸˜es s˜o l a co a satisfeitas: ˆ2 l |lm ˆz |lm l = l(l + 1)|lm = m|lm

Seja uma base do espa¸o dos estados formada pelos kets |n , |n′ , |n′′ , c ˆ ˆ etc. e seja O um operador. Ent˜o, os elementos de matriz de O nessa base a ser˜o os n´ meros complexos a u ˆ n′ |O|n Note-se que: a|b ˆ a|O|b = ( b|a )∗ ˆ = ( b|O + |a )∗

Muito importante na nota¸˜o de Dirac ´ uma classe de operadores que se ca e escrevem assim: |a b| 88

e s˜o definidos pela sua a¸˜o sobre um kets arbitr´rio | : a ca a |a b|(| ) = b| |a Sejam |n autoestados de um operador hermiteano. Ent˜o, a rela¸˜o de a ca completude se escreve |n n| = ˆ 1
n

Quando o espectro ´ cont´ e ınuo, por exemplo, no caso do operador de posi¸˜o, ca a soma ´ substitu´ por uma integral: e ıda dx |x x| = ˆ 1 O principal uso dessas representa¸˜es do operador ˆ ´ o seguinte: seja n|n′ co 1e um produto escalar. Ent˜o, a n|n′ = n|ˆ ′ = n| 1|n e, como x|n = ψn (x), n|n′ =
∗ dxψn (x)ψn′ (x)

dx|x x| |n′

mostrando que efetivamente se trata do produto escalar anteriormente introˆ ˆ ˆˆ duzido. Considere os operadores A e B e o seu produto, AB. Seja |n uma base. Os elementos de matriz do operador produto nessa base s˜o a ˆˆ n|AB|n′ = =
n′′

ˆ n|A
n′′

ˆ |n′′ n′′ | B|n′

ˆ ˆ n|A|n′′ n′′ |B|n′

que exibe a express˜o correta para o produto cl´ssico de matrizes. a a Seja |n um estado qualquer. Sua fun¸˜o de onda na representa¸˜o das ca ca coordenadas ´, como vimos, e ψn (x) = x|n Sejam |p os autoestados do momento , e dp |p p| = ˆ 1 sua rela¸˜o de completude. Ent˜o, a fun¸˜o de onda de |n na representa¸˜o ca a ca ca do momento ´ e p|n = dx p|x x|n 89

que pode ser escrita ψn (p) = dx p|x ψn (x) Daqui, por compara¸˜o com um resultado anterior pode-se inferir que ca p|x = 1 i exp p.x 3/2 (2π¯ ) h h ¯ (383)

Uma dedu¸˜o direta deste resultado ´ a seguinte: ca e p|ˆ|x p = p p|x d = −i¯ h p|x dx

Igualando os dois segundos membros, temos −i¯ h ou d p|x = p p|x dx

d p|x i = pdx p|x h ¯
¯ p|x = Ae h px i

de onde segue que Para determinar A, note-se que p|x x|p′ = |A|2 exp e, integrando em x, dx p|x x|p′ = |A|2 Mas dx p|x x|p′ = p|p′ = δ(p − p′ ) Logo, δ(p − p′ ) = |A|2 2πδ( Logo, A= √ e p|x = √ que ´ a vers˜o unidimensional da Eq.(383). e a p p′ − ) = |A|2 2π¯ δ(p − p′ ) h h ¯ h ¯ 1 2π¯ h
¯ e h px i

i (p − p′ )x h ¯

dx exp

i (p − p′ )x h ¯

1 2π¯ h

90

20

O Spin

Para introduzir o spin vamos apresentar um tratamento mais geral do momento angular. No tratamento anterior, t´ ınhamos obtido que os autovalores ˆz deviam ser n´ meros inteiros, sob o argumento de que as autofun¸˜es m de l u co ˆz , de l 1 ψm (φ) = √ eimφ 2π deviam ser peri´dicas, de per´ o ıodo 2π, na vari´vel φ. Este argumento n˜o ´ a a e rigoroso, pois a fun¸˜o de onda ´ determinada a menos de uma fase. Reca e tomaremos o problema agora. Descobriremos que h´ novas possibilidades a para os valores de m e l. Para comodidade do leitor, repetiremos aqui alguns dos resultados que obtivemos anteriormente para o momento angular.
2 ˆ+ ˆ− = ˆ − ˆ2 + ˆz l l l lz l 2 ˆ− ˆ+ = ˆ − ˆ2 − ˆz l l l lz l

(384) (385)

ˆ2 Da rela¸˜o l − ˆz = ˆx + ˆy conclu´ ca l2 l2 l2 ımos que existe um valor m´ximo para a ˆ2 o autovalor de ˆz . Seja l este valor m´ximo, e ψl a autofun¸˜o comum a l e l a ca ˆz correspondente. Temos l ˆ+ ψl = 0 l Logo, Usando (385), ˆ2 ˆ2 ˆ l − lz − lz ψl = 0 ou ˆ2 l ψl = l(l + 1)ψl ˆ− ˆ+ ψl = 0 l l

ˆ2 Conclui-se que o autovalor de l para a autofun¸˜o ψl ´ l(l + 1), onde l ´ o ca e e m´ximo valor poss´ para m. Pasaremos a denotar por ψlm as autofun¸˜es a ıvel co ˆ2 ˆ comuns a l e lz . Vamos determinar agora o menor valor poss´ para m. ıvel ˆ2 ˆ Em primeiro lugar, do fato de que [l , l− ] = 0, segue que ˆ2 ˆ ˆ2 l l− ψlm = ˆ− l ψlm = l(l + 1) ˆ− ψlm l l 91

ˆ2 ou seja, o autovalor de l ´ o mesmo para todos os ψlm , com l fixo. e Seja B o m´ ınimo valor de m. Ent˜o a ˆ− ψlB = 0 l ˆ+ ˆ− ψlB = 0 l l

ˆ2 ˆ2 ˆ l − lz + lz ψlB = = 0 l(l + 1)ψlB = (B 2 − B)ψlB l(l + 1) − B 2 + B = 0 (l + B)(l − B + 1) = 0 Esta ultima tem duas solu¸˜es, B = l + 1, que ´ imposs´ ´ co e ıvel, pois o m´ximo a valor de m ´ l, e B = −l, que ´ o valor correto. Ent˜o, m est´ no intervalo e e a a −l ≤ m ≤ l, e seus valores sucessivos diferem de uma unidade: h´, portanto, a 2l + 1 valores de m, para l dado. Em conseq¨ˆncia, 2l + 1 deve ser um ue n´ mero inteiro, e temos duas possibilidades:(a)l ´ inteiro, que ´ o caso que u e e j´ hav´ a ıamos estudado. Costuma-se chamar esses momento s angulares de momento angular orbital. (b) l ´ um ´ e ımpar dividido por dois (semi-inteiro, na g´ dos f´ ıria ısicos). Este tipo de momento angular ´ denominado spin. e Temos, ent˜o, spins l = 1/2, l = 3/2, etc. a

Na verdade essa nomenclatura n˜o ´ a usada na pr´tica, embora seja a prefer´ a e a ıvel, do ponto de vista da matem´tica. Chama-se spin de um sistema o momento angular desse sistema a quando em repouso. Um el´tron em repouso tem momento angular tal que l = 1/2, um e pion em repouso tem momento angular tal que l = 0, e h´ mesons, ditos vetoriais, com a ´ momento angular em repouso tal que l = 1. E costume, por abuso de linguagem, dizer que essas part´ ıculas tˆm spin 1/2, spin 0, spin 1, etc. e

20.1

Elementos de matriz

O caso mais importante do spin ´ aquele em que l = 1/2. Neste caso, m e s´ pode ter os valores +1/2 e −1/2, e ´ conveniente tratar os operadores o e de momento angular utilizando suas representa¸˜es matriciais. Para tanto, co vamos determinar os elementos de matriz dos operadores ˆx , ˆy e ˆz . Temos, l l l usando a nota¸˜o de Dirac, ca ˆ2 lm|l |lm = l(l + 1) e, como ˆ2 ˆ ˆ l = l+ l− + ˆz − ˆz , l2 l 92 (386)

Como todos esses elementos de matriz contˆm o mesmo valor de l, podemos e omitir este ´ ındice, ou seja, podemos abreviar a nota¸˜o para: ca m|ˆz |m ≡ lm|ˆz |lm l l etc. ˆ2 Obviamente m|ˆz |m = m, m|ˆz |m = m2 e m|l |m = l(l + 1). Logo, l l2 m|ˆ+ ˆ− |m = l(l + 1) − m2 + m l l ou m|ˆ+ ˆ− |m = (l + m)(l − m + 1) l l ˆ A completude dos autoestados de lz permite escrever
m′

ˆ2 lm|l |lm = lm|ˆ+ ˆ− |lm + lm|ˆz |lm − lm|ˆz |lm l l l2 l

(387) (388)

|m′ m′ | = ˆ 1

que, inserida em (388), d´ a
m′

m|ˆ+ |m′ m′ |ˆ− |m = (l + m)(l − m + 1) l l

(389)

e sabemos que m|ˆ+ |m′ s´ ´ diferente de zero se m′ for igual a m − 1. Logo, l oe (389) se escreve m|ˆ+ |m − 1 m − 1|ˆ− |m = (l + m)(l − m + 1) l l Al´m disso, ˆ− = ˆ+ e e l+ l m − 1|ˆ− |m = l m|ˆ− |m − 1 l+

(390)

=

m|ˆ+ |m − 1 l

,

o que permite escrever, de (390), | m|ˆ+ |m − 1 |2 = (l + m)(l − m + 1) . l Da´ tiramos que ı m|ˆ+ |m − 1 = eiα (l + m)(l − m + 1) . l (392) (391)

A escolha de α est´ ligada ` defini¸˜o precisa dos harmˆnicos esf´ricos Ylm (θ, φ). a a ca o e Para a escolha feita anteriormente, Eq.(329), deve-se escolher α = 0. Logo, m|ˆ+ |m − 1 = l (l + m)(l − m + 1) 93 (393)

e, como m − 1|ˆ− |m = ( m|ˆ+ |m − 1 )∗ , temos l l m − 1|ˆ− |m = l (l + m)(l − m + 1) . (394)

Estes s˜o os unicos elementos de matriz n˜o-nulos, de ˆ+ e ˆ− . A partir deles, a ´ a l l podemos construir os elementos de matriz de ˆx e ˆy , pois l l ˆx = 1 ˆ+ + ˆ− l l l 2 1 ˆ ˆ ly = l+ − ˆ− l 2i De fato, m|ˆx |m − 1 l = 1 1 m|ˆ+ |m − 1 + m|ˆ− |m − 1 l l 2 2 1 1 (l + m)(l − m + 1) = m|ˆ+ |m − 1 = l 2 2

(395) (396)

(397) (398)

m|ˆx |m − 1 = m|ˆx |m − 1 l l

=

1 (l + m)(l − m + 1) 2

Assim, os elementos de matriz de ˆx que n˜o s˜o nulos s˜o l a a a 1 m|ˆx |m − 1 = m − 1|ˆx |m = l l (l + m)(l − m + 1) 2 (399)

Por um c´lculo an´logo obtˆm-se os elementos de matriz n˜o-nulos de ˆy : a a e a l i m|ˆy |m − 1 = − m − 1|ˆy |m = − l l (l + m)(l − m + 1) 2 (400)

Usando as express˜es obtidas para os elementos de matriz, vamos construir o as matrizes que representam os operadores ˆx , ˆy e ˆz . Para este ultimo, temos l l l ´ que os elementos de matriz n˜o-nulos s˜o: a a 1/2|ˆz |1/2 l −1/2|ˆz | − 1/2 l = 1 2 (401) 1 2 (402)

= −

Os valores poss´ ıveis de m sendo +1/2 e -1/2, as matrizes ter˜o a forma a gen´rica: e a1,1 a 1 ,− 1 2 2 2 2 (403) a− 1 , 1 a− 1 ,− 1
2 2 2 2

94

onde ai,j = i|a|j . Para ˆz , portanto, l ˆz = l 0 0 −1 2
1 2

=

1 2

1 0 0 −1

1 = σz 2

(404)

onde introduzimos a matriz σz = 1 0 0 −1 (405)

que ´ uma das matrizes de Pauli, que ser˜o muito utilizadas no que segue. e a Verifica-se facilmente que ˆy = l = 1/2|ly |1/2 −1/2|ly |1/2 1/2|ly | − 1/2 −1/2|ly | − 1/2 =
i 0 −2 i 0 2

(406) (407) (408)

1 0 −i 0 2 i 1 σy = 2

onde introduzimos a matriz de Pauli σy , σy = Por um c´lculo an´logo chega-se a a a ˆx = 1 l 2 Temos, portanto, 0 1 1 0 1 = σz 2 (410) 0 −i i 0 (409)

ˆi = 1 σi l (411) 2 para i = 1, 2, 3, sendo (1, 2, 3) = (x, y, z), como de costume. As matrizes de Pauli s˜o a σx = σy = σz = 0 1 1 0 0 −i i 0 1 0 0 −1 95 (412) (413) (414)

Representa¸˜es matriciais de operadores s˜o sempre em rela¸˜o a uma base. co a ca Qual ´ a base usada nas representa¸˜es matriciais acima? Para descobri-la, e co basta notar que a matriz que representa ˆz ´ diagonal. Logo, a base ´ a dos l e e ˆ . Explicitamente, temos autoestados de lz 0
1 2 1 2

0 −1 2

1 0 0 1

=

1 2 1 2

1 0 0 1

(415) (416)

0 0 −1 2

= −

Desta rela¸˜o vemos que os autoestados de ˆz s˜o representados pelas maca l a 1 0 trizes coluna e , que formam uma base das matrizes coluna 0 1 a , com a e b arbitr´rios. Resta especificar o produto escalar de dois a b estados quaisquer, em termos de suas representa¸˜es matriciais. Verifica-se co a c facilmente que o produto escalar de por ´ dado por e b d (a∗ , b∗ ) c d = a∗ c + b∗ d (417) 1 0

De fato, em termos deste produto escalar, os elementos da base, 0 1 s˜o ortonormais, o que prova a quest˜o. a a

e

20.2

As matrizes de Pauli
0 1 1 0 0 −i i 0 1 0 0 −1

As matrizes σx = σy = σz = (418) (419) (420)

tˆm propriedades especiais que facilitam o c´lculo das propriedades dos ese a tados de spin 1/2. P1: T r(σx ) = T r(σy ) = T r(σz ) = 0. (Imediata). 96

P2: σx , σy , σz s˜o hermiteanas. (Imediata) a 2 2 2 P3: σx = σy = σz = 1, onde 1= 1 0 0 1

P4:σa σb = δab 1 + iǫabc σc , cuja demonstra¸˜o ´ um exerc´ ca e ıcio simples. Esta propriedade sintetiza a P3 e as seguintes rela¸˜es: co σx σy σz σx σy σz σx σy = = = = iσz iσy iσx −σy σx (421) (422) (423) (424)

e assim por diante. ´ E conveniente introduzir a nota¸˜o ca σ ≡ (σx , σy , σz ) que descreve as σi como componentes de um “vetor” denotado por σ. Usando esta conven¸˜o se escreve, por exemplo, se a for um vetor ordin´rio, ca a σ.a = ax σx + ay σy + a + zσz ou seja, σ.a ´ uma matriz 2x2. Podemos ent˜o enunciar a e a P5:(σ.a)(σ.b) = a.b + iσ.(a × b), onde o termo entre parˆnteses ´ o produto e e vetorial ordin´rio. Demonstra¸˜o: a ca
σl al σm bm = al bm σl σm = al bm (δlm + iǫlmn σn ) = a.b + iσn ǫnlm al bm = a.b + iσ.(a × b)

Teorema: Seja A uma matriz 2x2 complexa qualquer. Ent˜o existem n´ meros a u λ0 , λx , λy e λz tais que A = λ0 1 + λx σx + λy σy + λz σz (425)

Estes n´ meros s˜o unicos. Ou seja, 1, σx , σy e σz s˜o uma base do espa¸o u a ´ a c vetorial das matrizes 2x2 complexas. A demonstra¸˜o consiste em exibir esses n´ meros. Suponhamos o problema ca u resolvido, isto ´: e
A = λ0 1 + λx σx + λy σy + λz σz Tomando o tra¸o termo a termo, temos: c T r(A) = λ0 T r(1) + λx T r(σx ) + λy T r(σy ) + λz T r(σz ) (427) (426)

97

onde usamos T r(λA) = λT r(A), para qualquer n´ mero λ e qualquer matriz A, temos, levando em conta a P1, u T r(A) = λ0 T r(1) = 2λ0 ou λ0 = (428)

1 2

T r(A)

(429)

Para calcular λx procedemos assim: multiplicamos (426) termo a termo, a esquerda, por σx , obtendo: ` σx A = λ0 σx + λx 1 + λy σx σy + λz σx σz (430)

Ora, os produtos σi σj com i = j, s˜o matrizes de tra¸o nulo. Logo, tomando, termo a termo, o tra¸o de (430), temos a c c T r(σx A) = λx T r(1) = 2λx Ou, λx = e, procedendo analogamente, λi = 1 2 T rσi A) (433) 1 2 T r(σx A) (432) (431)

Demonstra-se facilmente, usando este m´odo, que 1 e as trˆs matrizes de Pauli s˜o linearmente independentes. Al´m t e a e disso, o espa¸o vetorial das matrizes 2x2 complexas tem dimens˜o 4. Logo, o conjunto considerado ´ uma base, e portanto c a e os coeficientes calculados acima s˜o unicos. a ´

20.3

Intera¸˜o Eletromagn´tica: Formalismo Hamiltoca e niano

O problema que estudaremos aqui ´ o seguinte: uma part´ e ıcula de massa m e carga q est´ sob a¸˜o de um campo eletromagn´tico descrito por E e B. a ca e Determinar o Hamiltoniano da part´ ıcula. N˜o fosse pelo campo eletromagn´tico, o Hamiltoniano seria o de uma a e part´ ıcula livre, p2 . H= 2m A for¸a que age sobre uma part´ c ıcula de carga q, devida aos campos el´trico e e magn´tico, ´ (for¸a de Lorentz): e e c F = q(E + Em termos dos potenciais, temos, E = −∇φ − B = rotA Logo, 1 ∂A F = q{−∇φ − [ − v × rot A]} c ∂t 98 1 ∂A c ∂t v × B) c

Como ´ bem sabido,22 e dA ∂A = + (v.∇)A . dt ∂t Como v × rot A = ∇(v.A) − (v.∇)A, temos 1 dA F = q{−∇φ − [ − (v.∇)A − ∇(v.A) + (v.∇)A]} c dt 1 dA = q{−∇φ − [ − ∇(v.A)]} c dt ou seja, 1 1 dA F = q[−∇(φ − v.A) − ]. c c dt Seja U = q(φ − 1 v.A). Vamos mostrar que a lagrangeana c q L = T − U = T − qφ + v.A c (436) (435)

(434)

descreve o movimento de uma part´ ıcula sob a a¸˜o da for¸a F . Aqui, como ca c de costume, T representa a energia cin´tica. De fato, e ∂φ ∂ q ∂L = −q + ( v.A) ∂x ∂x ∂x c ∂L ∂L ∂T q ≡ = + Ax ∂x ˙ ∂vx ∂vx c d ∂L d ∂T q dAx = ( )+ dt ∂vx dt ∂vx c dt Logo, a equa¸˜o de Lagrange, ca −q
22

∂L ∂x

d ∂L dt ∂vx

= 0, d´ a

∂φ ∂ q d ∂T q dAx + ( v.A) = ( )+ ∂x ∂x c dt ∂vx c dt

No caso improv´vel de isto n˜o ser bem sabido por um aluno do CCM, a´ vai: a a ı dA ∂ A ∂ A dx = + + ... dt ∂t ∂x dt

ou seja, ∂A ∂ dA = + (vx + . . .)A dt ∂t ∂x etc.

99

de modo que d ∂T 1 1 dA ( ) = q{−∇(φ − v.A) − }x dt ∂vx c c dt Mas ∂T ∂ 1 2 = ( mv ) = mvx ∂vx ∂vx 2 d ∂T ˙ ( ) = (mv)x . dt ∂vx 1 1 dA ˙ mv = q{−∇(φ − v.A) − } c c dt (437)

de maneira que

Logo,

Conclus˜o: L = T −qφ+ q v.A. Passemos agora ` constru¸˜o do hamiltoniano. a a ca c pi = ∂L ∂T q ∂ = + (v.A) ∂ qi ˙ ∂ qi c ∂ qi ˙ ˙ ∂ (v.A) = Ai ∂ qi ˙ e, ent˜o, a pi = ∂T q + Ai ∂ qi c ˙

Precisamos agora de uma propriedade importante das fun¸˜es homogˆneas, co e o teorema de Euler (ver Apˆndice): e qi ˙
i

∂T = 2T ∂ qi ˙

Vamos us´-lo para calcular o Hamiltoniano H: a H = ∂T q q + Ai ) − T + qφ − v.A ∂ qi c ˙ c i q q = 2T + v.A − T + qφ − v.A c c qi ( ˙ H = T + qφ Ora, pi =
∂T ∂ qi ˙

(438)

ou seja, (439) Logo, + q Ai = mv + q A, pois T = c c
mv2 . 2

q mv = p − A c 100

e, finalmente,

1 q (p − A)2 + qφ 2m c Em palavras, no Hamiltoniano livre H= H= 1 2 p 2m

(440)

e ca ınima, substituo p por p− q A, e adiciono qφ. Esta ´ a chamada substitui¸˜o m´ c ou acoplamento m´ ınimo. Se o hamiltoniano for mais geral, do tipo H= 1 2 p + V (r) 2m

onde V (r) ´ a energia potencial, a mesma regra vale. Adicione-se qΦ e e substitua-se p por p − q A. Se houver v´rias part´ a ıculas, de momento s pi , c fa¸a-se a mesma substitui¸˜o para cada pi , adicionando-se termos de energia c ca potencial qi φ para cada part´ ıcula. Essas generaliza¸˜es s˜o f´ceis de demonco a a strar, seguindo exatamente o padr˜o do caso de uma part´ a ıcula livre.

101

20.3.1

Apˆndice: O teorema de Euler e

Uma fun¸˜o f (x1 , x2 , ..., xn ) ´ dita homogˆnea de grau k se ca e e f (λx1 , λx2 , ..., λxn ) = λk f (x1 , x2 , ..., xn ) (441)

Por exemplo, f (x, y) = xy ´ homogˆnea de grau 2;f (x, y, z) = x2 y + 3z 2 x + e e 5xyz ´ homogˆnea de grau 3. e e O teorema de Euler diz que, se f ´ uma fun¸˜o homogˆnea de grau k, e ca e ent˜o a ∂f (442) xi = kf ∂xi i A demonstra¸˜o ´ muito simples. Derive a Eq. 441 em rela¸˜o a λ, e depois ca e ca tome λ = 1.

20.4
Seja

Acoplamento do spin com o campo magn´tico e
(443)

p2 ˆ H= + V (r) 2m o hamiltoniano de uma part´ ıcula de spin 1/2 e carga e. Note-se que (σ.p)(σ.p) = p.p + iσ.(p × p) = p.p de maneira que o hamiltoniano acima pode tamb´m ser escrito e (σ.p)(σ.p) ˆ + V (r) H= 2m

(444)

(445)

O acoplamento m´ ınimo, estudado no par´grafo anterior, consiste na substia e tui¸˜o de p por p − c A, onde A ´ o potencial vetor do campo eletromagn´tico ca e e que age sobre a pert´ ıcula. Ora, se se realiza essa substitui¸˜o em (443) ou ca em (445), obtˆm-se resultados diferentes. Verifica-se que os resultados corree tos s˜o obtidos usando-se o hamiltoniano em (445). Fica claro neste ponto, a ent˜o, que o acoplamento do spin com o campo eletromagn´tico que vamos a e ´ s´ quando se utiliza a equa¸˜o de introduzir tem um car´ter emp´ a ırico. E o ca Dirac para descrever o spin do el´tron que se obt´m, diretamente da teoria e e e sem a necessidade de fazer escolhas, um acoplamento definido (que corresponde `quele que, aqui, foi escolhido por raz˜es emp´ a o ıricas). Devemos, ent˜o, descrever as intera¸˜es eletromagn´ticas da part´ a co e ıcula usando o hamiltoniano 1 ˆ Hem = 2m e σ. p − A c e σ. p − A c 102 + V (r) + eφ (446)

Como estamos interessados no campo magn´tico, vamos ignorar o ultimo e ´ e e termo. Consideremos o termo σ. p − c A . σ. p − c A . Temos e . σ. p − A = c e e (σ.p)(σ.p) − (σ.p)(σ.A) − (σ.A)(σ.p) + c c e2 (σ.A)(σ.A) = c2 e e p2 − p.A + iσ.(p × A) − (A.p) + iσ.(A × p) + c c e2 A.A c2 e σ. p − A c

= + = + Mas,

(447)

(p.A) + (A.p) ψ = −i¯ ∇.(Aψ) − i¯ A.∇ψ h h = −i¯ (∇.A)ψ − i¯ A.∇ψ − i¯ A.∇ψ h h h Escolhendo o gauge em que ∇.A = 0, temos (p.A) + (A.p) ψ = −2i¯ A.∇ψ h ou, (p.A) + (A.p) = 2A.p Temos ainda σ. p × A + A × p ψ = = σ. −i¯ ∇ × (Aψ) + A × (−i¯ ∇ψ) h h = σ. −i¯ (rotA)ψ − A × ∇ψ − i¯ A × ∇ψ h h = −i¯ σ. Bψ h = −i¯ σ.Bψ h Reunindo tudo, temos e σ. p − A c e σ. p − A c e e¯ h e2 = p2 − 2 A.p − σ.B + 2 A2 c c c (452) (451) (450) (449) (448)

ˆ e O hamiltoniano Hem ´ obtido dividindo isso por 2m: p2 e he ¯ ˆ Hem = − A.p − σ.B 2m mc 2mc 103 (453)

Para o caso de um campo uniforme, temos 1 A = (B × r) 2 como o leitor verificar´ facilmente. Resulta ent˜o que a a p2 e he ¯ ˆ Hem = − B.(r × p) − σ.B 2m 2mc 2mc Finalmente, usando L = r × p e s = h σ , temos ¯2 p2 e e ˆ Hem = − L.B − s.B 2m 2mc mc
2

(454)

(455)

(456)

H´ ainda, ´ claro, o termo e2 A2 , que omitimos porque, no tratamento pera e c turbativo, representa uma corre¸˜o de ordem superior `s que usualmente se ca a calcula.

21

As desigualdades de Heisenberg

Nesta se¸˜o vamos apresentar um tratamento formal do princ´ ca ıpio da incerteza, e deduzir as famosas desigualdades de Heisenberg. A mais famosa delas ´: e (457) ∆pi ∆qj ≥ hδij ¯ Em todo espa¸o dotado de um produto escalar, vale a desigualdade de c Cauchy-Schwartz, que diz que |(ψ, φ)|2 ≤ |ψ|2 |φ|2 ou, mais explicitamente, dqψ ∗ (q)φ(q)
2

(458)

dqψ ∗ (q)ψ(q)

dq ′ φ∗ (q ′ )φ(q ′ )

(459)

ˆ Seja O um operador hermiteano, e ψ um estado do sistema. Considere o operador ˆ ˆ 1 O− O ˆ onde ˆ ˆ O = (ψ, Oψ) = ˆ dqψ ∗ (q)Oψ(q)

ˆ Chama-se desvio padr˜o de O no estado ψ o n´ mero a u ˆ ˆ (∆O)2 = (O − O )2 104 (460)

ˆ ˆ Entre os f´ ısicos, ∆O ´ denominada incerteza de O no estado ψ. Sejam A e e ˆ B operadores hermiteanos, e ˆ ψA = (A − ˆ ψB = (B − dois estados. ´ E imediato verificar que (∆A)2 = (ψA , ψA ) (∆B)2 = (ψB , ψB ) Pela desigualdade de Cauchy-Schwartz, temos ψA
2

ˆ A )ψ ˆ B )ψ

(461) (462)

(463) (464)

ψB

2

≥ |(ψA , ψB )|2 1 (z − z ∗ ) 2i
2 2

(465)

Por outro lado, para qualquer complexo z, temos |z|2 = (ℑ(z))2 + (ℜ(z))2 ≥ (ℑ(z))2 = Logo, |(ψA , ψB )|2 ≥ Ora, 1 [(ψA , ψB ) − (ψB , ψA )] 2i

ˆ ˆ ˆ ˆ (ψA , ψB ) = (A − A )ψ, (B − B )ψ ˆˆ ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ = (ψ, ABψ) − B (ψ, Aψ) − A(ψ, Bψ) + A B ˆ ˆ (ψA , ψB ) − (ψB , ψA ) = ψ, [A, B]ψ (466)

Segue imediatamente que

e, da Eq.(465), que ψA
2

ψB

2

1 ˆ ˆ [A, B] 2i 1 ˆ ˆ [A, B] 2i

2

(467)

ou, em nota¸˜o mais familiar, ca (∆A)2 (∆B)2 ≥
2

(468)

que s˜o as rela¸˜es de incerteza de Heisenberg. a co ˆ ˆ ˆ ˆ Exemplo: seja A = px , e B = x. Ent˜o, a (∆px )2 (∆x)2 ≥ 105 1 −i¯ h 2i
2

h2 ¯ (∆px ) (∆x) ≥ 4
2 2

e, finalmente, ∆px ∆x ≥

h ¯ 2

Exerc´ ıcio: determine ∆px e ∆x para o estado fundamental do ´tomo de hidrogˆnio. a e Mostre que: h ¯ (a) ∆px = √3a . √ 0 (b)∆x = 2a0 . 2 (c) ∆px ∆x = 3 ¯ h (d) Conclua que o movimento do el´tron ´ ≈ o m´ e e ınimo poss´ compat´ com as rela¸˜es ıvel ıvel co de incerteza.

21.1

A rela¸˜o de incerteza energia x tempo ca

A rela¸˜o de incerteza energia -tempo ´ de natureza fundamentalmente diferca e ente daquela da rela¸˜o de incerteza posi¸˜o-momento . Enquanto esta ca ca ultima ´ conseq¨ˆncia do fato de que os operadores ˆx e x n˜o comutam, ´ e ue p ˆ a isto n˜o acontece no caso da energia -tempo: nem mesmo existe um opera ador “tempo” na mecˆnica quˆntica. O tempo que aparece na equa¸˜o de a a ca Schroedinger ´ o tempo marcado por qualquer rel´gio, e pode ser determie o nado, em qualquer caso, com precis˜o arbitr´ria. O fato b´sico na obten¸˜o a a a ca da desigualdade ∆E∆t ≥ h ¯ (469) ´ o seguinte: devido ` rela¸˜o de Planck, E = hν, onde ν ´ uma freq¨ˆncia, e a ca e ue temos, na mecˆnica quˆntica, que uma medida da energia ´ sempre a a e uma medida de freq¨ˆncia(Bohr). ue A rela¸˜o de incerteza 469 deve ser interpretada assim: uma medida ca perfeita da energia de um sistema (∆E = 0) leva um tempo infinito (∆t ≥ h ¯ ). A express˜o 469 ensina quanto deve durar, no m´ a ınimo, o processo de ∆E medida (a dura¸˜o ´ ∆t) para que a precis˜o obtida seja ∆E. ca e a Para obter 469, consideremos o processo de determinar a freq¨ˆncia de ue uma onda. Matematicamente se sabe que a transformada de Fourier de uma onda nos d´ a informa¸˜o sobre quais freq¨ˆncias participaram da constru¸˜o a ca ue ca da onda, por meio de superposi¸˜o de ondas monocrom´ticas (isto ´, de ca a e freq¨ˆncias bem definidas). ue Uma onda plana monocrom´tica tem sua dependˆncia temporal dada por a e

106

eiω0 t , se sua freq¨ˆncia for ω0 .23 Sua transformada de Fourier ´ ue e f (ω) = logo, f (ω) = 2πδ(ω − ω0 ) ,
23

∞ −∞

e−iω0 t eiωt dt =

∞ −∞

ei(ω−ω0 )t dt ,

(470)

(471)

mostrando, como era de se esperar, que f (ω) ´ zero exceto para ω = ω0 . e
Estritamente, ω0 ´ a “freq¨ˆncia circular”. A verdadeira freq¨ˆncia, que ´ o inverso e ue ue e do per´ ıodo, ´ ν = ω0 . e 2π

107

Na pr´tica, por´m, a medida da freq¨ˆncia da onda eiω0 t ´ feita observandoa e ue e se essa onda durante um intervalo de tempo finito, por exemplo, do instante −∆t at´ o instante ∆t . Mas ent˜o a onda que realmente observamos ´ e a e 2 2 indistingu´ da seguinte onda u: ıvel u = 0 : t<− ∆t 2 ∆t ∆t , ] 2 2 (472)

= e−iω0 t : t ∈ [− = 0 : t> ∆t . 2

A transformada de Fourier da onda (472) ´: e f ′ (ω) = ou seja, f ′ (ω) = ou
∆t 2 −∆t 2

ei(ω−ω0 )t dt

(473)

∆t ∆t 1 (ei(ω−ω0 ) 2 − e−i(ω−ω0 ) 2 ) i(ω − ω0 )

(474)

f ′ (ω) = e, ainda,

2 ∆t sin[(ω − ω0 ) ] ω − ω0 2 sin[(ω − ω0 ) ∆t ] 2 (ω − ω0 ) ∆t 2 (475)

f ′ (ω) = ∆t

Esta fun¸˜o tem um gr´fico que apresenta um pico pronunciado para ω = ω0 , ca a onde tem o valor 1, e corta o eixo ω, ou seja, atinge o valor zero, pela primeira vez num ponto P tal que, nele, (ω − ω0 ) ∆t = π, ou seja, 2 ω − ω0 = 2π . ∆t (476)

Este valor de ω − ω0 pode ser definido como a metade da “largura” de f ′ (ω). Logo, esta largura ´ e 4π ∆ω = , (477) ∆t onde ∆t ´ a dura¸˜o do processo de medida de ω. ∆ω representa a incerteza e ca na freq¨ˆncia, ou seja, informa que as freq¨ˆncias presentes na onda u est˜o ue ue a ∆ω ∆ω entre ω0 − 2 e ω0 + 2 . Temos, ent˜o, a ∆ω∆t = 4π 108 (478)

e, multiplicando por h, ¯ ∆E∆t = 4π¯ . h (479) ´ E claro que podemos, neste mesmo intervalo de tempo, ser mais descuidados e cometer erros ∆E maiores. Logo, o resultado geral ´ e ∆E∆t ≥ 4π¯ h (480)

22

Teoria das perturba¸˜es co

Quando calculamos a ´rbita da Terra em torno do Sol, omitimos, de noso sas equa¸˜es, todos os outros planetas. No entanto, a atra¸˜o de J´ piter, co ca u por exemplo, causa pequenas altera¸˜es na ´rbita terrestre. Para fazer uma co o estimativa dessas pequenas corre¸˜es, elaborou-se um m´todo, na mecˆnica co e a celeste, que permitia a utiliza¸˜o, como ponto de partida, da ´rbita terrestre ca o n˜o perturbada, isto ´, calculada omitindo-se J´ piter, calculando-se diretaa e u mente as modifica¸˜es que deviam ser introduzidas na ´rbita n˜o-perturbada. co o a O aperfei¸oamento dessa t´cnica levou at´ mesmo ` descoberta de novos planc e e a etas (Netuno, por exemplo, “tra´ ıdo” pela perturba¸˜o que causava na ´rbita ca o de Urano). A mecˆnica quˆntica tomou emprestada ` mecˆnica celeste essa id´ia, e a a a a e surgiu assim a teoria das perturba¸˜es, que visa, a partir da solu¸˜o conhecida co ca de certos problemas, obter uma solu¸˜o aproximada de problemas que, em ca algum sentido, s˜o pr´ximos ao problema resolvido. A teoria quˆntica das a o a perturba¸˜es, por´m, ´ muito mais simples do que aquela cl´ssica. co e e a

22.1

Perturba¸˜o de estados estacion´rios ca a

ˆ Seja H0 um hamiltoniano cujo problema de autovalores j´ resolvemos. Cona (0) (0) hecemos, ent˜o, as fun¸˜es ψn e os n´ meros En tais que a co u
(0) (0) ˆ (0) H0 ψn = En ψn

(481)

ˆ ˆ ˆ ˆ Seja agora H = H0 + V um novo hamiltoniano, muito pr´ximo de H0 , no o seguinte sentido: todos os elementos de matriz Vnm , em rela¸˜o ` base forca a (0) (0) ˆ e mada pelas ψn , s˜o pequenos em rela¸˜o aos En Diz-se ent˜o que V ´ a ca a ˆ ´ o hamiltoniano perturbado, e que H0 ´ o hamilˆ e uma perturba¸˜o, que H e ca ´ toniano n˜o-perturbado. E intuitivo que, nessas condi¸˜es, os autovalores a co ˆ ˆ de H sejam pr´ximos dos de H0 , o mesmo acontecendo para as autofun¸˜es. o co ˆ Procuraremos simplificar a determina¸˜o das quantidades associadas a H ca ˆ utilizando o fato de que elas s˜o corre¸˜es `s quantidades associadas a H0 . a co a 109

ˆ O problema de autovalores de H se escreve ˆ ˆ ˆ Hψn = (H0 + V )ψn = En ψn
(0) Como o conjunto dos ψn ´ completo, existe a expans˜o e a

(482)

ψn =
m

(0) cnm ψm

(483)

e a Eq.(482) pode ser escrita ˆ ˆ (H 0 + V )
m (0) cnm ψm = En m (0) cnm ψm

(484)

ou
m

ˆ (0) cnm H0 ψm +
m

ˆ (0) cnm V ψm =
m

(0) cnm En ψm

(485)

(0) Vamos usar agora a ortonormalidade dos ψm . Multiplicando (483) ` esa (0)∗ querda por ψk e integrando, temos:

cnm
m

(0)∗ ˆ (0) dqψk H0 ψm +

cnm
m

(0)∗ ˆ (0) dqψk V ψm = En

cnm
m

(0) dqψk ψm

(0)∗

(486)

Mas e Logo,
m

(0)∗ ˆ (0) (0) dqψk H0 ψm = Ek δkm (0) dqψk ψm = δkm (0)∗

cnm δkm Ek + cnk Ek +
(0)

(0)

cnm Vkm = En
m m

cnm δkm

(487) (488)

ou

cnm Vkm = En cnk
m

que ´ uma equa¸˜o exata! Vamos agora introduzir as aproxima¸˜es. e ca co Uma condi¸˜o b´sica para o que segue ´ que cada n´ perturbado esteja ca a e ıvel muito pr´ximo de um unico n´ n˜o-perturbado, de sorte que ψn seja muito o ´ ıvel a (0) pr´ximo de ψn , etc. Ou seja, o
(0) ψn = ψn + ...

(489)

onde os pontos denotam termos muito menores. Na expans˜o a ψn =
m (0) cnm ψm

(490)

110

teremos ent˜o a cnm = δnm + c(1) + ... nm com c(1) ≪ 1. Ao mesmo tempo, escreveremos nm
(0) (1) En = En + En + . . .

(491)

(492)

com En ≪ 1 . (0) En Usando (491) e (492) na Eq.(488), temos δnk + cnk Ek +
(1) (0) (0) (0) (1) δnm + c(1) Vkm = En + En (δnk + cnk ) nm (1)

(1)

(493)

m

Tomemos n = k. A Eq.(493), d´: a
(0) cnk Ek + Vkn = En cnk (1) (0) (1)

(494)

ou cnk = −
(1)

Vkn
(0) Ek

Tomando n = k na Eq.(493), obtemos

− En

(0)

n=k

(495)

(0) (0) (0) (0) (1) En + c(1) En + Vnn = En + En c(1) + En nn nn

(496) (497)

ou
(1) En = Vnn

O primeiro resultado importante ´ este: a primeira corre¸˜o ao autovalor n˜o e ca a (0) perturbado En , ´ o valor m´dio do potencial perturbado, Vnn , na fun¸˜o de e e ca onda n˜o perturbada correspondente `quele valor de n. a a A constru¸˜o da fun¸˜o de onda perturbada ainda n˜o ´ poss´ ca ca a e ıvel, pois (1) (1) temos apenas os cnk para n = k. Falta determinar cnn . Veremos agora que c(1) pode ser tomado igual a zero. De fato, temos nn ψn =
m (0) cnm ψm = m (0) δnm + c(1) ψm nm

(498)

ou, usando os resultados j´ obtidos, a
(0) ψn = ψn + m (0) = ψn − (0) c(1) ψm nm

Vmn
(0) m=n Em

(0) En

(0) (0) ψm + c(1) ψn nn

(499)

111

ou
(0) ψn = 1 + c(1) ψn − nn

Vmn
(0) m=n Em

Impondo que ψn seja normalizada a menos de termos de segunda ordem, temos
dqψn (q)ψn (q) =

(0) En

(0) ψm

(500)

dq

1 + cnn

(1)∗

ψn

(0)∗


m=n

∗ Vmn (0)∗ ψ (0) (0) m Em − En

1 + cnn

(1)

ψn

(0)


m=n

Vmn Em − En
(0) (0)

ψm

(0)

=

dqψn 1+

(0)∗

ψn

(0)

+

dq

cnn + cnn

(1)∗

(1)

ψn

(0)∗

ψn

(0)

=

cnn + cnn

(1)∗

(1)

=1

Logo, c(1)∗ + c(1) = 0 nn nn ou cnn (1) = iα onde α ´ um n´ mero real. Assim, o primeiro termo de (500) ´ e u e
(0) ψn = (1 + iα)ψn + . . .

(501) (502) (503)

que, nesta ordem, ´ indistingu´ de e ıvel
(0) ψn = eiα ψn + . . .

(504)

(0) Ou seja, o termo c(1) s´ contribui para uma mudan¸a de fase de ψn , que, de c nn o qualquer forma, ´ definido a menos de uma fase. Logo, podemos legitimae (1) mente por cnn = 0. Os resultados ent˜o s˜o, at´ primeira ordem24 , a a e (0) ψn = ψn −
24

Vmn
(0) m=n Em

− En

(0)

(0) ψm
(0)

(505)

O leitor arguto estar´ perguntando: mas eu posso mudar a fase s´ do ψn ? A mudan¸a a o c de fase permitida n˜o ´ uma mudan¸a de fase simultˆnea para todos os estados? N˜o, a e c a a leitor arguto. Um mesmo estado ´ descrito pela classe de todos os vetores de m´dulo 1 e o que diferem apenas por uma fase constant. No entanto, por curiosidade, vamos mostrar que, neste caso, a mudan¸a de fase pode ser vista como uma mudan¸a geral de fase. c c (1) Examinemos a Eq.(505) em maior detalhe. O resultado obtido, para cnn = iα, ´ e
(0) ψn = (1 + iα)ψn −

Vmn
(0) m=n Em

− En

(0)

(0) ψm

Mas, at´ primeira ordem, isto ´ o mesmo que e e 
(0) ψn = (1 + iα) ψn −

Vmn −
(0) En

(0) m=n Em

(0) ψm 

112

(0) En = En + Vnn

(506)

22.2

Exemplo trivial: Oscilador Harmˆnico com pero turba¸˜o linear ca
p2 ˆ H= + 1/2(k + ∆k)x2 2m

ˆ Seja H0 = p2 /(2m) o hamiltoniano n˜o-perturbado, e a

ˆ o hamiltoniano perturbado. Neste caso o problema de autovalores de H, o hamiltoniano perturbado, pode ser resolvido exatamente, pois ´ essenciale ˆ 0 , com um diferente valor de k. De fato, seus autovalores mente igual a H s˜o a En = h(ω + ∆ω)(n + 1/2) ¯ (507) com ω + ∆ω = k + ∆k m (508)

´ E feita, adicionalmente, a hip´tese de que o ∆k ≪1 k de maneira que ω + ∆ω = k ∆k 1+ m k
1 2

≈ω 1+

∆k 2k

(509)

onde usamos o resultado de Newton (sim, Sir Isaac!): (1 + x)α ≈ 1 + αx , para |x| ≪ 1. Logo, podemos escrever En = hω 1 + ¯
pois os termos iα
m=n

(510)

∆k 2k

n+

1 2

(511)

Vmn
(0) Em

− En

(0)

(0) ψm

s˜o de segunda ordem! a

113

e, portanto,
(0) En = En 1 +

∆k 2k

(512)

(0) e, finalmente, lembrando que En = h(n + 1/2), ¯ (1) (0) En = En

∆k . 2k

(513)

Para o estado fundamental, E0 =
(1)

hω ∆k ¯ 2 2k

(514)

Vaos agora obter este mesmo resultado usando o formalismo perturbativo 25 . ˆ Na nota¸˜o perturbativa, temos, para o estado fundamental de H0 , ca mω ψ0 (x) = π¯ h e Temos V00 Logo, E0 = que coincide com (514).
(1)
1 4

e−

mωx2 2¯ h

(515)

1 V = ∆k x2 2 1 mω = 2 π¯ h
1 2

(516)
mωx2 h ¯

∞ −∞

dx x2 e−

h∆k ¯ = √ 4 mk

(517)

hω ¯ h∆k ¯ ∆k = √ 4k 4 mk

(518)

22.3

Corre¸˜es de segunda ordem co
(0)

Voltemos ` Eq.(488): a cnk Ek + Vkm = En cnk
m

(519)

e escrevamos a expans˜o de ψn nas fun¸˜es de onda n˜o-perturbadas at´ a co a e segunda ordem: (0) ψn = δnm + c(1) + c(2) ψm (520) nm nm
m

´ Sim, leitor arguto. E redundante! Mas, didaticamente, ´ util, porque ´ simples, e ´ e´ e e um caso em ue se pode verificar o resultado.
25

114

Analogamente, para as corre¸˜es ` energia , teremos: co a
(0) (1) (2) En = En + En + En

(521)

Usando (520) e (521) em (519), temos δnk + cnk + cnk Ek + =
(0) En (1) (2) (0) m

δnm + c(1) + c(2) Vkm = nm nm
(1) (2)

+

(1) En

+

(2) En

δnk + cnk + cnk

(522)

Igualando os termos de ordem zero:
(0) δnk Ek = δnk En (0)

(523)

Igualando os de ordem um:
(0) (1) cnk Ek + Vkn = cnk En + En δnk (1) (0) (1)

(524)

E os de ordem 2: cnk Ek +
(2) (0) m (0) (1) (2) c(1) Vkm = cnk Em + cnk En + δnk En nm (2) (1)

(525)

As rela¸˜es de ordem zero e um j´ foram exploradas. Vamos as de ordem 2. co a ` (1) Para n = k, temos, lembrando que cnn = 0,
(2) c(1) Vnm = En nm m=n

(526)

ou
(2) En = − ∗ e, lembrando que Vnm = Vmn , (2) En = m=n m=n

Vmn Vnm Em − En |Vmn |2
(0) (0)

(527)

En − Em

(0)

(0)

(528)

23

Perturba¸˜es de um n´ co ıvel degenerado

Recomendamos ao leitor, neste ponto, a leitura do Apˆndice Matem´tico e a 1, que se encontra no fim destas notas. Vimos que o n´ En do ´tomo de hidrogˆnio tem uma degenerescˆncia ıvel a e e 2 2 de ordem n . Isto ´, existem n estados diferentes do ´tomo de hidrogˆnio e a e 2 com energia En (se contarmos o spin, ser˜o 2n ). Quando se aplica um a 115

campo externo ao ´tomo, pode acontecer de esses estados interagirem de a maneira diferente com o campo, e ent˜o a degenerescˆncia ´ quebrada: em a e e lugar de um n´ passaremos a ter v´rios, possivelmente at´ 2n2 , se o campo ıvel a e externo for suficientemente complicado. Diz-se, ent˜o, que a degenerescˆncia a e foi removida. N˜o podemos aplicar cegamente os resultados obtidos at´ aqui pelo seguinte a e motivo: a corre¸˜o de primeira ordem ` fun¸˜o de onda n˜o-perturbada que ca a ca a obtivemos, Vmn (0) ψn = ψn − ψ (0) (529) (0) (0) m m=n Em − En
(0) (0) cont´m, no caso de n´ e ıveis degenerados, situa¸˜es em que Em = En , para co n = m, ou seja, na f´rmula acima, apareceriam denominadores nulos. o

23.1

Reobtendo as f´rmulas gerais o

Para obter as corre¸˜es correspondentes para n´ co ıveis degenerados, precisamos de uma adapta¸˜o do m´todo anterior a esta nova situa¸˜o. Para evitar um ca e ca excesso de ´ ındices, vamos reobter as f´rmulas b´sicas sob forma ligeiramente o a diferente. ˆ Seja H o hamiltoniano perturbado, e vamos escrevˆ-lo em uma s´rie de e e potˆncias de um parˆmetro pequeno, λ, desta forma[10]: e a ˆ ˆ ˆ ˆ H = H (0) + λH (1) + λ2 H (2) + . . . (530)

ˆ ˆ ˆ ˆ Note-se que, no nosso tratamento anterior, o termo H (1) era denotado por V , e os demais, H (2) , H (3) , etc, eram omitidos. ´ ˆ ˆ Aqui s˜o inclu´ a ıdos mais por raz˜es est´ticas do que por real utilidade. E claro que o H (0) daqui ´ o H0 do tratamento o e e anterior.

Seja φ a fun¸˜o de onda perturbada, que queremos calcular. Ser´ escrita ca a tamb´m como uma s´rie de potˆncias em λ: e e e φ = φ(0) + λφ(1) + λ2 φ(2) + . . . e tamb´m para a energia se escrever´ e a E = E (0) + λE (1) + λ2 E (2) + . . . A equa¸˜o de Schr¨dinger para as quantidades perturbadas ´ ca o e ˆ (H − E)φ = 0 que, pelo uso das expans˜es acima, se escreve o ˆ λn H (n) − E (n) 116 λm φ(m) = 0
m

(531)

(532)

(533)

(534)

n

ou, por extenso, ˆ ˆ ˆ H (0) − E (0) + λ H (1) − E (1) + λ2 H (2) − E (2) + . . . × (535)

φ(0) + λφ(1) + λ2 φ(2) + . . . = 0

Igualando a zero os coeficientes da v´rias potˆncias de λ, temos a e ˆ H (0) − E (0) φ(0) = 0 (536) (537)

ˆ ˆ H (0) − E (0) φ(1) + H (1) − E (1) φ(0) = 0

ˆ ˆ ˆ H (0) − E (0) φ(2) + H (1) − E (1) φ(1) + H (2) − E (2) φ(0) = 0(538) e assim por diante. Da primeira, tiramos, evidentemente, que ˆ H (0) φ(0) = E (0) φ(0) que ´ a equa¸˜o de autovalores do hamiltoniano n˜o-perturbado, por hip´tese e ca a o j´ completamente resolvida. Na segunda, Eq.(537), multiplicamos ` esquerda a a por φ(0)∗ (q) e integramos, obtendo ˆ dqφ(0)∗ (q) H (0) − E (0) φ(1) (q) + ˆ Mas, pela hermiticidade de H (0) , temos ˆ dqφ(0)∗ (q) H (0) − E (0) φ(1) (q) = Logo, de (539), ˆ dqφ(0)∗ (q) H (1) − E (1) φ(0) (q) = 0 ou ˆ E (1) = H (1) , dq ˆ dqφ(0)∗ (q) H (1) − E (1) φ(0) (q) = 0

(539)

∗ ˆ H (0) − E (0) φ(0) (q) φ(1) (q) = 0

(540)

de acordo com o resultado obtido anteriormente.

23.2

Quando o n´ ıvel ´ degenerado. . . e

Suponhamos que o n´ ıvel E (0) seja g-vezes degenerado. Isto ´, existem g e (0) fun¸˜es φj , (j = 1, . . . , g) tais que co
(0) (0) ˆ H (0) φj = E (0) φj

(541)

117

Neste caso, qualquer combina¸˜o linear desses φj ser´ tamb´m uma fun¸˜o ca a e ca (0) de onda de energia E . De fato, ˆ H (0)
g j=1

(0)

cj φ j =
j=1

(0)

g

(0) ˆ cj H (0) φj =

g j=1

cj E(0)φj = E (0)
j=1

(0)

g

cj φ j

(0)

A id´ia do m´todo ´ esta: procurar as combina¸˜es lineares das fun¸˜es φj e e e co co que sejam tais que o efeito da perturba¸˜o em primeira ordem seja pequeno. ca ` A luz da Eq.(529), isto significa que, para compensar os denominadores que (0) (0) se anulam, quando En = Em com n = m, devemos escolher as combina¸˜es co (0) lineares das φj que fazem o numerador correspondente tamb´m se anular26 . e Suponhamos o problema resolvido, e seja
g

(0)

φ a combina¸˜o linear procurada. ca
Note-se que supomos as φj
(0)

(0)

=
j=1

cj φ j

(0)

(542)

normalizadas. Ent˜o a φ(0) da Eq.(542) ser´ normalizada se a a

j

|cj |2 = 1.

Considere a equa¸˜o ca ˆ ˆ H (0) − E (0) φ(1) + H (1) − E (1) φ(0) = 0 ou ˆ ˆ H (0) − E (0) φ(1) + H (1) − E (1) Multiplicando ` esquerda por φj a dqφj
(0)∗ (0)∗ g j ′ =1

(543)

cj ′ φ j ′ = 0

(0)

(544)

e integrando, obt´m-se: e dqφj
(0)∗

ˆ (q) H (0) − E (0) φ(1) (q) +

ˆ (q) H (1) − E (1)

cj ′ φ j ′ = 0
j′

(0)

(545) O primeiro termo do primeiro membro ´ zero, usando-se a hermiticidade de e ˆ (0) , como na Eq.(540). Ent˜o segue que H a
(0) ˆ (0) dqφj H (1) φj ′ − E (1)

dqφj
j′

(0)∗

(q)φj ′ (q) = 0

(0)

(546)

j′

e, introduzindo o s´ ımbolo ˆ (1) Hjj ′ ≡
26

dqφj

(0)∗

ˆ (q)H (1) φj ′ ,

(0)

Ou seja, as combina¸˜es lineares escolhidas devem diagonalizar a matriz de elementos co Vnm , na nota¸˜o da Eq.(529). ca

118

podemos escrever (546) como
j′

ˆ (1) cj ′ Hjj ′ − E (1) cj = 0 para j = 1, . . . , g ˆ (1) Hjj ′ − E (1) δjj ′ cj ′ = 0 para j = 1, . . . , g

(547)

ou ainda,

g j ′ =1

(548)

onde, se Aij ´ uma matriz, |Aij | ´ o determinante da matriz. e e A equa¸˜o (549) ´ denominada, por raz˜es hist´ricas, equa¸˜o secular. ca e o o ca Vamos a um exemplo. Para g = 2, a matriz em quest˜o ´ a e (1) (1) ˆ ˆ H11 − E (1) H12 (550) (1) ˆ ˆ (1) H21 H22 − E (1) A equa¸˜o secular ca ˆ (1) H11 − E (1) det ˆ (1) H21 ou ent˜o d´: a a (1) ˆ H12 ˆ (1) H22 − E (1) ˆ (1) = H11 − E (1) ˆ (1) ˆ (1) ˆ (1) H22 − E (1) −H21 H12 = 0 (551) (552)

Este ´ um sistema de g equa¸˜es homogˆneas a g inc´gnitas (os coeficientes e co e o ´ claro que esta solu¸˜o n˜o cj ), cuja solu¸˜o trivial ´ cj = 0 para todo j. E ca e ca a tem nenhum interesse f´ ısico. Para que existam outras solu¸˜es, ´ necess´rio co e a que ˆ (1) (549) |Hjj ′ − E (1) δjj ′ | = 0

H´ duas solu¸˜es, a co

ˆ (1) ˆ (1) ˆ ˆ (1) ˆ (1) ˆ (1) E (1)2 − H11 + H22 E (1) + H11 H22 − H12 H21 = 0 . E (1) = 1 ˆ (1) ˆ (1) H11 + H22 + 2 1 ˆ (1) ˆ (1) 2 ˆ (1) ˆ (1) ˆ (1) ˆ (1) H11 + H22 − 4 H11 H22 − H12 H21 + 2

(553)

1 ˆ (1) ˆ (1) H11 + H22 + 2 2 1 ˆ (1) ˆ (1) ˆ (1) ˆ (1) ˆ (1) ˆ (1) − H11 + H22 − 4 H11 H22 − H12 H21 (554) 2 Logo, o n´ de energia E (0) se desdobra em dois, de energia s E (0) + E (1) e ıvel E (0) + E (1)′ . De uma maneira geral, se a degenerescˆncia for de ordem g, teremos uma e equa¸˜o alg´brica de ordem g, com g solu¸˜es para E (1) . Se forem todas ca e co diferentes, o n´ se desdobrar´ em g novos n´ ıvel a ıveis, e a degenerescˆncia ser´ e a completamente removida. E (1)′ = 119

23.3

O efeito Zeeman anˆmalo o

Como aplica¸˜o vamos calcular a a¸˜o de uma campo magn´tico fraco sobre ca ca e o estado fundamental do ´tomo de hidrogˆnio. Sabe-se que quando se liga a e um campo magn´tico externo, o n´ e ıvel n = 1, que corresponde ao estado fundamental, desdobra-se em um par de n´ ıveis. A interpreta¸˜o f´ ca ısica ´ a e seguinte: devido ao spin, o el´tron comporta-se como um pequeno ´ a. A e ım˜ energia de intera¸˜o de um dipolo magn´tico de momento de dipolo µ com ca e um campo magn´tico B ´ e e E = −µ.B e depende, portanto, da orienta¸˜o relativa dos dois. Como o spin quˆntico ca a s´ pode ter duas orienta¸˜es, correspondentes `s componentes z iguais a h 1 o co a ¯2 ıveis para a energia E, que, grosso modo, ´ e ou −¯ 1 , h´ dois valores poss´ h2 a adicionada ` energia do estado fundamental. Surgem assim os dois n´ a ıveis. Este fenˆmeno chama-se efeito Zeeman anˆmalo. o o Esta interpreta¸˜o superficial ´ confirmada por uma an´lise mais cuidaca e a dosa, baseada no c´lculo perturbativo. a Vimos na equa¸˜o (456) que o termo de intera¸˜o do el´tron no estado ca ca e fundamental do ´tomo de hidrogˆnio (l = 0), ´ a e e e¯ h ˆ ˆ V = Hem = − s.B mc (555)

onde s ´ o operador de spin, cuja representa¸˜o matricial na base formada e ca pelos estados χ+ = χ− = 1 0 0 1 (556) (557)

´, por exemplo, para a componente x, sx = 1 σx , com e 2 σx = 0 1 1 0 (558)

Levando-se em conta o spin, o estado fundamental ´ degenerado, e, por isso, e ´ preciso utilizar o formalismo desenvolvido especialmente para este caso. e em Como s´ o spin interessa neste caso, vamos denotar por Hij ≡ Vij o elemento o de matriz gen´rico entre autoestados da proje¸˜o z do spin. Para dar um e ca exemplo n˜o excessivamente trivial, tomaremos o eixo x ao longo da dire¸˜o a ca do campo magn´tico, suposto uniforme e constante no tempo. e 120

O termo de intera¸˜o ´ ent˜o dado pela matriz ca e a V =− cujos elementos s˜o a V11 = − V22 e¯ † h e¯ h 0 1 χ+ σx χ+ = − (1, 0) 1 0 2mc 2mc e¯ h 0 1 0 = − (0, 1) =0 1 0 1 2mc e¯ h (1, 0) 2mc 0 1 1 0 0 1 =− 1 0 =0 (560) (561) e¯ h 2mc (562) e¯ h σx B 2mc (559)

∗ V12 = V21 = −

Usando agora as equa¸˜es (553) e (554), obtemos co E (1) = E (1) ′ e¯ h 1 4V12 V21 = 2 2mc e¯ h = − 2mc (563) (564)

Logo, a diferen¸a de energia entre os dois n´ c ıveis, uma vez removida a degenerescˆncia, ´ e e e¯ h ∆E = E (1) − E (1) ′ = B (565) mc em muito bom acordo com a experiˆncia, para campos magn´ticos fracos. e e

23.4

Exerc´ ıcios

1. No fim desta lista h´ uma tabela de valores de quantidades como a carga a e massa do el´tron, velocidade da luz, h, etc. Consulte-a para resolver as e ¯ quest˜es que seguem. o (a)Calcule, em ev (eletronvolts) o potencial de ioniza¸˜o do ´tomo de hidrogˆnio, ca a e que ´ a energia necess´ria para extrair um el´tron do estado fundamental. e a e (b)Calcule, em ev, a diferen¸a de energia entre o estado fundamental e o c primeiro estado excitado do ´tomo de hidrogˆnio. a e e¯ h (c) Calcule a raz˜o entre mc B e as quantidades calculadas acima, sendo B a o campo magn´tico da Terra. Isto dar´ uma id´ia do tamanho do efeito e a e Zeeman anˆmalo (ver Notas) em rela¸˜o a duas energia s t´ o ca ıpicas do ´tomo a de hidrogˆnio. e 2. Considere o po¸o quadrado infinito que estudamos em detalhe: duas c 121

paredes inpenetr´veis, paralelas, a uma distˆncia a uma da outra. Calcule o a a efeito sobre o estado fundamental de uma mola de constante el´stica muito a pequena que prende a part´ ıcula ` parede em x = 0: corre¸˜o ` energia e ` a ca a a fun¸˜o de onda, at´ primeira ordem. ca e 3. Mesmo problema, mas, agora, o movimento da part´ ıcula no po¸o ´ afetado c e por uma for¸a constante muito fraca, da esquerda para a direita. c 4. Qual ´ a dificuldade em introduzir a “resistˆncia do ar”, isto ´, uma e e e for¸a proporcional ` velocidade, dessa forma? c a 5. Efeito Stark no ´tomo de hidrogˆnio: uma perturba¸˜o dada por um a e ca potencial eletrost´tico a V = eF z , onde F ´ o m´dulo de campo el´trico, age sobre o ´tomo. Calcule os novos e o e a n´ ıveis de energia com n = 2. Resposta: − me4 1 2¯ 2 4 h me4 1 − 2 2¯ 4 h me4 1 − 2 + 3eF a 2¯ 4 h me4 1 − 2 − 3eF a 2¯ 4 h

23.4.1

Unidades e fatores de convers˜o a

1 erg = 6.2 × 1011 eV h = 1, 05 × 10−27 erg.s ¯ c = 3 × 1010 cm/s me = 9, 1 × 10−28 g e¯ h Magneton de Bohr ( 2mc )=9, 3 × 10−21 erg/gauss Campo magn´tico da Terra ≈ 0, 3gauss. e 6.O pr´ton n˜o ´ um ponto. Uma representa¸˜o aceit´vel para ele ´ como uma o a e ca a e esfera de raio R muito menor do que o raio do ´tomo. Quando calculamos a os estados estacion´rios do ´tomo de hidrogˆnio, supusemos o pr´ton como a a e o um ponto. Seja a o raio do ´tomo. Para R ≤ r ≤ a, a energia potencial a do el´tron ´ a mesma, seja o pr´ton um ponto ou uma esfera de raio R. e e o 122

Mas no intervalo 0 ≤ r ≤ R, a energia potencial do el´tron ´ diferente. e e Calcule o efeito da extens˜o do pr´ton sobre os n´ a o ıveis de energia do ´tomo de a hidrogˆnio considerando como perturba¸˜o a diferen¸a de energia potencial e ca c devida ` extens˜o do pr´ton. Mais precisamente: a a o (a)Mostre que o potencial perturbador ´ e V (r) =
−3e2 2r 3

0,

R2 −

r2 3

, r < R, r>R

(b)Calcule a corre¸˜o ` energia do estado fundamental. De quantos por cento ca a ´ alterada? e 7. Considere um oscilador linear unidimensional de massa m e carga e. Sua energia potencial ´ escrita como e 1 v(x) = mω 2 x2 2 e a energia irradiada ´ desprez´ e ıvel. Um campo el´trico fraco, constante no e espa¸o e no tempo, ´ aplicado na dire¸˜o x. Mostre que, c e ca (a) Em primeira ordem de perturba¸˜o, os n´ ca ıveis de energia n˜o s˜o altera a ados. (b) Calcule a corre¸˜o em segunda ordem para o estado fundamental. ca (c) Resolva o problema exatamente, e mostre que a solu¸˜o exata coincide ca com (b). (d) Analise o problema cl´ssico eq¨ ivalente e compare as solu¸˜es exatas para a u co o problema n˜o-perturbado e perturbado. a 8.A linha espectral de λ = 1850˚ do merc´ rio resulta da transi¸˜o de um A u ca estado excitado para o estado fundamental 1 S0 . Um campo magn´tico de e 0, 2T divide essa linha em trˆs componentes com uma separa¸˜o de 0, 0032˚ e ca A entre linhas vizinhas. O que se pode dizer do estado excitado? 9. (Dedicado a Douglas Cancherini) Corre¸˜es relativistas aos n´ co ıveis atˆmicos. o A energia de uma part´ ıcula relativista livre ´ dada pela conhecida express˜o e a E 2 = p2 c2 + m2 c4 (566)

A parte desta energia que permanece quando p = 0 ´ dita “energia de ree pouso”, e ´ dada pela famos´ e ıssima express˜o a E = mc2 123 (567)

A diferen¸a entre as energia s dadas por (566) e (567) ´ a energia cin´tica da c e e part´ ıcula. A eq.(566) pode ser escrita E= p2 c2 + m2 c4 (568)

e, na maioria dos casos, o termo que descreve a energia em repouso ´ muito e maior do que o outro. Ent˜o podemos proceder assim: a E= m2 c4 p 2 c2 1+ 2 4 mc = mc
2

p2 1+ 2 2 mc

1 2

(569)

que pode ser calculada aproximadamente usando a f´rmula do binˆmio de o o Newton: (1 + x)α = 1 + αx + α(α − 1) . . . (α − p + 1) p α(α − 1) 2 x +... x + . . . (570) 2! p!

Usando (570) em (569), temos p2 1 p4 E = mc + − + ... 2m 8 m3 c2
2

(571)

Subtra´ ındo a energia de repouso de (571), temos uma express˜o para a enera gia cin´tica que j´ inclui algumas corre¸˜es relativistas, pois a energia cin´tica e a co e p2 n˜o-relativista ´ dada por 2m . a e Calculamos os n´ ıveis de energia do ´tomo de hidrogˆnio resolvendo a a e equa¸˜o de Schr¨dinger para estados estacion´rios com o hamiltoniano ca o a Ze2 p2 ˆ − H= 2m r (572)

Para avaliar a importˆncia das corre¸˜es relativistas, podemos utilizar a teoa co 4 ria das perturba¸˜es, considerando como perturba¸˜o V = − 1 mp3 c2 . co ca ˆ 8 (a) Obtenha a Eq.(571). (b) Calcule a corre¸˜o ` energia do estado fundamental de um ´tomo hidroca a a gen´ide de Z qualquer, e exiba a dependˆncia em Z. Para que valor de Z se o e teria uma corre¸˜o de 1%? ca 23.4.2 Exerc´ ıcio resolvido

1. Considere o po¸o quadrado infinito usual, com paredes impenetr´veis em c a x = 0 e x = a. Calcule o efeito sobre a energia de um estado estacion´rio a qualquer de uma mola de constante el´stica muito pequena (a energia potena cial perturbadora deve ser muito menor do que a separa¸˜o entre os n´ ca ıveis) 124

que prende a part´ ıcula ` parede em x = 0, em primeira ordem de perturba¸˜o. a ca Solu¸˜o: os n´ ca ıveis de energia n˜o-perturbados s˜o: a a En = com kn = sendo a fun¸˜o de onda correspondente ca ψn (x) = A perturba¸˜o ´ dada por ca e 1 V (x) = mω 2 x2 2 e a separa¸˜o de n´ ca ıveis ´ e En − En−1 = h2 π 2 2 ¯ h2 π 2 ¯ n − (n − 1)2 = [2n − 1] 2 2ma 2ma2 nπ 2 sin x a a h2 2 ¯ k 2m n nπ a

A condi¸˜o de validade da teoria da perturba¸˜o, mencionada acima, ´ ca ca e (mostre!) h2 π 2 (2n − 1) ¯ ω2 ≪ m2 a4 Note-se que a condi¸˜o depende do n´ ca ıvel. Uma perturba¸ao pequena para os c˜ n´ ıveis baixos pode n˜o o ser para n´ a ıveis altos. A corre¸˜o ` energia ´ ca a e E= 2 a
a 0

sin2

nπ 1 mω 2 x mω 2 x2 = a 2 a

a 0

dx sin2

nπ x a

Para n inteiro a integral
a 0

dxx2 sin2

nπx a3 = 2n3 π 3 − 3nπ a 12n3 π 3

Obt´m-se assim, para a corre¸˜o, e ca E
(1)

mω 2 a2 1 1 = − 2 2 2 3 2n π 125

23.4.3

Exerc´ ıcio resolvido (Enrico Fermi, 1954)

Efeito Stark no ´tomo de hidrogˆnio: uma perturba¸˜o dada por um a e ca potencial eletrost´tico a V = eF z onde F , constante, ´ o m´dulo do campo el´trico, age sobre o ´tomo. Calcule e o e a os novos n´ ıveis de energia com n = 2. Solu¸˜o: o n´ ca ıvel n = 2 ´ degenerado, de ordem 4. As fun¸˜es de onda e co correspondentes s˜o:ψ211 , ψ210 , ψ21−1 , ψ200 . Vamos denotar os elementos de a matriz de V por 211|V |210 =
∞ 0

r 2 dr

π 0

sin θdθ

2π 0

∗ dφψ211 (r, θ, φ)eF zψ210 (r, θ, φ)

e assim por diante. A equa¸˜o secular ´: ca e
11|V |11 − E  10|V |11 det   1 − 1|V |11 00|V |11  11|V |10 10|V |10 − E 1 − 1|V |10 00|V |10 11|V |1 − 1 10|V |1 − 1 1 − 1|V |1 − 1 − E 00|V |1 − 1  11|V |00  10|V |00 =0  1 − 1|V |00 00|V |00 − E

onde omitimos o ´ ındice 2, que ´ sempre o mesmo. e

Um elemento de matriz t´ ıpico ´ e

eF

d3 rψ211 (r, θ, φ)zψ210 (r, θ, φ)

Muitas dessas integrais s˜o nulas por causa do seguinte fato: a se f (x, y, z) = −f (−x, −y, −z), ent˜o a
a −a

dx

b −b

dy

c −c

dyf (x, y, z) = 0

A troca de r por −r, ou seja, de (x, y, z) por (−x, −y, −z) chama-se invers˜o a espacial. Em coordenadas esf´ricas esta transforma¸˜o ´: e ca e r → r θ → π−θ φ → φ+π Em rela¸˜o ` invers˜o espacial, os harmˆnicos esf´ricos tˆm a seguinte transca a a o e e forma¸˜o (veja a prova abaixo): ca Ylm (θ, φ) = (−1)l Ylm (π − θ, φ + π) 126

Em conseq¨ˆncia, as seguintes integrais s˜o nulas: ue a
∗ dqψnlm zψnlm =

dqz|ψnlm |2 = 0

pois |ψnlm |2 ´ par e z ´ ´ e e ımpar, ou seja, o integrando ´ ´ e ımpar, sendo o intervalo de integra¸˜op sim´trico, pois ´ o espa¸o todo. Logo, na equa¸˜o secular, os ca e e c ca elementos de matriz diagonais s˜o todos nulos. a Na realidade, o mesmo fenˆmeno acontece com os elementos de matriz de o z entre estados de mesmo l, por exemplo: 210|V |211 = 0 A matriz se simplifica para
   

det 

−E 0 0 00|V |11

0 −E 0 00|V |10

0 0 −E 00|V |1 − 1

11|V |00 10|V |00 1 − 1|V |00 −E

    

=0

Esta equa¸˜o d´ ca a E 4 − E 2 |V11,00 |2 + |V00,10 |2 + |V00,1 −1 |2 = 0 que tem como solu¸˜es E = 0, E = 0 e co E = ± |V11,00 |2 + |V00,10 |2 + |V00,1 −1 |2 Finalmente, notando que [V, lz ] = 0, ´ f´cil provar (veja a prova abaixo) que e a os elementos de matriz de V entre estados de valores distintos de m s˜o nulos. a Em conseq¨ˆncia, ue E = ±|V00,10 | Usando as fun¸˜es de onda co ψ200 = √ ψ210 1 r −r 2− e 2a a 32πa3 1 r −r = √ e 2a cos θ 3a 32πa

mostre que os demais valores de E s˜o: a E = ±3eF a A conclus˜o ´ que o n´ n = 2 divide-se em trˆs n´ a e ıvel e ıveis: um, com a mesma energia anterior, que ´ ainda degenerado (de ordem 2), outro com energia e 127

igual ` energia de Bohr adicionada de 3eF a, e um terceiro, com a energia de a Bohr subtra´ de 3eF a. ıda
Prova 1: Para maior clareza, vamos denotar os harmˆnicos esf´ricos assim: o e r Ylm (θ, φ) ≡ Ylm ( ) , r onde r ´ o vetor unit´rio na dire¸˜o determinada pelos ˆngulos θ e φ. Ent˜o, o que a ca a a r e queremos provar ´ que e r r Ylm ( ) = (−1)l Ylm (− ) r r Para o caso em que l = m, temos Yll (θ, φ) = K x + iy r
l

e, como (−x + i(−y))l = (−1)l (x + iy), segue que r r Yll ( ) = (−1)l Yll (− ) r r Para completar a prova, lembre-se de que Ylm = K (l− ) Mas l− = lx − ily e todas as componentes li s˜o invariantes pela invers˜o temporal (por exemplo, lx = a a ∂ ∂ −i y ∂z − z ∂y n˜o se altera se os sinais de y e z s˜o invertidos). Logo, a a r r r r l−m l−m Ylm (− ) = K (l− ) Yll (− ) = (−1)l K (l− ) Yll ( ) = (−1)l Ylm ( ) r r r r Prova 2: [lz , z] = 0, logo, [V, lz ] = 0. Considere o elemento de matriz l, m|[V, lz ]l′ , m′ , que ´ obviamente zero, j´ que o comutador ´ zero. Ent˜o, e a e a 0 = =
l′′ ,m′′ l−m

Yll

l, m|[V, lz ]|l′ , m′ = l, m|V |l′′ , m′′ l′′ , m′′ |lz |l′ , m′ −
l′′ ,m′′

l, m|lz |l′′ , m′′ l′′ , m′′ |V |l′ , m′

= Logo,

m′ l, m|V |l′ , m′ − m l, m|V |l′ , m′ = 0 (m′ − m) l, m|V |l′ , m′ = 0

Daqui se vˆ que, se m = m′ , l, m|V |l′ , m′ = 0, como se queria demonstrar. e Sem usar a nota¸˜o de Dirac, a prova seria assim: ca 0 = dqYl∗,m′ [V, lz ]Ylm ′

128

= = = = m m

dqYl∗,m′ V lz Ylm − ′ dqYl∗,m′ V Ylm − ′

dqYl∗,m′ lz V Ylm ′ dq (lz Yl′ ,m′ ) V Ylm dqYl∗,m′ V Ylm ′

dqYl∗,m′ V Ylm − m′ ′ dqYl∗,m′ V Ylm ′

(m − m′ )

23.4.4

Prova simulada

1. Efeito Stark do estado fundamental do ´tomo de hidrogˆnio a e O el´tron do ´tomo de hidrogˆnio acha-se sob a a¸˜o de um campo el´trico e a e ca e externo que lhe confere uma energia potencial eF z. (a) Mostre que o efeito Stark para o n´ n = 1 ´, em primeira ordem de ıvel e perturba¸˜o, nulo. ca (b) Calcule a contribui¸˜o de segunda ordem, levando o c´lculo at´ onde ca a e puder. l (c) A partir de Yll (θ, φ) = K x+iy , calcule Y21 (θ, φ), determinando tamb´m e r a constante de normaliza¸˜o. ca 2.O ´tomo dos pobres a Um el´tron est´ preso dentro de uma esfera ˆca de paredes impenetr´veis, e a o a de raio a. N˜o h´ outras for¸as agindo sobre ele. a a c (a) Existem estados estacion´rios esfericamente sim´tricos? (b) Determine a e os autovalores da energia desses estados. (c) Determine a fun¸˜o de onda do estado esfericamente sim´trico de menor ca e energia . (d) Existem estados estacion´rios desse el´tron que n˜o sejam esfericamente a e a sim´tricos? e 3. Oscilador preso a uma parede Uma part´ ıcula de massa m possui a energia potencial V (x) = ∞
1 kx2 2

x>0 x≤0

(a) Escreva o hamiltoniano para este sistema. e determine as autofun¸˜es co ψn (x) e autovalores En . (b) Calcule o valor esperado x para o estado fundamental deste sistema e compare com o valor da mesma quantidade para o oscilador verdadeiro. Comente a diferen¸a. (c) Mesma coisa para p . c 129

4. Um sistema f´ ısico tem, num certo instante, uma fun¸˜o de onda cuja ca unica dependˆncia em φ (quando expressa em coordenadas esf´ricas) ´ dada ´ e e e por um fator 4 Φm (φ) = cos2 φ 3π (a) Quais os poss´ ıveis valores para uma medida de ˆz ? l (b)Qual o valor m´dio lz ? e 23.4.5 Solu¸˜es de alguns problemas co

´ Atomo dos pobres O laplaceano em coordenadas esf´ricas pode ser escrito: e 1 ∂ ∂ψ ∇2 ψ = 2 r2 r ∂r ∂r ˆ2 l − 2ψ r (573)

ˆ2 onde l ´ o operador de momento angular total. e A equa¸˜o de Schr¨dinger para estados estacion´rios do sistema descrito ca o a ´, ent˜o, e a   ˆ2  2  1 ∂ h ¯ ∂ψ l  r2 − 2 ψ = Eψ (574) − 2m  r 2 ∂r ∂r r    Procuremos solu¸˜es da forma co ψ(r, θ, φ) = R(r)Ylm(θ, φ) Inserindo esta express˜o em (574), temos, visto que a ˆ2 l Ylm = l(l + 1)Ylm , h2 1 d ¯ h2 l(l + 1) ¯ 2 dR r + R(r) = ER(r) − 2 dr 2m r dr 2m r 2 Introduzindo a fun¸˜o u(r) tal u(0) = 0 e ca R(r) = u(r) r (576) (575)

a equa¸˜o (576) d´, para u(r), a equa¸˜o ca a ca d2 u(r) l(l + 1) 2m − u(r) = − 2 Eu(r) 2 2 dr r h ¯ 130 (577)

Para maior clareza, vamos apender o ´ ındice l `s solu¸˜es desta equa¸˜o. a co ca Ent˜o, reescrevemos: a d2 ul (r) l(l + 1) 2m − ul (r) = − 2 El ul (r) 2 2 dr r h ¯ (578)

Os ´ ıtens (a) e (b) podem ser respondidos imediatamente. Como as solu¸˜es co (r) s˜o da forma ulr Ylm (θ, φ), as eventuais solu¸˜es de simetria esf´rica tˆm de a co e e corresponder a l = 0, j´ que o unico harmˆnico esf´rico com esta simetria ´ a ´ o e e o Y00 . A equa¸˜o relevante ´, ent˜o, (577) com l = 0, ou seja, ca e a d2 u0 (r) 2 = −k0 u0 (r) dr 2 onde pusemos
2 k0 ≡

(579)

2m E0 h2 ¯

(580)

A eq.(580) tem a solu¸˜o geral ca u0 (r) = A cos k0 r + B sin k0 r mas, como u(0) = 0, devemos tomar A = 0. Logo, u0 (r) = B sin k0 r (582) (581)

Al´m disso, o ´tomo dos pobres tem raio a, e ent˜o a condi¸˜o adicional e a a ca u0 (a) = 0 deve ser imposta. Com isto, obtemos B sin k0 a = 0 cuja solu¸˜o mais geral ´ ca e kn0 a = nπ (584) onde n ´ um inteiro. Resolvemos, de novo para maior clareza, apender um e novo ´ ındice, n, `s solu¸˜es. Temos, ent˜o, muitas solu¸˜es esfericamente a co a co sim´tricas, caracterizadas por e un0 (r) = B sin kn0 r B sin kn0 r ψn0 (r) = Y00 (θ, φ) r sendo as energia s dadas por En0 = h2 n2 π 2 ¯ 2m a2 (586) (583)

(585)

131

Evidentemente a solu¸˜o esfericamente sim´trica de menor energia ´ dada ca e e por ψ1,0 (r). As demais quest˜es sobre o ´tomo dos pobres podem ser resolvidas sem o a dificuldade pelo leitor. As solu¸˜es sem simetria esf´rica satisfazem a equa¸˜o co e ca d2 ul l(l + 1) − ul (r) = −k 2 ul (r) dr 2 r2 Reescrevendo em termos da fun¸˜o Rl (r) ≡ ca
ul (r) , r

(587)

temos (588)

d2 Rl 2 dRl l(l + 1) + − Rl = −k 2 Rl dr 2 r dr r2 As fun¸˜es de Bessel esf´ricas s˜o solu¸˜es da equa¸˜o diferencial co e a co ca d2 jl (r) 2 djl (r) l(l + 1) + − jl (r) = −jl (r) dr 2 r dr r2 de onde se deduz sem dificuldade que Rl (r) = jl (kr) Logo, as solu¸˜es sem simetria esf´rica tˆm a forma co e e ψnlm (r, θ, φ) = Ajl (kr)Ylm(θ, φ) A condi¸˜o de contorno ´ ca e jl (ka) = 0 ,

(589)

(590)

(591) (592)

que ´ satisfeita por certos valores de k, denotados por kn , para os quais (592) e ´ satisfeita. Matematicamente, trata-se ent˜o de fazer com que a quantidade e a ka coincida com os zeros da fun¸˜o de Bessel esf´rica jl , que s˜o encontrados ca e a em tabelas. Sejam z1 < z2 < . . . < zn . . . n´ meros tais que u jl (zi ) = 0 zi a sendo a energia deste estado estacion´rio dada por a kil = Eil = h2 2 ¯ k 2m il Ent˜o teremos a (593)

(594)

132

23.4.6

Mais exerc´ ıcios resolvidos

Calcular as corre¸˜es relativistas aos n´ co ıveis de energia como corre¸˜es co perturbativas. (Exerc´ 9, Se¸˜o 20.4 das notas de aula). ıcio ca Solu¸˜o: o hamiltoniano n˜o-perturbado ´ ca a e p2 Ze2 ˆ H0 = − 2m r enquanto que o perturbado ´, como vimos em aula, e
4 ˆ = H0 + V = H0 − 1 p ˆ ˆ ˆ H 8 m3 c2

A corre¸˜o ` energia em primeira ordem ´, ent˜o, ca a e a E (1) = Mas e ∇2 ´ um operador hermiteano (por que?). Ent˜o, e a E
(1) ∗ dqψn1 ,l1 ,m1 (r, θ, φ) −

1 p4 ψn1 ,l1 ,m1 (r, θ, φ) 8 m3 c2

p4 ψ = p2 p2 ψ = h4 ∇2 ∇2 ψ ¯

h4 ¯ = − 3 2 8m c h4 ¯ = − 3 2 8m c h4 ¯ = − 3 2 8m c

∗ dqψn1 ,l1 ,m1 (r, θ, φ)∇2 ∇2 ψn1 ,l1 ,m1 (r, θ, φ)

dq ∇2 ψn1 ,l1 ,m1 (r, θ, φ) dq|∇2 ψn1 ,l1 ,m1 (r, θ, φ)|2

∇2 ψn1 ,l1 ,m1 (r, θ, φ)

A equa¸˜o de Schr¨dinger ´ ca o e − logo, ∇2 ψn1 ,l1 ,m1 (r, θ, φ) = − Logo, 2mZe2 2m 2mZe2 2m ∗ + 2 En1 ψn1 ,l1 ,m1 (r, θ, φ) + 2 En1 ψn1 ,l1 ,m1 (r, θ, φ) h2 r ¯ h ¯ h2 r ¯ h ¯ 133 |∇2 ψn1 ,l1 ,m1 (r, θ, φ)|2 = 2mZe2 2m ψn1 ,l1 ,m1 (r, θ, φ) − 2 En1 ψn1 ,l1 ,m1 (r, θ, φ) 2 hr ¯ h ¯ h2 2 ¯ Ze2 ∇ ψn1 ,l1 ,m1 (r, θ, φ) − ψn1 ,l1 ,m1 (r, θ, φ) = En1 ψn1 ,l1 ,m1 (r, θ, φ) 2m r

=

2 2 2 4m2 Z 2 e4 2 8m Ze En1 2 4m 2 = |ψn1 ,l1 ,m1 (r, θ, φ)| + |ψn1 ,l1 ,m1 (r, θ, φ)| + 4 En1 |ψn1 ,l1 ,m1 (r, θ, φ)|2 4 2 4 hr ¯ hr ¯ h ¯ Para a corre¸˜o da energia temos, ent˜o, ca a

E (1) = − ou,

Z 2 e4 2mc2

dq

1 Ze2 En1 |ψ|2 − r2 mc2

E2 1 dq |ψ|2 − n12 r 2mc

dq|ψ|2

Z 2 e4 1 Ze2 2 1 En1 − E − 2 r2 2 n1 r 2mc mc 2mc2 Para uma an´lise qualitativa, podemos por: a E (1) = − E (1) = − Ze2 1 En1 Z 2 e4 1 − E − 2 a2 2 n1 a 2mc 0 mc 2mc2 0

Verifique cuidadosamente esses c´lculos (foram feitos `s pressas). Em a a particular, verifique a validade de r 1 r 1 r2 = a0 1 = a0 1 = 2 a0

Determine explicitamente a dependˆncia total em Z (h´ uma escondida e a em a0 ?). Justifique o folklore que diz: corre¸˜es relativistas s˜o importantes para co a n´ cleos pesados, em suas ´rbitas internas. u o Como n˜o h´ ´rbitas, que hist´ria ´ essa de “´rbitas internas”? a ao o e o

24

Perturba¸˜es dependentes do tempo co

At´ agora estudamos o efeito de pequenas perturba¸˜es sobre um sistema e co f´ ısico, sob a hip´tese de que essas perturba¸˜es fossem independentes do o co tempo, como um campo magn´tico constante, etc. Muito importante para e o estudo das propriedades de ´tomo ´ investigar o que acontece com ele a e quando, por exemplo, uma onda eletromagn´tica o atinge. A luz do Sol, por e exemplo, ´ um campo eletromagn´tico que varia muito rapidamente mas que, e e em condi¸˜es normais, ´ muito menos intenso do que os campos el´tricos e co e e magn´ticos do pr´prio ´tomo. Ent˜o a luz ´ uma perturba¸˜o, mas uma e o a a e ca perturba¸˜o dependente do tempo. Seja ca ˆ ˆ ˆ H = H0 + V (t) 134 (595)

ˆ o hamiltoniano perturbado, escrito como a soma de um hamiltoniano H0 , n˜oa ˆ (t), onde perturbado, sobre o qual sabemos tudo, e de uma perturba¸˜o V ca a perturba¸˜o, agora, depende do tempo. Esta ´ uma dependˆncia expl´ ca e e ıcita no tempo. Vamos explicar por meio de um exemplo: suponha dois el´trons, e interagindo sob a a¸˜o de seus campos el´tricos. A repuls˜o eletrost´tica ca e a a far´ com que, ` medida que o tempo passa, eles estejam cada vez mais longe a a um do outro. Portanto, do ponto-de-vista de cada um dos el´trons, o campo e do outro varia com o tempo. N˜o se trata desta dependˆncia no tempo, a e conseq¨ˆncia do movimento, o que estamos estudando aqui. Trata-se de uma ue dependˆncia no tempo adicional a esta, e que aconteceria, por exemplo, se a e carga de um dos el´trons fosse aumentando com o tempo. Se os dois el´trons e e estivessem no interior de um capacitor cujo campo el´trico fosse alter´vel e a por meio de um reostato, ter´ ıamos um campo com dependˆncia expl´ e ıcita no tempo. Uma onda de luz que incide sobre um el´tron, j´ citada acima, ´ e a e outro exemplo de perturba¸˜o com dependˆncia expl´ ca e ıcita no tempo. Neste caso, n˜o h´ conserva¸˜o da energia 27 e o hamiltoniano perturbado n˜o ter´, a a ca a a ˆ 0 os em geral, estados estacion´rios. Sup˜e-se, por´m, que o hamiltoniano H a o e tenha, e o objetivo ´ calcular as fun¸˜es de onda do sistema perturbado como e co corre¸˜es aos estados estacion´rios do sistema n˜o-perturbado. co a a Sejam i (0) ¯ ψk (r, t) = uk (r)e− h Ek t (596) as fun¸˜es de onda dos estados estacion´rios do sistema n˜o-perturbado. co a a Ent˜o uma solu¸˜o arbitr´ria da equa¸˜o de Schr¨dinger para o sistema n˜oa ca a ca o a perturbado pode ser escrita na forma ψ=
k
27

ak ψk

(0)

(597)

De fato, a f´rmula o

i ˆ ˆ ˙ ˆ O = [H, O] , h ¯

ˆ precisa, quando h´ dependˆncia expl´ a e ıcita no tempo no operador O, ser modificada, dando ˆ ∂O i ˆ ˆ ˙ ˆ O= + [H, O] ∂t h ¯ ˆ Aplicando-se esta ultima equa¸˜o ao hamiltoniano H, tem-se ´ ca ˆ ˆ ∂H ∂V ˙ ˆ H= = ∂t ∂t que ´ diferente de zero. Na mecˆnica quˆntica, lembre-se, a conserva¸˜o da energia ´ e a a ca e ˙ ˆ = 0, que, neste caso, n˜o ´ verdadeira. sumarizada pela rela¸˜o H ca a e

135

Vamos agora procurar uma solu¸˜o da equa¸˜o perturbada ca ca i¯ h na forma de uma soma ψ=
k

∂Ψ ˆ ˆ = H0 + V ψ ∂t ak (t)ψk
(0)

(598)

(599)

onde os ak agora, diferentemente daqueles da Eq.(597), s˜o fun¸˜es do tempo. a co Para ser mais esoec´ ıfico, seja ψn a fun¸˜o de onda do sistema perturbado que ca (0) ´ uma corre¸˜o da fun¸˜o de onda n˜o perturbada ψn . A equa¸˜o (599) ´ e ca ca a ca e agora escrita assim: (0) (600) ψn = akn (t)ψk
k

Levando a Eq.(600) ` Eq.(598), e lembrando que as ψk satisfazem a equa¸˜o a ca i¯ h obtemos i¯ h ou ψk i¯ h
k (0)

(0)

∂ψk ˆ (0) = H0 ψk , ∂t akn (t)ψk
k (0)

(0)

(601)

∂ ∂t

(0) ˆ ˆ akn (t)ψk = H0 + V (t) k

(602)

dakn = dt

(0) ˆ akn (t)V (t)ψk k

(603)

(0)∗ Multiplicando ambos os lados da equa¸˜o ` esquerda por ψm e integrando, ca a temos damn i¯ h = Vmk (t)akn (t) (604) dt k

onde Vmk (t) =
E
(0)

(0)∗ ˆ ψm V ψk dq = Vmk eiωmk t

(0)

(605)

com ωmk = m ¯ k , s˜o os elementos de matriz da perturba¸˜o, inclu´ a ca ındo as h exponenciais que contˆm a dependˆncia temporal. Deve-se notar ainda que, e e ˆ como V depende explicitamente do tempo, as quantidades Vmk s˜o tamb´m a e (0) fun¸˜es do tempo. O fato de que ψn ´ pr´xima de ψn ´ expresso por co e o e anm (t) = δnm + a(1) (t) nm Inserindo (606) em (604), temos i¯ h da(1) mn = dt δnk Vmk = Vmn (t)
k

−E

(0)

(606)

(607)

136

Note-se que Vmk (t) = Vmk eiωmk t A equa¸˜o (607) pode ent˜o, por causa de (608), ser escrita: ca a da(1) i¯ mn = Vmn eiωmn t h dt Integrando, obt´m-se: e a(1) (t) = − mn i h ¯ dtVmn eiωmn t (610) (609) (608)

O caso mais importante ´ de uma perturba¸˜o com dependˆncia peri´dica e ca e o no tempo, ˆ ˆ ˆ V = F e−iωt + Geiωt (611) ` qual devemos, evidentemente, impˆr a condi¸˜o de hermiticidade. Como a o ca ˆ ˆ ˆ V † = F † eiωt + G† e−iωt e segue que ˆ ˆ V = V† , ˆ ˆ F = G† (612) (613) (614)

Para os elementos de matriz, temos a rela¸˜o: ca (G)mn = (F )∗ , mn ou seja,
∗ Vmn = Fmn e−iωt + Fnm eiωt

(615) (616)

Usando isto em (610), temos amn (t) = − ou i h ¯
∗ dt Fmn e−iωt + Fnm eiωt eiωmn t

(617)

i amn (t) = − Fmn h ¯ e, integrando,

i ∗ dtei(ωmn −ω)t − Fnm h ¯

dtei(ωmn +ω)t

(618)

i 1 i ∗ 1 amn (t) = − Fmn ei(ωmn −ω)t − Fnm ei(ωmn −ω)t (619) h ¯ i(ωmn − ω) h ¯ i(ωmn + ω) 137

ou ainda,
∗ Fmn ei(ωmn −ω)t Fnm ei(ωmn +ω)t amn (t) = − − h(ωmn − ω) ¯ h(ωmn + ω) ¯

(620)

Esta express˜o assinala que alguma coisa importante acontece quando a
(0) (0) Em − En = ±¯ ω , h

(621)

embora, estritamente, a teoria de perturba¸˜es n˜o se aplique neste caso, j´ co a a que os efeitos s˜o grandes. Em todo o caso, ´ claro que a a¸ao de um campo a e c˜ perturbador de freq¨ˆncia dada por (621) ´ muito mais intensa do que para ue e quaisquer outras freq¨ˆncias. Este fenˆmeno ´ denominado ressonˆncia. ue o e a

25

Perturba¸˜o peri´dica pr´xima ` ressonˆncia ca o o a a
ˆ ˆ ˆ V = F e−iωt + Geiωt

Considere a perturba¸˜o peri´dica ca o

(0) (0) de freq¨ˆncia ω tal que Em − En = h(ω + ǫ) onde ǫ ´ pequeno. A equa¸˜o ue ¯ e ca b´sica ´ (604), a e dam = Vmk (t)ak (622) i¯ h dt k com ∗ Vmk (t) = Fmk ei(ωmk −ω)t + Fkm ei(ωmk +ω)t (623)

Esta express˜o cont´m expoentes de tamanhos diversos, um dos quais, ǫ, ´ a e e particularmente pequeno, aparecendo nas combina¸˜es ωmn − ω e ωnm + ω. co Como a solu¸˜o de (604) envolve uma integra¸˜o do segundo membro no ca ca tempo, usaremos o fato de que, quando um integrando possui v´rios termos a oscilantes, a contribui¸˜o dominante ´ a daquele termo que oscila menos. A ca e base matem´tica rigorosa para isto ´ o lema de Riemann-Lebesgue28 . Podea e mos, ent˜o, aproximar as equa¸˜es (604) por a co i¯ h e i¯ h
28

dam = Fmn ei(ωmn −ω)t = Fmn eiǫt an dt dan ∗ = Fmn e−iǫt am dt

(624)

(625)

O leitor achar´ uma descri¸˜o breve em a ca http://mathworld.wolfram.com/Riemann-LebesgueLemma.html e uma longa em qualquer livro que trate de integral de Lebesgue.

138

Introduzindo a quantidade auxiliar bn = an eiǫt temos, para (624), i¯ a˙ = Fmn bn . h m Substituindo, em (625), an em termos de bn , ficamos com i¯ h ou Derivando mais uma vez, d ∗ bn e−iǫt = Fmn e−iǫt am dt
∗ i¯ b˙n − iǫbn = Fmn am h

(626)

(627) (628)

∗ i¯ bn − iǫb˙n = Fmn a˙ h ¨ m

(629)

que, usada em (626), d´ a 1 ¨ bn − iǫb˙n + 2 |Fmn |2 bn = 0 h ¯ (630)

Trata-se agora de resolver esta equa¸˜o diferencial linear a coeficientes conca stantes. Para isto existe um algoritmo bem conhecido: como todas as solu¸˜es de equa¸˜es deste tipo podem ser escritas como exponenciais, procuraco co se a solu¸˜o como uma exponencial gen´rica, escrita como ca e bn = eat ¨ com a a determinar. Temos b˙n = aeat e bn = a2 eat . Inserindo estas express˜es o em (630) e cancelando a exponencial comum, obtemos a2 − iǫa + 1 |Fmn |2 = 0 h2 ¯ (631)

que ´ um equa¸˜o do segundo grau. As solu¸˜es s˜o e ca co a a= iǫ ± −ǫ2 − 2
4 |Fmn |2 h ¯2

(632)

Para simplificar esta express˜o introduzimos algumas abrevia¸˜es: a co Fmn h ¯ ǫ2 Ω = + |η|2 4 η = 139

Usando esta nota¸˜o as solu¸˜es (632) podem ser escritas ca co ǫ a1 = i + iΩ 2 iǫ a2 = − iΩ 2 e, portanto, b(1) = ei( 2 +Ω)t n ǫ b(2) = ei( 2 −Ω)t
ǫ

(633) (634)

n

Como an = bn e−iǫt , obtemos a(1) = ei(− 2 +Ω)t n ǫ a(2) = ei(− 2 −Ω)t
ǫ

(635) (636)

n

Finalmente, introduzindo ǫ α1 = − + Ω 2 ǫ α2 = +Ω 2 chegamos a a(1) = Aeiα1 t n a(2) = Be−iα2 t n A¯ α1 h a(1) = − ∗ eiα1 t m Fmn B¯ α2 −iα2 t h a(2) = e m ∗ Fmn onde, para obter as duas ultimas, usamos a eq.(625). ´ Note-se que um par (a(i) , a(i) ) representa uma fun¸˜o de onda ca n m
(0) (0) a(i) ψn + a(i) ψm n m

(637) (638) (639) (640)

(641)

A solu¸˜o mais geral ´ dada por uma combina¸˜o linear dessas solu¸˜es, para ca e ca co i = 1 e i = 2. Como cada uma j´ foi escrita com uma constante multiplicativa a arbitr´ria, temos a
(0) (0) ψ = a(1) + a(2) ψn + a(1) + a(2) ψm n n m m

(642)

140

ou
(0) ψ = Aeiα1 t + Be−iα2 t ψn + −

A¯ α1 iα1 t B¯ α2 −iα2 t h h (0) e + ∗ e ψm ∗ Fmn Fmn

(643)

(0) Como condi¸˜o inicial, queremos que, para t = 0, ψ = ψm . Tomando t = 0 ca na eq.(643), vemos que devemos ter

A+B = 0 h ¯ (−Aα1 + Bα2 ) = 1 ∗ Fmn Conseq¨ entemente, u
∗ Fmn h(α1 + α2 ) ¯ Note-se ainda que α1 + α2 = 2Ω. A express˜o para ψ ´, ent˜o: a e a

(644) (645)

B = −A =

(646)

ψ=

F∗ 1 (0) (0) α1 eiα1 t + α2 e−iα2 t ψm − mn eiα1 t − e−iα2 t ψn 2Ω 2¯ Ω h
ǫ

(647)

(0) O coeficiente de ψm na equa¸˜o anterior, depois de alguma ´lgebra, ´ escrito: ca a e

e−i 2 t cos Ωt −
(0) e o de ψn d´ a

iǫ sin Ωt 2Ω

(648)

−i de modo que ψ = e−i 2 t
ǫ

η ∗ −i ǫ t e 2 sin Ωt Ω

(649)

cos Ωt −

iǫ η∗ (0) (0) sin Ωt ψm − i sin Ωt ψn 2Ω Ω

(650)

(0) O sistema inicia (em t = 0) no estado ψm . A probabilidade de ele estar, no (0) instante t, no estado ψn , ´ dada pelo quadrado do m´dulo do coeficiente de e o (0) ψn , que ´ e |η|2 |η|2 sin2 Ωt = (1 − cos 2Ωt) (651) ω2 2Ω2

Na ressonˆncia, isto ´, para ǫ = 0, temos Ω = a e probabilidade da transi¸˜o ´ dada por ca e

ǫ2 4

+ |η|2 = |η|, logo, a

1 (1 − cos 2|η|t) (652) 2 que varia periodicamente entre 0 e 1. Isto significa que, na ressonˆncia, o a (0) (0) sistema realiza transi¸˜es peri´dicas entre ψm e ψn . Note que a freq¨ˆncia co o ue dessas transi¸˜es n˜o depende de nenhuma das freq¨ˆncias presentes: ela ´ co a ue e determinada por |η|, ou seja, pela intensidade da perturba¸˜o. ca 141

26
26.1

For¸as de van der Waals c
Introdu¸˜o ca

O f´ ısico holandˆs Johannes Diderik van der Waals, vencedor do prˆmio Nobel e e de F´ ısica de 1910 “por seu trabalho sobre a equa¸˜o de estado de gases e ca l´ uidos” propˆs, para gases reais, a equa¸˜o de estado ıq¨ o ca p+ a (V − b) = RT , V2 (653)

aplic´vel a 1 mol. Aqui a e b s˜o as chamadas constantes de van der Waals. a a Naturalmente, para a = b = 0, recupera-se a equa¸˜o de estado para gases ca ideais. Note-se que a equa¸˜o de van der Waals (653) mant´m a sua validade ca e at´ mesmo nos estados em que a fase gasosa e a fase l´ uida est˜o em equil´ e ıq¨ a ıbrio (Ver, para isto, Landau, Lifshitz, Statistical Physics, Part 1, pg.232). Van der Waals interpretou a constante b como o volume ocupado pelos ´tomos: em gases rarefeitos este volume pode ser desprezado. A constante a a estava associada, segundo ele, a uma for¸a atrativa entre dois ´tomos. O c a pr´prio van der Waals sugeriu, mais tarde, um potencial de intera¸˜o da o ca forma A V (r) = − exp −Br r onde A e B s˜o constantes. a Mais tarde ainda Keesom obteve o potencial V (r) = − p2 p2 1 2 3kT r 6

para duas mol´culas polares (i.´, com dipolos permanentes), com dipolos de e e m´dulos p1 e p2 . o Contudo, gases de mol´culas n˜o polares tamb´m apresentam valores n˜oe a e a nulos para a constante a, de modo que uma for¸a mais geral do que a de c Keesom seria necess´ria. a

26.2

O trabalho de Debye

Em 1920, P. Debye publicou um importante trabalho no Physikalisches Zeitschrift, Vol.21, 178(1920), intitulado As for¸as coesivas de van der Waals, que rec produzimos, em parte, a seguir. Como se sabe, o grande sucesso da equa¸˜o de estado de van der Waals ca baseia-se essencialmente na hip´tese de uma for¸a atrativa entre as mol´culas. o c e Essas for¸as causam, em adi¸˜o ` press˜o externa, uma press˜o interna que ´ c ca a a a e 142

proporcional ao quadrado da densidade. De acordo com van der Waals, estas for¸as de atra¸˜o existem entre mol´culas de qualquer tipo, e constituem c ca e uma propriedade geral da mat´ria. Parece, por isso, de particular interesse e considerar a origem dessa atra¸˜o universal. ca Sabe-se hoje com certeza absoluta que a mol´cula ´ um sistema de cargas e e el´tricas, e somos levados a procurar uma origem el´trica para as for¸as de van e e c der Waals. Ser´ certamente desnecess´rio considerar detalhes da estrutura a a molecular. Uma propriedade da mat´ria t˜o geral quanto a atra¸˜o de van e a ca der Waals n˜o pode requerer, para a sua explica¸˜o, mais do que aspectos a ca estruturais, comuns a todas as mol´culas. Mostraremos no que se segue que, e de fato, ´ suficiente saber que as mol´culas s˜o sistemas el´tricos em que e e a e as cargas n˜o est˜o rigidamente presas `s suas posi¸˜es em repouso. Uma a a a co rela¸˜o entre a constante de atra¸˜o de van der Waals, de um lado, e o ´ ca ca ındice de refra¸˜o e o alargamento das linhas espectrais, do outro lado, pode ser ca deduzida na base dessa hip´tese. o 26.2.1 A equa¸˜o de van der Waals ca

Come¸amos por apresentar algumas rela¸˜es que ser˜o usadas subseq¨ entec co a u mente. . .

26.3

Causa da Coes˜o a

Se imaginarmos as mol´culas como sistemas el´tricos r´ e e ıgidos, ent˜o haver´, a a naturalmente, uma for¸a agindo entre tais sistemas, que mudar´ de sinal c a e de magnitude com a orienta¸˜o m´ tua das mol´culas. Como todas as ca u e orienta¸˜es ocorrem em um g´s, a m´dia sobre tais orienta¸˜es precisa ser co a e co tomada, afim de computar o termo de atra¸˜o que aparece na equa¸˜o de ca ca estado. Em termos gerais, na realiza¸˜o dese processo de m´dia, a probabilidade ca e de uma orienta¸˜o arbitr´ria teria de ser determinada em base ao princ´ ca a ıpio de Boltzmann-Maxwell. Quanto mais alta a temperatura, por´m, menos ime portante ´ a dependˆncia na energia m´ tua. No limite de altas temperaturas, e e u todas as orienta¸˜es ser˜o igualmente prov´veis. Obviamente, a hip´tese de co a a o van der Waals requer que a caracter´ ıstica coes˜o introduzida na equa¸˜o a ca persista no caso limite. Pode ser mostrado facilmente que dois sistemas el´tricos r´ e ıgidos, em m´dia, n˜o exercem for¸a um sobre o outro. O potencial que ´ gerado em e a c e um ponto distante por uma mol´cula pode ser considerado como originandoe se de uma s´rie de esferas concˆntricas cobertas por uma camada de cargas e e el´tricas de densidade superficial constante. Se as mol´culas assumem todas e e 143

as poss´ ıveis orienta¸˜es no espa¸o, cada carga ocupa, na m´dia, todos os co c e pontos da esfera com igual freq¨ˆncia. Como ´ sabido qye uma esfera com ue e densidade superficial de carga constante afeta pontos de seu esterior como se a carga total estivesse concentrada no centro, e como a mol´cula possui carga e total zero, a m´dia do potencial no ponto considerado ser´ zero. Assim, n˜o e a a existe for¸a efetiva na m´dia, entre duas mol´culas r´ c e e ıgidas. A situa¸˜o ´ imediata e essencialmente mudada se se consideram mol´culas ca e e que n˜o s˜o completamente r´ a a ıgidas. O fato de que cada g´s tem um ´ a ındice de refra¸˜o diferente de 1 ´ prova da mobilidade das cargas separadas da ca e mol´cula. Levando isto em considera¸˜o, ser´ claro que uma dada mol´cula e ca a e adquire um momento el´trico de dipolo no campo E de outra mol´cula, e o e e valor desse momento ´ proporcional a E. Assim, surge uma energia m´ tua e u entre as duas mol´culas que ´ proporcional ao produto do momento de dipolo e e pelo campo E, ou seja, ´ quadr´tica em E. Conseq¨ entemente, a for¸a m´dia e a u c e n˜o pode se anular. Al´m disso, pode ser visto prontamente que essa for¸a a e c ´ sempre de atra¸˜o. Assim, podemos concluir que descobrimos a for¸a que e ca c est´ na origem da atra¸˜o universal de van der Waals29 a ca A situa¸˜o pode ser ilustrada pelo exemplo seguinte. Dois dipolos est˜o ca a situados em oposi¸˜o um ao outro. ca

+

+

I

E

+

E

+

II

E

E

(a)Na posi¸˜o I. Aqui o efeito principal ´ repulsivo. Como conseq¨ˆncia da ca e ue a¸˜o, o campo E sobre as cargas elasticamente acopladas, as ultimas s˜o ca ´ a deslocadas de tal forma que os momentos el´tricos de dipolo s˜o reduzidos. e a
Errado! Veremos mais abaixo que esta for¸a existe, mas que a atra¸˜o de van der c ca Waals ocorre tamb´m para mol´culas r´ e e ıgidas.
29

144

Assim, a for¸a repulsiva decresce; em outras palavras, uma for¸a atrativa c c aparece como um efeito secund´rio. a (b)Na posi¸˜o II. Aqui o efeito principal ´ atrativo. O campo agora desloca ca e as cargas de modo que os momentos crescem. O efeito principal ´ agora aue mentado, ou, dito de outra forma, de novo uma for¸a atrativa foi adicionada c como efeito secund´rio. a O efeito principal se anula quando se faz a m´dia sobre todas as orie enta¸˜es. Como o efeito secund´rio ´ sempre positivo, ele nunca se anular´ co a e a na m´dia. e At´ aqui as palavras de Debye. Como j´ mencionamos, este efeito que a a ele descreve efetivamente existe, mas n˜o ´ suficiente: os gases nobres tˆm a e e ´tomos essencialmente indeform´veis, e, no entanto, se condensam, sob a a a a¸˜o da atra¸˜o de van der Waals. Falta ainda alguma coisa. ca ca 26.3.1 A teoria de London

Em 1930, Fritz London(Zeitschrift f¨r Physik,63,245(1930)) utilizou a teoria u quˆntica das perturba¸˜es para obter o potencial de intera¸˜o a co ca 3¯ ω0 α2 h V (r) = − 4r 6 entre dois ´tomos (ou mol´culas) idˆnticos, com freq¨ˆncia de transi¸˜o ω0 a e e ue ca entre o estado fundamental e o primeiro estado excitado, e com polarizabilidade α. O resultado de London, que foi considerado um grande marco na aplica¸˜o da mec˜nica quˆntica, mostrou que h´ uma for¸a geral de atra¸ao ca a a a c c entre duas mol´culas mesmo que nenhuma possua um momento de dipolo e permanente. ´ suficiente que um momento de dipolo possa ser induzido em e cada mol´cula, isto ´, que cada mol´cula seja polariz´vel (α = 0). Al´m e e e a e disso, a for¸a de van der Waals ´ independente da temperatura, propriedade c e compartilhada pela intera¸˜o de London, mas n˜o pela de Keesom. ca a A seguir mostraremos que a for¸a de van der Waals, na forma obtida por c London, pode ser atribu´ ` energia do ponto zero. ıda a 26.3.2 Referˆncias e

A leitura da conferˆncia que apresentou ao receber o prˆmio Nobel ´ fortee e e mente recomendada. As URL’s s˜o a http://nobelprize.org/nobel_prizes/physics/laureates/1910/waals-lecture.html http://nobelprize.org/nobel_prizes/physics/laureates/1910/waals-bio.html 145

Mais curiosidades sobre as for¸as de van der Waals: c http://news.nationalgeographic.com/news/2002/08/0828_020828_gecko.html http://www.bbc.co.uk/dna/h2g2/A6378230 http://dbhs.wvusd.k12.ca.us/webdocs/Chem-History/Debye-1920/Debye-1920.html De grande interˆsse e atualidade ´ o artigo de S. K. Lamoureux, “Casimir e e forces: Still surprising after 60 years”, Physics Today,Fevereiro de 2007, pg.40, que considera a for¸a de van der Waals no contexto mais amplo das c for¸as de Casimir. Em particular, menciona-se neste artigo o fato de que a c aderˆncia que permite `s lagartixas subir uma parede de vidro ´ devida ` e a e a for¸a de van der Waals. c

26.4

Rela¸˜o com a energia do ponto zero ca

Quando um g´s se condensa, ocorre uma not´vel contra¸˜o de volume, que a a ca revela a existˆncia de for¸as de coes˜o entre as mol´culas, ou ´tomos. Essas e c a e a for¸as s˜o as for¸as de van der Waals. As for¸as de coes˜o de van der Waals c a c c a depemdem da deforma¸˜o m´ tua dos ´tomos, de duas maneiras diferentes. ca u a Primeiro, a a¸˜o do campo (devido ao momento de dipolo ou quadrupolo ca permanente da mol´cula, sobre o dipolo induzido sobre a outra mol´cula por e e este mesmo campo) leva, em m´dia, a uma atra¸˜o: um resultado conhecido e ca mesmo antes da mecˆnica quˆntica, demonstrado por considera¸˜es cl´ssicas a a co a por Debye e Keesom (1921). Da´ no entanto, se concluiria que ´tomos ou mol´culas de estados fundaı, a e mentais esfericamente sim´tricos (e, portanto, sem dipolos ou quadrupolos e permanentes), como os gases inertes, n˜o deveriam apresentar coes˜o, cona a trariamente ` experiˆncia. a e Uma solu¸˜o para este problema foi apresentada por Fritz London (1930), ca que mostrou que a deformabilidade tem um segundo efeito, caracter´ ıstico da mec˜nica quˆntica. De acordo com esta teoria, existe um ”movimento a a do ponto zero”, isto ´, mesmo no estado de m´ e ınima energia o atomo ou ´ mol´cula apresentam movimento de cargas, de modo que pode existir um e dipolo oscilante, com a freq¨ˆncia do el´tron. Aproximados os ´tomos um ue e a do outro, os ”movimentos do ponto zero”dos dipolos agem sempre de modo que o resultado seja uma atra¸˜o. ca Para descrever a intera¸˜o entre dois ´tomos de hidrogˆnio de forma bem ca a e simples, consideremos cada um deles como um n´ cleo positivo de carga e e u um el´tron, de carga −e que, por a¸˜o de um campo eletromagn´ico, est´ e ca t a oscilando harmˆnicamente em torno do n´ cleo fixo. No primeiro semestre o u 146

mostramos que, num modelo muito simples do ´tomo, se o el´tron ´ desloa e e cado de uma distˆncia r em rela¸˜o ao n´ cleo, aparece sobre ele uma for¸a a ca u c restitutiva da forma e2 F = − 3r a onde a ´ o raio do n´ cleo. No caso de um modelo mais real´ e u ıstico, a for¸a c ainda ter´ essa express˜o, mas a n˜o ser´ exatamente o raio do n´ cleo. a a a a u Supondo os dois ´tomos idˆnticos, cada um deles ter´, ent˜o, por causa a e a a da deforma¸˜o, uma energia potencial el´stica, ou seja, teremos energias ca a e2 potenciais 2a6 x2 para um ´tomo (x1 ´ o deslocamento do el´tron em rela¸˜o a e e ca 1 e2 2 ao ´tomo) e 2a6 x2 para o outro. a Os n´ cleos dos ´tomos est˜o ` distˆncia R um do outro. Supondo, apenas u a a a a para fixar as id´ias, que o ´tomo ` esquerda tenha o el´tron deslocado para a e a a e esquerda, e que o da direita tenha o seu deslocamento para a direita, teremos uma energia potencial el´trica dada por e U= e2 e2 e2 e2 + − − R R + x1 + x2 R + x1 R + x2 (654)

Estaremos supondo que os ´tomos estejam distantes, ou, mais precisamente, a que R ≫ xi para i = 1, 2

Podemos ent˜o, na Eq.(654), expandir cada termo que contenha x1 e x2 a em s´rie de potˆncias de xi /R, o que se faz sem dificuldade usando a f´rmula e e o do binˆmio. Por exemplo, o e2 e2 x1 + x2 = 1+ R + x1 + x2 R R
−1

=

e2 x1 + x2 (x1 + x2 )2 1− + R R R2

Fazendo o mesmo para e2 /(R + x1 ) e e2 /(R + x2 ) e levando esses resultados em Eq.(654), obtemos, ap´s uma s´rie de cancelamentos, o e 2e2 x1 x2 R3 que ´ a energia de intera¸˜o entre os dois dip´los. e ca o A energia total do sistema ´ ent˜o dada por e a U(x1 , x2 ) = p2 + p2 e2 2e2 x1 x2 1 2 + 3 x2 + x2 + (655) 1 2 2m 2a R3 Suponhamos por um momento que o termo de intera¸˜o, ou seja, o ultimo ca ´ termo da Eq.(655), seja omitido. Ent˜o cada dip´lo iria vibrar com a freq¨ˆncia a o ue H= ω0 = e2 a3 m

147

Na presen¸a do termo de intera¸˜o, conv´m proceder assim: procuro uma c ca e mudan¸a de vari´veis tal que o sistema seja reconduzido, nas novas vari´veis, c a a a dois osciladores independentes. Isto se consegue introduzindo as vari´veis a 1 xs = √ (x1 + x2 ) 2 1 ps = √ (p1 + p2 ) 2 1 xa = √ (x1 − x2 ) 2 1 pa = √ (p1 − p2 ) 2 Com isto, o hamiltoniano do sistema se escreve H= e2 e2 1 p2 + p2 + 3 x2 + x2 + 3 x2 − x2 a s a s a 2m s 2a R

ou, de forma mais clara, H= 1 2 e2 e2 1 2 e2 e2 ps + + 3 x2 + pa + − 3 x2 s a 2m 2a3 R 2m 2a3 R (656)

Na Eq.(656) vˆ-se que h´ dois osciladores independentes, um de coordenadas e a xs e o outro de coordenadas xa . O primeiro tem a constante el´stica dada a e2 e2 e2 e2 por 2a + R3 , e o segundo a tem igual a 2a − R3 . Escrevendo ωs = ωa = e2 1 2 + 3 m a3 R e2 1 2 − 3 3 m a R (657) (658)

vemos facilmente que as energias do sistema podem ser escritas 1 1 1 1 Ena nb = hωs ns + ¯ + hωa na + ¯ 2 2 2 2 (659)

O estado fundamental desse sistema, que ´ a energia mais baixa que este e sistema de dip´los pode ter, ´ obtido pondo ns = na = 0 (´ a energia do ponto o e e zero do sistema). Mesmo que n˜o haja nenhum campo externo atuando sobre a o sistema, ele ter´ esta energia, pelo menos. Ela ´ a e 1 E00 = h (ωs + ωa ) ¯ 2 148 (660)

Usando as Eqs.(657) para explicitar os valores de ωs e ωa , temos E00 = hω0 1 − ¯ a6 + ... 2R6 (661)

O primeiro termo ´ uma constante, irrelevante. O segundo termo ´ da forma e e U(R) = −¯ ω0 h e ´ sempre negativo. Ele gera a for¸a e c Fvw = −∇U(R) ou seja, Fvw = −¯ ω0 h ou Fvw e2 3a6 ˆ = −¯ h R am R7 (663) 3a6 ˆ R R7 a6 2R6 (662)

ˆ e que ´ uma for¸a atrativa (R ´ o vetor unit´rio na dire¸˜o radial). Esta ´ a e c a ca e for¸a de van der Waals. Apesar de ser respons´vel por um fato corriqueiro, c a macrosc´pico, como a contra¸˜o volum´trica por ocasi˜o da condensa¸˜o, ela o ca e a ca ´ de car´ter quˆntico, o que se manifesta claramente tanto pelo fato de ser e a a proporcional a h, quanto pelo fato de ser uma conseq¨ˆncia direta da energia ¯ ue do ponto zero dos osciladores harmˆnicos. Usando o valor de o a= h2 ¯ me2

pode-se reescrever a eq.(662) na forma U(R) = e2 a5 , R6 (664)

que ser´ util para comparar com os resultados perturbativos obtidos abaixo. a´

26.5

Tratamento perturbativo das for¸as de van der c Waals

Para obter uma express˜o para as for¸as de van der Waals via teoria das a c perturba¸˜es, precisaremos do seguinte resultado, demonstrado no Apˆndice: co e

149

a corre¸˜o de segunda ordem ` energia n˜o perturbada, que denotaremos por ca a a W2 , ´ dada por e ˆ | m|V |n |2 W2 = (665) Em − En n=m onde |m ´ o estado n˜o perturbado e os Ei s˜o as energias dos n´ e a a ıveis n˜o a perturbados. Suponhamos que os n´ cleos de dois ´tomos de hidrogˆnio, um localizado u a e na origem, o outro no ponto com vetor de posi¸˜o R, estejam no eixo z. O ca el´tron do primeiro ´tomo est´ em r1 , e o do outro em R + r2 . e a a

r1 1 R 2

r2

O hamiltoniano para este sistema ser´ escrito a ˆ ˆ ˆ H = H0 + V h2 ¯ e2 e2 ˆ ∇2 + ∇2 − − H0 = − 1 2 2m r1 r2 2 2 e e e2 e2 ˆ + − − V = R |R + r2 − r1 | |R − r1 | |R + r2 | (666) (667) (668)

Os ´tomos n˜o perturbados est˜o em seus estados fundamentais, de sorte a a a ˆ e que o autoestado de H0 ´ dado por u0 (r1 , r2 ) = u100 (r1 )u100 (r2 ) onde
3

(669)

1 2 r u100 (r, θ, φ) = 2 exp − Y00 (θ, φ) a0 a0 ˆ Para que o potencial V possa ser tratado perturbativamente, suporemos o caso em que R ≫ a0 , onde a0 ´ o raio de Bohr, o que acarreta que r1 e r2 e R R s˜o ambos muito menores do que 1. a ˆ Neste caso, expandindo V em potˆncias de 1/R (com o uso da f´rmula e o do binˆmio de Newton) teremos, ap´s v´rios cancelamentos, e desprezando o o a termos da ordem de (r/R)4 e menores, V = e2 (x1 x2 + y1 y2 − 2z1 z2 ) R3 150 (670)

ˆ Note inicialmente que m|V |m = 0, pois a fun¸˜o de onda u0 (r1 , r2 ) ´ uma ca e ˆ (como mostra a Eq.(670)) ´ ´ fun¸˜o par de r1 e de r2 , enquanto que V ca e ımpar em r1 e em r2 . Assim, o termo que iremos calcular, a corre¸˜o de segunda ca ordem ` energia, ´ o termo dominante na abordagem perturbativa. Como a e ˆ 2 , teremos uma intera¸˜o do tipo 1/R6 . ele depender´ de V a ca Olhando, na eq.(665), a express˜o para W2 , que denotaremos por W (R), a temos ˆ | m|V |n |2 W2 = (671) , n=m E0 − En onde vemos que W (R) ´ negativa, pois o numerador ´ positivo e o denomie e nador ´ negativo, j´ que E0 < En , para todo n = 0. Logo, trata-se de uma e a intera¸˜o atrativa e proporcional a 1/R6 , para grande R. Estas conclus˜es ca o permanecem v´lidas para qualquer par de ´tomos cujos estados fundamentais a a sejam n˜o-degenerados e esfericamente sim´tricos. a e ´ poss´ e ıvel (A. Unsold, 43,563(1927)) obter um limite superior para a quantidade positiva −W (R), substitu´ ındo, em (671), todos os En (com n = ˆ 0) pela energia do estado excitado mais baixo para o qual 0|V |n∗ ´ diferente e de zero. Vamos denot´-la por En∗ . De fato, neste caso teremos a ˆ | 0|V |n |2 =
n

n=0

ˆ ˆ 0|V |n n|V |0 −

ˆ 0|V |0

2

ˆ = 0|V 2 |0 −

ˆ 0|V |0

2

ˆ e, levando em conta que 0|V |0 = 0, −W (R) ≤ ˆ 0|V 2 |0 En∗ − E0

(672)

(673)

O estado n∗ ´ aquele em que ambos os ´tomos est˜o em estados com n´ mero e a a u quˆntico principal n = 2, de modo que a E0 = −2 e En∗ = −2 ou ainda En∗ − E0 = Do resultado obtido acima chega-se a e4 2 2 2 2 ˆ V 2 = 6 x2 x2 + y1 y2 + 4z1 z2 + 2x1 x2 y1 y2 − 4x1 x2 z1 z2 − 4y1 y2 z1 z2 1 2 R 151 (675) e2 2a0 e2 8a0 3e2 4a0 (674)

Todos os termos do tipo 0|x1 x2 y1 y2 |0 s˜o nulos, pois s˜o fun¸˜es ´ a a co ımpares de cada coordenada. Por exemplo, 0|x1 y1 x2 y2 |0 = 0|x1 y1 |0 0|x2y2 |0 e 0|x1 y1 |0 = K = K
∞ −∞ ∞ −∞

(676)

dx1 dz1

∞ −∞ ∞ −∞

dy1

2 2 2 x2 + y1 + z1 1 dz1 x1 y1 exp − a0 −∞ ∞ 2 2 2 x2 + y1 + z1 1 dx1 x1 exp − a0 −∞ ∞

dy1 y1

e a integral em x1 d´ zero, pois o intervalo de integra¸˜o ´ sim´trico e o a ca e e 2 2 integrando ´ ´ e ımpar. J´ os termos quadr´ticos, como x1 x2 , d˜o a a a 0|x2 x2 |0 = 0|x2 |0 0|x2|0 1 2 1 2 e 0|x2 |0 = 1 onde usamos u100 (r) = Ent˜o a
2 2 2 2 obtendo-se o mesmo valor para 0|y1 y2 |0 e 0|z1 z2 |0 Em conseq¨ˆncia, ue

(677) 2r = a2 0 a0 (678)

1 3

d3 rr 2 |u100 (r)|2 = 2
3/2 a0

4 3a3 0

∞ 0

drr 4 exp −

exp (−

r )Y00 (θ, φ) a0 (679)

0|x2 x2 |0 = a4 1 2 0

ˆ 0|V 2 |0 = 6a4 0 e W (E) ≥ −

e4 R6

(680)

8e2 a5 0 (681) R6 Usando o m´todo variacional ´ poss´ determinar um limite superior para e e ıvel W (R) (Schiff, Quantum Mechanics, 3rd. edition, pg.262). Obt´m-se e W (R) ≤ − e, portanto, − 6e2 a5 0 R6 (682)

8e2 a5 6e2 a5 0 ≤ W (R) ≤ − 6 0 (683) R6 R C´lculos variacionais mais detalhados mostram que o coeficiente num´rico a e em W (R) ´ muito aproximadamente 6, 50. e 152

26.6

Apˆndice e

Teoria das perturba¸˜es co
ˆ Suponhamos que saibamos tudo sobre o sistema cujo hamiltoniano Ho , o hamiltoniano n˜o perturbado. Nosso interesse ´ utilizar este conhecimento a e para obter solu¸˜es aproximadas para o sistema cujo hamiltoniano ´ co e ˆ ˆ ˆ H = H0 + V (684)

ˆ onde V , dito a perturba¸˜o, ´ pequeno. Podemos, para tornar mais simples ca e ˆ as dedu¸˜es, escrever a perturba¸˜o como λV , com λ pequeno. No final dos co ca c´lculos tomaremos λ = 1. a ˆ As autofun¸˜es da energia de H0 , denotadas por uk (r), satisfar˜o co a ˆ H0 uk = Ek uk (685)

o que identifica os Ek como sendo os n´ ıveis de energia n˜o perturbados. a As fun¸˜es de onda e n´ co ıveis de energia perturbados ser˜o escritos a ˆ Hψ = W ψ e, expandidos em s´ries de potˆncias de λ, d˜o e e a ψ = ψ0 + λψ1 + λ2 ψ2 + λ3 ψ3 ... W = W0 + λW1 + λ2 W2 + λ3 W3 + ... e, colocados na Eq.(684), levam a ˆ ˆ H0 + λV (ψ0 + λψ1 + ...) (W0 + λW1 + ...) (ψ0 + λψ1 + ...) Igualando os coeficientes das mesmas potˆncias de λ, obtemos e ˆ H0 − W0 ψ0 = 0 (690) (691) (692) etc (693) (689) (687) (688) (686)

ˆ ˆ H0 − W0 ψ1 = (W1 − V )ψ0

ˆ ˆ H0 − W0 ψ2 = (W1 − V )ψ1 + W2 ψ0

ˆ ˆ H0 − W0 ψ3 = (W1 − V )ψ2 + W2 ψ1 + W3 ψ0

A primeira equa¸˜o nos diz que ψ0 ´ uma das autofun¸˜es n˜o perturbadas, ca e co a e W0 ´ o seu autovalor. Tomemos ψ0 = um , e W0 = Em . Suponhamos que e um n˜o seja degenerado. a 153

Nas segunda das equa¸˜es acima, podemos substituir co
′ ψ1 → ψ1 = ψ1 + K1 ψ0

sem violar a equa¸˜o. Escolhamos K1 de modo tal que ca
′ (ψ1 , ψ0 ) = 0 ′ e passemos a chamar ψ1 de ψ1 . Na terceira equa¸˜o podemos substituir ca ′ ψ2 → ψ2 = ψ2 + K2 ψ0 ,

escolher K2 de forma que

′ (ψ2 , ψ0 ) = 0

′ e passar a chamar ψ2 de ψ2 , e assim por diante. Desta forma, teremos fun¸˜es co ψs (s = 0) que satisfazem as equa¸˜es acima e s˜o, todas, ortogonais a ψ0 . co a Nas equa¸˜es (690) e seguintes, tomemos o produto escalar, termo a co termo, por ψ0 . Tomemos como exemplo a terceira delas. Teremos

ˆ ˆ ψ0 , (H0 − W0 )ψ2 = ψ0 , (W1 − V )ψ1 + (ψ0 , W3 ψ0 ) que tem como resultado ˆ 0 = − ψ0 , V ψ1 + W2 ou e, de maneira geral, ˆ W2 = ψ0 , V ψ1 ˆ Ws = ψ0 , V ψs−1

(694)

(695) (696) (697)

Por outro lado, ψ1 pode ser expandida nas autofun¸˜es n˜o perturbadas, co a ψ1 =
n

a(1) un n

(698)

Levando (698) ` segunda das equa¸˜es (690), temos a co
n

ˆ ˆ a(1) H0 − Em um = W1 − V um n

(699)

Mas a(1) = 0, como conseq¨ˆncia de ue m (ψ0 , ψs ) = 0

154

De (699) segue ent˜o, sem dificuldade, tomando o produto escalar com uk , a que ˆ k|V |m (1) ak = (700) Em − Ek Levando este resultado ` (696),e lembrando que ψ0 = um , a ˆ W2 = m|V | ou W2 =
k=m

ˆ k|V |m |k k=m Em − Ek

(701)

ˆ ˆ m|V |k k|V |m Em − Ek ˆ k|V |m
2

(702)

ou ainda, W2 =
k=m

Em − Ek

(703)

que ´ o resultado que foi usado no texto. e

27

Sistemas compostos

Qual ´ a probabilidade de, lan¸ando-se um dado, obter-se o n´ mero 3? Todo e c u o mundo sabe que ´ 1/6. Qual ´ a probabilidade de, lan¸ando-se o mesmo e e c dado duas vezes, obter-se duas vezes o n´ mero 3? Como s˜o eventos indeu a pendentes, a probabilidade ´ o produto, 1/36, portanto. Considere agora o e seguinte problema: lan¸a-se o dado uma primeira vez, obtendo-se n1 . Qual ´ c e a probabilidade de que, num segundo arremesso, a leitura, n2 , seja maior do que n1 ? Ou seja, qual ´ a probabilidade de, arremessando-se um dado duas e vezes, obter-se o par (n1 , n2 ), com n2 > n1 ? Agora n˜o se trata de eventos a independentes, e a probabilidade n˜o ´ um simples produto. Num sistema a e formado por duas part´ ıculas, dizemos que elas s˜o independentes se a proba abilidade de uma estar em uma certo elemento de volume for independente da posi¸˜o da outra. Neste caso, cada part´ ca ıcula possui a sua pr´pria fun¸˜o o ca de onda. Sejam ψ1 (r1 ) e ψ2 (r2 ) essas fun¸˜es de onda. Ent˜o a fun¸˜o de co a ca onda do sistema ´, simplesmente, e ψ(r1 , r2 ) = ψ1 (r1 )ψ2 (r2 ) (704)

De fato, desta forma a probabilidade de a part´ ıcula 1 estar entre r1 e r1 +d3 r1 3 e da part´ ıcula 2 estar entre r2 e r2 + d r2 ´ dada por e |ψ(r1 , r2 )|2 d3 r1 d3 r2 = |ψ(r1 )|2 |ψ2 (r2 )|2 d3 r1 d3 r2 155 (705)

e a probabilidade do evento composto (part´ ıcula 1 aqui e part´ ıcula 2 ali) ´ e o produto das probabilidades dos eventos individuais, o que caracteriza, na linguagem das probabilidades, a independˆncia dos eventos. e Se as part´ ıculas interagem, essas probabilidades n˜o s˜o mais indepena a dentes, e a fun¸˜o de onda do sistema composto n˜o ´ mais o produto das ca a e fun¸˜es de onda dos sistemas elementares. co Sejam ψn (r1 ), n = 1, 2 . . . (706) fun¸˜es que formam uma base do espa¸o E1 de estados da part´ co c ıcula 1, e φn (r2 ), n = 1, 2 . . . (707)

fun¸˜es que formam uma base do espa¸o E2 de estados da part´ co c ıcula 2. Consideremos o conjunto dos produtos ψn (r1 )φm (r2 ) (708)

para todos os valores poss´ ıveis de n e m. O conjunto de todas as combina¸˜es co lineares, com coeficientes complexos, desses produtos, ´ um espa¸o vetorial30 . e c Os elementos desse espa¸o vetorial s˜o, ent˜o, express˜es da forma c a a o Ψ(r1 , r2 ) = Aψ1 (r1 )φ1 (r2 ) + Bψ2 (r1 )φ3 (r2 ) , por exemplo. Mais geralmente, Ψ(r1 , r2 ) =
n m

(709)

Anm ψn (r1 )φm (r2 )

(710)

onde os Anm s˜o n´ meros complexos. a u O produto escalar neste espa¸o ´ definido assim: para elementos da base, c e (ψn (r1 )φm (r2 ), ψn′ (r1 )φm′ (r2 )) = (ψn (r1 ), ψn′ (r1 )) (φm (r2 ), φm′ (r2 )) (711)

A extens˜o a um elemento geral ´ feita usando a bilinearidade do produto a e escalar, isto ´, e (a + b, c) = (a, c) + (b, c) (a, b + c) = (a, b) + (a, c) Desta maneira, (Ψ(r1 , r2 ), Ψ′ (r1 , r2 )) =
m,n m′ ,n′

(712) (713)

A∗ Bm′ n′ (ψn (r1 ), ψn′ (r1 )) (φm (r2 ), φm′ (r2 )) nm (714)

Dito produto tensorial dos espa¸os E1 e E2 , e denotado, quando se quer assustar os c estudantes, por E1 ⊗ E2 .

30

156

onde (ψn (r1 ), ψn′ (r1 )) = d3 r1 ψn (r1 )∗ ψn′ (r1 ) (715) e assim por diante. Os mesmos resultados se aplicam no caso de se ter, em lugar de duas ou mais part´ ıculas, dois ou mais conjuntos de vari´veis independentes. Por a exemplo, uma part´ ıcula livre no espa¸o tridimensional, descrita por coordec nadas cartesianas. As coordenadas x, y e z s˜o independentes, e a fun¸˜o de a ca onda da part´ ıcula ´ escrita, num estado de momento definido, e ψ(x, y, z) = ei(kx x+ky y+kz z) = eikx x eiky y eikz z . (716)

Outro caso semelhante ´ o do spin. Na mecˆnica quˆntica n˜o-relativ´ e a a a ıstica (e na ausˆncia de campos magn´ticos) as coordenadas espaciais e as vari´veis e e a de spin s˜o independentes: a probabilidade de um el´tron estar em uma a e determinada posi¸˜o e ter, por exemplo, componente z do spin igual a +1/2, ca ´ o produto das duas probabilidades. A fun¸˜o de onda de um el´tron ´ ent˜o e ca e e a o produto ψ(r)χσ (717) onde χσ ´ uma das duas matrizes coluna e 1 0 ou 0 1

e ψ(r) ´ a fun¸˜o de onda espacial. e ca Se o hamiltoniano de um sistema for constitu´ de um termo que depende ıdo das coordenadas espaciais e outro que depende das vari´veis de spin, por a exemplo h2 2 ¯ e¯ h ˆ H=− ∇ + σz B (718) 2m 2mc ˆ com B constante, o elemento de matriz de H entre dois estados do tipo que aparece na eq.(717), ´ e ˆ (ψ1 (r)χ+ , Hψ2 (r)χ− ) = χ† + + = + e¯ h B 2mc χ† χ− + χ† σz χ− + 157
∗ d3 rψ1 (r) −

h2 2 ¯ ∇ ψ2 (r) χ− 2m

∗ d3 rψ1 (r)ψ2 (r) χ† σz χ− +

d

3

∗ rψ1 (r)

h2 2 ¯ − ∇ ψ2 (r) + 2m
∗ d3 rψ1 (r)ψ2 (r)

e¯ h B 2mc

(719)

A extens˜o deste formalismo para um n´ mero arbitr´rio de part´ a u a ıculas ´ ´bvio, eo e fica ao encargo do leitor. Como um exemplo final, vamos examinar de novo o ´tomo de hidrogˆnio, a e mas sob um aspecto mais realista: a intera¸˜o de uma part´ ca ıcula de massa m2 e carga +e, o pr´ton, com um el´tron de massa m1 e carga -e. O nosso o e tratamento anterior deste mesmo problema considerava a massa do proton (que ´ cerca de 2000 vezes maior que a do el´tron) como infinita, desprezando, e e assim, a rea¸˜o do el´tron sobre o proton. Uma descri¸˜o mais acurada do ca e ca problema, ent˜o, considera um sistema de duas part´ a ıculas ligadas por um potencial coulombiano. Sejam r1 e r2 as posi¸˜es do el´tron e do pr´ton, co e o respectivamente. O potencial coulombiano ser´ da forma V (|r1 − r2 |), e a a equa¸˜o de Schr¨dinger ser´ ca o a h2 2 ¯ h2 2 ¯ ∇r1 − − ∇ ψ(r1 , r2 ) + V (|r1 − r2 |)ψ(r1 , r2 ) = Eψ(r1 , r2 ) 2m1 2m2 r2 (720) Introduzimos as novas vari´veis a − r = r1 − r2 m1 r1 + m2 r2 R = m1 + m2 sendo as transforma¸˜es inversas dadas por co r1 = r2 m2 r+R M m1 = − r+R M (723) (724) (721) (722)

com M = m1 + m2 . Reconhecemos R como a posi¸˜o do centro-de-massa, na mecˆnica cl´ssica. ca a a A outra vari´vel, r, ´, obviamente, a posi¸˜o do el´tro em rela¸˜o ao pr´ton. a e ca e ca o Na mecˆnica cl´ssica sabemos que essas vari´veis s˜o independentes: ena a a a quanto o movimento relativo pode complicar-se ` vontade, o centro-de-massa a segue serenamente seu movimento retil´ ıneo e uniforme. Isto nos sugere, na mecˆnica quˆntica, procurar solu¸˜es da equa¸˜o de Schr¨dinger (720) que a a co ca o sejam produtos de uma fun¸˜o de r por uma fun¸˜o de R. Mas, primeiro, ca ca vamos escrever (720) em termos dessas novas vari´veis. Ap´s um c´lculo n˜o a o a a muito complicado, descrito abaixo em letras mais mi´ das, obtemos, para u (720), − h2 2 ¯ h2 2 ¯ ∇r ψ(r, R) − ∇ ψ(r, R) + V (|r|)ψ(r, R) = Eψ(r, R) 2µ 2M 158 (725)

Aqui aparece a nova vari´vel µ, a massa reduzida, definida por a 1 1 1 = + . µ m1 m2 Procuremos agora solu¸˜es da forma co ψ(r, R) = φ(r)χ(R) . Inserindo o segundo membro de (726) em (725) obtemos h2 2 ¯ h2 2 ¯ χ(R) − ∇r φ(r) − φ(r) ∇ χ(R) + χ(R)V (|r|)φ(r) = Eφ(r)χ(R) 2µ 2M R (727) que pode ser reescrita assim: − h2 1 ¯ h2 1 ¯ 2 ∇r φ(r) + V (|r|) − E = − ∇2 χ(R) 2µ φ(r) 2M χ(R) R (728) (726)

O segundo membro n˜o depende de r, e ´ igual ao primeiro membro, que a e n˜o depende de R. Logo, o segundo membro n˜o depende nem de r nem a a de R, ou seja, ´ constante. O primeiro membro, por conseg¨ inte, ´ tamb´m e u e e constante. Logo, h2 1 ¯ − (729) ∇2 χ(R) = −K 2M χ(R) R com K constante. Isto ´ a mesma coisa que e ∇2 χ(R) = − R onde pusemos k 2 = ser escrita
2M K. h ¯2

2M Kχ(R) = −k 2 χ(R) h2 ¯

(730)

Isto ´ permitido, com k real, porque (730) pode e P2 χ(R) = Kχ(R) 2M (731)

com P hermiteano. Logo, K ´ positivo. e Voltando ` eq.(730), sua solu¸˜o ´ a ca e χ(R) = Aeik.R (732)

com |k|2 = 2M K. Conclui-se que o centro-de-massa move-se como uma h ¯2 part´ ıcula livre em estado de momento bem definido. Existe, portanto, um sistema de referˆncia inercial em que o centro-de-massa est´ em repouso. e a 159

Para φ(r) temos agora a equa¸˜o ca h2 1 ¯ − ∇2 φ(r) + V (|r|) − E = −K 2µ φ(r) r ou − h2 ¯ ∇r φ(r) + V (|r|)φ(r) = (E − K)φ(r) 2µ (733)

(734)

Desta equa¸˜o vemos que, `parte o movimento do centro-de-massa, o probca a lema foi reduzido a um problema de uma part´ ıcula, de massa µ, que se move sob a a¸˜o de um campo que lhe d´ uma energia potencial V (|r. A partir de ca a agora basta reproduzir, mutatis mutandis31 , a solu¸˜o anterior para o ´tomo ca a de hidrogˆnio. e
2 Vamos agora ao c´lculo prometido acima. Tudo est´ em escrever ∇r1 em termos de a a 2 r e R, a mesma tarefa devendo ser realizada tamb´m para ∇r2 . Trabalhando com as e componentes ao longo do eixo x j´ podemos adivinhar a express˜o geral. Temos a a

∂ ∂ m1 ∂ = + ∂x1 ∂x M ∂X onde, como ´ ´bvio, x ´ a componente de r, e X a componente de R. Usamos, nesta e o e primeira passagem, a rela¸˜o ca ∂x ∂ ∂X ∂ ∂ = + ∂x1 ∂x1 ∂x ∂x1 ∂X Logo, ∂2 = ∂x2 1 ∂ m1 ∂ + ∂x M ∂X ∂ m1 ∂ + ∂x M ∂X

ou

∂2 ∂2 m1 ∂ 2 m2 ∂ 2 1 2 = ∂x2 + 2 M ∂x∂X + M 2 ∂x2 ∂x1
∂2 , ∂x2 2

com uma express˜o an´loga para a a

que ´ dada por e

∂2 m2 ∂ 2 m2 ∂ 2 ∂2 = −2 + 2 ∂x2 ∂x2 M ∂x∂X M 2 ∂x2 2 Portanto, 1 ∂2 1 ∂2 2 + m ∂x2 = m1 ∂x1 2 2 1 1 + m1 m2 ∂2 1 ∂2 + 2 ∂x M ∂X 2

que, somada `s contribui¸˜es an´logas das outras componentes, d´ o resultado utilizado a co a a acima.
31

Um latinzinho faz sempre bem! Quer dizer, mudando o que deve ser mudado.

160

27.1

Exerc´ ıcios

1. Calcule o raio m´dio ( r ) do “´tomo de hidrogˆnio muˆnico”, em que e a e o o el´tron foi substitu´ por um µ− , uma part´ e ıdo ıcula que tem as mesma propriedades eletromagn´ticas que o el´tron, a n˜o ser a massa, que ´ 480 vezes e e a e a massa do el´tron. e 2. Calcule o espectro, raio m´dio, e tudo que lhe ocorrer, do positrˆnio, um e o “´tomo” formado por um positron e um el´tron. O p´sitron tem a mesma a e o massa que o el´tron, e a carga igual ` do proton. Despreze o fenˆmeno de e a o aniquila¸˜o part´ ca ıcula-anti-part´ ıcula.

28

Part´ ıculas idˆnticas e

Na mecˆnica quˆntica se diz que duas part´ a a ıculas s˜o idˆnticas se a opera¸˜o a e ca de trocar uma pela outra n˜o tem qualquer efeito f´ a ısico no sistema ao qual pertencem: n˜o h´ maneira de realizar uma medida f´ a a ısica que detete se tal mudan¸a foi realizada. Para explorar as conseq¨ˆncias disso de maneira forc ue mal, introduzimos o operador P12 de troca de part´ ıculas. Seja ψ(r1 , s1 ; r2 , s2 ) uma fun¸˜o de onda do sistema onde inclu´ ca ımos as vari´veis de spin, si . O a operador de troca atua assim: P12 ψ(r1 , s1 ; r2 , s2 ) = ψ(r2 , s2 ; r1 , s1 ) (735)

ˆ Se as part´ ıculas s˜o verdadeiramente idˆnticas, o hamiltoniano H deve ser a e sim´trico em rela¸˜o `s vari´veis de posi¸˜o e spin das part´ e ca a a ca ıculas idˆnticas, e de maneira que n˜o haja qualquer mudan¸a na energia do sistema quando a a c troca ocorre. Neste caso, ˆ ˆ ˆ P12 Hψ(r1 , s1 ; r2 , s2 ) = P12 Hψ(r2 , s2 ; r1 , s1 ) = HP12 ψ(r1 , s1 ; r2 , s2 ) ou seja, ˆ [P12 , H] = 0 (736) (737)

para todo hamiltoniano sim´trico pela troca de part´ e ıculas idˆnticas. e Seja ψ(1, 2) uma autofun¸˜o do operador P12 : ca P12 ψ(1, 2) = αψ(1, 2) Temos P12 ψ(1, 2) = ψ(2, 1) P12 ψ(2, 1) = ψ(1, 2) 161 (739) (740) (738)

logo, ψ(1, 2) = α2 ψ(1, 2) (741) de onde se tira que α = ±1. Logo, as autofun¸˜es do operador P12 s˜o tais co a que P12 ψ(1, 2) = ψ(1, 2) (742) ou P12 ψ(1, 2) = −ψ(1, 2) (743) isto ´, s˜o as fun¸˜es pares e ´ e a co ımpares pela troca de um par de part´ ıculas ˆ = 0, o operador d P12 = 0, e o valor m´dio de P12 idˆnticas. Como [P12 , H] e e dt ´ constante, o que se estende para os autovalores . Portanto, o autovalor de e P12 ´ uma constante do movimento. e Part´ ıculas para as quais a eq.(742) s˜o ditas bosons , e satisfazem a a esta´ ıstica de Bose-Einstein; part´ ıculas para as quais a eq.(743) ´ satisfeita e s˜o ditas f´rmions, e satisfazem a estat´ a e ıstica de Fermi-Dirac. Empiricamente se verifica que os bosons s˜o part´ a ıculas de spin inteiro, enquanto que os f´rmions s˜o part´ e a ıculas de spin 1/2, 3/2, etc. Os el´trons s˜o f´rmions, os e a e f´tons s˜o bosons . o a

28.1

O princ´ ıpio de Pauli

O tipo de estat´ ıstica satisfeita por uma part´ ıcula tem conseq¨ˆncias bem ue definidas sobre seu movimento. Examinemos a fun¸˜o de onda de dois ca f´rmions idˆnticos, e imaginemos que eles ocupassem ambos a mesma posi¸˜o, e e ca tendo o mesmo valor para a componente z do spin. Ou seja, r1 = r2 e s1 = s2 . Ent˜o, se a fun¸˜o de onda do sistema for a ca ψ(r1 , s1 ; r2 , s2 ) = −ψ(r2 , s2 ; r1 , s1 ) Nas condi¸˜es acima, ter´ co ıamos ψ(r1 , s1 ; r1 , s1 ) = −ψ(r1 , s1 ; r1 , s1 ) ou ψ(r1 , s1 ; r1 , s1 ) = 0 (746) mostrando que a probabilidade de dois f´rmions ocuparem o mesmo estado (o e estado, aqui, ´ completamente definido pela posi¸˜o e pela componente z do e ca spin) ´ zero. Isto ´ denominado princ´ e e ıpio de exclus˜o, ou princ´ a ıpio de Pauli. Um exemplo importante ´ o seguinte: considere dois el´trons movendo-se em e e um campo de for¸as, como, por exemplo, no ´tomo de H´lio. Desprezando a c a e intera¸˜o entre os el´trons, e denotando por u1 e u2 dois estados estacion´rios ca e a 162 (745) (744)

de 1 el´tron nesse campo, a fun¸˜o de onda de um estado estacion´rio ade ca a miss´ seria ıvel 1 ψ = √ [u1 (r1 , s1 )u2 (r2 , s2 ) − u1 (r2 , s2 )u2 (r1 , s1 )] 2 A fun¸˜o de onda (747) satisfaz a propriedade ca P12 ψ = −ψ (748) (747)

e se anula identicamente se u1 = u2 . Em contraposi¸˜o, o “estado” de fun¸˜o ca ca de onda 1 ψ ′ = √ [u1(r1 , s1 )u2 (r2 , s2 ) + u1 (r2 , s2 )u2 (r1 , s1 )] (749) 2 que tem a propriedade P12 ψ ′ = ψ ′ (750) n˜o existe na natureza, assim como nenhum outro que n˜o esteja antisa a simetrizado. A express˜o costumeira desta lei ´ que duas part´ a e ıculas idˆnticas e de spin semi-inteiro n˜o podem estar em um estado em que se movem na a mesma “´rbita” e com os spins paralelos. Dois el´trons podem estar na o e mesma “´rbita”, desde que seus spins sejam anti-paralelos32 . o No ´tomo de H´lio, se ignorarmos a intera¸˜o entre os el´trons, tudo se a e ca e passa como se cada el´tron estivesse sob a a¸˜o de uma campo coulombiano, e ca e as fun¸˜es de onda individuais de cada el´tron seriam as de um el´tron co e e do ´tomo de Hidrogˆnio (com a diferen¸a que Z = 2). Ent˜o, nessa aproxa e c a ima¸˜o, no estado fundamental, poderia haver dois el´trons no estado ψ100 , ca e um com “spin para cima”, o outro com “spin para baixo”. O elemento de Z = 3 ´ o L´ e ıtio. Na mesma aproxima¸˜o (de desprezar a intera¸˜o entre os ca ca el´trons), n˜o seria poss´ adicionar mais um el´tron no estado n = 1. Este e a ıvel e ´ teria de ser acomodado em um estado com n = 2. E claro que desprezar a intera¸˜o entre os el´trons ´ tanto mais grave quanto mais numerosos eles ca e e s˜o, de modo que vamos parar por aqui. a 28.1.1 Adi¸˜o de momento s angulares ca

O problema ´ este: dadas duas part´ e ıculas em estados de momento angular bem definido, qual o valor, ou valores, do momento angular do sistema composto pelas duas? Como a solu¸˜o ´ consideravelmente t´cnica, vamos nos ca e e limitar aqui a dar os resultados.
Linguagem de mesa de bar. Corretamente, isto se diria assim: dois el´trons podem e estar em estados ψnlm para os mesmos valores de n, l e m, desde que suas componentes z do spin tenham sinais opostos. Mas n˜o se fala assim num bar. . . a
32

163

Seja ψl1 ,m1 o estado de uma das part´ ıculas, e ψl2 ,m2 o estado da outra. 2 ˆ ˆ Isto quer dizer que, se li e liz (i = 1, 2) forem os operadores de momento angular total e componente z do momento angular, teremos ˆ2 l1 ψl1 ,m1 = l1 (l1 + 1)ψl1 ,m1 lˆ ψl1 ,m1 = m1 ψl1 ,m1 1z ˆ2 l2 ψl2 ,m2 = l2 (l2 + 1)ψl2 ,m2 lˆ ψl ,m = m2 ψl ,m 2z
2 2 2 2

(751) (752) (753) (754)

Considerando agora o sistema composto, teremos que o momento angular total pode ter todos os valores entre l1 + l2 e |l1 − l2 |, variando de um em um. Para a componente z do momento angular total, a regra ´ mais simples: a e componente z do momento angular total ´ a soma alg´brica das componentes e e m1 e m2 .
Exemplo: dois el´trons em estados de momento angular orbital 0, portanto tendo como e momento angular apenas o spin, s˜o considerados como um sistema: em que estado (l, m) a se encontram? A resposta ´: h´ duas possibilidades. O momento angular total pode ter e a 1 1 e ıveis qualquer dos valores 2 + 1 , 1 + 2 − 1,. . . , at´ atingir | 1 − 1 |, ou seja, os valores poss´ 2 2 2 2 s˜o 1 e 0. Assim, o estado de momento angular do sistema composto ser´, em geral, uma a a superposi¸˜o de um estado de momento angular total 1 com um estado de momento anguca lar total 0. . Para saber mais, temos de olhar para as componentes z dos spins individuais. Se os dois el´trons tiverem spins paralelos, ent˜o m1 + m2 ser´ 1 ou −1. Esses valores s˜o e a a a incompat´ ıveis com momento angular total 0, de maneira que, neste caso, pode-se afirmar que os el´trons formam um sistema composto de momento angular total l = 1. Se as e componentes z tiverem sinais opostos, por´m, o momento angular total pode ser tanto e l = 1 quanto l = 0. Um estudo mais detalhado permite determinar as probabilidades, neste caso, de se achar, numa medida de momento angular total, cada um desses valores poss´ ıveis.

Para um tratamento completo desta quest˜o, veja [3]. a

29

O caso quase-cl´ssico a

Iniciamos o nosso curso com o estudo do ´tomo de Bohr, centrado na regra a de quantiza¸˜o, para ´rbitas circulares, ca o L = n¯ h com n inteiro, que d´, para a energia , a me4 1 En = − 2 2 , 2¯ n h 164 (755)

(756)

a famosa f´rmula de Bohr. o Na verdade, (756) ´ o caso particular, para ´rbitas circulares, das ree o gras de Bohr-Sommerfeld, que podem ser enunciadas assim: seja um sistema peri´dico descrito por coordenadas generalizadas qi , i = 1, . . . , n. Ent˜o o a pi dqi = ni h (757)

onde h ´ a constante de Planck, e os ni s˜o inteiros. No caso do ´tomo de e a a hidrogˆnio, o movimento, em ´rbita circular, pode ser inteiramente descrito e o pela coordenada angular θ, do par (r, θ) de coordenadas polares no plano da ´rbita. Como a lagrangeana do sistema ´ o e L= temos que m 2 Ze2 ˙ (r + r 2 θ 2 ) − ˙ 2 r (758)

∂L ˙ = mr 2 θ = L (759) ˙ ∂θ onde L ´ o momento angular. Al´m disso, pθ ´ constante, pois a vari´vel θ e e e a n˜o aparece na lagrangeana. Ent˜o, a a pθ = pθ dθ = ou seja, L=n
2π 0

Ldθ = 2πL = nh h 2π

(760)

(761)

que ´ a regra de Bohr usual. e Estamos agora muito distantes dessa vers˜o simples de uma mecˆnica a a ´ quˆntica. Orbitas n˜o existem, de modo que a regra de Bohr nem pode a a ser enunciada, com o vocabul´rio da mecˆnica quˆntica. No entanto,(756) a a a permanece v´lida, embora obtida de maneira totalmente diferente. a Nesta se¸˜o queremos investigar se existem condi¸˜es em que a regra ca co de Bohr seja aproximadamente v´lida. Sistemas que satisfazem a essas a condi¸˜es ser˜o chamados quase-cl´ssicos33. No estilo que temos adotado co a a sistematicamente, estudaremos este problema no contexto dos estados estacion´rios e, para simplificar, para sistemas unidimensionais. a Uma part´ ıcula de massa m possui uma energia potencial U(x). A equa¸˜o ca de Schr¨dinger para estados estacion´rios ´: o a e −
33

h2 d2 ψ ¯ + U(x)ψ = Eψ 2m dx2

(762)

O m´todo tratado nesta se¸˜o ´ tamb´m conhecido como Aproxima¸ao WKB (Wentzel, e ca e e c˜ Krames, Brillouin).

165

que, naturalmente, pode ser escrita como h2 d2 ψ ¯ + (E − U)ψ = 0 2m dx2 Procuraremos solu¸˜es escritas na forma co
¯ ψ = eh σ i

(763)

(764)

onde σ ´ uma fun¸˜o complexa, e tal que e ca |σ| ≫ h . ¯ Note-se que, sendo σ complexa, temos
¯ ¯ ¯ ψ = e h (σr +iσi ) = e− h σi e h σr i 1 i

(765)

(766)

´ ou seja, (764) ´ uma express˜o geral para a fun¸˜o de onda. E a condi¸˜o e a ca ca (765) que nos dirige ao caso que nos interessa, j´ que ´ uma realiza¸˜o do a e ca limite formal h → 0, supostamente a situa¸˜o em que a mecˆnica quˆntica ¯ ca a a tende ` mecˆnica cl´ssica (as rela¸˜es de incerteza inexistem, nesse limite). a a a co Inserindo na eq.(763) a express˜o (764), obtemos a seguinte equa¸˜o para a ca σ (completamente equivalente ` equa¸˜o de Schr¨dinger): a ca o 1 2m dσ dx
2

i¯ d2 σ h = E−U 2m dx2

(767)

Vamos agora utilizar a condi¸˜o (765). Suponhamos que exista a exca pans˜o a 2 h ¯ h ¯ σ = σ0 + σ1 + (768) σ2 + . . . i i com σ0 , σ1 , σ2 finitos (ou seja,de m´dulos muito maiores do que h). Ent˜o o ¯ a (765) estar´ garantida desde que |σ0 | ≫ h. a ¯
¯ ca a ıcula livre, ´ e Exemplo: ψ(x) = e h px , a fun¸˜o de onda de um estado estacion´rio de part´ tal que i i ¯ ¯ ψ = e h px = e h σ (769) i

de onde segue que σ = px A condi¸˜o (765) ´ ca e px h ¯ kx = ≫1 h ¯ h ¯ (771) (770)

166

´ garantida se kx ≫ 1. Ela falha, portanto, para k = 0. e

Utilizando (768) em (767), obtemos i¯ d2 h h ¯ σ0 + σ1 + . . . = E − U 2 2m dx i (772) onde a deriva¸˜o em rela¸˜o a x ´ denotada por um ′. Igualando os coefica ca e cientes da potˆncia 0 de h, temos e ¯ 1  ′ h ′ ¯ h ¯ σ0 + σ1 + 2m i i
′ σ2 + . . . −

2

2

1 2 (σ ′ ) = E − U(x) 2m 0 que d´ a σ0 = ± A rela¸˜o ca E= permite escrever p(x) = 2m(E − U(x)) de maneira que (774) pode ser escrita σ0 = ± p(x)dx 2m(E − U)dx p2 +U 2m

(773)

(774)

(775)

Voltando ` (772), igualemos os coeficientes da potˆncia 1 de h: a e ¯
′ ′ ′′ 2σ0 σ1 + σ0 = 0

(776)

Como, de (775),
′ σ0 = p(x) ,

temos
′ σ1 = −

′′ σ0 p′ =− ′ 2σ0 2p

(777) (778)

ou

1 1 σ1 = − log p = log √ 2 p

Temos, portanto, at´ esta aproxima¸˜o, e ca σ= p(x)dx + 167 h ¯ 1 log √ i p (779)

ou

¯ e± h ψ(x) = √

i

pdx

p

(780)

Mais precisamente, a solu¸˜o geral ´ dada por uma combina¸˜o linear das ca e ca solu¸˜es exibidas acima, ou seja, co
¯ ¯ e− h pdx e h pdx ψ(x) = C1 √ + C2 √ p p i i

(781)

As condi¸˜es de validade da aproxima¸˜o quase-cl´ssica s˜o obtidas insistindoco ca a a se em que, na equa¸˜o (767), o segundo termo do primeiro membro seja muito ca menor que o primeiro isto ´: e
i¯ h | 2m d σ | dx2 dσ dx
2

1 | 2m

|2

≪1

(782)

Isto ´ equivalente a e h ¯ ou ainda, d dx

σ ′′ ≪1 σ′ 2 h ¯ p(x) ≪1

(783)

(784)

Aqui encontramos mais uma vez uma situa¸˜o importante em que a aproxca ima¸˜o quase-cl´ssica n˜o ´ v´lida: quando o momento se anula, a eq.(784) ca a a e a n˜o ´ satisfeita. a e Suponhamos que a nossa part´ ıcula possua uma energia potencial U(x), e que sua energia total seja E. Como temos p(x) = 2m (E − U(x))

vemos que, nos pontos em que E = U(x), p(x) ´ igual ` zero, e a aproxima¸˜o e a ca quase-cl´ssica falha. a

168

U(x)

x E b a

Na figura acima vemos os pontos a e b, em que E = U(x), e a aproxima¸˜o ca quase-cl´ssica falha. Classicamente s˜o os pontos em que a part´ a a ıcula p´ra e a volta, os “pontos de retorno”’. Nas vizinhan¸as desses pontos n˜o podemos c a utilizar a express˜o (781). H´ uma s´rie de m´todos para contornar esta a a e e dificuldade. O mais elementar ´ o seguinte: seja x0 um ponto de retorno, ou e seja, E − U(x0 ) = 0. A equa¸˜o de Schr¨dinger ´ ca o e − h2 d2 ψ(x) ¯ + (U(x) − E) ψ(x) = 0 2m dx2 (785)

Expandindo a fun¸˜o F (x) ≡ U(x) − E em torno do ponto x0 , temos ca F (x) = F (x0 ) + (x − x0 )F ′ (x0 ) com F (x0 ) = 0. Como F (x0 ) = 0, temos U(x) − E = (x − x0 )U ′ (x0 ) h2 d2 ψ(x) ¯ − + U ′ (x0 )(x − x0 )ψ(x) = 0 2 2m dx (787) (786)

Logo, nas vizinhan¸as do ponto de retorno, a equa¸˜o de Schr¨dinger ´ c ca o e (788)

que ´ a equa¸˜o de Schr¨dinger para uma part´ e ca o ıcula sobre a a¸˜o de uma for¸a ca c constante. Mas esta equa¸˜o pode ser resolvida exatamente (veja Apˆndice), ca e de maneira que podemos proceder assim: a uma certa (pequena) distˆncia do a 169

ponto de retorno, usamos a fun¸˜o de onda quase-cl´ssica. Mais para perto ca a do ponto de retorno, usamos a solu¸˜o exata (788). Tudo o que precisamos ca fazer ´ achar, dentre as solu¸˜es de (788),aquela que se acopla continuamente e co com a solu¸˜o semi-cl´ssica. ca a Este m´todo utiliza fun¸˜es transcendentes (a fun¸˜o de Airy, por exeme co ca plo), e um pouco de an´lise complexa, o que est´ acima do n´ deste curso. a a ıvel Assim, sendo, limitar-nos-emos a enviar o leitor ao apˆndice, para os detalhes e do c´lculo, e a dar a regra de transi¸˜o, l´ obtida. a ca a Nas regi˜es classicamente inacess´ o ıveis, temos E − U(x) < 0, logo, p(x) = 2m(E − U(x)) = i 2m(|E − U(x)|) . (789)

Uma repeti¸˜o simples dos c´lculos leva a ca a ψ(x) = C1 Temos,portanto,
¯ ¯ e h pdx e− h pdx ψ(x) = C1 √ + C2 √ p p ¯ e− h 1 i i ¯ e− h 1

|p(x)|dx

|p|

+ C2

¯ eh

1

|p(x)|dx

|p|

(790)

E > U(x)
|p(x)|dx

(791) (792)

ψ(x) = C1

|p(x)|dx

|p|

+ C2

¯ eh

1

|p|

E < U(x)

29.1

Regra de transi¸˜o ca

Vamos nos limitar a enunciar a regra de transi¸˜o, ilustrando-a com exemplos. ca Seja x = a um ponto de retorno, ou seja, tal que E = U(a). Ent˜o, a C 2 |p|
¯ e− h | 1 x a

pdx|

C 1 → √ cos p h ¯

x a

pdx −

π 4

(793)

E < U(x) → E > U(x)

170

29.2

Exemplo

U(x)

x E b a

A figura acima mostra um po¸o de potencial e os pontos, b e a, de retorno c de uma part´ ıcula de massa m e energia E. ` Considere o ponto de retorno a. A sua direita a fun¸˜o de onda deve ca decrescer exponencialmente, j´ que se trata de uma regi˜o classicamente a a proibida, com E < U(x). Dentre as solu¸˜es de (794), a que nos serve ´ co e escrita 1 C − h x |p|dx , e ¯ a 2 |p| logo, ` esquerda de a, teremos a C 1 ψ(x) = √ cos p h ¯
x a

p dx −

π 4

(794)

` Passemos ao ponto de retorno b. A sua esquerda temos uma regi˜o clasa sicamente proibida. Devemos, ent˜o, ter uma fun¸˜o de onda que, ` medida a ca a que nos aprofundamos nessa regi˜o (isto ´, ` medida que x se torna mais e a e a mais negativo), decresce exponencialmente. Dentre as catalogadas em (794) a que tem essas propriedades ´ e C 2 |p|
¯ e− h | 1 x b

p dx|

=

C 2 |p|

¯ eh

1

x b

|p|dx

(795)

171

logo, a fun¸˜o de onda ` direita de b ser´ ca a a C 1 ψ(x) = √ cos p h ¯
x b

p dx −

π 4

(796)

Conseq¨ entemente temos, na regi˜o b ≤ x ≤ a, as express˜es (794) e (796) u a o para a fun¸˜o de onda. Essas duas express˜es devem ent˜o coincidir: ca o a C 1 √ cos p h ¯
x b

p dx −

π 4

C′ 1 = √ cos p h ¯

x a

p dx −

π 4

(797)

Tomando x = a, obtemos C cos que leva a 1 h ¯
a b

1 h ¯

a
b

p dx −

π 4

= C ′ cos

π 4

(798)

p dx = (n + 1/2)π C = (−1)n C ′

(799)

A regra de Bohr-Sommerfeld cont´m uma integral num circuito fechado. e Neste caso, isto seria p dx = 2
a b

p dx = (n + 1/2)2π¯ = (n + 1/2)h h

(800)

Obtemos uma rela¸˜o que coincide com a regra de Bohr para grandes valores ca de n, quando se pode desprezar o termo 1/2.

29.3

Exemplo: oscilador harmˆnico o
1 U(x) = mω 2 x2 2

Neste caso a energia potencial ´ e

e p(x) = 1 2m E − mω 2 x2 2 (801)

Os pontos de retorno acontecem quando a energia coincide com a energia potencial, isto ´ e 1 E = mω 2 x2 2 172

1 o que acontece para x = ± ω

2E . m

A integral que aparece em (799) ´ e √ 2mE − m2 ω 2 x2 dx = πE ω (802)

p dx = e temos, ent˜o, a ou

1 ω

−ω

√ 2E 1
m

√ 2E
m

πE = (n + 1/2)π¯ h ω E = (n + 1/2)¯ ω , h

(803) (804)

em completa coincidˆncia com o resultado exato! e

30

O po¸o duplo. c

A energia potencial U(x) consiste de dois po¸os de potencial sim´tricos, sepc e arados por uma barreira. Na figura abaixo os po¸os s˜o as regi˜es I e II, e c a o a barreira tem altura U0 . Se a barreira fosse impenetr´vel, haveria n´ a ıveis de energia relativos ao movimento da part´ ıcula em um ou outro dos dois po¸os, c ou seja, duas fam´ ılias de n´ ıveis iguais, uma em cada po¸o. O fato de que c o tunelamento atrav´s da barreira existe na mecˆnica quˆntica faz com que e a a cada um dos n´ ıveis relativos ao movimento em um dos po¸os se separe em c dois n´ ıveis pr´ximos, correspondendo agora a estados da part´ o ıcula em que ela est´ nos dois po¸os. a c U(x)

II U0 E2

I

E0 E1

a

x

A determina¸˜o deste desdobramento de n´ ca ıveis ´ simples no caso em que e ´ o que faremos agora. Uma se pode usar a aproxima¸˜o quase cl´ssica. E ca a 173

solu¸˜o aproximada da equa¸˜o de Schr¨dinger para a energia potencial U(x), ca ca o desprezando a probabilidade de passagem pela barreira, pode ser constru´ ıda com a fun¸˜o quase-cl´ssica ψ0 (x), que descreve o movimento com uma certa ca a energia E0 em um dos po¸os (digamos, o po¸o I), e que ´ exponencialmente c c e decrescente em ambos os lados do po¸o I. A normaliza¸˜o aproximada desta c ca fun¸˜o ´ ca e ∞ 2 ψ0 dx = 1 (805)
0

Portanto, para ψ0 , temos satisfeita a equa¸˜o de Schr¨dinger ca o d2 ψ0 2m + 2 (E − U(x)) ψ0 (x) = 0 dx2 h ¯ (806)

no seguinte sentido: para x < 0 a equa¸˜o ´ aproximadamente satisfeita ca e porque, tanto ψ0 (x) quanto sua derivada segunda, nesta regi˜o, s˜o aproxa a imadamente nulas. Estaremos usando, sem mencionar mais, os seguintes fatos: no

caso de um sistema unidimensional confinado, isto ´, impedido de alcan¸ar o infinito, a e c fun¸˜o de onda pode ser tomada como real, e os n´ ca ıveis de energia n˜o s˜o degenerados. a a

O produto ψ0 (x)ψ0 (−x), para x > 0, ´ desprez´ e ıvel. O potencial como um

todo ´ sim´trico. A equa¸˜o de Schr¨dinger e e ca o d2 ψ 2m + 2 (E − U(x)) ψ(x) = 0 dx2 h ¯ (807)

permanece v´lida quando se troca x por −x. Logo, se ψ(x) ´ uma fun¸˜o a e ca de onda, ψ(−x) tamb´m o ´, para o mesmo valor de E. Como n˜o h´ e e a a degenerescˆncia, temos e ψ(−x) = eiα ψ(x) para α real Logo, ψ(x) = eiα ψ(−x) = e2iα ψ(x) (809) e portanto e2iα = 1, de onde segue que α = nπ. Temos, em conseq¨ˆncia, ue ψ(−x) = ψ(x) ou ψ(−x) = −ψ(x) 174 (811) (810) (808)

As autofun¸˜es da energia deste sistema s˜o, portanto, fun¸˜es pares ou co a co ´ ımpares de x. Isto ´ uma conseq¨ˆncia de que U(−x) = U(x). As fun¸˜es e ue co de onda corretas, na aproxima¸˜o quase-cl´ssica, s˜o obtidas constru´ ca a a ındo, a partir de ψ0 , as fun¸˜es ψ1 , sim´trica, e ψ2 , anti-sim´trica: co e e 1 ψ1 (x) = √ [ψ0 (x) + ψ0 (−x)] 2 1 ψ2 (x) = √ [ψ0 (x) − ψ0 (−x)] 2 (812) (813)

Note que a fun¸˜o ψ0 (x) n˜o ´ autofun¸˜o do hamiltoniano com a energia ca a e ca potencial U(x), sim´trica: ´ a fun¸˜o de onda que ter´ e e ca ıamos de a barreira fosse impenetr´vel. Tanto que ψ0 (−x) ´ desprez´ a e ıvel, enquanto que ψ0 (x) n˜o a o ´. De novo, como os n´ e ıveis n˜o s˜o degenerados, devemos ter energia s a a diferentes para ψ1 e ψ2 . Sejam d2 ψ1 2m + 2 (E1 − U(x)) ψ1 (x) = 0 dx2 h ¯ a equa¸˜o de Schr¨dinger para ψ1 , e ca o d2 ψ2 2m + 2 (E2 − U(x)) ψ2 (x) = 0 dx2 h ¯ (815) (814)

aquela para ψ2 . Multiplicando (806) por ψ1 e (814) por ψ0 e subtra´ ındo, temos 2m ′′ ′′ ψ1 ψ0 − ψ0 ψ1 + 2 (E0 − E1 ) ψ0 ψ1 = 0 (816) h ¯ ou d 2m ′ ′ (ψ1 ψ0 − ψ0 ψ1 ) = 2 (E1 − E0 ) ψ0 ψ1 (817) dx h ¯ Integrando de 0 a ∞:
∞ 0

dx

d 2m ′ ′ (ψ1 ψ0 − ψ0 ψ1 ) = 2 (E1 − E0 ) dx h ¯

∞ 0

dxψ0 ψ1

(818)

′ ′ (ψ1 ψ0 − ψ0 ψ1 )0

2m 1 √ 2 (E1 − E0 ) h ¯ 2 2m 1 √ ≈ 2 (E1 − E0 ) h ¯ 2 =

∞ 0 ∞ 0

dxψ0 (ψ0 (x) + ψ0 (−x))(819)

2 ψ0

onde usamos o fato de ψ0 (x)ψ0 (−x) ser muito pequeno. Lembrando que as fun¸˜es que aparecem no primeiro membro se anulam no infinito, temos co m ′ ′ ψ0 (0)ψ1 (0) − ψ1 (0)ψ0 (0) = √ 2 (E1 − E0 ) (820) 2¯ h 175

Seja f (x) uma fun¸˜o par. Ent˜o, ca a

f (−x) = f (x) Consideremos agora a fun¸˜o ca
df (x) dx .

(821)

Trocando x por −x, df (x) df (−x) →− dx dx (822)

Logo, df (−x) df (x) =− dx dx ou seja, se f ´ par, f ′ ´ ´ e e ımpar. (823)

Voltando ` (820), a ψ1 (0) = enquanto
′ ψ1 = 0 ,

√ 1√ 2 [ψ0 (0) + ψ0 (0)] = 2ψ0 (0) [

(824)

(825)

levando a

h2 ¯ ′ E1 − E0 = − ψ0 (0)ψ0 (0) (826) m Repetindo agora o c´lculo com ψ2 e ψ0 , obtemos, ao longo dos mesmos passos, a E2 − E0 = Subtra´ ındo, obtemos h2 ¯ ′ ψ0 (0)ψ0 (0) m (827)

2¯ 2 h ′ E2 − E1 = ψ0 ψ0 (0) m Um c´lculo mais refinado leva ao resultado a E2 − E1 = Ce
1 −h ¯ a −a

(828)

|p|dx

(829)

onde C ´ uma constante, e −a e a s˜o indicados na figura. A eq.(829) torna e a expl´ ıcito o papel do tunelamento na separa¸˜o dos n´ ca ıveis de energia .

176

31

Sistemas de dois n´ ıveis

Embora os sistemas da natureza tenham, em geral, um grande n´mero de u n´ ıveis, h´ situa¸˜es em que apenas dois deles s˜o relevantes. Um exemplo a co a importante ´ este: uma onda eletromagn´tica, monocrom´tica, de freq¨ˆncia e e a ue ω + ǫ (com ǫ/ω ≪ 1) incide sobre um ´tomo (de infinitos n´ a ıveis de energia ), que tem, entre eles, dois de energia s tais que E1 − E2 = hω. A freq¨ˆncia ¯ ue da onda ´ muito pr´xima da diferen¸a de n´ e o c ıveis dividida por h. Mostramos ¯ anteriormente que, neste caso, apenas os n´ ıveis E1 e E2 participam do processo, sendo, os outros, “espectadores”, que podem, para este fim espec´ ıfico, ser ignorados. Nesta se¸˜o vamos estudar sistemas idealizados que tˆm somente dois ca e n´ ıveis de energia . Supondo que esses n´ ıveis n˜o sejam degenerados, conclui-se a que todo conjunto completo e linearmente independente de vetores de estado deste sistema possui apenas dois elementos: o conjunto de todos os estados forma, com as opera¸˜es usuais de adi¸˜o e multiplica¸˜o por um n´ mero co ca ca u complexo, um espa¸o vetorial complexo de dimens˜o 2, e o hamiltoniano, c a bem como todos os operadores lineares, podem ser representados por matrizes complexas 2 × 2. A equa¸˜o de Schr¨dinger ´ escrita ca o e i¯ h ∂χ = Hχ ∂t (830)

e, supondo-se que o hamiltoniano n˜o dependa explicitamente do tempo, a pode-se-a integrar formalmente, obtendo
¯ χ(t) = e− h Ht χ(0) . i

(831)

Por causa da simplicidade do sistema, ´ poss´ escrever explicitamente o e ıvel i operador exp (− ¯ Ht). Os autoestados da energia , |E1 e |E2 satisfazem as h equa¸˜es co H|E1 H|E2 = E1 |E1 = E2 |E2 (832) (833)

e todo estado χ pode ser expandido em termos deles34 : χ(t) = |χ(t) = (|E1 E1 | + |E2 E2 |) |χ(t)
34

(834)

Como ´ usual entre os f´ e ısicos, estaremos, indiferentemente, denotando o estado por χ ou |χ . Em geral usa-se esta ultima forma quando se vai fazer uso de algum dos truques ´ da genial nota¸˜o de Dirac ca

177

Uma fun¸˜o f (H) do hamiltoniano ´ definida assim: ca e

= E1 |χ(t) |E1 + E2 |χ(t) |E2 = C1 (t)|E1 + C2 (t)|E2

(835)

f (H)|χ(t) = C1 (t)f (H)|E1 + C2 (t)f (H)|E2 = C1 (t)f (E1 )|E1 + C2 (t)f (E2 )|E2 (836)

Usando-se esta opera¸˜o mostra-se facilmente que ca f (H) = f (E1 ) E2 ˆ − H 1 ˆ E1 ˆ − H 1 ˆ + f (E2 ) E2 − E1 E1 − E2 (837)

que, usada para o operador de evolu¸˜o temporal, d´: ca a
¯ e− h Ht = i

1 i i ¯ ¯ E2 e− h E1 t − E1 e− h E2 t E2 − E1 ˆ i i H ¯ ¯ + e− h E2 t − e− h E1 t E2 − E1

(838)

De posse deste resultado, podemos formular a pergunta: suponhamos que o sistema se encontre, em t = 0, em um estado |χ(0) . Qual ´ a probabilidade e de que, decorridos t segundos, ele permanecer no mesmo estado? Se, em t = 0, o estado ´ χ(0), teremos, no instante t, e
¯ χ(t) = e− h Ht χ(0) i

(839)

e, usando a express˜o acima, a
χ(t) =
¯ ¯ i i e− h E2 t − e− h E1 t ˆ χ(0) ¯ ¯ E2 e− h E1 t − E1 e− h E2 t + Hχ(0) E2 − E1 E2 − E1 i i

(840)

Seja χ(0) = C1 |E1 + C2 |E2 ent˜o, a χ(t) =
i i C1 |E1 + C2 |E2 ¯ ¯ E2 e− h E1 t − E1 e− h E2 t E2 − E1 i i − h E2 t ¯ e ¯ − e− h E1 t = (C1 E1 |E1 + C2 E2 |E2 ) E2 − E1

(841)

(842)

A probabilidade de o sistema, em t, estar no mesmo estado, ´ obtida assim: e existe uma base do espa¸o dos estados formada por |χ(0) e outros estados, c ortogonais a ele. Expandimos |χ(t) nesta base: |χ(t) = a(t)|χ(0) + . . . 178 (843)

A probabilidade pedida ´ |a(t)|2 . Ora, e χ(0)|χ(t) = a(t) χ(0)|χ(0) = a(t) . (844)

Logo, a probabilidade ´ | χ(0)|χ(t) |2. Vamos calcular χ(0)|χ(t) , a amplie tude de probabilidade. Usando (839), temos χ(0)|χ(t)
i i 1 ¯ ¯ E2 e− h E1 t − E1 e− h E2 t E2 − E1 i i ¯ ¯ e− h E2 t − e− h E1 t ˆ + χ(0)|H|χ(0) E2 − E1

=

(845)

Como
∗ ∗ ˆ ˆ χ(0)|H|χ(0) = (C1 E1 | + C2 E2 |) H (C1 |E1 + C2 |E2 ) = |C1 |2 E1 +|C2|2 E2

Ent˜o, a
i i 1 ¯ ¯ E2 e− h E1 t − E1 e− h E2 t E2 − E1 i i ¯ ¯ e− h E2 t − e− h E1 t 2 2 + |C1 | E1 + |C2 | E2 E2 − E1

χ(0)|χ(t)

=

(846)

Suponhamos que |C1 |2 = 1 e |C2 |2 = 0. Ent˜o, ap´s uma ´lgebra simples, a o a
¯ χ(0)|χ(t) = e− h E1 t i

(847) (848)

logo, | χ(0)|χ(t) |2 = 1 isto ´, um sistema que est´ num estado estacion´rio permanece nele (da´ se e a a ı chamar estacion´rio!). a ´ a E f´cil mostrar que os estados estacion´rios s˜o os unicos que possuem a a ´ esta propriedade. De fato, se
¯ χ(t) = e− h Ht χ(0) χ(0) = C1 |E1 + C2 |E2 i i 2 − h E1 t ¯ i

(849) (850)
i

χ(0)|χ(t) | χ(0)|χ(t) |2

|χ(t)

¯ ¯ = C1 e− h E1 t |E1 + C2 e− h E2 t |E2

(851)

= |C1 | e

(852) 1 = |C1 |4 + |C2 |4 + 2|C1 |2 |C2 |2 cos (E1 − E2 )t (853) h ¯ 179

+ |C2 | e

i 2 − h E2 t ¯

Para que | χ(0)|χ(t) |2 = 1 para todo t, temos de ter ou C1 = 0 ou C2 = 0. Em qualquer dos casos o outro coeficiente ´ de m´dulo 1, pois |C1 |2 + |C2 |2 = e o 1. Logo, χ(0) = |E1 ou χ(0) = |E2 . Tomemos agora uma base arbitr´ria do espa¸o dos estados, formada por a c |φ1 e |φ2 . O estado |χ(t) ´ expandido, nesta base, como e Introduzindo a nota¸˜o ca temos |χ(t) = (|φ1 φ1 | + |φ2 φ2|) |χ(t) = φ1 |χ(t) |φ1 + φ2 |χ(t) |φ2 χi (t) ≡ φi |χ(t) , |χ(t) = χ1 (t)|φ1 + χ2 (t)|φ2 (855) (854)

A equa¸˜o de Schr¨dinger ´ ca o e ∂|χ(t) ˆ ˆ ˆ i¯ h = H|χ(t) = χ1 (t)H|φ1 + χ2 (t)H|φ2 ∂t e, tomando os produtos escalares com |φi , ∂ i¯ h φ1 |χ(t) = χ1 (t) φ1 |H|φ1 + χ2 (t) φ1 |H|φ2 ∂t ∂ i¯ h φ2 |χ(t) = χ1 (t) φ2 |H|φ1 + χ2 (t) φ2 |H|φ2 ∂t Denotando φi|H|φj por Hij , temos ∂χ1 i¯ h = H11 χ1 + H12 χ2 ∂t ∂χ2 i¯ h = H21 χ1 + H22 χ2 ∂t Para estados estacion´rios, H12 = H21 = 0. Logo, os elementos de a H21 e H12 promovem as transi¸˜es entre estados. co De fato, seja |φ1 um dos estados da base. |φ1(t)
¯ = e− h Ht |φ1 i

(856)

(857) (858)

(859) (860) matriz

(861)
i − h E2 t ¯ i − h E1 t ¯

i i |φ1 e −e ˆ (862) ¯ ¯ E2 e− h E1 t − E1 e− h E2 t + H|φ1 E2 − E1 E2 − E1 Qual ´ a probabilidade de que, em algum t, o sistema se encontre em |φ2 ? e A amplitude ´ dada por e

=

¯ ¯ e− h E2 t − e− h E1 t ˆ φ2 |φ1 (t) = φ2 |H|φ1 (863) E2 − E1 N˜o h´ transi¸˜o se H21 = 0. a a ca As equa¸˜es (863) s˜o as Eqs.(8.43) do Volume III das “Feynman Lecco a tures on Physics”, que as utiliza para um grande n´ mero de aplica¸˜es interu co essantes. Vamos fazer o mesmo.

i

i

180

32

A mol´cula da amˆnia e o

A mol´cula de amˆnia, NH3 , ´ formada por trˆs ´tomos de hidrogˆnio e um e o e e a e de nitrogˆnio, dispostos nos v´rtices de uma pirˆmide, como mostra a figura. e e a Esta mol´cula pode ser excitada de muitos modos: pode ser posta a girar, e por exemplo, em torno de um eixo passando pelo nitrogˆnio e perpendicular e ` base oposta, que ´ um eixo de simetria, ou pode-se tamb´m excitar seus a e e muitos modos normais de vibra¸˜o. Aqui vamos considerar uma transi¸˜o ca ca que ´ particularmente interessante porque n˜o pode existir classicamente. Na e a f´ ısica cl´ssica, as duas configura¸˜es exibidas acima s´ podem se transformar a co o uma na outra por rota¸˜o da mol´cula. Na mecˆnica quˆntica, por´m, o ca e a a e nitrogˆnio pode tunelar para o outro lado, uma transi¸˜o que n˜o pode existir e ca a classicamente. Como problema an´logo, considere o po¸o duplo mostrado na a c figura abaixo. Para energia s como E0 , classicamente, o problema se reduz a um unico po¸o. Ou seja, para energia inferiores a Vm , classicamente, temos ´ c dois po¸os independentes. Se o potencial for sim´trico, teremos os mesmos c e n´ ıveis de energia de um de do outro lado da barreira. Na mecˆnica quˆntica, por´m, existe o tunelamento entre os dois po¸os. a a e c Em conseq¨ˆncia disso, os n´ ue ıveis de energia individuais dos po¸os deixar˜o c a de existir, e aparecer˜o n´ a ıveis do po¸o duplo. c

33
33.1

A Mecˆnica Quˆntica Relativista a a
Introdu¸˜o ca

Estas notas reproduzem parte das transparˆncias apresentadas no curso de e ver˜o de 2003 do Instituto de F´ a ısica da USP. A parte relativa ` equa¸˜o a ca de Dirac e ` anti-mat´ria ´ reproduzida in toto. Resolvemos substituir a a e e parte que tratava de neutrinos e do problema solar por indica¸˜es ` literco a atura existente, principalmente na internet, que ´ de facil acesso e excelente e qualidade. Para o estudo do problema dos neutrinos solares, recomendamos o endere¸o: c http://www.hep.anl.gov/ndk/hypertext/nuindustry.html Muitas outras informa¸˜es sobre o tema, e sobre f´ co ısica em geral, podem ser encontradas no meu site: http://hfleming.com

181

O estudo da equa¸˜o de Dirac na linha aqui apresentada encontra-se em ca Sakurai, “Advanced Quantum Mechanics”, Addison-Wesley Press e em T. D. Lee, “Particle Physics and Introduction to Field Theory”. Um tratamento elementar, mas de qualidade, sobre a f´ ısica dos neutrinos encontra-se em C. Sutton, “ Spaceship Neutrino”

33.2

A equa¸˜o de Schr¨dinger livre ca o
p E p2 → 2m → →
1 (−i¯ ∇).(−i¯ ∇) h h 2m h ¯ = − 2m ∇2
2

−i¯ ∇ h ∂ i¯ h ∂t

p2 Ψ = EΨ 2m

h2 2 ¯ ∂Ψ ∇ Ψ = i¯ h 2m ∂t

33.3

A equa¸˜o de Klein-Gordon ca
E2 E 2Ψ ∂2Ψ −¯ 2 2 h ∂t m2 c2 22 − 2 Ψ h ¯ = p2 c2 + m2 c4 = (p2 c2 + m2 c4 )Ψ = −c2 h2 ∇2 Ψ + m2 c4 Ψ ¯ = 0

A equa¸˜o de Klein-Gordon ´ de segunda ordem no tempo, o que cria ca e dificuldades com o postulado b´sico da Mecˆnica Quˆntica que diz que o a a a estado de um sistema est´ completamente determinado (inclusive em sua a evolu¸˜o) se se conhece a fun¸˜o de onda em um instante qualquer. Al´m ca ca e disso, a conserva¸˜o da probabilidade, expressa pela equa¸˜o da continuidade ca ca ∂ρ + div j = 0 ∂t ´ satisfeita para e ρ = 1 ∂Ψ∗ ∂Ψ Ψ − Ψ∗ c ∂t ∂t 182 (864)

∂ρ + div j = 0 ∂t

j = c Ψ∗ ∇Ψ − Ψ∇Ψ∗

Problemas 1. ρ pode ter qualquer sinal. 2.A equa¸˜o de Klein-Gordon n˜o ´ de primeira ordem no tempo. ca a e

33.4

A equa¸˜o de Dirac ca

Procura-se: equa¸˜o relativista de primeira ordem no tempo. Uma express˜o ca a geral ´: e ∂Ψ ∂Ψ ∂Ψ imc 1 ∂Ψ αx (865) + αy + αz + βΨ = ∂x ∂y ∂z h ¯ c ∂t onde αx , αy , αz e β s˜o matrizes quadradas 4x4, e Ψ ´ uma matriz coluna a e de 4 elementos.

Exemplo: A  E αx Ψ =   I M  B F J N C G K O  D ∂Ψ1 /∂x H   ∂Ψ2 /∂x  L   ∂Ψ3 /∂x P ∂Ψ4 /∂x     (866)

Em termos dos elementos de matriz a equa¸˜o ´: ca e (αx )ρσ
σ

∂Ψσ ∂Ψσ ∂Ψσ imc + (αy )ρσ + (αz )ρσ + (β)ρσ Ψσ ∂x ∂y ∂z h ¯

=

1 ∂Ψρ c ∂t

Todos os elementos das α’s e de β devem ainda ser determinados. Para isso vamos impˆr a condi¸˜o que, para cada componente Ψρ , valha a equa¸˜o o ca ca de Klein-Gordon, ou seja, ∇2 − 1 ∂2 m2 c2 Ψρ = 2 Ψρ c2 ∂t2 h ¯

A motiva¸˜o ´ a seguinte. Considere as equa¸˜es de Maxwell (escritas no ca e co sistema CGS, como todo f´ ısico que se preza faz!) na ausˆncia de cargas e e 183

correntes: div B = 0 div E = 0 1 ∂B c ∂t 1 ∂E rotB = c ∂t rotE = − ´ E um sistema de equa¸˜es lineares, de primeiro grau, que mistura as v´rias co a componentes de E e B. Tomando o rotacional da ultima e usando a pen´ ltima, ´ u obtemos 1 ∂2B rot rotB = − 2 2 c ∂t ou 1 ∂2B ∇ ∇.B − ∇2 B = − 2 2 c ∂t que ´ a mesma coisa que e 22 Bρ = 0 para todo ρ. Obt´m-se, de modo an´logo, que e a 22 Eρ = 0 para todo ρ. Ora, a teoria de Maxwell ´ relativisticamente invariante, e essas duas e ultimas rela¸˜es mostram uma propriedade que essas equa¸˜es devem sat´ co co isfazer. Mas elas n˜o s˜o sen˜o as equa¸˜es de Klein-Gordon para m = 0. a a a co Logo, justifica-se a exigˆncia de que, para cada componente de Ψ, a equa¸˜o e ca de Klein-Gordon seja satisfeita. Resumindo, se Ψ ´ uma solu¸˜o da equa¸˜o e ca ca de Dirac, exigiremos que 22 − para todo ρ. 33.4.1 Interpreta¸˜o probabil´ ca ıstica m2 c2 Ψρ = 0 h2 ¯

Preliminarmente precisamos de uma interpreta¸˜o probabil´ ca ıstica. Gostar´ ıamos de ter ρ= Ψ∗ Ψσ σ
σ

184

por ser esta uma quantidade positiva e que generaliza o ρ = |Ψ|2 da teoria de Schr¨dinger. Como o d3 xρ = 1 (se a integral ´ sobre todo o espa¸o), teremos e c d dt ρd3 x = 0 =
σ

d3 x

∂Ψ∗ ∂Ψσ σ Ψ σ + Ψ∗ σ ∂t ∂t

Da equa¸˜o de Dirac se tira ca 1 ∂Ψρ =− c ∂t Inserindo esta na pen´ ltima, u
3 3 k αρσ σ k=1

∂Ψσ mc + i βρσ Ψσ ∂xk h ¯

0 = −c −c de onde segue que

d3 x
σ λ k=1 3

∗k ασλ Ψσ

∂Ψ∗ imc ∗ λ + β Ψσ Ψ∗ λ ∂xk h σλ ¯ ∂Ψλ imc − βσλ Ψ∗ Ψλ σ ∂xk h ¯

d3 x
σ λ k=1

k ασλ Ψ∗ σ

∗ βσλ = βλσ ∗k k ασλ = αλσ ,

ou seja, β e as α’s s˜o hermiteanas. a Mais precisamente, temos que, com ρ =
σ

Ψ∗ Ψσ σ

j = c (Ψ∗ αΨ) onde α ´ o “vetor” de componentes (αx , αy , αz ), vale e ∂ρ + div j = 0 ∂t 33.4.2 Determina¸˜o das matrizes de Dirac ca

Reescrevendo a equa¸˜o de Dirac como ca αi ∂Ψ imc 1 ∂Ψ + βΨ − =0 ∂xi h ¯ c ∂t 185 (867)

(onde o primeiro termo representa uma soma sobre i) e multiplicado ` esa querda pelo operador ∂ imc 1∂ αj + β+ ∂xj h ¯ c ∂t temos, ap´s alguns cancelamentos, o imc j ∂Ψ imc i ∂Ψ ∂2Ψ + αβ + βα + ∂xj ∂xi h ¯ ∂xj h ¯ ∂xi m2 c2 1 ∂2Ψ − 2 β 2Ψ − 2 2 = 0 c ∂t h ¯ αj αi Para que isto se reduza a m2 c2 Ψ=0 2 − 2 h ¯
2

devemos ter: β2 = 1 αi β + βαi = 0 αi αj + αj αi = 2δij Uma solu¸˜o para essas equa¸˜es pode ser constru´ da seguinte maneira: ca co ıda sejam 1 0 I= 0 1 σ1 = σ2 = σ3 = 0 1 1 0 0 −i i 0 1 0 0 −1

As matrizes de Dirac s˜o matrizes 4x4 definidas, em termos das anteriores, a assim: αk = β= 0 σk σk 0 I 0 0 −I 186

ou, mais explicitamente,
   

α1 =  e assim por diante. 33.4.3

0 0 0 1

0 0 1 0

0 1 0 0

1 0 0 0

    

Formula¸˜o covariante da equa¸˜o de Dirac ca ca

Queremos colocar a equa¸˜o de Dirac numa forma em que o tempo e as coca ordenadas apare¸am simetricamente. Nota¸˜o: c ca x1 x2 x3 x4 = = = = x y z ict

Assim, o invariante relativ´ ıstico x2 + y 2 + z 2 − c2 t2 ´ escrito x2 + x2 + x2 + x2 , e 1 2 3 4 ou xµ xµ , que ´ a mesma coisa que e
4

xµ xµ
µ=1

A euq¸˜o de Dirac ´: ca e αi ∂Ψ imc 1 ∂Ψ + βΨ + =0 ∂xi h ¯ c ∂t

∂Ψ onde αi ∂xi ´ uma abrevia¸˜o para e ca 3 i=1

αi

∂Ψ ∂xi

Multiplicando a equa¸˜o de Dirac ` esquerda por (−iβ) e introduzindo a ca a nota¸˜o ca γ4 = β γ k = −iβαk 187

para k = 1, 2, 3, temos γi ou γµ com γ µ γ ν + γ ν γ µ = 2δµν 33.4.4 Corrente de Probabilidade ∂Ψ mc ∂Ψ + Ψ+β =0 ∂xi h ¯ ∂(ict) mc ∂Ψ + Ψ=0 ∂xµ h ¯

Seja Ψ uma solu¸˜o da equa¸˜o de Dirac. Definindo ca ca Ψ(x) ≡ Ψ† (x)γ4 Ent˜o obt´m-se, da equa¸˜o de Dirac, a e ca mc ∂Ψ γµ − Ψ=0 ∂xµ h ¯ e O quadrivetor densidade de corrente de probabilidade, jµ ≡ iΨγµ Ψ ´ tal que ∂jµ 1 = ∂xµ c ∂ρ + div j = 0 ∂t

que ´ a forma 4-dimensional da equa¸˜o da continuidade. e ca 33.4.5 Solu¸˜es especiais: part´ co ıcula em repouso

Para uma part´ ıcula em repouso, pk Ψ = 0 onde pk ´ o operador “componente k do momento ”. Equivalentemente, e −i¯ h ∂Ψ =0 ∂xk

para k = 1, 2, 3. Logo, para a part´ ıcula em repouso, Ψ(r, t) = Ψ(t) Com isso, a equa¸˜o de Dirac fica: ca γ4 ∂Ψ mc =− Ψ ∂x4 h ¯ 188

Explicitamente, temos
    

1 0 0 0

Autoestados da energia tˆm a forma e

0 0 0 1 0 0 0 −1 0 0 0 −1

    

1 ∂    ic ∂t 

Ψ1 (t) Ψ2 (t) Ψ3 (t) Ψ4 (t)

    
i

=−

mc    h  ¯

Ψ1 (t) Ψ2 (t) Ψ3 (t) Ψ4 (t)

    

¯ Ψ(t) = Ψ(0)e− h Et

Logo, para essas fun¸˜es, co 1    ic 

1 0 0 0

Cancelando as exponenciais reduz-se a E    hc  ¯

0 0 0 1 0 0 0 −1 0 0 0 −1

    

a b c d

    

∂ − i Et mc   ¯ e h =−  ∂t h  ¯

a b c d

 i  − h Et e ¯ 

Logo,

a b −c −d

    

=

mc    h  ¯

a b c d

    

E = mc2 c = d=0 ou seja, as solu¸˜es s˜o co a
   

Ψ(t) = 
       

a b 0 0 1 0 0 0 0 1 0 0

Todas estas podem ser escritas como combina¸˜es lineares de co
  i  − h mc2 t e ¯    i  − h mc2 t e ¯ 

 i  − h mc2 t e ¯ 

Ψ1 (t) =  e

Ψ2 (t) = 

189

33.4.6

Solu¸˜es de energia negativa co

Surpreendentemente, por´m, a equa¸˜o e ca E    hc  ¯ admite a classe de solu¸˜es co E = mc2 a = 0 b = 0 como se verifica facilmente. Logo, temos ainda como solu¸˜es as combina¸˜es co co lineares   0  0  i 2 Ψ3 (t) =   e h mc t   ¯  1  0 e   0  0  i 2 Ψ4 (t) =   e h mc t   ¯  0  1

a b −c −d

    

=

mc    h  ¯

a b c d

    

Note que se trata de solu¸˜es correspondentes a part´ co ıculas livres e em repouso. Al´m das solu¸˜es esperadas, com energia E = mc2 , encontramos e co outras, totalmente inesperadas, com energia de repouso dada por E = −mc2 ! 33.4.7 Intera¸˜o com o campo eletromagn´tico ca e

Usando, na equa¸˜o de Dirac ca γµ o acoplamento m´ ınimo, ∂Ψ mc + Ψ=0 ∂xµ h ¯

e pµ → pµ − Aµ c

(veja <http://fma.if.usp.br/~fleming/eletromag/index.html>).

190

Como pµ = −i¯ h Aµ obt´m-se: e ∂ ∂xµ ≡ (Ax , Ay , Az , iφ)

∂ ie mc − Aµ γµ Ψ + Ψ=0 ∂xµ hc ¯ h ¯

33.5

A anti-mat´ria e

A proposta de Dirac para resolver o problema dos estados de energia negativa ´: todos os estados de energia negativa est˜o preenchidos, e esta situa¸˜o ´ e a ca e o que chamamos v´cuo. Isto faz sentido porque os el´trons s˜o f´rmions, a e a e e, como se sabe, “s´ cabe um f´rmion em cada estado”. Vivemos no meio o e dos estados de energia negativa mas n˜o os vemos. No entanto, quando um a desses el´trons de energia negativa recebe energia suficiente para pular para e um estado de energia positiva (esta energia ´, no m´ e ınimo, 2mc2 ), deixa, no e “mar de estados de energia negativa” um buraco, e este ´ observado (como uma part´ ıcula de energia positiva e carga positiva, isto ´, oposta ` do el´tron). e a e Logo, quando um el´tron de energia negativa pula para um estado de energia e positiva, aparecem duas coisas: o pr´prio el´tron, agora “vis´ o e ıvel”, e o buraco: chama-se isso de produ¸˜o de um par el´tron-p´sitron. O buraco deixado pelo ca e o el´tron ´ um p´sitron, o primeiro exemplo de anti-mat´ria. e e o e 33.5.1 As solu¸˜es de onda plana co

Estas solu¸˜es, que s˜o estados de momento e energia definidos e arbitr´rios, co a a podem ser obtidas das de repouso por transforma¸˜es de Lorentz. Vamos co ´ nos limitar a apresentar uma tabela delas. E um exerc´ simples verificar ıcio que as express˜es a seguir efetivamente satisfazem as equa¸˜es de Dirac. o co Energia positiva: Ψ=
i mc2 (1,2) ¯ u (p)e h (p.x−Et) EV

u (p) =

(1)

E + mc2 2mc2

     

1 0
p3 c E+mc2 (p1 +ip2 )c E+mc2

     

191

u(2) (p) = Energia negativa: Ψ=

E + mc2 2mc2

     

0 1
(p1 −ip2 )c E+mc2 −p3 c E+mc2

     

i mc2 (3,4) ¯ u (p)e h (p.x+|E|t) |E|V

u(3) (p) =

|E| + mc2 2mc2

           

−p3 c |e|+mc2 −(p1 +ip2 )c |E|+mc2

           

1 0

u(4) (p) =

|E| + mc2 2mc2

−(p1 −ip2 )c |E|+mc2 p3 c |E|+mc2

0 1

33.5.2

A fun¸˜o de onda do buraco ca

Dada a equa¸˜o ca ∂ ie mc − Aµ γµ Ψ + Ψ=0 (868) ∂xµ hc ¯ h ¯ queremos mostrar que, para cada Ψ que a resolve, existe uma Ψc que ´ solu¸˜o e ca de: ∂ ie mc c + Aµ γµ Ψc + Ψ =0 ∂xµ hc ¯ h ¯ com a propriedade Ψ c = Sc Ψ ∗ onde Sc ´ anti-unit´rio35 . Vamos determinar Sc . Tomando o complexoe a conjugado da equa¸˜o de Dirac, temos ca ∂ ie ∂ ie mc ∗ ∗ ∗ + Ak γk Ψ∗ + − − A4 γ4 Ψ∗ + Ψ =0 ∂xk hc ¯ ∂x4 hc ¯ h ¯ Aplicando Sc ` esquerda, termo a termo, tomando o complexo conjugado e a ∗ aplicando, ` esquerda, (Sc )−1 , obtemos a ∂ ie ∂ ie mc ∗ ∗ ∗ ∗ ∗ ∗ − Ak (Sc )−1 γk Sc Ψ + − + A4 (Sc )−1 γ4 Sc Ψ + Ψ=0 ∂xk hc ¯ ∂x4 hc ¯ h ¯
35 † † Sc Sc = Sc Sc = 1, mas Sc (λΨ) = λ∗ Sc Ψ

192

Para que esta equa¸˜o reproduza Eq.(868), devemos ter ca
∗ ∗ ∗ (Sc )−1 γk Sc = γk ∗ ∗ ∗ (Sc )−1 γ4 Sc = −γ4

A solu¸˜o ´ ca e Sc = γ 2
∗ ∗ com Sc = Sc = (Sc )−1 . Logo,

Ψc = γ 2 Ψ∗ Exemplo: Ψ=
i mc2 1 ¯ u (p)e h (p.x−Et) EV

Ψc = γ 2 Ψ∗ = − e

mc2 4 i ¯ u (−p)e h (−p.x+|E|t) EV

(Ψc )c = Ψ

Assim, dada uma solu¸˜o Ψ de energia negativa E, Ψc ´ uma solu¸˜o de ca e ca energia (−E), positiva, de momento −p, carga −e e spin no sentido oposto. Trata-se do buraco, que ´ um p´sitron. e o

34
34.1

Apˆndice Matem´tico 1 e a
Operadores e suas representa¸˜es matriciais co

ˆ Seja O um operador linear num espa¸o vetorial E sobre os n´ meros comc u plexos. Seja {ei }, com i = 1, . . . , n, uma base desse espa¸o, que, portanto, c ˆ tem dimens˜o n. Aplicando-se O a um elemento da base, por exemplo, ei , a tem-se um novo vetor do espa¸o, que pode ser expandido na base dada. Esta c expans˜o ´ escrita a e n ˆ Oei = Ojiej (869)
j=1

ˆ onde os Oji s˜o n´ meros complexos, denominados elementos de matriz de O a u na base {ei }. Seja v um vetor qualquer de E, tal que
n

v=
i=1

vi ei . 193

(870)

Temos ˆ ˆ Ov = O e, usando (869), ˆ Ov =

n

n

vi ei =
i=1 n n i=1

ˆ vi Oei

(871)

vi Ojiej
i=1 j=1

(872)

ˆ e A equa¸˜o (872) mostra que, de posse dos elementos de matriz de O, ´ ca poss´ ıvel determinar a a¸˜o deste operador sobre qualquer vetor. Ou seja, ca escolhida uma base, o operador pode ser substitu´ pelo conjunto de seus ıdo elementos de matriz. Convenciona-se escrever o conjunto desses elementos de matriz da seguinte forma:
   

O=

O11 O12 O21 O22 .... .... On1 On2

... O1n ... O2n ... .... ... Onn

    

(873)

ˆ Uma segunda maneira de ler a eq.(872) ´ : as componentes do vetor Ov em e rela¸˜o ` base dada s˜o os n´ meros complexos ca a a u ˆ Ov
n j

=
i=1

Ojivi

(874)

Se representarmos os vetores por matrizes coluna cujos elementos s˜o as suas a componentes,   v1  v    v⇔ 2  (875)  ...  vn podemos representar a a¸˜o de um operador sobre um vetor assim: ca
  

 ˆ Ov ⇔ 

O11 O12 O21 O22 .... .... On1 On2

... O1n ... O2n ... .... ... Onn

    

v1 v2 ... vn

    

(876)

onde, para calcular o segundo membro, usam-se matrizes usuais. O leitor, como exerc´ ıcio, poder´ mostrar que a ˆ 1 O2 , produto dos operadores O1 e ˆ ˆ do operador O 194

as regras de produtos de a representa¸˜o matricial ca ˆ 2 , ´ dada pelo produto, O e

ˆ ˆ no sentido de matrizes, das matrizes que representam O1 e O2 , nesta ordem. Recordemos que o produto das matrizes A, de elementos Aij e B, de elementos Bij , ´ a matriz de elementos e
n

(AB)ij =
k=1

Aik Bkj

(877)

regra que pode ser obtida facilmente da equa¸˜o (869). ca Seja {fi } uma segunda base. Podemos escrever ˆ Ofi =
n

(Of )ji fj
j=1

(878)

ˆ enquanto que, em rela¸˜o ` primeira (para o mesmo O) ca a ˆ Oei =
n

(Oe )ji ej
j=1

(879)

ˆ onde indicamos com Of e Oe as matrizes que representam O nas bases {fi } e {ei } respectivamente. As matrizes Of e Oe representam o mesmo operador em bases distintas. Matrizes com esta propriedades s˜o ditas equivalentes. a O que caracteriza matrizes equivalentes? 34.1.1 Transforma¸˜es entre bases co

Um elemento qualquer da base (f) pode ser expandido na base (e): fi =
m

fmi em

(880)

e analogamente, es =
r

grs fr grs
r m

(881)

Logo, segue que es =
r

grs fr =

fmr em

(882)

ou es =
m r

fmr grs em

(883)

de onde segue, imediatamente, que fmr grs = δms
r

(884)

195

Invertendo os papeis das bases (e) e (f), obt´m-se, da mesma maneira, e grm fmi = δri
m

(885)

Seja F a matriz cujos elementos s˜o fmi , e G aquela cujos elementos s˜o grm . a a Ent˜o as equa¸˜es (884) e (885) s˜o escritas, respectivamente, a co a FG = 1 e GF = 1 (887) Quando, entre duas matrizes, existe este par de rela¸˜es, uma ´ o inverso da co e outra. Ou seja, G = F −1 (888) ou, equivalentemente, F = G−1 (889) A condi¸˜o necess´ria e suficiente para que uma matriz tenha inverso ´ que ca a e seu determinante seja diferente de zero. 34.1.2 Matrizes equivalentes (886)

ˆ Sejam Of e Oe duas representa¸˜es matriciais do operador O, ou seja, duas co matrizes equivalentes. Temos ˆ O fi =
j

(Of )ji fj =
j

(Of )ji
rl

flj el

(890)

Por outro lado, ˆ ˆ Ofi = O
m

fmi em =
m

ˆ fmi Oem =
m

fmi
l

(Oe )lm el

(891)

Igualando (890) e (891), temos flj (Of )ji =
j m

(Oe )lm fmi

(892)

ou, na linguagem das matrizes, F Of = Oe F ou, na forma mais comum, Oe = F Of F −1 196 (894) (893)

Em palavras, duas matrizes A e B s˜o equivalentes se existir uma matriz a n˜o-singular (isto ´, que tem inversa) F tal que a e A = F BF −1 (895)

Uma rela¸˜o desse tipo entre matrizes A e B ´ dita tamb´m uma transca e e forma¸˜o de eq¨ ivalˆncia, ou de semelhan¸a. A riqueza de sinˆnimos revela ca u e c o a idade do problema!
Exerc´ ıcios: ˆ 1. Mostre que, se o operador O possui inverso e se a representa¸˜o matricial dele em uma ca ˆ determinada base ´ a matriz A, ent˜o a representa¸˜o matricial de O−1 nesta mesma base e a ca −1 ´ a matriz A . e 2. Mostre que duas matrizes equivalentes tˆm o mesmo tra¸o e o mesmo determinante. e c Por isso essas duas quantidades s˜o ditas invariantes de uma matriz. a

34.1.3

Autovalores de uma matriz

ˆ Sejam O um operador linear e v = 0 um vetor tais que ˆ Ov = λv (896)

ˆ onde λ ´ um n´ mero complexo. Diz-se que v ´ um autovetor de O, e que λ e u e ˆ ´ um autovalor de O. A equa¸˜o acima pode ser escrita assim: e ca ˆ O − λˆ v = 0 1 (897)

ˆ ˆ Suponhamos que o operador O − λˆ tenha inverso, denotado por U = 1 −1 ˆ ˆ a O − λˆ . Ent˜o, aplicando-se U ` esquerda de (897), temos 1 a ˆ ˆ U O − λˆ v = v = 0 1 (898)

o que ´ absurdo, pois v, como autovetor, deve ser n˜o-nulo. Conclui-se que e a ˆ o operador O − λˆ ´ singular, ou seja, n˜o tem inverso. Em conseq¨ˆncia, 1 e a ue suas representa¸˜es matriciais tamb´m n˜o ter˜o inverso. co e a a A vers˜o matricial da eq.(897) ´ a e
j

(Oij − λδij ) vj = 0

(899)

ˆ onde Oij ´ o elemento ij da matriz O, que representa o operador O em e alguma base, e δij ´ o elemento ij da matriz que representa o operador ˆ e 1. 197

Em conseq¨ˆncia da conclus˜o acima, o primeiro membro da eq.(899) deve ue a ser uma matriz singular (sem inverso). Logo, devemos ter det (Oij − λδij ) = 0 (900)

que ´ uma maneira simplificada de dizer que o determinante da matriz cujo e elemento gen´rico ´ Oij − λδij ´ zero. e e e Esta equa¸˜o, λ sendo a inc´gnita, ´ uma equa¸˜o alg´brica de ordem ca o e ca e igual ` dimens˜o n do espa¸o, ou, o que ´ o mesmo, igual ` ordem da maa a c e a triz. Em prin´ ıpio tem n solu¸˜es, mas n˜o necessariamente distintas. Estas co a solu¸˜es s˜o os autovalores do operador, e s˜o tamb´m chamadas de autoco a a e valores da matriz que representa o operador. A equa¸˜o (900) ´ conhecida ca e como equa¸˜o secular. ca

198

34.2

Diagonaliza¸˜o de uma matriz ca

Neste cap´tulo, diferentemente do que ocorreu nos anteriores, omitiremos os sinais de ı somat´ria, usando a conven¸ao de que ´ndices repetidos indicam a soma sobre todos os o c˜ ı valores desses ´ndices. ı

Seja A uma matriz, de elementos Aij , que s˜o n´ meros complexos. Seja a u λ1 um autovalor da matriz A. Isto quer dizer que existe v tal que36 Av = λ1 v ou A11 v1 + A12 v2 + . . . + A1n vn A12 v1 + A22 v2 + . . . + A2n vn ......................................... A1n v1 + A2n v2 + . . . + Ann vn = = = = λ1 v1 λ1 v2 ............. λ1 vn (901)

(902)

Mais geralmente, seja vk o autovetor correspondente ao autovalor λk , Avk = λk vk Escrevendo a rela¸˜o acima em componentes, temos ca (Avk )i = λk (v)i ou Aij (vk )j = λk (vk )i Considere a matriz cujos elementos s˜o a ρik = (vk )i Ent˜o a Aij (vk )j = Aij ρjk = λk ρik ou, definindo a matriz diagonal Λ, de elementos Λij = λj δij (Aρ)ik = (ρΛ)ik
36

(903)

(904) (905)

(906) (907)

(908) (909)

Por abuso de linguagem estamos representando pelo mesmo s´ ımbolo, v, tanto o vetor quanto a matriz coluna que o representa numa base.

199

ou, como uma equa¸˜o matricial, ca Aρ = ρΛ (910)

Se a matriz ρ for invers´ ıvel, isto ´, se existir ρ−1 , obtemos, aplicando ρ−1 ` e a esquerda, ρ−1 Aρ = Λ (911) A matriz A foi transformada, por uma “transforma¸˜o de semelhan¸a”, numa ca c ˆ o operador linear que, em rela¸˜o a uma determinada matriz diagonal. Seja A ca base, possui a representa¸˜o matricial A. A equa¸˜o (911) mostra que, no ca ca ˆe caso de ρ possuir inversa, existe uma outra base na qual A ´ representado pela matriz diagonal Λ. Que matriz ´ ρ? Sejam e
   

vk = 

vk1 vk2 ... vkn

    

(912)

os autovetores de A, para k = 1 . . . n. Seja a matriz constru´ justapondo-se ıda essas matrizes colunas designada por v. Ent˜o a
  

v= 

v11 v21 v12 v22 ... ... v1n v2n

... vn1 ... vn2 ... ... ... vnn

    

(913)

A matriz ρ ´ a transposta de v, ou seja, e
  

ρ= 

v11 v12 v21 v22 ... ... vn1 vn2

... v1n ... v2n ... ... ... vnn

    

(914)

Condi¸˜o necess´ria e suficiente para que exista ρ−1 ´ que o determinante ca a e de ρ seja diferente de zero. Ora, uma condi¸˜o suficiente para que o deterca minante de uma matriz seja n˜o-nulo ´ que suas linhas sejam linearmente a e independentes. Como as linhas de ρ s˜o os autovetores vk , conclui-se que a uma condi¸˜o suficiente para que exista ρ−1 ´ que os autovetores de A sejam ca e linearmente independentes. Um corol´rio ´ que, se A ´ hermiteana, ela ´ a e e e diagonalizavel, pois o conjunto dos autovetores de uma matriz hermiteana forma uma base, o que significa que os autovetores s˜o linearmente indepena dentes. 200

34.2.1

Exemplo

Diagonalizar a matriz complexa37 A= 0 1 1 0 . (915)

A equa¸˜o secular (900) ´, neste caso, ca e det ou λ2 − 1 = 0 cujas solu¸˜es s˜o co a λ = ±1 Ent˜o a matriz, quando estiver na forma diagonal, ser´ a a 1 0 0 −1 . (919) (918) (917) 0 1 1 0 −λ 1 0 0 1 = det −λ 1 1 −λ =0 (916)

Contudo, vamos construir explicitamente a transforma¸˜o de semelhan¸a que ca c leva A ` forma diagonal. Para isso precisamos determinar os autovetores de a A. Seus autovalores j´ foram determinados: s˜o λ1 = +1 e λ2 = −1. Temos a a Seja vi o autovetor associado ao autovalor λi . Ent˜o, a Av1 = λ1 v1 Av2 = λ2 v2 Denotando o vetor vi pela matriz coluna (vi )1 (vi )2 temos, para (920): 0 1 1 0 (v1 )1 (v1 )2 = (v1 )1 (v1 )2 (922) (920) (921)

Realizando o produto de matrizes do primeiro termo, temos
Sim, leitor! Trata-se de uma matriz complexa, embora n˜o pare¸a. Lembre-se de que a c 1 ´ um n´ mero complexo, pois pode ser escrito como 1 + i0! e u
37

201

(v1 )2 (v1 )1

=

(v1 )1 (v1 )2

(923)

Como a igualdade de matrizes implica na igualdade, um a um, dos termos de mesmos ´ ındices, temos (v1 )2 = (v1 )1 (v1 )1 = (v1 )2 A solu¸˜o mais geral dessas equa¸˜es ´ a matriz coluna ca co e v1 = a a (926) (924) (925)

onde a ´ qualquer n´ mero diferente de zero. Esta ambig¨ idade era esperada, e u u pois, pela linearidade dos operadores em quest˜o, se v ´ um autovetor cora e respondendo a um determinado autovalor, qualquer m´ ltiplo n˜o-nulo seu u a tamb´m o ´. Uma maneira de levantar a ambig¨ idade ´ exigir que o vetor e e u e seja normalizado. Isto se faz assim: o produto escalar de v1 consigo mesmo ´ e (a∗ , a∗ ) Logo, devemos ter a = Portanto,
1 √ 2

a a

= a∗ a + a∗ a = 2|a|2 = 1

(927)

(a fase, como sempre, ´ escolhida arbitrariamente). e 1 v1 = √ 2 1 1 (928)

Um c´lculo an´logo leva a a a 1 v2 = √ 2 Note-se que 1 v1 .v2 = (1, 1) 2 1 −1 =0 (930) 1 −1 (929)

que mostra que os autovetores s˜o ortogonais, e, portanro, linearmente indea pendentes. A matriz ρ procurada ´, ent˜o, e a 1 ρ= √ 2 1 1 1 −1 (931)

Como detρ = −1, ela possui inversa, que ´ e ρ−1 = ρ 202 (932)

Resta mostrar que ρ−1 Aρ = De fato, 1 √ 2 1 1 1 −1 0 1 1 0 1 √ 2 1 1 1 −1 = = 34.2.2 Exerc´ ıcios
de equa¸˜o caracter´ ca ıstica) e os autovalores  1 1 2 2  2 3 h b

1 0 0 −1 1 2 2 0 0 −2

(933)

= (934)

1 0 0 −1

1.Ache a equa¸˜o secular (tamb´m chamada ca e da matriz  1 A= 1 1 2. Mostre que a matriz B= ´ transformada em uma matriz diagonal e a h

C = Tθ B (Tθ ) onde Tθ ´ e Tθ = e cos θ − sin θ tan 2θ = (transforma¸˜o de Jacobi). ca

−1

sin θ cos θ

2h a−b

3. Determine os autovalores e autovetores da matriz   2 −2 2 1 1  M = 1 1 3 −1 Resposta: λ1 = 1 , λ2 = −2 , λ3 = 3. 4. No caso l = 1, escreva a representa¸˜o matricial lx do operador ˆx na base em que ca l ˆz ´ diagonal. (S˜o os elementos de matriz que calculamos em aula). Determine a transl e a forma¸˜o de semelhan¸a que diagonaliza lx e exiba a matriz diagonalizada. Mostre que ca c esta transforma¸˜o de semelhan¸a “desdiagonaliza” (perd˜o, Luis de Cam˜es!) a matriz ca c a o lz .

203

35

Apˆndice matem´tico 2 e a

Entre as muitas excelˆncias do grande livro Quantum Mechanics, de L. D. e Landau e E. M. Lifshitz[3], est´ o apˆndice denominado Mathematical Appena e dices, onde, de uma forma unificada, s˜o tratadas v´rias das fun¸˜es especiais a a co necess´rias ao longo do texto. Essa unifica¸˜o ´ tornada poss´ pelo uso a ca e ıvel do m´todo de Laplace, uma genial t´cnica de resolu¸˜o de certas equa¸˜es e e ca co diferenciais ordin´rias inventada pelo grande matem´tico francˆs enquanto a a e redigia seu Th´orie analytique des probabilit´s. e e O m´todo faz uso intenso da integra¸˜o no plano complexo, o que abre e ca caminho para a utiliza¸˜o do m´todo do ponto sela, para o estudo do comporca e ´ tamento assint´tico das solu¸˜es. E esta combina¸˜o de t´cnicas que faz com o co ca e que os m´todos apresentados no apˆndice citado se destaquem pela elegˆncia e e a e concis˜o, para n˜o mencionar a potˆncia. a a e O tratamento dado por Landau ´ talvez excessivamente breve, o que e torna o material do apˆndice acess´ e ıvel para poucos. Este artigo pretende, estendendo-se mais longamente sobre o tema, torn´-lo acess´ a um n´ mero a ıvel u maior de estudantes. Minha principal fonte foi o grande tratado de Edouard Goursat[4], Cours d’Analyse Math´matique. Uma exposi¸˜o mais detalhada e ambiciosa, ese ca crita com a gra¸a de sempre, encontra-se em Hille[5], abundante em notas c hist´ricas e aplica¸˜es elegantes. Para o m´todo do ponto sela minha reo co e ferˆncia preferida ´ Courant, Hilbert[6]. Para saber mais sobre Laplace e seu e e tratado de probabilidades veja o not´vel Dictionary of Scientific Biography[7] a ou, mais especificamente, a biografia de Laplace por Gillispie[8], um dos editores do dicion´rio citado. a

35.1

A equa¸˜o de Laplace ca

Laplace, ap´s ter inventado a transforma¸˜o que leva o seu nome38 , generalizouo ca a de v´rias formas. A que nos interessa aqui, uma generaliza¸˜o para o plano a ca complexo, serve para resolver certas equa¸˜es diferenciais ordin´rias muito co a comuns nas aplica¸˜es. S˜o equa¸˜es da forma co a co (a0 + b0 x)y + (a1 + b1 x) dy dn y + . . . + (an + bn x) n = 0 dx dx (935)

que vamos tamb´m, de forma abreviada, denotar por e F (y) = 0
38

A famosa transformada de Laplace!

204

Vamos procurar solu¸˜es da forma co y=
C

Zezx dz

(936)

onde Z ´ uma fun¸˜o de z a determinar, e o contorno C, independente de x, e ca tamb´m deve ser determinado. Como veremos, a determina¸ao do contorno e c˜ ´ parte essencial na constru¸˜o da solu¸˜o, e aqui est´ talvez a principal e ca ca a inova¸˜o dessa “transformada de Laplace” complexa. Note-se que ca dk y = dxk Como
n

C

Zz k ezx dz

dk y F (y) = (ak + bk x) k dx k=0
n

temos, F (y) = ou F (y) = ou F (y) = com
C C C

Z
n

(ak + bk x)z k ezx dz ak z k + bk z k x ezx dz

k=0

Z
k=0

Z(Qx + P )ezx dz
n

(937)

Q=
k=0

bk z k ak z k

e P =

n k=0

Podemos ent˜o escrever F (y) como uma soma de duas integrais: a F (y) =
C

P Zezx dz +

C

ZQxezx dz

(938)

A segunda dessas integrais pode ser escrita assim: d (ZQ) dz dz C C C C (939) Podemos agora escolher o contorno C de tal sorte que a primeira integral do segundo membro se anule. De fato, trata-se da integral de uma derivada; logo, o valor da integral ’e a diferen¸a dos valores do integrando nos dois c ZQxezx dz = ZQ ezx 205 d z e xdz = dz d (ZQezx ) dz − dz

extremos. Escolhemos o contorno, ent˜o, ou como um contorno fechado, ou a como um contorno aberto em cujos dois extremos a fun¸˜o ca V (z) = ZQezx (940)

tenha o mesmo valor (No caso do contorno fechado isto acontece automaticamente). Com essa escolha de contorno,
C

ZQxexz dz = −

C

exz

d (ZQ) dz dz

Obtemos assim para a fun¸˜o F (y) a express˜o: ca a F (y) = dz P Z − d (ZQ) exz dz (941)

C

Queremos determinar Z de tal forma que F (y) = 0. Para tanto, o integrando da Eq.(941) deve se anular. Assim, PZ = d P d (ZQ) ou ZQ = (ZQ) dz Q dz 1 d P (ZQ) = ZQ dz Q Equivalentemente, d log(ZQ) = e log(ZQ) =
P dz, Q

(942)

o que nos leva ` equa¸˜o diferencial a ca (943)

P dz Q

ou ainda, ZQ = e
P dz Q

e, finalmente, Z= A solu¸˜o procurada ´ ent˜o ca e a y(x) = ou, para maior clareza, y(x) =
C C

P 1 Q dz e Q

(944)

1 e Q

P dz Q

ezx dz

(945)

1 e Q

z P (t) dt a Q(t)

exz dz

(946)

onde a ´, por exemplo, um dos zeros de P (t). e 206

35.2

O Oscilador Harmˆnico o

Considere a equa¸˜o ca

d2 y dy (947) − 2x + 2ny = 0 2 dx dx que aparece na solu¸˜o do problema de determinar os estados estacion´rios ca a do oscilador harmˆnico. Aqui n ´ um n´ mero qualquer, n˜o necessariamente o e u a um inteiro, apesar da nota¸˜o. Colocando-a na forma ca (a0 + b0 x)y + (a1 + b1 x) vemos que b0 = 0 a0 = 2n b1 = −2 a1 = 0 b2 = 0 a2 = 1 Temos, ent˜o, a P (z) = 2n + z 2 Q(z) = −2z e Z(z) = e, como dz e Logo, 1 −1 e 2 −2z
z 2 +2n dz z

dy d2 y + (a2 + b2 x) 2 = 0 dx dx

z 2 + 2n z2 = + 2n log z , z 2 =e
2 − 1 ( z2 +2n log z) 2

P dz Q

e− 4 = n z
z2

z2

1 e− 4 1 e− 4 Z(z) = − = − n+1 2z z n 2z e
z2

z2

(948)

e− 4 xz y(x) = − e dz (949) C 2z n+1 Como estamos calculando uma fun¸˜o de onda, constantes multiplicativas ca n˜o tˆm importˆncia. Por isso, simplificamos para a e a y(x) = dz xz− z2 4 e z n+1 207 (950)

Passemos agora ` determina¸˜o do caminho de integra¸˜o. Como vimos, ele a ca ca zx deve ser tal que a fun¸˜o ZQe tenha o mesmo valor nos dois extremos. ca Essa fun¸˜o ´, neste caso, ca e ZQezx ezx− 4 = zn
z2

(951)

Por argumentos f´ ısicos os casos de interesse s˜o restritos a n > − 1 (Veja a 2 nota39 ). Para esses valores os contornos C1 e C2 das figuras abaixo s˜o a adequados.

Seja z = X +iY . O termo dominante no integrando ´ e−z = e−(X −Y ) ei2XY . e −X 2 Para Y pequeno em m´dulo, e o garante que a fun¸˜o V se anula nas ca extremidades de ambos os contornos. Se n for um racional n˜o inteiro, a origem z = 0 ser´ um ponto de a a ramifica¸˜o, e haver´ cortes ao longo do eixo real. Se o corte for tomado ca a ao longo do semi-eixo real negativo, o primeiro contorno n˜o ´ permitido (a a e curva atravessa o corte). O segundo ´ aceit´vel. A integra¸˜o ´ complicada, e a ca e e n˜o garante que y(x) seja um polinˆmio, como ´ requerido. Quando n for a o e inteiro, a situa¸˜o ´ muito mais simples. Fa¸amos, neste caso, a mudan¸a de ca e c c vari´vel a z = 2(x − u) onde introduzimos a nova vari´vel complexa u. Uma substitui¸˜o simples a ca mostra que 2 ex du 2 (952) y(x) = − e−u ′ (x − u)n+i 2 C
39

2

2

2

onde o novo contorno C ′ ´ descrito na figura abaixo. e

Isto quer dizer que as energia s consideradas s˜o positivas, como ´ o caso para um a e oscilador harmˆnico de energia potencial 1 kx2 o 2

208

x

Que o contorno deve ser este, segue dos seguintes fatos:a transforma¸˜o ca ´ linear; uma transforma¸˜o linear transforma retas em retas e c´ e ca ırculos em 40 c´ ırculos ; a particular transforma¸˜o acima inverte o sentido de percurso ca no contorno e leva pequenos valores da parte imagin´ria de z em pequenos a valores da parte imagin´ria de u; o ponto z = 0 corresponde ao ponto u = x a no novo contorno. Para n inteiro e x = u o integrando n˜o tem singularidades. Por isso, o a contorno pode ser deformado para

x

A integral ´, ent˜o, e a y(x) = ex Ora,
2

e−u
2

2

du (u − x)n+1

(953)

n! e−u du dn 2 = n e−x n+i 2πi (u − x) dx onde usamos a f´rmula de Cauchy. Portanto, o n 2 x2 2πi d y(x) = e e−x ≡ yn (x) n n! dx Mas, uma maneira de definir os polinˆmios de Hermite ´: o e n 2 d 2 Hn (x) = (−1)n ex e−x n dx Logo, yn (x) = KHn (x)

(954)

(955)

onde K ´ uma constante arbitr´ria, a ser determinada posteriormente pela e a normaliza¸˜o da fun¸˜o de onda. ca ca
Bem, transforma c´ ırculos em elipses, mas, no caso, a transforma¸˜o ´ isotr´pica, e ca e o transforma c´ ırculos em c´ ırculos. . .
40

209

35.3

O Campo Uniforme

Nada supera em importˆncia, na gˆnese da mecˆnica Newtoniana, o proba e a lema da queda livre, seja da ma¸˜, seja da Lua, em seu movimento em redor ca da Terra. No entanto raramente se vˆ, num curso de mecˆnica quˆntica, esses e a a problemas tratados, nem mesmo no caso simplificado de um campo gravitacional constante. Nesta sec¸˜o vamos resolver o problema do movimento de ca um ponto material sob a a¸˜o de um campo uniforme: a queda da ma¸˜, se ca ca a altura da queda n˜o for muito grande. O m´todo de Laplace para resolver a e a equa¸˜o diferencial obtida ser´ essencial. ca a Uma part´ ıcula de massa m (a “ma¸˜”)se move sob a a¸˜o de um campo ca ca uniforme ao longo do eixo x, o que lhe d´ uma energia potencial a U(x) = −F x . Logo, age sobre ela uma for¸a na dire¸˜o x, de m´dulo F . O movimento da c ca o part´ ıcula ´ tamb´m restrito (por escolha das condi¸˜es iniciais) ao eixo x. e e co A equa¸˜o de Schr¨dinger para os estados estacion´rios desse sistema ´: ca o a e − ou h2 d2 ψ ¯ − F xψ = Eψ 2m dx2 (956)

d2 ψ 2m + 2 (F x + E) ψ = 0 dx2 h ¯ ´ E conveniente introduzir a vari´vel adimensional a E ξ = x+ F 2mF h2 ¯
2 3 1 3

(957)

(958)

d2 ψ 2mF = 2 dx h2 ¯ e, ap´s algumas substitui¸˜es simples, o co

Temos ent˜o a

d2 ψ dξ 2

d2 ψ + ξψ = 0 , dξ 2

(959)

como nova equa¸˜o de Schr¨dinger . ca o Trata-se de uma equa¸˜o de Laplace. Na nota¸˜o convencional, temos ca ca (a0 + b0 ξ)y(ξ) + (a1 + b1 ξ) dy d2 y + (a2 + b2 ξ) 2 = 0 dξ dξ (960)

210

` qual o m´todo que vimos acima pode ser aplicado. Contudo, para aproveitar a e os estudos pr´vios sobre uma fun¸˜o que ir´ aparecer no problema (a fun¸˜o e ca a ca de Airy), vamos estudar n˜o a equa¸˜o acima, mas uma estreitamente ligada a ca a ela, d2 y (961) − ξy(ξ) = 0 dξ 2 que ´ muito conhecida na f´ e ısica-matem´tica. Se Φ(ξ) for solu¸˜o desta a ca equa¸˜o, Φ(−ξ) ser´ solu¸˜o da Eq.(959). A Eq.(961) ´ escrita, ` maneira ca a ca e a de Laplace, assim: (a0 + b0 ξ)y(ξ) + (a1 + b1 ξ) dy d2 y + (a2 + b2 ξ) 2 = 0 dξ dξ (962)

com a0 = 0, b0 = −1, a1 = b1 = 0, b2 = 0, a2 = 1. Segue que P (z) = z 2 Q(z) = −1 e, como
P Q

= −z 2 , exp

P z3 dz = exp − Q 3 exp ξz − z3 dz 3

(963)

e ent˜o a y(ξ) =
C

(964)

Como vimos, o contorno de integra¸˜o deve ser escolhido de maneira que a ca fun¸˜o ca z3 V (z) = ZQ = exp (ξz − ) (965) 3 tenha valores idˆnticos nos dois extremos. Neste caso tomaremos um cone torno que vai ao infinito, sendo os valores de V (z) nos dois extremos iguais a zero. Seja z = u + iv. Ent˜o a exp − z3 1 = exp − (u + iv)3 3 3 1 = exp − {u3 + 3u2 (iv) + 3u(iv)2 + (iv)3 } 3 1 i = exp − u(u2 − 3v 2 exp − (3u2 v + v 3 ) 3 3

211

O contorno deve ser tal que a exponencial leve o integrando a zero nos dois extremos. Para isso, devemos ter: u > e 2 2 u − 3v > ou u < e 2 2 u − 3v < 0 0 0 0

Consideremos primeiro o caso u > 0. Devemos ent˜o ter a √ √ (u − 3v)(u + 3v) > 0 Esta ´ uma regi˜o do plano (u, v) delimitada pelas retas e a 1 v=√ u 3 1 v = −√ u 3 Na figura abaixo est˜o representadas essas duas retas. Sobre elas temos a 2 2 u − 3v = 0. Uma pequena reflex˜o com ajuda da figura convencer´ o leitor a a 2 2 de que a regi˜o entre as retas ´ aquela em que u − 3v > 0. A regi˜o I ´ a e a e aquela em que temos u2 − 3v 2 > 0 e u > 0. A regi˜o sim´trica ` tracejada a e a em rela¸˜o ao eixo v, isto ´, a regi˜o II, ´ aquela em que temos u2 − 3v 2 > 0 ca e a e e u < 0. Logo, a regi˜o em que u2 − 3v 2 < 0 e u < 0 ´ a complementar a e dessa regi˜o II no semiplano que cont´m o eixo real negativo, e ´ constitu´ a e e ıda pelas regi˜es III e IV. Essas regi˜es estendem-se ao infinito, embora isto o o n˜o seja (nem possa ser!) representado na figura. Em princ´ a ıpio o contorno de integra¸˜o pode come¸ar em qualquer das regi˜es tracejadas, e terminar ca c o em qualquer outra tracejada. e

212

z

III
C2

II

I

IV
C1 C

Fig.1 Regi˜es permitidas o

Na figura est˜o indicados, em cinza, trˆs contornos poss´ a e ıveis: C, C1 e C2 . Desses, C2 ´ problem´tico, pois se estende na regi˜o em que a vari´vel z e a a a atinge valores reais e positivos. Ent˜o o termo a exz que aparece na express˜o de y(ξ), pode, para x grande e positivo, complicar a a convergˆncia da integral. Por isso tomamos os contornos que come¸am na e c regi˜o IV e terminam na III. Em particular, o caminho C pode ser ao longo a do eixo imagin´rio. Ent˜o, tomando z = iv, a a y(ξ) = ou v3 y(ξ) = i dv exp ixv + i 3 −∞
0 ∞ −∞

exp ixv −

(iv)3 idv = i 3

∞ −∞

dv exp ixv + i

v3 3

(966)

+i

∞ 0

v3 dv exp ixv + i 3

(967)

ou ainda y(ξ) = −i e, finalmente, y(ξ) = i
∞ 0 0 ∞

dv exp −ixv − i

v3 3

+i

∞ 0

dv exp ixv + i

v3 3

dv cos xv + 213

v3 3

(968)

A fun¸˜o de Airy, bem conhecida na literatura matem´tica, ´ definida por ca a e 1 Φ(x) = √ π Logo, ψ(ξ) = KΦ(−ξ) 35.3.1 Comportamento Assint´tico o (970)
∞ 0

dv cos

v3 + xv . 3

(969)

As fun¸˜es descritas pelas Eqs.(969) e (970) est˜o expressas como uma repco a resenta¸˜o integral, e, sendo assim, n˜o se pode ter uma id´ia imediata de ca a e seu comportamento. Nos casos em que x → ∞ e x → −∞ obtˆm-se come portamentos assint´ticos mais reveladores. Vamos a eles. o Para x positivo e muito grande na fun¸˜o de Airy (correspondendo a x ca negativo e de m´dulo muito grande para a fun¸˜o de onda) temos de achar o ca um contorno de integra¸˜o que permita utilizar o m´todo do ponto sela. ca e (Veja o Apˆndice dedicado a este m´todo). e e ´ E conveniente voltar ` express˜o exponencial a a y(x) =
3

C

exp x(t −
2

t3 ) dt 3x

(971)

t Pondo f (t) = t − 3x temos df = 1 − tx e a condi¸˜o df = 0 implica em ca dt dt √ t = ± x, que s˜o os poss´ ıveis pontos sela. Na regi˜o permitida, temos s´ a o √a o valor t = − x. A seguir faremos a escolha de um caminho de integra¸˜o ca que passe pelo ponto sela e seja de m´ximo aclive. Na realidade, ´ suficiente a e que o caminho seja de m´ximo aclive nas vizinhan¸as do ponto sela. Vamos a c √ ent˜o expandir f (t) em s´rie de Taylor em torno de t = − x. Temos, a e √ √ √ df (t + x)2 d2 f f (t) = f (− x) + (t + x) + + ... dt 2 dt2 √ as derivadas sendo calculadas no ponto t = − x. Facilmente se obt´m que e

√ 2√ f (− x) = − x 3

e que

d2 f 2 √ = √ dt2 t=− x x Naturalmente a derivada primeira ´ zero nesse ponto, pois ele ´ ponto sela. e e Ent˜o, a √ 2√ 1 f (t) = − x + (t + x)2 √ (972) 3 x 214

Para separar as partes real e imagin´ria de f (t) escrevo a t = u + iv o que d´ a √ √ 2√ 1 x + + √ u2 − v 2 + x + 2 xu + i(2uv + 2 xv) 3 x √ Ent˜o, nas vizinhan¸as de t = − x, temos: a c f (t) = − f (t) = − √ √ 2√ 1 i x + √ u2 − v 2 + 2 xu + √ 2uv + 2 xv 3 x x

√ √ 2√ 1 2i x + √ (u2 − v 2 + 2 xu) + √ v(u + x) (973) 3 x x √ Considere a reta u = − x. Ao longo dela, Im f (t) = 0. Logo, ´ uma curva e de m´ximo aclive. a f (t) = − √ √ 1√ 1 v2 √ x + 2 x(− x) − Re f (t) = x+ 3 x 2 ou, simplificando, x v2 Re f (t) = −√ 3 x √ (974)

(975)

Ent˜o a linha de maior aclive ´ a paralela ao eixo imagin´rio passando por e a √a √ − x. Pondo t = − x + iv, temos y(x) =
∞ −∞

ex(−
2

√ 3 x+iv) − 1 (− x+iv) 3

e

idv

(976) (977)

y(x) = ie− 3 x 2

3

∞ −∞

dve−

√ 2 i 3 xv − 3 v

e podemos omitir a exponencial imagin´ria do integrando, pois a parte gausa siana, para grandes valores de x, restringe de tal forma o trecho do contorno i 3 ıda que conta para a integral, que e 3 v pode ser substitu´ por seu valor em x = 0. Ent˜o, a y(x) = ie− 3 x 2
2 3

∞ −∞

dve−

√ 2 xv

= ie− 3 x 2

2

3

√ 1 2 3 π √ = πx− 4 e− 3 x 2 x

(978)

Levando em conta a defini¸˜o da fun¸˜o de Airy, temos o comportamento ca ca assint´tico o 1 1 2 3 Φ(x) = x− 4 e− 3 x 2 (979) 2 215

Como a fun¸˜o de onda do sistema sob a a¸˜o do campo uniforme ´ ca ca e ψξ = Φ(−ξ) o comportamento assint´tico que obtivemos ´ o esperado, uma vez que, para o e ξ negativo e de grande m´dulo, estamos na regi˜o classicamente inacess´ o a ıvel, e a exponencial negativa ´ bem-vinda. e Consideremos agora o comportamento assint´tico para grandes valores de o ξ, o que corresponde, na fun¸˜o de Airy, a x negativo e de frande m´dulo. ca o Neste caso df = 0 d´ a dt t2 1− =0 x 2 ou seja, t = x, com x negativo. Ent˜o, a t = ±i |x| (980)

Aqui os dois pontos sela devem ser considerados, j´ que est˜o, ambos, em a a regi˜es onde a integral converge. Vamos, primeiro, ao ponto t = i |x|. o 1 3 Expandindo a fun¸˜o f (t) = t − 3 tx em torno do ponto sela, temos: ca f (t) = f (i |x|) + (t − i |x|)2 2
 −

2i |x| x

 

(981)

onde omitimos o termo contendo a derivada primeira, j´ que ela se anula no a ponto sela. Ap´s um c´lculo simples, obt´m-se: o a e 2 1 2 f (t) = i |x| + t − 2it |x| − |x| 3 2 Usando t = u + iv, f (t) = |x| 2 2uv − 2u |x| + i  |x| − 3 Re f (t) = e Im f (t) = 2 |x| − 3 x |x| u2 − v 2 + 2v |x| + x (985) |x|

2i |x| x

(982)

x

x

|x|

u2 − v 2 + 2v |x| + x 

(983) (984)

Segue que x 2u v − |x|

216

ou Im f (t) = − 1 |x| − 3 x |x| u2 − v 2 + 2v (986)

trecho do caminho, aquele que passa pelo ponto sela t = i |x|. Considera¸˜es inteiramente an´logas levam ` conclus˜o que o segundo co a a a trecho do contorno ´ a reta v = −u+ |x|, ou, mais precisamente, o segmento e

Ao longo da reta v = u+ |x| temos Im f (t) = const., logo, este ´ o primeiro e

que come¸a no eixo real, em |x| e vai a v = −∞. Assim, o contorno de c integra¸˜o adequado para o comportamento assint´tico para x negativo e de ca o grande m´dulo ´ o que est´ representado na figura abaixo. o e a

i |x|

−i |x|

Contorno para o c´lculo do comportamento a assint´tico para x negativo, de grande o m´dulo. o

A contribui¸˜o do trecho superior do contorno ` integral ´: ca a e √ √ |x| 2 √ t3 x t− 3x 2 2 −∞ −i π x −2 x u e dt = due 4 e e−ix 3 |x| √ 2 |x| C1 √ √ 2 2 −i 2 x√|x|−i π −∞ 4 = e 3 √ due−2 |x|u 2 |x| √ |x| −i 2 x |x|+ π π 3 4 = − e 2 |x| √ √ π 2π −i 2 x |x|+ 4 3 = − 1 e 4 2|x|

(987) (988) (989)

(990)

217

Alguma ´lgebra elementar leva este resultado ` forma: a a √ 3 i 2π i 2 ξ 2 + π 3 4 1 e 2|ξ| 4

(991)

onde pusemos x = −ξ. A contribui¸˜o do outro trecho ´ perfeitamente ca e an´loga, dando como resultado a √ 3 i 2π −i 2 ξ 2 + π 4 − e 3 (992) 1 2|ξ| 4 Somando as duas, temos Ψ(ξ) = A ξ
1 4

sin

2 3 π ξ2 + 3 4

(993)

Vamos nos deter agora um pouco na interpreta¸˜o f´ ca ısica do resultado, com´ parando a solu¸˜o com a solu¸˜o cl´ssica para o mesmo problema. E preca ca a ciso ressaltar que o que calculamos foram as fun¸˜es de onda dos estados co estacion´rios de um corpo sob a a¸˜o de uma for¸a constante (queda livre, a ca c por exemplo). Classicamente nunca, ou raramente, estudamos estados estacion´rios, o que torna a compara¸˜o entre os resultados mais dificil. Para a ca realizar estados estacion´rios em queda livre na mecˆnica cl´ssica, temos que a a a recorrer a um conjunto de muitas part´ ıculas. Um bom modelo de queda livre em estado estacion´rio na mecˆnica cl´ssica ´ uma cachoeira sem tura a a e bulˆncia, um len¸ol homogˆneo de ´gua em queda livre. Cada gota de ´gua e c e a a estar´ em movimento, mas o conjunto de todas as gotas forma uma figura a que, no conjunto, parece im´vel. Vamos mostrar que a solu¸˜o quˆntica que o ca a obtivemos possui algo em comum com a solu¸˜o cl´ssica. Isto ´ mais f´cil de ca a e a ver usando-se a express˜o assint´tica da Eq.(993). a o De fato, usando a Eq.(993) temos que |Ψ(ξ)| = |A|
2 2

sin2

3 2 2 ξ 3

+

π 4

ξ

(994)

O sistema cl´ssico correspondente ´ uma part´ a e ıcula de massa m em queda livre (ou, antes, uma enorme quantidade delas). A conserva¸˜o da energia ca d´ a mv 2 − mgx = E (995) 2 de onde se tira 2 v= E + mgx (996) m 218

e, portanto,

1 1 ∼√ v x

(997)

Para o sistema cl´ssico, a probabilidade de se encontrar a part´ a ıcula em torno de uma posi¸˜o x ´ inversamente proporcional ` velocidade dela naquela ca e a posi¸˜o, pois ´ diretamente proporcional ao tempo que a part´ ca e ıcula em torno da posi¸˜o. Quanticamente esta probabilidade ´ dada por |Ψ(x)|2 . Comparaca e 1 ndo a Eq.(994) com a Eq.(997), vemos que a dependˆncia em x comparece e nas duas.

35.4
Seja

Apˆndice do apˆndice: O M´todo do Ponto Sela e e e
g(x) = exf (z) dz (998)

C

onde C ´ um contorno aberto com a propriedade de que Re (f (z)) tenda e a −∞ em ambas as suas extremidades. A partir de agora escreveremos o n´ mero complexo f (z) assim, decomposto em sua parte real e imagin´ria: u a f (z) = fR (z) + ifI (z) Consideremos valores positivos e grandes de x. Como exf (z) = exfR (z) eixfI (z) e |eixfI (z) | = 1, o m´dulo do integrando na Eq.(998) ´ dado por exfR (z) . o e Esta fun¸˜o, para um dado x, varia de um valor m´ximo, atingido quando ca a fR (z) ´ m´ximo, at´ zero, pelo menos nos extremos. Para x > 0 e muito e a e grande, temos um “pico” muito elevado, de onde o valor da integral cai rapidamente para o “vale” (regi˜o de baixos valores). Al´m disso, podemos a e utilizar a possibilidade de deformar o contorno, para fazer com que ele fique “a maior parte do tempo” nos vales, subindo ao pico pelo caminho mais ´ ıngreme. Desta maneira, apenas uma pequena parte do contorno contribuir´ a efetivamente para a integral. O m´todo do ponto sela ´ isto: achar o contorno e e mais ´ ıngreme, passando pelo pico. Note que s˜o os valores muito grandes de a x que acentuam essas propriedades extremas. Logo, o m´todo se presta para e calcular valores assint´ticos. o A determina¸˜o do caminho mais ´ ca ıngreme passando pelo pico pode ser feita assim: considere as curvas de n´ ıvel de fR (z), ou seja, as curvas ao longo das quais fR (z) ´ constante. O que procuramos s˜o as curvas que e a cortem essas curvas de n´ ortogonalmente: s˜o estas as que “sobem mais ıvel a rapidamente”. Ora, essas curvas s˜o, como se sabe da teoria de fun¸˜es a co 219 (999)

anal´ ıticas de uma vari´vel complexa, as curvas ao longo das quais fI (z) ´ a e constante. Logo, temos de achar a curva dessa fam´ que passa pelo “pico”. ılia d No “pico” (que ´ o ponto sela) temos dz fR (z) = 0. Vimos agora que, pelo e d caminho escolhido, fI (z) ´ constante, e, portanto, dz fI (z) = 0. Logo, o ponto e sela satisfaz a equa¸˜o complexa ca df (z) =0 dz (1000)

Seja z0 o ponto em que essa equa¸˜o ´ satisfeita (pode haver v´rios). Exca e a pandindo a fun¸˜o em torno desse ponto, temos ca f (z) = f (z0 ) + (z − z0 ) df dz +
z0

(z − z0 )2 2!

d2 f dz 2

(1001)
z0

mais termos de ordem superior. A derivada primeira ´ nula, por defini¸˜o de e ca ponto sela. Logo, temos, para a parte real do integrando, e com
d2 f dz 2 z0 xf (z)

=e

xf (z0 )

e

(z−z0 )2 2

d2 f dz 2

z0

(1002)

> 0, ao longo do contorno, por ser um m´ximo de fR (z). Logo, a exf (z) dz = exf (z0 ) e−| dz2 |z0
d2 f (z−z0 )2 2

C

C

dz

(1003)

que, em geral, por ser a integral de uma gaussiana, pode ser calculada facilmente. 35.4.1 Exemplo simples g(α) = e
−α(z 2 +
1 ) z 2 +a2

Considere a fun¸˜o ca
C

dz

(1004)

onde o contorno C, ilustrado na figura, come¸a e termina no eixo real, em c −∞ e ∞, respectivamente.

220

ia

C

A fun¸˜o ´ da forma ca e
C

eαf (z) dz 1 + a2

com f (z) dada por f (z) = −z 2 − Um c´lculo simples mostra que a z2

(1005)

x2 − y 2 + a2 fR (z) = −x + y − 2 (x − y 2 + a2 )2 + 4x2 y 2
2 2

(1006)

enquanto que fI (z) = −2xy 1 − (x2 − y2 1 + a2 )2 + 4x2 y 2 (1007)

Como a integral converge, j´ que fR (z) tende a zero para x2 tendendo a a infinito com y limitado, as singularidades de g(α) s˜o as singularidades do a integrando. A fun¸˜o f (z) tem polos em z = ±ia. O contorno C est´ entre ca a ia e o eixo real. Logo, podemos deform´-lo a vontade nessa regi˜o. a a O ponto sela ´ determinado pela equa¸˜o e ca df =0 dz ou seja, 2z(1 − que tem a solu¸˜o ca z=0 221 (1010) 1 )=0 (z 2 + a2 )2 (1008)

(1009)

A derivada segunda de f (z) ´ e d2 f 2 8z 2 = −2 + 2 − 2 dz 2 (z + a2 )2 (z + a2 )3 e, no ponto sela, tem o valor d2 f dz 2 = −2 1 − 1 a4 (1012) (1011)

0

A fam´ de curvas fI (z) = cte. ´ muito complicada. No entanto, para a ılia e curva y = 0 com x qualquer, temos fI (z) = 0, e, portanto, constante. Como esta curva passa por z = 0, ela ´ a curva de m´ximo aclive procurada. Ou e a seja, para o c´lculo do valor assint´tico de g(α) ´ conveniente deformar o a o e contorno de maneira a fazˆ-lo coincidir com o eixo real. Portanto, temos e g(α) =
∞ −∞

dxe

−α x2 +

1 x2 +a2

(1013)

Podemos agora expandir f (z) em torno do ponto sela. Como a derivada primeira ´ nula no ponto sela, resulta que e f (z) = f (0) + o que d´ a f (z) = − Temos ent˜o para g(α): a g(α) ∼
C

z2 2

d2 f dz 2

(1014)
z=0

1 1 − z2 1 − 4 a2 a e− a2 e−α(1− a4 )x dx
α 1 2

(1015)

(1016)

e agora a integral pode ser calculada facilmente. De fato, g(α) ∼ e− a2
α

∞ −∞

dxe−α(1− a4 )x
1

2

(1017)

Usando o resultado conhecido ( integral de Gauss)
∞ −∞

dxe−βx =

2

π , β π

(1018)

obtemos g(α) ∼ e− a2
α

α 1−

1 a4

(1019)

que ´ o resultado procurado, v´lido para grandes valores de α. e a 222

36

´ Apˆndice 3: Otica geom´trica e e

A ´tica geom´trica ´ o limite da ´tica ondulat´ria para λ = 0. Na realio e e o o dade, a ´tica geom´trica ´ uma aproxima¸˜o que vale quando a difra¸˜o ´ o e e ca ca e desprez´ ıvel. Isto ocorre quando os obst´culos que as ondas de luz encontram a tˆm dimens˜es grandes em rela¸˜o ao comprimento de onda delas. Uma e o ca maneira de garantir que isto sempre se verifique ´ tomar ondas de comprie mento bem pequeno. Por isso se diz “no limite λ = 0”.

36.1

Equa¸˜es de Maxwell co

Suponhamos que a propaga¸˜o da luz se dˆ em um meio material simples, ca e descrito por uma constante diel´trica ǫ e uma permeabilidade magn´tica µ. e e Se o meio for homogˆneo e se j = 0 e ρ = 0, teremos as equa¸˜es de onda e co ∇2 E − para o campo el´trico, e e ∇2 B − 1 ∂2B v 2 ∂t2 c v=√ µǫ (1021) 1 ∂2E =0 v 2 ∂t2 (1020)

com

Estas equa¸˜es seguem diretamente das equa¸˜es de Maxwell, como vimos co co anteriormente. Se a onda for monocrom´tica, a dependˆncia temporal ser´ a e a e−iωt e a equa¸˜o 1020 fica ca
ω v

e, pondo k =

=

∇2 E + ǫµ ω , temos c

ω2 E=0 v2

(1022)

∇2 E + k 2 E = 0 .

(1023)

Vamos nos restringir a ondas escalares, ou seja, vamos ignorar que os campos s˜o vetores. Perderemos com isso toda a variedade de fenˆmenos a o associados ` polariza¸˜o. No entanto, muitos fenˆmenos, aqueles que s˜o a ca o a diretamente associados ao car´ter ondulat´rio, ao fenˆmeno da interferˆncia, a o o e ser˜o ainda razoavelmente descritos. Seja u o campo escalar (por exemplo, a uma das componentes de E). A equa¸˜o ´ ca e ∇2 u + k 2 u = 0 . 223 (1024)

36.2

A equa¸˜o do eikonal ca
u = Aeik0 S (1025)

Vamos procurar solu¸˜es da forma co

a co com k0 = ω , onde A e S s˜o fun¸˜es de x, y, z que variam lentamente e que c n˜o tendem a ∞ quando k0 cresce. a ∂u ∂S ∂ log A = (ik0 u +u ) ∂x ∂x ∂x (1026)

∂2u ∂S log A 2 ∂ 2 log A ∂S ∂2S 2 (1027) = {−k0 u( )2 = ik0 u ) +u + ik0 u 2 + ∂x2 ∂x ∂x ∂x ∂x ∂x ∂ log A 2 ∂S ∂ log A + u( ) + + ik0 u ∂x ∂x ∂x ∂ 2 log A + u } ∂x2 com termos an´logos para as derivadas em y e z. Assim, temos a
2 ∇2 u = {−k0 u[(

+ + + +

∂S 2 ∂S ∂S ) + ( )2 + ( )2 ] + ∂x ∂y ∂z ∂ log A ∂S ∂ log A ∂S ∂ log A ∂S 2ik0 u( + + )+ ∂x ∂x ∂y ∂y ∂z ∂z ∂2S ∂2S ∂2S ik0 u( 2 + 2 + 2 ) + ∂x ∂y ∂z ∂ log A 2 ∂ log A 2 ∂ log A 2 u[( ) +( ) +( ) ]+ ∂x ∂y ∂z ∂ 2 log A ∂ 2 log A ∂ 2 log A + + )} u( ∂x2 ∂y 2 ∂z 2

(1028)

Isto pode ser abreviado assim:
2 ∇2 = −k0 u∇S.∇S+2ik0 u∇ log A.∇S+ik0 u∇2 S+u∇ log A.∇ log A+u∇2 log A (1029) Logo, a equa¸˜o fica: ca 2 k 2 = k0 ∇S.∇S − 2ik0 ∇ log A.∇S − ik0 ∇2 S − ∇ log A.∇ log A − ∇2 log A (1030) ou ainda,

k2 2i i 1 1 = ∇S.∇S − ∇ log A.∇S − ∇2 S − 2 ∇ log A.∇ log A − 2 ∇2 log A 2 k0 k0 k0 k0 k0 (1031) 224

No limite k0 → ∞, temos e

∇S.∇S = n2

(1032) (1033)

2i 1 (∇ log A.∇S + ∇2 S) = 0 k0 2 de maneira que as equa¸˜es s˜o: co a 1 ∇ log A.∇S = − ∇2 S 2 ∇S.∇S = n2 que s˜o as equa¸˜es b´sicas da ´tica geom´trica.41 a co a o e

(1034) (1035)

36.3 36.4

Exemplos n ´ constante e
∇S.∇S = cte

de onde segue que ∇S = cte, ou seja, Neste caso

S = n(αx + βy + γz)

∇S = n(α∇x + β ∇y + γ ∇z) = n(αi + β j + γ k) e Logo, e as superf´ ıcies S = n(αx + βy + γz) = cte. (1038) s˜o planos. Ora, as superf´ a ıcies S = cte. s˜o as frentes de onda, logo a a propaga¸˜o aqui descrita ´ a de ondas planas. Note-se que, se n ´ um vetor ca e e unit´rio, isto ´, se n.n = 1, temos, com r = xi + y j + z k, a e n.r = nx x + ny y + nz z
41

∇S.∇S = n2 (α2 + β 2 + γ 2 ) = n2 α2 + β 2 + γ 2 = 1 ,

(1036) (1037)

Note que

ǫµ ω2 k2 c = ǫµ = n2 2 = ω2 k0 c2 onde n ´ o ´ e ındice de refra¸˜o do meio. ca

2

225

e n2 + n2 + n2 = 1 x y z Comparando com a Eq.(1037) vemos que nx = nα, ny = nβ e nz = nγ, raz˜o a pela qual alpha, β e γ s˜o os “ cosenos diretores” da dire¸˜o n. a ca

36.5

Dois meios homogˆneos e

Vamos ver agora o casode dois meios homogˆneos separados por um plano e em x = 0 Temos ( e ∂S 2 ∂S ∂S k1 ) + ( )2 + ( )2 = ( )2 para x < 0 ∂x ∂y ∂z k0 (1039)

∂S ∂S k2 ∂S 2 ) + ( )2 + ( )2 = ( )2 para x > 0 (1040) ∂x ∂y ∂z k0 Seja S um plano cuja normal n˜o tem componente ao longo de z. Ent˜o a a ( S(x, y) = S(x, y) = Para x = 0, ou n1 sin θ1 = n2 sin θ2 que ´ a lei de Snell-Descartes. e (1044) k1 (x cos θ1 + y sin θ1 ) x < 0 k0 k2 (x cos θ2 + y sin θ2 ) x > 0 k0 (1041) (1042)

k1 k2 y sin θ1 = y sin θ2 k0 k0

(1043)

36.6

Simetria esf´rica e

Considere a seguinte solu¸˜o da equa¸˜o do eikonal, dotada de simetria ca ca esf´rica: e S = nr (1045) onde n = |n| e r = |r|. Temos ∇S = n∇r = n r e, portanto, ∇S.∇S = n2 . r As superf´ ıcies S = cte. s˜o, neste caso, as superf´ a ıcies r = cte., ou seja, as frentes de onda s˜o superf´ a ıcies esf´ricas com centro na origem. Para que se e trate verdadeiramente de uma solu¸˜o da equa¸˜o do eikonal, ´ preciso ainda ca ca e que a Eq.(1035) seja satisfeita: 1 ∇ log A.∇S = − ∇2 S 2 226 (1046)

Ora, ∇.∇S r 1 1 = ∇.(n = n{ ∇.r + r.∇ } r r r r 3 1 3 = n{ + r.(− 3 )} = n{ − } r r r r 2n = r ∇2 S = ´ E necess´rio ent˜o que a a ou, que ∇ log A.∇S = − 2n r n r (1047)

ou

r n ∇ log A.n = − r r ∇ log A.r = −1 R r2 e, conseq¨ entemente, u ∇ log A = − 1 r A= (1048)

Segue ent˜o que a Portanto,

Mas ∇ log A =

1 ∇A A

= − rr2

(1049)

Podemos ent˜o contruir a onda u = Aeik0 S (ver Eq.(1025)). a
√ ω 1 1 u = eik0 nr = eikr = ei ǫµ c r r r

(1050)

que ´ a parte espacial de uma onda esf´rica. e e

36.7

Curvatura dos raios de luz

Considere a curva descrita pela extremidade do vetor r(s), onde s ´ o come primento da curva. Seja s o vetor tangente ` curva em cada ponto. Se a a curva for uma reta, a tangente em todos os pontos tem a mesma dire¸˜o. ca Em curvas que n˜o s˜o retas, a tangente “gira” quando se percorre a curva. a a Este movimento da tangente ´ usado para definir a curvatura de uma curva e como o vetor ds K= (1051) ds 227

R e dsr e Como o vetor tangente ´ s = ds , vemos que a curvatura ´ d 2 , ou seja ´ a e “acelera¸˜o”, se s for tomado como o tempo. ca Considere, por exemplo, um c´ ırculo, de equa¸˜o x2 + y 2 = R2 . Temos ca

2

x y dx dy e segue facilmente que

= = = =

R cos θ R sin θ −R sin θdθ R cos θdθ

ds2 = R2 sin2 θdθ2 + R2 cos2 θdθ2 = R2 dθ2 ou, ds = Rdθ Como r = R cos θi + R sin θj, temos s= que d´ a s = − sin θi + cos θj Para a curvatura ent˜o temos: a K= ou R R2 A curvatura ´, ent˜o, um vetor, cujo m´dulo ´ e a o e K=− K= 1 R (1052) ds 1 = (− cos θdθi − sin thetadθj) ds Rdθ dr dθ dθ = −R sin θ i + R cos θ j ds ds ds

A curvatura do c´ ırculo ´ tanto maior quanto menor o raio, o que mostra que e a defini¸˜o acompanha a id´ia intuitiva. ca e Voltemos ao caso geral. Como o vetor tangente s tem m´dulo 142 , de s.s = 1 o segue que ds s. = 0 (1053) ds
42

Pois s =

dr ds ,

temos que s.s =

dr dr ds . ds

=

ds2 ds2

= 1 onde usamos que dr.dr = ds2

228

ou seja,

ds ds

´ perpendicular a s. Logo, ds pode ser escrito na forma e ds ds =A×s ds (1054)

onde A ´ um vetor a determinar43 De fato, considere o vetor e A = a rots onde a ´ uma constante. Temos e ( enquanto (rots × s)i = ǫijk (rots)j sk = ǫijk ǫjlm (∂l sm )sk = (δkl δim − δkm δil )(∂l sm )sk = (∂l si )sl − (∂i sk )sk
1 e o ultimo termo ´ nulo, pois (∂i sk )sk = 2 ∂i (s)2 , e s.s = 1. Conseq¨ ente´ e u mente, ds = rots × s (1057) ds At´ agora falamos genericamente de curvas. Consideremos agora curvas que e sejam raios de luz. Como vimos anteriormente, os raios de luz s˜o ortogonais a `s superf´ a ıcies S = cte., ou seja, tˆm, em cada ponto dessas superf´ e ıcies, a dire¸˜o de ∇S. Em s´ ca ımbolos, ds ds

(1055)

= a rots × s e (1056)

dsi ∂si dxl ∂si ds )i = = l = l sl = (∂l si )sl ds ds ∂x ds ∂x

s= Da´ decorre que ı

1 ∇S n

(1058) (1059)

rot(ns) = 0 onde usamos o fato conhecido rot grad = 0. Da Eq.(1059) segue que nrots + ∇n × s = 0 1 rots = (s × ∇n) n e, portanto, que ds 1 = (s × ∇n) × s ds n ds n = (s × ∇n) × s ds = (s.s)∇n − (s.∇n)s
43

Em outras palavras, existe um vetor A tal que a Eq.(1054) ´ satisfeita. e

229

e, finalmente, nK = ∇n − (s.∇n)s (1060) onde K ´ o vetor curvatura do raio. Uma conseq¨ˆncia imediata da Eq.(1060) e ue ´ que em meios homogˆneos (n constante) a curvatura ´ nula, e os raios s˜o e e e a retas. Uma outra aplica¸˜o ´ a seguinte: quando o Sol est´ muito baixo, ca e a no nascente ou no poente, os raios que atingem um observador s˜o aproxa imadamente horizontais. O ´ ındice de refra¸˜o da atmosfera diminui com a ca altitude, logo ∇n aponta para o centro da Terra, ou seja, ´ vertical. Ent˜o, na e a Eq.(1060), o segundo termo do segundo membro ´ muito pequeno. Concluie

230

se que a curvatura desses raios ´ paralela a ∇n, apontando para o centro da e Terra. Os raios, isto ´, se curvam para baixo. Em conseq¨ˆncia, o obsere ue vador, que interpreta sempre o raio como uma reta, “vˆ” o Sol mais alto do e que est´ na realidade. De fato, isto explica por que se vˆ o Sol ainda um a e pouco depois de ele ter se posto.

Curvatura de um raio de luz

36.8

Lentes esf´ricas e

No tratamento elementar da ´tica geom´trica obt´m-se, por constr¸˜es geom´tricas o e e co e utilizando a lei de Snell-Descartes, a equa¸˜o ca 1 1 1 + = a b f (1061)

sendo a a distˆncia do objeto ` lente (supostamente de espessura desprez´ a a ııvel), b a distˆncia da imagem ` lente, e f a distˆncia focal da lente, que ´ dada a a a e por 1 1 1 = (n − 1)( + ) f R1 R2 sendo n o ´ ıındice de refra¸˜o do vidro, R1 e R2 os raios das superf´ ca ııcies esf´ricas da lente. O significado de f pode ser obtido facilmente da Eq.(1061): e tomando-se a = ∞, tem-se 1 1 = (1062) b f que mostra ser f a distˆncia a que se forma a imagem quando o objeto est´ a a no infinito. Na Eq.(1061) a lente ´ suposta de espessura zero, e a distˆncia e a ` lente ´ confundida com a distˆncia ao centro da lente. a e a

231

B A d F

Fig.1

Vamos tratar esse problema com o uso da equa¸˜o do eikonal. N˜o haver´ ca a a qualquer dificuldade em tratar o caso de lentes espessas, e o caminho estar´ a aberto tamb´m para o tratamento de lentes cujas faces n˜o sejam superf´ e a ıcies esf´ricas. O ponto P da figura designa a posi¸˜o do objeto, de coordenadas e ca x = 0, y = 0 e z = 0. O eixo z ´ a dire¸˜o de incidˆncia: ´ a reta que une P e ca e e ao centro da lente, O.

a P T

O

Fig.2

Um raio partido de P e incidente sobre a lente, encontra-a no ponto T , pertencente a uma superf´ esf´rica de raio R1 (a primeira face da lente). ıcie e O centro dessa superf´ esf´rica est´ no ponto de coordenadas x = 0, y = 0, ıcie e a z = a + R1 . As coordenadas de T s˜o x = 0, y = 0, z = a. Um ponto vizinho a ` lente tem coordenada z = a + ζ, com |a| ≫ |ζ| a As ondas esf´ricas emitidas de P tˆm o eikonal e e s = nr = n x2 + y 2 + z 2 com n = 1 (regi˜o externa ` lente), ou seja, mais explicitamente, a a s= x2 + y 2 + z 2 (1064) (1063)

Perto da primeira face da lente o eikonal ´ e S= x2 + y 2 + (a + ζ)2

232

Restringindo-nos a pequenas aberturas, basta considerar valores pequenos de x e y. Ent˜o, a S = (a + ζ)2 + x2 + y 2 = (a + ζ)2 (1 + x2 + y 2 ) (a + ζ)2 (1065)

= (a + ζ) 1 + ou seja,

x2 + y 2 x2 + y 2 ≈ (a + ζ)(1 + ) (a + ζ)2 2(a + ζ)2

x2 + y 2 2a A equa¸˜o da superf´ da primeira face da lente ´ ca ıcie e S =a+ζ +
2 x2 + y 2 + (z − a − R1 )2 = R1

(1066)

(1067)

Podemos agora resolver o problema da primeira refra¸˜o na lente. ca

233

36.9

A primeira refra¸˜o ca

T a Q r Fig.3 P

A figura mostra um raio saindo de P e incidindo sobre a lente, e o raio refratado (que existe s´ dentro da lente). Prolongando-se o raio refratado at´ o e que atinja o eixo da lente, determina-se o ponto Q1 . Esse raio, T Q1 , existiria se a propaga¸˜o se desse num meio homogˆneo de ´ ca e ındice de refra¸˜o igual ao ca da lente, n. O eikonal do raio refratado ´, ent˜o, e a S = n x2 + y 2 + (z − a + r)2 (1068)

pois as coordenadas de Q1 s˜o x = 0, y = 0, z = −(r − a). Para pontos a pr´ximos ` primeira face da lente temos z = a + ζ, com |a| ≫ |ζ|. Ent˜o, o a a S = n x2 + y 2 + (r + ζ)2 ou, aproximadamente, S = n(r + ζ + x2 + y 2 ) + S0 2r (1070) (1069)

onde S0 ´ uma constante. Em geral essa constante aditiva ´ desnecess´ria, e e a embora esteja sempre presente, j´ que, sendo a equa¸˜o do eikonal uma a ca equa¸˜o para ∇S, se um S ´ solu¸˜o, S + S0 tamb´m o ser´, S0 sendo ca e ca e a uma constante arbitr´ria. Neste problema que estamos estudando, imporea mos a continuidade do eikonal numa determinada superf´ ıcie, e, para isso ser poss´ ıvel, ´ necess´rio incluir o S0 . e a A condi¸˜o de contorno ´ que o eikonal (a fase!) varie continuamente ao ca e atravessar a face da lente. Se isto n˜o lhe parece intuitivo, note que ´ sob a e essa condi¸˜o que se obt´m a lei de Snell-Descartes para a refra¸˜o numa ca e ca superf´ plana, o que pode ser considerado uma “verifica¸˜o experimental” ıcie ca do fato. Para pequenas aberturas os pontos que satisfazem a Eq.(1067) da superf´ s˜o tais que ıcie a
2 x2 + y 2 + (ζ − R1 )2 = R1

(1071)

234

ou, como R1 ≫ |ζ|, ou ainda,

2 x2 + y 2 + R1 (1 −

ζ 2 2 ) = R1 R1

(1072)

x2 + y 2 (1073) 2R1 Devemos ter a coincidˆncia dos dois eikonais sobre a superf´ da lente. e ıcie Ent˜o, a ζ= {a + ζ + x2 + y 2 x2 + y 2 }Sup = {n(r + ζ + ) + S0 }Sup 2a 2r (1074)

que leva a a+ ou seja, S0 + nr = a e 1 1 n n + = + 2R1 2a 2R1 2r (1076) (1077) x2 + y 2 x2 + y 2 x2 + y 2 x2 + y 2 + = nr + S0 + n +n 2R1 2a 2R1 2r (1075)

ou ainda

n−1 1 n = − (1078) R1 a r Esta equ¸˜o resolve o problema da refra¸˜o por um dioptro esf´rico. ca ca e

36.10

A segunda refra¸˜o ca

T a Q CP r Fig.4 b B

A equa¸˜o da segunda face, se R2 ´ o seu raio e C o seu centro, ´ ca e e
2 (x − xC )2 + (y − yC )2 + (z − zC )2 = R2

(1079)

235

ou Para pontos pr´ximos ` segunda face, temos o a
2 x2 + y 2 + (z − (R2 − a − d))2 = R2

(1080)

z =a+d+ζ com |ζ| ≪ |a + d|. Ent˜o, a
2 x2 + y 2 + (a + d + ζ = (a + d − R2 ))2 = R2

(1081) (1082)

ou
2 x2 + y 2 + (ζ + R2 )2 = R2

e, usando o fato de que |ζ| ´ pequeno, e
2 x2 + y 2 + R2 (1 +

2ζ 2 2 ) = R2 R2

(1083)

e, finalmente, x2 + y 2 + 2ζR2 = 0 que podemos por na forma ζ =− x2 + y 2 2R2 (1085) (1084)

O eikonal do segundo raio refratado ´ e S = − x2 + y 2 + (z − zO2 )2 onde zO2 = a + d + b, o que d´ a S = − x2 + y 2 + (z − a − d − b)2 (1087) (1086)

O sinal (-) ´ devido ao fato de se tratar de uma onda esf´rica que est´ se contraindo e e a para o ponto O2 . De fato, uma onda esf´rica que sai da origem ´ e e ei(kr−ωt) r ao passo que uma onda esf´rica que chega na origem ´ dada por e e ei(−kr−ωt) . r

Perto da segunda face da lente, temos S = − x2 + y 2 + (a + d + ζ − a − d − b)2 236 (1088)

ou Para pequenas aberturas, S = − x2 + y 2 + (ζ − b)2 x2 + y 2 ) (b − ζ)2 (1089)

S2 = − (b − ζ)2(1 + = −(b − ζ)(1 +

ou

x2 + y 2 ) 2(b − ζ)2 x2 + y 2 = −{b − ζ + 2(b − ζ) S = −{b − ζ +

x2 + y 2 } (1090) 2b O eikonal do primeiro raio refratado, quando ele atinge as proximidades da segunda face da lente, ´ e S ′ = n x2 + y 2 + (a + d + ζ − a + r)2 (1091)

onde resolvemos denot´-lo por S ′ para distingu´ do eikonal do segundo raio a ı-lo refratado. Temos, ap´s uma simplifica¸˜o, o ca S ′ = n x2 + y 2 + (ζ + d = r)2 Para pequenas aberturas, S ′ = n (r + d + ζ)2(1 + = n(r + d + ζ)(1 + ou, finalmente, S ′ = n(r + d + ζ + Devemos ent˜o ter, na segunda face, a n(r + d + ζ + x2 + y 2 x2 + y 2 + S0 )Sup = −(b − ζ + )Sup 2(r + d) 2b (1094) x2 + y 2 (r + d + ζ)2 (1092)

x2 + y 2 ) 2(r + d + ζ)2 x2 + y 2 ) 2(r + d)

(1093)

onde o c´lculo deve ser feito para os pontos da segunda superf´ da lente, a ıcie ou seja, para x2 + y 2 ζ =− (1095) 2R2 237

Temos ent˜o a n(r + d − x2 + y 2 x2 + y 2 x2 + y 2 x2 + y 2 + + S0 ) = −(b + + ) 2R2 2(r + d) 2R2 2b nr + nd + nS0 + b = 0 e − ou n n 1 1 + + + )=0 2R2 2(r + d) 2R2 2b n−1 1 n = + R2 b r+d (1096)

que d´ as equa¸˜es a co (1097) (1098) (1099)

36.11

A equa¸˜o dos focos conjugados ca

A solu¸˜o do problema consiste em combinar as Eqs.(1097) e (1099) para ca eliminar r. Da Eq.(1097) temos r = n e, da Eq.(1099), r+d = n
n−1 R2 1 a

1 − n−1 R1 1 −

(1100)

1 b

(1101)

Subtraindo a primeira da segunda, temos d = n
n−1 R2

1 −

1 b

+

n−1 R1

1 −

1 a

(1102)

que ´ a equa¸˜o dos focos conjugados para uma lente de espessura d e para e ca pequenas aberturas. Se d = 0, obt´m-se e 1 1 1 1 1 + = (n − 1)( + )= a b R1 R2 f que ´ a equa¸˜o usual, para lentes delgadas. e ca (1103)

Referˆncias e
[1] P.A.M. Dirac, Principles of Quantum Mechanics, Oxford University Press. 238

[2] J.M. Jauch, Foundations of Quantum Mechanics, Addison-Wesley. [3] L.D. Landau, E.M. Lifshitz, Quantum Mechanics, 3rd. Edition, Pergamon Press, Oxford, 1976. [4] E. Goursat, Cours d’Analyse Math´matique, 7eme. ´dition, Gauthiere e Villars, Paris, 1949, Volume II, pg. 471. [5] E. Hille, Ordinary Differential Equations in the Complex Domain, Wiley, 1976. [6] R. Courant, D. Hilbert, Methods of Mathematical Physics, Interscience, New York, 1953. [7] C. C. Gillispie (ed.) Dictionary of Scientific Biography Scribner’s, New York,1970. [8] C. C. Gillispie, Pierre-Simon Laplace, Princeton University Press, Princeton, 1997. [9] A. Sommerfeld, Partial Differential Equations of Physics, Academic Press, New York, 1949. [10] H. Kramers, Quantum Mechanics, North Holland, 1957. [11] E. H. Wichmann, Quantum Physics, Berkeley Physics Course, Volume 4, McGraw-Hill. [12] H. M. Nussenzveig, F´ ısica B´sica, Vol.4, Blucher. a [13] R. P. Feynman et al., The Feynman Lectures on Physics, Vol.3, AddisonWesley. [14] A. P. French, E. F. Taylor, An Introduction to Quantum Physics, MIT Introductory physics series, Chapman and Hall. [15] I. Newton, Philosophiae Naturalis Principia Mathematica, tradu¸˜es em co muitas l´ ınguas, entre as quais o portuguˆs. e [16] J. Dieudonn´, Treatise on Analysis, 8 vols., Academic Press. e [17] A. F. R. de Toledo Piza, Mecˆnica Quˆntica, EDUSP, S˜o Paulo, 2003. a a a

239

´ Indice Remissivo
anti-materia, 177 aparelhos, 7 autofun¸˜es do momento angular, 67 co autofuncao, 14, 17, 25, 51, 52, 68, 70, 72, 86, 91, 148, 161 autovalores, 12, 13, 15–17, 20, 25, 33– 36, 47, 50, 51, 53, 56, 63, 69, 77, 86, 88, 91, 109, 110, 113, 117, 129, 148, 184, 187, 189 bosons, 148 caso quase-classico, 151 comutador de Heisenberg, 23 conjunto completo, 9 conservacao, 37, 62, 135, 169, 204 delta de Dirac, 44 el´tron, 7 e energia, 7, 18–20, 22, 25–36, 38, 39, 41, 49–51, 58, 74–77, 80, 82, 85–87, 99, 101, 106, 115, 116, 118–129, 131–135, 146, 148, 151, 152, 155, 157–161, 163, 167, 175–178, 180, 194, 196, 204 equa¸˜o da continuidade, 36 ca equa¸˜o de Schr¨dinger, 18 ca o equacao de Dirac, 168 equacao de Schr¨dinger, 10, 18, 20, o 21, 23, 25, 26, 29, 36, 41, 46, 47, 49, 56, 75, 76, 116, 124, 133, 135, 144, 145, 160, 161, 166, 168, 196 espectro, 12 espectro cont´ ınuo, 46 espectro discreto, 27 estado, 8–10 estados estacion´rios, 23 a fermions, 148 funcao de onda, 10 hidrogˆnio, 76 e incerteza, 6, 7, 85, 104–106 Integral de Fourier, 45 intera¸˜o eletromagn´tica, 98 ca e ket, 88, 89 medida, 7 molecula de amonia, 167 momento, 5, 7, 18, 20, 63–70, 74, 75, 84, 85, 89, 91, 92, 101, 106, 120, 130, 143, 146, 150–152, 155, 175, 178, 180, 226, 227 momento angular, 63 normalizacao, 52, 72, 73, 160, 195 nota¸˜o de Dirac, 87 ca operador adjunto, 15 operadores, 12 operadores hermiteanos, 15 operadores unit´rios, 59 a ortogonlidade, 16 oscilador harmˆnico, 49 o particula livre, 18 particulas idˆnticas, 147 e perturba¸˜es, 109 co perturba¸˜es dependentes do tempo, co 134 po¸o quadrado, 25 c potenciais de simetria central, 75 princ´ ıpio da superposi¸˜o, 9, 11 ca principio de Pauli, 149

240

simetrias, 59 sistemas de dois niveis, 163 soma de momento s angulares, 150 spin, 91 trajetoria, 7 tunelamento, 44 valor medio, 13 WKB, 151

241

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful