You are on page 1of 20

Teoria da Contabilidade – Niyama e Tibúrcio Silva – Livro do Mestre

Capítulo 1

1)

Nessa discussão, podem-se usar os conhecimentos adquiridos no capítulo,

em especial das páginas 9 a 12. O dilema reputação x custo deve ser considerado 2) a) A CVM regula as empresas com ações negociadas em bolsa. O Ibracon é

uma entidade que congrega auditores independentes (ou seja, auditores externos); b) O usuário pode enviar sugestão para a entidade que está promovendo a padronização. A audiência pública refere-se ao processo em que o órgão normatizador recebe sugestões. Minuta é o rascunho da futura legislação, geralmente elaborado por um grupo de especialistas 3) a) Seria um exemplo de padronização, não somente de normas contábeis.

Para que um país adote é necessário o apóio do banco central. Nesse caso, o regulador seria, para o Brasil, o Banco Central; b) O banco está lançando ações para investidores estrangeiros. Esses investidores seriam mais propensos a investir quando o banco estiver adotando essas normas. Uma outra situação é um banco estrangeiro que atue no Brasil, cuja matriz está localizada num país que exige as normas; c) Isso é uma desvantagem. Nessa alternativa é possível apresentar o conceito de risco sistêmico, da teoria de finanças. A homogeneização aumenta o risco sistêmico; d) Esta é uma opinião pessoal. Existem vantagens e desvantagens e provavelmente não temos como apresentar uma solução correta; e) O Banco Central deveria se preocupar com esta questão. 4) com isso? 5) Esta é uma opinião pessoal. Existem vantagens e desvantagens e Os resultados mostram que os relatórios contábeis possuem baixa

legibilidade em relação a outros textos. Não seria o caso da contabilidade preocupar-se

provavelmente não temos como apresentar uma solução correta. Mas o professor pode destacar a importância da informação contábil estar voltada para o usuário. 6) Para um usuário (Anefac e Fipecafi) a imagem era boa. Para outro, o TCU,

não. O professor pode destacar aqui que os usuários possuem objetivos diferentes (e não existiria o lado "certo" versus o lado "errado" 7) A lista pode incluir: captação de recursos, acesso facilitado ao mercado de

1

Teoria da Contabilidade – Niyama e Tibúrcio Silva – Livro do Mestre

crédito, maior transparência nas informações, melhor governança corporativa, entre outros aspectos 8) A justificativa para padronização foi o fato de cada empresa estava

calculando o Ebitda da sua forma, o que impedia a comparação. O professor pode discutir se este é um caso que efetivamente demanda a intervenção da CVM. Isto também poderia ser feito para outros índices. Mas seria necessário? 9) o TSE. a) Eis uma situação interessante para aplicar os conhecimentos do capítulo.

Use os conhecimentos da página 17 a 22 para discutir este caso. b) O usuário final seria

2

Teoria da Contabilidade – Niyama e Tibúrcio Silva – Livro do Mestre

Capítulo 2

1)

Refere-se às diferenças existentes entre as normas contábeis brasileiras e as

normas internacionais 2) 3) 4) 17 a 22) 5) Esta é uma opinião pessoal. Uma possibilidade que se pode discutir é a Fundação Iasc Curadores Use o conteúdo das páginas 43 a 51 para a resposta Esta questão pode ser discutida usando os conhecimentos do capítulo 1 (p.

questão da soberania. A adoção das normas contábeis de outro país pode representar uma redução na independência política e econômica. Isso, para o Canadá, pode ser crítico pois o país faz fronteira com os Estados Unidos. 6) Se capitalizar esse resultado irá aparecer na Demonstração do Resultado na

proporção de $20 milhões nos próximos cinco anos. Caso adote uma atitude mais conservadora, os $100 milhões serão levados a resultado no próprio exercício. Alguns desses pontos serão discutidos também no capítulo 8 7) Antes do lançamento = eram considerados no resultado no momento do

desembolso; Depois do lançamento = eram reconhecidos no resultado (e no passivo) com os cálculos atuariais. O professor pode fazer aqui um paralelo com o 13o. salário, pago em dezembro. 8) Para permitir determinar o efeito da operação da empresa.

3

Teoria da Contabilidade – Niyama e Tibúrcio Silva – Livro do Mestre

Capítulo 3 1) hierarquia. 2) A evidenciação pode ser feita também através de notas explicativas. Seria De uma maneira geral, sim. Existem algumas diferenças em termos de

importante destacar a forma de avaliação de cada item. 3) Como provavelmente os investidores conhecem as normas norte-americanas,

sua visão terá esse viés. Assim, uma empresa que deseja atrair esse investidor uma alternativa é ter sua contabilidade expressa segundo essas normas. 4) Não existe, de forma clara, um organismo responsável pelas normas do setor

público. As normas de contabilidade pública no Brasil (em especial do governo federal) são geralmente emitidas pela Secretaria do Tesouro Nacional. Existe um grupo de estudo no Conselho Federal de Contabilidade. Talvez seja interessante destacar que os organismos reguladores de contabilidade nos Estados Unidos não estão preocupados com a contabilidade pública; isso também ocorre no Brasil. 5) O ideal seria a divulgação dessa informação para toda empresa com ação

negociada em bolsa e para as empresas com a participação do governo. Até 2007 poucas empresas divulgavam essa informação, geralmente de forma superficial e sem o devido destaque. 6) investidor. 7) Isso pode ter acontecido se as exigências dos padrões norte-americanos A discussão pode iniciar pela desvantagem, sendo que a principal é o seu

custo. A mais provável vantagem é tornar o mercado de capitais mais seguro para o

forem maiores. 8) Se na região do furacão isso for um fenômeno comum não pode ser

classificado como extraordinário. Geralmente, para fins de análise, os eventos extraordinários não são considerados na avaliação do desempenho de uma entidade.

4

Teoria da Contabilidade – Niyama e Tibúrcio Silva – Livro do Mestre

Capítulo 4 1) Apesar de não possuir CNPJ, são entidades contábeis pela Teoria e Estrutura Conceitual da CVM, mas não se enquadram rigorosamente no âmbito da definição de entidade contábil do CFC por não terem existência jurídica. 2) 3) Cada fundo tem CNPJ próprio e atende ao requisito estabelecido pelo CFC a) continuidade; b) amortização integral dos gastos com despesas préoperacionais 4) 5) 6) Não seria aplicável plenamente O sistema periódico não produz informações oportunas e relevantes Pela oportunidade, as transações devem ser registradas independe da documentação. Ou seja, dever-se-ia reconhecer um ativo “serviços a faturar” em contrapartida simultânea com receita efetiva do período 7) Segundo o Registro pelo Valor Original e Custo como Base de Valor, deve prevalecer o valor desembolsado, não sendo admitida a valorização patrimonial ocorrida. 8) Pela Competência ou Realização da Receita e Confrontação com a Despesa deve-se provisionar 20/30 de R$3.000, que é a parcela incorrida na data do Balanço 9) 10) Baixa dos efeitos. Principio da Competência. Principio da Prudência ou Convenção do Conservadorismo deve baixar de imediato todo gasto ativado para resultado do exercício 11) 12) 13) 14) Sim; pela Prudência ou Conservadorismo deve reconhecer R$70 mil a) Sim; b) notas explicativas consistência Debita-se como despesa do mês em que a conta é paga (regime de caixa) face a imaterialidade no contexto das operações totais da entidade. 15) Não é possível contabilizar esse valor já que não foi validade pelo mercado mediante uma transação de venda

5

Teoria da Contabilidade – Niyama e Tibúrcio Silva – Livro do Mestre

16) 17)

Não A correção refere-se a aplicação de uma índice geral de preços sobre o custo histórico. A reavaliação deixa de lado o custo de aquisição e usa como base o valor de mercado do ativo.

18)

Cada edifício teria uma contabilidade separada, representando uma espécie de entidade.

19)

O fato de não ter força legal reduz a influencia e impacto dos princípios.

6

Teoria da Contabilidade – Niyama e Tibúrcio Silva – Livro do Mestre

Capítulo 5

1)

Veja página 121 do livro texto. As duas definições não são idênticas. Um

exemplo onde um bem pode não ser um ativo é o caso de uma máquina sem uso, nem valor de revenda. 2) a) Não é possível, pois falta o “provável benefício”; b) 1 milhão x (1 / 100

milhões) - 10 = 0,01 – 10 = - 9,99; c) -9,00; não d) O bilhete possui um valor abaixo do preço de aquisição e) deveria ser baixado 3) 4) 5) Se a empresa ainda acredita na possibilidade de alteração, $200.000. Sim. Enquadra-se em todos os aspectos. a) sim, pois satisfaz aos critérios; d) pela diferença entre o valor de compra

dos direitos e o valor da venda 6) 7) O valor proporcional. Satisfaz. Provavelmente a empresa terá um valor menor com a ausência de Buffett.

Pode ser considerado um ativo 8) Sim. É importante observar que a definição do ativo deve estar separada da

questão da mensuração. 9) Sim. Existe um mercado ativo de venda desses créditos, que pode ser usado

para essa mensuração. 10) mercado. 11) a) o resultado ficará mais volátil; b) através de estimativa do fluxo futuro; c) A resposta está no início: é um ativo. Pode ser avaliado pelo valor de

subjetivo; d) mais difíceis; e) usar essa dificuldade para manipular o resultado de uma empresa; f) maior, assim como a responsabilidade. O auditor deverá ter mais conhecido de finanças, métodos quantitativos, matemática financeira e modelos de avaliação; g) mais complexa. 12) a) Sim. A marca está mais associada ao aspecto visual dos produtos, que

inclui os símbolos gráficos. O nome é mais amplo e diz respeito a receptividade do mercado ao produto; b) não, pois geralmente é a empresa que contrata. Observe que

7

Teoria da Contabilidade – Niyama e Tibúrcio Silva – Livro do Mestre

esse é um problema próximo ao que existe com uma empresa de auditoria; c) o valor objetivo sim. Mas uma marca, por exemplo, pode ter seu valor estimado de forma subjetiva por técnicas; d) algumas marcas surgem sem investimento (vide letra a seguir). Em outros casos, um investimento feito no passado ainda pode repercutir hoje (por exemplo, as propagandas clássicas que ficam na memória coletiva); e) sim. Por exemplo, aquelas vinculadas as universidades públicas. O segundo ponto é discutível, mas os autores acreditam que mesmo assim cabe ativação da marca. 13) Não. Mas pela Lei 11.638, caso tivesse ocorrido aquisição, a parcela da

marca deveria estar registrada. 14) A lei não permite o registro, mas essa também é a norma de outros países,

onde a marca é ativada somente quando existe a aquisição. 15) O ativo seria aumentado, com reflexos no patrimônio. Seria interessante

nesse ponto uma discussão sobre a demonstração pro forma, o problema surgido com o uso indiscriminado por parte de algumas empresas para influenciar o usuário. 16) Geralmente a taxa de desconto leva em consideração o risco básico da

economia (uma taxa como a Selic ou caderneta de poupança), mais o risco da empresa (que pode ser mensurado por modelos de precificação de ativos como o CAPM ou APT) e outros riscos específicos (o setorial, pelo porte etc). 17) a) Satisfaz os requisitos da definição; b) através da estimativa do fluxo futuro

que a conta salário irá gerar no caixa da instituição financeira, descontado por uma taxa que reflete o custo de oportunidade; c) é possível que esteja. A gestão de conta salário é uma fonte importante de rentabilidade para as instituições financeiras. 18) Nessa situação a empresa passa a ter problemas de lidar com diversas

normas contábeis e necessidade de converter as informações para uma mesma moeda (o que pode fazer com que o seu resultado seja afetado pelo comportamento da taxa de câmbio) 19) a) sim em ambos os casos; b) uma vez que existe um mercado de negociação

desses ativos, o valor de mercado pode ser usado, tornando o processo de mensuração mais objetivo do que a estimativa do fluxo de caixa descontado. O reconhecimento deve ser feito na medida em a empresa tenha direito a esses créditos.

8

Teoria da Contabilidade – Niyama e Tibúrcio Silva – Livro do Mestre

Capítulo 6 1) É importante determinar qual a probabilidade de êxito do recurso. Em certos

casos, quando já existe forte evidência quanto ao sucesso da causa, não seria necessário o reconhecimento e mensuração. 2) a) está mais associado a “opcional”, indicando que cada instituição tinha seu

critério; b) não, pois em alguns casos as chances de êxito são reais e evidentes e mesmo assim a instituição deve fazer o lançamento; c) o resultado será a menor 3) No início o caso assemelha-se a situação onde o passivo é conhecido, mas seu (vide, para isso, o seguinte endereço

montante não. Com o passar do tempo, o valor do montante passa a ser mais fácil de ser estimado http://contabilidadefinanceira.blogspot.com/2008/06/merck-passivo-e-mensurao.html) 4) Do lado do passivo, uma provisão para pagamento de um tributo. Do lado do

ativo, a provisão para crédito de liquidação duvidosa. 5) a) muito provavelmente um valor reduzido; b) se o banco tiver intenção de

entrar com recurso numa outra instância, pode-se determinar o valor esperado diante da possibilidade (pequena) do correntista continuar ganhando a ação com esse valor. Assim, o banco não precisaria registrar um passivo de R$2 bilhões; c) a alternativa anterior continua válida. A contrapartida do registro seria uma conta de resultado. 6) a) passivo; b) baseado no número de milhas distribuídas vezes a chance de um

cliente usar vezes o custo incremental desse passageiro gratuito no vôo. 7) A afirmação é interessante uma vez que a incerteza de um passivo deveria ser

originária dos eventos futuros. Mas é interessante observar um aspecto da lógica do pensamento uma vez que apesar do fato ser passado, uma decisão sobre qual indexador será usado talvez seja considerada legalmente no futuro. 8) a) A mudança na GM e na Ford ocorreu especialmente no passivo atuarial. As

empresas passaram a captar empréstimos usando ativos como garantia. No passado eram entidades com elevado grau de solvência; b) O empréstimo com garantia força a empresa, diante de uma situação de possível insolvência, abrir mão de seu ativo. Representa uma clara sinalização de que a situação é de elevado risco. 9) Seria interessante fazer um confronto dessa pergunta com a questão dois.

9

Teoria da Contabilidade – Niyama e Tibúrcio Silva – Livro do Mestre

Conforme destacado no capítulo, é importante que satisfaça a definição de passivo e se tenha bases confiáveis. Os aspectos contemplados na questão tenta apresentar esses pontos sob uma abordagem diferente. 10) 11) Vide p. 152-153 Com esse gerenciamento, o resultado em épocas de bonança é reduzido. Nos

períodos de crise a empresa reduziria as provisões, melhorando o resultado. No geral, torna o lucro mais estável. Geralmente os investidores apreciam empresas com resultados estáveis ao longo do tempo, o que termina por incentivar essa prática; b) Quando se faz a provisão, aumenta o endividamento; c) A empresa pode reduzir a provisão e minimizar o efeito do prejuízo. 12) a) sim; b) seria de esperar que uma empresa do porte do Pão de Açúcar já tivesse

a provisão registrada. Um processo desse tipo leva anos para ser julgado e não representa uma surpresa para uma empresa. 13) a) Enquadra-se na definição de passivo. Veja na página 146; b) A loja já deve

considerar que algumas pessoas não irão trocar o vale presente. Nesse caso, deve constar do passivo somente 90% dos vales vendidos. 14) Apesar da contabilidade dos clubes esportivos brasileiros não ser um primor de

excelência, ambos os casos são passivos.

10

Teoria da Contabilidade – Niyama e Tibúrcio Silva – Livro do Mestre

Capítulo 7 1) A principal e mais importante situação ocorre quando a entidade tem prejuízo seguidos, que torna a conta de patrimônio líquido negativa. O passivo recebe, nesse caso, a denominação de passivo a descoberto. 2) O capital de uma instituição financeira representa a garantia de estabilidade para o correntista. Esse capital será usado para fazer os empréstimos para terceiros. Quanto maior o capital, menores as chances de problemas. 3) a) são as entidades reguladoras, no caso o Banco Central, que pretende controlar o risco do sistema financeiro pelo PLE. Entretanto, outros usuários podem ter interesse na informação; b) Isso pode ocorrer em razão das operações que cada instituição. Duas instituições com o mesmo PL contábil podem ter um PLE diferente em decorrência das operações de cada uma; c) Teoria do proprietário, pois a ênfase é no patrimônio líquido; d) o PLE deverá refletir o maior risco. 4) a) a equação contábil pode ser usada para essa demonstração. Como Ativo = Passivo + Patrimônio Líquido, um aumento em créditos de impostos e outras pendências judiciais terá efeito no PL da empresa. Nesse caso, um aumento no Ativo reflete de forma positiva no PL; b) Oportunidade (vide p. 89) 5) a) quando o PL é negativo; b) 2,236 bilhões de reais; c) a resposta (a) da questão anterior pode ajudar. Um registro a maior no ativo representa um valor a maior no PL da entidade, por exemplo. 6) Ativo = Caixa, 15.000; Automóvel, 10.000; Outros Ativos, 25.000 = 50.000. Como não possui dívidas, o PL é de 50 mil reais. 7) 8) Ativo = 5.000; Passivo = 20.000; PL = -15.000. Atualmente a melhor situação é de João, pela sua estrutura patrimonial com PL positivo. Já Maria possui passivo a descoberto. Observando a perspectiva futura, João deverá receber 35 mil com uma promoção, mas Maria, com seu mestrado, deverá ter rendimentos de R$150 mil. Observe que esse investimento não está contabilizado de forma adequada na questão anterior, pois os valores desembolsados com mestrado foram considerados no resultado. Seria a alternativa mais correta? Provavelmente não.

11

Teoria da Contabilidade – Niyama e Tibúrcio Silva – Livro do Mestre

9)

O conceito apresentado aproxima-se mais do ativo do que patrimônio líquido. Mesmo assim, não corresponde ao que estudamos no capítulo. Muitas vezes os jornais precisam simplificar conceitos para que o leitor leigo possa entender. Nessa simplificação, a precisão conceitual perde importância.

10)

Resultado de cada pessoa. Recomendamos fazer esse teste na sala, talvez antes de começar o capítulo. Muito provavelmente as pessoas serão mais adeptas a teoria do proprietário. A razão disto está na história contábil.

12

Teoria da Contabilidade – Niyama e Tibúrcio Silva – Livro do Mestre

Capítulo 8 1) a) usar o conceito da página 194. Ambos são receita. A evidenciação pode ser feita de diversas formas. Uma delas é evidenciar tudo junto na Demonstração do Resultado e explicitar as receitas em notas explicativas; b) usando o conceito de unidade de negócios, onde os valores de receitas e despesas de cada unidade seriam apresentados de forma separada; c) o de receita 2) Considere uma passagem de R$1.000, com comissão de R$50. O faturamento seria de R$1.000 e a receita seria de R$50 3) Verificar qual empresa é a maior do setor. Geralmente a receita é uma aproximação da parcela de mercado ocupada por cada empresa. 4) Não afeta o lucro líquido, mas interfere na interpretação do resultado. Uma alternativa é considerar nas notas explicativas o detalhamento das operações. 5) A CVM entende que seria interessante essa padronização. Da mesma forma, o Fasb entende que é necessário padronizar o cálculo do lucro por ação. Talvez a principal vantagem da padronização seja o fato de permitir a comparabilidade dos resultados. Mas será papel de um órgão normatizador detalhar o cálculo de um índice usado na análise de balanços? Não seria uma perda de tempo e esforço, que poderia ser gasto em outras regulamentações mais relevantes? Quanto a inclusão das receitas e despesas não recorrentes, se a análise for horizontal, onde se busca a tendência, a não inclusão permite conclusões mais sólidas. Mas é preciso cuidado na exclusão do que é não recorrente. 6) Uma classificação em Outras Receitas reduz o valor final do RT, que irá afetar a tarifa. 7) Considere uma empresa com R$100 mil de receita no mercado brasileiro e US$100 mil no mercado mundial. Com uma taxa de câmbio de 1R$ = 2,5 US$, o valor da receita total será de R$350 mil (=R$100 mil + 100 mil x 2,5), o que indica um grau de internacionalização de 71%. Caso o câmbio se altere para 1R$ = 1,5 US$ o valor da receita total será de R$250 mil (=R$100 mil + 100 mil x 1,5), com um grau de internacionalização de 60%. Observe que esse exemplo pode tornar-se mais complexo imaginando uma empresa com receita em outra

13

Teoria da Contabilidade – Niyama e Tibúrcio Silva – Livro do Mestre

moeda, que sofreu valorização perante o real; nessa situação, o grau aumentaria. 8) A ocorreu uma quitação de dívida, que seria registrado com um débito do passivo, crédito do ativo e a diferença, entre o valor contábil e os R$142 milhões seriam resultado do exercício. 9) a) b) a agência recebe R$8.000 para pagar uma propaganda, mas com o desconto somente desembolsa R$7.000. A diferença seria uma receita para a agência. A agência estaria recebendo pela intermediação; c) O valor transitaria pela agência, não sendo uma receita. 10) A evidenciação dessa forma é mais útil para o usuário. Mas uma possibilidade é fazer a separação do negócio “frete” da empresa. No caso, os valores indicariam um prejuízo de R$26,3 milhões – R$21,5 milhões. 11) a) considerados como despesas, reduzindo diferido; b) pela figura 8.5 seria uma “perda” 12) Observe que essa questão apareceu, sob outra forma, no capítulo de passivo. a) registraria um passivo, com contrapartida em disponível ou outra conta como cartões a receber. Nesse momento não será baixado o estoque, mas somente no desconto do vale; b) Essa é uma questão relacionada com a mensuração do passivo, mas a receita seria a mesma, sendo que uma parcela não teria como contrapartida o custo da mercadoria vendida. A empresa teve lucro de uma forma muito tranqüila. 13) 14) Deve ser reconhecida somente na venda. Sim. Reconhecimento de imediato

14

Teoria da Contabilidade – Niyama e Tibúrcio Silva – Livro do Mestre

Capitulo 9 1) 2) Somente a letra (e) da página 217 é objetivo Conforme a suposição, o resultado poderá ser a maior ou a menor. Aumenta a chance de ocorrer administração do resultado. 3) 4) 5) Custo histórico = R$5 mil; Custo Corrente = R$4 mil Veja p. 226-227 A inflação brasileira deve ser mensurada em moeda do nosso País. Essa afirmação carece de fundamentação econômica; 6) Atualmente através dos relatórios de administração e notas explicativas. Na contabilidade gerencial isso é percebido através da mensuração dos efeitos de preços específicos. 7) Esse texto é muito rico e apresenta algumas informações valiosas. A existência de muitas alterações de preços individuais interessa no estudo do custo corrente. A questão é: se os preços se alteram mais do que se imagina (segundo parágrafo do texto), qual a influência sobre a escolha do custo corrente? E a questão das liquidações, como afetaria a mensuração do resultado das empresas?

15

Teoria da Contabilidade – Niyama e Tibúrcio Silva – Livro do Mestre

Capítulo 10 1) Segundo a legislação fiscal, deve registrar R$ 100,00 como valor do ativo, não obstante seu valor de mercado seja superior. (Como a reavaliação foi extinta pela 11.638/07, nem dá para pensar em fazer reavaliação a mercado) 2) Os R$ 100,00 são fundamentados em NF emitido pela arrendadora a favor da arrendatária e, nesse sentido, não contraria o custo. O problema é que no início a operação não seguiu o conceito de “custo” 3) Seguir a norma internacional IAS 17. Hoje com a 11.638/07, já prevalece a essência sem a forma. 4) Importante lembrar que o prejuízo é na arrendadora: isto ocorre por que o prazo de vida útil do bem é maior que o prazo do contrato. Ao determinar que este prejuízo seja incluído no Ativo Diferido, não se observa o princípio da Competência. 5) 6) 7) 8) Leasing financeiro. Não é diferente. Por reconhecer o passivo, aumenta o endividamento. Existem resistências do lado da arrendadora e da arrendatária. a) sim; b) sim e não; c) sim

16

Teoria da Contabilidade – Niyama e Tibúrcio Silva – Livro do Mestre

Capítulo 11 1) 2) Doação condicional; parcialmente condicional; condicional; incondicional O registro deveria ocorrer somente quando existe uma clara certeza a possibilidade de construção do hospital 3) 4) a) Doação; b) existindo diferença entre o preço cobrado e o valor de mercado a) Imunidade decorre da constituição; a isenção é temporária. O uso está incorreto; b) deve considerar a contribuição patronal como uma obrigação da entidade; c) nesse caso, não seria obrigação da entidade efetuar a contribuição patronal 5) 6) não existiria, uma vez que deve existir uma finalidade social na gratuidade Espera-se que uma entidade com melhores notas possam receber mais recursos de doações. Para o doador, uma entidade com melhor nota significa mais recursos direcionados para área fim. 7) A inexistência de depreciação torna-se mais difícil o cálculo do indicador. Esse índice é relevante por mostrar a necessidade futura que a organização terá de fazer investimentos nos ativos (e necessitar de novas doações para ativos não circulantes). 8) Essa é uma boa discussão ética e de marketing. Sob a ótica do resultado, o ideal seria obter os melhores resultados possíveis; nesse caso, o investimento deveria focar somente o aspecto financeiro. Entretanto, uma entidade que busca reduzir os males do mundo moderno não deveria fazer investimentos em empresas que contribuem com esses problemas. 9) A tomada de decisão de financiamento (investimentos em aplicações financeiras) está dissociada do operacional da fundação. 10) Acredita-se que uma empresa com boa reputação terá maiores chances de melhores resultados no futuro. 11) Principio da entidade deveria ser respeitado. No caso, as doações deveriam passar por um órgão consultivo (ou mesmo a assembléia geral) para tomar a decisão.

17

Teoria da Contabilidade – Niyama e Tibúrcio Silva – Livro do Mestre

12)

Doação.

18

Teoria da Contabilidade – Niyama e Tibúrcio Silva – Livro do Mestre

Capítulo 12 1) O processo de gestão financeira, caracterizado pela ênfase no controle, no processo orçamentário e legalismo. 2) 3) Continuidade Sob o regime de caixa, o efeito irá aparecer quando ocorrer a necessidade de pagamento. Na competência, o efeito acontecerá na previsão do desembolso 4) As normas de contabilidade pública são diferentes da contabilidade societária. Uma alternativa seria a maior aproximação da contabilidade pública com a lei societária ou fazer uma conciliação entre os dois resultados. 5) A falta de flexibilidade é decorrente da escolha em nome do controle. A vantagem é o controle, mas certas situações tornam a gestão “engessada”. 6) 7) 8) a) não é válida; b) é difícil concordar com a afirmação. Sim; R$10,6 bilhões Questão para discussão em sala de aula. Provavelmente as respostas “políticas” devem predominar. 9) 10) 11) 12) 13) 14) 15) Não; a prefeita não poderia se candidatar Evitar gastos eleitorais É uma forma de administração de resultados a) melhoria do balanço final; b) não deveria ser feito sim. Vide conceituação próximo ao pagamento. Não foi a alternativa mais adequada.

19