P. 1
Guião 1 Provisório 1

Guião 1 Provisório 1

|Views: 153|Likes:
Published by ruisoares65

More info:

Published by: ruisoares65 on Sep 16, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/16/2012

pdf

text

original

Escola Secundária de Estarreja Tema 1 – A Geologia, os geólogos e os seus métodos

Biologia e Geologia 10ºAno Setembro 2011

Guião de Exploração de Actividades

O que provocou a extinção dos Dinossáurios do Sistema Terra?
Que características do Sistema Terra permitiram a expansão e o declínio dos Dinossáurios? Como era o Sistema Terra, na Era dos Dinossáurios? Em que rochas são encontrados os fósseis de dinossáurios? Como se formam e organizam essas rochas no Sistema Terra? Que informações podem ser obtidas através do estudo do registo fóssil dos Dinossáurios?

No sentido de encontrares resposta para estas e outras questões-problema, e compreenderes as principais teorias defendidas pela Comunidade Científica, sobre a Extinção dos Dinossáurios, serão propostas actividades desenvolvidas em torno de notícias, e artigos científicos. Algumas actividades serão complementadas com técnicas de organização e de sistematização de dados que o/a irão ajudar a compreender e a integrar a informação do Tema 1 de Geologia.

Nota importante: Este documento não se destina a substituir o manual adoptado na disciplina, nem qualquer outro suporte de aprendizagem. Seguindo as linhas orientadoras gerais, propostas no Programa de Biologia e Geologia, é um dos meios propostos pela equipa de professores como complemento na orientação e contextualização das respectivas estratégias de ensino-aprendizagem e avaliação, quer na sala de aula, quer no laboratório.

Bom trabalho!

© Rui Soares 2013 Modificado de Cardoso, Domingues , Rodrigues & Soares 2011

1

Escola Secundária de Estarreja Tema 1 – A Geologia, os geólogos e os seus métodos

Biologia e Geologia 10ºAno Setembro 2011

A - Fala-se sempre no Fim. Como foi o princípio?... (…) Há mais de 200 milhões de anos, uma intensa actividade vulcânica desencadeou uma extinção em massa e pôs ponto final ao período Triásico (entre há 245 e 208 milhões de anos). E foi a partir daí que os dinossauros floresceram e reinaram sobre a Terra nos 135 milhões de anos seguintes. É isso que confirmam os resultados de uma série de análises a sedimentos com 201,4 milhões de anos recolhidos em diferentes zonas na Europa Fig. 1 – Dinossáurio. e na América. (…) Primeiro era a Pangeia (o continente único na Terra), há mais de 200 milhões de anos. Depois iniciou-se a separação entre as placas norte-americana e africana, que abriu espaço para o surgimento do Oceano Atlântico e desencadeou uma intensa actividade vulcânica, que durou mais de 600 mil anos e alterou a atmosfera, levando a superaquecimento do planeta. Aquele vulcanismo intenso produziu um pico de dióxido de carbono e de outros gases com efeito de estufa e causou a extinção em massa que marcou o final do período Triásico. Mais de metade das espécies de plantas e de animais então existentes pereceram nessa altura e entre eles os crurotársios - antigos parentes dos modernos crocodilos que então reinavam na Terra. Acontece que estes crurotársios eram os principais competidores dos dinossauros e não se adaptaram ao novo clima. Foi isso, explicam os paleontólogos, que permitiu aos dinossauros florescerem e reinarem durante 135 milhões de anos na Terra. (…) Adaptado de Filomena Alves In : Diário de Notícias 24 Março 2010 1. 2. 3. 4. 5. Mencione elementos do Sistema Terra enumerados na notícia. A atmosfera é um subsistema integrado na Terra. 2.1. Explique em que medida esse subsistema é aberto. Transcreva uma frase do texto que evidencie uma relação Geosfera – Atmosfera. Desenvolva as atividades propostas no PBworks sobre dinossáurios e história da Terra. Resolva as questões do anexo 1, relacionadas com a discussão da actividade diagnóstico.

Fig. 2 - Crurotársio.

© Rui Soares 2013 Modificado de Cardoso, Domingues , Rodrigues & Soares 2011

2

Escola Secundária de Estarreja Tema 1 – A Geologia, os geólogos e os seus métodos

Biologia e Geologia 10ºAno Setembro 2011

B – Uma “pista de Dança” de Dinossáurios… A 20 de Outubro de 2008, geólogos da Universidade do Utah (E.U.A.) identificaram uma incrível concentração de pegadas de dinossauros que eles chamam de "um salão de baile dinossauro", localizado em um deserto na fronteira com o Arizona, Utah, onde havia um oásis no deserto de areia há 190 milhões anos atrás. O sítio inclui raras marcas de caudas de dinossauros e fornece mais provas de que houve intervalos húmidos durante o início do Período Jurássico, quando a parte SO dos E.U.A. estava coberta com um campo de dunas de areia maior que o deserto do Saara. Localizado dentro do Cliffs Vermilion National Monument, a superfície (...) [da rocha] tem mais de 1.000, talvez, milhares de pegadas de dinossauros, com a média de uma dúzia por metro quadrado em alguns lugares. (…) Arenito Navajo: rochas brancas, cinzas, amarelas, beges, rosadas, de grão fino a médio, com estratificação cruzada mais evidente no topo da sequência arenítica. Representa depósitos eólicos. Formação Kayenta: argilitos, siltitos castanhoavermelhados, e arenito. Representa depósitos fluviais.

Fig. 3 - Contextualização geológica simplificada do Vermilion National Monument. Marjorie Chan visitou pela primeira vez o local em 2005 e pensou que as marcas deixadas na rocha arenítica tinham sido formadas a partir da erosão do vento. Mas na altura a investigadora suspeitou de algo mais, “eu sabia que isto não era toda a história, havia uma alta concentração de marcas e não existiam em mais local nenhum na região”. A variedade de formas e tamanhos das pistas revela que pelo menos quatro espécies de dinossauros se tenham reunido no bebedouro, com animais que vão desde os adultos a jovens. Vários argumentos deram força à teoria: o tamanho dos trilhos é o indicado para animais grandes e as pegadas estão limitadas a uma única camada rochosa; encontraram-se quatro tipos diferentes de trilhos que incluíam marcas de garras, dedos e calcanhares; as marcas tinham uma orientação, o que indica uma direcção na caminhada. (…) Adaptado de http://www.publico.pt/Ci%C3%AAncias/descoberto-um-oasis-do-jurassico-com-mil-trilhosde-dinossauros_1346801

© Rui Soares 2013 Modificado de Cardoso, Domingues , Rodrigues & Soares 2011

3

Escola Secundária de Estarreja Tema 1 – A Geologia, os geólogos e os seus métodos

Biologia e Geologia 10ºAno Setembro 2011

1. 2. 3. 4. 5.

6.

7.

Identifique em qual das unidades geológicas destacadas na figura foram descobertas as pistas de dinossáurios descritas no texto. Mencione a estrutura comum observável nos depósitos da Formação de Kayenta e nos Arenitos Navajo. Identifique o grupo de rochas em que são incluídos os arenitos, siltitos e argilitos. Construa um mapa de conceitos, em grupo, seguindo as instruções do Anexo 2. Solicite ao professor amostras de areia de duna, arenitos e de outras rochas componentes da Geosfera. 5.1. Proceda à observação e estudo desse material de acordo com as actividades propostas no Anexo 3. Pesquise informação referente aos métodos de datação que permitem quantificar a idade das rochas em milhões de anos. (Resolva a actividade do manual que melhor lhe permita compreender esse método de datação.) 6.1. Escreva em grupo um pequeno texto ilustrado a fim de o dar a conhecer à turma, de acordo com critérios a serem fornecidos posteriormente pelo professor. 6.2. Discuta com o professor o trabalho produzido. Identifique, na escala do tempo geológico, apresentada nas páginas 42 e 43 do manual adoptado as Eras representadas nas rochas do Cliffs Vermilion National Monument. 7.1. Discuta essa escala com os seus colegas de turma, com a orientação do professor.

C - Eu corro, tu corres, eles (também) corriam… A velocidade aproximada de um animal pode ser calculada, partindo das pegadas que este deixa para trás. Em 1976, o zoólogo inglês R. McNeill Alexander usou elefantes, aves e pessoas e muitos outros animais para formular uma equação, relacionando as pegadas à velocidade, comprimento da perna e da passada. Usando a fórmula de Alexander, os cientistas podem determinar a velocidade da marcha ou da corrida de um dinossáurio. Os cientistas calcularam que o comprimento da perna é aproximadamente quatro vezes o comprimento do pé. Equações para determinar a altura do quadril e a velocidade do animal:

Velocidade (V)=0,25g0,5.SL1,67.h-1,17
g- aceleração da gravidade 9,8ms
-2

Altura do quadril (h)= 4.Comprimento do pé (FL) SL – Comprimento da passada (todas as medidas de comprimento são expressas em metro (m)) Comprimento do pé (FL) é a distância medida entre a extremidade do dedo mais longo e a extremidade posterior do “pé”.

1.

2.

Pesquise, no manual adoptado, o princípio do raciocínio geológico que possibilita estimar a velocidade dos dinossáurios, partindo de uma equação matemática estabelecida a partir do estudo da locomoção de animais contemporâneos. (Resolva a actividade do manual que melhor lhe permita compreender esse princípio geológico.) Partilhe com os seus colegas de turma e o professor as ideias e conclusões obtidas.

© Rui Soares 2013 Modificado de Cardoso, Domingues , Rodrigues & Soares 2011

4

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->