número 04

junho de 2005

Uma publicação do Centro Brasileiro da Construção em Aço.

Shopping Centers e Centros Comerciais

Center Shopping de Uberlândia Pátio Savassi Shopping Guarujá Porto Itaguá Shopping Tamboré Taguatinga Shopping

GV Shopping Espaço Estação Mercado da Vila Rubin Posto Rodoservice Star Supermercado Confiança Max

a construção em aço
Tal como vem acontecendo em outros setores, o processo de industrialização da construção civil está alterando substancialmente a forma de se projetar e construir no Brasil. A arquitetura migra do processo artesanal para um processo industrializado, cujos elementos pré-fabricados são componentes de uma montagem sequencial. Resultado: melhor qualidade dimensional e menor desperdício de material e de tempo. Neste cenário, o aço é o material mais versátil e adequado a contribuir de forma decisiva para esta nova etapa da arquitetura e da construção civil brasileira. Mais do que isso, pode-se dizer que o aço associa quatro questões fundamentais: 1. Projeto . Transparência, esbeltez e leveza; . Grandes vãos livres, permitindo espaços mais flexíveis; . Garantia de precisão construtiva. 2. Economia . Redução do canteiro de obras; . Menor peso da estrutura: fundações mais baratas; . Estruturas esbeltas: menor seção dos pilares e menor altura das vigas; . Rapidez: obras mais rápidas; . Flexibilização no projeto de instalações e equipamentos; . Facilidade de modificações futuras. 3. Meio ambiente . Menor desperdício de material de construção; . Menos barulho e poeira; . Material 100% reciclável. 4. Segurança . Material certificado: confiança na qualidade; . Conexões visíveis: checagem do comportamento estrutural; . Capacidade de absorver ações excepcionais: terremotos e colisões. Assim, estimulando a criatividade dos nossos projetistas, o aço permite associar projetos arquitetônicos arrojados segundo novas formas estéticas. Permite ainda maior racionalidade econômica, menos impacto sobre o meio ambiente e mais segurança para os usuários, oferecendo maior satisfação para clientes, usuários, arquitetos, engenheiros e construtoras e contribuindo de forma definitiva para a melhoria da qualidade e da produtividade da construção civil brasileira.

sumário
ISSN 1678-1120

04. Center Shopping de Uberlândia
Luiz Humberto Finotti CSB Arquitetos Doroti Riotto

07. Patio Savassi

editorial
Invenção norte-americana, o shopping center chegou ao Brasil na segunda metade do século passado. E se, inicialmente, eles estavam restritos às metrópoles, hoje, espalhados por todo o Brasil, atingem as cidades grandes e médias. Comodidade, conforto e segurança, são alguns dos principais aspectos que os tornaram um equipamento indispensável à vida urbana contemporânea de milhões de brasileiros. Templo do consumo, o shopping vem se tornando cada vez mais especializado. Há shoppings de lazer, de decoração, só para automóveis ou informática, e até aqueles em que encontramos de tudo que se possa imaginar e um pouco mais. Obra de grande impacto urbano e econômico, os shoppings são empreendimentos com grande rigor de planejamento, tanto no aspecto financeiro e urbano, quanto na questão arquitetônica e construtiva. Neste sentido, é praticamente inconcebível que um equipamento de tamanho porte não seja hoje projetado com um sistema construtivo industrializado. Ainda que não haja uma exclusividade no uso de perfis de aço na superestrutura deste tipo de edificação, é certo que os elementos metálicos de aço estão presentes em quase a totalidade dos shoppings brasileiros. Em função dos grandes vãos, é cada vez mais comum seu uso nas coberturas leves e parcialmente transparentes. Além disso, sua presença em escadas, marquises e na estrutura interna das lojas é marcante. Como veremos nas próximas páginas, o uso do aço na estrutura vem ganhando a preferência dos arquitetos e engenheiros envolvidos em projetos e construção dos shopping centers. Também apresentaremos nesta edição centros comerciais de porte médio, como o Porto Itaguá e o Mercado da Vila Rubim, em Vitória. Esta preferência pode se dar por razões técnico-construtivas, no caso de prazos exíguos ou na inviabilidade de canteiros de obras em regiões urbanas densamente ocupadas, como também pelo lado estético da obra, quando se tira partido da expressividade do aço, associado a um espaço interno diferenciado, visando oferecer ao usuário um ambiente aprazível e propício às suas atividades de consumo e lazer. Afinal de contas, este é o objetivo de qualquer empreendimento comercial. Quem bem expressa isso é o arquiteto Eduardo Mondolfo, projetista de vários shoppings, ao falar sobre o uso do aço neste tipo de equipamento: “aos poucos fomos entendendo as sutilezas que o material carrega, e tentando transformá-las em fato estético”.

10. Shopping Guarujá 12. Porto Itaguá

GCP Arquitetos - Andreas Gyarfas e Sérgio Coelho

14. Shopping Center Tamboré 17. Taguatinga Shopping 20. GV Shopping

KOM Arquitetura e Planejamento Eduardo Mondolfo

André Sá e Francisco Mota Dória Lopes Fiúza Arquitetos Associados Pedro Canal Filho

22. Shopping Estação

24. Mercado da Vila Rubim

26. Supermercado Confiança Max 28. Posto Rodoservice Star

Edmilson Queiroz Dias Jurandyr Bueno Filho

expediente
conselho editorial
Alcino Santos - CST Catia Mac Cord Simões Coelho - CBCA Paulo Cesar Arcoverde Lellis - Usiminas Roberto Inaba - Cosipa Ronaldo do Carmo Soares - Gerdau Açominas Sérgio Iunis - CSN

produção
Núcleo de Excelência em Estruturas Metálicas e Mistas Universidade Federal do Espírito Santo

coordenação editorial
Tarcísio Bahia

apoio editorial
Helio Honorato Tiago Scaramussa

projeto gráfico
Ana Claudia Berwanger Ricardo Gomes

editoração gráfica
Radael Júnior

revisão
Sidnei Palatnik

Arquitetura & Aço é uma publicação semestral do Centro Brasileiro da Construção em Aço.
Centro Brasileiro da Construção em Aço Av. Rio Branco 181, 28o andar. CEP: 20040-007 Rio de Janeiro RJ http://www.cbca-ibs.org.br e-mail: cbca@ibs.org.br

é uma edificação semi-subterrânea de seis pavimentos com 60.Luiz Humberto Finotti Center Shopping de Uberlândia Ambiciosa expansão.000 m². atraindo eventos de grande porte como congressos. Um dos diferenciais desta obra é o fato de que em três lados do shopping existem vias públicas com Totalmente industrializada. onde se nota passarela totalmente estruturada em aço.5 25 50 Esta obra de expansão do Center Shopping de Uberlândia propiciou à cidade um novo e amplo espaço comercial. área de lazer com cinemas e boliche. serviços como academia e cursos e um centro de convenções. totalmente estruturada em aço. a obra foi realizada com estrutura de aço e painéis pré-moldados. O conjunto é composto por 950 vagas de estacionamento. Vista da área externa da expansão do shopping. feiras e convenções. 4 . cinemas e heliponto. ampliou a área e incluiu um centro de convenções. lojas e praça de alimentação. de lazer e negócios. CORTE 12.

Estas vias foram apoiadas sobre uma estrutura de aço independente do próprio shopping. solidarizadas à estrutura de aço por meio de um capeamento concretado posteriormente. uma das tendências comerciais do setor. permitindo a utilização dos serviços da engenharia local.04 shopping centers e centros comerciais 5 . A agilidade construtiva que este tipo de empreendimento exigia. A sequência construtiva da estrutura de aço consistiu na execução do projeto e Internamente o Center Shopping de Uberlândia tem uma imagem universal. Este sistema atendeu às necessidades de prazo e custo e também mostrou-se extremamente versátil. e separadas do corpo principal através de juntas de dilatação. n.Luiz Humberto Finotti Center Shopping de Uberlândia PLANTA NÍVEL 108 25 50 100 trânsito de veículos. resultou no desenvolvimento de um sistema misto constituído por pré-lajes modulares de pequena espessura. aliada à limitação do custo.

Luiz Humberto Finotti Center Shopping de Uberlândia Projeto: Luiz Humberto Finotti Área construída: 60. possibilitando a inclusão de um piso intermediário em metade da área do 5° pavimento. Mesmo com essa alteração. também as vigas da cobertura são em treliças de aço. o canteiro já estava liberado quando a estrutura metálica estava em condições de ser montada.5 25 50 Escadas de aço reforçam a expressão de uma construção racionalizada. 6 . Além da supra-estrutura. ASTM A 36 Peso da estrutura: 3200 t Coordenação de projeto: Gustavo Finotti Zanatta Projeto estrutural: Usiminas Mecânica Fornecedor da estrutura de aço: Usiminas Mecânica Construção: Tecsteel construções Metálicas Cliente: Center Shopping S/A Local: Uberlândia .MG Data de Projeto: 1999 Data de conclusão da obra: 2000 ELEVAÇÃO 12. a obra foi entregue no prazo e sem custos adicionais. Desta forma. o que exemplifica a agilidade e versatilidade do processo construtivo. o pé-direito da região dos cinemas foi modificado de 9. Vale a pena ressaltar que em julho de 1999.0 para 12.000 m2 Aço empregado: da fabricação da estrutura em paralelo a da execução das contenções e fundações.0 m. com a obra sendo montada. tendo a estrutura de aço absorvido facilmente o impacto destas modificações.

Vista aérea do Pátio Savassi. o entorno é todo construído e habitado. Em obras convencionais. uma obra inserida numa área densamente ocupada. principalmente nos grandes centros onde.CSB Arquitetos Pátio Savassi Estrutura mista viabiliza obra em local de intensa atividade urbana. além dos canteiros exíguos. Com o incremento da democratização política da sociedade. uma vez que a população não quer pagar o ônus do incômodo causado pela obra. o ruído. sem conflitos de vizinhança ou comprometimento de prazos. a poeira e a grande movimentação de trabalhadores e caminhões criam um conflito imediato com o cotidiano da vida urbana local. pois as comunidades urbanas legitimamente reinvindicam um ambiente harmonioso. n. nota-se a harmoniosa relação do shopping com a cidade. A atividade de construção civil é normalmente um transtorno para a vizinhança imediata da obra. Este é um dos motivos que mais incentivam obras industrializadas com rigoroso planejamento construtivo. ELEVAÇÃO 5 10 20 Vista da entrada. construir é algo que deve ser cada vez mais planejado.04 shopping centers e centros comerciais 7 .

namorar. pois a sua construção teve que levar em conta as condições impostas pelo local: pouca disponibilidade de canteiro. onde as pessoas se encontram para conversar. o que reforçava a garantia de êxito do empreendimento era. totalmente voltado para a cultura. 8 . Conforme pode ser visto.2º PAVIMENTO 1 2 3 4 5 6 - LOJA ANCORA MALL SANITÁRIOS AREA TÉCNICA RESTAURANTE 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 3 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 3 1 1 1 1 1 1 1 1 1 4 1 1 1 2 1 1 1 6 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 5 3 5 1 5 5 5 5 5 5 5 5 1 1 1 1 1 1 5 10 20 E este é o caso do Pátio Savassi. gastronomia. ou seja. o despojamento e elegância são características do ambiente interno do shopping. ir ao cinema. lazer e moda. níveis de ruídos que não incomodassem a vizinhança e escassez de horários para carga e descarga. olhar vitrines. luz e ventilação natural. com praça. Localizado no mais famoso bairro de Belo Horizonte. O Pátio Savassi foi concebido para ser um Lifestyle Center. um dificultador.CSB Arquitetos Pátio Savassi PLANTA . ao mesmo tempo. calçadão. fazer compras ou simplesmente para passar o tempo em um local agradável. jardins. um shopping aberto.

As treliças de aço foram deixadas aparentes. o Pátio Savassi é uma construção singela na escala do pedestre.. Precon Industrial S. com vigas de aço e lajes steel deck. Projeto: CSB Arquitetos Ltda. área de eventos e estacionamento para 1..A. Projeto de Estrutura: Codeme Engenharia S.A.000 m² Aço empregado: Aço com alta resistência mecânica com limite de escoamento em 300 MPa. Local: Belo Horizonte . 8 salas de cinema. Construído com pilares pré-moldados de concreto. Fornecedor da estrutura em aço: Codeme Engenharia Ltda. CILPAR . A 572 GRAU 50 Peso da estrutura: 1.A. resultado e baixo impacto ambiental durante sua construção. Construção: Codeme Engenharia Ltda. o shopping alcançou as metas de prazo. solução econômica que não abre mão da beleza.300 automóveis. A obra industrializada. n.04 shopping centers e centros comerciais 9 . Área construída: 65.Cil Participações Ltda. utilizando uma estrutura mista foi mais que uma opção. Precon Industrial S. MK Empreendimentos e Participações Ltda. Clientes: Líder Táxi Aéreo. praça de alimentação.MG Data de projeto: 2002 / 2003 Data de conclusão da obra: 2004 Visto da rua..CSB Arquitetos Pátio Savassi CORTE LONGITUDINAL 5 10 20 Trata-se de um empreendimento com cerca de 65 mil m² de área construída.800 t Coordenação de Projeto: Tenco Realty Ltda. abrigando 150 espaços comerciais. foi um aspecto determinante.

como também a necessidade de pilares em locais que inviabilizariam o melhor aproveitamento do espaço. Ressalta-se. já que o tempo gasto na execução da estrutura. desde a confecção das peças até a sua montagem no canteiro. ELEVAÇÃO 5 10 20 Uma vez que se trata também de um terminal de passageiros. Outra questão determinante na opção pelo aço foi o curto prazo para a conclusão da obra em função da necessidade da ativação do terminal de passageiros. o shopping foi projetado para também ser visto a partir do mar. que tal cobertura é toda de aço. 10 . o Shopping Guarujá tem na cobertura sinuosa sua principal imagem arquitetônica. e na confluência da ligação Guarujá-Santos. o uso do aço possibilitou o desenvolvimento de uma estrutura leve e a capacidade de vencer vãos com mais de 40 metros. faz uso metafórico da forma de uma onda. porém. muitas vezes associado à linhas retas. A utilização de outro material acarretaria um acréscimo no peso geral da construção.Doroti Riotto Shopping Guarujá Terminal marítimo de passageiros integrado à shopping. é bastante reduzido quando comparado com uma estrutura convencional. CORTE TRANSVERSAL Além disso. Privilegiadamente localizado à beira-mar. demonstrando a versatilidade do material.

estacionamento e parte das lojas. Localizado ao lado do canal que divide Santos e Guarujá.487 m2 Aço empregado: Aço de alta re- sistência à corrosão e média resistência mecânica com limite de escoamento em 250 MPa Peso da estrutura: 500 t Coordenação de projeto: Doroti Riotto Projeto estrutura de estrutura: Vistas da cobertura sinuosa durante a fase de construção do shopping.04 shopping centers e centros comerciais 11 . Do ponto de vista funcional. Construção: Tecsa Engenharia e Comércio Ltda. Local: Guarujá – São Paulo Data de Projeto: 2002 Data de conclusão da obra: 2004 3 1 1 3 1 1 1 1 6 2 1 1 4 4 4 PLANTA . foi utilizado para a estrutura aço patinável. a praça de alimentação com ampla vista para o mar e três modernas salas de cinemas. com maior resistência à corrosão atmosférica. o shopping é organizado em dois níveis.Doroti Riotto Shopping Guarujá Projeto: Doroti Riotto Equipe técnica: 5 10 20 Adriano Ferraz. Daniela Drudi.TÉRREO 5 10 20 1 2 3 4 5 6 - MÓDULO COMERCIAL BILHETERIA CIRCULAÇÃO SANITÁRIOS VESTIÁRIOS PRESTAÇÃO DE CONTAS n. Área construída: 8. Cliente: Translitoral Transporte Turismo e Participações Ltda. Engemetal Construções e Montagens Ltda. dos quais o térreo abriga as atividades do terminal de passageiros. Carlos Alberto Fontes Fornecedor da estrutura de aço (fabricação e montagem): Sendo este um empreendimento à beira-mar. Kátia Sasaki Utima. enquanto no nível superior localizam-se as demais lojas. terminal de balsa de pedestres e fica ao lado do desembarque do ferry boat que liga as duas cidades. o shopping serve de terminal de ônibus.

aumenta muito sua população durante os fins de semana e principalmente nas férias. aproveitando a vista e a ventilação natural. pois aqui foi necessário considerar o movimento sazonal típico de uma região turística. Vista noturna deste shopping eminentemente turístico. surgiu a idéia de evocar elementos de um barco. A valorização dos espaços de uso coletivo. velame e deck na fachada principal do edifício. índice bem superior ao dos shoppings convencionais. Sua construção se baseou em princípios absolutamente distintos daqueles que fundamentam os shoppings das grandes cidades. A cidade que tem 60 mil habitantes. 5 10 20 ELEVAÇÃO 12 . este shopping explora o aço ao inspirar-se num barco. Deste contexto. CORTE TRANSVERSAL 5 10 20 O cenário não poderia ser mais favorável: o mar de Ubatuba.GCP Arquitetos Andreas Gyarfas e Sérgio Coelho Porto Itaguá À beira-mar. O piso tér- A estrutura de aço faz referência aos mastros das embarcações marítimas. como mastro. como a praça de alimentação. no litoral norte de São Paulo. fez com que essas áreas ocupassem cerca de 1/3 do total construído. circulações e acessos.

reo conta com 14 lojas. com vista para o mar. o edifício foi resolvido com uma modulação de 8 x 8 m. Projeto de estrutura: Wilson Kikuti Fornecedor da estrutura de aço: Systemac Construção: Artin Construtora Ltda Cliente: Veggal Ltda Local: Ubatuba . as escadas de aço também fazem referência aos barcos do litoral de Ubatuba. principalmente. Os tirantes de aço empregados nos mastros e na sustentação das velas de tela sintética perfurada. que ultrapassa a cobertura em 4 m. Para dar formato semelhante aos mastros de um veleiro.GCP Arquitetos Andreas Gyarfas e Sérgio Coelho Porto Itaguá 1 2 3 4 - SUPERMERCADO LOJAS MCDONALDS COZINHA 5 6 7 8 - CHOPPERIA QUIOSQUE SANITÁRIOS SUBESTAÇÃO 3 2 2 2 2 2 2 4 5 6 1 2 2 2 2 8 2 2 7 6 PLANTA TÉRREO 5 10 20 Uma cobertura-marquise faz a transição do estacionamento para as áreas comerciais. quando embutidos em paredes.SP Data do projeto: 2000/2001 Data de conclusão da obra: 2001 n. Sidnei Jun Webster. Letícia Mansur. Tal como toda a construção. Área construída: 3. Projeto: Andreas Gyarfas e Sérgio Coelho Arquitetos colaboradores: Agnaldo Amaral. 15 lojas e uma área de playland. são circulares. sobre a qual estão assentadas telhas trapezoidais galvanizadas de aço. o diâmetro de 30 cm da base é reduzido para 20 cm na altura intermediária e para 10 cm no trecho final. cujos pilares. têm secção quadrada (30 x 30 cm) e quando visíveis (caso da praça de alimentação). Com 635 m2 distribuídos em três ambientes. Já a cobertura. Daniela Simões.04 shopping centers e centros comerciais 13 . sendo nove delas no centro do edifício. têm diâmetro de 5/8 de polegada a 1 ¼ de polegada e conferem leveza ao conjunto. Ana Paula Carvalho. além do cinema. na fachada principal. com 30 cm de diâmetro. Hélio Rorato. Clóvis Cunha. é constituída por uma grelha de tubos de aço de secção 15 x 15 cm e modulação de 2 x 2 m.300 m2 Aço empregado: Aço de alta resistência à corrosão e média resistência mecânica com limite de escoamento em 250 MPa Peso da estrutura: 157 t Coordenação de projetos: GCP Arquitetos. todos estão voltados para a praça de alimentação e. O piso superior compreende. Estruturalmente.

Se antes a imagem dos jardins e espelhos d’água remetiam ao espaço de uma longa varanda rodeada de lojas. no entanto. agora trabalhou-se a cobertura das galerias buscando um ambiente amplo e agradável. inaugurado em 1992. O sucesso do empreendimento motivou sua expansão em 1998 e determinou um novo arranjo arquitetônico. CORTE 5 10 20 A principal característica da primeira etapa do Shopping Center Tamboré. 14 . sem. FACHADA Uma elegante cobertura de aço marca o acesso de pedestres na fachada frontal do shopping. era seu partido aberto com muita iluminação e ventilação natural.KOM Arquitetura e Planejamento Shopping Center Tamboré A leveza da cobertura de aço dos malls define a imagem e fluidez espacial deste shopping. perder aquela amplitude já consolidada. mantendo o conforto térmico e luminotécnico necessários ao bem-estar dos usuários.

Outro aspecto positivo do emprego do aço foi a rapidez da execução das estruturas e montagem das peças. Porém. permitindo que a obra fosse executada em curto espaço de tempo. 5 10 20 Um dos recursos utilizados para este fim foi o uso de aberturas laterais e zenitais. O resultado é essa cobertura de aço que acaba por definir tanto a expressão externa quanto interna do shopping. o grande desafio era desenvolver estas coberturas com plasticidade e leveza. Detalhe da estrutura treliçada e dos esbeltos pilares que definem a cobertura do mall.KOM Arquitetura e Planejamento Shopping Center Tamboré A iluminação natural da área interna cria um ambiente agradável aos usuários. Foram desenvolvidas treliças espaciais curvas de onde partem braços oblíquos que alcançam os pilares. Para isso. n. a maleabilidade do aço se mostrou adequada.04 shopping centers e centros comerciais 15 . cuja imagem se pode associar a de palmeiras.

Flávia Ometto Moreno. Janaína Guedes Simões.CINEMAS 7 .A. os elementos da estrutura de aço foram deixados à vista. Local: Barueri. Cristina Boggi.KOM Arquitetura e Planejamento Shopping Center Tamboré Projeto: KOM Arquitetura e Planejamento (Beatriz Ometto Moreno) Arquitetos: Sara Gusmão Ferreira.ÁREA TÉCNICA 8 . SP Fase 1 (1998) Área construída: 4.QUIOSQUES 9 . Andréa Balestreros. Fornecedor da estrutura de aço: Engemetal Construções e Montagens Ltda Construção: Engemetal Construções e Montagens Ltda Cliente: Tamboré S. Waldemar Ueda. Tatiana Ozawa. Na galeria. Projeto de estrutura: Statura Engenharia.400 m2 PLANTA GERAL Aço empregado: Aço de alta resistência à corrosão e média resistência mecânica com limite de escoamento em 250 MPa Peso da estrutura: 154 T 4 4 Coordenação de projeto: 7 2 2 2 9 José Takiguawa Godoy e Laura Maria Capelas Data do projeto: 1998 1 1 2 1 1 3 1 1 1 1 1 1 9 1 1 3 1 1 1 1 1 1 1 1 3 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 8 8 1 4 4 Data de conclusão da obra: 1999 Fase 2 (2003) 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 5 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 Área construída: 1950 m2 Aço em: USI – SAC 41 Peso da estrutura: 66 t Coordenação de projeto: 3 3 1 1 8 8 8 8 6 Ricardo de Brito Marques Data do projeto: 2003 Data de conclusão da obra: 2003 1 1 1 1 2 3 4 5 LOJA ÂNCORA MALL SANITÁRIOS PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO 6 .ESTACIONAMENTO 1 1 1 1 1 1 1 1 1 7 7 1 7 7 7 7 1 7 1 1 7 7 7 1 7 7 7 7 7 1 1 10 20 40 16 . Estagiários: Luciana Chakarian.

Eduardo Mondolfo Taguatinga Shopping Atendendo a um público de mais de um milhão de pessoas. entretenimento e arte para o Distrito Federal. CORTE 15 30 60 Vista do acesso principal do shopping.04 shopping centers e centros comerciais 17 . Localizado num dos pontos de maior índice de crescimento do Brasil. contemporaneidade e ubiqüidade. o fato da própria construtora estar familiarizada e habituada aos procedimentos de montagem de estruturas de aço. pesou nesta decisão. sendo referência de negócios. A decisão pelo uso do aço na estrutura deste empreendimento se deu tanto pela economia como pela rapidez construtiva que o sistema oferecia. o uso do aço oferecia a imagem de leveza. valorizando a economia e a cultura local. isto é. n. contudo. este shopping tornou-se uma nova referência para o Distrito Federal. sem qualquer caráter vernacular. o Taguatinga Shopping é hoje um dos cartões de visita de Brasília. Além disso. Para o arquiteto. uma imagem contemporânea configurando o novo cartão de visita da cidade. uma vez que a expressão resultante é a de um edifício que pode estar em qualquer lugar. e que também implicava num rápido retorno financeiro já que a obra seria concluída em menor tempo.

cuja centralidade é reforçada pelo maior número de pavimentos no eixo transversal da construção.000 m² de área total construída.ÂNCORA 3 .CIRCULAÇÃO 8 . são. evitando que o posicionamento dos pilares interfira no espaço comercial.LOJA 2 .MALL 4 . agilizando assim o processo de montagem. práticos e com baixo custo de manutenção.Eduardo Mondolfo Taguatinga Shopping ELEVAÇÃO Ainda em relação à estrutura. Os materiais de acabamento.ESTACIONAMENTO 8 PLANTA . Em números. visa facilitar a locação das vagas de garagem e a implantação das lojas. em sua maioria. A modulação 8 x 8 metros.DEPÓSITOS 7 . 9 salas de cinemas multiplex e 10. Quanto à organização do espaço.000 vagas rotativas.000 m² de ABL (área bruta locável) e 94. tendo 26.QUIOSQUE 5 . foi utilizado aço com alta resistência à corrosão e a maioria das peças são parafusadas. 8 1 1 1 2 1 1 8 8 1 1 1 1 1 2 8 2 2 2 1 1 1 1 1 3 2 4 4 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 3 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 3 1 1 1 1 1 1 4 4 4 1 2 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1. o shopping conta com 150 lojas.2º NÍVEL 15 30 60 18 . como os revestimentos cerâmicos aplicados nas paredes.SANITÁRIOS 6 . trata-se de um partido simétrico.

Data de conclusão da obra: 2000 n.55 m² Aço empregado: Aço de alta resistência à corrosão e média resistência mecânica com limite de escoamento em 250 MPa Peso da estrutura: 3.500 toneladas Arquiteta colaboradora: Claudia Ruiz Coordenação de projeto: Via Engenharia e Paulo Octávio Investimentos Imobiliários Ltda.Eduardo Mondolfo Taguatinga Shopping 15 30 60 Projeto: Eduardo Mondolfo Vista do átrio interno com o domus zenital. Projeto estrutural: Codeme Estruturas Metálicas Fornecedor da estrutura de aço: Codeme Estruturas Metálicas Construção: Via Engenharia e Paulo Octávio Investimentos Imobiliários Ltda. Área construída: 80. Cliente: Via Engenharia e Paulo Octávio Investimentos Imobiliários Ltda. Local: Taguatinga / DF Data de Projeto: 1998 Internamente.04 shopping centers e centros comerciais 19 . tirou-se partido da estrutura de aço como elemento estético. notar à direita a escada de aço.028.

CORTE 5 10 20 Vista aérea do GV Shopping com sua destacada cobertura azul. praça de alimentação e duas salas de cinema. ELEVAÇÃO Localizado em Governador Valadares. Para as operações comerciais. Grande parte do restante do terreno é destinado ao estacionamento. um supermercado. divididas em âncoras.326 m² correspondem à ABL (área bruta locável). satélites. o sistema estrutural em aço tinha valor equivalente aos sistemas estruturais convencionais. Foi utilizada para a estrutura a modulação de 8 x 8 m.000 m². importante cidade da região leste de Minas Gerais. Além disso. valor mínimo recomendável para a boa visibilidade das lojas. de serviços.390 m². O projeto arquitetônico buscava uma solução de rápida execução. o GV Shopping conta com um mix com 107 lojas. 20 . com vagas para 1. Sua área construída é de 19. partido horizontal e cobertura azul marcam a imagem deste shopping. dos quais 13. que agilizou o processo construtivo.200 automóveis.André Sá e Francisco Mota GV Shopping Modulação estrutural e comercial. razão pela qual a estrutura de aço foi uma escolha natural. o GV Shopping ocupa uma área de 67. solução que permite modulações de vitrine de 4 metros.

Também foram utilizados lajes steel-deck e telhas metálicas termo-acústicas na cor azul. MG Data de Projeto: 1998 Data de conclusão da obra: 1999 1 1 1 1 1 1 1 1 1 3 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 2 2 6 6 10 1 9 9 10 10 1 1 1 1 1 1 1 8 1 1 1 1 7 1 1 1 10 1 1 10 2 1 10 1 1 1 1 5 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 10 10 10 1 1 1 1 3 1 1 4 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 3 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 2 1 1 1 1 1 1 1 3 1 1 1 1 1 1 1 1 1 PLANTA 5 10 20 1 . E o uso da cor.CINEMAS 7 .FOYER 8 . Os domus.LOJA 2 . notar a estrutura de aço deixada à vista.MALL 4 . Usiminas . Usimec – Usiminas Mecânica Fornecedor da estrutura de aço: O mall e as praças internas recebem iluminação zenital proporcionada por domus.PARQUE 9 .PRAÇA DE EVENTOS 6 . também estruturados em aço.ESTACIONAMENTO n.PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO 5 .SANITÁRIOS 10 . foram projetados de modo que não haja aumento da carga térmica interna do shopping.ÁREA TÉCNICA 11 . Ainda quanto aos materiais.André Sá e Francisco Mota GV Shopping 5 10 20 Projeto: GV Shopping Área construída: 18. fez do shopping uma referência visual no contexto urbano da cidade.04 shopping centers e centros comerciais 21 . com cintas de amarração aos pilares metálicos.Usimec Construção: Construtora Líder Cliente: Construtora Líder Local: Governador Valadares. além de proporcionar um ambiente mais aprazível e acolhedor. uma vez que os vidros foram fixados na posição vertical. durante a construção e já em funcionamento.ÂNCORA 3 . os fechamentos externos e entre lojas são de alvenaria.770 m² Aço empregado: ASTM A 36 Peso da estrutura: 310 t Coordenação de projeto: Construtora Líder Projeto de estrutura: Vistas internas do mall.

22 . Ocorre que a construção do centro de convenções precisaria ser executada sem interferir no funcionamento do shopping. Vista geral do empreendimento desde a esquina. Deste modo. Uma vez concluídas as treliças. em especial no Museu D’Orsay de Paris. Trata-se do Estação Embratel Convention Center. As referências às arquiteturas do século XIX são evidentes. Este centro de compras e lazer está integrado a um grande centro de convenções. ambos com formatações que permitem várias subdivisões. cujos principais referenciais arquitetônicos são: relógios. Para que isso fosse possível. a utilização do aço como material A cúpula de vidro também é valorizada do lado interno. o Espaço Estação inspirou-se na arquitetura neoclássica do final do século XIX.Dória Lopes Fiuza Espaço Estação Estrutura de aço viabiliza instalação do mais moderno centro de convenções do país em cima de um shopping em funcionamento. amplas plataformas e o uso de luz natural. que conta com um salão para 2. estrutural foi de fundamental importância para a viabilização da obra. torres. foram montadas as vigas de aço que dão sustentação às lajes dos novos andares do estacionamento e ao centro de convenções. Desta forma.700 pessoas e outro para 750 pessoas. Mas não é apenas este aspecto que diferencia o Espaço Estação da maioria dos shopping centers brasileiros. num entardecer de Curitiba. o impacto da obra foi mínimo para o funcionamento do shopping. as peças que compunham a estrutura eram entregues durante a noite. descarregadas e içadas por meio de gruas e guindastes até o nível da montagem. cujo vazio espacial interliga os vários níveis. ELEVAÇÃO 5 10 20 Inserido no antigo terreno da Rede Ferroviária e contando com o prédio histórico da Estação Ferroviária de Curitiba.

Aço com alta resistência mecânica com limite de escoamento em 300 MPa Peso da estrutura: 2000 t Arquitetas colaboradoras: MALL SHOPPING Érica Sato.32 m2 Aço empregado: 01 02 03 04 05 06 07 ASTM A572. Uma marquise de vidro estruturada por perfis de aço inox “flutua” sobre os pedestres. Márcia Yamamoto 5 10 20 Projeto de estrutura: Quanto ao shopping center.04 shopping centers e centros comerciais 23 . trata-se de um empreendimento com 214 lojas. teatros. RS Engenharia e Slab Serviços de Engenharia Fornecedor da estrutura metálica: Brafer Construções Construção: Dória Construções Cliente: Grupo K&G Local: Curitiba -PR Data do Projeto: 2002 Data de conclusão da obra: 2004 Jardins internos banhados por luz natural garatem um ambiente agradável aos usuários do shopping. CORTE 5 10 20 n. propriamente dito. 10 cinemas. Outros destaques técnicos deste empreendimento são a marquise de vidro autoportante fixadas por perfis tubulares de aço inox e o revestimento da fachada também em aço inox. Heloísa Mandim. as pessoas vivam experiências diferenciadas. que tem como objetivo fazer com que. colorido na cor bronze.Dória Lopes Fiuza Espaço Estação PLANTA Projeto: Dória Lopes Fiúza Arquitetos Associados DOCA DOCA DOCA Área construída: 126. dentro do conceito de Lifestyle Center. por meio da arquitetura.860.

artigos religiosos. foram características importantes preservadas na nova concepção espacial do mercado. o Mercado da Vila Rubim contava com três galpões que abrigavam inicialmente 100 boxes destinados a pequenos feirantes que comercializavam exclusivamente hortifrutigranjeiros. com o compromisso de reconstruir os galpões incendiados. cujo objetivo foi revitalizar física e economicamente a região. tendo ao fundo o mezanino para eventos. respeitandose as áreas. pretende incrementar o turismo da região. Do ponto de vista construtivo. a Prefeitura de Vitória. como artesanato. totalmente reconstruído em aço. porém dentro de uma nova perspectiva que foi a sua inserção dentro de um circuito turístico regional. Ao todo foram recuperadas 42 lojas. a partir de negociação com o governo estadual (detentor da posse da área). a manutenção das atividades tradicionais. A entrada dos galpões. com a criação de uma espécie de praça coberta. Em 1998. descaracterizado em sua concepção espacial e de uso.Pedro Canal Filho Mercado da Vila Rubim Mercado popular em área histórica. Deste modo. em parceria com a Associação de Comerciantes local. ocorrido em julho de 1994. Posteriormente. O contato direto com a rua/passeio. além de hortifrutigranjeiros. ervas medicinais e floricultura. perfil “I” para as vigas principais e “U” para CORTE LONGITUDINAL 5 10 20 24 . usos e comerciantes instalados anteriormente ao incêndio. ELEVAÇÃO 5 10 20 Inaugurado em 1969. alusão à proteção contra o “mau-olhado”. passou por um período de abandono depois de um trágico incêndio de grandes proporções. a Prefeitura de Vitória assumiu a administração do Mercado. adotou-se um sistema estrutural com perfil de aço “U” enrijecido duplo para os pilares. As marquises de aço fazem referência à espada de São Jorge. o partido arquitetônico adotado priorizou o pedestre e áreas de permanência e lazer. Assim. desenvolveu um projeto para a Recuperação do Mercado da Vila Rubim.

Área construída: 3127. foi resolvida com treliças metálicas e telhas termoacústicas de aço pré-pintado. fundamentalmente. foi usada de forma simples de acordo com o caráter do mercado. Elias José Borloti e Leandro Azevedo Terrão. pela facilidade de execução e da diminuição do prazo de obra. Melissa Passamani Boni e Mônica Cristina Souza. Também foram utilizados piso em chapa de aço xadrez n° 14 e marquises com cobertura em chapas de policarbonato alveolar translúcido. condição necessária para que os comerciantes retornassem ao local de trabalho o mais rapidamente possível.Pedro Canal Filho Mercado da Vila Rubim PLANTA TÉRREO 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 2 3 5 - LOJA SANITÁRIO FEMININO SANITÁRIO MASCULINO PRAÇA CENTRAL GALPÃO A GALPÃO B 1 1 1 GALPÃO 1 2ª ETAPA 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 4 1 2 GALPÃO D 1 1 1 1 1 1 1 1 1 GALPÃO C 3 1 1 1 1 GALPÃO 1 2ª ETAPA 1 1 1 1 1 1 1 1 1 5 10 20 as vigas de acabamento da cobertura. Jacqueline Alochio Marchezi. Já a cobertura propriamente dita.59 m² Aço empregado: ASTM A36 Peso da estrutura: 130 toneladas Coordenação de projeto: Pedro Canal Filho Projeto de estrutura: José Inácio Dantas Fornecedor da estrutura em aço: Art Metal Construção: Espaço Engenharia Cliente: Prefeitura de Vitória Local: Vitória – ES Data do projeto: 1998 Data de conclusão da obra: 2002 A estrutura de aço deixada aparente.04 shopping centers e centros comerciais 25 . cuja estrutura de aço foi desenhada tendo como inspiração as espadas de São Jorge. A opção pelo uso do aço se deveu. numa alusão à crença de proteção contra o mau-olhado. n. Projeto: Pedro Canal Filho Colaboradores: Anna Karine de Queiroz Costa Bellini.

líder no mercado local. de aço também são as esquadrias e a cobertura de telhas trapezoidais. tendo premissas semelhantes. com a execução simultânea da infra e superestrutura. com pilares e vigas tipo caixão. 5 10 20 ELEVAÇÃO Vista externa do supermercado. 5 10 20 Foram então definidas as duas fases de ampliação. a questão do conforto dos clientes. tomou a decisão de ampliação e modernização dos seu espaço comercial em curto período de tempo. A primeira etapa de expansão. caracterizou-se pelo acréscimo de dois pavimentos com estrutura de aço. Além disso. ao tomar conhecimento dos planos de instalação de um forte concorrente. com destaque para a cobertura de aço.Edmilson Queiroz Dias Supermercado Confiança Max Sucessivas ampliações acabam por transformar um supermercado em um novo shopping center. CORTE LONGITUDINAL O Supermercado Confiança. principalmente. Foi feita a opção por um sistema construtivo industrializado com elementos em aço. 26 . com posterior montagem desta e a busca pela transparência e expressividade plástica do objeto construído. Um aspecto importante para o norteamento do projeto foi a não interrupção das atividades pré-existentes e.

Projeto de estrutura: Wilson Sebastião Franco Fabricação e Montagem da Estrutura de Aço: W. Felícia Goss Silvestre.ESPERA 10 . PEREIRA 5 10 20 Fundep Engenharia Cliente: Supermercados Confiança Local: Bauru. e Ind.ÁREA TÉCNICA 13 . também a instalação de cinema infantil. Construção: Fundep Engenharia Data do Projeto: 2000 Data de Conclusão da Obra: 2000 O resultado plástico da obra valoriza o empreendimento. Projeto de estrutura: Élcio Gabas Fabricação e Montagem da Estrutura de Aço: Bandeirantes Estruturas Metálicas de Bauru Ltda.018. SP Data do Projeto: 2000 Data de Conclusão da Obra: 2000 Fase 02 Área Construída: 7. Construção: LIO TÚ GE AS RG VA 5 6 6 13 13 2 2 2 2 2 RUA LAÉRCIO B.ESTACIONAMENTO 12 RUA ALFREDO FONTÃO 12 12 11 RUA LUSO BRASILEIRA 12 12 12 12 12 12 12 12 12 10 9 11 11 RUA 13 Projeto: GUSTAVO MACIEL 7 1 Edmilson Queiroz Dias Coordenação do Projeto: A ID EN AV Andréia Figueiredo de Souza. Já a segunda expansão teve como objetivo. resistência à corrosão e média resistência mecânica com limite de escoamento em 250 MPa Peso da Estrutura: 32.04 shopping centers e centros comerciais 27 . Ltda.69m2 Aço Empregado: Aço de alta Vistas noturnas.69m2 Aço Empregado: ASTM A36 Peso da Estrutura: 23 Ton. Com.F. Alessandra Sugawara Prudenciati. galeria de lojas e praça de convivência.7 Ton.ADMINISTRAÇÃO 11 . além da ampliação das áreas de consumo e estacionamento.018. na qual a plasticidade da arquitetura é valorizada por um acurado projeto de iluminação. dando-lhe o aspecto de um verdadeiro centro de compras. n. com elementos pré-fabricados em concreto associados com perfis de aço tipo I. Nesta segunda fase.GERÊNCIA 9 . contudo.SANITÁRIOS 12 . optou-se por um sistema misto.Edmilson Queiroz Dias Supermercado Confiança Max IMPLANTAÇÃO E TÉRREO 1 2 3 4 5 6 7 SUPERMERCADO LOJAS AGÊNCIA QUIOSQUE RECEPÇÃO CHECK-OUT AUTO ATENDIMENTO 8 . tendo-se mantido as esquadrias em aço da etapa anterior de modo a configurar a mesma imagem arquitetônica já consolidada junto aos clientes. Fase 01 Área Construída: 7.

como padaria e confeitaria. o restaurante. ao centro automotivo. floricultura e loja. Próximo a ele. e o setor de produção de alimentos. os toaletes. com a inclusão de lojas de conveniência. No prédio principal ficam a lanchonete. o quarto. oferecendo conforto e segurança. Um posto de serviços que oferece uma infra-estrutura diversificada para o antendimento das necessidades dos viajantes. pois a infra-estrutura 5 10 20 CORTE TRANSVERSAL dos postos de gasolina deixava totalmente a desejar.5 metros. Com formas arredondadas e grandes balanços. Este é o caso do Posto Rodoservice Star na rodovia Castello Branco. Panorama do Rodoservice Star desde a rodovia. um segundo bloco concentra serviços. A exemplo do que aconteceu nos grandes centros. minimercado. 28 . a cozinha. este bloco possui nas duas laterais estacionamentos cobertos com balanços de 15. um café. vem surgindo uma nova geração de postos de serviços: modernos. com dois terraços ao ar livre. à margem das rodovias brasileiras e apesar de seu estado muitas vezes precário. tabacaria. especialmente dos novos ônibus Double Deck. Foi-se o tempo em que parar para abastecer significava apenas isto. O terceiro volume destina-se ao abastecimento de combustível e. para embarque e desembarque de passageiros. finalmente. O programa do Rodoservice Star está dividido em quatro edificações. como a central de energia e a administração. o programa do Rodoservice Star. São Paulo. confortáveis e limpos.Jurandyr Bueno Filho Posto Rodoservice Star Com mastros de aço. atraentes. estação de serviço e conveniências torna-se um marco na paisagem da rodovia. cujo destaque são os mastros de aço.

Jurandyr Bueno Filho Posto Rodoservice Star Vista interna da área comercial: conforto à serviço do viajante. A parte metálica recebeu pintura de fundo e acabamento em poliuretano na cor branca.04 shopping centers e centros comerciais 29 . A estrutura do bloco principal e seus anexos foi concebida com tubos e perfis de aço de alta resistência à corrosão atmosférica. Essa estrutura foi erguida com pilares e tirantes de tubos de aço. Na cobertura. optou-se por telhas ELEVAÇÃO 5 10 20 Os vários elementos da cobertura. n. Esquadrias tipo “spider” garantem beleza e transparência ao ambiente. como grandes mastros. foram desenhados tirando partido da plasticidade e comodidade aos usuários. tornando-se marcantes na paisagem. que podem ser vistos ao longe por quem trafega pela rodovia.

500m² Aço empregado: aço com alta resistência meânica e alta resistência à corrosão com limite de escoamento em 300 MPa Peso da estrutura: 220ton Coordenação de projeto: Jurandyr Bueno Filho Projeto de estrutura: Vista da estrutura da cobertura durante a fase de construção.3 metros de altura e acabamento em pintura eletrostática branca.Jurandyr Bueno Filho Posto Rodoservice Star IMPLANTAÇÃO 25 50 100 Projeto: Jurandyr Bueno Filho Área construída: 13. empregou-se vidro temperado em larga escala. Prata Construtora (bloco lanchonete) Cliente: Grupo Rodoservice Local: Pardinho – São Paulo Data de Projeto: 2000 Data de conclusão da obra: 2001 30 . No acabamento das coberturas. No fechamento dos vãos das edificações. em que os montantes de alumínio são substituídos por cabos de aço com suportes diagonais em duralumínio injetado de 4. além da alvenaria tradicional. extremidades de balanços. marquises e passarelas foram usados painéis de alumínio composto. o que resultou em ambientes naturalmente iluminados e integrados ao exterior. As enormes vidraças foram montadas utilizando-se o sistema de esquadrias “spider”. Luis Sergio Contente (Estrutel) Fornecedor da estrutura de aço: Estrutel Estruturas Metálicas Construção: de aço termoacústicas. forros.

p. p. p. p. 181 .10: Tecsa Engenharia e Comércio Ltda. É proibida a reprodução das fotos e desenhos.20: Revista da Construtora Líder ( Departamento de Marketing do GV Shopping). p.5: Center Shopping S/A.25: Tarcísio Bahia p. fotos impressas da obra. p. endereço para postagem: Revista Arquitetura e Aço .24: Tarcísio Bahia p. exceto mediante expressa autorização do autor.ufes.13: Kiko Coelho p.23: Marcelo Aniello. p. engenheiro calculista da estrutura.CBCA Av.br www.br/~nexem/ apoio fotos: CAPA: Glauco França (Shopping Center Tamboré) p. p. material para publicação: Contribuições para as próximas edições poderão ser enviadas para o CBCA e serão avaliadas pelo Conselho Editorial de Arquitetura & Aço. p.17: Eduardo Mondolfo p. impressão: Gráfica GSA .8: Tenco Realty Ltda. p.7: Tenco Realty Ltda. Entretanto não nos comprometemos com a sua publicação.6: Center Shopping S/A. p. e Passarelas É permitida a reprodução total dos textos.11: Tecsa Engenharia e Comércio Ltda. cliente.4: Center Shopping S/A.30: Cristiano Mascaro.16: Glauco França p.15: Glauco França p. p. p.org.cbca-ibs. em versão eletrônica.29: Cristiano Mascaro. desde que mencionada sua procedência. O material enviado deverá ser acompanhado de uma autorização para sua publicação nesta revista ou no site do CBCA. Rio Branco.26: Celso Pimentel Martha.14: Glauco França p. p.28: Cristiano Mascaro.realização produção www.12: Kiko Coelho p. local. Todo o material será arquivado e caso seja possível publicá-lo o autor será comunicado.org.br email: cbca@ibs.22: Marcelo Aniello.27: Celso Pimentel Martha. datas de projeto e construção. além de endereço. Devem ser enviadas as seguintes informações: desenhos técnicos do projeto. Viadutos.9: Tenco Realty Ltda. telefone e email do remetente.28º andar 20040-007 Rio de Janeiro RJ próximo número: Pontes. p. p.21: Revista da Construtora Líder ( Departamento de Marketing do GV Shopping).19: Eduardo Mondolfo p.

cbca-ibs.br ISSN 1678-1120 9771678112067 04 .br cbca@ibs.org.org.http://www.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful